O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)<br />Referências às Bi...
MAFSessao7 Tarefa2
MAFSessao7 Tarefa2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

MAFSessao7 Tarefa2

215 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

MAFSessao7 Tarefa2

  1. 1. O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Conclusão)<br />Referências às Bibliotecas Escolares nos Relatórios de Avaliação Externa (IGE) <br />Análise e comentário crítico<br />Nota introdutória<br />Abrindo o sítio da Inspecção Geral de Ensino (www.ige.min-edu.pt) constatámos que o número de escolas em que se procedeu à avaliação externa foi de 100 no ano lectivo de 2006/2007, de 273 no ano lectivo de 2007/2008 e de 287 no ano seguinte.<br />Face a estes dados, decidimos dirigir a nossa atenção apenas para a avaliação efectuada pela Delegação Regional do Norte, cujos dados são: 33, 104 e 102 relatórios nos anos considerados. Neste universo ainda demasiado extenso, limitámos a nossa análise aos dez primeiros de cada ano. Nestes, pesquisámos todas as referências a Bibliotecas Escolares (bibliotecas próprias, não considerando a palavra quando aparecia em expressões como Rede de Bibliotecas Escolares ou Biblioteca Municipal) e, de seguida, analisámos com algum pormenor dois relatórios por ano.<br />A amostra não será significativa, mas, completando as nossas conclusões com as dos colegas de formação, poderemos ter um panorama significativo do actual estado da avaliação das BEs no contexto da avaliação dos agrupamentos/escolas.<br />Referências à BE nos dez primeiros relatórios de cada ano<br />Ano lectivo de 2006/2007Ano lectivo de 2007/2008Ano lectivo de 2008/2009Agrup/EscIGE - DRNN.º de referênciasAgrup/EscN.º de referênciasAgrup/EscN.º de referências1.º11.º21.º42.º32.º72.º43.º33.º13.º34.º84.º44.º15.º35.º85.º56.º86.º26.º37.º67.º37.º0 (1 X RBE)8.º28.º28.º39.º39.º29.º310.º310.º110.º7<br />Nota: Um breve resumo dos conteúdos está incluído na conclusão.<br />Análise de dois relatórios por ano<br />Os dois relatórios foram seleccionados aleatoriamente, estando alguns na relação anterior e outros não.<br />Ano lectivo de 2006/2007<br />Relatório do Agrupamento de Escolas Bento Carqueja (Oliveira de Azeméis)<br />Há três referências, nas páginas 5, 6 e 7.<br />Na primeira, aparece numa lista de locais onde existem caixas para recolha de sugestões.<br />Na segunda é caracterizada como um dos serviços relevantes da escola sede, entre outros, que os alunos apreciam.<br />Na terceira, há uma breve referência à valorização da BE como pólo promotor e aglutinador das actividades culturais.<br />Relatório do Agrupamento Vertical de Escolas de Eiriz-Ancede (Baião)<br />Há seis referências, nas páginas 3, 7 (duas), 8, 9, e 11.<br />Na primeira, a BE está inserida na enumeração das estruturas da escola sede.<br />Na p. 7 consta nos lugares para onde são encaminhados os alunos mal comportados e é destacada a circulação da “maleta pedagógica” com livros da BE, assumindo papel importante na dinamização da leitura e escrita.<br />Na promoção da LP é considerado importante investir na BE e na sua dinamização.<br />A BE é referida como estrutura do centro de recursos.<br /> O apoio à leitura e pesquisa na BE está incluída nas medidas do CE para melhorar os resultados escolares.<br />Ano lectivo de 2007/2008<br />Agrupamento de Escolas de Escariz (Arouca) <br />Há seis referências, nas páginas 6, 7, 8 (duas), 9 (duas) e 11.<br />A primeira referência aponta o papel dinamizador da coordenadora da BE nas actividades de incentivo à leitura.<br />O projecto”Sacos andantes” é considerado uma biblioteca itinerante, mas não o identifica como sendo da BE.<br />Na p. 8 o relatório refere a dinamização de diversas actividades culturais pela BE e consideram-na um “lugar aprazível” e, por isso, muito procurado pelos alunos e que, no início do ano lectivo, colabora nas actividades de recepção.<br />É registado que está bem equipada, é bem organizada e dinâmica e destaca-a como promotora de projectos.<br />Na última referência é indicada como local, entre outros, onde existe uma caixa de sugestões.<br />Agrupamento de Escolas de Airães (Felgueiras) <br />Há, apenas, uma referência, na página 9, que nos dá conta que a BE tem um acervo bibliográfico pouco diversificado.<br />Ano lectivo de 2008/2009<br /> Agrupamento de Escolas da Corga do Lobão (SM Feira) <br />Não há qualquer referência às BEs, só marginalmente ficamos a saber que o agrupamento tem “duas escolas na Rede de Bibliotecas Escolares”.<br />Agrupamento de Escolas de Agrela e Vale do Leça (Santo Tirso)<br />Há uma referência, na página 10. Aparece na enumeração dos espaços escolares, embora haja uma pequena descrição da mesma - apetrechamento, organização do espaço, horário, actividades e acesso a serviços.<br />Conclusão<br />Nos relatórios analisados, as referências à BE vão de um mínimo de 0 a um máximo de 8 e diminuem com o passar dos anos lectivos. Em nenhum dos casos há um tratamento destacado e individualizado da BE ou uma ligação do conteúdo do relatório aos domínios da acção da BE, papel no agrupamento, funções, ou qualquer referência específica ao seu plano de actividade e respectiva inclusão no PAA. A maioria das vezes, a referência surge integrada na enumeração de serviços, rol de actividades desenvolvidas na escola, nomeadamente ligadas à promoção da leitura, incluída em conjuntos de projectos ou porque está integrada na RBE.<br />Podemos, assim, concluir que a avaliação da BE não é alvo das preocupações da IGE, não a considerando esta, até agora, mais-valia para a melhoria das aprendizagens dos alunos e do sucesso educativo, nem o seu impacto na performance académica, desenvolvimento de atitudes e valores positivos ou um contributo imprescindível para a consecução do perfil ideal dos alunos à saída do Ensino Básico ou do Ensino Secundário.<br />Cabe-nos a nós, ME, RBE, coordenadores interconcelhios, PBs e docentes em geral, inverter a situação e mostrar que, além de existirmos, temos um papel relevante nos aspectos referidos no parágrafo anterior.<br />

×