SlideShare uma empresa Scribd logo
XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e
X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
1
AUTOMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE UMA BOMBA DE INCÊNDIO
Adriano Rodrigues Rosa1
, David William Laurindo2
, Carlos Eduardo Cabral Vilela3
1, 2,3
UNIVAP/FEAU-Engenharia Elétrica, Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova, CEP 12244-000, São José
dos Campos – SP, adriano.rodrigues.rosa@hotmail.com
1
; david.w.l@hotmail.com
2
;
heilandvilela.engenharia@gmail.com
3
Resumo- Através deste estudo pretendemos aprimorar e automatizar o sistema de acionamento de uma
bomba de incêndio, respeitando as instruções técnicas vigentes do CBPMESP (Corpo de Bombeiros da
Policia Militar do Estado de São Paulo) a Instrução Técnica nº (22/2004), (Sistemas de Hidrantes e de
Mangotinhos para combate a incêndio), e também a NBR (13714:2000), (Sistemas de Hidrantes e de
Mangotinhos para combate a incêndio) da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Através de
uma chave de fluxo iremos detectar a alteração da pressão na linha d’água do sistema de incêndio, esta
chave por sua vez irá acionar um comando elétrico que acionará uma moto-bomba, que irá pressionar a
linha, dando uma maior pressão ao jato d’água.
Palavras-chave: Automação, Sistemas, Bomba de Incêndio, Comando Elétrico, Sistema de Incêndio.
Área do Conhecimento: ENGENHARIAS
Introdução
Segundo o decreto estadual n° 46.076-01 que
rege as Instruções Técnicas do Corpo de
Bombeiros da Policia Militar do Estado de São
Paulo, toda edificação predial ou industrial precisa
de um sistema de proteção de combate a
incêndios. Cada tipo de edificação deve ser
analisada quanto as suas características e quanto
a sua ocupação. (SECRETARIA DE ESTADO
DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA,
Corpo de Bombeiros, Instrução Técnica nº
22/2004 Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos
para Combate a Incêndio Disponível em
http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/h
idrantes.pdf.
Nosso estudo se prende a uma edificação
industrial, no caso a Pilkington Brasil LTDA, onde
hoje o sistema de combate a incêndio é feito
através de um comando elétrico com acionamento
manual. Ele é responsável pelo acionamento de
uma moto-bomba. O sistema é dependente da
ação de uma pessoa, seja da brigada de incêndio
da industria ou de algum vigilante, exigindo que o
mesmo esteja próximo ao painel de acionamento
da moto-bomba. Com esse trabalho visamos
tornar esse mecanismo totalmente independente
da ação humana e aumentar sua confiabilidade.
Quando houver maior movimentação da água no
interior da tubulação o sistema de proteção contra
incêndio irá se auto-acionar através da chave de
fluxo (ABNT, Associação Brasileira de Normas
Técnicas, NBR Norma Brasileira 13714 Sistemas
de Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a
Incêndio, Disponível em:
http://troiaseg.com/ABNT%20-%20NBR/NBR-
13714%20-%202003. pdf.).
A chave de fluxo detectará a variação da
pressão na linha d’água e será a responsável em
aumentar a confiabilidade do nosso sistema. Ela
substituirá a ação do ser humano. Toda vez que
uma variação de pressão for detectada a chave
acionará o comando elétrico. A moto-bomba será
acionada e a linha d’água sofrerá um acréscimo
de pressão para combater o incêndio.
Como referência utilizamos Instruções
Técnicas do Corpo de Bombeiros da Policia Militar
do Estado de São Paulo, a Instrução Técnica nº
(22/2004), (Sistemas de Hidrantes e de
Mangotinhos para combate a incêndio), a NBR
(13714), (Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos
para combate a incêndio), a NBR (5667),
(Hidrantes urbanos de incêndio) e a NBR (13435),
(Sinalização de segurança contra incêndio e
pânico). Todas as NBR's são da ABNT
(Associação Brasileira de Normas Técnicas),
Metodologia
A figura1 demonstra como ficará nosso quadro
de comando elétrico para a proteção de combate a
incêndio
O funcionamento do quadro de comando
elétrico será da seguinte maneira: quando a chave
seletora estiver no comando manual, a mesma
será responsável por acionar uma lâmpada para
indicar que o sistema está no comando manual.
Nesta condição da chave seletora, a chave de
fluxo é impossibilitada de funcionar e o quadro de
comando liga e desliga a bomba através dos
botões liga/desliga, respectivamente. Sendo
assim, o sistema dependerá que uma pessoa
acione manualmente a moto-bomba. Tal opção é
necessária para que numa eventual manutenção
XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e
X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
2
na chave de fluxo, não fiquemos sem nossa
proteção contra incêndio.
Quando a chave seletora estiver na posição
automático, a mesma acionará a chave de fluxo.
Em uma eventual necessidade de combate a
incêndio, a chave de fluxo acionará um contator
que por sua vez ligará a moto-bomba.
Figura 1- Quadro de comando elétrico da moto-
bomba
Para detectar possíveis lâmpadas e sirenes
queimadas colocamos o botão de teste, quando
acionado, ligará um contator cuja finalidade é
testar todos os dispositivos de indicação
luminosos e sonoros.
Para desligar todas as lâmpadas e sirenes,
após o teste do painel, colocamos o botão de
reset.
Para fazer o reset em um temporizador
colocamos o botão reset da sirene quando
acionado, irá fazer o reset em um temporizador.
Este botão é necessário para em um eventual
acionamento do relê de falta de fase, o mesmo
acione uma sirene. Para que o encarregado de
manutenção não precise desligar o painel por
completo, ele apertará o botão de reset da sirene,
fazendo o desligamento do dispositivo sonoro por
um tempo definido e se o problema persistir, a
sirene voltará a ser acionada em função do defeito
persistente (falta de fase ou desequilíbrio). Este
botão poderá ser acionado quantas vezes forem
necessárias até que o problema seja solucionado.
O quadro de comando elétrico contará com
dispositivos de proteção (disjuntores, disjuntores
motores, relê de falta de fase), dispositivos de
acionamento (chaves de impulso, contatores, mini-
relês), sinalizadores e chaves de seleção.
A sinalização do quadro de comando foi
realizada respeitando a instrução técnica do corpo
de bombeiros que requer as seguintes
sinalizações; (SECRETARIA DE ESTADO DOS
NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA, 2004)
- Painel Energizado;
- Bomba em Funcionamento;
- Falta de Fase;
- Falta de Energia no comando da partida.
A chave de fluxo será colocada na tubulação
de incêndio e, quando acionada, será responsável
pelo acionamento da moto-bomba. A figura 2
ilustra como será o esquema: a chave de fluxo,
reservatórios I e II, moto-bomba, quadro de
comando e a distribuição para os hidrantes.
Figura 2- Esquema de ligação entre a chave de
fluxo, quadro de comando elétrico, moto-bomba,
reservatório e hidrantes.
A figura 3 mostra o circuito de comando que
está montado no interior do quadro. O esquema
elétrico foi dimensionado de acordo com as
normas e Instruções Técnicas vigentes.
Todos os circuitos foram anilhados e
numerados respeitando ordem crescente.
Também no quadro de comando foram utilizados
XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e
X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
3
bornes tipo sak, conhecidos como bornes de
passagem, para melhorar a organização e facilitar
manutenções futuras.
Figura 3- Esquema de ligação circuito de comando
A figura 4 mostra nosso circuito de potência
que está montado dentro de quadro de comando.
Este circuito é o responsável pelo acionamento da
bomba de incêndio.
Figura 4- Esquema de ligação circuito de potência
A tabela 1 mostra como foram feitos os
cálculos para o dimensionamento da bomba. Para
se dimensionar é necessário saber a “altura de
recalque, altura de sucção, comprimento da
tubulação e o consumo solicitado”. Para efeitos
didáticos vamos fazer os cálculos para um
consumo de 20l/h. (SCHNEIDER, Tabela de
Seleção de bombas e motobombas disponível em
http://www.schneider.ind.br/_slg/uploads/d33fef02
949c3d5f58fc02cd08d77a6d.pdf.)
Tabela 1- Cálculos para dimensionamento da
bomba
Título Altura(m) Resultado(m)
Altura de
Sucção
0 0
Altura de
Recalque
2 2
Comprimento
da
Tubulação
1.5+0.5+2
+1
5
Com a vazão de 0,02m
3
/h, utilizaremos um
cano de ¾ de PVC, para sucção e para recalque.
De acordo com a tabela teremos então um fator
de perda de carga de 1,5. Iremos calcular agora
nossa perda de carga.
PC = CT x Fpc (%)
Onde:
PC= Perda de Carga na tubulação
CT = Comprimento da Tubulação
Fpc= Fator de Perda de Carga
Então temos:
PC = 5 x 1,5%
PC = 0, 075mca
Após o cálculo da perda de carga, calculamos
agora a AMT (Altura Manométrica Total) que é
dado por:
AMT= (Altura de Sucção+Altura de
Recalque+PC) +5%
Então temos:
AMT= (0+2+0, 075) +5%
AMT= 2, 17875mca
Consultando a tabela temos, então, a seleção
da bomba ¼ de CV, para 2mca e vazão de
3,5m
3
/h. Porém em nosso projeto utilizaremos
uma bomba de ¾ de CV.
Resultados
Com a diminuição do tempo de espera para o
acionamento da moto-bomba em caso de incêndio
nas instalações fabris , observamos uma melhora
em comparação na utilização da mão de obra. Os
resultados foram mais significativos em relação à
segurança do sistema, uma vez que na falta de
XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e
X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
4
um agente para acionar a moto-bomba, o incêndio
poderia causar danos de grandes proporções.
Quando utilizamos o sistema com a chave de
fluxo, o acionamento da moto-bomba está
garantido de maneira automática.
O aumento de custo do projeto é a principal
desvantagem e também temos um aumento de
custo na instalação e implantação do sistema.
Discussão
A implantação da chave de fluxo como meio de
automatizar o sistema de combate a incêndio é um
sistema novo.
Com as vistorias do Corpo de Bombeiros nas
companhias, passou a ser mais utilizados nas
empresas, visando trazer mais segurança e
agilidade. Em testes realizados em instalações
industriais, prediais e residenciais, constatou-se o
perfeito funcionamento deste projeto atendendo
todas as exigências previstas em normas. É
perceptível também que através da implantação
de novas tecnologias, os sistemas fiquem menos
dependentes das ações humanas e assim menos
susceptíveis às falhas. O tempo de acionamento
manual da moto-bomba é aproximadamente de 3
minutos a partir do momento de reconhecimento
do foco de incêndio. O objetivo deste projeto foi
reduzir em até 50% o tempo de acionamento do
sistema. O custo total dos materiais utilizados no
sistema ficou em torno de R$ 2000,00, tendo em
base o valor da mão de obra do mercado,
calculamos que o valor total do sistema incluindo a
mão de obra ficará entre R$ 2500 a R$ 3000.
Conclusão
Conclui-se que através deste trabalho o
objetivo principal foi alcançado que é proporcionar
mais segurança, confiabilidade e rapidez nos
procedimentos de combate a incêndios, reduzindo
ao máximo os possíveis danos causados.
Referências
- ABNT, Associação Brasileira de Normas
Técnicas, NBR Norma Brasileira 5667 Hidrantes
urbanos de incêndio, Disponível em
http://www.abnt.org.br/cb24/comentario/admin/NB
R_5667_2_hidrantes_270904.pdf- Acesso em 24
mar. 2010.
- ABNT, Associação Brasileira de Normas
Técnicas, NBR Norma Brasileira 13714 Sistemas
de Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a
Incêndio, Disponível em:
http://troiaseg.com/ABNT%20-%20NBR/NBR-
13714%20-%202003. pdf. Acesso em 24 mar.
2010.
- ABNT, Associação Brasileira de Normas
Técnicas, NBR Norma Brasileira 13435
Sinalização de segurança contra incêndio e
pânico.
Disponível em:
http://www.bombeiros.com.br/br/utpub/instrucoes_t
ecnicas/IT%2020.pdf. Acesso em 24 mar. 2010.
- ALCKMIN, GERALDO. Governador do Estado de
São Paulo. Decreto Estadual Nº 46.076, de 31
ago. 2001.
- SCHNEIDER, Tabela de Seleção de bombas e
motobombas disponível em
http://www.schneider.ind.br/_slg/uploads/d33fef02
949c3d5f58fc02cd08d77a6d.pdf. Acesso em: 13
ago.2010.
- SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS
DA SEGURANÇA PÚBLICA, Corpo de Bombeiros,
Instrução Técnica nº 22/2004 Sistemas de
Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a
Incêndio Disponível em
http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/h
idrantes.pdf. Acesso em: 24 mar.2010.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Com mgi206

Dimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendio
Dimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendioDimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendio
Dimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendio
ROBINSON CARLOS CRISTOVAM SILVA
 
Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02
Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02
Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02
emisantos721
 
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Alex Sebaje
 
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
reativo
 
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a IncêndioPAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Sra ohara sra_2009_self-healing_s&c
Sra ohara sra_2009_self-healing_s&cSra ohara sra_2009_self-healing_s&c
Sra ohara sra_2009_self-healing_s&c
Fernando Albuquerque
 
Automação de parques eólicos ii
Automação de parques eólicos iiAutomação de parques eólicos ii
Automação de parques eólicos ii
Braian Konzgen Maciel
 
AutomaçãO De Elevatorias De Esgoto
AutomaçãO De Elevatorias De EsgotoAutomaçãO De Elevatorias De Esgoto
AutomaçãO De Elevatorias De Esgoto
EVM33
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
Manoel Garcia
 
Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11
Marcio Macario
 
Corrente Alternada 2
Corrente Alternada 2Corrente Alternada 2
Corrente Alternada 2
Christiano Leskov
 
Apostila de instrumentação
Apostila de instrumentaçãoApostila de instrumentação
Apostila de instrumentação
phasetronik
 
Controle de processo senai
Controle de processo   senaiControle de processo   senai
Controle de processo senai
Suellen Pessoa
 
Controles industriais 1
Controles industriais 1Controles industriais 1
Controles industriais 1
Tadeu Guilherme
 
Artigo final para_o_pi_ 4av
Artigo final para_o_pi_ 4avArtigo final para_o_pi_ 4av
Artigo final para_o_pi_ 4av
ozinilda nacif
 
Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...
Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...
Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...
Alexandre Blum Weingartner
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
Sergio1500
 
Caldeiras 1
Caldeiras 1Caldeiras 1
Caldeiras 1
Osmar Gomes Pinto
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
Anderson Formiga
 

Semelhante a Com mgi206 (20)

Dimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendio
Dimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendioDimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendio
Dimensionamento de sistema de proteçã ocontra incendio
 
Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02
Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02
Dimensionamentodesistemadeproteocontraincendio 140216171616-phpapp02
 
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
 
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
Apostila preventivo-incendio-09-10-2009
 
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a IncêndioPAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
 
Sra ohara sra_2009_self-healing_s&c
Sra ohara sra_2009_self-healing_s&cSra ohara sra_2009_self-healing_s&c
Sra ohara sra_2009_self-healing_s&c
 
Automação de parques eólicos ii
Automação de parques eólicos iiAutomação de parques eólicos ii
Automação de parques eólicos ii
 
AutomaçãO De Elevatorias De Esgoto
AutomaçãO De Elevatorias De EsgotoAutomaçãO De Elevatorias De Esgoto
AutomaçãO De Elevatorias De Esgoto
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11
 
Corrente Alternada 2
Corrente Alternada 2Corrente Alternada 2
Corrente Alternada 2
 
Apostila de instrumentação
Apostila de instrumentaçãoApostila de instrumentação
Apostila de instrumentação
 
Controle de processo senai
Controle de processo   senaiControle de processo   senai
Controle de processo senai
 
Controles industriais 1
Controles industriais 1Controles industriais 1
Controles industriais 1
 
Artigo final para_o_pi_ 4av
Artigo final para_o_pi_ 4avArtigo final para_o_pi_ 4av
Artigo final para_o_pi_ 4av
 
Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...
Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...
Desenvolvimento de um sistema de abertura e controle de altura do arco elétri...
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Caldeiras 1
Caldeiras 1Caldeiras 1
Caldeiras 1
 
Automação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria PetroquímicaAutomação e a Indústria Petroquímica
Automação e a Indústria Petroquímica
 

Mais de jccabral

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
jccabral
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
jccabral
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
jccabral
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
jccabral
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
jccabral
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
jccabral
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
jccabral
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
jccabral
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
jccabral
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
jccabral
 
Lampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticaLampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energética
jccabral
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
jccabral
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
jccabral
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
jccabral
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
jccabral
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
jccabral
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
jccabral
 

Mais de jccabral (17)

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
 
Lampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticaLampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energética
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
 

Último

MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (7)

MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 

Com mgi206

  • 1. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba 1 AUTOMATIZAÇÃO DO SISTEMA DE UMA BOMBA DE INCÊNDIO Adriano Rodrigues Rosa1 , David William Laurindo2 , Carlos Eduardo Cabral Vilela3 1, 2,3 UNIVAP/FEAU-Engenharia Elétrica, Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova, CEP 12244-000, São José dos Campos – SP, adriano.rodrigues.rosa@hotmail.com 1 ; david.w.l@hotmail.com 2 ; heilandvilela.engenharia@gmail.com 3 Resumo- Através deste estudo pretendemos aprimorar e automatizar o sistema de acionamento de uma bomba de incêndio, respeitando as instruções técnicas vigentes do CBPMESP (Corpo de Bombeiros da Policia Militar do Estado de São Paulo) a Instrução Técnica nº (22/2004), (Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para combate a incêndio), e também a NBR (13714:2000), (Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para combate a incêndio) da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Através de uma chave de fluxo iremos detectar a alteração da pressão na linha d’água do sistema de incêndio, esta chave por sua vez irá acionar um comando elétrico que acionará uma moto-bomba, que irá pressionar a linha, dando uma maior pressão ao jato d’água. Palavras-chave: Automação, Sistemas, Bomba de Incêndio, Comando Elétrico, Sistema de Incêndio. Área do Conhecimento: ENGENHARIAS Introdução Segundo o decreto estadual n° 46.076-01 que rege as Instruções Técnicas do Corpo de Bombeiros da Policia Militar do Estado de São Paulo, toda edificação predial ou industrial precisa de um sistema de proteção de combate a incêndios. Cada tipo de edificação deve ser analisada quanto as suas características e quanto a sua ocupação. (SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA, Corpo de Bombeiros, Instrução Técnica nº 22/2004 Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a Incêndio Disponível em http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/h idrantes.pdf. Nosso estudo se prende a uma edificação industrial, no caso a Pilkington Brasil LTDA, onde hoje o sistema de combate a incêndio é feito através de um comando elétrico com acionamento manual. Ele é responsável pelo acionamento de uma moto-bomba. O sistema é dependente da ação de uma pessoa, seja da brigada de incêndio da industria ou de algum vigilante, exigindo que o mesmo esteja próximo ao painel de acionamento da moto-bomba. Com esse trabalho visamos tornar esse mecanismo totalmente independente da ação humana e aumentar sua confiabilidade. Quando houver maior movimentação da água no interior da tubulação o sistema de proteção contra incêndio irá se auto-acionar através da chave de fluxo (ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR Norma Brasileira 13714 Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a Incêndio, Disponível em: http://troiaseg.com/ABNT%20-%20NBR/NBR- 13714%20-%202003. pdf.). A chave de fluxo detectará a variação da pressão na linha d’água e será a responsável em aumentar a confiabilidade do nosso sistema. Ela substituirá a ação do ser humano. Toda vez que uma variação de pressão for detectada a chave acionará o comando elétrico. A moto-bomba será acionada e a linha d’água sofrerá um acréscimo de pressão para combater o incêndio. Como referência utilizamos Instruções Técnicas do Corpo de Bombeiros da Policia Militar do Estado de São Paulo, a Instrução Técnica nº (22/2004), (Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para combate a incêndio), a NBR (13714), (Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para combate a incêndio), a NBR (5667), (Hidrantes urbanos de incêndio) e a NBR (13435), (Sinalização de segurança contra incêndio e pânico). Todas as NBR's são da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), Metodologia A figura1 demonstra como ficará nosso quadro de comando elétrico para a proteção de combate a incêndio O funcionamento do quadro de comando elétrico será da seguinte maneira: quando a chave seletora estiver no comando manual, a mesma será responsável por acionar uma lâmpada para indicar que o sistema está no comando manual. Nesta condição da chave seletora, a chave de fluxo é impossibilitada de funcionar e o quadro de comando liga e desliga a bomba através dos botões liga/desliga, respectivamente. Sendo assim, o sistema dependerá que uma pessoa acione manualmente a moto-bomba. Tal opção é necessária para que numa eventual manutenção
  • 2. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba 2 na chave de fluxo, não fiquemos sem nossa proteção contra incêndio. Quando a chave seletora estiver na posição automático, a mesma acionará a chave de fluxo. Em uma eventual necessidade de combate a incêndio, a chave de fluxo acionará um contator que por sua vez ligará a moto-bomba. Figura 1- Quadro de comando elétrico da moto- bomba Para detectar possíveis lâmpadas e sirenes queimadas colocamos o botão de teste, quando acionado, ligará um contator cuja finalidade é testar todos os dispositivos de indicação luminosos e sonoros. Para desligar todas as lâmpadas e sirenes, após o teste do painel, colocamos o botão de reset. Para fazer o reset em um temporizador colocamos o botão reset da sirene quando acionado, irá fazer o reset em um temporizador. Este botão é necessário para em um eventual acionamento do relê de falta de fase, o mesmo acione uma sirene. Para que o encarregado de manutenção não precise desligar o painel por completo, ele apertará o botão de reset da sirene, fazendo o desligamento do dispositivo sonoro por um tempo definido e se o problema persistir, a sirene voltará a ser acionada em função do defeito persistente (falta de fase ou desequilíbrio). Este botão poderá ser acionado quantas vezes forem necessárias até que o problema seja solucionado. O quadro de comando elétrico contará com dispositivos de proteção (disjuntores, disjuntores motores, relê de falta de fase), dispositivos de acionamento (chaves de impulso, contatores, mini- relês), sinalizadores e chaves de seleção. A sinalização do quadro de comando foi realizada respeitando a instrução técnica do corpo de bombeiros que requer as seguintes sinalizações; (SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA, 2004) - Painel Energizado; - Bomba em Funcionamento; - Falta de Fase; - Falta de Energia no comando da partida. A chave de fluxo será colocada na tubulação de incêndio e, quando acionada, será responsável pelo acionamento da moto-bomba. A figura 2 ilustra como será o esquema: a chave de fluxo, reservatórios I e II, moto-bomba, quadro de comando e a distribuição para os hidrantes. Figura 2- Esquema de ligação entre a chave de fluxo, quadro de comando elétrico, moto-bomba, reservatório e hidrantes. A figura 3 mostra o circuito de comando que está montado no interior do quadro. O esquema elétrico foi dimensionado de acordo com as normas e Instruções Técnicas vigentes. Todos os circuitos foram anilhados e numerados respeitando ordem crescente. Também no quadro de comando foram utilizados
  • 3. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba 3 bornes tipo sak, conhecidos como bornes de passagem, para melhorar a organização e facilitar manutenções futuras. Figura 3- Esquema de ligação circuito de comando A figura 4 mostra nosso circuito de potência que está montado dentro de quadro de comando. Este circuito é o responsável pelo acionamento da bomba de incêndio. Figura 4- Esquema de ligação circuito de potência A tabela 1 mostra como foram feitos os cálculos para o dimensionamento da bomba. Para se dimensionar é necessário saber a “altura de recalque, altura de sucção, comprimento da tubulação e o consumo solicitado”. Para efeitos didáticos vamos fazer os cálculos para um consumo de 20l/h. (SCHNEIDER, Tabela de Seleção de bombas e motobombas disponível em http://www.schneider.ind.br/_slg/uploads/d33fef02 949c3d5f58fc02cd08d77a6d.pdf.) Tabela 1- Cálculos para dimensionamento da bomba Título Altura(m) Resultado(m) Altura de Sucção 0 0 Altura de Recalque 2 2 Comprimento da Tubulação 1.5+0.5+2 +1 5 Com a vazão de 0,02m 3 /h, utilizaremos um cano de ¾ de PVC, para sucção e para recalque. De acordo com a tabela teremos então um fator de perda de carga de 1,5. Iremos calcular agora nossa perda de carga. PC = CT x Fpc (%) Onde: PC= Perda de Carga na tubulação CT = Comprimento da Tubulação Fpc= Fator de Perda de Carga Então temos: PC = 5 x 1,5% PC = 0, 075mca Após o cálculo da perda de carga, calculamos agora a AMT (Altura Manométrica Total) que é dado por: AMT= (Altura de Sucção+Altura de Recalque+PC) +5% Então temos: AMT= (0+2+0, 075) +5% AMT= 2, 17875mca Consultando a tabela temos, então, a seleção da bomba ¼ de CV, para 2mca e vazão de 3,5m 3 /h. Porém em nosso projeto utilizaremos uma bomba de ¾ de CV. Resultados Com a diminuição do tempo de espera para o acionamento da moto-bomba em caso de incêndio nas instalações fabris , observamos uma melhora em comparação na utilização da mão de obra. Os resultados foram mais significativos em relação à segurança do sistema, uma vez que na falta de
  • 4. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba 4 um agente para acionar a moto-bomba, o incêndio poderia causar danos de grandes proporções. Quando utilizamos o sistema com a chave de fluxo, o acionamento da moto-bomba está garantido de maneira automática. O aumento de custo do projeto é a principal desvantagem e também temos um aumento de custo na instalação e implantação do sistema. Discussão A implantação da chave de fluxo como meio de automatizar o sistema de combate a incêndio é um sistema novo. Com as vistorias do Corpo de Bombeiros nas companhias, passou a ser mais utilizados nas empresas, visando trazer mais segurança e agilidade. Em testes realizados em instalações industriais, prediais e residenciais, constatou-se o perfeito funcionamento deste projeto atendendo todas as exigências previstas em normas. É perceptível também que através da implantação de novas tecnologias, os sistemas fiquem menos dependentes das ações humanas e assim menos susceptíveis às falhas. O tempo de acionamento manual da moto-bomba é aproximadamente de 3 minutos a partir do momento de reconhecimento do foco de incêndio. O objetivo deste projeto foi reduzir em até 50% o tempo de acionamento do sistema. O custo total dos materiais utilizados no sistema ficou em torno de R$ 2000,00, tendo em base o valor da mão de obra do mercado, calculamos que o valor total do sistema incluindo a mão de obra ficará entre R$ 2500 a R$ 3000. Conclusão Conclui-se que através deste trabalho o objetivo principal foi alcançado que é proporcionar mais segurança, confiabilidade e rapidez nos procedimentos de combate a incêndios, reduzindo ao máximo os possíveis danos causados. Referências - ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR Norma Brasileira 5667 Hidrantes urbanos de incêndio, Disponível em http://www.abnt.org.br/cb24/comentario/admin/NB R_5667_2_hidrantes_270904.pdf- Acesso em 24 mar. 2010. - ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR Norma Brasileira 13714 Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a Incêndio, Disponível em: http://troiaseg.com/ABNT%20-%20NBR/NBR- 13714%20-%202003. pdf. Acesso em 24 mar. 2010. - ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR Norma Brasileira 13435 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico. Disponível em: http://www.bombeiros.com.br/br/utpub/instrucoes_t ecnicas/IT%2020.pdf. Acesso em 24 mar. 2010. - ALCKMIN, GERALDO. Governador do Estado de São Paulo. Decreto Estadual Nº 46.076, de 31 ago. 2001. - SCHNEIDER, Tabela de Seleção de bombas e motobombas disponível em http://www.schneider.ind.br/_slg/uploads/d33fef02 949c3d5f58fc02cd08d77a6d.pdf. Acesso em: 13 ago.2010. - SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA, Corpo de Bombeiros, Instrução Técnica nº 22/2004 Sistemas de Hidrantes e de Mangotinhos para Combate a Incêndio Disponível em http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/h idrantes.pdf. Acesso em: 24 mar.2010.