SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Pontos por Função Jason
3.4 COST XPERT 2.1  http://www.marotz.com ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
Processo de Software Processo de Desenvolvimento Procedimentos  e  métodos que definem o relacionamento  de tarefas. A C B D Pessoas com  habilidades, treinamento e  motivação Ferramentas e  Equipamentos
Processo de Software Consiste em uma série de atividades, práticas, eventos, ferramentas e métodos que garantem, técnica e administrativamente que o software pode ser desenvolvido com  qualidade  e de maneira  organizada ,  disciplinada  e  previsível
Gerência de Projeto de Software ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Pontos-Chaves ,[object Object],[object Object],[object Object],Projetos bem gerenciados algumas vezes falham; projetos mal gerenciados falham  inevitavelmente.
Plano de Projeto-Estimativas II. ESTIMATIVAS DE PROJETO   MÉTRICAS TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS 1 2 3 4 5
Métricas ,[object Object],Orientadas ao Tamanho Orientadas à Função Orientadas ao Ser Humano de Produtividade de Qualidade Técnicas atuação das pessoas; seus relacionamentos com ferramentas e métodos computam medidas indiretas do software computam medidas diretas do software enfoca a saída do processo de eng. de software conformidade com os requisitos implícitos e explícitos do usuário enfoca características do software (complexidade, modularidade)
Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS AO TAMANHO São derivadas de medidas diretas do software e do processo através do qual ele é desenvolvido Exemplos:  LOC  - Lines of Code KLOC  - Thousand Lines of Code
Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS AO TAMANHO  LOC/KLOC   projeto  esforço  $  KLOC  pags.docum.  erros  pessoas projA-01  24  168  12.1  365  29  3 projB-04  62  440  27.2  1224  86  5 projC-03  43  314  20.2  1050  64  6 MÉTRICAS DERIVADAS PRODUTIVIDADE =  QUALIDADE =  CUSTO =  DOCUMENTAÇÃO =  KLOC / pessoas-mês  erros / KLOC  $ / LOC  pags.docum. / KLOC
Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS AO TAMANHO VANTAGENS: DESVANTAGENS: •  Fáceis de serem obtidas •  Vários modelos de estimativa  baseados em LOC ou KLOC • LOC depende da linguagem de programação • Penalizam programas bem projetados,  mas pequenos • Difícil de obter em fase de planejamento
Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF PONTOS POR FUNÇÃO  É APLICADO ATRAVÉS DE  3  PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro  Contagem  Simples  Médio  Complexo nro de entradas  x  3  4  6 do usuário nro de saídas  x  4  5  7 do usuário nro de consultas  x  3  4  6 do usuário nro de arquivos  x  7  10  15 nro de interfaces  x  5  7  10 externas Contagem-Total entradas de usuário que forneçam dados orientados a aplicações distintas
Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF PONTOS POR FUNÇÃO  É APLICADO ATRAVÉS DE  3  PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro  Contagem  Simples  Médio  Complexo nro de entradas  x  3  4  6 do usuário nro de saídas  x  4  5  7 do usuário nro de consultas  x  3  4  6 do usuário nro de arquivos  x  7  10  15 nro de interfaces  x  5  7  10 externas Contagem-Total saídas de usuário que forneçam informações orientadas a aplicações (relatórios, telas, mensagens de erro)
Métricas(Albrecht-1979) MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF PONTOS POR FUNÇÃO  É APLICADO ATRAVÉS DE  3  PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro  Contagem  Simples  Médio  Complexo nro de entradas  x  3  4  6 do usuário nro de saídas  x  4  5  7 do usuário nro de consultas  x  3  4  6 do usuário nro de arquivos  x  7  10  15 nro de interfaces  x  5  7  10 externas Contagem-Total entrada  on-line  que resulte em   saída  on-line
Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF PONTOS POR FUNÇÃO  É APLICADO ATRAVÉS DE  3  PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro  Contagem  Simples  Médio  Complexo nro de entradas  x  3  4  6 do usuário nro de saídas  x  4  5  7 do usuário nro de consultas  x  3  4  6 do usuário nro de arquivos  x  7  10  15 nro de interfaces  x  5  7  10 externas Contagem-Total cada arquivo lógico
Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF PONTOS POR FUNÇÃO  É APLICADO ATRAVÉS DE  3  PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação(subjetivo) Parâmetro  Contagem  Simples  Médio  Complexo nro de entradas  x  3  4  6 do usuário nro de saídas  x  4  5  7 do usuário nro de consultas  x  3  4  6 do usuário nro de arquivos  x  7  10  15 nro de interfaces  x  5  7  10 externas Contagem-Total todas as interfaces legíveis por máquina, usadas para transmitir informação para outro sistema
Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF 2) Responder as questões 1-14, considerando a escala de 0 a 5: influência   0  1  2  3  4  5 nenhuma  pouca  moderada  média  significante  essencial 1. O sistema exige backup e recuperação confiáveis?  2. É requerida comunicação de dados? 3. Existem funções de processamento  distribuído? 4. O desempenho é crítico? 5. O sistema funcionará num sistema operacional  existente e intensamente utilizado? 6. São requeridas entrada de dados  on-line ? 7. As entradas  on-line  requerem que as transações de entrada sejam construídas com várias telas e operações? 8. Os arquivos são atualizados  on-line ? 9. Entradas, saídas, arquivos e consultas são complexos? 10. O processamento interno é complexo? 11. O código é projetado para ser reusával? 12. A conversão e a instalação estão incuídas  no projeto? 13. O sistema é projetado para múltiplas  instalações em diferentes organizações? 14. A aplicação é projetada de forma a facilitar  mudanças e o uso pelo usuário?
Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO -  PF 3) Ajustar os Pontos por Função de acordo com a complexidade  do sistema, através da seguinte fórmula: F i  = valores de ajuste da complexidade das perguntas 1-14 MÉTRICAS DERIVADAS PF = Contagem-Total x  0,65 + 0,01 x  (F i ) 14 i = 1 PRODUTIVIDADE =  QUALIDADE =  CUSTO =  DOCUMENTAÇÃO =  PF / pessoas-mês  erros / PF  $ / PF  pags.docum. / PF
Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS À FUNÇÃO VANTAGENS: DESVANTAGENS: • Independentes da linguagem • Ideal para aplicações que usam linguagem não procedimental  • Baseados em dados mais fáceis de serem conhecidos durante a evolução do projeto • Cálculo baseado em dados subjetivos
Métricas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],DE QUALIDADE
Métricas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],DE QUALIDADE ERROS / KLOC   é a medida mais comum os defeitos são registrados pelo usuário depois que o software foi liberado para uso, e são contados ao longo de um período de tempo padrão
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Métricas DE QUALIDADE Tempo médio para mudança corresponde ao tempo que demora para analisar um pedido de mudança, projetar a modificação adequada, implementar a mudança, testá-la e distribuir para  todos os usuários
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Métricas DE QUALIDADE Integridade =  ( 1 - ameaça x ( 1 - segurança) ) ameaça  - probabilidade de que um ataque de um tipo   específico ocorrerá dentro de determinado tempo segurança  - probabilidade de que o ataque de um tipo específico será repelido
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Métricas DE QUALIDADE Pode ser medida através de 4 características: 1. habilidade física/intelectual para se aprender o sistema 2. tempo exigido para se tornar moderamente eficiente no uso 3. aumento de produtividade por alguém que seja moderadamente eficiente 4. avaliação subjetiva (questionário)
Métricas COLETA, COMPUTAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS MÉTRICAS Profissionais Gerentes Software Processo de Engenharia de Software Computação das Métricas Avaliação dos Dados Coleta de Dados BASELINE  - DADOS HISTÓRICOS
Métricas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],BASELINE  - DADOS HISTÓRICOS
...Em Resumo... Planejar:  estabelecer objetivos claros e detalhados que serão alcançados entre a situação atual e o objetivo final, juntamente com uma definição do trabalho necessário para alcançá-los Organizar:  fazer o levantamento dos recursos necessários para por em prática o trabalho especificado no planejamento, numa estrutura eficaz Integrar:  manter a unidade e a livre operação de recursos, principalmente os elementos humanos, durante a execução do planejado Medir:  obter uma contínua realimentação sobre o andamento do que foi planejado Revisar:  modificar o plano, a organização e, possivelmente, os objetivos para acomodar as discrepâncias reveladas pela medição Gerenciamento de Projeto é a execução repetida das atividades
Diagrama de Funções e Fronteira da Aplicação Arquivos de  Interface Externa Entrada Externa Saída Externa Consulta Externa Aplicativo Outros  Aplicativos Saída Externa Entrada Externa Consulta Externa Arquivo Lógico Interno
Determinação de Pontos de Função Brutos Arquivos de  Interface Externa Entrada Externa Saída Externa Consulta Externa Aplicativo Outros  Aplicativos Saída Externa Entrada Externa Consulta Externa Arquivo Lógico Interno

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Estimativas de Projeto com Métricas Técnicas

Eng.Software-Métricas
Eng.Software-MétricasEng.Software-Métricas
Eng.Software-Métricaselliando dias
 
Planejamento projeto masiero
Planejamento projeto masieroPlanejamento projeto masiero
Planejamento projeto masieroMaitsudá Matos
 
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdfAula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdfJadna Almeida
 
Este trabalho trata
Este trabalho trataEste trabalho trata
Este trabalho trataRoni Reis
 
Plano do projeto de software
Plano do projeto de softwarePlano do projeto de software
Plano do projeto de softwareDanilo Gois
 
Apresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael Azevedo
Apresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael AzevedoApresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael Azevedo
Apresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael Azevedolemorettiribeiro
 
Introdução a engenharia de software aula 01
Introdução a engenharia de software   aula 01Introdução a engenharia de software   aula 01
Introdução a engenharia de software aula 01Franklin Matos Correia
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfMichaelArrais1
 
Es2 modelo de processo de software
Es2 modelo de processo de softwareEs2 modelo de processo de software
Es2 modelo de processo de softwareluacal
 
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de SoftwareQUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de SoftwareDiogo Rocha Ferreira de Menezes
 
Medida de Esforço de Software com Análise de Ponto de Função
Medida de Esforço de Software com Análise de Ponto de FunçãoMedida de Esforço de Software com Análise de Ponto de Função
Medida de Esforço de Software com Análise de Ponto de FunçãoÁlvaro Farias Pinheiro
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitoselliando dias
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Plano de projeto cafis
Plano de projeto cafisPlano de projeto cafis
Plano de projeto cafisJonathas Silva
 

Semelhante a Estimativas de Projeto com Métricas Técnicas (20)

Eng.Software-Métricas
Eng.Software-MétricasEng.Software-Métricas
Eng.Software-Métricas
 
Planejamento projeto masiero
Planejamento projeto masieroPlanejamento projeto masiero
Planejamento projeto masiero
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdfAula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
Aula 01 e 02 - Engenharia de Software.pdf
 
Engenharia de software
Engenharia de software Engenharia de software
Engenharia de software
 
Este trabalho trata
Este trabalho trataEste trabalho trata
Este trabalho trata
 
Plano do projeto de software
Plano do projeto de softwarePlano do projeto de software
Plano do projeto de software
 
Apresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael Azevedo
Apresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael AzevedoApresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael Azevedo
Apresentação tcc - Leticia Moretti e Rafael Azevedo
 
Introdução a engenharia de software aula 01
Introdução a engenharia de software   aula 01Introdução a engenharia de software   aula 01
Introdução a engenharia de software aula 01
 
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdfAula18_V&VTesteSoftware.pdf
Aula18_V&VTesteSoftware.pdf
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Es2 modelo de processo de software
Es2 modelo de processo de softwareEs2 modelo de processo de software
Es2 modelo de processo de software
 
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de SoftwareQUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
 
Medida de Esforço de Software com Análise de Ponto de Função
Medida de Esforço de Software com Análise de Ponto de FunçãoMedida de Esforço de Software com Análise de Ponto de Função
Medida de Esforço de Software com Análise de Ponto de Função
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
 
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane FidelixIntrodução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
Introdução a Engenharia de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Medição de software
Medição de softwareMedição de software
Medição de software
 
Plano de projeto cafis
Plano de projeto cafisPlano de projeto cafis
Plano de projeto cafis
 

Estimativas de Projeto com Métricas Técnicas

  • 2.
  • 3.  
  • 4. Processo de Software Processo de Desenvolvimento Procedimentos e métodos que definem o relacionamento de tarefas. A C B D Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Ferramentas e Equipamentos
  • 5. Processo de Software Consiste em uma série de atividades, práticas, eventos, ferramentas e métodos que garantem, técnica e administrativamente que o software pode ser desenvolvido com qualidade e de maneira organizada , disciplinada e previsível
  • 6.
  • 7.
  • 8. Plano de Projeto-Estimativas II. ESTIMATIVAS DE PROJETO MÉTRICAS TÉCNICAS DE ESTIMATIVAS 1 2 3 4 5
  • 9.
  • 10. Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS AO TAMANHO São derivadas de medidas diretas do software e do processo através do qual ele é desenvolvido Exemplos: LOC - Lines of Code KLOC - Thousand Lines of Code
  • 11. Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS AO TAMANHO LOC/KLOC projeto esforço $ KLOC pags.docum. erros pessoas projA-01 24 168 12.1 365 29 3 projB-04 62 440 27.2 1224 86 5 projC-03 43 314 20.2 1050 64 6 MÉTRICAS DERIVADAS PRODUTIVIDADE = QUALIDADE = CUSTO = DOCUMENTAÇÃO = KLOC / pessoas-mês erros / KLOC $ / LOC pags.docum. / KLOC
  • 12. Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS AO TAMANHO VANTAGENS: DESVANTAGENS: • Fáceis de serem obtidas • Vários modelos de estimativa baseados em LOC ou KLOC • LOC depende da linguagem de programação • Penalizam programas bem projetados, mas pequenos • Difícil de obter em fase de planejamento
  • 13. Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF PONTOS POR FUNÇÃO É APLICADO ATRAVÉS DE 3 PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro Contagem Simples Médio Complexo nro de entradas x 3 4 6 do usuário nro de saídas x 4 5 7 do usuário nro de consultas x 3 4 6 do usuário nro de arquivos x 7 10 15 nro de interfaces x 5 7 10 externas Contagem-Total entradas de usuário que forneçam dados orientados a aplicações distintas
  • 14. Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF PONTOS POR FUNÇÃO É APLICADO ATRAVÉS DE 3 PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro Contagem Simples Médio Complexo nro de entradas x 3 4 6 do usuário nro de saídas x 4 5 7 do usuário nro de consultas x 3 4 6 do usuário nro de arquivos x 7 10 15 nro de interfaces x 5 7 10 externas Contagem-Total saídas de usuário que forneçam informações orientadas a aplicações (relatórios, telas, mensagens de erro)
  • 15. Métricas(Albrecht-1979) MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF PONTOS POR FUNÇÃO É APLICADO ATRAVÉS DE 3 PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro Contagem Simples Médio Complexo nro de entradas x 3 4 6 do usuário nro de saídas x 4 5 7 do usuário nro de consultas x 3 4 6 do usuário nro de arquivos x 7 10 15 nro de interfaces x 5 7 10 externas Contagem-Total entrada on-line que resulte em saída on-line
  • 16. Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF PONTOS POR FUNÇÃO É APLICADO ATRAVÉS DE 3 PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação Parâmetro Contagem Simples Médio Complexo nro de entradas x 3 4 6 do usuário nro de saídas x 4 5 7 do usuário nro de consultas x 3 4 6 do usuário nro de arquivos x 7 10 15 nro de interfaces x 5 7 10 externas Contagem-Total cada arquivo lógico
  • 17. Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF PONTOS POR FUNÇÃO É APLICADO ATRAVÉS DE 3 PASSOS: 1) Completar a seguinte tabela: fator de ponderação(subjetivo) Parâmetro Contagem Simples Médio Complexo nro de entradas x 3 4 6 do usuário nro de saídas x 4 5 7 do usuário nro de consultas x 3 4 6 do usuário nro de arquivos x 7 10 15 nro de interfaces x 5 7 10 externas Contagem-Total todas as interfaces legíveis por máquina, usadas para transmitir informação para outro sistema
  • 18. Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF 2) Responder as questões 1-14, considerando a escala de 0 a 5: influência 0 1 2 3 4 5 nenhuma pouca moderada média significante essencial 1. O sistema exige backup e recuperação confiáveis? 2. É requerida comunicação de dados? 3. Existem funções de processamento distribuído? 4. O desempenho é crítico? 5. O sistema funcionará num sistema operacional existente e intensamente utilizado? 6. São requeridas entrada de dados on-line ? 7. As entradas on-line requerem que as transações de entrada sejam construídas com várias telas e operações? 8. Os arquivos são atualizados on-line ? 9. Entradas, saídas, arquivos e consultas são complexos? 10. O processamento interno é complexo? 11. O código é projetado para ser reusával? 12. A conversão e a instalação estão incuídas no projeto? 13. O sistema é projetado para múltiplas instalações em diferentes organizações? 14. A aplicação é projetada de forma a facilitar mudanças e o uso pelo usuário?
  • 19. Métricas MÉTRICA ORIENTADA À FUNÇÃO - PF 3) Ajustar os Pontos por Função de acordo com a complexidade do sistema, através da seguinte fórmula: F i = valores de ajuste da complexidade das perguntas 1-14 MÉTRICAS DERIVADAS PF = Contagem-Total x 0,65 + 0,01 x (F i ) 14 i = 1 PRODUTIVIDADE = QUALIDADE = CUSTO = DOCUMENTAÇÃO = PF / pessoas-mês erros / PF $ / PF pags.docum. / PF
  • 20. Métricas MÉTRICAS ORIENTADAS À FUNÇÃO VANTAGENS: DESVANTAGENS: • Independentes da linguagem • Ideal para aplicações que usam linguagem não procedimental • Baseados em dados mais fáceis de serem conhecidos durante a evolução do projeto • Cálculo baseado em dados subjetivos
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Métricas COLETA, COMPUTAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS MÉTRICAS Profissionais Gerentes Software Processo de Engenharia de Software Computação das Métricas Avaliação dos Dados Coleta de Dados BASELINE - DADOS HISTÓRICOS
  • 27.
  • 28. ...Em Resumo... Planejar: estabelecer objetivos claros e detalhados que serão alcançados entre a situação atual e o objetivo final, juntamente com uma definição do trabalho necessário para alcançá-los Organizar: fazer o levantamento dos recursos necessários para por em prática o trabalho especificado no planejamento, numa estrutura eficaz Integrar: manter a unidade e a livre operação de recursos, principalmente os elementos humanos, durante a execução do planejado Medir: obter uma contínua realimentação sobre o andamento do que foi planejado Revisar: modificar o plano, a organização e, possivelmente, os objetivos para acomodar as discrepâncias reveladas pela medição Gerenciamento de Projeto é a execução repetida das atividades
  • 29. Diagrama de Funções e Fronteira da Aplicação Arquivos de Interface Externa Entrada Externa Saída Externa Consulta Externa Aplicativo Outros Aplicativos Saída Externa Entrada Externa Consulta Externa Arquivo Lógico Interno
  • 30. Determinação de Pontos de Função Brutos Arquivos de Interface Externa Entrada Externa Saída Externa Consulta Externa Aplicativo Outros Aplicativos Saída Externa Entrada Externa Consulta Externa Arquivo Lógico Interno