Alegoria

296 visualizações

Publicada em

Publicada em: Design
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alegoria

  1. 1. Eu me debrucei numa das pontas da Lua Crescente e vi na outra Aquele que Brilha. Abaixo de nós estavam as montanhas e os vales que unia porção de pessoas. Perguntei para Aquele que Brilha: — Quem são essas pessoas? — São os filhos e as filhas de Deus. Prestei atenção e vi que as pessoas brigavam e espezinhavam-se umas as outras. Perguntei: — São mesmo filhos de Deus? E AqueIe que Brilha respondeu: — São.
  2. 2. Continuei observando e vi que as pessoas pareciam procurar alguma coisa freneticamente, empurrando-se e parecendo inumanas: — O que elas procuram? — Felicidade — disse Aquele que Brilha. — Alguém já encontrou ? — Algumas vezes eles pensam que encontraram. Vi uma mulher carregando um bebê e um homem passou brutalmente por ela, fazendo com que ela caísse e o bebê rolasse no chão; o homem parecia estar procurando a Felicidade. Meus olhos ficaram enevoados e indaguei: — Será que eles encontrarão a Felicidade algum dia? — Encontrarão.
  3. 3. —Tornei a olhar o que as pessoas faziam entre as montanhas e os vales e correram lágrimas dos meus olhos, e perguntei: — É da vontade de Deus ou do Demônio que os homens procurem a Felicidade? — E da vontade de Deus. — Mas parece uma coisa do Demônio. Aquele que Brilha sorriu inescrutavelmente. Gritei: — Por que eles têm que procurar a Felicidade e causar tanta desgraça uns aos outros? —Eles estão aprendendo a Vida e o Amor. Lá em baixo um homem maltratava cruelmente outro homem, mas de repente um vento forte arrancou-lhe as roupas e deixou-o nú entre desconhecidos e foi a sua vez de ser espezinhado.
  4. 4. Bati palmas: — Ótimo! ótimo! Ele recebeu o que merecia! Aquele que Brilha tornou a sorrir: — Eles sempre recebem o que merecem. Recebem aquilo que lhes mostrará o verdadeiro caminho para a Felicidade. Fiquei observando as pessoas maltratando-se e vendo que de vez enquanto vinha um vento forte e jogavam-nas para algum lugar para continuarem a Procura. O vento Forte sempre os atira nesses vales e montanhas? — Nem sempre. — Onde, estão? — Olhe para cima de você.
  5. 5. Acima de mim estava a Via Lactea e suas estrelas brilhantes. Suspirei: Ah... — E o vento não se engana? — Não se engana. — O vento sempre os coloca em algum lugar para que eles recebam o que merecem? — Sempre. Então o meu coração que estava esmagado iluminou-se e descobri que podia olhar as crueldades e ter pena dos cruéis. E quanto mais eu olhava mais crescia a minha compaixão. Falei: — Eles agem como pessoas atormentadas. — Eles estão atormentados — respondeu Aquele que Brilha. — O que os atormenta? — O desejo.
  6. 6. Gritei, passionalmente: — O desejo é uma coisa má. E Aquele que Brilha respondeu duramente: — O desejo não é uma coisa má. Tremi e fechei meu coração, até que tive forças de dizer: — É o desejo que atormenta os homens para eles aprenderem as lições que Deus mandou? — É o desejo. — As lições da Vida e do Amor ? — Sim, as lições de Amor e Vida ! Então não vi mais as pessoas como cruéis, vi apenas que elas estavam aprendendo. E olhei-as com profundo amor e compaixão. Até que uma a uma o vento forte levou-as para longe.
  7. 7. serenamente… Serena I Texto: Alegoria Autor desconhecido Art digital: Kagaya

×