O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Seminario Nacional - Arquitetura Paisagistica em tempos de crise hidrica

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio

Confira estes a seguir

1 de 26 Anúncio

Seminario Nacional - Arquitetura Paisagistica em tempos de crise hidrica

Baixar para ler offline

Palestra oferecida no Seminario Nacional de Arquitetura Paisagistica, em Sao Paulo, no dia 27/Abr/2015, promovido pela ABAP (Associacao Brasileira de Arquitetura Paisagistica) - http://www.abap.org.br

Palestra oferecida no Seminario Nacional de Arquitetura Paisagistica, em Sao Paulo, no dia 27/Abr/2015, promovido pela ABAP (Associacao Brasileira de Arquitetura Paisagistica) - http://www.abap.org.br

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (19)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a Seminario Nacional - Arquitetura Paisagistica em tempos de crise hidrica (20)

Mais de Fluxus Design Ecológico (14)

Anúncio

Mais recentes (20)

Seminario Nacional - Arquitetura Paisagistica em tempos de crise hidrica

  1. 1. Infraestrutura Verde Hidratação da paisagem urbana Guilherme Castagna guilherme@fluxus.eco.br Disponível a partir de 29/Abr em http://www.fluxus.eco.br
  2. 2. INFRAESTRUTURA CINZA vs. VERDE
  3. 3. Design para sobrevivência “O que separa os dois é apenas o tempo...” t
  4. 4. MANUAL DE INSTRUÇÕES: CICLO GLOBAL Toda água que haverá no planeta já existe, hoje
  5. 5. MANUAL DE INSTRUÇÕES: CICLOS GLOBAL & LOCAL
  6. 6. MANEJO INTEGRADO DE ÁGUA Águas residuárias Água de chuva Abastecimento de água
  7. 7. Redução de consumo Integração de chuva e águas servidas Uso de outras fontes locais para abastecimento ABORDAGEM ESTRATÉGICA
  8. 8. REDUCAO DE PERDAS
  9. 9. Natural Urbanizado SOLO & ÁGUA: Escoamento em ambiente natural vs. Urbanizado
  10. 10. SOLO & ÁGUA: Compactação & Escoamento
  11. 11. Água de chuva: manejo no meio urbano
  12. 12. JARDIM DE CHUVA: Anatomia
  13. 13. JARDIM DE CHUVA: Escolha de plantas
  14. 14. JARDIM DE CHUVA: Aplicacoes
  15. 15. JARDIM DE CHUVA: Aplicacao em industria (2015) Área do jardim de chuva
  16. 16. Biovaletas: Qualidade Retenção Permeabilidade Recarga Fertilidade Sombreamento Microclima Umidade BIOVALETAS
  17. 17. BAIXO IMPACTO?!? Reducao do escoamento e melhoria da qualidade da agua Melhoria do microclima – Redução de ilhas de calor, aumento de umidade, sombreamento Fertilidade do solo, vegetação nativa, criação de habitat para fauna local 100% do atendimento para fins não potáveis com água de chuva 16 milhões de litros/ano para fins não potáveis - Economia anual de R$250.000 (dados de 2013) ESTADIO NACIONAL DE BRASILIA (2012/2013)
  18. 18. INFRAESTRUTURA VERDE: Guias Municipais
  19. 19. INFRAESTRUTURA VERDE: O Caso de Portland (Revista Infraestrutura Pini ) 1. Desconexao de calhas Ano: 1993 US$53/residencia +5.000m3/ano p/ lencol 2. Rios limpos Ano: 2000 Reducao na taxa de drenagem 3. Telhados Verdes Ano: 2006 +US$54,35/m2 80.000m2 de novos telhados verdes (2013) Palestras, tours, apresentacoes 4. Ruas Verdes Ano: 2006 Economia de 135 milhoes 500 iniciativas implantadas - Pico de cheia em 85% - Volume escoado em 60% - Poluicao difusa em 80%
  20. 20. Demanda vs. Produção de agua local Demanda Lencol freatico 18,2m³/dia Ar Condicionado 2,0m³/dia Cinzas Preta Água Preta: Xm³/dia Água Cinza: 3.Xm³/dia Produção
  21. 21. Fontes locais: Reuso direto de agua cinza Fonte: Oasis Design
  22. 22. Fontes locais: Agua de chuva Captação de água de chuva em blocos enterrados http://www.cisternaja.org.br
  23. 23. Fontes locais: Reuso de agua cinza – pos-tratamento Wetlands de fluxo horizontal para tratamento de água cinza
  24. 24. Movimento é fonte e causa de toda vida - Leonardo da Vinci
  25. 25. Guilherme Castagna guilherme@fluxus.eco.br http://www.fluxus.eco.br

Notas do Editor

  • Icones por http://www.epa.gov.br/greeninfrastructure

    Infraestrutura cinza vs verde
    Infraestrutura cinza é composta
  • Nosso planejamento de ocupação de espaços desconsidera a presença de água, ou a importância de sua presença para geração de ambientes saudáveis e duradouros. Planejar para Água, é planejar para sobrevivência. Nossa ocupação hoje gera desertos, mas ainda assim, se permitirmos, esses desertos voltam a se regenerar em altíssimos graus de complexidade.
    Existe uma inteligência essencial na natureza, que é a da restauração, da regeneração. Todo ambiente natural após sofrer algum grave impacto, começa a se reestabelecer, se regenerar. Assim, a cura é uma característica desse planeta. A cura começa em passos simples, lentos, aumentando a diversidade e a complexidade dos elementos presentes no meio. Em terra firme, por exemplo, toda a restauração inicia com processos naturais que permitam que a Água possa se estabelecer no local. Pelo crescimento de plantas pioneiras (“daninhas”?!?) que ajudam a descompactar o solo, e a reter água para espécies mais exigentes
  • A permanencia e continuidade da disponibilidade de agua no interior dos continentes em funcao da existencia de árvores (evapotranspiração).

    Notar a limitacao de “entrada” de água nos aquiferos profundos (recarga), e a extração predatória atual desses volumes para abastecimento humano. Nossa herança consumida para pagar as contas mensais de “cartão de crédito”! Uma hora vai acabar!
  • O ciclo d’agua global como uma composição de ciclos d’agua locais
  • Um empreendimento pode ser visto como um componente do ciclo d’agua regional, mas também pode ser visto como um ciclo local, em si mesmo. O desafio do manejo integrado portanto, passa a ser atender a demanda local e restaurar o ciclo local com o manejo apropriado dos recursos locais (superficiais).
  • Reducao de consumo (basico):
    Quebra-vento
    Especies vegetais apropriadas (inclusive gremios de plantas)
    Cobertura de solo
  • Padrão de escoamento natural vs padrão de escoamento em área urbanizada
    O caminho a adotar é o de imitar as condições de escoamento com soluções desenhadas para o contexto local
  • O caminho a adotar é o de imitar as condições de escoamento com soluções desenhadas para o contexto local
    COMEÇAR PELA ESTRUTURA DO SOLO!
  • O melhor lugar para reter água é onde ele cai (“controle na fonte”)
  • Redução de escoamento superficial
    Melhoria da qualidade de água
    Gestão na paisagem
  • Melhoria da qualidade da agua
    Recarga do lencol e aumento da disponibilidade da agua para aproveitamento
  • Diferentes tipos de pavimento para diferentes solicitações
    Liberação lenta para biovaleta
    Filtração física e biológica
    Pequenos arbustos, deposição de folhas no solo, redução da manutenção, saúde do solo
    Crescimento de árvores: aumento de umidade, melhoria do microclima, sombreamento, conforto térmico e redução de ilhas de calor
    Liberação lenta para o lago
  • Lago como nucleo central
    Bacia de sedimentação, wetlands, lago
    Recirculação, polimento
    Irradiação de umidade levada pela corrente de vento
    Complemento de aproveitamento interno: 100% do uso
  • Para saber mais!
  • O importante é começar
    Movimento é fonte e causa de toda vida

×