Escola Municipal GoiásProjeto Centenário Jorge Amado
Centenário Jorge Amado        ( 10/08/1912 – 06/08/2001)  “O que desejo é que nesta casa o   sentido da vida da Bahia este...
Jorge Leal Amado de Faria foi um dos mais    famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os    tempos..
Obra literáriaEle é o autor mais adaptado da televisão brasileira, verdadeirossucessos como Tieta do Agreste, Gabriela, Cr...
Trecho de “ Capitães da Areia”        “Porque naquelas casas, se o acolhiam, se lhe davam comida e dormida, era como cumpr...
“NÃO ESCREVI MEU PRIMEIRO LIVRO  PENSANDO EM FICAR FAMOSO.   ESCREVI PELA NECESSIDADE  DE EXPRESSAR O QUE SENTIA.”        ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Centenário Jorge Amado

763 visualizações

Publicada em

Atividade produzida para o aquecimento do Projeto "Centenário Jorge Amado", E.M.Goiás/2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
763
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
251
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Centenário Jorge Amado

  1. 1. Escola Municipal GoiásProjeto Centenário Jorge Amado
  2. 2. Centenário Jorge Amado ( 10/08/1912 – 06/08/2001) “O que desejo é que nesta casa o sentido da vida da Bahia estejapresente e que isso seja o sentimento de sua existência.”
  3. 3. Jorge Leal Amado de Faria foi um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos..
  4. 4. Obra literáriaEle é o autor mais adaptado da televisão brasileira, verdadeirossucessos como Tieta do Agreste, Gabriela, Cravo e Canela e TeresaBatista Cansada de Guerra são criações suas, além de Dona Flor eSeus Dois Maridos e Tenda dos Milagres.
  5. 5. Trecho de “ Capitães da Areia” “Porque naquelas casas, se o acolhiam, se lhe davam comida e dormida, era como cumprindo uma obrigação fastidiosa. Os donos da casa evitavam se aproximar dele, e o deixavam na sua sujeira, nunca tinham uma palavra boa para ele. (...) Mas desta vez estava sendo diferente. Desta vez não o deixaram na cozinha com seus molambos, não o puseram a dormir no quintal. Deram-lhe roupa, um quarto, comida na sala de jantar. (...) Então os lábios de Sem- Pernas se descerraram e ele soluçou, chorou muito encostado ao peito de sua mãe. E enquanto a abraçava e se deixava beijar, soluçava porque a ia abandonar e, mais que isso, a ia roubar. E ela talvez nunca soubesse que o Sem- Pernas sentia que ia furtar a si próprio também.”
  6. 6. “NÃO ESCREVI MEU PRIMEIRO LIVRO PENSANDO EM FICAR FAMOSO. ESCREVI PELA NECESSIDADE DE EXPRESSAR O QUE SENTIA.” Jorge Amado

×