Saúde na nigéria

6.586 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saúde na nigéria

  1. 1. Segundo o ministério da Saúde, 40pessoas de 12 estados da Nigériajá perderam a vida devido a umsurto de febre de Lassa, formahemorrágica aguda.A informação é do ministro daSaúde da Nigéria, MuhammedPate.Segundo o ministro, há registo de397 casos desta febre em todo opaís, sendo que 40 já faleceram.Muhammed Pate garante que ogoverno já começou a impormedidas drásticas para impedir apropagação do surto e para tentarreduzir as mortes entre os jácontagiados.Para tal, o ministério está adistribuir luvas de proteção para opessoal médico e injeçõesantivirais.
  2. 2. Surto de febre hemorrágica mata ao menos 40 na Nigéria , 21/02/2012 (terça feira)• Um surto de febre de Lassa, um tipo de doença hemorrágica aguda, deixou pelo menos 40 mortos em 12 Estados da Nigéria, informou nesta terça-feira o ministro da Saúde do país, Muhammed Pate, em entrevista coletiva em Abuja. Segundo o representante do governo, foram registrados um total de 397 casos de febre de Lassa nos Estados de Gombe, Nasarawa, Taraba, Plateau e Yobe, no norte da Nigéria, e em Edo, Ebonyi, Ondo, Rivers, Anambra, Delta e Lagos, no sul do país.• Pate explicou que a febre é endêmica de Edo, Nasawara e Plateau, de onde se estendeu aos outros nove Estados afetados. O ministro, que não especificou quando começou o contágio em massa da febre de Lassa, assegurou que o governo começou a impor medidas drásticas para impedir que se estenda ainda mais e para tentar reduzir as mortes entre os que já estão contagiados.• "O Ministério distribuiu luvas de proteção para o pessoal médico porque se trata de um caso no qual se você não usa medidas de proteção pode ser infectado", afirmou Pare, destacando que também estão distribuindo um grande número de injeções antivirais. O vírus de Lassa, que normalmente é portado e transmitido por roedores, é uma doença endêmica da África Ocidental, onde se registram de 300 mil a 500 mil casos por ano.
  3. 3. A varíola é uma doença altamente contagiosa que causa cicatrizes graves e cegueira e, em 30% dos casos, morte. No século XX, os chineses haviam descoberto que a "variolação", um processo de introduzir material de lesões causadas pela varíola no corpo de pessoas saudáveis, costumava induzir a imunidade à doença, embora pudesse causar uma cicatriz e ocasionalmente levasse à morte. Em 1978, o médico inglês Edward Jenner (em inglês) provou que a inoculação também poderia causar imunidade. Ele usou a varíola bovina, muito menos grave, em seu trabalho, criando assim a "vacinação" (vacca significa "vaca" em latim). Embora o método fosse muito eficaz, a vacina contra a varíola não foi rapidamente disponibilizada Uma criança nigeriana recebe a vacina de em várias partes do mundo até que avaríola durante o Programa de Controle de OMS lançasse uma campanha global de vacinação de milhões de dólares Sarampo e Erradicação da Varíola, no em 1967. oeste da África
  4. 4. Greve na Nigéria "Médicos"...• Os médicos das instituições públicas de saúde no Estado de Anambra, no sudeste da Nigéria, acabaram ontem com uma greve de 13 meses. O presidente local da Associação Nigeriana dos Médicos, Emmanuel Ekwesianya, explicou que a decisão foi tomada no interesse do povo nigeriano. «Servimos o povo e não o governo e constatamos que foi este povo que continuou a sofrer nestes últimos 13 meses em que os médicos estavam em greve», afirmou, segundo a agência Panapress. A greve foi uma forma dos médicos obrigarem o governo a aumentar os seus salários. Recusaram contudo a primeira proposta do governo que englobava um aumento salarial de 60 por cento.
  5. 5. Estado nigeriano decreta três meses de prisão contra estigmatização de soropositivos• O Estado de Cross River, no sul da Nigéria, promulgou uma lei prescrevendo três meses de prisão ou uma multa de 100 mil nairas (650 dólares americanos) para toda pessoa culpada de discriminação contra os que vivem com o HIV/Sida. No quadro desta lei, anunciada pelo procurador-geral estadual, Atta Ochinke, por ocasião da celebração do Dia Mundial contra a Sida, na capital de Cross River, Calabar, a multa será de 500 mil nairas (três 225 dólares americanos) para empresas reconhecidas culpadas de discriminação contra as pessoas seropositivas. A lei contra a estigmatização promulgada pelo Estado de Cross River estipula que uma pessoa portadora do HIV/Sida não deve ser objeto de discriminação no acesso ao emprego, na admissão em instituições, no acesso ao alojamento e noutras vantagens. 07 Dezembro 2011 23:17:08

×