1
SFN e
CONHECIMENTOS
BANCÁRIOS
2011
Prof.: KLEBER MORALES
2
EMENTA
CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
MERCADO FINANCEIRO
 AULA 1
Estrutura do Sistema Financeiro Nacional:
Conselho M...
3
EMENTA
CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS
PRODUTOS/SERVIÇOS BANCÁRIOS E FINANCEIROS
 Aula 8
 Garantias do Sistema Financ...
4
SISTEMA FINANCEIRO
NACIONAL (SFN)
 É o conjunto de órgãos e instituições
financeiras públicas e privadas que atuam
no f...
5
SFN – Terminologia BACEN
Mercado Bancário
7
Instituições Financeiras Monetárias
Instituições Não Monetárias
 Mercado monetário
 Controla a liquidez monetária da economia.
 O mercado monetário visa ao controle da liquidez monetá...
 Mercado aberto
 A venda primária (quando há emissão de títulos) de títulos públicos é
feita por intermédio de leilão. T...
11
POLÍTICAS DE GOVERNO
 Política Monetária – controla a oferta da moeda
e da taxa de juros que garantam a liquidez ideal...
EXERCICIOS
 O Sistema Financeiro Nacional tem na sua
composição, como entidade supervisora,
(A) a Caixa Econômica Federal.
(B) o Ban...
 Considere a relação de instituições financeiras a seguir.
I – Banco do Brasil
II – Banco Nacional de Desenvolvimento Eco...
Autoridades Monetárias
CMN e BACEN
18
CONSELHO MONETÁRIO
NACIONAL (CMN) - COMPOSIÇÃO
É constituído pelos seguintes membros:
 Ministro de Estado da Fazenda (...
19
CMN - Competências
 Estabelecer as diretrizes gerais das
políticas monetária, cambial e creditícia
 Regular as condiç...
20
CMN - Objetivos
 Adaptar o volume dos meios de pagamento às reais
necessidades da economia nacional e seu processo de
...
21
CMN - Objetivos
 Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e
dos instrumentos financeiros, com vistas à
maior efici...
22
BACEN
 Banco Central do Brasil - Bacen
- uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, criada para ser o
...
 Atribuições BACEN
- Realizar operações de redesconto/empréstimo às
instituições financeiras dentro de um enfoque de polí...
24
BACEN - Funções
Política Monetária tem por objetivo controlar a
expansão da moeda e do crédito e exercer
controle sobre...
25
Comparativo
CMN BACEN
• Emite papel-moeda;
• Recebe recolhimento compulsório
e depósitos voluntários dos Bancos;
• Real...
EXERCÍCIOS
Exercícios de Provas Anteriores
 O Conselho Monetário Nacional (CMN) é integrado pelo Ministro da
Fazenda,
(A) Presidente...
 Com relação à atuação do Banco Central do Brasil, é correto
afirmar que ele
(A)) pode realizar operações de redesconto p...
 O Conselho Monetário Nacional constitui a autoridade maior na estrutura do
sistema financeiro nacional. Dentre as suas c...
 São atribuições do CMN e BACEN respectivamente:
a) -garantir o poder de compra da moeda nacional;
- adaptar o volume dos...
 O BACEN tem como premissa a Política Monetária
que tem por objetivo controlar a expansão da moeda
e do crédito e exercer...
 O Conselho Monetário Nacional é a entidade superior do sistema
financeiro nacional, NÃO sendo de sua competência
(A) est...
Conselho de Recursos e
COPOM
37
CONSELHO DE RECURSOS DO
SFN (CRSFN)
 São atribuições do Conselho de julgar em
segunda e última instância administrativ...
38
Formação da Taxa de Juros
 O COPOM (Comitê de Política Monetária
do Banco Central do Brasil) instituído em
1996 tem co...
39
Quanto ao COPOM
 A atual política monetária do país possui meta de
inflação que confere na determinação das taxas de
j...
40
COPOM - Composição
 O COPOM é composto por membros da
Diretoria Colegiada do BC: o Presidente
que possui o voto de qua...
41
O que influencia o COPOM na
determinação da Taxa SELIC
 Fatores externos:
- estabilidade/instabilidade em economias
em...
EXERCÍCIOS
 O Comitê de Política Monetária − COPOM tem como objetivo:
(A) Reunir periodicamente os ministros da Fazenda e do Planeja...
 O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN)
é um órgão colegiado, integrante da estrutura do Ministéri...
SEGUROS
46
Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)
 Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) - órgão responsável
por fix...
Superintendência de Seguros Privados
(SUSEP)
 Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) - autarquia vinculada ao
Minis...
Conselho Nacional de Previdência
Complementar (CNPC)
 Conselho Nacional de Previdência
Complementar (CNPC) é um órgão
col...
Superintendência Nacional de
Previdência Complementar (PREVIC)
 A Superintendência Nacional de Previdência
Complementar (...
Entidades fechadas de previdência
complementar (fundos de pensão)
 As entidades fechadas de previdência complementar
(fun...
51
Entidades Abertas de Previdência
Complementar
 São entidades abertas sob forma de
sociedades anônimas e têm por objeti...
Entidades abertas de previdência
complementar
 Entidades abertas de previdência complementar - são
entidades constituídas...
 INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL
 IRB funciona como câmara de compensação
 O IRB é uma espécie de câmara de compensaç...
Resseguradores - Entidades, constituídas
sob a forma de sociedades anônimas,
que têm por objeto exclusivo a realização
de ...
55
IRB – INSTITUTO DE
RESSEGUROS DO BRASIL
 Sociedade de Economia Mista que regula:
- Co-seguro – reparte o risco com out...
Sociedades seguradoras
 Sociedades seguradoras - são entidades,
constituídas sob a forma de sociedades
anônimas, especial...
Sociedades de capitalização
 Sociedades de capitalização - são entidades,
constituídas sob a forma de sociedades
anônimas...
Planos de Previdência Aberta
 O PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livre) é uma moderna modalidade
de plano de previdência...
Planos de Previdência – I.R
 PGBL - Abatimento* das contribuições no Imposto de
Renda (até o limite de 12% da Renda Bruta...
EXERCÍCIOS
 As entidades fechadas de previdência complementar, também conhecidas como fundos de pensão,
são organizadas sob a forma ...
 Em relação às entidades de previdência privada abertas, é
correto afirmar:
(A) O balanço e os balancetes deverão ser env...
 As Entidades Abertas de Previdência Complementar caracterizam-se por
(A) terem como órgão responsável a Superintendência...
65
AUTORIDADES DE APOIO
CVM – BNDES – CAIXA - BB
CVM (Comissão de Valores Mobiliários)
CVM
69
BNDES
 É uma ex-autarquia federal enquadrada como empresa
pública vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Indústria...
70
BNDES
 Suas linhas de apoio contemplam financiamentos de longo
prazo e custos competitivos, para o desenvolvimento de
...
71
BANCO DO BRASIL S/A (BB)
Banco múltiplo, representa o governo:
 na função de agente financeiro do governo
 na polític...
BB
73
CAIXA
 Principal agente de políticas públicas do
governo federal.
 Empresa 100% pública que atende não
apenas aos seu...
SBPESBPE
CAIXACAIXA
SociedadesSociedades
dede
CréditoCrédito
ImobiliárioImobiliário
AssociaçõesAssociações
dede
Poupança e...
75
CAIXA
 Possui parcerias com o poder público,
especialmente o municipal, para
implantação de projetos de infra-estrutur...
EXERCÍCIOS
 Compete à Comissão de Valores Mobiliários – CVM disciplinar
as seguintes matérias:
I. registro de companhias abertas.
II...
 Compete ao Banco do Brasil S.A.:
a) executar os serviços do meio-circulante
b) ser depositário das reservas oficiais de ...
 Em relação ao Banco do Brasil S.A., analise as afirmações abaixo.
I. É sociedade de economia mista controlada pela União...
 São objetivos do BNDES, com exceção de:
a) fortalecer o setor empresarial nacional
b) captar recursos a curto prazo
c) c...
Instituições Financeiras
83
Instituições de Crédito de
Curto Prazo
- Bancos Comerciais;
- Caixas Econômicas;
- Bancos Cooperativos/Cooperativas de
...
84
Instituições de Crédito de Médio e
Longo Prazos
 Bancos de Desenvolvimento;
 Bancos de Investimento;
 Caixas Econômi...
85
CAIXAS ECONÔMICAS (CE)
 Função:
Sua principal atividade e integrar o Sistema
Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBP...
86
BANCOS COMERCIAIS
 Objetivo:
- proporcionar recursos para financiar no
curto e médio prazos o comércio,
indústria, emp...
87
Bancos Comerciais – Operações
 Operações ativas – empréstimos e financiamentos
para os clientes;
 Operações passivas ...
88
BANCOS DE DESENVOLVIMENTO (BD)
 O BNDES é o principal agente do
Governo no financiamento de médio e
longo prazos aos s...
89
BANCOS DE DESENVOLVIMENTO
 São instituições financeiras controladas
pelos governos estaduais e têm como
objetivo precí...
90
Cooperativa de Crédito (CC)
 Atuam basicamente no setor primário da
economia com o objetivo de permitir uma
melhor com...
91
Cooperativas de Crédito
 São sociedade de pessoas e possuem natureza jurídica
própria;
 Limite mínimo de 20 cooperado...
92
Bancos Comerciais Cooperativos
 Deve fazer constar, obrigatoriamente, de sua
denominação a expressão "Banco Cooperativ...
93
Banco Comercial Cooperativo
 É o banco comercial ou banco múltiplo
constituído, obrigatoriamente, com
carteira comerci...
94
BANCOS DE INVESTIMENTO
 Obrigatoriamente na sua denominação
social deve possuir a expressão Banco de
Investimento.
 O...
 Não possuem contas correntes e captam
recursos via depósitos a prazo, repasses de
recursos externos, internos e venda de...
96
SOCIEDADE DE CRÉDITO
IMOBILIÁRIO (SCI)
 São instituições financeiras constituídas
sob forma de S.A que atuam no
financ...
97
Sociedades de Crédito Imobiliário
 Foram criadas pelo governo para financiar
o mercado imobiliário, utilizando a
cader...
98
ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E
EMPRÉSTIMO (APE)
 Constituídas sob a forma de sociedade
civil, sendo de propriedade comum dos...
99
Sociedade de Crédito, Financiamento
e Investimento (Financeira)
 Sua função é financiar bens de consumo
duráveis por m...
Agência de Fomento
Agência de Fomento
Bancos de Desenvolvimento
Bancos de Desenvolvimento
Sociedade de Crédito Imobiliário
Sociedade de Crédito Imobiliário
Sociedade de Crédito ao
Microempreendedor
Sociedades Corretoras de Câmbio
EXERCÍCIOS
 O principal produto de uma instituição financeira é:
a) abrir cadernetas de poupança;
b) prestar atendimento recebendo c...
 (ESAF/Banco Central/Analista/2002)
Das opções abaixo, assinale aquela que contém um participante do sistema financeiro
n...
Assinale a alternativa que esteja errada:
a)São atribuições do Conselho de Recursos:do SFN (CRSFN) julgar em segunda e
últ...
São consideradas instituições de Curto
Prazo:
a) Cooperativas e Caixas Econômicas
b) Bancos de Desenvolvimento;
c)Bancos d...
São consideradas operações ativas dos
Bancos Comerciais:
a)depósitos e aplicações dos clientes;
b)hipoteca, Penhor e Cauçã...
Não possuem conta corrente e captam
recursos por meio de CDB/RDB:
a) Bancos de Desenvolvimento
b) Cooperativas de Crédito
...
São atribuições do CMN e BACEN respectivamente:
a) -garantir o poder de compra da moeda nacional;
- adaptar o volume dos m...
Banco Múltiplo
Caderneta de Poupança
LEASING
118
BANCOS MÚLTIPLOS
 São instituições financeiras privadas ou públicas
que realizam as operações ativas, passivas e
aces...
Caderneta de Poupança
 Criada originalmente para captar recursos para o
Sistema Financeiro Habitacional;
 A Poupança é u...
Caderneta de Poupança
 Os valores depositados e mantidos em depósito por
prazo inferior a um mês não recebem nenhuma
remu...
Caderneta de Poupança
 O cliente pode se ter quantas contas se desejar;
 A data de remuneração de depósitos em
caderneta...
122
SOCIEDADES DE ARRENDAMENTO
MERCANTIL(leasing)
 Constituída sob forma de S.A, devendo
constar na denominação social a
...
123
SOCIEDADES DE ARRENDAMENTO
MERCANTIL (Leasing)
 Estas sociedades nasceram do reconhecimento
de que o lucro de uma ati...
124
Empresas de Leasing
 O que é leasing- também denominado arrendamento
mercantil, é uma operação em que o proprietário
...
125
Empresas de Leasing
 Leasing é um negócio jurídico realizado entre pessoa
jurídica na qualidade de arrendadora e pess...
126
Tipos de Leasing
 Leasing Operacional: a empresa de leasing fica responsável
pela manutenção do bem arrendado para o ...
127
Empresas de Leasing
 A Quitação antes do encerramento do prazo
descaracteriza legalmente o arrendamento mercantil e a...
EXERCÍCIO
De acordo com as normas do Conselho Monetário
Nacional – CMN, os bancos múltiplos devem ser constituídos
com, no mínimo, d...
•Captam recursos no mercado por meio de debêntures, letras de Câmbio
e CDB e emissão de LH, respectivamente:
a)Banco de de...
Instituições Não Financeiras e
Não supervisionadas pelo
BACEN ou pela CVM
Sociedade de Fomento Mercantil
(Factoring)
 A operação consiste quando um sacador
(normalmente pessoa jurídica – micro e
...
Sociedade de Fomento Mercantil
(Factoring)
 A factoring é uma atividade essencialmente mercantil
em que o pré-requisito é...
Sociedades Administradoras de
Cartões de Crédito (SACC)
 São sociedades não bancárias e que necessitam de
uma fonte disti...
Sociedades Administradoras de
Seguro de Saúde
 São empresas que atendem ao interesse das
pessoas que buscam se resguardar...
137
MERCADO DE CAPITAIS
PROF.: Kleber
138
SOCIEDADES CORRETORAS DE
TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS
 Instituições típicas do mercado acionário,
operando com compr...
139
SOCIEDADES CORRETORAS
 São instituições típicas do mercado acionário,
operando com compra, venda e distribuição de
tí...
140
SOCIEDADES DISTRIBUIDORAS
 Suas atividades são mais restritas que a
das corretoras, já que não têm acesso às
bolsas d...
141
SOCIEDADE DISTRIBUIDORA
 São constituídas sob a forma de S.A ou
Ltda, constando o nome na denominação.
 Diferentemen...
CUSTÓDIA E LIQUIDAÇÃO
SELIC
 Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC, criado
em 1979, é um sistema informatizado destinado ao regi...
 CETIP - Central de Custódia e de Liquidação
Financeira de Títulos (a partir de 2008, CETIP S.A. -
Balcão Organizado de A...
CBLC - Companhia Brasileira de
Liquidação e Custódia
 É uma empresa com fins lucrativos, registrada sob a forma de
socied...
CBLC
A CETIP S.A. tem por finalidade
(A) garantir a liquidação financeira de transações de títulos privados
entre instituições ...
11) Qual definição dos Mercados Financeiros
não está correta a alternativa?
a) Mercado monetário -Controla a liquidez mone...
Tempo de Liquidação
 Cheques a partir de R$ 300 – D +1 e para
valores menores D+ 2.
 Títulos públicos privados e de rend...
MERCADO DE CAPITAIS
INSTITUIÇÕESINSTITUIÇÕES
AUXILIARESAUXILIARES
BolsasBolsas
dede
ValoresValores
SociedadesSociedades
CorretorasCorretoras
d...
158
BOLSA DE VALORES
 Instituição em que se negociam títulos e ações.
As Bolsas de Valores são importantes nas
economias ...
159
BOLSA DE VALORES
 A Bolsa de Valores é uma instituição sem fins lucrativos,
atualmente são os caso da BVRJ e da Soma,...
Bolsas de ValoresBolsas de Valores
 Proporcionam liquidez aos títulos negociados,Proporcionam liquidez aos títulos negoci...
161
162
Mercado de Capitais Mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores
mobiliários que proporciona liquidez aos ...
ÍNDICES do Mercado de Capitais
 Índice Bovespa (Ibovespa) é o índice que acompanha a
evolução média das cotações das açõe...
EXERCÍCIOS
A BM&FBOVESPA S.A. é caracterizada como
(A) espaço em que exclusivamente são negociadas ações de emissão de empresas
brasi...
11) Qual definição dos Mercados Financeiros
não está correta a alternativa?
a) Mercado monetário -Controla a liquidez mone...
12) Quanto ao Mercado de Opções
não podemos afirmar.a) Mercado em que são negociados direitos de compra ou
venda de um lot...
13) Quanto ao Mercado a Termo
não podemos dizer:
A) É a compra ou a venda de uma determinada quantidade de
ações, a um pre...
14) Quanto aos Mercados qual está errada?
a) MERCADO FUTURO - Mercado onde são realizadas operações
envolvendo lotes padro...
171
MERCADOS
 MERCADO DE AÇÕES - Segmento do mercado de capitais que
compreende a colocação primária em mercado de ações ...
Megabolsa
 Mega Bolsa (Sistema Eletrônico de Negociação) - é um sistema que
permite às sociedades corretoras cumprir as o...
173
MERCADOS
MERCADO PRIMÁRIO - Onde ocorre a colocação
de ações ou outros títulos, provenientes de novas
emissões. As emp...
174
MERCADOS DE CAPITAIS
 MERCADO DE CAPITAIS - Envolve toda a rede de Bolsa de Valores e
instituições financeiras que op...
176
MERCADO FINANCEIRO
CAIXA
2008
PROF.: Kleber
AULA 4
Mercados a Vista e de
Derivativos
As operações em bolsa são efetuadas nos
seguintes mercados:
 a vista – no qual comprado...
Mercado de Opções
 MERCADO DE OPÇÕES
Mercado em que são negociados direitos de compra ou venda de um lote
de ações, com p...
MERCADO DE OPÇÕES
OPÇÃO DE COMPRA (CALL) DE AÇÕES
 Direito outorgado ao titular da opção de, se o
desejar, adquirir do la...
180
AS AÇÕES
 Ordinárias – atualmente conferem direitos
comuns aos sócios sem restrições ou
privilégios.
 Preferenciais ...
181
Direitos de uma Ação
 Dividendos – crédito em dinheiro na
posição dos acionistas;
 Juros – direito do acionista refe...
A Dinâmica das Operações em
Bolsa
Tipos de Ordem
Quando o investidor transmite sua ordem a uma Corretora na qual
é cadastr...
183
O que pode ocorre com uma Ação
 Split ou Desdobramento – distribuição gratuita
da Empresa devido a diluição do valor ...
184
DEFINIÇÕES
 SALDO COMERCIAL - Resultado das exportações menos as importações.
Se o saldo é positivo, chama-se de supe...
185
DEFINIÇÕES
 SUBSCRIÇÃO - Lançamento de novas ações por uma
sociedade anônima, com a finalidade de obter os recursos
n...
186
MERCADOS
 MERCADO DE OPÇÕES - Mercado onde são
negociados direitos de compra ou venda de um lote de
valores mobiliári...
187
DEFINIÇÕES
 Conta Margem - É considerada uma operação
extra Bolsa na qual a Corretora empresta ao
cliente para aprove...
188
BOLSA DE MERCADORIAS
 Mercado de Comodities (Mercadorias) e
Futuros
Mercado centralizado para transações com
mercador...
189
BM&F
 BM&F - Instituição onde se efetua o registro, a
compensação e a liquidação, física e financeira,
das operações ...
190
BOLSA DE MERCADORIAS E
FUTUROS (BM&F)
 Com o lançamento de ações na Bolsa a
companhia tornou-se uma sociedade por
açõ...
191
Mercados Negociados na BM&F
 Derivativos
- Futuros (Agropecuários e Financeiros);
- Opções – sua variação depende de ...
Definições no Mercado de Capitais
 Mercado de Swaps
Aquele em que as partes trocam um índice de rentabilidade por outro, ...
Home Broker
 Home broker é o sistema que possibilita ao investidor encaminhar
ordens de compra e venda de ações e de opçõ...
MERCADO FUTURO
 Todas as posições no Mercado Futuro de
Ações, quer sejam compradoras ou vendedoras,
requerem o depósito d...
Fundos de Ações
 A CVM – Comissão de Valores Mobiliários
determinou que a partir de agora todos os fundos
de ações passam...
196
MERCADO BALCÃO
 No mercado de balcão os valores mobiliários
são negociados entre as instituições
financeiras sem loca...
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Videoaula conh banc
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Videoaula conh banc

1.985 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.985
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Videoaula conh banc

  1. 1. 1 SFN e CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 2011 Prof.: KLEBER MORALES
  2. 2. 2 EMENTA CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS MERCADO FINANCEIRO  AULA 1 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Exercícios  AULA 2 bancos comerciais; caixas econômicas; cooperativas de crédito; bancos comerciais cooperativos; bancos de investimento; bancos de desenvolvimento; sociedades de crédito, financiamento e investimento; sociedades de arrendamento mercantil; sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários; sociedades distribuidoras de títulos e valores Mobiliários. Exercícios  AULA 3 SUSEP – Superintendência de Seguros Privados Entidades Fechadas e Abertas de Previdência Sistemas de Seguros Privados e de Capitalização SPC – Secretaria de Previdência Complementar SELIC, CETIP Bolsa de Valores Sociedades Corretoras de títulos e Valores Mobiliários Sociedades Distribuidoras de Valores Mobiliários IRB (Instituto de Resseguros do Brasil) Resseguros Exercícios  AULA 4 e 5  Mercado de Capitais  Mercado Primário e Secundário  Bolsa de Mercadoria e Futuros  Funcionamento do Mercado de Ações  Mercado Balcão  Bolsa Soma  Mercado a Termo  Mercado Futuro  Mercado de Opções  Mercado de Câmbio  Exercícios  AULA 6  Instrumentos de Política Monetária  Fixação da taxa de juros - COPOM  Política Fiscal  Política de Crédito  Noções de Política Econômica  Operações básicas e contratos de Câmbio  Características da taxa de câmbio  AULA 7  Sistema Brasileiro de Pagamentos  Fundo Garantidor de Crédito  SISCOMEX entidades abertas e entidades fechadas de previdência privada; corretoras de seguros; sociedades administradoras  de seguro-saúde. 3 Sociedades de fomento mercantil (factoring); sociedades administradoras de cartões de crédito
  3. 3. 3 EMENTA CURSO DE CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PRODUTOS/SERVIÇOS BANCÁRIOS E FINANCEIROS  Aula 8  Garantias do Sistema Financeiro Nacional: aval; fiança; penhor mercantil;  alienação fiduciária; hipoteca; fianças bancárias; Fundo Garantidor de Crédito (FGC).  financiamento à importação e à  exportação – repasses de recursos do BNDES; cartões de crédito; títulos de capitalização; planos de  aposentadoria e pensão privados; planos de seguros.  Exercícios  AULA 9 a 12  Produtos e serviços financeiros: depósitos à vista; depósitos a prazo (CDB e RDB); letras de câmbio; cobrança e pagamento de títulos e carnês; transferências automáticas de fundos; commercial papers; arrecadação de tributos e tarifas públicas; home/office banking, remote banking, banco virtual,  dinheiro de plástico; conceitos de corporate finance; fundos mútuos de investimento; hot money; contas  garantidas; crédito rotativo; descontos de títulos; financiamento de capital de giro; vendor  finance/compror finance; leasing (tipos, funcionamento, bens); financiamento de capital fixo; crédito direto ao consumidor; crédito rural; cadernetas de poupança;  Exercícios
  4. 4. 4 SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL (SFN)  É o conjunto de órgãos e instituições financeiras públicas e privadas que atuam no fluxo de recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas e governo) que possuem poupança para àqueles que desejam investir.
  5. 5. 5 SFN – Terminologia BACEN
  6. 6. Mercado Bancário
  7. 7. 7 Instituições Financeiras Monetárias
  8. 8. Instituições Não Monetárias
  9. 9.  Mercado monetário  Controla a liquidez monetária da economia.  O mercado monetário visa ao controle da liquidez monetária da economia, sendo os títulos públicos os papéis mais negociados neste mercado. É também aqui que ocorrem as negociações de Certificados de Depósitos Interfinanceiros (CDI) e Certificados de Depósitos Bancários (CDB).  Mercado de capitais  Seu objetivo é de atender as necessidades de financiamento de médio e longo prazo das empresas através de emissão de títulos de créditos, sendo os principais as debêntures, commercial paper e ações.  Este mercado vem sendo beneficiado por emissão de dívida da empresa, criação de novos mercados, difusão da cultura de investimentos no mercado de capitais, queda na cobrança de CPMF e outras.  Mercado de câmbio  Importadores, exportadores, investidores, internacionais, empresas multinacionais e devedores, vendem e compram moedas no mercado de cambio, principalmente para pagamento de compromissos no exterior. Este é o maior mercado do mundo. É fundamental no processo de desenvolvimento econômico do país.  Mercado de crédito  Este mercado procura suprir as necessidades de caixa a curto e médio prazo, dos agentes econômicos.
  10. 10.  Mercado aberto  A venda primária (quando há emissão de títulos) de títulos públicos é feita por intermédio de leilão. Trata-se de instrumento de política monetária do governo, como forma de captar recursos.  Existe um mercado secundário de títulos públicos. No mercado secundário se negociam títulos já emitidos e vendidos previamente.Estes títulos são negociados no mercado aberto.  Títulos públicos federais - O governo federal emite títulos através do Tesouro Nacional e do Banco Central. Os títulos emitidos pelo Tesouro têm por finalidade a execução de sua política fiscal. Em outras palavras, busca financiar o governo. Já os títulos emitidos pelo Bacen são de curto prazo e buscam a implementação e execução da política monetária. Veja os títulos sob responsabilidade da União: LTN, LFT, NTN, BBC, LBC.  O mercado de debêntures – por sua complexidade e ainda pela reduzida liquidez de negócios, quando comparadas aos títulos públicos e às ações – tem como principais participantes os investidores institucionais: fundos de investimento, fundos de pensão e instituições financeiras. Entretanto, com a crescente padronização do título e as novas condições macroeconômicas, tem havido, cada vez mais, uma maior participação de investidores pessoas físicas.
  11. 11. 11 POLÍTICAS DE GOVERNO  Política Monetária – controla a oferta da moeda e da taxa de juros que garantam a liquidez ideal a cada momento econômico.  Política Fiscal – controla as receitas e despesas do governo, através da aplicação de carga tributária exercida pelos agentes econômicos com base nos tributos captados.  Política de Crédito – determina o controle da taxa de juros ao consumidor, contribuindo para um aumento ou redução do consumo e por conseguinte do índice inflacionário.
  12. 12. EXERCICIOS
  13. 13.  O Sistema Financeiro Nacional tem na sua composição, como entidade supervisora, (A) a Caixa Econômica Federal. (B) o Banco Central do Brasil. (C) o Banco da Amazônia. (D) o Banco do Nordeste. (E) o Banco do Brasil.  (AFC/CGU 2008) - Com relação a composição do SFN, aponte a entidade que não desempenha o papel de supervisora no referido Sistema. a) BACEN b) Superintendência de Previdência Complementar (PREVIC) c) Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) d) Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) e) Comissão de Valores Mobiliários (CVM)
  14. 14.  Considere a relação de instituições financeiras a seguir. I – Banco do Brasil II – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social III – Bancos Comerciais IV – Bancos Regionais de Desenvolvimento V – Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento VI – Bancos de Investimento São consideradas instituições financeiras monetárias APENAS as nomeadas em (A) I e II. (B) I e III. (C) III e IV. (D) I, III e V. (E) I, III e VI.  As instituições financeiras não monetárias (A) incluem os bancos comerciais. (B) incluem as cooperativas de crédito. (C) incluem as caixas econômicas. (D) captam recursos através da emissão de títulos. (E) captam recursos através de depósitos à vista.
  15. 15. Autoridades Monetárias CMN e BACEN
  16. 16. 18 CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN) - COMPOSIÇÃO É constituído pelos seguintes membros:  Ministro de Estado da Fazenda (Presidente)  Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão  Presidente do Banco Central do Brasil Os serviços de secretaria do CMN são exercidos pelo Banco Central Obs: CMN não é uma autarquia mas sim um CONSELHO
  17. 17. 19 CMN - Competências  Estabelecer as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e creditícia  Regular as condições de constituição, funcionamento e fiscalização das instituições financeiras  Disciplinar os instrumentos de política monetária e cambial  Zelar pela liquidez da Economia e das Instituições Financeiras.
  18. 18. 20 CMN - Objetivos  Adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia nacional e seu processo de desenvolvimento  Regular o valor interno da moeda, para tanto prevenindo ou corrigindo os surtos inflacionários ou deflacionários de origem interna ou externa, as depressões econômicas e outros desequilíbrios oriundos de fenômenos conjunturais  Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio no balanço de pagamento do País, tendo em vista a melhor utilização dos recursos em moeda estrangeira  Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras, quer públicas, quer privadas, tendo em vista propiciar, nas diferentes regiões do País, condições favoráveis ao desenvolvimento harmônico da economia nacional
  19. 19. 21 CMN - Objetivos  Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos, fixando o capital mínimo das Instituições Financeiras.  Coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública, interna e externa  Autorizar emissões de papel moeda  Aprovar orçamentos monetários preparados pelo Banco Central do Brasil
  20. 20. 22 BACEN  Banco Central do Brasil - Bacen - uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, criada para ser o agente da sociedade brasileira na promoção da estabilidade do poder de compra da moeda brasileira. O Bacen é o órgão executivo central do sistema financeiro, funciona como secretaria executiva do CMN, cabendo-lhe a responsabilidade de cumprir as disposições que regulam o funcionamento do SFN e as normas expedidas pelo Conselho, é considerado o "Banco dos Bancos". Missão e Objetivos: Tem como missão institucional assegurar a estabilidade do poder de comércio da moeda, bem como a solidez do Sistema Financeiro Nacional. Seu objetivo subdivide-se em três macroprocessos: - Formular e gerir as políticas monetárias e cambial, compatíveis com as diretrizes do Governo Federal (CMN); - Regular e supervisionar o Sistema Financeiro Nacional; - Administrar o sistema de pagamentos brasileiro - SPB e o meio circulante.
  21. 21.  Atribuições BACEN - Realizar operações de redesconto/empréstimo às instituições financeiras dentro de um enfoque de política econômica do Governo ou como socorro a problemas de liquidez (empréstimo Banco para Banco); - Efetuar, como instrumento de política monetária, operações de compra e venda de títulos públicos federais; - Estabelecer as condições para o exercício de qualquer cargo de direção nas instituições financeiras privadas (responsável pela movimentação do dinheiro); - Vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de capitais, exercer controle de crédito. Obs: O BC não fiscaliza e nem autoriza o funcionamento das administradoras cartões, pois elas não são instituições financeiras e, muito menos, fazem parte do Sistema Financeiro Nacional, são acompanhadas pelos organismos de proteção ao consumidor, por outro lado as Adm. de Consórcio tem acompanhamento de suas atividades pelo BACEN.
  22. 22. 24 BACEN - Funções Política Monetária tem por objetivo controlar a expansão da moeda e do crédito e exercer controle sobre a taxa de juros, utilizando-se dos instrumentos clássicos:  Operações de mercado aberto – maior versatilidade em acomodar as variações diárias da liquidez.  Reservas compulsórias – influenciar a disponibilidade das reservas bancárias e controlar a expansão dos agregados monetários;  Assistência financeira de liquidez – determina o custo no não cumprimento dessas exigibilidades compulsórias, influenciando a atuação dos agentes financeiros.
  23. 23. 25 Comparativo CMN BACEN • Emite papel-moeda; • Recebe recolhimento compulsório e depósitos voluntários dos Bancos; • Realiza operações de Redesconto e empréstimos a Bancos; • Efetua Instrumento de Política Monetária, operações de compra e venda de títulos públicos; • Controla o fluxo de capitais estrangeiros e funcionamento do mercado cambial, operações no exterior. •Autoriza a emissões de papel- moeda; • Determina as taxas do recolhimento compulsório dos Bancos; • Regula operações de Redesconto; • Estabelece normas para transações com títulos públicos; • Coordena as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida interna e externa.
  24. 24. EXERCÍCIOS
  25. 25. Exercícios de Provas Anteriores  O Conselho Monetário Nacional (CMN) é integrado pelo Ministro da Fazenda, (A) Presidente do Banco Central do Brasil e Presidente da Comissão de Valores Mobiliários. (B) Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão e Presidente do Banco Central do Brasil. (C) Presidente do Banco Central do Brasil e membros do Comitê de Política Monetária. (D) Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Presidente do Banco Central do Brasil. (E) Presidente do Banco do Brasil e Presidente da Caixa Econômica Federal.  A função de zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras autorizadas a funcionar no País é (A) da Federação Brasileira de Bancos. (B) do Fundo Garantidor de Crédito. (C) da Comissão de Valores Mobiliários. (D) do Ministério da Fazenda. (E) do Conselho Monetário Nacional.
  26. 26.  Com relação à atuação do Banco Central do Brasil, é correto afirmar que ele (A)) pode realizar operações de redesconto para instituições financeiras. (B) não pode comprar ou vender títulos públicos federais. (C) pode limitar as taxas de juros. (D) pode determinar o capital mínimo das companhias abertas, no mercado de capitais. (E) fiscaliza as companhias de seguro. ________________________________________________________  Uma forma de buscar a segurança do sistema financeiros e dá com a fixação do capital mínimo das instituições financeiras, cuja competência é do (A) Ministro da Fazenda. (B) Presidente da República. (C)) Conselho Monetário Nacional. (D) Banco Central do Brasil. (E) Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional.
  27. 27.  O Conselho Monetário Nacional constitui a autoridade maior na estrutura do sistema financeiro nacional. Dentre as suas competências, é correto afirmar que (A) concede autorização às instituições financeiras, a fim de que possam funcionar no país. (B) efetua o controle dos capitais estrangeiros. (C)) regula a constituição, o funcionamento e a fiscalização das instituições financeiras. (D) fiscaliza o mercado cambial. (E) recebe os recolhimentos compulsórios das instituições financeiras. _________________________________________________________  NÃO se refere a uma competência do Banco Central do Brasil: (A) exercer a fiscalização das instituições financeiras. (B) executar os serviços do meio circulante. (C) emitir moeda-papel e moeda metálica. (D) receber os recolhimentos compulsórios. (E)) fixar as diretrizes e normas da política cambial.
  28. 28.  São atribuições do CMN e BACEN respectivamente: a) -garantir o poder de compra da moeda nacional; - adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia; b) -realizar operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras; - regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos; c) - autorizar o funcionamento das instituições financeiras - orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras; d)- zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras; - zelar pela adequada liquidez da economia e pelo aperfeiçoamento do sistema financeiro e) - emitir papel-moeda e moeda metálica executando os serviços do meio circulante; - coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária e da dívida pública interna e externa.
  29. 29.  O BACEN tem como premissa a Política Monetária que tem por objetivo controlar a expansão da moeda e do crédito e exercer controle sobre a taxa de juros, utilizando-se das seguintes operações: a)Compra e Venda de Moeda e controle da Base Monetária b)Open-market, Redesconto e Depósito Compulsório c)Controle dos meios de pagamento, controle do crédito d)Atingimento de metas, câmbio e política de crédito e)Controle da Base Monetária e do papel moeda.
  30. 30.  O Conselho Monetário Nacional é a entidade superior do sistema financeiro nacional, NÃO sendo de sua competência (A) estabelecer a meta de inflação. (B) zelar pela liquidez e pela solvência das instituições financeiras. (C) regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos. (D) regular o valor interno da moeda, prevenindo e corrigindo surtos inflacionários ou deflacionários. (E) fixar o valor do superávit primário do orçamento público.  O Banco Central do Brasil é o órgão executivo central do sistema financeiro e suas competências incluem (A) aprovar o orçamento do setor público brasileiro. (B) aprovar e garantir todos os empréstimos do sistema bancário. (C) administrar o serviço de compensação de cheques e de outros papéis. (D) organizar o funcionamento das Bolsas de Valores do país. (E) autorizar o funcionamento, estabelecendo a dinâmica operacional de todas as instituições financeiras do país.
  31. 31. Conselho de Recursos e COPOM
  32. 32. 37 CONSELHO DE RECURSOS DO SFN (CRSFN)  São atribuições do Conselho de julgar em segunda e última instância administrativa os recursos interpostos nas decisões relativas as penalidades aplicadas pelo BACEN, CVM e SECEX.  Estrutura: representantes da CVM, M.Fazenda,BACEN, SECEX (MIDIC) e 4 de entidades de classe.
  33. 33. 38 Formação da Taxa de Juros  O COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil) instituído em 1996 tem como objetivo estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros de nome SELIC que corresponde a média dos financiamentos diários com lastro em títulos federais, apurados pelo sistema especial de liquidação e custódia (SELIC).
  34. 34. 39 Quanto ao COPOM  A atual política monetária do país possui meta de inflação que confere na determinação das taxas de juros uma enorme importância para o rumo da Economia do país.  O Comitê que reune-se a cada 45 dias e divulga a Ata da Reunião na semana seguinte, sendo que o Comitê pode definir um viés da taxa para baixo ou para o alto, neste caso o Presidente do BC tem poderes para alterar a taxa sem convocar reunião, por outro senão houver viés será obrigado esperar a nova reunião do COPOM.
  35. 35. 40 COPOM - Composição  O COPOM é composto por membros da Diretoria Colegiada do BC: o Presidente que possui o voto de qualidade, além dos diretores de Política Monetária, Política Econômica, Estudos Especiais, Assuntos Internacionais, Sistema Financeiro, Fiscalização e Administração.
  36. 36. 41 O que influencia o COPOM na determinação da Taxa SELIC  Fatores externos: - estabilidade/instabilidade em economias emergentes BRIC e EUA, além dos preços do petróleo no mercado internacional.  Fatores internos: pressão inflacionária, contensão do consumo e estímulo a poupança ou ao contrário para gerar mais empregos, além de entressafras ou super-safras.
  37. 37. EXERCÍCIOS
  38. 38.  O Comitê de Política Monetária − COPOM tem como objetivo: (A) Reunir periodicamente os ministros da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão e o presidente do Banco Central do Brasil. (B) Coletar as projeções das instituições financeiras para a taxa de inflação. (C) Divulgar mensalmente as taxas de juros de curto e longo prazos praticadas no mercado financeiro. (D) Promover debates acerca da política monetária até que se alcance consenso sobre a taxa de juros de curto prazo a ser divulgada em ata. (E) Implementar a política monetária e definir a meta da Taxa SELIC e seu eventual viés. _____________________________________________________  O Comitê de Política Monetária (COPOM) (A) divulga semanalmente a taxa de juros de curto prazo verificada no mercado financeiro. (B) tem como objetivo cumprir as metas para a inflação definidas pela Presidência da República. (C) é composto pelos membros da Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil. (D) tem suas decisões homologadas pelo ministro da Fazenda. (E) discute e determina a atuação do Banco Central do Brasil no mercado de câmbio.
  39. 39.  O Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional (CRSFN) é um órgão colegiado, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda, que julga recursos I. em segunda e última instância administrativa. II. em primeira instância, de decisões do Banco Central do Brasil relativas a penalidades por infrações à legislação cambial. III. de decisões da Comissão de Valores Mobiliários relativas a penalidades por infrações à legislação de capitais estrangeiros. Está correto o que consta em (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III.
  40. 40. SEGUROS
  41. 41. 46 Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)  Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) - órgão responsável por fixar as diretrizes e normas da política de seguros privados; é composto pelo Ministro da Fazenda (Presidente), representante do Ministério da Justiça, representante do Ministério da Previdência Social, Superintendente da Superintendência de Seguros Privados, representante do Banco Central do Brasil e representante da Comissão de Valores Mobiliários.  Dentre as funções do CNSP estão: regular a constituição, organização, funcionamento e fiscalização dos que exercem atividades subordinadas ao SNSP, bem como a aplicação das penalidades previstas; fixar as características gerais dos contratos de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro; estabelecer as diretrizes gerais das operações de resseguro; prescrever os critérios de constituição das Sociedades Seguradoras, de Capitalização, Entidades de Previdência Privada Aberta e Resseguradores, com fixação dos limites legais e técnicos das respectivas operações e disciplinar a corretagem de seguros e a profissão de corretor.
  42. 42. Superintendência de Seguros Privados (SUSEP)  Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) - autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda; é responsável pelo controle e fiscalização do mercado de seguro, previdência privada aberta e capitalização. Dentre suas atribuições estão: fiscalizar a constituição, organização, funcionamento e operação das Sociedades Seguradoras, de Capitalização, Entidades de Previdência Privada Aberta e Resseguradores, na qualidade de executora da política traçada pelo CNSP;  atuar no sentido de proteger a captação de poupança popular que se efetua através das operações de seguro, previdência privada aberta, de capitalização e resseguro; zelar pela defesa dos interesses dos consumidores dos mercados supervisionados; promover o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos operacionais a eles vinculados; promover a estabilidade dos mercados sob sua jurisdição; zelar pela liquidez e solvência das sociedades que integram o mercado; disciplinar e acompanhar os investimentos daquelas entidades, em especial os efetuados em bens garantidores de provisões técnicas; cumprir e fazer cumprir as deliberações do CNSP e exercer as atividades que por este forem delegadas; prover os serviços de Secretaria Executiva do CNSP.
  43. 43. Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC)  Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) é um órgão colegiado que integra a estrutura do Ministério da Previdência Social e cuja competência é regular o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão).
  44. 44. Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC)  A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) é uma autarquia vinculada ao Ministério da Previdência Social, responsável por fiscalizar as atividades das entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão).  A Previc atua como entidade de fiscalização e de supervisão das atividades das entidades fechadas de previdência complementar e de execução das políticas para o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar, observando, inclusive, as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Conselho Nacional de Previdência Complementar.
  45. 45. Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)  As entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) são organizadas sob a forma de fundação ou sociedade civil, sem fins lucrativos e são acessíveis, exclusivamente, aos empregados de uma empresa ou grupo de empresas ou aos servidores da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, entes denominados patrocinadores ou aos associados ou membros de pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, denominadas instituidores. As entidades de previdência fechada devem seguir as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, por meio da Resolução 3.121, de 25 de setembro de 2003, no que tange à aplicação dos recursos dos planos de benefícios.
  46. 46. 51 Entidades Abertas de Previdência Complementar  São entidades abertas sob forma de sociedades anônimas e têm por objetivo instituir e operar planos de benefícios de caráter previdenciário concedidos em forma de renda continuada ou pagamento único, acessíveis a qualquer pessoa física.
  47. 47. Entidades abertas de previdência complementar  Entidades abertas de previdência complementar - são entidades constituídas unicamente sob a forma de sociedades anônimas e têm por objetivo instituir e operar planos de benefícios de caráter previdenciário concedidos em forma de renda continuada ou pagamento único, acessíveis a quaisquer pessoas físicas. São regidas pelo Decreto-Lei 73, de 21 de novembro de 1966, e pela Lei Complementar 109, de 29 de maio de 2001. As funções do órgão regulador e do órgão fiscalizador são exercidas pelo Ministério da Fazenda, por intermédio do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).
  48. 48.  INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL  IRB funciona como câmara de compensação  O IRB é uma espécie de câmara de compensação do setor de seguros. Quando uma seguradora ultrapassa suas capacidades de garantia, o IRB absorve o excesso via resseguro. Caso as quantias envolvidas ultrapassem a capacidade do próprio IRB, ele repassa a diferença a maior para as diversas empresas do mercado, pulverizando o risco, na operação que se chama de retrocessão. Se assim mesmo não for possível obter todo o montante necessário para a garantia, procura-se outras seguradoras no exterior.  Há ocasiões em que o IRB sempre tem que ser solicitado. É o caso de seguros de grandes valores.  O seguro de aeronave, por exemplo, e das plataformas de petróleo, que valem em torno de 350 milhões de dólares. O IRB é acionado e vai procurar cobertura no mercado segurador estrangeiro.
  49. 49. Resseguradores - Entidades, constituídas sob a forma de sociedades anônimas, que têm por objeto exclusivo a realização de operações de resseguro e retrocessão. O Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) é empresa resseguradora vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituto de Resseguros do Brasil(IRB)
  50. 50. 55 IRB – INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL  Sociedade de Economia Mista que regula: - Co-seguro – reparte o risco com outras seguradoras, dividindo as obrigações com pagamento de prêmio proporcional; - Resseguro – a companhia contrata um seguro com órgão ressegurador para reduzir suas responsabilidades em altas somas. - Retrocessão – reparte o risco com outras seguradoras que cede parcela proporcional a outra.
  51. 51. Sociedades seguradoras  Sociedades seguradoras - são entidades, constituídas sob a forma de sociedades anônimas, especializadas em pactuar contrato, por meio do qual assumem a obrigação de pagar ao contratante (segurado), ou a quem este designar, uma indenização, no caso em que advenha o risco indicado e temido, recebendo, para isso, o prêmio estabelecido.
  52. 52. Sociedades de capitalização  Sociedades de capitalização - são entidades, constituídas sob a forma de sociedades anônimas, que negociam contratos (títulos de capitalização) que têm por objeto o depósito periódico de prestações pecuniárias pelo contratante, o qual terá, depois de cumprido o prazo contratado, o direito de resgatar parte dos valores depositados corrigidos por uma taxa de juros estabelecida contratualmente; conferindo, ainda, quando previsto, o direito de concorrer a sorteios de prêmios em dinheiro.
  53. 53. Planos de Previdência Aberta  O PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livre) é uma moderna modalidade de plano de previdência complementar, na qual as contribuições feitas pelos participantes são aplicadas no Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Especialmente Constituídos - FICs, onde 100% da rentabilidade é repassada para o próprio participante. O plano oferece transparência e flexibilidade, e o participante escolhe o perfil conforme a composição da carteira de investimentos do respectivo fundo. As contribuições podem ser feitas mensalmente ou de uma única vez. Em qualquer das opções pode-se efetuar aportes (Contribuições Adicionais a qualquer momento).  VGBL - Desenvolvido com base no PGBL, o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é um seguro de vida que garante cobertura em caso de sobrevivência, funcionando, portanto, como um plano de previdência. Periodicamente o cliente realiza aportes para o plano, que são aplicados em um FIC (Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Especialmente Constituídos). O dinheiro vai rendendo ao longo do tempo e assim o cliente vai formando uma reserva. Quando chegar a idade escolhida pelo cliente para se aposentar, o que não precisa coincidir com a idade da aposentadoria pelo INSS, ele poderá optar por receber sua renda em uma única parcela ou então em quantias mensais.
  54. 54. Planos de Previdência – I.R  PGBL - Abatimento* das contribuições no Imposto de Renda (até o limite de 12% da Renda Bruta anual) durante o período de acumulação. Sobre os valores de resgate e rendas haverá a incidência de tributação conforme alíquota da tabela do Imposto de Renda Pessoa Física em vigor. (Para os contribuintes que preenchem a declaração completa de IR)  VGBL - Tratamento fiscal Durante o período de acumulação, os recursos aplicados estão isentos de tributação sobre os rendimentos. Somente no momento do recebimento de renda ou resgate haverá a incidência de Imposto de Renda, apenas sobre os rendimentos aferidos. ( Para contribuintes isentos de declarar ou que utilizam a declaração simplificada de IR)
  55. 55. EXERCÍCIOS
  56. 56.  As entidades fechadas de previdência complementar, também conhecidas como fundos de pensão, são organizadas sob a forma de: (A) fundos PGBL − Plano Gerador de Benefício Livre. (B) fundos VGBL − Vida Gerador de Benefício Livre. (C) empresas vinculadas ao Ministério da Fazenda e fiscalizadas pela SUSEP – Superintendência de Seguros Privados. (D) planos que devem ser oferecidos a todos os colaboradores e que também podem ser adquiridos por pessoas que não tenham vínculo empregatício com a empresa patrocinadora. (E) fundação ou sociedade civil, sem fins lucrativos e acessíveis, exclusivamente, aos empregados de uma empresa ou grupo de empresas.  _______________ Compete, privativamente, ao Conselho Nacional de Seguros Privados, em relação às entidades de previdência privada, (A) processar os pedidos de autorização para fins de constituição, funcionamento, fusão, incorporação, grupamento, transferência de controle e reforma dos estatutos das entidades abertas. (B)) estabelecer as normas gerais de contabilidade, atuária e estatística a serem observadas por essas entidades. (C) proceder à liquidação das entidades abertas que tiverem cassada a autorização para funcionar no País. (D) autorizar a movimentação e a liberação de bens e valores obrigatoriamente inscritos em garantia do capital, das reservas técnicas e dos fundos especiais das entidades abertas de previdência privada. (E) proceder à inscrição dos corretores de planos previdenciários, de entidades abertas de previdência privada; fiscalizar suas atividades e aplicar as penas cabíveis. _________________________________________________________
  57. 57.  Em relação às entidades de previdência privada abertas, é correto afirmar: (A) O balanço e os balancetes deverão ser enviados ao Banco Central para exame técnico das reservas e provisões constituídas. (B) É permitida a realização de operações comerciais e financeiras com seus diretores e membros dos conselhos consultivos, administrativos, fiscais ou assemelhados, desde que as operações sejam aprovadas pela assembléia geral. (C)) Os bens garantidores das reservas técnicas, fundos e provisões serão registrados na SUSEP e não poderão ser alienados, prometidos alienar ou de qualquer forma gravados sem sua prévia e expressa autorização. (D) Os estatutos das entidades sem fins lucrativos não poderão estabelecer distinção entre associados controladores e simples participantes dos planos de benefícios. (E) Nas entidades sem fins lucrativos, as despesas administrativas não poderão exceder os limites fixados anualmente pela Comissão de Valores Mobiliários. _________________________________________________________  As sociedades seguradoras (A) devem ter patrimônio líquido inferior ao valor do seu passivo não operacional. (B) são autorizadas a funcionar através de Portaria do Ministro da Fazenda. (C) têm autonomia completa para decidir ou não aceitar resseguros. (D)) estão impedidas de explorar qualquer outro ramo de comércio ou indústria. (E) têm autonomia para distribuir lucros ou quaisquer fundos correspondentes às suas reservas patrimoniais
  58. 58.  As Entidades Abertas de Previdência Complementar caracterizam-se por (A) terem como órgão responsável a Superintendência Nacional de Previdência Complementar − PREVIC. (B) não permitirem a portabilidade da provisão matemática de benefícios a conceder. (C) proporcionarem planos com benefício de renda por sobrevivência, renda por invalidez, pensão por morte, pecúlio por morte e pecúlio por invalidez. (D) aceitarem contratação de planos previdenciários exclusivamente de forma individual. (E) oferecerem planos destinados apenas a funcionários de uma empresa ou grupo de empresas.  Os corretores de seguros (A)) têm de responder civilmente pelos prejuízos que causarem por omissão, imperícia ou negligência no exercício da profissão. (B) devem habilitar seu registro perante a Fundação Nacional de Seguros-FUNENSEG por meio de prova de capacitação promovida pela Superintendência de Seguros Privados-SUSEP. (C) recebem comissão sobre seus serviços, cuja percentagem independe do ramo do seguro e da companhia seguradora. (D) são profissionais de vendas vinculados às companhias seguradoras para comercializar exclusivamente os produtos da empresa contratante. (E) são simples intermediários entre as seguradoras e os segurados, não sendo sua responsabilidade esclarecer dúvidas sobre carências, coberturas ou validade do contrato.
  59. 59. 65 AUTORIDADES DE APOIO CVM – BNDES – CAIXA - BB
  60. 60. CVM (Comissão de Valores Mobiliários)
  61. 61. CVM
  62. 62. 69 BNDES  É uma ex-autarquia federal enquadrada como empresa pública vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior e tem por objetivo apoiar empreendimentos para desenvolvimento do país.  BNDES – É uma instituição responsável pela política de investimentos de médio e principalmente de longo prazo do Governo Federal, sendo a principal órgão de fomento. Passou a ser responsável pelo processo de privatização de empresas estatais.  BNDES não é considerado um banco de Desenvolvimento, apesar de ser o fomentador no país.  A BNDESPAR,subsidiária integral, investe em empresas nacionais por meio da subscrição de ações e debêntures conversíveis.
  63. 63. 70 BNDES  Suas linhas de apoio contemplam financiamentos de longo prazo e custos competitivos, para o desenvolvimento de projetos de investimentos e para a comercialização de máquinas e equipamentos novos, fabricados no país, bem como para o incremento das exportações brasileiras. Contribui, também, para o fortalecimento da estrutura de capital das empresas privadas e desenvolvimento do mercado de capitais.  Desde a sua fundação, em 20 de junho de 1952, o BNDES vem financiando os grandes empreendimentos industriais e de infra- estrutura tendo marcante posição no apoio aos investimentos na agricultura, no comércio e serviço e nas micro, pequenas e médias empresas, e aos investimentos sociais, direcionados para a educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e ambiental e transporte coletivo de massa.
  64. 64. 71 BANCO DO BRASIL S/A (BB) Banco múltiplo, representa o governo:  na função de agente financeiro do governo  na política de crédito rural,  nas operações de compra e venda de moeda estrangeira,  na compensação de cheques,  No recebimento de depósitos judiciais federais, juntamente com a CAIXA.
  65. 65. BB
  66. 66. 73 CAIXA  Principal agente de políticas públicas do governo federal.  Empresa 100% pública que atende não apenas aos seus clientes, mas todos trabalhadores formais do país, por meio do pagamento do PIS, FGTS, seguro- desemprego, programas sociais (bolsa família) e loterias.  Agente financeiro do governo responsável pela execução de sua política habitacional.  Centraliza o recolhimento e aplicação dos recursos oriundos do FGTS.
  67. 67. SBPESBPE CAIXACAIXA SociedadesSociedades dede CréditoCrédito ImobiliárioImobiliário AssociaçõesAssociações dede Poupança ePoupança e EmpréstimoEmpréstimo BancosBancos MúltiplosMúltiplos A CAPTAÇÃO DE RECURSOS DESTAS INSTITUIÇÕESA CAPTAÇÃO DE RECURSOS DESTAS INSTITUIÇÕES É FEITA POR MEIO DE RECURSOS DAS CADERNETAS DE POUPANÇAÉ FEITA POR MEIO DE RECURSOS DAS CADERNETAS DE POUPANÇA E DOS FUNDOS PROVENIENTES DO FGTSE DOS FUNDOS PROVENIENTES DO FGTS
  68. 68. 75 CAIXA  Possui parcerias com o poder público, especialmente o municipal, para implantação de projetos de infra-estrutura.  A empresa é responsável pela inclusão social.  Patrocina o atletismo, a ginástica, enquanto as Loterias CAIXA patrocinam o Comitê para- olímpico.  Loterias tem importante fonte de recursos para área social.  A CAIXA opera e paga o Bolsa Família.
  69. 69. EXERCÍCIOS
  70. 70.  Compete à Comissão de Valores Mobiliários – CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de fundos de investimento. IV. registro de distribuições de valores mobiliários. V. custódia de títulos públicos. Está correto o que se afirma APENAS em (A) I, II e III. (B) I, II e IV. (C) I, III e IV. (D) II, III e V. (E) III, IV e V.
  71. 71.  Compete ao Banco do Brasil S.A.: a) executar os serviços do meio-circulante b) ser depositário das reservas oficiais de ouro e moeda estrangeira c) ser agente pagador e recebedor fora do País d) exercer o controle dos capitais estrangeiros e) receber os recolhimentos compulsórios das instituições financeiras.  Em relação aos subsistemas normativos, é correto afirmar que NÃO é função da CVM disciplinar o(a): (A) registro de companhias abertas. (B) registro de distribuições de valores mobiliários. (C) empréstimo a instituições financeiras. (D) organização, o funcionamento e a operação de bolsas de valores. (E) administração de carteiras e a custódia de valores mobiliários.
  72. 72.  Em relação ao Banco do Brasil S.A., analise as afirmações abaixo. I. É sociedade de economia mista controlada pela União. II. Seu Presidente é nomeado pelo Presidente do Banco Central, após aprovação do Senado Federal. III. Executa os serviços de compensação de cheques e outros papéis. IV. É agente financeiro do Tesouro Nacional. V. É o principal executor dos serviços bancários de interesse do governo federal. a) Uma afirmação está correta. b) Duas afirmações estão corretas. c) Três afirmações estão corretas. d) Quatro afirmações estão corretas. e) Cinco afirmações estão corretas.  A opção correta é: a) A Caixa Econômica Federal é a instituição financeira das políticas para habitação popular e saneamento básico. b) A CVM é classificada como intermediário financeiro. c) O Banco do Brasil tem função típica de Autoridade Monetária. d) O BNDES é a instituição responsável pela política de investimentos de curto e médio prazo do Governo Federal. e) Na política financeira, após o Plano Collor, o Banco do Brasil ficou responsável por gerir todo o processo de privatização.
  73. 73.  São objetivos do BNDES, com exceção de: a) fortalecer o setor empresarial nacional b) captar recursos a curto prazo c) criar pólos de produção para alterar desequilíbrios regionais d) promover o crescimento e a diversificação das exportações e) impulsionar o desenvolvimento econômico do país  Qual o mercado que a Comissão de Valores Monetários regula: a)Capitais b)Financeiro c)Crédito d)Câmbio e)Monetário
  74. 74. Instituições Financeiras
  75. 75. 83 Instituições de Crédito de Curto Prazo - Bancos Comerciais; - Caixas Econômicas; - Bancos Cooperativos/Cooperativas de Crédito; - Bancos Múltiplos com carteira comercial.
  76. 76. 84 Instituições de Crédito de Médio e Longo Prazos  Bancos de Desenvolvimento;  Bancos de Investimento;  Caixas Econômicas;  Banco Múltiplo com Carteira Comercial de Investimento e Desenvolvimento.
  77. 77. 85 CAIXAS ECONÔMICAS (CE)  Função: Sua principal atividade e integrar o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Equiparam-se aos bancos comerciais, pois podem captar depósitos e realizar operações ativas e de prestação de serviços, dirigidas às Pessoas Físicas. Têm competência para venda de bilhetes de loterias e possui com sua principal fonte de recurso os depósitos em cadernetas de poupança.
  78. 78. 86 BANCOS COMERCIAIS  Objetivo: - proporcionar recursos para financiar no curto e médio prazos o comércio, indústria, empresas prestadoras e pessoas físicas. - são intermediários financeiros que recebem recursos e distribuem recursos, através do efeito multiplicador do crédito que recebe e concede.
  79. 79. 87 Bancos Comerciais – Operações  Operações ativas – empréstimos e financiamentos para os clientes;  Operações passivas – depósitos e aplicações dos clientes;  Operações acessórias – possuem menor importância financeira para os bancos são definidas como prestações de serviços, tais como: Operações Acessórias (Cobrança. Garantias Bancárias Reais: Hipoteca, Penhor e Caução. Alienação Fiduciária e Pessoal: fiança e aval).
  80. 80. 88 BANCOS DE DESENVOLVIMENTO (BD)  O BNDES é o principal agente do Governo no financiamento de médio e longo prazos aos setores primário, secundário e terciário.  Os bancos estaduais de desenvolvimento são instituições financeiras controladas pelos governos estaduais para crédito de médio e longo prazos.  Exemplos: BASA (Banco da Amazônia) e BNB (Banco do Nordeste do Brasil).
  81. 81. 89 BANCOS DE DESENVOLVIMENTO  São instituições financeiras controladas pelos governos estaduais e têm como objetivo precípuo proporcionar financiamentos no médio e longos prazos.  Os bancos estaduais de desenvolvimento foram criados para o crescimento econômico dos estados e municípios com repasse de órgãos financeiros e do Governo Federal.
  82. 82. 90 Cooperativa de Crédito (CC)  Atuam basicamente no setor primário da economia com o objetivo de permitir uma melhor comercialização de produtos rurais e facilidade no escoamento de safras.  Oferecem crédito aos funcionários por meio de uma contribuição mensal sobre o salário.  Operam com depósitos a vista, cheque, recebimento de contas e folha de pagt°.
  83. 83. 91 Cooperativas de Crédito  São sociedade de pessoas e possuem natureza jurídica própria;  Limite mínimo de 20 cooperados;  Vedada a utilização da palavra Banco;  Podem conceder crédito somente aos associados;  Os depósitos realizados nas cooperativa de crédito não são amparados pelo Fundo Garantidor de Crédito;  Cooperativas singulares ou de 1º grau: quando destinadas a prestar serviços diretamente aos associados.  Cooperativas centrais e federações ou 2º Grau: objetivam organizar serviços econômicos e assistenciais para os associados;  Confederações de cooperativas ou 3º grau, organizam empreendimentos de maior vulto financeiro.
  84. 84. 92 Bancos Comerciais Cooperativos  Deve fazer constar, obrigatoriamente, de sua denominação a expressão "Banco Cooperativo".  Desde 1995 o BC autorizou a constituição como bancos comerciais na forma de sociedades anônimas de capital fechado, permitindo a captação de recursos no exterior, atividade vetada as cooperativas de crédito.  O dinheiro angariado deve ser aplicado na própria região.
  85. 85. 93 Banco Comercial Cooperativo  É o banco comercial ou banco múltiplo constituído, obrigatoriamente, com carteira comercial.  Diferencia-se dos demais por ter como acionistas controladores cooperativas centrais de crédito, as quais devem deter no mínimo 51% das ações com direito a voto.
  86. 86. 94 BANCOS DE INVESTIMENTO  Obrigatoriamente na sua denominação social deve possuir a expressão Banco de Investimento.  Operações ativas – financiamento de capital giro e fixo das empresas, além de aquisição de ações e títulos mobiliários para investimento na revenda no mercado de capitais.  Operações passivas – vendas de cotas de fundos e CDB/RDB
  87. 87.  Não possuem contas correntes e captam recursos via depósitos a prazo, repasses de recursos externos, internos e venda de cotas de fundos de investimento por eles administrados.  Financiamento e Capital de Giro Fixo – Médio a Longo Prazo;  Sociedade Anônima com obrigatoriedade do nome “Banco de Investimento”  As principais operações ativas são financiamento de capital de giro e capital fixo, subscrição ou aquisição de títulos e valores mobiliários, depósitos interfinanceiros e repasses de empréstimos externos. BANCOS DE INVESTIMENTO
  88. 88. 96 SOCIEDADE DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO (SCI)  São instituições financeiras constituídas sob forma de S.A que atuam no financiamento habitacional.  Constituem suas operações passivas os depósitos de poupança, a emissão de letras e cédulas hipotecárias.
  89. 89. 97 Sociedades de Crédito Imobiliário  Foram criadas pelo governo para financiar o mercado imobiliário, utilizando a caderneta de poupança como instrumento de captação.  Juntamente com a APE são entidades financeiras privadas de apoio ao SFH, voltadas a população de ALTA RENDA.
  90. 90. 98 ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO (APE)  Constituídas sob a forma de sociedade civil, sendo de propriedade comum dos associados, suas operações: Ativas: financiamentos imobiliários (SFH); Passivas: letras hipotecárias e depósitos de caderneta de poupança. Atualmente existe apenas a POUPEX do BB. Sua função é de que o futuro mutuário venha fazer poupança para compra de seu imóvel, voltado para classe de Alta Renda.
  91. 91. 99 Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimento (Financeira)  Sua função é financiar bens de consumo duráveis por meio do “crediário” ou crédito direto ao consumidor “CDC”.  Não podem manter conta corrente, sua captação é por meio de Letras de Câmbio (LC) – Títulos de crédito sacados pelos financiados e aceitos pelas financeiras para colocação junto ao público.
  92. 92. Agência de Fomento
  93. 93. Agência de Fomento
  94. 94. Bancos de Desenvolvimento
  95. 95. Bancos de Desenvolvimento
  96. 96. Sociedade de Crédito Imobiliário
  97. 97. Sociedade de Crédito Imobiliário
  98. 98. Sociedade de Crédito ao Microempreendedor
  99. 99. Sociedades Corretoras de Câmbio
  100. 100. EXERCÍCIOS
  101. 101.  O principal produto de uma instituição financeira é: a) abrir cadernetas de poupança; b) prestar atendimento recebendo contas e carnês; c) intermediação financeira; d) cobrar tarifas por serviços prestados; e) adquirir novos equipamentos tecnológicos.
  102. 102.  (ESAF/Banco Central/Analista/2002) Das opções abaixo, assinale aquela que contém um participante do sistema financeiro nacional que não pode captar recursos por meio de depósitos a vista. a) Banco Múltiplo com carteira comercial b) Banco Comercial c) Caixa Econômica d) Cooperativa de Crédito e) Banco de Desenvolvimento  A respeito do Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmações abaixo. I. O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de órgãos e instituições que regulam e executam as operações relativas à circulação da moeda e do crédito. II. O Conselho Monetário Nacional é o órgão máximo do Sistema Financeiro Nacional. III. O Banco Central do Brasil é órgão deliberativo, a quem compete cumprir as normas do Conselho Monetário Nacional. IV. O Banco do Brasil S.A. é autoridade monetária. V. A Comissão de Valores Mobiliários é autoridade de apoio. a) Uma afirmação está correta. b) Duas afirmações estão corretas. c) Três afirmações estão corretas. d) Quatro afirmações estão corretas. e) Cinco afirmações estão corretas.
  103. 103. Assinale a alternativa que esteja errada: a)São atribuições do Conselho de Recursos:do SFN (CRSFN) julgar em segunda e última instância administrativa os recursos interpostos das decisões relativas às penalidades administrativas aplicadas pelo Banco Central do Brasil, pela Comissão de Valores Mobiliários e pela Secretaria de Comércio Exterior b) A SUSEP é o órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro. Autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda. c) A Secretaria de Previdência Complementar está vinculado ao Ministério da Fazenda voltado para qualquer pessoa por se tratar de um plano de previdência aberto adquirido nos Bancos. d) BNDES - É uma ex-autarquia federal enquadrada como empresa pública vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior e tem por objetivo apoiar empreendimentos para desenvolvimento do país nos investimentos de médio e principalmente de longo prazo do Governo Federal, embora não seja um banco de desenvolvimento. e) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM) - É um órgão normativo do S.F.N, voltado para a fiscalização do mercado de valores mobiliários, envolvendo ações e debêntures.
  104. 104. São consideradas instituições de Curto Prazo: a) Cooperativas e Caixas Econômicas b) Bancos de Desenvolvimento; c)Bancos de Investimento; d)Bancos Múltiplos sem carteira Comercial e) Bancos de Desenvolvimento com Investimento;
  105. 105. São consideradas operações ativas dos Bancos Comerciais: a)depósitos e aplicações dos clientes; b)hipoteca, Penhor e Caução c)empréstimos e financiamentos para os clientes d)fiança e aval e)Cobrança. Garantias Bancárias Reais
  106. 106. Não possuem conta corrente e captam recursos por meio de CDB/RDB: a) Bancos de Desenvolvimento b) Cooperativas de Crédito c) Banco de Investimento d) Financeiras e) Empresas de Leasing
  107. 107. São atribuições do CMN e BACEN respectivamente: a) -garantir o poder de compra da moeda nacional; - adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia; b) -realizar operações de redesconto e empréstimo às instituições financeiras; - regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos; c) - autorizar o funcionamento das instituições financeiras - orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras; d)- zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras; - zelar pela adequada liquidez da economia e pelo aperfeiçoamento do sistema financeiro e) - emitir papel-moeda e moeda metálica executando os serviços do meio circulante; - coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária e da dívida pública interna e externa.
  108. 108. Banco Múltiplo Caderneta de Poupança LEASING
  109. 109. 118 BANCOS MÚLTIPLOS  São instituições financeiras privadas ou públicas que realizam as operações ativas, passivas e acessórias das diversas instituições financeiras.  A carteira de desenvolvimento somente poderá ser operada por banco público.  O banco múltiplo deve ser constituído com, no mínimo, duas carteiras, sendo uma delas, obrigatoriamente, comercial ou de investimento, e ser organizado sob a forma de sociedade anônima.  As instituições com carteira comercial podem captar depósitos à vista. Na sua denominação social deve constar a expressão "Banco"
  110. 110. Caderneta de Poupança  Criada originalmente para captar recursos para o Sistema Financeiro Habitacional;  A Poupança é uma aplicação pós-fixada, pois apesar da taxa de referência ser válida até a data de aniversário do mês seguinte, a divulgação pelo Bacen ocorre no dia seguinte, não se sabendo com exatidão quanto será o valor a receber.  O Rendimento da Caderneta de Poupança é isento de cobrança de IR para poupadores pessoa física e empresas sem fins lucrativos.  Os valores depositados em poupança são atualizados com base na TR vigente no dia do depósito acrescido de juros de 0,5% a.a.
  111. 111. Caderneta de Poupança  Os valores depositados e mantidos em depósito por prazo inferior a um mês não recebem nenhuma remuneração e os rendimentos são calculados sobre o menor saldo apresentado pela conta no período base.  Os bancos podem cobrar pela manutenção de conta de poupança desde que os depósitos de poupança apresentem saldo igual ou inferior a R$ 20,00 e que não apresentem registros de depósitos ou saques pelo período de seis meses.  A remuneração da conta de poupança é mensal para pessoas físicas e trimestral para pessoas jurídicas sem fins lucrativos.
  112. 112. Caderneta de Poupança  O cliente pode se ter quantas contas se desejar;  A data de remuneração de depósitos em cadernetas de poupança efetuados nos dias 29,30 e31 será o dia 1° de cada mês, aplicando- se o índice correspondente ao do dia 1° do mês anterior.  Os depósitos feitos em cheque valem para remuneração desde a data do depósito, desde que não devolvido, independentemente do prazo de sua liberação.
  113. 113. 122 SOCIEDADES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL(leasing)  Constituída sob forma de S.A, devendo constar na denominação social a expressão arrendamento mercantil e são supervisionadas pelo BACEN.  Operações passivas – debêntures;  Operações ativas – constituídas por títulos da dívida pública, arrendamento mercantil de bens móveis de produção nacional e estrangeira.
  114. 114. 123 SOCIEDADES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (Leasing)  Estas sociedades nasceram do reconhecimento de que o lucro de uma atividade pode advir da simples utilização do bem e não de sua propriedade.  Operações realizadas exclusivamente por bancos múltiplos com carteira de leasing e por sociedades de arrendamento mercantil.  As empresas de leasing captam recursos de longo prazo por meio da emissão de debêntures – títulos que tem como cobertura o patrimônio da empresa que os emitiu.
  115. 115. 124 Empresas de Leasing  O que é leasing- também denominado arrendamento mercantil, é uma operação em que o proprietário (arrendador, empresa de arrendamento mercantil) de um bem móvel ou imóvel cede a terceiro (arrendatário, cliente, "comprador") o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação.  Possui diferenças em relação ao aluguel e financiamento.  Ao final do contrato de arrendamento, o arrendatário tem as seguintes opções: • comprar o bem por valor previamente contratado; • renovar o contrato por um novo prazo, tendo como principal o valor residual; • devolver o bem ao arrendador.
  116. 116. 125 Empresas de Leasing  Leasing é um negócio jurídico realizado entre pessoa jurídica na qualidade de arrendadora e pessoa física ou jurídica na qualidade de arrendatária.  Prazo de contrato de leasing - O prazo mínimo de arrendamento é de dois anos para bens com vida útil de até cinco anos e de três anos para os demais. Por exemplo: para veículos, o prazo mínimo é de 24 meses e para outros equipamentos e imóveis, o prazo mínimo é de 36 meses (bens com vida útil superior a cinco anos). Existe, também, modalidade de operação, denominada leasing operacional, em que o prazo mínimo é de 90 dias.
  117. 117. 126 Tipos de Leasing  Leasing Operacional: a empresa de leasing fica responsável pela manutenção do bem arrendado para o seu perfeito funcionamento. A contratante pode rescindir o contrato a qualquer tempo, mediante um aviso prévio combinado com antecedência.  Leasing Financeiro: é uma operação de financiamento sob a forma de locação particular de médio e longo prazo, com base em um contrato de bens móveis ou imóveis.  Lease Back: é uma operação variante do leasing financeiro, na qual a empresa vende bens do seu ativo fixo a uma empresa de leasing e, ao mesmo tempo, os arrenda com opção de compra após o termino do contrato.
  118. 118. 127 Empresas de Leasing  A Quitação antes do encerramento do prazo descaracteriza legalmente o arrendamento mercantil e a operação passa a ser classificada compra e venda a prazo.  Impostos sobre uma operação de leasing O Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) não incide nas operações de leasing. O imposto que será pago no contrato é o Imposto Sobre Serviços (ISS).  Despesas adicionais sobre uma operação de leasing Despesas tais como seguro, manutenção, registro de contrato, Imposto Sobre Serviços (ISS) e demais encargos que incidam sobre os bens arrendados são de responsabilidade do arrendatário ou do arrendador, dependendo do que for pactutado no contrato de arrendamento
  119. 119. EXERCÍCIO
  120. 120. De acordo com as normas do Conselho Monetário Nacional – CMN, os bancos múltiplos devem ser constituídos com, no mínimo, duas carteiras, sendo uma delas obrigatoriamente de (A) investimento. (B) crédito, financiamento e investimento. (C) crédito imobiliário. (D) câmbio. (E) arrendamento mercantil.
  121. 121. •Captam recursos no mercado por meio de debêntures, letras de Câmbio e CDB e emissão de LH, respectivamente: a)Banco de desenvolvimento, Banco de Investimento, Banco Múltiplo, Sociedade de Crédito Imobiliário; b)Financeira, Leasing, Banco de Investimento, Cooperativa de Crédito; c)Arrendamento Mercantil, Banco de Desenvolvimento, Banco de Investimento e Financeira; d) Banco Comercial, Financeira, Leasing, Associação de Poupança e Empréstimo; e)Leasing, Financeira, Banco de Investimento, Sociedade de Crédito Imobiliário.
  122. 122. Instituições Não Financeiras e Não supervisionadas pelo BACEN ou pela CVM
  123. 123. Sociedade de Fomento Mercantil (Factoring)  A operação consiste quando um sacador (normalmente pessoa jurídica – micro e pequena empresa que vende seus ativos: promissórias, cheques, duplicatas) a uma casa compradora (factore) que fará um deságio (desconto) do valor de créditos a vencer do cliente que receberá antecipadamente.
  124. 124. Sociedade de Fomento Mercantil (Factoring)  A factoring é uma atividade essencialmente mercantil em que o pré-requisito é o registro na Junta Comercial, não sendo fiscalizada nem regulamentada, seja pela CVM ou pelo Bacen.  A operação factoring não está sujeita à incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), mas sim à do Imposto Sobre Serviços (ISS) exigido pelo município.  As taxas de juros cobradas pelas empresas de factoring tendem a ser muito alto, fator que exige análise do risco dos sacados para reaverem o recurso em caso de inadimplência da outra parte, sendo que na modalidade maturity o prejuízo recai todo para a factoring.
  125. 125. Sociedades Administradoras de Cartões de Crédito (SACC)  São sociedades não bancárias e que necessitam de uma fonte distinta de recursos para eventual financiamento do saldo devedor mensal de seus clientes.  O contrato realizado possibilita a utilização do cartão de crédito para a aquisição de mercadorias e de serviços em locais credenciados e o parcelamento do saldo devedor mensal.  As relações entre as sociedade administradoras de cartões de crédito e os usuários configuram relações de consumo sob a tutela do Código de Proteção ao Consumidor, sem interferência do BACEN.
  126. 126. Sociedades Administradoras de Seguro de Saúde  São empresas que atendem ao interesse das pessoas que buscam se resguardar contra riscos de saúde e buscam tratamento médico, assistência hospitalar para prevenção e recuperação da saúde.  O plano privado de assistência à saúde é a prestação de serviços continuada ou a cobertura dos custos assistenciais, sem limite financeiro e destinado a assistência à saúde.
  127. 127. 137 MERCADO DE CAPITAIS PROF.: Kleber
  128. 128. 138 SOCIEDADES CORRETORAS DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS  Instituições típicas do mercado acionário, operando com compra e venda de títulos e valores mobiliários, fazendo intermediação com as bolsas de valores e de mercadorias, também administram fundos de investimento com objetivo de valorização das cotas.  São constituídas sob a forma de S.A ou Ltda.
  129. 129. 139 SOCIEDADES CORRETORAS  São instituições típicas do mercado acionário, operando com compra, venda e distribuição de títulos e valores mobiliários por conta de terceiros.  Fazem intermediação com a bolsa de valores e de mercadorias.  Sua constituição depende de autorização do BACEN e o exercício da atividade depende de autorização da CVM.  Operam nos recintos das bolsas de valores, efetuando lançamento de ações, custodiando valores mobiliários, intermedeiam operações de câmbio.
  130. 130. 140 SOCIEDADES DISTRIBUIDORAS  Suas atividades são mais restritas que a das corretoras, já que não têm acesso às bolsas de valores e mercadorias.  Têm com função básica a intermediação da colocação de emissões de capital no mercado.  De forma isolada ou em consórcio emite títulos e valores mobiliários para revenda.
  131. 131. 141 SOCIEDADE DISTRIBUIDORA  São constituídas sob a forma de S.A ou Ltda, constando o nome na denominação.  Diferentemente das corretoras atuam: - na subscrição isolada ou em consórcio de emissão de títulos e valores mobiliários. - intermedeiam a colocação de emissões de capital no mercado; - realizam operação de open market.
  132. 132. CUSTÓDIA E LIQUIDAÇÃO
  133. 133. SELIC  Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC, criado em 1979, é um sistema informatizado destinado ao registro, custódia e liquidação de títulos públicos, tanto os títulos federais, como os estaduais e municipais emitidos até 1992.  Somente as instituições credenciadas no mercado financeiro têm acesso ao SELIC, o qual opera em tempo real, permitindo que os negócios tenham liquidação imediata. Os operadores das instituições envolvidas em uma transação com esses títulos, após acertarem os negócios, transferem estas operações, via terminal, ao SELIC. O sistema imediatamente transfere o registro do título para o comprador e faz o crédito na conta do vendedor do título. Ambas as partes têm certeza da validade da operação efetuada.  Na verdade os títulos são escriturais mantidos por um super computador, sendo administrado pelo DEMAB (Departamento de Operações de Mercado Aberto do Banco Central).  Os principais títulos públicos federais negociados no SELIC são: Letra Financeira do Tesouro, Letra do Tesouro Nacional, Nota do Tesouro Nacional, Bônus do Banco Central, Letras do Banco Central, Notas do Banco Central, entre outros.
  134. 134.  CETIP - Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (a partir de 2008, CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos) é uma sociedade anônima brasileira, sem fins lucrativos, criada em 1986 para preencher a lacuna de um sistema eletrônico de custódia e liquidação financeira no mercado de títulos privados.  Suas atividades são regulamentadas pelo Banco Central do Brasil.  É um mercado de balcão organizado para registro da negociação de títulos e valores mobiliários de renda fixa. Pode também registrar, custodiar e liquidar títulos públicos estaduais e municipais emitidos após 1992, títulos representativos de dívidas de responsabilidade do Tesouro Nacional, além de todos os Créditos Securizados da União, da Dívida Agrícola, dos Títulos da Dívida Agrária e também dos Certificados Financeiros do Tesouro.
  135. 135. CBLC - Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia  É uma empresa com fins lucrativos, registrada sob a forma de sociedade anônima, responsável pela custódia das ações e outros títulos privados no mercado financeiro brasileiro.  A CBLC oferece serviços de alocação e liquidação para todas as operações realizadas nos ambientes de negociação da Nova Bolsa. Estes serviços são aderentes às melhores práticas internacionais e possuem grande flexibilidade para servir às mais diversas necessidades dos participantes do mercado de capitais brasileiro.  As operações realizadas na Nova Bolsa são capturadas pelos sistemas da CBLC de forma automática e em tempo real, assegurando o mais elevado nível de rapidez e segurança.
  136. 136. CBLC
  137. 137. A CETIP S.A. tem por finalidade (A) garantir a liquidação financeira de transações de títulos privados entre instituições bancárias no Mercado de Balcão. (B) operar como substituta no caso de interrupção das operações diárias do Sistema de Pagamentos Brasileiro – SPB. (C) atuar internacionalmente, em tempo real, tendo como participantes bancos, corretoras, distribuidoras, fundos de investimento, seguradoras e fundos de pensão. (D) assegurar que as operações somente sejam finalizadas caso os títulos estejam efetivamente disponíveis na posição do vendedor e os recursos relativos a seu pagamento disponibilizados integralmente pelo comprador. (E) dispensar a supervisão e normatização da Comissão de Valores Mobiliários para os casos de administração de carteiras e custódia de valores mobiliários.
  138. 138. 11) Qual definição dos Mercados Financeiros não está correta a alternativa? a) Mercado monetário -Controla a liquidez monetária da economia.  O mercado monetário visa ao controle da liquidez monetária da economia, sendo os títulos públicos os papéis mais negociados neste mercado. É também aqui que ocorrem as negociações de Certificados de Depósitos Interfinanceiros (CDI) e Certificados de Depósitos Bancários (CDB). b) Mercado de capitais  Seu objetivo é de atender as necessidades de financiamento de médio e longo prazo das empresas através de emissão de títulos de créditos, sendo os principais as debêntures, commercial paper e ações. c) Mercado de câmbio  Importadores, exportadores, investidores, internacionais, empresas multinacionais e devedores, vendem e compram moedas no mercado de cambio, principalmente para pagamento de compromissos no exterior. Este é o maior mercado do mundo. É fundamental no processo de desenvolvimento econômico do país. d) Mercado de crédito  Este mercado procura suprir as necessidades de caixa a curto e médio prazo, dos agentes econômicos. e) Mercado aberto  A venda primária (quando há emissão de títulos) de títulos públicos é feita por intermédio de leilão. Não é um instrumento de política monetária do governo, como forma de captar recursos.
  139. 139. Tempo de Liquidação  Cheques a partir de R$ 300 – D +1 e para valores menores D+ 2.  Títulos públicos privados e de renda fixa solicitados até às 13 horas – D+ 1  Renda Variável – Mercado a vista– D + 3 e D+ 1 para Opções e Derivativos.  Obs: a CETIP liquida os cheques, fundos e demais produtos das Instituições Financeiras, enquanto a CBLC os de renda variável.
  140. 140. MERCADO DE CAPITAIS
  141. 141. INSTITUIÇÕESINSTITUIÇÕES AUXILIARESAUXILIARES BolsasBolsas dede ValoresValores SociedadesSociedades CorretorasCorretoras de Valoresde Valores MobiliáriosMobiliários SociedadesSociedades DistribuidorasDistribuidoras de Valoresde Valores MobiliáriosMobiliários AgentesAgentes AutônomosAutônomos dede InvestimentoInvestimento
  142. 142. 158 BOLSA DE VALORES  Instituição em que se negociam títulos e ações. As Bolsas de Valores são importantes nas economias de mercado por permitirem a canalização rápida das poupanças para sua transformação em investimentos.  Constituem, para os investidores, um meio prático de jogar lucrativamente com a compra e venda de títulos e ações, escolhendo os momentos adequados de baixa ou alta nas cotações.
  143. 143. 159 BOLSA DE VALORES  A Bolsa de Valores é uma instituição sem fins lucrativos, atualmente são os caso da BVRJ e da Soma, bem como a maioria das Bolsas no Mundo,  Possui autonomia financeira, patrimonial e administrativa, mas sujeita a supervisão da CVM.  Em agosto 2007 houve a reestruturação societária resultou na criação da BOVESPA Holding, passando a ter fins lucrativos, assim como a BMF em Setembro 2007, sendo que recentemente se uniram criando a Nova Bolsa, passando a ser a terceira maior do Mundo.
  144. 144. Bolsas de ValoresBolsas de Valores  Proporcionam liquidez aos títulos negociados,Proporcionam liquidez aos títulos negociados, atuando por meio de pregões contínuos.atuando por meio de pregões contínuos.  Têm responsabilidade pela fixação de preçosTêm responsabilidade pela fixação de preços justos, formados pelo mecanismo da oferta e dajustos, formados pelo mecanismo da oferta e da procura.procura.  Obrigam-se a divulgar todas as operaçõesObrigam-se a divulgar todas as operações realizadas no menor tempo possível.realizadas no menor tempo possível.  Atuam em diversos tipos de mercados:Atuam em diversos tipos de mercados:  A vistaA vista  A termoA termo  OpçõesOpções  FuturosFuturos Mercado de Balcão:Mercado de Balcão: resume operações realizadasresume operações realizadas com diversos papeis, sem necessidade de registrocom diversos papeis, sem necessidade de registro em bolsa. Não possui lugar físico.em bolsa. Não possui lugar físico. AsAs Caixas de LiquidaçãoCaixas de Liquidação (clearing) atuam nos(clearing) atuam nos pregões e têm a função de registrar, liquidar epregões e têm a função de registrar, liquidar e compensar as diversas operações.compensar as diversas operações.
  145. 145. 161
  146. 146. 162
  147. 147. Mercado de Capitais Mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização. É constituído pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas.  Os principais títulos negociados (título mobiliário) representam o capital social das empresas, tangibilizado em suas ações ou ainda empréstimos tomados pelas empresas, no mercado, representado por debêntures que são conversíveis em ações, bônus de subscrição e outros papéis comerciais. Esta constituição permite a circulação de capital e custeia o desenvolvimento econômico.  No mercado de capitais ainda podem ser negociados os direitos e recibos de subscrição de valores mobiliários, certificados de depósitos de ações e outros derivativos autorizados à negociação.  Seu objetivo é canalizar as poupanças (recursos financeiros) da sociedade para o comércio, a indústria, outras atividades econômicas e para o próprio governo. Distingue-se do mercado monetário que movimenta recursos a curto prazo, embora tenham muitas instituições em comum. Nos países capitalistas mais desenvolvidos os mercados de capitais são mais fortes e dinâmicos. A fraqueza desse mercado nos países em desenvolvimento dificulta a formação de poupança, sendo um sério obstáculo ao desenvolvimento, obrigando esses países a recorrerem ao mercado de capitais internacionais.
  148. 148. ÍNDICES do Mercado de Capitais  Índice Bovespa (Ibovespa) é o índice que acompanha a evolução média das cotações das ações mais negociadas e sofre reavaliação quadrimestral, alterando-se a composição e peso da carteira. IBX-Índice Brasil, índice que mede o retorno de uma carteira de ações integrada pelas 100 ações mais negociadas;  o Índice de energia Elétrica (IEE), índice setorial que mede o desempenho das ações do setor elétrico;  o Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC), que mede o desempenho de uma carteira teórica composta por ações de empresas que apresentem bons níveis de governança corporativa;  o Índice Valor Bovespa (IVBS-2), o qual mede o retorno de carteira hipotética constituída exclusivamente por papéis emitidos por empresas de excelente conceito perante os investidores, classificadas a partir da 11ª posição, tanto em termos de valor de mercado como de liquidez de suas ações.
  149. 149. EXERCÍCIOS
  150. 150. A BM&FBOVESPA S.A. é caracterizada como (A) espaço em que exclusivamente são negociadas ações de emissão de empresas brasileiras. (B) empresa cujo capital é controlado por sociedades corretoras por meio de títulos patrimoniais. (C) entidade sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial. (D) empresa constituída para possibilitar a negociação de ações por meio do sistema home broker. (E) companhia aberta cujas ações são transacionadas em seu próprio ambiente de negociação.
  151. 151. 11) Qual definição dos Mercados Financeiros não está correta a alternativa? a) Mercado monetário -Controla a liquidez monetária da economia.  O mercado monetário visa ao controle da liquidez monetária da economia, sendo os títulos públicos os papéis mais negociados neste mercado. É também aqui que ocorrem as negociações de Certificados de Depósitos Interfinanceiros (CDI) e Certificados de Depósitos Bancários (CDB). b) Mercado de capitais  Seu objetivo é de atender as necessidades de financiamento de médio e longo prazo das empresas através de emissão de títulos de créditos, sendo os principais as debêntures, commercial paper e ações. c) Mercado de câmbio  Importadores, exportadores, investidores, internacionais, empresas multinacionais e devedores, vendem e compram moedas no mercado de cambio, principalmente para pagamento de compromissos no exterior. Este é o maior mercado do mundo. É fundamental no processo de desenvolvimento econômico do país. d) Mercado de crédito  Este mercado procura suprir as necessidades de caixa a curto e médio prazo, dos agentes econômicos. e) Mercado aberto  A venda primária (quando há emissão de títulos) de títulos públicos é feita por intermédio de leilão. Não é um instrumento de política monetária do governo, como forma de captar recursos.
  152. 152. 12) Quanto ao Mercado de Opções não podemos afirmar.a) Mercado em que são negociados direitos de compra ou venda de um lote de ações, com preços e prazos de exercício preestabelecidos. b) O titular de uma opção paga um prêmio, podendo exercê- los até a data de vencimento (no caso de opção de compra) ou na data de vencimento (no caso de opção de venda), ou revendê-los no mercado. c) Uma opção de compra obriga ao seu titular comprar as ações-objeto, ao preço de exercício, a qualquer instante até a data de vencimento, obedecidas as condições estabelecidas pela BOVESPA. d) Caso o comprador de uma opção de compra não execute e não venda a opção até o dia do vencimento, este perderá o valor do prêmio pago quando da aquisição. e) A opção é um derivativo cujo o valor depende do preço da ação objeto.
  153. 153. 13) Quanto ao Mercado a Termo não podemos dizer: A) É a compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado, a contar da data da operação em pregão, resultando em um contrato entre as partes. B) O prazo do contrato é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo ao prazo mínimo de 12 dias úteis e máximo de 199 dias corridos. C) O preço a termo de uma ação resulta da adição, ao valor cotado no mercado a vista, de uma parcela correspondente aos juros - que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. D) Pode ser exigida uma Margem Adicional - sempre que ocorrer redução no valor de garantia do contrato, decorrente de oscilação na cotação dos títulos depositados como margem e/ou dos títulos-objeto da negociação; E) No mercado a termo não ocorre liquidação antecipada, apenas no vencimento.
  154. 154. 14) Quanto aos Mercados qual está errada? a) MERCADO FUTURO - Mercado onde são realizadas operações envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas pré-fixadas. b) MERCADO PRIMÁRIO - Onde ocorre a colocação de ações ou outros títulos, provenientes de novas emissões. As empresas recorrem ao mercado primário para completar os recursos de que necessitam, visando ao financiamento de seus projetos de expansão ou seu emprego em outras atividades. Negociação das Letras Financeiras e Notas Federais em que participam o Bacen e Inst. Financeiras. c) MERCADO SECUNDÁRIO - Onde ocorre a negociação dos títulos adquiridos no mercado primário, proporcionando a liquidez necessária. d) No MERCADO FUTURO os preços são definidos no final do contrato e não ocorre recomposição de margem de garantia. e) MERCADO À VISTA - É uma modalidade de mercado onde são negociados valores mobiliários e ouro, ativo financeiro, cujas liquidações física (entrega do ativo pelo vendedor) e financeira (pagamento do ativo pelo comprador) ocorrem, no máximo até o 3º dia após ao da negociação.
  155. 155. 171 MERCADOS  MERCADO DE AÇÕES - Segmento do mercado de capitais que compreende a colocação primária em mercado de ações novas emitidas pelas empresas e a negociação secundária - em Bolsas de Valores e no mercado de balcão - das ações já colocadas em circulação.  NOVO MERCADO – Devido a falta de proteção aos acionistas minoritários foi desenvolvido este conceito que envolve em dois níveis as boas práticas de governança coorporativa, demonstrando a transparência da empresa.  ADR - American Depositary Receipts. São certificados representativos de ações ou outros valores mobiliários que representam direitos e ações, emitidos no exterior por instituição denominada "Depositaria", com lastro em valores mobiliários de emissão de empresas brasileiras depositados em custódia específica no Brasil.  MERCADO DE BALCÃO - Mercado em que as operações não são registradas em Bolsas. Também chamado de tailor made ou customizadas, por atenderem especificações dos clientes, esse mercado abrange negociações de ativos.
  156. 156. Megabolsa  Mega Bolsa (Sistema Eletrônico de Negociação) - é um sistema que permite às sociedades corretoras cumprir as ordens de clientes diretamente de seus escritórios. Pelo Sistema Eletrônico de Negociação, a oferta de compra ou venda é feita através de terminais de computador. O encontro das ofertas e o fechamento de negócios são realizados automaticamente pelos computadores da BOVESPA.  A principal bolsa do Brasil é a Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA) que dispõe de um pregão físico, onde as ofertas de compra e venda são apregoadas a viva voz, e um sistema eletrônico de negociação chamado MEGABOLSA, onde as ofertas são inseridas em terminais remotos nas corretoras para serem vistas por todos.  O pregão e o MEGABOLSA fazem parte de um sistema de negociações desenvolvido pela BOVESPA, de tal modo que as ofertas existentes em cada um desses ambientes podem interferir no fechamento de qualquer negócio.
  157. 157. 173 MERCADOS MERCADO PRIMÁRIO - Onde ocorre a colocação de ações ou outros títulos, provenientes de novas emissões. As empresas recorrem ao mercado primário para completar os recursos de que necessitam, visando ao financiamento de seus projetos de expansão ou seu emprego em outras atividades. Negociação das Letras Financeiras e Notas Federais em que participam o Bacen e Inst. Financeiras. MERCADO SECUNDÁRIO - Onde ocorre a negociação dos títulos adquiridos no mercado primário, proporcionando a liquidez necessária.
  158. 158. 174 MERCADOS DE CAPITAIS  MERCADO DE CAPITAIS - Envolve toda a rede de Bolsa de Valores e instituições financeiras que operam na compra e venda de papéis. Conjunto de operações de transferência de recursos financeiros de prazo médio, longo ou indefinido, efetuadas entre agentes poupadores e investidores, através de intermediários financeiros.  MERCADO à VISTA - Mercado onde a liquidação física - entrega dos títulos pelo vendedor - se processa no segundo dia após a realização do negócio em pregão e a liquidação financeira - pagamento dos títulos pelo comprador - se dá no terceiro dia útil, posterior à negociação, somente mediante à efetiva liquidação física.  MERCADO ABERTO - Também conhecido por mercado secundário, é onde são negociados títulos públicos já emitidos.  OPERAÇÕES DE SWAP – Troca de um risco por outro, de um ativo ou passivo por outro, exemplo: moeda por taxa de juros. Lembrando que não há SWAP quando ocorre troca de dólar por ouro, pois os dois são indexados, ou seja, a onça troy sobe e o dólar também e vice-versa.  Operações de Hot Money – Empréstimo de curtíssimo prazo, atualmente até 29 dias destinados a fazer face do capital de giro das empresas.
  159. 159. 176 MERCADO FINANCEIRO CAIXA 2008 PROF.: Kleber AULA 4
  160. 160. Mercados a Vista e de Derivativos As operações em bolsa são efetuadas nos seguintes mercados:  a vista – no qual compradores e vendedores estabelecem um preço para um lote de ações a ser entregue e pago no prazo determinado, atualmente D+3;  a termo – onde as partes fixam um preço para liquidação físico-financeira da ação em prazo futuro determinado; e  de opções – no qual as partes negociam o direito de comprar/ vender a ação a preço e prazo futuro determinados.
  161. 161. Mercado de Opções  MERCADO DE OPÇÕES Mercado em que são negociados direitos de compra ou venda de um lote de ações, com preços e prazos de exercício preestabelecidos. Por esses direitos, o titular de uma opção paga um prêmio, podendo exercê-los até a data de vencimento (no caso de opção de compra) ou na data de vencimento (no caso de opção de venda), ou revendê-los no mercado.  AÇÃO-OBJETO Valor mobiliário a que se refere uma opção.  ALAVANCAGEM Nível de utilização de recursos de terceiros para aumentar as possibilidades de lucro, elevando, conseqüentemente, o grau de risco da operação.  CASAMENTO DE OPÇÕES (STRADDLE) Compra ou venda, por um mesmo aplicador, de igual número de opções de compra (call) e de venda (put) de ações sobre a mesma ação- objeto e com idêntico preço de exercício e data de vencimento.
  162. 162. MERCADO DE OPÇÕES OPÇÃO DE COMPRA (CALL) DE AÇÕES  Direito outorgado ao titular da opção de, se o desejar, adquirir do lançador um lote-padrão de uma ação, por um preço previamente estipulado e dentro de um prazo prefixado. OPÇÃO DE VENDA (PUT) DE AÇÕES  Direito outorgado ao titular da opção de, se o desejar, vender ao lançador um determinado lote-padrão de uma ação, por um preço previamente estipulado e na data prefixada.
  163. 163. 180 AS AÇÕES  Ordinárias – atualmente conferem direitos comuns aos sócios sem restrições ou privilégios.  Preferenciais – têm preferência na distribuição dos resultados (dividendos e juros).  Nominativas – presume-se propriedade e a transferência decorre de registro, são raras e burocráticas.  Ações de Fruição, de Gozo ou partes beneficiárias – são ações que só interessam aos fundadores das companhias e não são negociadas.
  164. 164. 181 Direitos de uma Ação  Dividendos – crédito em dinheiro na posição dos acionistas;  Juros – direito do acionista referente ao aumento no resultado da Empresa, sendo 15% de I.R.  Subscrição – direito aos acionistas em condições diferenciadas com preço e prazo determinados.  Bonificação – distribuição gratuita de novas ações.
  165. 165. A Dinâmica das Operações em Bolsa Tipos de Ordem Quando o investidor transmite sua ordem a uma Corretora na qual é cadastrado, esta tem o dever de executá-la prontamente ao melhor preço disponível, desde que se trate de uma ação com liquidez - é a ordem a mercado. Essa é a ordem mais comum, mas há várias outras modalidades. O investidor pode, por exemplo, fixar um preço determinado ou melhor para sua execução - é a ordem limitada. Ou poderá fixar apenas a quantidade de títulos, dando uma ordem administrada à Corretora que irá executá-la a seu critério. A fim de limitar prejuízos, o investidor pode dar a ordem fixando um preço limite que, se alcançado pela evolução das cotações, torna a ordem a mercado - é a ordem de "on stop". Há também a possibilidade de vincular a execução de uma operação à execução de outra previamente definida e oposta (compra versus venda), no mesmo ou em diferentes mercados - é a ordem casada, que só se efetiva se executadas as duas ordens. De forma similar, há a ordem de financiamento, na qual o investidor determina a tomada de posições opostas, também no mesmo ou em outro mercado, porém com prazo de vencimento distintos.
  166. 166. 183 O que pode ocorre com uma Ação  Split ou Desdobramento – distribuição gratuita da Empresa devido a diluição do valor da ação, visando aumentar a liquidez do papel.  Agrupamento ou Inplit – condensação do capital em menor número de ações, objetivando valorizar a ação.  Virar pó – esta expressão é usada quando o valor da ação cai em mais de 90%, pois sua venda pode não pagar os custos com corretagem a serem pagos para a corretora.
  167. 167. 184 DEFINIÇÕES  SALDO COMERCIAL - Resultado das exportações menos as importações. Se o saldo é positivo, chama-se de superavit; se negativo, chama-se de deficit.  SECURITIZAÇÃO - Operação financeira que faz a conversão de um empréstimo (dívida) e outros ativos, em títulos negociáveis (securities). Chamamos de securitização o ato de, por exemplo, pegar um empréstimo, dividir em partes, transformar em títulos negociáveis e vender estes títulos a investidores.  SISBACEN (SISTEMA DE OPERAÇÕES E CONTROLE DO BANCO CENTRAL) - É o instrumento de comunicação computadorizado do Banco Central com as instituições financeiras, que por sua vez têm seus computadores conectados a esse sistema. Recebem informações do Bacen e enviam dados sobre suas operações financeiras e cambiais.  SOCIEDADE ANÔNIMA - Empresa que tem o capital dividido em ações, com a responsabilidade de seus acionistas limitada proporcionalmente ao valor de emissão das ações subscritas ou adquiridas.
  168. 168. 185 DEFINIÇÕES  SUBSCRIÇÃO - Lançamento de novas ações por uma sociedade anônima, com a finalidade de obter os recursos necessários para investimento.  SUPERÁVIT COMERCIAL - Quando o valor das exportações supera o valor das importações de um país.  SUPERÁVIT PRIMÁRIO - É o valor que o governo gasta a menos do que arrecada, excluído do cálculo a dívida pública.  PIB Principal indicador da atividade econômica, o PIB - Produto Interno Bruto - exprime o valor da produção realizada dentro das fronteiras geográficas de um país, num determinado período, independentemente da nacionalidade das unidades produtoras.
  169. 169. 186 MERCADOS  MERCADO DE OPÇÕES - Mercado onde são negociados direitos de compra ou venda de um lote de valores mobiliários, com preços e prazos de exercícios já definidos contratualmente. Por esses direitos, o titular de uma opção de compra paga um prêmio, podendo exercê-los até a data de vencimento da mesma ou revendê-los ao mercado. O titular de uma opção de venda paga um prêmio e pode exercer sua opção apenas na data de vencimento, ou pode revendê-la no mercado durante o período de validade da opção.  MERCADO FUTURO - Mercado onde são realizadas operações envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas prefixadas.
  170. 170. 187 DEFINIÇÕES  Conta Margem - É considerada uma operação extra Bolsa na qual a Corretora empresta ao cliente para aproveitar uma oportunidade de compra no mercado (cheque especial do cliente).  Oferta pública inicial, usualmente referida como IPO (do inglês Initial public offering) é o evento que marca a primeira venda de ações ordinárias de uma empresa no mercado de ações. Seu principal propósito é levantar capital pela sociedade para utilizar como investimento para expansão da empresa
  171. 171. 188 BOLSA DE MERCADORIAS  Mercado de Comodities (Mercadorias) e Futuros Mercado centralizado para transações com mercadorias, sobretudo os produtos primários de maior importância no comércio internacional e interno, como café, açúcar, algodão, cereais, etc. Realizando negócios tanto com estoques existentes quanto com mercados futuros, as bolsas de mercadorias exercem papel estabilizador no mercado, minimizando as variações de preço provocadas pelas flutuações de procura e reduzindo os riscos dos comerciantes.
  172. 172. 189 BM&F  BM&F - Instituição onde se efetua o registro, a compensação e a liquidação, física e financeira, das operações realizadas em pregão ou em sistema eletrônico, bem como desenvolve, organiza e operacionaliza mercados livres e transparentes, para negociação de títulos e/ou contratos que possuam como referência ativos financeiros, índices, indicadores, taxas, mercadorias e moedas, nas modalidades a vista e de liquidação futura.
  173. 173. 190 BOLSA DE MERCADORIAS E FUTUROS (BM&F)  Com o lançamento de ações na Bolsa a companhia tornou-se uma sociedade por ações com fins lucrativos e os negócios passaram a ser conduzidos visando o benefício dos acionistas no longo prazo.  O mercado de futuros funciona como um mercado de proteção dos agentes em face das oscilações dos preços a vista e futuro dos ativos.
  174. 174. 191 Mercados Negociados na BM&F  Derivativos - Futuros (Agropecuários e Financeiros); - Opções – sua variação depende de uma ação. - Swaps – não são trocados ativos de fato e sem apenas direitos de troca nos rendimentos.  Participantes - Hedger – aquele que usa o mercado para se proteger de oscilações de preços. - Especulador – aquele que transaciona no mercado objetivando lucro, através de uma antecipação bem sucedida de movimento de preços.
  175. 175. Definições no Mercado de Capitais  Mercado de Swaps Aquele em que as partes trocam um índice de rentabilidade por outro, com o intuito de fazer hedge, casar posições ativas (recebimento) com posições passivas (dívida), eqüalizar preços, efetuar arbitragem ou até alavancar sua exposição ao risco.  O que é Hedge? A tradução literal de Hedge é proteção. Os investidores e ou administradores de carteiras buscam nas operações de hedge proteger seus investimentos contra oscilações bruscas de preços. Utilizam para tanto operações nos mercados futuros, termo, opções, swaps etc para reduzir o risco . Entretanto, quando usados como forma de obter ganhos altos e rápidos, isto é, quando usados como especulação, podem aumentar o risco de perda total ou parcial do investimento. Procure saber com o administrador de seu fundo de investimento qual é a política de atuação nos mercados futuros.
  176. 176. Home Broker  Home broker é o sistema que possibilita ao investidor encaminhar ordens de compra e venda de ações e de opções pela Internet, através de corretoras de valores mobiliários credenciadas pela Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA).  O sistema home broker foi implantado em março de 1999 pela BOVESPA e é semelhante aos serviços de home banking oferecidos pela rede bancária. É um sistema de comunicação que funciona como um “canal de relacionamento” entre os investidores e as sociedades corretoras da BOVESPA. Os home brokers das corretoras estão interligados aos sistemas da BOVESPA.  O intuito de sua implantação foi agilizar e simplificar a atividade de compra e venda de ações permitindo que haja uma maior participação de pessoas físicas no mercado de valores mobiliários.
  177. 177. MERCADO FUTURO  Todas as posições no Mercado Futuro de Ações, quer sejam compradoras ou vendedoras, requerem o depósito de garantias na CBLC, que podem ser prestadas sob duas formas: cobertura ou margem. Cobertura é o depósito, pelo vendedor, das ações objeto de sua posição a futuro. Uma vez coberta, a posição a futuro fica isenta da prestação de garantias adicionais. Os ajustes diários, entretanto, continuam sendo realizados normalmente. Já margem, devida pelo comprador e pelo vendedor descoberto, é calculada e administrada pela CBLC e os ativos aceitos como garantia são aqueles estabelecidos e divulgados pela CBLC.
  178. 178. Fundos de Ações  A CVM – Comissão de Valores Mobiliários determinou que a partir de agora todos os fundos de ações passam a ser chamados de Fundos de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários, os FITVM.  Fundos de Ações: são fundos que concentram no mínimo 67% da carteira em ações de emissão de companhias abertas, adquiridas em Bolsa de Valores ou Mercado Balcão. O saldo dos recursos, não superando 33%, poderá ser aplicado em títulos de renda fixa, ou quotas de fundos de renda fixa, em mercados de liquidação futura (vedadas operações a descoberto para que não impliquem aumento de risco de carteira).
  179. 179. 196 MERCADO BALCÃO  No mercado de balcão os valores mobiliários são negociados entre as instituições financeiras sem local físico definido, por meios eletrônicos ou por telefone. São negociados valores mobiliários de empresas que são registradas na CVM.

×