Invólucro -Trabalho fotográfico

535 visualizações

Publicada em

Trabalho fotográfico Invólucro

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
379
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Invólucro -Trabalho fotográfico

  1. 1. Com 24 anos, Marina Arruda encontrou nos dispositivos fotográficos seu meio de pesquisa e expressão da experiência humana e seus instantes, assim como de seus rastros pelo mundo. Formou-se como fotógrafa profissional pela Escola Panamericana de Arte e extendeu seus estudos sob orientação de fotografos experiêntes nos ambitos nacional e internacional. Cursou Photographing People no International Center of Photography, em Nova Iorque, sob orientação de Harvey Stein, e Fotografia de Moda, na Faculdade Santa Marcelina, com Melissa Szymanki. Em 2013 formou-se em Design pelo SENAC defendendo um trabalho de conclusão que analisa inteceções entre fotografia, design e arte contemporânea. Integrou a equipe de educação na Fundação Bienal em 2011 e 2012 e anteriormente fora assistente dos fotógrafos André Andrade e Monolo Moran. Atualmente é coordenadora da equipe de fotógrafos na divisão de artes do Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural e vem realizando pesquisas e ensaios autorais em fotografia e video. De modo análogo experimenta produções de caráter colocaborativo em parceria com outros membros do Coletivo Triângulo, do qual faz parte. Portifólio e mais informações em www.marinaarruda.com
  2. 2. Invólucro A apresentação se insubordina as intenções das estéticas apresentadas e o que se mostra diante dos olhos é aquilo em que se torna por trabalho e aquilo que se é por acaso ou atribuição. O revestimento, a segunda pele e significações sobre a mesma, emerge como arena de conflitos existenciais, que em conjunto com a própria pele e as possibilidades de transformação do corpo agem como dispositivos protetivos capazes de reportar o indivíduo a uma dimensão originária, na qual nunca se deixa de ges- tar a si mesmo. As imagens de Marina Arruda enaltecem a crueza do olhar, que permite o transito entre os limites daquilo que está dentro e o que se apresenta por fora. Essência e a aparência se confundem involu- tivamente tal como o fantástico e o concreto se tocam no nascimento dos sonhos. A fotografia como ferida, conceito de Roland Barthes, do qual se apropria a artista é justamente este limiar revelador de forças capazes de colocar em xeque as presunções da objetividade. As feridas são cavidades que ex- põe ao olhar mistérios acobertados por rígidas camadas de convenções sociais, antes ainda eventos, que nascem, morrem e renascem por forças de sua própria beleza. Suportes para que nos suportemos nossos corpos se tornam invólucros de nós mesmos, abrigo físico sujeito as investidas dos afetos e matéria por meio da qual experimentamos sinestesias paridas de um universo de ideias em choque. O corpo, o olhar e a imagem, filha do olhar, como invólucros reservam para si a capacidade de cobrir, velar ou envolver algo, que só pode ser ativado, desvelado ou rompido pela intervenção de outro. Para entrar no universo capturado por Marina Arruda não há demandas por conhecimentos que não sejam aqueles que remontem a biografia do próprio leitor das imagens.

×