Escopo do Trabalho        Histórico da Pesquisa – Metodologia – Conceitos
Histórico da                               Metodologia              Conceitos    Pesquisa•2009 - Tradução e estudo   •Trad...
Campos Disciplinares e Pesquisas                                                                                        •...
Leituras do Texto     Trágico       
Texto Literário                                            Em Hécuba e                                             Troian...
Texto Para Performance                 “É, pois, a                    tragédia                 imitação deAristóteles,   ...
Texto Educacional / Filosófico                                           SEGAL, C. “O ouvinte e o espectador”            ...
Registro Linguístico           O canto coral e o canto de ator• além da música que os acompanhava, eram escritos noutro r...
Documento    
Conceitos                 Trágico – Párodo – Tragédia e Política – Imagem Política
Análise das Imagens      Políticas         
Hécuba      ἐν γὰρ Ἀχαιῶν πλήρει ξυνόδῳ λέγεται δόξαι σὴν παῖδ᾽ Ἀχιλεῖ107-108            “Pois, na assembleia plena dos aq...
Hécuba    τὼ Θησείδα δ᾽, ὄζω Ἀθηνῶν, δισσῶν μύθων ῥήτορες ἦσαν:123-125          “dois rebentos de Atenas, eram oradores de...
GRUBE, G. M. A. The Drama of Euripides. Londres: Methuen & Co., 1941. p. 68-69.HORTA, G.N.B.P. Os gregos e seu idioma, 2 v...
Slidesleituramultifacetadadostragicos
Slidesleituramultifacetadadostragicos
Slidesleituramultifacetadadostragicos
Slidesleituramultifacetadadostragicos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slidesleituramultifacetadadostragicos

214 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
214
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slidesleituramultifacetadadostragicos

  1. 1. Escopo do Trabalho Histórico da Pesquisa – Metodologia – Conceitos
  2. 2. Histórico da Metodologia Conceitos Pesquisa•2009 - Tradução e estudo •Tradução do corpus •Trágico do prólogo •Análise das imagens •Párodo•2010 - Tradução e estudo políticas •Tragédia e Política do párodo •Imagem Política na•2011 – Tradução e estudo tragédia dos episódios
  3. 3. Campos Disciplinares e Pesquisas  •Delimitação do Corpus - Cultura Hécuba Grega •Análise da performance UC História Antiga UFF •Indícios Documentais •Análise – Imagens e Representações Língua e Literatura Grega UFRJ •Delimitação do Corpus – Hesíodo / Hécuba de Eurípides •Análise intertextual •Análise pragmática
  4. 4. Leituras do Texto Trágico 
  5. 5. Texto Literário  Em Hécuba e Troianas, um antigo mito éAristóteles, "pois nada modificado: a Poética, 9, impede Eurípides rainha troiana1451B, 31-3. algumas coisas que ganha voz e é aconteceram explorada, serem tais sendo a sua quais seria caracterização possível e e história um verossímil amálgama acontecerem, entre mitos segundo o que aquele é conhecidos em criador (o Homero, na poeta) delas" tradição do Ciclo Troiano, modificado por inovações euripidianas.
  6. 6. Texto Para Performance “É, pois, a tragédia imitação deAristóteles, uma ação séria Eurípides, e completa “sem choro Poética, 6. Hécuba, 30- dotada de fúnebre,1449B, 24-6. 32 extensão, e, insepulto: linguagem agora, sobre a condimentada mãe querida para cada uma Hécuba movo- das partes (imitação que me, após ter se efetua) por deixado meu meio de atores e corpo, há dois não mediante dias narrativa e que mantenho-me opera, graças suspenso” ao temor e à piedade, a purificação de tais emoções.”
  7. 7. Texto Educacional / Filosófico SEGAL, C. “O ouvinte e o espectador” VEGETTI, M. “O homem e os“Há um elemento reflexivo, deuses”educacional e filosófico fundamentalnas tragédias, colocados em destaque “O drama grego aponta para a noçãodevido à força da dramatização sobre ética bem recorrente e visível no teatroa sociedade que afluía para assistir aos grego. O teatro desenvolve umaespetáculos” atividade educativa total e permanente, que faz da pólis inteira uma comunidade pedagógica.”
  8. 8. Registro Linguístico O canto coral e o canto de ator• além da música que os acompanhava, eram escritos noutro registro linguísticoAspectos inerentes à variação no registro linguístico• Evidência das marcas dialetais e da sua percepção por um autor e por uma audiência• Afastamento perceptivo (temporal, étnico, ideológico) criado pelo uso do dialeto dóricoElementos pragmáticos• Recurso ao idioma e música é uma estratégia de reforço do tônus emocional• É no canto coral que a emoção, paradoxalmente, vai ser controlada pelo autor
  9. 9. Documento 
  10. 10. Conceitos Trágico – Párodo – Tragédia e Política – Imagem Política
  11. 11. Análise das Imagens Políticas 
  12. 12. Hécuba ἐν γὰρ Ἀχαιῶν πλήρει ξυνόδῳ λέγεται δόξαι σὴν παῖδ᾽ Ἀχιλεῖ107-108 “Pois, na assembleia plena dos aqueus, diz-se que foi decretado tornar”Hécuba πολλῆς δ᾽ ἔριδος συνέπαισε κλύδων, δόξα δ᾽ ἐχώρει δίχ᾽ ἀν᾽ Ἑλλήνων116-118 “Uma onda de grande querela chocou-se simultaneamente, e uma dupla opinião avançava sobre o exército”
  13. 13. Hécuba τὼ Θησείδα δ᾽, ὄζω Ἀθηνῶν, δισσῶν μύθων ῥήτορες ἦσαν:123-125 “dois rebentos de Atenas, eram oradores de duplos discursos, mas concordavam em uma única proposição,”Hécuba σπουδαὶ δὲ λόγων κατατεινομένων ἦσαν ἴσαι πως, πρὶν ὁ130-134 ποικιλόφρων κόπις ἡδυλόγος ημοχαριστὴς Λαερτιάδης πείθει στρατιὰν μὴ τὸν ἄριστον Δαναῶν πάντων“ eram, de certa maneira, semelhantes, depois que o astuto mentiroso de fala doce que agrada o povo, o Filho de Laerte, persuade o exército”
  14. 14. GRUBE, G. M. A. The Drama of Euripides. Londres: Methuen & Co., 1941. p. 68-69.HORTA, G.N.B.P. Os gregos e seu idioma, 2 v. Rio de Janeiro: Di Giorgio, 1983 (1º tomo, 3ª ed.)e 1979 (2º tomo).LAGES, S. K. “Alegoria da leitura, figuras da melancolia: “A Tarefa do Tradutor”, de WalterBenjamin”. In: SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). Leituras de Walter Benjamin. São Paulo:FAPESP, Annablume, 1999, p.47-60.LIDDEL, H.G. & SCOTT, R. A Greek-English Lexicon Revised and augmented by H.S. Jonesand R. McKenzie. Oxford: Clarendon Press, 1940.MAINGUENEAU, D. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 28.SANTOS, Fernando Brandão dos. Alceste, de Eurípides: o prólogo (1-76). Humanitas, v. LX,2008. p.92.SEGAL, C. “O ouvinte e o espectador”. IN: VERNANT, J-P. O Homem Grego. Lisboa:Presença, 1994. p. 195.SELIGMANN-SILVA, M. Ler o Livro do Mundo – Walter Benjamin: Romantismo e CríticaPoética. São Paulo: FAPESP, Iluminuras, 1999.SOMMESTEIN, Greek Drama and Dramatists. New York: Routledge, 2002. p. 6-7.VERNANT, J-P. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 1999. p. 10.

×