Historias de tauromaquia

269 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
269
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Historias de tauromaquia

  1. 1. Carlos Pegado..."Uma grande Festa e uma grande homenagem à figura impar e única do FORCADO"por Tauromania26 de Fevereiro, 2012 A caminho da "V FESTA DO FORCADO", a qual se irá realizar nos próximos dias 16 e 17 de Março na Praça de Toiros do Campo Pequeno, vamos apresentar várias entrevistas no decorrer das próximas semanas feitas aos promotores, autores e participantes nesta 5º Edição. O primeiro entrevistado é o empresário Carlos Pegado que, com a Tauromania, idealizou desde sempre os moldes como foram feitas as já passadas quatro edições da FESTA DO FORCADO, bem como a edição desta temporada. Tauromania (T) - Esta temporada vai realizar-se a V FESTA DO FORCADO. Como nasceu a ideia da “Festa do Forcado”?Carlos Pegado (CP) - Como sabem tenho uma forte paixão pela figura do forcado. Durante 17 anos fui forcado noGrupo de Montemor e ainda me sinto como tal. Quem vestiu uma jaqueta e viveu intensamente o ambiente de umverdadeiro grupo de forcados entende bem o que se sente e aquilo que sinto.No ano de 2000, quando comecei a gerir a Praça de Évora, criei uma estratégia no sentido de valorizar a figura doforcado nesta praça. Com base na apresentação do toiro sério e de ganadarias duras, esse trabalho foi dandovisibilidade à seriedade e os aficionados, e a própria crítica, começou a dar bastante importância, valorizando muito,tudo o que se passava naquela arena.Assim nasceu um grande respeito e admiração do público, que já vinha um pouco de trás mas, que se consolidouatravés deste trabalho mais direccionado.Quando a “Feira do Toiro” acabou pensei que tinha ficado um vazio, o qual poderia ser preenchido com uma feiratemática direccionada para o Forcado. Comentei esse facto a dois amigos meus, do Grupo de Montemor, o RodrigoCorrêa de Sá e o José Fernando Potier que, curiosamente, sentiam o mesmo que eu e tinham uma ideia muitoparecida. Apresentámos a ideia à ANGF para que integrasse a comissão organizadora. A ANGF não aceitou serintegrada na organização alegando que esta associação não estava vocacionada para a organização de eventos.Foi então que resolvemos os três, através das nossas empresas Terra Brava e Tauromania, meter mãos à obra… eassim nasceu a “Festa do Forcado”. Este é o seu berço!Pelo facto de eu ser empresário da Praça de Évora e de ter como estratégia promover e elevar a figura do forcadoamador, decidimos que este seria o palco do evento.T - E este ano vem para Lisboa? Porquê?CP - Já em determinada altura tínhamos equacionado fazer este evento noutro local. Por dois motivos: por um lado,sentimos sempre uma grande falta de apoios, nomeadamente institucionais, e por outro lado, o facto de termos sidoabordados por algumas câmaras municipais que manifestaram o seu interesse em se associarem e apoiarem esteevento, pelo forte impacto que tem e por termos conquistado uma forte adesão do público desde a primeira hora. Ésem dúvida um evento de qualidade.Este ano, depois da Terra Brava ter sido afastada da gestão da Praça de Évora, e, repito, por não haver qualquer tipode apoio institucional, o que dificulta bastante a produção de um evento com estas características, decidimos que a “VFesta do Forcado” iria ter lugar noutra praça.Várias hipóteses estiveram em cima da mesa e algumas estiveram até em adiantada fase de negociação. Houvetambém algumas empresas que disponibilizaram as suas praças para a realização desta festa, o que aproveito paraagradecer publicamente, mas o nosso objectivo era o Campo Pequeno. Por várias razões: o Campo Pequeno é a 1ªpraça do país, esta é a 5ª Festa, o evento cresce em termos de prestígio e, o motivo principal, a figura do ForcadoAmador é finalmente reconhecida como um pilar da nossa festa e como uma bandeira da nossa nacionalidade aorealizarmos um evento, cuja figura central é exclusivamente o Forcado, na capital de Portugal.Acrescento ainda que o interesse da empresa do Campo Pequeno na realização deste evento foi total, tal como a suadisponibilidade para se associarem à organização do mesmo, o que facilitou todo este processo.
  2. 2. Como empresário e organizador deste evento quero realçar a forma exemplar e civilizada como decorreram todas asconversações.T - Este ano a V Festa do Forcado vai realizar-se em dois dias. O primeiro na noite de sexta-feira (16 demarço) e no segundo na tarde e noite de sábado (17 de março). A que se deve este facto?CP - Sempre foi nossa intenção que a Festa do Forcado se realizasse durante dois dias, pois há bastantes conteúdos deinteresse para que a Festa se possa estender temporalmente. Ainda não tinha acontecido pelas já referidas faltas deapoio.Este ano, no Campo Pequeno, conseguimos reunir as condições necessárias para concretizar este nosso objectivo. Asprincipais razões são que pelo facto de estarmos em Lisboa toda a dimensão do evento cresce naturalmente e depoisporque conseguimos captar o interesse da Câmara Municipal de Lisboa para que se associasse à Festa do Forcado. Épara todos nós, em primeiro lugar como forcados e depois como promotores, um enorme orgulho que a Câmara estejaenvolvida no evento, o que resulta no reconhecimento público da figura do Forcado Amador por parte duma importanteinstituição do nosso país. A “V Festa do Forcado” vai ter o seu início na 6ª feira, dia 16, pelas 22h00 e prolonga-se nodia seguinte, sábado, a partir das 15h00 e durante toda a tarde. Depois haverá uma pausa para jantar e às 23h00 teráinício na própria arena da praça (todos terão oportunidade de pisar esta mítica arena) uma grande festa com música aovivo, DJ´s e muita animação pela noite dentro.De realçar que alterámos a data inicialmente prevista que seria sábado e domingo para não prejudicar e não dividir opúblico, pois no domingo dia 18 há toiros em Santarém. Assim os aficionados têm um fim de semana taurino completo.T - Pode desvendar-nos um pouco o que se vai passar nesses dois dias?CP - No dia de abertura iremos apresentar um espectáculo denominado “Forcado. A Coragem Lusitana”, da autoria doencenador e actor Carlos Cunha. Trata-se de uma encenação onde vamos recriar a história das origens do “Moço deForcado”. Em seguida teremos um dos pratos fortes – o Grupo de Forcados de Veteranos e Famosos – onde vamos verpegar antigas glórias e muitas conhecidas figuras públicas de áreas tão distintas como actores, músicos, futebolistas,políticos, etc. Conseguimos reunir um grande grupo de figuras públicas que desta forma, ao vestirem-se de forcadospor um dia, podem viver essa experiência única de sentir a emoção que carrega o coração de um forcado e desta formatambém homenagearem a figura do Forcado.Para finalizar esta noite, será apresentada a Escola de Toureio a Cavalo do Campo Pequeno e serão lidados 4 novilhosque serão pegados por um Grupo de Forcados constituídos pelos 38 cabos dos Grupos que irão participar nesta Festa.Um momento histórico e inédito também.Depois de todos estes momentos de fortes emoções todos iremos descontrair, e todo o público poderá conviver comtodas as figuras, numa grande festa na Discoteca TWIN´S.No sábado teremos o dia forte. Durante toda a tarde irá realizar-se o V Torneio de Pegas de Cernelha, com aparticipação de 38 Grupos de Forcados, a totalidade dos Grupos associados na ANGF, que irão disputar doisimportantes prémios: o Prémio António José da Veiga Teixeira e a participação numa Corrida de Toiros especial naPraça de Toiros do Campo Pequeno na Temporada 2012.Teremos também a recriação de “Sortes Antigas” pelos Grupos de Montemor, Aposento do Barrete Verde e Coruche, aactuação de Forcados Veteranos e Forcados do Futuro.Quando tudo isto terminar iremos preparar a própria arena do Campo Pequeno para que aí todos se possam divertir econviver pela noite dentro. Iremos ter a actuação de um grupo que teve o seu grande lançamento na Festa do Forcadode 2011 – Los Três Sangres – e DJ´s, bares e toda a euforia e animação que são próprias do espírito português.Fora da praça vamos ainda ter várias acções paralelas como exposições, concurso de fotografia, venda de produtosrelacionados com o Forcado e acções de beneficência.Esperamos uma grande afluência do público em geral que irá viver o espírito do Forcado nestes dois dias e também apresença em força de todas as “famílias” de todos os Grupos de Forcados que serão as suas claques de apoio nestajornada tão importante e onde podemos constatar toda a vitalidade da festa portuguesa.Enfim… Uma grande Festa e uma grande homenagem à figura impar e do FORCADO.
  3. 3. Entrevista a José Maria Cortes, Cabo do Grupo de Forcados Amadores de Montemorpor Miguel Soares 30 de Novembro, 2011 A TAUROMANIA tem vindo a elaborar um conjunto de entrevistas com os cabos dos principais Grupos de Forcados Amadores do país, com o objectivo de fazer um balanço da temporada que passou, bem como abordar outros temas de interesse na vida de um Grupo de Forcados. Um dia depois de conhecida a atribuição do “Galardão Campo Pequeno 2011” para melhor Grupo de Forcados, entrevistámos José Maria Cortes, Cabo do Grupo de Forcados Amadores de Montemor-o-Novo. TAUROMANIA (T) – Um balanço geral da época 2011… José Maria Cortes (JMC) - Penso que foi uma temporada positiva, apesar de achar que se tivéssemos tido mais corridas, nomeadamente, desafios de seis touros, teria sido uma época bastante melhor. Fomos regulares nas nossas actuações, principalmente nas corridas com maior impacto, e penso que foi uma época muito importante para a consolidaçãode alguns forcados de cara. Realço ainda - por motivos que não consigo perceber - que não fomosconvidados para praças onde o Grupo de Montemor tem cartel.T – Quais lhe pareceram os pontos mais fortes do grupo durante esta temporada?JMC - Penso que foi a regularidade das actuações do Grupo no geral e a grande coesão demonstrada aolongo da época. Não foi uma época dura, mas penso que foi uma época importante para prepararforcados para grandes desafios, quando estes nos surgirem.T – Nem sempre as coisas correm da melhor forma. Algum momento menos positivo a destacar em 2011?JMC - Como momentos menos positivos destaco sempre as lesões graves que, infelizmente, tivemosalgumas neste ano. As restantes adversidades, com a união e motivação deste Grupo, vamos sempreultrapassando.T – Comandar um grupo de forcados é uma responsabilidade de grande dimensão, quer seja pelaresponsabilidade de traçar a História do próprio grupo, quer pela capacidade de gerir tantos elementos.Como descreve a responsabilidade e o peso de ser cabo de um grupo de forcados?JMC - É uma grande responsabilidade, pela História e também pela qualidade que se “exige” ao Grupo deMontemor. Como cabo, sou responsável por todos os seus elementos, que vão desde adolescentes de 15anos a homens de 30 anos, e sou também responsável pelas actuações do Grupo em praça, bem comopor toda a envolvente fora de praça. Assim, é preciso gerir tudo com calma, ponderação, sentido deresponsabilidade e com gosto. Mas realço que, graças à História e à união existente entre todas asgerações do Grupo de Montemor, sinto sempre um grande apoio em todas as decisões que tomo.T – Uma corrida/momento marcante da temporada 2011…JMC - Corrida: o conjunto das três corridas realizadas no Campo Pequeno, pelas quais fomos premiadoscomo "Melhor Grupo de 2011" nesta praça;Momento: O brinde do João Caldeira aos Eurodeputados, na Corrida de Gala à Antiga Portuguesa, tambémno Campo Pequeno.T – Os objectivos para 2012…JMC - Fazer o máximo de corridas possíveis, entre as quais quatro ou cinco corridas de seis touros, epreparar a próxima geração de forcados do Grupo de Montemor.

×