7 dezembro vanda

183 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
183
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

7 dezembro vanda

  1. 1. 2ª parte da tarefa da 7ª sessão on-line1. Tendo por base a amostra de Relatórios de avaliação externa que elegeu, faça uma análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE, nesses Relatórios.“Esta relação da avaliação da biblioteca com a avaliação da escola ganha ainda mais pertinência setivermos em conta o carácter transversal e a grande interacção que a biblioteca deve estabelecercom todos os órgãos da escola.” (Texto da 4ª sessão on-line da formação)Comecei por fazer a leitura gradual dos três relatórios globais da IGE (2006/2007, 2007/2008e 2008/2009, num total de 660 escolas/agrupamentos avaliados).Neles se pode ler a quebra de resultados ao nível dos domínios “ Capacidade de auto-regulaçãoe melhoria da escola” e “Prestação do serviço educativo”, ao longo desses três anos lectivos.“Pela frequência com que surge nos relatórios de auto-avaliação, é de destacar também aidentificação de fragilidades ao nível da auto-avaliação. Além de ser um dos factores com 7 de Dezembro de 2010menor número de classificações de Bom e sem registo de Muito Bom, é um dos que reúnemaior número de pontos fracos.” Relatório IGE, 2008/2009Sem uma auto-avaliação coerente e bem estruturada (na Escola) e sem um modelo de auto-avaliação das BE, os esforços dos docentes perdem o eco e a visibilidade e dá-se conta aequipa de avaliação da IGE “… não há evidências de um planeamento com metasmensuráveis e respectivos planos de melhoria”.Assim parece-me pertinente salientar o seguinte:1- Se fizermos a análise dos pontos fortes do relatório global 2008/09, no que concerne aodomínio “Resultados” verificamos que no factor “Valorização e impacto das aprendizagens”,as asserções referem diversidade na oferta educativa, valorização das aprendizagens, altaexpectativa por parte das famílias e imagem positiva da escola junto da comunidade, o que a 7 de Dezembrotorna credível, sem uma única menção às Bibliotecas Escolares e ao seu papel.2- Da análise do mesmo relatório se constata que a maior parte das asserções identificadascomo pontos fracos e constrangimentos estão sobretudo relacionadas com espaços erecursos físicos, inexistência ou inadequação de equipamentos e o estado de conservação ………………………………………………………………………………………………………………………….. Formação MABE DREL-VT Turma 3 A formanda: Vanda Maria Gameiro Bernardino
  2. 2. das instalações. Traduz-se assim numa perda maior ao nível do domínio “Prestação doserviço educativo”, igualmente sem alusões explícitas às BE.À partida poderia pensar conseguir-se retirar alguma informação sobre as BE, sobretudo aonível destes dois domínios.A Biblioteca Escolar pouco existente em todos os relatórios, surge em análise favorável nodomínio “Organização e gestão escolar” “A Biblioteca Escolar, espaço privilegiado nadinamização de acções educativas estimulantes e inovadoras”- (…) A utilização dasBibliotecas Escolares / Centro de Recursos, o investimento na melhoria de espaços eequipamentos e a utilização de recursos informáticos. (…)”Relatório IGE, 2008/2009.Fazem-se comummente notar (pontos fortes ou fracos), as actividades físicas e suasinstalações, as actividades experimentais, os equipamentos informáticos (ou a sua falta), nascondições de trabalho da escola/agrupamento, mas registei uma ausência quase 7 de Dezembro de 2010generalizada relativamente às BE e ao serviço por elas prestado, bem como ao impacto dasua acção sobre a comunidade escolar.Para a leitura e análise de relatórios de avaliação de escolas ou agrupamentos de escolasseleccionei três unidades do concelho do Seixal:Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato (avaliado em 2007/08) http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2008_DRLVT/AEE_08_Agr_Pedro_Eanes_Lobato_R.pdf ,Escola Secundária com 3º Ciclo José Afonso (avaliada em 2008/09) http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2009_DRLVT/AEE_09_ES3_Jose_Afonso_R.pdfe o Agrupamento de Escolas Paulo da Gama (avaliado em 2008/09) http://www.ige.min-edu.pt/upload/AEE_2009_DRLVT/AEE_09_Ag_Paulo_Gama_R.pdf . 7 de DezembroDa leitura efectuada procurei sobretudo “como” se refere a BE e não “quantas vezes” éreferida nos relatórios.Pude constatar que dos três relatórios seleccionados, no Agrupamento de Escolas PedroEanes Lobato, a BE é referida pelo bom apetrechamento técnico, espaço organizado e ………………………………………………………………………………………………………………………….. Formação MABE DREL-VT Turma 3 A formanda: Vanda Maria Gameiro Bernardino
  3. 3. funcional (na EB2, 3 e nas EB1), bem como pela dinâmica mobilizadora dos serviços epropostas de actividades à comunidade escolar, com referência a PB, descrição/estatuto quenão vi reflectido nos dois relatórios seguintes.Na Escola Secundária com 3º Ciclo José Afonso, a BE é referida como espaço de excelência,pela qualidade e apetrechamento técnico, realçando somente a elevada taxa de utilizaçãopor parte dos alunos e, muito ao de leve, pela dimensão cultural que mobiliza.No que concerne ao relatório de avaliação do Agrupamento de Escolas Paulo da Gama, a IGErefere somente bom apetrechamento e boas condições estruturais da BE na escola-sede,caracterizando os pólos da BE do 1º Ciclo, como “em estado de desgaste”. Neste relatórioevidenciam-se os programas e projectos nacionais vocacionados para a leitura, a que oAgrupamento aderiu, não havendo lugar a apreciação sobre a dinâmica e organização, querda equipa responsável, quer dos serviços prestados pela BE. 7 de Dezembro de 2010Em nenhum dos três relatórios, a BE é apontada como ponto forte ou oportunidade daEscola/Agrupamento.Em jeito de conclusão devo acrescentar que, no futuro, a valorização das BE conseguir-se-á(também) com a liderança do docente que a dinamiza, (assim como) com uma boaarticulação com os órgãos de administração e gestão da Escola/Agrupamento, (certamente)com articulação com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, masindiscutivelmente, com um processo de auto-avaliação, que evidencie de forma clara asacções, as iniciativas, a taxa de utilização, os impactos, para além de qualquer textosubjectivo e fugaz. 7 de Dezembro ………………………………………………………………………………………………………………………….. Formação MABE DREL-VT Turma 3 A formanda: Vanda Maria Gameiro Bernardino

×