Artigo oficial

179 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
179
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo oficial

  1. 1. 1 MERCADO DE TRABALHO/ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO JOB MARKET/OPERATION AREAS OF CHEMICAL ENGINEER Ana Paula de Brito Rodrigues1; Bianca de Oliveira Nyfeler2; Bruna da Costa Lopes3; Bruna Vieira Nunes4; Carina Estela Aquino5; Isabela Lorena Alfenas da Silva6; Larissa Trevenzoli Guimarães7; Layla Vieira Morais Melo8; Matheus Alexsander da Cruz9; Paloma Sirley Cabral10; Ronny Souto Soares11; Miriam Cristina Pontello Barbosa Lima12 (Orientadora). Centro Universitário de Belo Horizonte, Maio de 2014, Belo Horizonte, MG. 1paulinha.rod@hotmail.com; 2b.nygeler@hotmail.com; 3bruninhagbi10@hotmail.com; 4brunavieiranuunes@gmail.com; 5carinaestela1605@gmail.com; 6isabela.est@hotmail.com; 7larissatrevenzolli@hotmail.com; 8laylavieiram@hotmail.com; 9matheus_alex96@hotmail.com; 10palomasirley@gmail.com; 11 ronnysoares2011@hotmail.com; 12miriam.pontello@gmail.com. RESUMO: A transformação da matéria se faz presente, até mesmo, em produtos básicos do dia a dia. A engenharia química é o ramo envolvido nesses processos, os quais dão a este profissional um vasto campo de atuação. Essa gama de opções pode gerar expectativas durante o curso de graduação, as quais podem não corresponder ao que o mercado de trabalho oferece mediante a formação. Devido a isso, o presente estudo tem por finalidade analisar aspectos do mercado de trabalho do engenheiro químico, explicitar sua multidisciplinaridade e procurar saber quais são as competências necessárias para se sobressair neste ramo. O estudo faz um breve resumo da história desta profissão até os dias atuais e identifica qual a importância dessa área da ciência para a sociedade. O perfil deste profissional foi analisado através de um software do Google, o qual fornece planilhas e gráficos online. A partir dessa pesquisa de opinião, foi possível relacionar várias respostas utilizando-se do software do Google, o qual fornece gráficos e planilhas online. Ao implementar o blog, com a ajuda da turma da ciência da computação, pode-se disponibilizar os dados coletados. Diante disso, foi concluído que a quantidade de profissionais qualificados ainda não atende à demanda do mercado. E também notou-se que as expectativas em relação ao curso e a pós formação foram, na maioria dos casos, atendidas. PALAVRAS-CHAVE: Mercado de trabalho. Engenharia Química. ABSTRACT: The transformation of matter is present even in day to day commodities. Chemical engineering is the branch involved in these processes, which give this business a vast field. This range of options can generate expectations for the undergraduate course, which may not match what the job market offers through training. Because of this, the present study aims to analyze aspects of the labor market by chemical engineer, explain their multidisciplinary and find out what are the necessary skills to excel in this field . The study gives a brief summary of the history of this profession to the present day and which identifies the importance of this area of science to society. The profile of this person has been examined through a Google software, which provides online charts and spreadsheets. From this survey, it was possible to relate several answers if using the Google, which provides online charts and spreadsheets software . By implementing the blog, with the help of the class of computer science, one can provide the data collected. KEYWORDS . Labor Market. Engineering chemical.
  2. 2. 2 1. INTRODUÇÃO Para entender a história da Engenharia Química é preciso voltar no tempo e lembrar que o desenvolvimento do corante sintético na Europa impulsionou a indústria química, principalmente na Alemanha. O interesse dos estudantes, naquela época, em especialidades químicas se deu pelo fato das empresas alemãs recrutarem os melhores egressos universitários para trabalhar em seus laboratórios e fábricas com excelentes salários (BEVENUTO, 1999). As empresas, com o incentivo do Estado alemão, por meio da criação de lei de patentes que protegiam a inovação tecnológica, construíram os seus próprios laboratórios, onde doutores em química e engenheiros mecânicos, civis e elétricos trabalhavam em equipe (PORTO, 2004). Já nos Estados Unidos, inicialmente os químicos ocupavam postos de baixo nível e atuavam como auxiliares em laboratórios rudimentares. Só a partir de alguns anos depois que engenheiros e químicos começaram a trabalhar juntos. O estabelecimento da profissão de Engenheiro Químico alçou voo quando Davis, um consultor britânico, e Lewis Norton, professor de química orgânica, lançaram em 1888, o primeiro curso de Engenharia Química no MIT (Massachusetts Institute of technology). Em meados de 1920, a preocupação em estudar teoricamente as etapas que se repetiam em diversos processos unitários, aflorou o interesse de diversos setores da sociedade nas atividades do engenheiro Químico. A partir daí ampliou-se a visão desta engenharia, a qual além de tecnológica, multidisciplinar, passou a se interessar fortemente por ciência. Em 1895, a instalação da Fábrica de Productos Chimicos de Luís de Queiroz & C foi um marco para a indústria química no Brasil, pois esta fábrica produzia especialidades químicas e farmacêuticas em larga escala. Entretanto, a ascensão da indústria química se deu somente após a década de 1970 com a instalação de três polos petroquímicos no Brasil. Neste período, a formação de recursos humanos e o aprimoramento da qualidade e do ensino da Engenharia Química no país é que consolidou sua atuação no cenário mundial. Contudo, no final da década de 90, verificou-se que a indústria química brasileira estava entre os dez maiores
  3. 3. 3 fabricantes de produtos químicos no mundo. O engenheiro é um profissional altamente responsável pelo progresso da sociedade. A maioria de itens usados no dia a dia é fruto das soluções de engenharia. A revolução tecnológica transformou drasticamente a forma de ver, viver e se relacionar. As ferramentas computacionais ajudaram a vencer limitações humanas e as relações de trabalho se abriram às atividades a distância. O curso de graduação, ao integrar ensino, pesquisa e extensão, prepara o engenheiro para que este esteja capacitado a desenvolver e absorver novas tecnologias, lidar com os desafios das rápidas transformações da sociedade e do mercado de trabalho, utilizando-se de sólida formação básica. A importância da compreensão deste assunto se dá pelo fato dos Engenheiros Químicos, cujo mercado de trabalho é amplo, terem vasta influência e alcance comunitário em diversas funções, tais como: em bancos de investimentos de avaliação de projetos; em indústrias de processamento, como gerentes de processos, na parte financeira, de marketing e até mesmo na área acadêmica. Eles idealizam procedimentos e resolvem problemas utilizando sua capacidade e conhecimentos especializados em reações, transferência de calor, separação e misturas, escoamento de fluidos, controle de processos e economia. A finalidade deste trabalho é estudar o mercado de trabalho do Engenheiro Químico, suas áreas de atuação, perfil pessoal e profissional deste. A fim de conhecer mais sobre a relevância deste trabalhador no cenário atual e suas diferentes capacitações procura-se apresentar, por meio de pesquisas, quais os setores mais escolhidos para ofício, níveis acadêmicos, dados pessoais, como idade, sexo e moradia dos entrevistados. A escolha por abordar este tema tem em vista a consolidação do Engenheiro Químico no mercado de trabalho, motivada pelo crescente aumento de indústrias petrolíferas, de processos químicos, pesquisas e inovações tecnológicas e suas constantes contribuições à sociedade contemporânea. A iniciativa para o desenvolvimento do trabalho surgiu do interesse em conhecer as várias vertentes da profissão, bem como seus desafios, visando uma maior reflexão sobre os anseios globais deste profissional.
  4. 4. 4 As expectativas em relação ao futuro profissional vão se adaptando de acordo com a realidade. É necessário proporcionar melhor conhecimento entre o que o mercado de trabalho exige e o que o curso oferece, pois no decorrer do curso expectativas frustradas podem levar alguns a perder o foco ou até mesmo a buscar a realização profissional em outra carreira. O interesse em saber mais sobre o mercado de trabalho do engenheiro químico se dá pelo fato desta ser uma área abrangente, da qual se pode extrair um profissional focado em diversas áreas. Segundo Mello Júnior (2005) a Engenharia Química é fascinante e é diferente das demais engenharias por utilizar o conhecimento e os conceitos interdisciplinares da química para resolver um vasto número de problemas e penetrar cada vez mais em diversos segmentos industriais. Traduzindo: o profissional pode trabalhar no sistema de tratamento de gases ou de líquidos de uma indústria de fertilizantes, tratar da exploração de matéria-prima, desenvolver um projeto de uma indústria de celulose ou, ainda, supervisionar a operação de máquinas em uma fábrica de tintas, além da área de consultoria e pesquisa. Cremasco (2005) diz que pela própria natureza de sua formação, que combina princípios da matemática, química, física e biologia com técnicas da engenharia, os profissionais da Engenharia Química têm sido considerados um dos mais versáteis de todos os engenheiros. Por isso é importante ressaltar que não basta os alunos possuírem afinidade por exatas. A fim de uma boa aceitação no mercado de trabalho o Engenheiro Químico precisa ter facilidade de comunicação e de interação com o grupo, dominar outras línguas e saber utilizar ferramentas tecnológicas. Segundo Longo (1992), hoje, mais do que nunca, o engenheiro deve ter habilidade humana ao que se refere à capacidade de o indivíduo interagir com outros, para formar um semelhante que respeite o seu semelhante e a natureza com responsabilidade ética e social. O futuro engenheiro não deve ser apenas competente tecnicamente, mas ter consciência crítica capaz de atuar na transformação social. Diante disso, vê-se que é preciso que este profissional concilie sua habilidade conceitual, técnica e humana, ao lidar com ideias, pessoas e coisas. O objetivo geral deste trabalho é identificar aspectos acerca da profissão do engenheiro químico, conhecer
  5. 5. 5 melhor seu mercado de trabalho, suas áreas de atuação, oportunidades e implicações. Já os objetivos específicos são:  Analisar o perfil do engenheiro químico a partir da amostra recebida;  Elaborar e estudar técnicas para a pesquisa de opinião;  Desenvolver pesquisa científica sobre o mercado de trabalho;  Desenvolver e implementar o blog. 2. A ENGENHARIA QUÍMICA E SUA VÁRIAS VERTENTES O presente trabalho foi realizado através de consultas com a utilização de questionário virtual direcionado a Engenheiros Químicos formados, constituindo uma amostra de vinte egressos. Destes, dez responderam. O tipo de amostragem utilizada foi a intencional, devido ao acesso dos contatos dos graduados, estar disponível na secretaria do curso. Para o dimensionamento da amostra foi utilizado o Google Docs. Este programa do Google permite criar e editar documentos online, propiciando planilha e gráficos dos resultados para quem obtiver login de acesso ao site. Para expor os resultados, foi criado um blog por meio do Blogspot. Esta ferramenta, conhecida também como Google Blogs facilita a criação do blog de forma simples e gratuita. A página virtual sobre o mercado de trabalho do Engenheiro Químico foi dividido em oito ícones, tais como: História da Engenharia Química, Áreas de atuação, Curiosidades, Enquete, Conclusão, Artigos relacionados, Hora da diversão e Contatos. Para recolher informações do mercado de trabalho do Engenheiro Químico é preciso o maior espaço amostral possível, uma análise feita por meio de gráficos e planilhas, sendo passível de modificações online. Analisando a tabela 1, pode-se observar que para este trabalho o melhor método a ser utilizado, portanto, é o questionário enviado por e-mail, utilizando-se do aplicativo do Google: O Google Docs. Este é um processador gratuito de textos, planilhas e apresentações, baseados na web.
  6. 6. 6 Tabela 1 – Analise de métodos utilizados em pesquisas Método utilizado Pontos Positivos Pontos Negativos Pesquisa de opinião enviada por meio do aplicativo Google Docs 1 Os resultados da pesquisa são dados através de planilhas e gráficos; 2 Praticidade ao entrevistado (se comparado à entrevista oral); 3 Perguntas objetivas, focadas; 4 Análise quantitativa; 5 Curta duração; 6 Pode atingir diversos públicos. 1 Devido a muito spam, alguns ignoram o e-mail; 2 Sujeito a informações inconsistentes. Entrevista 1 Contato direto com o entrevistado, diminuindo a possibilidade de informações incorretas; 1 Desgastante para o entrevistado e entrevistador; 2 Requer deslocamento; 3 Demanda tempo; 4 Se não tiver objetivo especifico, pode fugir ao tema. Observação 1 Utilizada em analises cientificas para processos demorados; 2 Não possui prazo determinado. 1 Imprecisa; 2 Demorada; 3 Necessita de relatórios contínuos; 4 Espaço amostral restrito. Para saber mais sobre o mercado de trabalho deste profissional, a pesquisa de opinião bastou-se de quinze perguntas, sendo dez de múltipla escolha e as demais abertas. A finalidade de perguntar sobre a faixa salarial e a cidade na qual o profissional trabalha está no interesse de identificar quais são as regiões que já estão saturadas deste profissional, quais ainda estão precisando e qual a relação com o valor do salário. Estas informações somadas a área de atuação permitem analisar se diante de uma mesma área de atuação, em lugares diferentes, há discrepância de salários. É importante também, analisar se a quantidade de títulos influencia na área de atuação e no valor salarial. E também se o salário tem a ver com o tempo no qual já se graduou e com o tempo em que já está inserido no mercado de trabalho. É necessário observar a quantidade de alunos que ingressam no curso e a quantidade que se forma, fazendo um balanço com a demanda geral do mercado de trabalho. E por fim, é possível identificar se as expectativas foram atendidas após a formação acadêmica. Toda essa análise é extremamente relevante para os graduandos e vestibulandos do curso de Engenharia Química, pois ao esclarecer opiniões e oportunidades, permite que o futuro profissional faça uma escolha correta e focada. A pesquisa teve 10 participantes, sendo que 30% deles
  7. 7. 7 eram do sexo feminino e 70% do sexo masculino como mostrado na Figura 1. Figura 1 – Sexo Contamos com as respostas de engenheiros de várias partes do Brasil, como ilustrado na Figura 2. Figura 2 – Cidade de atuação Profissionais que atuam há mais tempo foram a maioria na nossa pesquisa, sendo que apenas 40% haviam se formado há menos de 5 anos no mercado e 60% já eram formados a mais de 15 anos como mostra a Figura 3. Figura 3 – Tempo de formação A maioria dos entrevistados, 83%, alega que o motivo pelo qual escolheu o curso de Engenharia Química foi por sempre terem se interessado pela área de exatas, 8% afirmam que o salário foi um dos motivos pela escolha do curso e outros 8% garantem que o mercado de trabalho foi o motivador pela escolha do curso, como ilustrado na Figura 4. Figura 4 – Motivo pela escolha do curso Dos engenheiros que responderam o questionário 40% afirmaram que suas expectativas foram atendidas após a formação acadêmica, 40% alegam que suas expectativas não
  8. 8. 8 foram atendidas e 20% afirmam outras respostas de acordo com a Figura 5. Figura 5 – Expectativas atendidas após formação acadêmica As expectativas que foram atendidas estão relacionadas a estar apto a exercer a profissão, possuir bom salário, trabalhar em indústria química, de petróleo, de petroquímica, de processos ou atuar na área acadêmica. A expectativa que não foi atendida em relação ao mercado de trabalho foi devido a poucas vagas que surgem para recém-formados e na maioria das vezes “não para atuar como engenheiro” e também porque algumas expectativas se dão no aprendizado pós-formatura. No curso de Engenharia Química há grandes índices de desistência, segundo a Figura 6 obtida a partir das respostas do questionário, nas quais 30% deles iniciaram o curso com até 30 alunos em sala de aula, 10% iniciaram o curso com média de 31 a 40 alunos em sala de aula, 20% iniciaram o curso com média de 41 a 50 alunos na sala de aula, 10% iniciaram o curso com acima de 50 alunos em sala de aula e 30% alegaram outras respostas. Figura 6 – Quantidade de alunos ao início do curso No Brasil, há cerca de 20 mil engenheiros com especialização em Química, o que significa 3,5% do total de engenheiros. E, a cada ano, cerca de 1.300 alunos formam-se nos cursos de Engenharia Química. Valor muito pequeno se comparado com outras profissões mais procuradas. Segundo a Figura 7, 20% dos engenheiros entrevistados afirmaram que ao final do curso haviam de 5 a 10 alunos em sala de aula, 20% terminaram o curso com média de 11 a 15 alunos em sala de aula, 20% terminaram o curso com
  9. 9. 9 média de 16 a 25 alunos em sala de aula e 40% alegaram outras respostas. Figura 7 – Quantidade de alunos ao final do curso As áreas da atuação dos entrevistados são a maioria acadêmica (professor universitário). De acordo com a Figura 8, 21% deles são graduados, 14% são pós-graduados, 29% são doutores, 14% são mestres, e 21% possuem especializações em outros ramos como, por exemplo, o financeiro, bioenergético, mineração e metalurgia, cosméticos, automotivo, meio ambiente, pesquisa, entre outros. Figura 8 – Nível de Graduação Dos profissionais que responderam o questionário 80% já atuam na área e 20% não, de acordo com a Figura 9. Figura 9 – Atuação na área de Engenharia Química O Engenheiro Químico possui a habilidade de operar nas transformações químicas e/ou físicas das matérias, em suas inúmeras etapas nos processos industriais, de controle de operações e em diversos outros processos envolvendo a indústria. Com isto, seu mercado de trabalho é amplo e em constante expansão. Dos engenheiros entrevistados 20% estão inseridos no mercado de trabalho há menos de cinco anos, 10% estão no mercado entre cinco e dez anos, 50% estão no mercado há mais de dez anos e 20% alegaram outras respostas como apresentados os dados da Figura 10.
  10. 10. 10 Figura 10 – Tempo de inserção no mercado de trabalho Dos profissionais entrevistados 20% disseram que sua faixa salarial está entre um e cinco salários mínimos, 20% afirmam receber entre cinco e dez salários mínimos, 20% afirmam receber de dez a quinze salários mínimos, 30% afirmam receber acima de quinze salários e 10% alegaram outras respostas de acordo a Figura 11. Figura 11 – Faixa salarial média Os entrevistados também foram questionados em relação ao mercado de trabalho do Engenheiro Químico: 20% alegaram que este é razoável, 30% o consideram bom, 40% acreditam que é ótimo e 10% disseram que está saturado, como expresso na Figura 12. Figura 12 – Mercado de trabalho do engenheiro químico O blog, segundo link segue abaixo, foi desenvolvido com a ajuda dos alunos do curso Ciências da Computação do Ciclo 1A do Centro Universitário Uni-BH como representado na Figura 13. Endereçado de www.engenhariaquimicacomp.blogspot .com, o blog será acessível a qualquer pessoa sem precisar de cadastro. Sua linguagem é HTML. No blog está disponível a história da engenharia química e áreas de atuação para cada pessoa que
  11. 11. 11 acessar o blog entender um pouco sobre essa área. Curiosidades para saber de avanços e estudos. Artigos relacionados que ajudou na parte de pesquisas para o trabalho. Na hora da diversão é para a distração com piadinhas inteligentes. Referência foi o apoio para alguns textos postado no blog. E contatos para futuros estudantes de engenharia química ter menos trabalho e mais apoio nosso em trabalhos futuros. A apresentação do trabalho esta na página inicial do blog, e nele contém o artigo do trabalho. Figura 13 – Visualização geral do blog 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir dos resultados obtidos verifica-se que o número de ingressantes no curso de Engenharia Química é bem maior que o dos concluintes. Do grupo dos graduados, foi possível observar que formaram há menos de cinco anos, o que significa que aqueles que estão há mais tempo no mercado seguiram em busca de outros títulos, dentre eles pós graduação, doutorado e especialização nas áreas em que atuam. É perceptível a relação entre a faixa salarial, o tempo em que está inserido no mercado de trabalho e a quantidade de títulos (mestrado, doutorado). Dentre os formados, a maioria das expectativas foram atendidas em relação ao curso. Porém há discordâncias quanto ao mercado de trabalho, pois alguns acreditam ser restrito a quem não tem experiência e as poucas vagas que surgem é para atuar como “não engenheiro”, tática utilizada por algumas empresas para pagar baixos salários. É importante ressaltar que a amostra utilizada como base desta pesquisa foi de inicialmente 20 engenheiros químicos, onde apenas 10 responderam ao questionário enviado, o que torna os resultados obtidos por meio deste pouco precisos para afirmar com certeza o perfil do
  12. 12. 12 engenheiro químico em um âmbito geral. 4. REFERÊNCIAS CREMASCO, M. A. Vale a Pena Estudar Engenharia Química. São Paulo: Editora da Unicamp. 1994. ELIANE. Métodos de Amostragem. 36 f. Apresentação em PDF – Universidade Federal Fluminense, Niterói. Disponível em: https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=& esrc=s&source=web&cd=4&cad=rja&uact=8&v ed=0CEoQFjAD&url=http%3A%2F%2Fwww.pr ofessores.uff.br%2Feliane%2Ffiles%2FMetodo s%2520de%2520Amostragem.ppt&ei=b4AwU 5ncAYSGkQe3iYCYBQ&usg=AFQjCNGUghC dow444bKVAkqLaSp7lAhxvQ&sig2=4pY- igcJ5OzMqFRpkClcaA&bvm=bv.62922401,d.e W0. Acesso em: 24 mar. 2014. INSTITUTO ANÁLISE. São Paulo. Disponível em: http://www.institutoanalise.com.br/pesquisa- de-opiniao.php. Acesso em: 24 mar. 2014. LONGO, H.I. Por uma educação transformadora para o ensino de Engenharia. In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, p.391- 400. Rio de Janeiro. 1992. MELLO JÚNIOR, P. A., Fronteiras da Engenharia Química. Série Estudo Piloto em Engenharia Química. COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos12/46816520. pdf. Acesso em: 17 mar. 2014. BEVENUTO, M.R. Las Orígenes de la Ingeniería Química em la Argentina, 1920. In: Saber y Tiempo. V.7, pp. 39-59. 1999. PORTO, L.M. A Evolução da Engenharia Química – Perspectivas e novos desafios. Disponível em: www.hottopos.com/regeq10/luismar.htm. Acessado em: 03 abr. 2014. MAINIER, F. B. & MELLO, M. H. C. S, Implantação da disciplina Tecnologia Química aplicada aos cursos de Engenharia, XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia - COBENGE, Porto Alegre, RS, 20 a 21 de Setembro de 2001. COCIAN, L. F. E. Descobrindo à Engenharia: A Profissão. Canoas, RS, Editora da Ulbra, 2009, p.365.

×