1
Catálogo da exposição de formatura 2014
Bacharelado em Artes Plásticas
escola guignard - Uemg
2
AQUI SERÁ A
CAPA
3
Prof. Dijon Moraes Júnior | Reitor da UEMG
Prof. José Eustáquio de Brito | Vice-Reitor da UEMG
Profª. Ana Cristina Brand...
Professores Orientadores:
Adriano Gomide | Desenho
André Hallak | Fotografia
Betânia Silveira | Cerâmica
Getúlio Moreira |...
Apresentação
Alexandre Portilho
Amanda Coimbra
ANA CARLA FIGUEIREDO
ANDRéA FARNEZI VELLOSO
Andréa goulart
Arthur ribeiro
B...
Apresentação
Verbo a ser conjugado com certa regularidade no percurso de trabalho de um artista,
“expor” assume o caráter ...
7
Estruturas e Relações #19, 2014
Acrílica sobre tela
120 x 160 cm
ALEXANDRE PORTILHO
pintura
A série “Estruturas e Relaçõ...
8
pintura em metal, 2014
Fotografia
60 x 90 cm
fotografia
Trabalho de fotografia buscando referências de pintura (cor) e d...
Reminiscências  é um exercício de
registro da memória pessoal. O
projeto teve seu início na investiga-
ção de “casas de me...
Ana carla figueiredo
pintura
Quando a vida muda a direção, a redescoberta de
novos caminhos passa por um período de gestaç...
11
xilogravura
FESTA DE IEMANJÁ, 2014
Xilogravura
50 X 80 cm
As festas populares movimentam a energia
do povo baiano que, ...
12
Andréa Farnezi Velloso
pintura
wilma I
(Da série pólos), 2014
Óleo sobre tela
20 x 20 cm
Meus trabalhos sempre são infl...
13
Andréa goulart
desenho / pintura
CORPO S.K.T. - Desenhos
Série corpos S.K.T, 2014
Nanquim e pincel seco
60 x 60 cm
Corp...
14
15
Arthur ribeiro
litografia
Das trevas à iluminação, um caminho
percorrido pela série de litogravuras
que busca atravessa...
16
bruno castro
serigrafia
Em maior ou menor grau, toda obra traz índices
da cultura que lhe precedeu, pelo simples fato
d...
xilogravura
Dado como utópico, inalcançável
e irracional por pensadores como
Pitágoras, Parmênides e Platão, o
infinito pa...
18
Carolina Botura
escultura
sonda, 2010-2014
Ação
E o tempo, presença indistinta capaz de atua-
lizar-se a partir dos aco...
19
Cássia Perocco
Cerâmica
O presente trabalho se manifesta como uma
instalação de emaranhados de fios de porce-
lana, sig...
20
CIRCE SOARES
pintura
RETRATOS: QUALQUER SEMELHANÇA PODE NÃO
SER MERA COINCIDÊNCIA, 2014
Acrílica sobre papel
23 X 20 cm...
21
Clarice Steinmüller
pintura
Santo Protestante, 2014
Óleo sobre tela
70 X 80 cm
u·ni·ver·sal
adjetivo de dois gêneros
1....
22
Cláudia Guerra
Fotografia
O ensaio fotográfico Como estarei quando
ela chegar? é inspirado nas diversas pos-
sibilidade...
23
pintura
	 intervalo, 2014
	 	 Óleo sobre tela
		 35 x 100 cm
Pintura é um campo expressivo no
qual atuo e me movimento ...
24
Cristiane Felix
escultura
Trabalhar a figura humana na escultura é
estar aberta às experimentações. Com-
preender e res...
pintura
Trazer a figura contemporânea para os dias
de hoje é ressaltar a necessidade de chamar
a atenção do homem para sua...
26
daniel costa filho
desenho
Somos mais macacos do que da última vez,
Façamos melhor, então!
Por que diabos estamos a for...
27
pintura
a placa da zona de perigo
O macaco no pedestal do reencontro, 2014
Óleo sobre tela
				 os três filhos de caim
...
28
dinho bento
desenho
Costumo levar o meu trabalho a locais
abandonados pela cidade ou fora dela,
valorizando os espaços ...
29
DUCINEIA SILVA
desenho
sem título, 2014
Acrílica e colagem sobre tela
A saudade que nos olha.
O desejo é trazer para o presente o passado.
A saudade se manifesta. 
Em representações da saudade...
31
pintura
a saudade que nos olha, 2014
Acrílica sobre tela
170 x 120 cm
32
pintura
Eugênia França
Ausência Incrustada é um recorte do
meu olhar sobre o mundo.
Uma tentativa de ressignificação do...
desenho
Fabricia batista
aproximações, 2014
Grafite e lápis de cor sobre papel manteiga e papel de seda
14,8 x 21 cm
A sér...
34
cerâmica
Felipe velloso
Trabalho realizado em cerâmica
com contexto crítico a respeito dos
costumes da sociedade atual ...
35
fotografia
Flávia andrade
"A fotografia é a visão de uma realidade reinterpreta-
da, escolhida muitas vezes a partir de...
36
xilogravura
“vem vindo que vem vindo um vento
que vem vindo um vento sem pé nem cabeça
que nem antena de louva-a-deus d...
37
desenho
guilherme bita
Construções falhas, casas esquecidas no tempo, mu-
ros que caem sob a força da gravidade. É tão ...
pintura
inês Lana Gastelois
FizestapinturasobreaúltimafotoqueTarkowski
fez em vida. Alguns dias antes de falecer este
páss...
39
cerâmica
iolanda murta
A Energia é um organismo oculto que
habita todo ser vivente - é a matéria de
todos os devires.
E...
Cidade, Olhar, Impressão: uso da técnica
Serigrafia (policromia) como recurso para
desenvolver o diálogo (mediação) entre ...
Eujácursavaartesquandoinicieiasaulas
de circo. Saia mais cedo da faculdade e
corria para minhas acrobacias. Foi onde
a ins...
As pinturas que apresento foram feitas a
partir de fotografias.
As fotografias foram feitas a partir de
uma captação espec...
Sem título
Da Série conexões, 2014
Sem título
Da série conexões, 2014
43
xilogravura
Luara Diniz
Refere-se à compreensão d...
44
cerâmica
Lídia Lana Gastelois
		 entre-folhas, 2014
		 Cerâmica 	
		 200 X 200 cm
A mesma torrente de vida que dia e no...
entre-folhas, 2014
Grafite e linha sobre papel
38 X 95 cm
45
desenho
Já a folha
vira
folha
solta
que transpassa luz
colada...
poder, 2014
Acrílica, óleo, spray sobre lona de
publicidade política	
46
pintura
Luíz carlos ferreira
Poder é ao mesmo tem...
três, 2014
			 Vídeo
fotografia
O trabalho pretende pesquisar os
diálogos possíveis entre os registros
de três objetos sem...
privacidade, 2014		
	 	 Acrílica sobre tela
		 32 x 53 cm
48
pintura
Luiza Gasparini
"Privacidades" é uma série que aborda...
49
pintura
Maria Josefina Coelho
Rugas ninguém quer, mas elas revelam uma outra
beleza da pessoa, sua experiência, o saber...
50
Solidão, sensação de vazio que acompanha
o ser por onde for.
As pessoas podem estar rodeadas de gente
por todos os lado...
fotografia
Maria Helena Rocha
52
gravura em metal
Enquanto alguns vendem outros invadem.
Impar, 2014
Gravura em metal
53
fotografia
Maria Teresa Gontijo Cordeiro
O deslumbramento pela tecnologia
moderna está distanciando o homem
da natureza...
54
desenho
marilda morais de mattos
Vou rabiscando e formando imagens que
surgem do dialogo entre a mão e o olhar.
Neste m...
55
fotografia
Água, luz líquida, mãe e alento de tudo o que é vivo.
A Água limpa, lava, leva.
Renova, revigora.
Solve, dis...
56
serigrafia
Marília Rampinelli Balzani
O escolha do tema, do trabalho
plástico desenvolvido, permeia
uma pesquisa pessoa...
57
pintura
Marlúcia oliveira
O tecido, o bordado e a escrita são
constantes em meu processo artístico.
Trabalho a abrasivi...
58
cerâmica
Mauricio Gustavo Alkmin
Fotografia: Betânia Silveira
O pote é generoso em seu côncavo, é re-
ceptivo e guardiã...
59
serigrafia
alter ego, 2014
Minha poética transita no limiar entre
o conhecido e o desconhecido, sendo
o segundo o que m...
60
pintura
Marinna vieira
setenta por cento, 2014
Óleo e acrilica sobre tela
61
pintura/ serigrafia
Mendes jacinto
Ao trabalhar com a imagem serigráfica
tento romper com sua tentativa de equi-
dade. ...
62
cerâmica
Nara rangel
Este é um trabalho híbrido: pode ser
desenho, pode ser cerâmica. Com
isso viso expressar uma ambig...
63
cêramica
Nísia Fernandes
universo, 2014
Cêramica
Dimensões variadas
64
pintura
Fazendo uma correlação entre o
meu percurso artístico na pintura e
a história da arte, eu ousaria dizer
que aca...
65
pintura
Otavio Resende Cardoso
Mesmo tendo um prazo aperta-
do e estando comprometido com
várias outras coisas, estou c...
O trabalho “Mulheres que Somos”,
apresentado pela aluna Priscila
Paes Landim para habilitação em
Serigrafia do curso de Ba...
Busquei no trabalho “Equiva-
lências” do fotografo Alfred
Stieglitz, a base e sustentação
para minha proposta.
Utilizei re...
UMA DOSE DE DESENHO
Um corpo imerso no desenho
O desenho do corpo imerso
O desenho que encorpa o corpo
O desenho que forma...
Para a cegueira narcisa, a pintu-
ra que não é. Enlaces à cegas com
a imagem do espelho revelam um
desejo enorme pelo enco...
70
xilogravura
Rag
O trabalho desenvolvido consiste
em imprimir no papel as marcas
do tempo, intempéries e inter-
venções ...
Motivações e Contrapartidas é uma obra
composta por 50 (cinquenta) fotografias,
distribuídas em 10 (dez) módulos de 5 (cin...
serigrafia
72
A ideia central da obra tem como base a
análise dos Benzodiazepínicos- uma classe
de drogas muito popular em...
A aranha tece, embola suas patas
nos fios, um trabalho incessan-
te, condição que ela mesma não
percebe.
Quando consome su...
Mais de 30 máscaras mortuárias
feitas a partir do molde do meu
rosto. Uma elaboração das mor-
tes que carrego em vida.
74
...
75
fotografia
Efêmera, 2014
Stop Motion / Vídeo
Uma animação feita em stop motion,
onde acontece uma decomposição de
uma m...
76
fotografia
Stephanie de Freitas
Meus questionamentos no desenvolver
do trabalho foram com base da investi-
gação sobre ...
77
desenho
Su andrade
Rede Muscular é uma composição de
desenhos de caráter abstrato, que além de
apresentar uma linguagem...
78
fotografia
plano tátil, 2014
Fotografia
Ver não se limita só ao olhar,
abrange outros sentidos e desen-
volve nossa sen...
79
cerâmica
thais brasileiro
'Para que a paisagem aconteça, não
basta o mundo natural, pois ela não
pertence à natureza, m...
pintura
thiago alvim
Este trabalho nasce a partir duma intensa
pesquisa em espaços urbanos e degradados,
ricos em manchas,...
81
83
Catálogo exposição de formatura 2014
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Catálogo exposição de formatura 2014

977 visualizações

Publicada em

Catálogo de exposição de formatura Bacharelado em Artes Plásticas,realizada do período de 04 de dezembro de 2014 a 15 de Dezembro, nos espaços da escola Guignard

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Catálogo exposição de formatura 2014

  1. 1. 1 Catálogo da exposição de formatura 2014 Bacharelado em Artes Plásticas escola guignard - Uemg
  2. 2. 2 AQUI SERÁ A CAPA
  3. 3. 3 Prof. Dijon Moraes Júnior | Reitor da UEMG Prof. José Eustáquio de Brito | Vice-Reitor da UEMG Profª. Ana Cristina Brandão | Diretora da Escola Guignard-UEMG Prof. Carlos Wolney Soares | Vice-Diretor da Escola Guignard-UEMG Profª. Daniela Goulart | Coord. do Curso de Bacharelado em Artes Plásticas Catálogo referente à Exposição de Formatura do Curso de Bacharelado em Artes Plásticas da Escola Guignard, realizada no período de 04 a 15 de dezembro de 2014, nos espaços da escola. EDITORIAL Projeto Gráfico | Thaís Geckseni e Alexis azevedo Diagramação | Thaís Geckseni
  4. 4. Professores Orientadores: Adriano Gomide | Desenho André Hallak | Fotografia Betânia Silveira | Cerâmica Getúlio Moreira | Desenho e Xilogravura Giovani Fantauzzi | Escultura Lamounier Lucas | Serigrafia Marco Túlio Resende | Desenho Marco Paulo Rolla | Pintura Maria Emília Campos | Xilogravura Nara Firme Braga | Litografia Paula Fortuna | Fotografia Paulo Amaral | Pintura Paulo Lisboa | Gravura em Metal Renato Madureira | Escultura Thereza Portes | Pintura Comissão de Organização da Exposição de Formatura 2014 Professor André Hallak Professora Daniela Goulart Professora Fabíola Tasca Professor Lamounier Lucas Agradecimentos: equipe de apoio da Escola Guignard
  5. 5. Apresentação Alexandre Portilho Amanda Coimbra ANA CARLA FIGUEIREDO ANDRéA FARNEZI VELLOSO Andréa goulart Arthur ribeiro BRUNO CASTRO CAROLINa botura CÁSSIA PEROcCO CIRCE SOARES Clarice Steinmüller Cláudia Guerra Cristiane Felix Daniel Costa Filho DINHO BENTO DUCINeIA SILVA Du Flauzino Eugênia França Fabrícia BATISTA Felipe Velloso FLÁVIA ANDRADE GUILHERME BITA INêS LANA Gastelois Iolanda Murta jairo Martins Jaqueline Simionato Júlia Bruno Luara Diniz Rocha lídia Lana Gastelois Luiz Carlos de Oliveira Ferreira luiza gasparini Maria Josefina Coelho Maria gomes martins MARIA helena ROCHA Maria Teresa Gontijo Cordeiro Marilda Morais de Mattos Marília Rampinelli Balzani MARLÚCIA OLIVEIRA Maurício Gustavo Alkmin marinna vieira mendes jacinto NARA rangel nísia Fernandes otavio Resende cardoso Prisca Paes Rafael de oliveira mata Filho Raquel Nácar Rag ronaldo Gazel pereira samara martins da costa Sandra santiago Stephanie de Freitas Su Andrade Thais brasileiro Thiago Alvim 5 7 9 10 12 13 15 16 18 19 20 21 22 24 26 28 29 30 32 33 34 35 37 38 39 40 41 42 43 44 46 48 49 50 51 53 54 56 57 58 60 61 62 63 65 66 67 68 70 71 73 74 76 77 79 80
  6. 6. Apresentação Verbo a ser conjugado com certa regularidade no percurso de trabalho de um artista, “expor” assume o caráter de protagonista nos últimos períodos do curso de Artes Plásti- cas, quando os alunos tem diante de si a tarefa de endereçar ao outro – aos seus pares, familiares, professores, eventuais visitantes – a conclusão de um processo de formação. Processo que pode ser compreendido enquanto pesquisa e enfrentamento, palavras que nos auxiliam aqui a pensar a formação do artista. Ao longo de seu percurso no contexto da escola de arte, cada aluno desenha um trajeto pes- soal e intransferível por meio das experiências que reúne e reconhece. Eis, portanto, a en- vergadura da tarefa dos alunos, dos professores, da instituição: dar a ver um processo por meio de uma ação/objeto pontual. As feições do trajeto percorrido serão percebidas com clareza no decorrer do tempo de reafirmação do próprio trabalho, pesquisa e en- frentamento, mas, “expor” deve ser conjugado no presente. As nove habilitações que compõem o currículo da Escola Guignard: cerâmica, desenho, escultura, fotografia, gravura em metal, litografia, pintura, serigrafia e xilogravura es- tabelecem territórios de investigação, campos de discussão acerca das especificidades de cada uma dessas linguagens, bem como indagações sobre a pertinência da própria noção de especificidade das linguagens frente ao híbrido território da arte contemporâ- nea. A exposição de formatura dos alunos do Bacharelado em Artes Plásticas da Escola Guig- nard do ano de 2014 segue o formato proposto no ano anterior, quando optamos por ocupar todo o espaço da escola com os trabalhos de conclusão do curso, em detrimento de uma ocupação exclusiva da galeria. Tal proposta pretende constituir a circunstância para dar a ver os trabalhos dos alunos e a escola que os abriga numa delicada relação de iluminação recíproca. Comissão de Organização da Exposição de Formatura 2014
  7. 7. 7 Estruturas e Relações #19, 2014 Acrílica sobre tela 120 x 160 cm ALEXANDRE PORTILHO pintura A série “Estruturas e Relações” se baseia na experimentação sobre as estruturas da pintura, linha, cor, espaço, luz, camadas, transparência, matéria, gestualidade, etc. e as relações que se pode estabelecer entre essas estruturas. Traz um paralelo poético com as estruturas e relações da produção humana, da relação entre homens e coisas. Foram pro- duzidos 20 trabalhos nessa série, sendo que os apresentados foram os escolhidos para a exposição de formatura 2014.
  8. 8. 8 pintura em metal, 2014 Fotografia 60 x 90 cm fotografia Trabalho de fotografia buscando referências de pintura (cor) e desenho (linha) na forma de recortes sobre o ambiente urbano que aludam ao desgaste, à corrosão e à degradação.
  9. 9. Reminiscências  é um exercício de registro da memória pessoal. O projeto teve seu início na investiga- ção de “casas de memórias”, espa- ços e outros lugares que guardam lembranças e afetos de uma vida. Através de experimentações de lin- guagens, as gravuras apresentadas representam uma parte do regis- tro das relações afetivas com um determinado espaço de memórias pessoais. 9 Reminiscências, 2014 Fototransferência e Papier Collé 21 x 26 cm Amanda Coimbra gravura em metal
  10. 10. Ana carla figueiredo pintura Quando a vida muda a direção, a redescoberta de novos caminhos passa por um período de gestação, que consiste na busca interna por uma nova razão de existir. Retornar ao útero e renascer para as no- vas experiências que refletirão o novo momento do ser. Renascimento, 2014 Óleo sobre tela 60 x 90 cm
  11. 11. 11 xilogravura FESTA DE IEMANJÁ, 2014 Xilogravura 50 X 80 cm As festas populares movimentam a energia do povo baiano que, todos os anos, através da homenagem aos Orixás, demonstra sua fé e alegria com rituais e presentes. A festa de Iemanjá é uma das mais importantes do calendário festivo de Salvador. Apresentado em forma de estandarte, procuro mostrar neste trabalho a cultura baiana utilizando um objeto bastante recorrente nas festas populares mineiras, com a intenção de criar uma mistura que já começa a existir dentro de mim.
  12. 12. 12 Andréa Farnezi Velloso pintura wilma I (Da série pólos), 2014 Óleo sobre tela 20 x 20 cm Meus trabalhos sempre são influenciados por ambientes pessoais, a inquietação e a curiosidade. Em qualquer prática, tenho como necessidade plástica a organização das ideias-pensamentos-experiências, abs- traídas de um turbilhão de vivências do presente momento. Esses trabalhos pas- sam por universos arquitetônico-urbanís- ticos, ambientais, sociais e políticos. No meu processo artístico, tenho como ca- racterística comprimir obsessões, reduzir os excessos de assuntos que trazem uma exaustão e que por isso me levam a ações. Ações de pintar em gestos grandes, fortes, espontâneos, determinados e casuais. A importância maior é que isso me traz uma percepção do mundo hoje e, ao mapeá-lo, tento fazer uma representação das polari- dades reais e existentes. A proposta deste trabalho é enfatizar os pólos da vida. Há oposições na vida, como nas camadas de tintas, as tintas pastosas ou diluídas. Me- taforicamente, represento-as como um mundo em azul ou vermelho.
  13. 13. 13 Andréa goulart desenho / pintura CORPO S.K.T. - Desenhos Série corpos S.K.T, 2014 Nanquim e pincel seco 60 x 60 cm Corpo S.K.T. é uma série de desenhos e pinturas onde procuro recriar a figura humana no ambien- te do skatismo representando, através das mano- bras, todo o dinamismo e a atitude deste esporte. Observando a prática do skate nos parques e pis- tas, descobri o quanto é expressivo e interessante plasticamente o corpo. Refletindo sobre o meu pro- cesso criativo, entendo que o movimento é a linha tênue que alinhava minhas vivências no campo das artes. Este é expresso de várias maneiras, através da linha, da mancha, da expressão corporal da figu- ra humana, no tempo e no espaço. Essa atmosfera que envolve o skate me desperta o sentimento de liberdade. A possibilidade do ser humano de rom- per os limites, transgredir leis naturais, tal como a gravidade e transpor obstáculos. Ao mesmo tempo, existe um domínio e consciência do seu potencial. Mais do que uma ação isolada é uma postura pe- rante os desafios da vida. Esse sentido eu transfiro para a arte, único ambiente em que o homem pode realmente ser livre. CORPO S.K.T. - pintura Série corpos S.K.T, 2014 Acrílica e óleo sobre tela 60 x 60 cm
  14. 14. 14
  15. 15. 15 Arthur ribeiro litografia Das trevas à iluminação, um caminho percorrido pela série de litogravuras que busca atravessar as diversas asso- ciações do preto- que mora no limiar da definição de cor, que ao longo da histó- ria percorreu os sentidos de fecundida- de, pelo depósito escuro de matéria or- gânica que o Rio Nilo deixa após a cheia, e o de trevas, associado à escuridão e à punição do inferno. Antigos povos pos- suíam maior sensibilidade pelos tons de preto conferindo-lhe diferentes nomes. Em diversas culturas o preto se refere à representatividade da divindade que ocupa o campo da morte. Com minhas gravuras utilizo da figura humana e suas expressões mesclando um mundo físi- co e imaterial com a mesma densidade, com a intenção de atravessar as conota- ções negativas e trazer à tona a luz que possui dentro dessa cor. ligação Obscuro, 2014 Litogravura - maneira negra
  16. 16. 16 bruno castro serigrafia Em maior ou menor grau, toda obra traz índices da cultura que lhe precedeu, pelo simples fato de toda criação ser uma ressignificação da reali- dade. Os signos que a inspiraram estão imersos em sua aparência e significado, tornando quase indistinguíveis da própria obra.Estes índices são evidenciados ao máximo neste trabalho, como em um remix, onde fragmentos de trabalhos anteriores compõe o novo. Não com o interesse de evocar seus significados, mas sim suas for- malidades. Nesta obra, todos os fragmentos se baseiam em uma primeira imagem, as quais fa- zem o recorte contextual para as demais, como no remix de A Grande Onda de Kanagawa, ou o remix de Abapouru de Tarsila do Amaral.O pon- to de interesse está na discussão do momento no qual estamos inseridos, em que tudo o que é criado passa por uma apropriação de outras criações anteriores, um processo antropofági- co onde a concepção do novo exige o conheci- mento do que já foi concebido. O processo vira tema. o remix de abapouru Remix, 2014 Serigrafia 42 x 29,7 cm
  17. 17. xilogravura Dado como utópico, inalcançável e irracional por pensadores como Pitágoras, Parmênides e Platão, o infinito parece real. Das dízimas pe- riódicas a juras apaixonadas, dos de- senhos esquemáticos ao sonho dos loucos, o infinito é tão tangível que nos leva a crer no “para sempre”. E é na linha limítrofe entre infinito e concreto, que se encontram estas gravuras. Desde os primeiros instan- tes, na concepção de cada matriz, o infinito é a diretriz para o trabalho, mas no desenvolvimento surgem fissuras, nas quais o fim de cada im- pressão é delineado. Entre o plane- jado e as possibilidades do processo xilográfico o infinito se esvai e surge a poética. Justo na impossibilidade de entintar a matriz cria-se a ten- são. As imagens perdem potência à medida que a tinta se extingue. O infinito se distancia quando se reali- zam as impressões. O mais correto seria concluir que as impressões são provas irrefutáveis da finitude deste projeto (mas eu não o farei). Um diá- logo sobre possibilidades e finitude. IMPRESSO esférica (IN)FINITUDE, 2014 Xilogravura 300 x 50 cm IMPRESSO CILINDA (IN)FINITUDE, 2014 Xilogravura 300 x 50 cm
  18. 18. 18 Carolina Botura escultura sonda, 2010-2014 Ação E o tempo, presença indistinta capaz de atua- lizar-se a partir dos acontecimentos, conduziu a abertura do corpo para o espaço conectan- do matérias em fluxos constantes, gerando insurgências em realidades possíveis sobre estes planos cotidianos que recortam o caos no encontro da fenda: o instante-forma, o debruçar-se sobre a força do espaço e seu maquinário, ativado por algo que se susten- te sozinho em propagação, com seus devidos vazios salvos e guardados como vestígios de limites desconhecidos. Sobre este "passar" em que agora já foi e nos sobra esse conjun- to de sensações que marcam nossas formas de fruição, possiblidades de restabelecer o instante, fora do recorte extraordinário e por vezes repressivo daquilo que se impõe como arte. O corpo coloca-se no espaço além da vi- sualidade como uma descoberta de si, como extensão no terreno das forças, todos adjeti- vos dos materiais, não tanto sua forma, mas seu conteúdo pela lida que ajuda entender suas particularidades relativas, co-dependen- tes, absolutamente oscilatórias por aquele significante inexistente na fronteira volátil das categorias. Na latência da pequena per- formance diária do atelier como um ritual inesgotável, a flecha feita de peles vai pelo bosque denso, muda um jarro de lugar, res- pira contra a parede, cola pedras e deixa um bilhete- sutilezas também podem ser revolu- ções.ENIGMA ENIGMA ENIGMA
  19. 19. 19 Cássia Perocco Cerâmica O presente trabalho se manifesta como uma instalação de emaranhados de fios de porce- lana, significando a exibição daquilo que não se expõe. Criar minhas próprias raízes, lançá -las pelo ar, deixá-las explícitas. Essa busca, a iminência daquilo que ainda não é, mas que está a procura. Raízes Estéreis, 2014 Cêramica
  20. 20. 20 CIRCE SOARES pintura RETRATOS: QUALQUER SEMELHANÇA PODE NÃO SER MERA COINCIDÊNCIA, 2014 Acrílica sobre papel 23 X 20 cm Difícil definir uma proposta de tra- balho acadêmico diferenciado e encontrar algo novo com um perfil inédito, numa linguagem própria do meu pensar e agir; e identificar-me com o estilo de alguns mestres artis- tas, explorando a multiplicidade de possibilidades da contemporanei- dade.Escolho o retrato pela minha afinidade com a figura humana. Ad- miro e me impressiono com a diver- sidade de características das ima- gens que jogam por terra os ensinos acadêmicos de proporções, estética e beleza padronizadas.
  21. 21. 21 Clarice Steinmüller pintura Santo Protestante, 2014 Óleo sobre tela 70 X 80 cm u·ni·ver·sal adjetivo de dois gêneros 1. Geral, que abrange tudo. 2. Que se aplica a tudo. 3. Que provém de tudo ou de todos. 4. Que é o mesmo em todas as partes. 5. De todo o mundo.
  22. 22. 22 Cláudia Guerra Fotografia O ensaio fotográfico Como estarei quando ela chegar? é inspirado nas diversas pos- sibilidades criativas de construção da per- ceptibilidade humana a partir do aspecto perecível da existência, envolvendo ques- tões ligadas à efemeridadee impermanência. Como estarei quando ela chegar?, 2014 Fotografia 24 x 36 cm
  23. 23. 23 pintura intervalo, 2014 Óleo sobre tela 35 x 100 cm Pintura é um campo expressivo no qual atuo e me movimento com maior intimidade, o que faz com que eu me relacione com o mundo, auxi- liando-me a compreender o que me cerca, a me defender e a educar o olhar para a percepção do novo.
  24. 24. 24 Cristiane Felix escultura Trabalhar a figura humana na escultura é estar aberta às experimentações. Com- preender e respeitar a sutileza e a resis- tência que cada material oferece natural- mente, fazendo com que o corpo entre em sintonia com a matéria, retirando a figura da banalidade. Gerando o desejo de penetrar na intimidade, parar e ob- servar por instantes, trazendo a figura ao próprio tempo de si. cabeça do fábio Experimentações, 2014 Resina Dimensões variadas braço experimentações, 2014 Argila Dimensões variadas
  25. 25. pintura Trazer a figura contemporânea para os dias de hoje é ressaltar a necessidade de chamar a atenção do homem para sua existência. O conteúdo instigante de uma estrutura pal- pável, favorável às transformações diárias de um meio, determinada pela intensidade e pelas escolhas individuais. O interesse do despertar para a vida, dos momentos, da volta do íntimo, do dentro, visceral, carnal, porque tudo passa, tudo muda, transforma e se deixa. IMPRESSO esférica Intensidade individual, 2014 Óleo sobre tela 70 x 70 cm intensidade individual, 2014 Óleo sobre tela 70 x70 cm
  26. 26. 26 daniel costa filho desenho Somos mais macacos do que da última vez, Façamos melhor, então! Por que diabos estamos a forjar incansa- velmente nosso martelo junto ao ferreiro? Para voltar p’ra casa e admirar sua potên- cia ao combate fictício? Ou deveremos por fim guardá-lo na arca e abrir a porta para a cidade? - Da porta em diante o que o outrora lhe provava, Hoje só lhe pode voltar a anunciar, Que um retorno já foi possível, E que até o profeta dos cabelos esvoaçados e da língua de fora Fechou com nobre escriba de outros tem- pos, Todos eles, tempos de outrora, tempos vindouros, e tempos de agora. sísilo, 2014 Óleo sobre papel paraná 50 x 40 cm
  27. 27. 27 pintura a placa da zona de perigo O macaco no pedestal do reencontro, 2014 Óleo sobre tela os três filhos de caim O macaco no pedestal do reencontro, 2014 Oléo sobre tela
  28. 28. 28 dinho bento desenho Costumo levar o meu trabalho a locais abandonados pela cidade ou fora dela, valorizando os espaços que foram aban- donados ou esquecidos. Grande parte desses trabalhos são iniciados no atelier (desenhando e pintando sobre o papel e logo após recortando) e sendo concreti- zado no local onde é colado. Através des- sa série de trabalhos que iniciei há cerca de dois anos, resolvi agora experimentar esse mesmo processo aplicado sobre te- las e painéis. Crio seres híbridos misturan- do elementos de um animal no corpo do outro. As principais fontes de buscas re- ferenciais são em vídeos, livros e revistas que falam sobre ciências, biologia, vida animal e mitologia. sem título, 2014 Acrílica e colagem sobre telasem título, 2014 Acrílica e colagem sobre tela
  29. 29. 29 DUCINEIA SILVA desenho sem título, 2014 Acrílica e colagem sobre tela
  30. 30. A saudade que nos olha. O desejo é trazer para o presente o passado. A saudade se manifesta.  Em representações da saudade surgem símbolos,objetos e signos; constrói-se altares para representá-la.  Assim acontece nos cortejos,  ambientes fúnebres e cemitérios, onde as pessoas entregam aos seus amores algo que representa uma porção do sagrado que ainda vive, e que também lhes olha como destino. DU flauzino fotografia a saudade que nos olha, 2014 Fotografia impressa em fine art 50 x 50 cm
  31. 31. 31 pintura a saudade que nos olha, 2014 Acrílica sobre tela 170 x 120 cm
  32. 32. 32 pintura Eugênia França Ausência Incrustada é um recorte do meu olhar sobre o mundo. Uma tentativa de ressignificação do objeto , buscando transformá-lo em objeto-palavra. Excesso, inversão, esvaziamento e coisificação me le- vam a propor uma aproximação/dis- tanciamento questionador- no pró- prio corpo as marcas parecem muito próximas para que possamos vê-las sem distorção no corpo do outro, muito distantes para que possamos vê-las em seus detalhes. É preciso propor um outro caminho. ausência incrustada, 2014 Acrílica sobre tela 185 X 180 cm
  33. 33. desenho Fabricia batista aproximações, 2014 Grafite e lápis de cor sobre papel manteiga e papel de seda 14,8 x 21 cm A série de desenhos "Aproximações" propõe, através das transparências, uma conexão do humano com o animal, propondo analogias e reflexões sobre as relações instintivas entre os seres.
  34. 34. 34 cerâmica Felipe velloso Trabalho realizado em cerâmica com contexto crítico a respeito dos costumes da sociedade atual se utilizando de uma sátira com seres mitológicos. desmitos, 2014 Cerâmica Dimensões variadas
  35. 35. 35 fotografia Flávia andrade "A fotografia é a visão de uma realidade reinterpreta- da, escolhida muitas vezes a partir de sonhos pouco duráveis. Alucinação retida e vivida só na imaginação. Só lembranças. Uma espécie de viagem impune, na busca de razões. Ineficiente tentativa de explicar, mas que faz pensar." Luiz Humberto, Fotografia, a poética do banal, 2000. overdive, 2014 Fotografia digital 40 x 40 cm
  36. 36. 36 xilogravura “vem vindo que vem vindo um vento que vem vindo um vento sem pé nem cabeça que nem antena de louva-a-deus detecta vem vindo que vem vindo um vento” Wally Salomão mémorias, 2014 Xilogravura 81 x 51 cm
  37. 37. 37 desenho guilherme bita Construções falhas, casas esquecidas no tempo, mu- ros que caem sob a força da gravidade. É tão somente nesses lugares que a estrutura se revela sem hesitar, desenham-se como para se expressar. Ao artista basta a contemplação e em gestos repetir essas linha espon- tâneas, expô-las em formas e contra formas. haicai parede Rachadura desenho, 2014 Nanquim s/ papel 220 x 100 cm
  38. 38. pintura inês Lana Gastelois FizestapinturasobreaúltimafotoqueTarkowski fez em vida. Alguns dias antes de falecer este pássaro entrou em seu aposento, e em um frag- mento de segundo de presença, alguém que es- tava no quarto o registrou através da fotografia. Passei por várias fases em sua execução, traba- lhando incansavelmente, muitas vezes coloquei uma camada sobre outra que poderia já estar pronta, até chegar a um resultado em que sinto que é como deveria ser. E nesse caso, especificamente, tentar transmitir todo o sentimento de Tarkowski em relação à este pássaro, de ternura e diálogo sobrenatural. Em muitas tradições os pássaros são mensagei- ros dos espíritos. Com um olhar mais transcen- dente, esse pássaro e essa foto nesse momento específico, é presença pura. Na pintura busco transcender a fotografia, e levar o espectador para um lugar ao qual só a pintura pode levar, na tentativa de provocar uma experiência estéti- ca precisa, como se quem a contempla estivesse presente dentro desse aposento como testemu- nha do momento em tempo real. Acredito que só a pintura como meio é capaz de chegar nes- te lugar, a pintura supera a fotografia. A pintura ainda não está finalizada, darei continuidade ao trabalho após a exposição. conhecimento natural, 2014 Óleo sobre tela 100 x 80 cm
  39. 39. 39 cerâmica iolanda murta A Energia é um organismo oculto que habita todo ser vivente - é a matéria de todos os devires. Energia: Morfologia Poética do Corpo Sutil, 2014 Cerâmica Dimensões variadas
  40. 40. Cidade, Olhar, Impressão: uso da técnica Serigrafia (policromia) como recurso para desenvolver o diálogo (mediação) entre a Fotografia e a Pintura. sem título, 2014 Serigrafia 40 serigrafia jairo martins
  41. 41. Eujácursavaartesquandoinicieiasaulas de circo. Saia mais cedo da faculdade e corria para minhas acrobacias. Foi onde a inspiração surgiu... os espetáculos cir- censes registrados por fotografia, com cores tão vivas, ultrapassavam o limite do papel e desafiavam minha imagina- ção. Todas aquelas cenas dos professo- res e colegas de classe, com movimentos precisos e olhares expressivos me moti- varam a dar inicio aos desenhos basea- daos no "CIRCO". Os materiais utilizados nesses desenhos não foram premeditados, foram esco- lhidos aleatoriamente atendendo ao pedido do meu coração. Refletindo so- bre minhas "escolhas", sei que não po- deriam ter sido melhores. Ferramentas simples, apenas caneta e lápis. A caneta me remete aos adultos, estes carregam o fardo de não poderem errar. Procuro a 001 Ah, o circo! Entre cores e rasbicos... , 2014 Caneta esferográfica e lápis de cor sobre papel 30 x 21 cm precisão do traço combinada a cautela. Isso exige segurança, reflete a estabilida- de que adquirimos na fase adulta. Lem- bro-me da dificuldade ao usar a caneta e "abandonar" o lápis, me adaptar a for- ma de expressão. Lápis me faz lembrar a infância. O fascínio, os sonhos ainda em fase de construção e a imaginação impe- tuosa das crianças. Como não pensar em crianças ao usar lápis de cor?! Hoje, em minhas realizações, aplico a mescla entre o adulto e a criança, procu- rando expressar o equilíbrio. No mesmo desenho temos a caneta, firme e dura, ao mesmo tempo o lápis de cor, acres- centando a suavidade e a magia. O circo é um mistério... os espetáculos são im- previsíveis! Deixo desenhos com partes por colorir, esse foi meu método de agu- çar a imaginação do apreciador. 41 desenho jaqueline simionato
  42. 42. As pinturas que apresento foram feitas a partir de fotografias. As fotografias foram feitas a partir de uma captação específica do momento, em que a luz, a composição e o elemento em si fotografado pudessem resultar em uma pintura mais cativante, interessante e inquietante. Técnica Percepta, 2014 Óleo sobre tela 42 pintura júlia bruno
  43. 43. Sem título Da Série conexões, 2014 Sem título Da série conexões, 2014 43 xilogravura Luara Diniz Refere-se à compreensão do espaço como o resultado de uma aglomeração de ambientes distintos e, aparentemente, independentes, os quais influem sobre a dinâmica uns dos outros e, logo, sobre o próprio espaço. Atuando, assim, em con- junto - em unidade.
  44. 44. 44 cerâmica Lídia Lana Gastelois entre-folhas, 2014 Cerâmica 200 X 200 cm A mesma torrente de vida que dia e noite percorre as minhas veias, percorre o mundo e dança em cadencia- das maneiras. É a mesma alegria que, varando a poeira da terra, rebenta alegremente nas lâminas inúmeras da relva e precipita-se em ondas tumultuosas de folhas e flores. É a mesma vida que é embalada pelo fluxo e refluxo, no oceano: berço do nascimento e da morte. Sinto que os meus membros seglorificaram aocontatodessemundodevida. E orgulho-me de ter, neste momento, dançando no meu sangue a pulsação vital dos tempos. Rabindranath Tagore
  45. 45. entre-folhas, 2014 Grafite e linha sobre papel 38 X 95 cm 45 desenho Já a folha vira folha solta que transpassa luz colada na retina seguindo o contorno de sua mutação a linha dança no espaço respira para a verticalidade
  46. 46. poder, 2014 Acrílica, óleo, spray sobre lona de publicidade política 46 pintura Luíz carlos ferreira Poder é ao mesmo tempo a autoridade e o direi- to. A autoridade do político, o direito de propagar sua imagem, o poder da publicidade em sua pro- paganda. As imagens falsas, de um poder inexis- tente.
  47. 47. três, 2014 Vídeo fotografia O trabalho pretende pesquisar os diálogos possíveis entre os registros de três objetos semelhantes. As in- terferências possíveis entre os cam- pos coexistentes e sua simultaneida- de virtualizada. O objeto de pesquisa inicial são três árvores registradas no interior de Minas Gerais, projeta- das, simultaneamente, lado a lado.
  48. 48. privacidade, 2014 Acrílica sobre tela 32 x 53 cm 48 pintura Luiza Gasparini "Privacidades" é uma série que aborda, através de diferentes recortes, cenas privadas e cotidianas de pessoas dentro de suas intimidades, sem romper com a pessoalidade presente em cada situação. Os contextos abordados nas imagens são, em sua maioria, banais e comuns, compostos por elementos do dia a dia, que aproximam as pessoas aos trabalhos, pos- sibilitando uma possível familiaridade com as situações retra- tadas. O espectador é induzido a entrar nesses espaços, de forma sutil, como se sua presença fosse natural e indiferente, ou de uma maneira invasiva, disfarçada, violando tais privaci- dades sem que fosse notado.
  49. 49. 49 pintura Maria Josefina Coelho Rugas ninguém quer, mas elas revelam uma outra beleza da pessoa, sua experiência, o saber que a pessoa acumulou, seu interior, sua maturidade e mais um mundão de coisas. As rugas armazenam uma infinidade de significados, e quando a gente re- flete sobre isso, a gente vê as rugas da pessoa com um outro outro olhar. É revelada a beleza das rugas. Sábio Envelhecer, 2014 Óleo sobre tela 30 x 50 cm
  50. 50. 50 Solidão, sensação de vazio que acompanha o ser por onde for. As pessoas podem estar rodeadas de gente por todos os lados e estar sozinhos. xilogravura Maria gomes martins solidão, 2014 Xilogravura 56,5 x 43 cm
  51. 51. fotografia Maria Helena Rocha
  52. 52. 52 gravura em metal Enquanto alguns vendem outros invadem. Impar, 2014 Gravura em metal
  53. 53. 53 fotografia Maria Teresa Gontijo Cordeiro O deslumbramento pela tecnologia moderna está distanciando o homem da natureza e do convívio social. O objetivo deste projeto é provocar questionamentos e reflexões destas consequências nocivas provocadas pelo mau uso dos aparelhos eletrônicos. emersão, 2014 Fotografia
  54. 54. 54 desenho marilda morais de mattos Vou rabiscando e formando imagens que surgem do dialogo entre a mão e o olhar. Neste movimento das mãos, dos dedos, acontece o gesto, e do gesto registrando impulsos, a imagem. Esta vai fluindo livre, filha de um sentir profundo, de uma neces- sidade de manifestação da forma que vai se concretizando num jogo matéria/movimento/ espaço. Movimentos “automáticos” e repetidos criam um ritmo que deixam como marcas, um desenho no papel. Esses desenhos me lembram paisagens de um lugar distante. Me lembram constelações, galáxias, vórti- ces, labirintos. Os movimentos que nascem de uma região não penetrada pelo pensa- mento ou raciocínio, os quais chamo de “au- tomáticos”, formam configurações muitas vezes geométricas, mas também orgânicas, em um mesmo desenho. Paisagens de Mundos Distantes, 2014 Desenho/xerox 100 x 110 cm
  55. 55. 55 fotografia Água, luz líquida, mãe e alento de tudo o que é vivo. A Água limpa, lava, leva. Renova, revigora. Solve, dissolve, purifica, eleva. Entre todas as suas propriedades, as conhecidas e as incógnitas,  está a propriedade de espelhar. Usufruindo dessa propriedade tão particular da água, focalizo o interesse na captação das imagens nela refletidas. Os  ambientes com padrões repetitivos , uniformes, geométricos, característicos da arquitetura presente no local onde fotografei, ao se refletirem na água que cobre uma superfície com padrões também geométricos, uniformes, repetitivos,  desconstroem o ritmo inerente à cada imagem, criando quadros, como janelas abertas a paisagens onde novos  ritmos se es- tabelecem a partir da fusão das duas realidades. mouse como paleta, 2014 Fotografia
  56. 56. 56 serigrafia Marília Rampinelli Balzani O escolha do tema, do trabalho plástico desenvolvido, permeia uma pesquisa pessoal sobre o que é, ou não é, percebido den- tro dos espaços urbanos. Com as inúmeras construções e a manei- ra como a urbe é distribuída, as pessoas tendem a observar es- paços que lhe são úteis ou caros. A partir de quando uma arquite- tura perde sua funcionalidade? A partir de quando ela é social- mente desconsiderada e passa a não ser percebida? Investigo, portanto, o papel das moradias e os significados destes lugares na construção da identidade cul- tural das pessoas. A que(m), 2014 Serigrafia sobre vidro Fotografia: Estevão Galli
  57. 57. 57 pintura Marlúcia oliveira O tecido, o bordado e a escrita são constantes em meu processo artístico. Trabalho a abrasividade da água sani- tária sobre o tecido, exploro o volume, a cor, a textura. Busco uma densidade mais bruta, desconfortante, a sensa- ção de não pertencer, de algo não na- tural. A Água sanitária obriga a cor em algo que até então só absorvia, traz exposição onde só havia o breu. Nes- te trabalho construo um relato de uma sociedade e de uma época. Busquei comentários políticos nas redes sociais e transcrevi para o tecido preto com água sanitária, agora estas vozes serão sufocadas pela massa preta volumosa. Esse clamor virtual nunca ouvido na vida real, em mim se transformou em ferida necrosada. Em Outubro as Larvas se Tornam Mariposas, 2014 Água sanitária sobre tricoline preto, bordado, preenchimento com jornal e americano cru, cola, carvão e tinta PVC
  58. 58. 58 cerâmica Mauricio Gustavo Alkmin Fotografia: Betânia Silveira O pote é generoso em seu côncavo, é re- ceptivo e guardião. Desde sua criação, nas mãos do oleiro, à medida que as paredes do pote vão sendo construídas, elas vão preenchendo seu vazio abraçando o ar em seu interior. Um pote se presta a receber, sendo assim, não tiro essa característica de meus potes, pois neles projeto meus anseios por leveza e poesia, tornando-os plenos, fazendo um transbordamento lí- rico, metafisico. As peças porosas absorvem, tal como uma esponja, qualquer líquido que se verta sobre elas. Meus potes tem sede, porém, não de água fresca, pois para tal atribui- ção eles se mostram ineficazes, mas sim sede de poesia; é pelo derramamento do lirismo interno do espectador que os po- tes se tornam plenos. pote generoso, 2014 Cerâmica
  59. 59. 59 serigrafia alter ego, 2014 Minha poética transita no limiar entre o conhecido e o desconhecido, sendo o segundo o que mais me interessa ex- plorar, por se tratar de um trabalho de concepção da minha própria identida- de. Em Alter ego a opção por explorar a ausência de expressão no rosto denota indiferença diante do mundo, da crítica externa, além de apontar para um diá- logo com o retrato de John Joseph H., da serie The most wanted (1964), de Andy Warhol. A montagem, feita por sobreposições de gravuras distintas, se endereça ao meu interesse pela ocultação, trazen- do um ar de mistério e incompletude do que não se dá a ver. Esse caráter fetichista de encobrir parcialmente o rosto almeja instigar os olhares mais curiosos a devanear sobre a face que não pode ser acessada. A escolha por trabalhar insistentemente com a cor vermelha na roupa estabelece um di- álogo cromático com cortinas do tea- tro, esses grandes anteparos de tecido separam e anunciam a transição entre realidade e ficção, espetáculo e misté- rio. Fotografia: Flávia Bertinato
  60. 60. 60 pintura Marinna vieira setenta por cento, 2014 Óleo e acrilica sobre tela
  61. 61. 61 pintura/ serigrafia Mendes jacinto Ao trabalhar com a imagem serigráfica tento romper com sua tentativa de equi- dade. Imprimindo-as únicas entre vela- duras e ao revelar certas partes tenho o acaso nesse processo. A colagem se- rigráfica mais a pintura se tornam uma só. Ao mesmo tempo esse trabalho de fusão desfragmenta a imagem vetoriza- da. Esses reencaixes, sobreposições e desconexões trazem para as telas uma realidade fragmentária do mundo con- temporâneo, onde tradições e fixação de uma referência cultural não mais são tidas como pontos nodais para a cons- trução do lugar individual e social dos sujeitos. Tramas emaranhadas das realidades sociais. sirvo a cidade cranio, vermelho e cervo, 2014 Pintura/ Serigrafia sobre tela 95 x 101 cm
  62. 62. 62 cerâmica Nara rangel Este é um trabalho híbrido: pode ser desenho, pode ser cerâmica. Com isso viso expressar uma ambiguidade de uma domesticidade que foi viola- da, e o papel estereotipado de mãe e esposa, que não se manifestou em felicidade, perpetuada pelos mitos e contos de fadas. Ao abrir as gavetas liberto as memórias, e com elas sur- ge a percepção gradual de que a vida não é tão lógica, ou progressiva de uma maneira tão linear, quanto nós pensamos que fosse, e alguém sem- pre pode se achar em um papel que não lhe serve. Gavetas, 2014 Cêramica Dimensões variadas
  63. 63. 63 cêramica Nísia Fernandes universo, 2014 Cêramica Dimensões variadas
  64. 64. 64 pintura Fazendo uma correlação entre o meu percurso artístico na pintura e a história da arte, eu ousaria dizer que acabo de chegar à Renascença. Após um período obscuro, houve uma quebra no meu modo de fazer e pensar arte, ingressando agora numa fase literalmente “autoral”. Passei a assinar minhas produções com minha própria presença, usan- do fluidos corpóreos na técnica. Na série Renascença, aproprio-me de algumas imagens de figuras huma- nas masculinas de Michelangelo e as represento gestantes, pintadas com água e líquido amniótico. Eles nutrem em suas entranhas o que trazem para a humanidade. A ges- tação, neste caso, não se restringe à procriação humana, mas abrange tudo o que pode estar por vir em cada ser. Renascença , 2014 Aquarela mista com líquido amniótico 23 x 31 cm
  65. 65. 65 pintura Otavio Resende Cardoso Mesmo tendo um prazo aperta- do e estando comprometido com várias outras coisas, estou conse- guindo produzir meus trabalhos da maneira que os havia imagina- do. Pus um bocado de empenho na realização dessas obras e ver que esse esforço não está sendo em vão é muito gratificante. Sem título , 2014 Óleo sobre tela/ nanquim
  66. 66. O trabalho “Mulheres que Somos”, apresentado pela aluna Priscila Paes Landim para habilitação em Serigrafia do curso de Bacharelado em Artes Plásticas da Escola Guig- nard/UEMG, faz uma análise da mulher contemporânea que- mes- mo com todas as mudanças ocorri- das durante os anos- a sua essên- cia primitiva ainda se manifesta. Com isso, o trabalho consistiu na imagem do sexo feminino, híbrida com animais. O trabalho foi desen- volvido durante os meses de feve- reiro até setembro de 2014 e a lin- guagem escolhida foi a intervenção urbana, através dos lambe-lambes. As figuras foram coladas em luga- res específicos onde exista a pre- sença da mulher bicho, de acordo com as figuras retratadas. Os locais escolhidos foram maternidades, zonas boêmias, dentre outras ruas da cidade. www.priscapaes.tumblr.com serigrafia prisca paes Mulheres que somos, 2014 Serigrafia
  67. 67. Busquei no trabalho “Equiva- lências” do fotografo Alfred Stieglitz, a base e sustentação para minha proposta. Utilizei recortes de fotografias de nuvens nas quais ocorreram as mesmas sensações de quan- do produzi o conto, registrando os mesmos símbolos e signi- ficados, proporcionando que a fotografia não seja apenas a imagem apresentada, mas bus- cando uma forma de relacioná -la com esse conto. Dessa forma, proponho as equivalências das sensações que os recortes de fotografias de nuvens podem produzir no espectador, com os recortes do conto no leitor, associando pequenas partes do céu com alguns recortes do conto. "Num breve instante, já não sentia seu corpo em seu voo e apenas sua alma habitava o es- paço entre o céu e a terra”. E quando propus esse trabalho de fotografia baseado na lin- guagem e nas imagens recorta- das de nuvens, estou tentando falar das perspectivas de duas formas supremas de comuni- cação com o espectador, cada uma com sua forma direta de mostrar o que se quer dizer. Mas por conta da sua forma categóri- ca as imagens deveriam apresentar não uma solução do problema, mas a própria incógnita. Afinal, o que é uma fotografia? E o que é uma imagem? 67 fotografia Rafael de Oliveira Mata Filho vivo no voo, 2014 Recortes de fotografia
  68. 68. UMA DOSE DE DESENHO Um corpo imerso no desenho O desenho do corpo imerso O desenho que encorpa o corpo O desenho que forma o desenho do corpo O corpo que desenha o corpo que desenha O desenho que desenha o corpo O papel que agora é, tempo e espaço O desenho que chama o corpo O corpo que adentra o plano Incorporar o desenho Dar corpo ao plano Mergulho, insistentemente E amo, Manchas amarelas com pintinhas pretas - Maracujá Dose para desenhar a alma 68 desenho raquel nácar uma dose de desenho Dose, 2014 Técnica mista
  69. 69. Para a cegueira narcisa, a pintu- ra que não é. Enlaces à cegas com a imagem do espelho revelam um desejo enorme pelo encontro do "ser". O jogo de forças é invisível, mas o corpo que se posta enquanto objeto de arte, sacia um pouco da vontade do consumo de si e afir- ma a construção do self através da imagem. fotografia eNTRE (DESEJO), 2014 Fotografia impressa em fineart 75 x 60 cm
  70. 70. 70 xilogravura Rag O trabalho desenvolvido consiste em imprimir no papel as marcas do tempo, intempéries e inter- venções acontecidas em troncos caídos. O objetivo principal é sub- jetivar e transubstanciar a vida e morte de uma árvore em objeto de arte. Os espaços trincados causados pelas intempéries e trajetos da serra, transversalmente em tron- cos de árvores, interpelam os re- gistros das ações construtivas e destrutivas do tempo. Vejo aqui um potencial de registro simultâ- neo de passado, presente e futu- ro. marcas, 2014 Xilogravura 190 X 100 cm
  71. 71. Motivações e Contrapartidas é uma obra composta por 50 (cinquenta) fotografias, distribuídas em 10 (dez) módulos de 5 (cin- co), agrupadas em matrizes formadas por 2 (duas) colunas e 2 (duas) linhas. Essas ma- trizes são impressas sobre papel adesivo em padrões quadriculados capazes de preen- cher qualquer tipo de ambiente ou superfí- cie expositiva. As imagens tratam do cotidiano do autor, que registra no Instagram – popular aplica- tivo para dispositivos móveis, baseado no compartilhamento de fotografias – os prin- cipais momentos do seu dia, dentre refei- ções – tema recorrente – amores, viagens e situações inusitadas, revelando a indiscu- tível essência autobiográfica da obra, desde a escolha dos temas até à criação das ani- mações e intervenções lúdicas que serão reveladas na tela dos dispositivos móveis, através de realidade aumentada, refletindo diversas afinidades e reflexos do universo semiótico do autor durante sua vida. Para baixar o aplicativo em dispositivos An- droid basta baixar no endereço http://www. motivacoes.art.br (a partir de 10/11/2014) 71 fotografia Ronaldo Gazel Pereira Motivações e Contrapartidas, 2014 Fotografia digital em papel adesivo com ativação de realidade aumentada Dimesões variaveis
  72. 72. serigrafia 72 A ideia central da obra tem como base a análise dos Benzodiazepínicos- uma classe de drogas muito popular em todo o mundo- E das pessoas que os utilizam, seus efeitos, dores e prazeres relacionados, retratados em uma experiência transmídia que se dá a partir de 4 gravuras em técnica mista- fine arts e serigrafia, cada uma delas represen- tando um tipo distinto de benzodiazepínico. Essas gravuras, além da fruição clássica, di- reta, proporcionada pela relação luz > tela/ pigmentos > retina, oferecem uma imersão pouco usual no universo da arte, que tan- gencia elementos tecno e sociológicos (data mining nas mídias sociais), artísticos e mate- máticos (recombinação e análise de dados), através de realidade aumentada. A realidade aumentada nada mais é do que a apropriação dos eixos tridimensionais (x, y, z) de determinadas imagens, e a utiliza- ção destes para a projeção de planos e ob- jetos tridimensionais na tela de um disposi- tivo móvel, que deverá possuir o aplicativo criado pelo artista, baixado gratuitamente. Para baixar o aplicativo em dispositivos An- droid, basta acessar o endereço: www.ben- zo.art.br (a partir de 10/11/2014) Bromazepam_v4 benzo, 2014 Serigrafia sobre fine arts printing com ativação de realidade aumentada Clonazepam_v4 benzo, 2014 Serigrafia sobre fine arts printing com ativação de realidade aumentada
  73. 73. A aranha tece, embola suas patas nos fios, um trabalho incessan- te, condição que ela mesma não percebe. Quando consome suas presas mantém o exterior imaculado, pro- duzindo múmias envoltas em seda. Aracnídeo e homem com suas ne- cessidades de consumo, ambos taxidermistas porém por motivos diferentes. 73 gravura em metal Samara Martins da Costa insensatez, 2014 Água-forte, couro de cabra, cesto, madeira e linha encerada 36 X 29 X 12cm
  74. 74. Mais de 30 máscaras mortuárias feitas a partir do molde do meu rosto. Uma elaboração das mor- tes que carrego em vida. 74 cerâmica Sandra santiago Mortuária: In memoriam, 2014 Cerâmica -35 peças 20 x 15cm
  75. 75. 75 fotografia Efêmera, 2014 Stop Motion / Vídeo Uma animação feita em stop motion, onde acontece uma decomposição de uma máscara produzida a partir do molde do meu rosto. Um diálogo sobre a pró- pria efemeridade.
  76. 76. 76 fotografia Stephanie de Freitas Meus questionamentos no desenvolver do trabalho foram com base da investi- gação sobre as relações que envolvem a perspectiva estética. Toda fotografia é um discurso visual que se apresenta de diversas maneiras a cada diferente pen- samento. E é esse olhar que dá o maior poder de se criar ricas e imaginárias pos- sibilidades de se enxergar este trabalho. degude, 2014 Fotografia
  77. 77. 77 desenho Su andrade Rede Muscular é uma composição de desenhos de caráter abstrato, que além de apresentar uma linguagem estética de sínte- se de elementos, em busca da simplificação das formas, possui também uma condição simbólica gerada pela representação de Ho- mem/Natureza. O alastramento de formas orgânicas trans- mite uma noção de expansão, semelhante aos galhos de árvores, e as texturas presen- tes nas imagens criam certos volumes que sugerem formas musculares baseadas nos desenhos dos estudos anatômicos do Renas- cimento, assim, a totalidade da figura simbo- liza a fusão entre esses dois elementos, na qual o Homem aparece incorporado na Na- tureza. Rede Muscular, 2014 Nanquim sobre papel
  78. 78. 78 fotografia plano tátil, 2014 Fotografia Ver não se limita só ao olhar, abrange outros sentidos e desen- volve nossa sensibilidade. A série fotográfica Plano-Tátil reúne nove registros de composições feitas a partir dos Pisos Táteis que foram implantados em Belo Horizonte duranteoano2014. Asfotografias estimulam a percepção do Chão como forma que possui inúmeras possibilidades de composição. As imagens destacam detalhes que em geral passam despercebidos nesse plano banal, através da ex- ploração de texturas presentes nos altos relevos dos elementos figurativos, a partir disso, o tato é também convocado a participar da experiência visual da obra.
  79. 79. 79 cerâmica thais brasileiro 'Para que a paisagem aconteça, não basta o mundo natural, pois ela não pertence à natureza, mas à cultura. Para que a paisagem exista, é neces- sário reunir um homem, um ponto de vista e, sobretudo, uma narrativa que possa nomear o que o homem vê e sente [...] Sendo a paisagem uma nar- rativa alinhavada através de uma soma incompleta de saudades próprias ou alheias, de memórias e de perdas, de iluminações e de apagamentos, essa ficção - a paisagem- tornaria a sepa- ração entre o homem e a natureza ambígua, imprecisa, porém aceitável, pois o que vemos não se basta apenas em vermos.'' (Maria Angélica Melendi) Quando olhei para dentro enxerguei, 2014 Cerâmica 150 x 35 x 35cm
  80. 80. pintura thiago alvim Este trabalho nasce a partir duma intensa pesquisa em espaços urbanos e degradados, ricos em manchas, texturas e formas orgânicas. Dialogando com tais elementos, ligo a um uni- verso lúdico, intuitivo e fantasioso, onde sob a influência da dança, danço formas e elementos num suporte preparado para receber. sem título, 2014 Técnica mista sobre tela
  81. 81. 81
  82. 82. 83

×