SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
HISTÓRIA DA ELETRICIDADE ,[object Object],[object Object],Do âmbar (gr. élektron) surgiu o nome eletricidade.
[object Object],Ele usou um globo de enxofre montado sobre uma seta, com uma “mão friccionante” numa girante esfera. O enxofre foi lançado num esférico reservatório de vidro que foi posteriormente partido; Pouco depois se descobriu que o vidro, e não enxofre, foi o principal ingrediente da manifestação.
[object Object]
[object Object],O modelo é devido a Jessé Ramsden (1735-1800), desenhista   britânico   e fabricante de aparelhos científicos. Em 1760 sugeriu que o cilindro de vidro fosse substituída por uma circular placa de vidro.
[object Object],[object Object]
Ele disse que a eletrização de dois corpos atritados era a falta de um dos dois tipos de Eletricidade em um dos corpos. esses dois tipos de eletricidade eram chamadas de eletricidade resinosa e vítrea.   Mais uma invenção importante, de uso prático, foi o  pára-raios   feito por   Benjamin Franklin.
[object Object]
[object Object]
Com essa invenção, obteve-se pela primeira vez uma fonte de corrente elétrica estável. Por isso, as investigações sobre a corrente elétrica aumentaram cada vez mais.  Alessandro Volta   - Essa experiência (da rã) foi um passo para sua invenção chamada de  pilha voltaica . Ela consistia em um série de discos de cobre e zinco alterados, separados por pedaços de papelão embebidos por água salgada.  Depois de um tempo, são feitas as primeiras experiências de decomposição da água.
[object Object],[object Object]
Mesmo com a fama das pilhas de Volta, foram criadas pilhas mais eficientes. John Frederic Daniell   inventou-as em  1836 Na mesma época  das pilhas de  Georges Leclanché E a  bateria recarregável  de Raymond Gaston Planté .
O físico Hans Christian Örsted observa que um fio de corrente elétrica age sobre a agulha de uma bússola. Com isso, percebe-se que há uma ligação entre magnetismo e eletricidade.
Em 1831,  Michael Faraday   descobre que a variação na intensidade da corrente elétrica que percorre um circuito fechado induz uma corrente em uma bobina próxima.  Uma corrente induzida também é observada ao se introduzir um ímã nessa bobina. Essa indução magnética teve uma imediata aplicação na geração de correntes elétricas. Uma bobina próxima a um ima que gira é um exemplo de um gerador de corrente elétrica alternada.
[object Object],[object Object]
[object Object],Nikola   Tesla teria realizado com sucesso, experiências onde foi capaz de transmitir não só energia, mas também dados e sons de um ponto a outro, sem a utilização de fios, utilizando os equipamentos que ele mesmo inventou, ainda nos idos de 1887. Dono de uma das mais brilhantes mentes que surgiram em toda a história da humanidade, o inventor do radar, do tubo de raios catódicos, do controle remoto, do rádio, da ignição elétrica, dos sistemas de transmissão de energia em corrente alternada, descobridor do campo magnético rotativo e autor de mais de 700 patentes, morreu pobre e desacreditado junto ao meio científico.
[object Object]
[object Object]
Heinrich Hertz , em suas experiências realizadas a partir de 1885, estuda as  propriedades das ondas eletromagnéticas .
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
O Universo
O UniversoO Universo
O Universo
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
Fontes de Energia [8 ano]
Fontes de Energia [8 ano] Fontes de Energia [8 ano]
Fontes de Energia [8 ano]
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
9 ano leis de newton
9 ano leis de newton9 ano leis de newton
9 ano leis de newton
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Processos de eletrização
Processos de eletrizaçãoProcessos de eletrização
Processos de eletrização
 
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria  prof Ivanise MeyerEstrutura da matéria  prof Ivanise Meyer
Estrutura da matéria prof Ivanise Meyer
 
I.2 O sistema solar
I.2 O sistema solarI.2 O sistema solar
I.2 O sistema solar
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Magnetismo 9°ano
Magnetismo 9°anoMagnetismo 9°ano
Magnetismo 9°ano
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Força e movimento
Força e movimentoForça e movimento
Força e movimento
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Evolução estelar
Evolução estelarEvolução estelar
Evolução estelar
 

Semelhante a Historia da eletricidade

A HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADE
A HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADEA HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADE
A HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADELuciana Camargo
 
Slides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tardeSlides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tardeValdecir Silva
 
Desenvolvimento dos meios de comunicação a longas distâncias
Desenvolvimento dos meios de comunicação a longas distânciasDesenvolvimento dos meios de comunicação a longas distâncias
Desenvolvimento dos meios de comunicação a longas distânciasPedro Oliveira
 
Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014Marcio Oliani
 
Circuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptx
Circuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptxCircuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptx
Circuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptxEduardoFernandes853027
 
Ie piha
Ie pihaIe piha
Ie pihajardel
 
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - EletricidadeSistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - EletricidadeSuzana Viana Mota
 
Física no século XIX
Física no século XIXFísica no século XIX
Física no século XIXronaldotesla
 
Apostila processos eletroeletronicos_2012
Apostila processos eletroeletronicos_2012Apostila processos eletroeletronicos_2012
Apostila processos eletroeletronicos_2012marcelo estumano
 
Física no final do século XIX
Física no final do século XIXFísica no final do século XIX
Física no final do século XIXScheyla Cadore
 

Semelhante a Historia da eletricidade (20)

A história da eletricidade
A história da eletricidadeA história da eletricidade
A história da eletricidade
 
Historia do eletromagnetismo
Historia do eletromagnetismoHistoria do eletromagnetismo
Historia do eletromagnetismo
 
A Electricidade
A ElectricidadeA Electricidade
A Electricidade
 
Obrigada Sr. Maxwell
Obrigada Sr. MaxwellObrigada Sr. Maxwell
Obrigada Sr. Maxwell
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos AtômicosFísica - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Eletrostática
EletrostáticaEletrostática
Eletrostática
 
Electricidade
ElectricidadeElectricidade
Electricidade
 
A HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADE
A HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADEA HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADE
A HISTÓRIA DO ELETROMAGNETISMO E O FENÔMENO DA SUPERCONDUTIVIDADE
 
Slides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tardeSlides apresentação sábado a tarde
Slides apresentação sábado a tarde
 
Desenvolvimento dos meios de comunicação a longas distâncias
Desenvolvimento dos meios de comunicação a longas distânciasDesenvolvimento dos meios de comunicação a longas distâncias
Desenvolvimento dos meios de comunicação a longas distâncias
 
Apostila raio x
Apostila raio xApostila raio x
Apostila raio x
 
Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014Apostila processos eletroeletronicos_2014
Apostila processos eletroeletronicos_2014
 
Circuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptx
Circuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptxCircuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptx
Circuits Education Presentation in Blue Yellow Flat Cartoon Style (1).pptx
 
Ie piha
Ie pihaIe piha
Ie piha
 
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - EletricidadeSistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
Sistemas Digitais - Aula 01 - Eletricidade
 
Física no século XIX
Física no século XIXFísica no século XIX
Física no século XIX
 
História da física
História da físicaHistória da física
História da física
 
HiistElectrom.ppt
HiistElectrom.pptHiistElectrom.ppt
HiistElectrom.ppt
 
Apostila processos eletroeletronicos_2012
Apostila processos eletroeletronicos_2012Apostila processos eletroeletronicos_2012
Apostila processos eletroeletronicos_2012
 
Física no final do século XIX
Física no final do século XIXFísica no final do século XIX
Física no final do século XIX
 

Mais de Colegio CMC

Lista 54 estequiometria
Lista 54   estequiometriaLista 54   estequiometria
Lista 54 estequiometriaColegio CMC
 
Lista 50 estequiometria
Lista 50   estequiometriaLista 50   estequiometria
Lista 50 estequiometriaColegio CMC
 
Lista 43 equilíbrio químico
Lista 43   equilíbrio químicoLista 43   equilíbrio químico
Lista 43 equilíbrio químicoColegio CMC
 
Lista 38 forças intermoleculares
Lista 38   forças intermolecularesLista 38   forças intermoleculares
Lista 38 forças intermolecularesColegio CMC
 
Lista 35 funções inorgânicas - difícil
Lista 35   funções inorgânicas - difícilLista 35   funções inorgânicas - difícil
Lista 35 funções inorgânicas - difícilColegio CMC
 
Lista 25 cálculo estequiométrico
Lista 25   cálculo estequiométricoLista 25   cálculo estequiométrico
Lista 25 cálculo estequiométricoColegio CMC
 
Lista 16 estudo dos gases
Lista 16   estudo dos gasesLista 16   estudo dos gases
Lista 16 estudo dos gasesColegio CMC
 
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8   eletrólitos e não eletrólitosLista 8   eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitosColegio CMC
 
Lista 5 estequiometria
Lista 5   estequiometriaLista 5   estequiometria
Lista 5 estequiometriaColegio CMC
 
Lista 2 funções inorgânicas
Lista 2   funções inorgânicasLista 2   funções inorgânicas
Lista 2 funções inorgânicasColegio CMC
 
Lista de exercícios 35 eletrólise
Lista de exercícios 35   eletróliseLista de exercícios 35   eletrólise
Lista de exercícios 35 eletróliseColegio CMC
 
Lista de exercícios 48 coeficciente de solubilidade
Lista de exercícios 48   coeficciente de solubilidadeLista de exercícios 48   coeficciente de solubilidade
Lista de exercícios 48 coeficciente de solubilidadeColegio CMC
 
Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reaçãoLista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reaçãoColegio CMC
 
Lista de exercícios 42 cadeias carbônicas
Lista de exercícios 42  cadeias carbônicasLista de exercícios 42  cadeias carbônicas
Lista de exercícios 42 cadeias carbônicasColegio CMC
 
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticosLista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticosColegio CMC
 
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticosLista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticosColegio CMC
 
Lista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanosLista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanosColegio CMC
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicasColegio CMC
 

Mais de Colegio CMC (20)

Lista 54 estequiometria
Lista 54   estequiometriaLista 54   estequiometria
Lista 54 estequiometria
 
Lista 50 estequiometria
Lista 50   estequiometriaLista 50   estequiometria
Lista 50 estequiometria
 
Lista 43 equilíbrio químico
Lista 43   equilíbrio químicoLista 43   equilíbrio químico
Lista 43 equilíbrio químico
 
Lista 38 forças intermoleculares
Lista 38   forças intermolecularesLista 38   forças intermoleculares
Lista 38 forças intermoleculares
 
Lista 35 funções inorgânicas - difícil
Lista 35   funções inorgânicas - difícilLista 35   funções inorgânicas - difícil
Lista 35 funções inorgânicas - difícil
 
Lista 25 cálculo estequiométrico
Lista 25   cálculo estequiométricoLista 25   cálculo estequiométrico
Lista 25 cálculo estequiométrico
 
Lista 16 estudo dos gases
Lista 16   estudo dos gasesLista 16   estudo dos gases
Lista 16 estudo dos gases
 
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8   eletrólitos e não eletrólitosLista 8   eletrólitos e não eletrólitos
Lista 8 eletrólitos e não eletrólitos
 
Lista 5 estequiometria
Lista 5   estequiometriaLista 5   estequiometria
Lista 5 estequiometria
 
Lista 2 funções inorgânicas
Lista 2   funções inorgânicasLista 2   funções inorgânicas
Lista 2 funções inorgânicas
 
Lista de exercícios 35 eletrólise
Lista de exercícios 35   eletróliseLista de exercícios 35   eletrólise
Lista de exercícios 35 eletrólise
 
Lista de exercícios 48 coeficciente de solubilidade
Lista de exercícios 48   coeficciente de solubilidadeLista de exercícios 48   coeficciente de solubilidade
Lista de exercícios 48 coeficciente de solubilidade
 
Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reaçãoLista de exercícios 26   cálculo da velocidade da reação
Lista de exercícios 26 cálculo da velocidade da reação
 
Lista de exercícios 42 cadeias carbônicas
Lista de exercícios 42  cadeias carbônicasLista de exercícios 42  cadeias carbônicas
Lista de exercícios 42 cadeias carbônicas
 
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticosLista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
 
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticosLista de exercícios 18   alcenos, alcinos e aromáticos
Lista de exercícios 18 alcenos, alcinos e aromáticos
 
Lista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanosLista de exercícios alcanos
Lista de exercícios alcanos
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Planejamento
Planejamento Planejamento
Planejamento
 
Plane1serie
Plane1seriePlane1serie
Plane1serie
 

Último

As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 

Último (20)

As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 

Historia da eletricidade

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Ele disse que a eletrização de dois corpos atritados era a falta de um dos dois tipos de Eletricidade em um dos corpos. esses dois tipos de eletricidade eram chamadas de eletricidade resinosa e vítrea. Mais uma invenção importante, de uso prático, foi o pára-raios feito por Benjamin Franklin.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Com essa invenção, obteve-se pela primeira vez uma fonte de corrente elétrica estável. Por isso, as investigações sobre a corrente elétrica aumentaram cada vez mais. Alessandro Volta - Essa experiência (da rã) foi um passo para sua invenção chamada de pilha voltaica . Ela consistia em um série de discos de cobre e zinco alterados, separados por pedaços de papelão embebidos por água salgada. Depois de um tempo, são feitas as primeiras experiências de decomposição da água.
  • 10.
  • 11. Mesmo com a fama das pilhas de Volta, foram criadas pilhas mais eficientes. John Frederic Daniell inventou-as em 1836 Na mesma época das pilhas de Georges Leclanché E a bateria recarregável de Raymond Gaston Planté .
  • 12. O físico Hans Christian Örsted observa que um fio de corrente elétrica age sobre a agulha de uma bússola. Com isso, percebe-se que há uma ligação entre magnetismo e eletricidade.
  • 13. Em 1831, Michael Faraday descobre que a variação na intensidade da corrente elétrica que percorre um circuito fechado induz uma corrente em uma bobina próxima. Uma corrente induzida também é observada ao se introduzir um ímã nessa bobina. Essa indução magnética teve uma imediata aplicação na geração de correntes elétricas. Uma bobina próxima a um ima que gira é um exemplo de um gerador de corrente elétrica alternada.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. Heinrich Hertz , em suas experiências realizadas a partir de 1885, estuda as propriedades das ondas eletromagnéticas .
  • 19.
  • 20.