Empresas dão reembolso por apagões.

272 visualizações

Publicada em

Empresas dão reembolso por apagões. O Estado de São Paulo - 12 de março de 2011.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Empresas dão reembolso por apagões.

  1. 1. Empresas dão reembolso por apagões.Fonte: O Estado de S. Paulo 12/03/2011Jornalista: Karla MendesDistribuidoras pagaram compensações de R$ 152 milhões, em 41 milhõesde contas de luz; especialista diz que valor é irrisório e não cobre perdasAs distribuidoras de energia elétrica tiveram de indenizar os consumidores em R$152,44 milhões no primeiro semestre de 2010 por interrupções no fornecimento doserviço. Esse montante corresponde ao pagamento de 41,511 milhões decompensações nas contas de luz pelo descumprimento mensal e trimestral dosindicadores individuais de Duração de Interrupção por Unidade Consumidora (DIC),Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FIC) e DuraçãoMáxima de Interrupção Contínua por Unidade Consumidora (DMIC), conformelevantamento divulgado ontem pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).Os dados constam de balanço parcial consolidado pela agência com base nasinformações encaminhadas por 60 das 63 concessionárias de distribuição do País. Olevantamento completo das compensações pagas em 2010 será divulgado assimque concluído, informou a Aneel. O maior número de compensações ocorreu naregião Sudeste, com 16,4 milhões de pagamentos, no valor total de R$ 56 milhões.Só a Eletropaulo foi responsável pelo ressarcimento de R$ 15,1 milhões aosconsumidores. Com esse valor, a distribuidora que presta serviços no Estado deSão Paulo ocupa a terceira posição no ranking das empresas que tiveram de pagarmais indenizações nas contas de luz, ficando atrás apenas da Centrais Elétricas doPará (Celpa), que teve de pagar R$ 31,487 milhões em compensações e da Ampla(R$ 17,008 milhões), que atua no Rio de Janeiro. No ranking por Estados, oNordeste aparece na vice-liderança, com 9,24 milhões de compensações quesomaram R$ 24,42 milhões. A compensação deve ser creditada na fatura doconsumidor no prazo máximo de dois meses após o período de apuração em queocorreram as interrupções.Valor irrisório."Ninguém quer receber compensação. O que o consumidor quer é um serviço dequalidade, o que não tem sido realidade no País, com os frequentes apagões eapaguinhos que têm ocorrido nos últimos tempos", criticou Ildo Sauer, professor deenergia do Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) da Universidade de São Paulo(USP).Associação Nacional dos Consumidores de EnergiaAv. Brig. Faria Lima, 2055 – 4º andar01452-001 – São Paulo – SPTel: (11) 3039-3948
  2. 2. Para o professor, o montante que as distribuidoras tiveram de devolver aosconsumidores na conta de luz é irrisório diante dos transtornos causados pelainterrupção no fornecimento de energia elétrica. "Certamente, essa compensaçãonão reflete todos os dados de falta de luz, pois a apuração da Aneel é falha, e ovalor é irrisório para compensar os consumidores por todas as perturbaçõesdecorrentes da falta de energia", reforçou. Sauer criticou ainda decisão recente daAneel que negou o ressarcimento aos consumidores que pagaram cerca de R$ 7bilhões a mais para as distribuidoras de energia elétrica entre 2002 e 2009, períodoem que o consumidor pagou mais do que devia para a distribuidora custear os 11encargos setoriais embutidos na tarifa. "Para quem recebeu R$ 7 bilhões, ter quepagar R$ 150 milhões é um bom negócio", ironizou.Associação Nacional dos Consumidores de EnergiaAv. Brig. Faria Lima, 2055 – 4º andar01452-001 – São Paulo – SPTel: (11) 3039-3948
  3. 3. Associação Nacional dos Consumidores de EnergiaAv. Brig. Faria Lima, 2055 – 4º andar01452-001 – São Paulo – SPTel: (11) 3039-3948

×