Escopo do Trabalho        Histórico da Pesquisa – Metodologia – Conceitos
Histórico da                        Metodologia                Conceitos    Pesquisa• 2009 - Tradução e   • Tradução do co...
Conceitos                 Trágico – Párodo – Tragédia e Política – Imagem Política
Análise das Imagens      Políticas         
Hécuba      ἐν γὰρ Ἀχαιῶν πλήρει ξυνόδῳ λέγεται δόξαι σὴν παῖδ᾽ Ἀχιλεῖ107-108            “Pois, na assembleia plena dos aq...
Hécuba    τὼ Θησείδα δ᾽, ὄζω Ἀθηνῶν, δισσῶν μύθων ῥήτορες ἦσαν:123-125          “dois rebentos de Atenas, eram oradores de...
Referências    
BAILLY, A. Dictionnaire Grec Français. Éd. revue par L. Séchan et P.Chantraine. Paris: Hachette, 26e éd., 1963.EASTERLING,...
GRUBE, G. M. A. The Drama of Euripides. Londres: Methuen & Co., 1941. p. 68-69.HORTA, G.N.B.P. Os gregos e seu idioma, 2 v...
Slides trabalho jic
Slides trabalho jic
Slides trabalho jic
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides trabalho jic

565 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides trabalho jic

  1. 1. Escopo do Trabalho Histórico da Pesquisa – Metodologia – Conceitos
  2. 2. Histórico da Metodologia Conceitos Pesquisa• 2009 - Tradução e • Tradução do corpus • Trágico estudo do prólogo • Análise das imagens • Párodo• 2010 - Tradução e políticas • Tragédia e Política estudo do párodo • Imagem Política na tragédia
  3. 3. Conceitos Trágico – Párodo – Tragédia e Política – Imagem Política
  4. 4. Análise das Imagens Políticas 
  5. 5. Hécuba ἐν γὰρ Ἀχαιῶν πλήρει ξυνόδῳ λέγεται δόξαι σὴν παῖδ᾽ Ἀχιλεῖ107-108 “Pois, na assembleia plena dos aqueus, diz-se que foi decretado tornar”Hécuba πολλῆς δ᾽ ἔριδος συνέπαισε κλύδων, δόξα δ᾽ ἐχώρει δίχ᾽ ἀν᾽ Ἑλλήνων116-118 “Uma onda de grande querela chocou-se simultaneamente, e uma dupla opinião avançava sobre o exército”
  6. 6. Hécuba τὼ Θησείδα δ᾽, ὄζω Ἀθηνῶν, δισσῶν μύθων ῥήτορες ἦσαν:123-125 “dois rebentos de Atenas, eram oradores de duplos discursos, mas concordavam em uma única proposição,”Hécuba σπουδαὶ δὲ λόγων κατατεινομένων ἦσαν ἴσαι πως, πρὶν ὁ130-134 ποικιλόφρων κόπις ἡδυλόγος ημοχαριστὴς Λαερτιάδης πείθει στρατιὰν μὴ τὸν ἄριστον Δαναῶν πάντων“ eram, de certa maneira, semelhantes, depois que o astuto mentiroso de fala doce que agrada o povo, o Filho de Laerte, persuade o exército”
  7. 7. Referências 
  8. 8. BAILLY, A. Dictionnaire Grec Français. Éd. revue par L. Séchan et P.Chantraine. Paris: Hachette, 26e éd., 1963.EASTERLING, E. A. Form and Performance. In: EASTERLING, E. A. TheCambridge Companion to Greek Tragedy. Cambridge: Cambridge UniversityPress, 1997 (2005). p. 151-177.FINLEY. Moses. (org) Mito memória e História. In: Uso e abuso da História. SãoPaulo: Martins Fontes, 1989. p. 06.GOODWIN, W.W. A Greek Grammar. London: MacMillan, 1894.GREGORY, Justina. Hecuba: introduction, text, and commentary. Atlanta:American Philological Association, 1999.PAGE, T. E.; CAPPS, D. E.; ROSE, W. H. D. (eds.). Euripides. v. III. New York:Putnam Son’s, 1929.GRUBE, G. M. A. The Drama of Euripides. Londres: Methuen & Co., 1941. p.68-69.
  9. 9. GRUBE, G. M. A. The Drama of Euripides. Londres: Methuen & Co., 1941. p. 68-69.HORTA, G.N.B.P. Os gregos e seu idioma, 2 v. Rio de Janeiro: Di Giorgio, 1983 (1ºtomo, 3ª ed.) e 1979 (2º tomo).LIDDEL, H.G. & SCOTT, R. A Greek-English Lexicon Revised and augmented byH.S. Jones and R. McKenzie. Oxford: Clarendon Press, 1940.MAINGUENEAU, D. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 2001.p. 28.SANTOS, Fernando Brandão dos. Alceste, de Eurípides: o prólogo (1-76).Humanitas, v. LX, 2008. p.92.SEGAL, C. “O ouvinte e o espectador”. IN: VERNANT, J-P. O Homem Grego.Lisboa: Presença, 1994. p. 195.SOMMESTEIN, Greek Drama and Dramatists. New York: Routledge, 2002. p. 6-7.VERNANT, J-P. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 1999. p. 10.

×