Análise de Pontos de Função

20.194 visualizações

Publicada em

A brief presentation on Analysis of Function Points, a technique for estimating software.

0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
671
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise de Pontos de Função

  1. 1. Gestão de Projetos de Software Técnicas de Estimativa de Software <ul><li>Análise de Pontos de Função </li></ul><ul><li>Turma: 4ADS2 </li></ul><ul><li>Grupo: Antônio Cristhiano Garcia e Silva </li></ul><ul><ul><ul><li>Denise Risae Okuma </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Patrícia Moraes Borges </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Robson Lopes Nunes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Data: 16/09/2009 </li></ul></ul></ul>
  2. 2. Conteúdo <ul><li>Definição de APF </li></ul><ul><li>Histórico </li></ul><ul><li>Características </li></ul><ul><li>Fases / Etapas </li></ul><ul><li>Exemplo de Utilização </li></ul><ul><li>Vantagens / Desvantagens </li></ul><ul><li>Dúvidas </li></ul>
  3. 3. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Técnica de medição das funcionalidades fornecidas por um software , de acordo com a perspectiva do usuário </li></ul><ul><li>Unidade de Medida (PF) Pontos de Função </li></ul><ul><li>Manual de Práticas de Contagem </li></ul><ul><li>International Function Point Users Group ( IFPUG ) </li></ul>DEFINIÇÃO
  4. 4. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>1979 - Allan Albretch da IBM em uma conferência da Guide/Share. </li></ul><ul><li>1984 - Metodologia formal e publicação no domínio público. </li></ul><ul><li>1986 – IFPUG ( International Function Point Users Group ) </li></ul><ul><li>Manual de Práticas de Contagem </li></ul><ul><li>1994 – Criação de um grupo de trabalho na ISO sobre Medidas Funcionais de Tamanho. </li></ul><ul><li>CFPS – Certified Function Point Specialist – certificação conferida pelo IFPUG aos profissionais aprovados na certificação. </li></ul>HISTÓRICO
  5. 5. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Mede O QUE o software faz e não COMO faz </li></ul><ul><li>Independente da tecnologia empregada </li></ul><ul><li>Cria uma unidade padrão de medida de software </li></ul><ul><li>Pode ser utilizada em qualquer fase do projeto </li></ul>CARACTERÍSTICAS
  6. 6. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO FASES / ETAPAS
  7. 7. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Determinar o tipo de contagem </li></ul><ul><ul><li>Tipos de Contagem de Pontos de Função: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Projeto de Desenvolvimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Projeto de Melhoria </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Aplicação Instalada </li></ul></ul></ul>FASES / ETAPAS
  8. 8. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>2. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação </li></ul>FASES / ETAPAS
  9. 9. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Determinar os Pontos de Função não Ajustados </li></ul><ul><ul><ul><li>Funcionalidades fornecidas pelo sistema </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Funções de Dados </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Funções Transacionais </li></ul></ul></ul></ul>FASES / ETAPAS
  10. 10. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Contagem das Funções de Dados </li></ul><ul><ul><ul><li>Identificar os Arquivos Lógicos Internos (ALI); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Identificar os Arquivos de Interface Externa (AIE); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Determinar a complexidade dos ALI e AIE e suas contribuições. </li></ul></ul></ul>FASES / ETAPAS Tabela de Contribuição ALI Tabela de Contribuição AIE Tabela de Complexidade 15 Alta 10 Média 7 Baixa Pontos de Função não Ajustados Complexidade da Função 10 Alta 7 Média 5 Baixa Pontos de Função não Ajustados Complexidade da Função
  11. 11. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Contagem das Funções Transacionais </li></ul><ul><ul><ul><li>Identificar e classificar os processos elementares: Entrada Externa (EE), Saída Externa (SE) e Consulta Externa (CE); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Validar a classificação; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Determinar a complexidade e contribuição dos processos. </li></ul></ul></ul>FASES / ETAPAS Tabela de Contribuição EE e CE Tabela de Contribuição SE Tabela de Complexidade EE Tabela de Complexidade SE e CE 6 Alta 4 Média 3 Baixa Pontos de Função não Ajustados Complexidade da Função 7 Alta 5 Média 4 Baixa Pontos de Função não Ajustados Complexidade da Função
  12. 12. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Determinar o Valor do Fator de Ajuste </li></ul><ul><li>Baseado em 14 Características Gerais de Sistemas </li></ul>FASES / ETAPAS <ul><ul><ul><li>Comunicação de Dados </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Funções Distribuídas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Performance </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Configuração do Equipamento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Volume de Transações </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Entrada de Dados on-line </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Interface com o Usuário </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Atualização on-line </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Processamento Complexo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reusabilidade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Facilidade de Implantação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Facilidade Operacional </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Múltiplos Locais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Facilidade de Mudanças </li></ul></ul></ul>Níveis de Influência: 0 – Nenhuma Influência 1 – Influência Mínima 2 – Influência Moderada 3 – Influência Média 4 – Influência Significativa 5 – Grande Influência Onde: NI – Nível de Influência VAF – Valor do Fator de Ajuste
  13. 13. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Calcular os Pontos de Função Ajustados </li></ul><ul><li>Multiplicar o Fator de Ajuste (VAF) pelos Pontos de Função não Ajustados (PFNA) </li></ul><ul><li>Fórmulas específicas para cada tipo de contagem </li></ul><ul><li>Projeto de Desenvolvimento </li></ul><ul><li>Projeto de Melhoria </li></ul><ul><li>Aplicação Instalada </li></ul>FASES / ETAPAS
  14. 14. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO Legenda: DET: Quantidade de Campos FTR: Arquivo lógico referenciado (Utilizado para EE, SE, CE) RLR: Tipo de Registro (Utilizado para ALI, AIE)
  15. 15. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO EXEMPLO DE UTILIZAÇÃO 4 Média Legenda: DET: Quantidade de Campos FTR: Arquivo lógico referenciado (Utilizado para EE, SE, CE) RLR: Tipo de Registro (Utilizado para ALI, AIE) 15 2 16 CE Consultar Produto PF Complexidade FTR/RLR DET Tipo Funções Tabela de Complexidade de SE e CE 6 Alta 4 Média 3 Baixa Pontos de Função não Ajustados Complexidade da Função Tabela de Contribuição EE e CE
  16. 16. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>Pode ser feito logo no início do projeto; </li></ul><ul><li>Determinar o benefício de um pacote de aplicação para a organização; </li></ul><ul><li>Permite medir as unidades de um produto de software; </li></ul><ul><li>Muito material publicado; </li></ul><ul><li>Meio para calcular custos e recursos necessários para desenvolvimento e manutenção de software . </li></ul><ul><li>DESVANTAGENS </li></ul><ul><li>A contagem não pode ser facilmente automatizada; </li></ul><ul><li>Pode ser usada somente para projetos grandes; </li></ul><ul><li>Faixas de complexidade de difícil adaptação a realidade, em alguns casos. </li></ul><ul><li>Variantes do método </li></ul>VANTAGENS
  17. 17. ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO <ul><li>DÚVIDAS ? </li></ul>

×