Ppt jean rouch

378 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
378
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ppt jean rouch

  1. 1. Filme Etnográficoe Antropologia da Imagem Unidade Curricular: Antropologia da Imagem Docente: João Maia e Carmo Discente: Pedro Baptista
  2. 2. Jean Rouch: Biografia Jean Rouch (Paris - 31 de Maio de 1917, Niger - 18 de Fevereiro de 2004), foi realizador e etnólogo francês, um dos representantes e teóricos do cinema directo. Como cineasta e etnólogo, explorou o documentário puro criando um subgénero: a etnoficção1. Foi fonte de inspiração e constante referência para os realizadores. Presidente da Cinemateca Francesa durante cinco anos (1986 a 1991), é laureado com o Prémio Internacional da Paz . Rouch usou o cinema como um registo científico precioso sem nunca abandonar as possibilidades poéticas da linguagem cinematográfica. Ao mesmo tempo o cinema foi para ele um instrumento de investigação e registo. Foi esse recurso que tornou a sua obra tão universal e abrangente no tempo.(1) É uma mistura de documentário e de ficção na área da antropologia visual
  3. 3. O filme etnográficoUm filme etnográfico é um género dedocumentário praticado por cineastas eetnólogos que o aplicam na investigação, nodomínio da antropologia visual, filmandoassim determinados grupos sociais, dedeterminadas sociedades.Um filme etnográfico abrange uma grandevariedade de utilização da imagem animadaaplicada ao estudo do Homem na suadimensão social e cultural.Este género partilha com a Antropologia um interesse comum: o conhecimentode outras culturas e civilizações e a sua compreensão e divulgação.
  4. 4. Relação câmara/homensPara Jean Rouch, no filme etnográfico énecessário que a câmara saia da imobilidade, istoé, ele sugere que a câmara abandone o tripé eande na mão do operador, conduzindo-a paraonde é mais eficaz, tornando-a tão viva quanto oshomens que filma «este improviso dinâmico é aharmonia de um travelling andando em perfeitaadequação com os movimentos dos homensfilmados».
  5. 5. A montagemA montagem é o princípio que regula a organização de elementosfílmicos visuais e sonoros, ou o conjunto de tais elementos encadeando-se ou regulando a duração, envolvendo, a colagem, movimentos dacâmara e presença de vários motivos no mesmo plano.Deve servir a narrativa e a representação realista do mundo, assegurar atransparência do discurso fílmico, não excluindo a ambiguidade imanenteà realidade.
  6. 6. Resumo do filme: Chronique d’un ÉtéRouch, acompanhado pelo sociólogo Edgar Morin, levam acâmara às ruas para obter as respostas dos cidadãos àpergunta: "você é feliz?". Transforma-se num ambicioso retratode um grupo composto por jovens estudantes, operários eimigrantes, que expõem as suas concepções sobre a vida e apolítica, as suas dúvidas e angústias, os seus quotidianos.Reúnem-se os entrevistados para registar assuas reacções à projecção do materialfilmado, momento em que as fronteiras entreverdade e ficção são postas em crise. Unindo ométodo de Robert Flaherty às teorias de DzigaVertov, Rouch e Morin compõem neste filme-ensaio o manifesto que inaugura o cinemaetnográfico.
  7. 7. Do filme etnográfico à antropologia visualA Antropologia Visual, enquantodisciplina desenvolveu-se na medidaem que as imagens colhidas nocampo ilustravam a realidade que asmonografias escritas retratavam.Dá a ideia de um surgimento de ambiguidade entre filme etnográfico eantropologia visual, dependendo esta das práticas diversificadas deutilização das imagens. A procura de perspectivas metodológicas para aantropologia visual coloca inúmeros problemas decorrentes, por umlado, da introdução de uma nova instrumentação científica numa disciplinaque deu provas utilizando outros meios, e por outro lado, porque esta sefez acompanhar de grandes polémicas em que se defrontavam ospartidários do escrito e das metodologias e métodos tradicionais.
  8. 8. Bibliografia Ribeiro, José (2004). Antropologia Visual: da minúcia do olhar ao olhar distanciado. Edições afrontamento Webgrafiahttp://1.bp.blogspot.com/_JcMLzvnpY4k/SxQD_VEF0gI/AAAAAAAAAYg/YH_nac135lA/s1600/Image18.jpghttp://www.eternoretorno.com/wp-content/uploads/2010/03/cronica-de-um-verao.jpghttp://2.bp.blogspot.com/_S7M7POf9Ovc/S6ZELEYRtGI/AAAAAAAACaM/IIw_-NdhrZc/s320/jeanrouchg.jpghttp://web.cip.com.br/flu/balafon/mostrajeanrouch/petitapetit3.jpghttp://pt.wikipedia.org/wiki/Jean_Rouchhttp://www.mnemocine.com.br/aruanda/rouch.htmhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Filme_etnogr%C3%A1ficoAntropologia da Imagem – 2º semestre Ecm – 2011/2012

×