A cultura da criação de gado em Lagarto Sergipe

1.446 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.446
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
111
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A cultura da criação de gado em Lagarto Sergipe

  1. 1. A cultura da criação de gado em Lagarto, séculoXVII e XVIII: uma sociedade construtora da primeiraatividade econômica. Tamires dos Anjos Oliveira Graduando em Historia Licenciatura Pela Universidade Federal de Sergipe Oliveiratamires91@hotmail.com Resumo: O seguinte artigo tem como principio abordar a expansão do gado do território baiano para as terras sergipanas, sendo importante frisar o todo poderoso Garcia D’ Avila, colonizador e dono da casa da Torre na praia do Forte BA, cujo expandiu seus gados no território de Sergipe até o Vaza-Barris. Contudo a vila de Nossa Senhora do Lagarto será uma das maiores produtora de gado, vendendo seus animais para os engenhos da própria capitania e aos engenhos da Bahia e Pernambuco. Mostrando-se que essa economia foi um dos fatores responsáveis para construção de sua sociedade. Palavra-chave: Colonização – Gado - Abastecimento Introdução “Os primórdios da colonização do território de que constituiria a vilade N. Sr do Lagarto datam do inicio do século XVII com a doação de sesmaria quedeterminavam como alegam os peticionários, á criação do gado. Seguindo o curso do Vaza-barris, os rebanhos exandiram-se, tornando-se a pecuária a base econômica da região. Quandoda invasão holandesa, o gado, que escapou a destruição causada pelas tropas de Bagnuolo edos soldados de Nassau, foi tangido para áreas mais distantes alcançando as matas de SimãoDias”. 1 Em 1697, a freguesia de Nossa Senhora da Piedade do Lagarto, eleva-se acategoria de vila, pelo Ouvidor Diego Pacheco Pereira, que cumpria a ordem doGovernador Dom João de Lacastro, esse mandara os seus homens irem aos lugares doterritório de Itabaiana e Lagarto para formar vilas nessas localidades. Juntamente como o Brasil a primeira atividade econômica de Sergipe foi exploração do pau- Brasil, na região da floresta da encosta do Atlântico, pois nessa época as indústrias têxteis da Europa necessitavam de madeira que tingissem tecidos como o pau-brasil. Nessa região os franceses realizavam-se o escambo com os1 NUNES, Maria Thetis – Sergipe Colonial II. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro/1996
  2. 2. Tupinambás, trocavam-se miçangas, tecidos, facas etc, por madeiras cortadas, além do pau-brasil outros produtos completavam a carga dos navios como algodão, aves e pimentas. Os traficantes franceses foram expulsos do litoral sergipano em 1590, por Cristóvão de Barros. A pecuária será a principal atividade dos colonizadores nas terras sergipanas. “Os pastos de Sergipe eram de bastante boa qualidade e os moradores começaramlogo a meter gado neles, e com tanta fartura que daí a poucos anos a nova capitania abastecia 2de bois os engenhos da Bahia até a de Pernambuco” Felesbelo Freire complementava-se com a seguinte frase:“Antes do sergipano seagricultor foi pastor” 3 Com tudo a expansão do gado da Bahia para o território sergipano, um dos motivos foram as boas pastagens que essas terras favorecia, é importante ressaltar a presença do colonizador Garcia d´Avila e Casa da Torre nessa conquista, onde era dono dos maiores rebanhos de gado da capitania de Sergipe del Rei, portanto seus rebanhos atingia-se a margem direita do Rio Real. A criação de gado exigia poucos recursos, pois os animais situavam-se em pastos naturais, cujo não necessitava de muita mão-de-obra. Com a distribuição das sesmarias na capitania, o gado será a atividade de subsistência, aos poucos o gado foi se expandindo pelo território sergipano. “A expansão do gado se iniciou com a colonização sergipana a partir do rio Real. Em1607, segundo as cartas de doação de sesmaria, os colonizadores com seus rebanhos jáalcançavam as matas de Itabaiana e Simão Dias num movimento expansionista do sudeste parasudoeste, segundo o curso do Vasa-Barris, distanciando do litoral, estabelecendo-se nasregiões semiúmido já em transição para o semiárido, recobertas de pastagens” 4 A pecuária a primeira atividade econômica da vila NossaSenhora do Lagarto, e o abastecimento do gado para regiões daprópria capitania e os engenhos da Bahia e Pernambuco. A vila de Lagarto foi uma das mais antigas unidades politico-administrativas deSergipe, que era subordinado á capitania da Bahia. Em 1596, com a distribuição de sesmarias aos donatários, no território domunicípio de Lagarto, surgirá o povoado de Santo Antônio, será construída uma igrejanas imediações do povoado em 13 de junho de 1604. Um dos donatários foi Antônio2 NUNES, Maria Thetis – Sergipe Colonial I. Universidade Federal de Sergipe; Rio de Janeiro: Tempobrasileiro, 1989.3 Idem4 Idem
  3. 3. Gonçalves de Santana, seria um soldado do conquistador português Cristóvão deBarros, que invadira as terras sergipanas em 1590. Aos poucos o território do município de Lagarto estava se povoando, econstruindo uma sociedade de criadores de gado, essa criação seria uma dos grandesfatores de um aumento populacional da época, e construtora da sociedade lagartense,foram surgindo grandes fazendas de gado no local. “Em 1604, ás margens do Riacho Urubutinga, estabeleceu-se MunizÁlvarez, outro nome importante na fundação de Lagarto, pois juntamente com sua famíliadedicava-se á criação de gado, foi o responsável pela fundação de grandes fazendas de gadona região. Mas a colonização centraliza-se em duas atividades principais: a cana-de-açúcar, ocrescimento do comercio e a criação de gado animaram o aumento populacional” 5 O gado em Lagarto teve uma importância para expansão territorial de sua vila e na construção de sua sociedade, seria esse um elemento fundamental que permaneceu por muitas décadas, sendo a principal fonte econômica. Essa vila enquadra-se numa das frases mais famosa de felibeslo Freire “Antes do sergipano se agricultor foi pastor”. Portanto mostra que a economia sergipana antes da agricultura canavieira, foram grandes criadores de gado, ao contrario da Bahia e Pernambuco que de inicio foram agricultores com dimensões de canaviais. No entanto quando a plantação de cana-de açúcar implantado no território de Sergipe durante o século XVII, a pecuária será à base da organização dos engenhos, pois de inicio eram movidos á banguês, ou seja, a força animal. A pecuária esteve presente no movimento de colonização do Estado de Sergipe, ocorrendo o surgimento de muitas vilas ligadas a pecuária, como campos do Rio Real (Tobias Barreto), Itabaiana, Simão Dias e Lagarto. O Estado de Sergipe era propicio para criação de gado e poucos recursos eram utilizados, desde a expansão do gado das terras baianas paras as sergipanas principalmente com Garcia D’ Avila que expandiu seus gados para o território sergipano, formando diversos currais por onde o gado passava. Entretanto a vila de Lagarto tem suas origens com essa colonização dos territórios sergipanos, ou seja, a cultura da criação de gado em Lagarto foi um marco importante para sua colonização. Algumas ocupações de vilas sergipanas ocuparam-se por motivos de defesa e estratégia para ocupar o território. “Mas Lagarto, Santa Luzia e Propriá na zona do agreste do agreste eSanto Amaro, na zona da mata, tem ligação, com a ocupação do território pela criação de gadoe cultivo da cana-de-açucar”.65 Souza, Ítala Santana- Mandiocultura, produção do espaço e pequena produção familiar do município deLagarto/SE. São Cristovão, 2011.6 Almeida, Maria da Gloria Santana de – Sergipe: fundamentos de uma economia dependente. Petrópolis:vozes, 1984
  4. 4. A vila de Lagarto tornara-se caminhos de passagem, da Bahia para Pernambuco,onde levavam de uma capitania para outra mercadorias juntos com os comerciantes eate mesmo as boiadas. “Cedo, Lagarto Itabaiana tornaram-se centros de passagem doscaminhos interesses ligando Pernambuco á Bahia. Por elas, no inicio do século XIX passavamas trilhas seculares que atravessavam o interior sergipano, trilhas de tropeiros e boiadas, deviajantes, comerciantes e mercadorias” 7 A criação de gado em Lagarto tem sua importância com desenvolvimento da vila e o aumento populacional, desde meados do século XVII e inicio do século XIX, nessa vila criava-se o gado miúdo, sua agricultura consistia na mandioca, milho e feijão. “Lagarto responde á vocação pecuária do interior e, em 1775, torna-se a segunda vila mais populosa da capitania, mantendo os índices do seu desenvolvimento semoscilações, graças á regularidade da procura de uma certa diversifação que já se verificava emsua agricultura” 8 Portanto a criação de gado tornou-se a principal atividade econômica dacapitania de Sergipe ate o fim do século XVIII, e primeiro produto econômico da vilaNossa Senhora do Lagarto, no entanto esses gados serviam para suprir os engenhos daprópria capitania também supríamos engenhos da capitania da Bahia e de Pernambuco,contudo tinha uns dos maiores rebanhos bovino de Sergipe, esses gados eram vendidospara essas regiões, na qual a Bahia e Pernambuco eram abastecidos com esses animaisno auge da produção do açúcar. proclamadas pelos primeiros cronistas, a criação de gado torna-se aprincipal atividade da c“Aproveitando-se das ricas e naturais pastagens da região, apitania deSergipe até fins do século XVIII, para suprimento dos engenhos e cidades da Bahia e dePernambuco. O que se plantava de cana-de-açúcar e se construíra de engenhos ainda eramuito pouco e se mantinha circunscrito ás áreas tidas com mais propicias á lavoura canavieiraos vales do Vaza-barris e do Contiguiba/Sergipe”. 9 Portanto a vila de lagarto que foi ocupada pela pecuária tinha a finalidade deabastecer o recôncavo baiano e os engenhos pernambucanos, pois o gado eracomercializado e vendido em muita quantidade para a Bahia e Pernambuco, com oproposito de abastecer e mover os engenhos. Conclusão. O desenvolvimento da capitania sergipana está ligado á sua geografia, o clima de Sergipe está classificado em úmido, semiúmido e semiárido. Os rios que banha7 Almeida, Maria da Gloria Santana de – Sergipe: fundamentos de uma economia dependente. Petrópolis:vozes, 19848 Idem9 Idem
  5. 5. Sergipe são divididos em seis bacias principais: Sergipe, Vaza-Barris, São Francisco, Japaratuba, Real e Piauí. A exploração do pau-brasil segundo Nunes, iniciou na costa sergipana em 1504,com o pirata francês Bino Paumier de Gonneville, essa exploração intensificará após adestruição da França Antártica em 1565, intensificando-se o escambo com os índiosTupinambás. “Os indígenas, estimulados pela procura de nossos negociantes,preparavam enormes depósitos de madeira, que amontoavam sobre a costa; somente, como nãosabiam poupar riquezas, abatiam essas arvores ao acaso. Muitas vezes mesmo, a fim de evitaro trabalho de as cortar, punham fogo em sua parte interior e o incêndio se propagava peloresto da floresta”.10 Para Felisbelo Freire, os sergipanos foram criadores de gado antes de serem agricultores, pois as boas pastagens de Sergipe fez expandir o gado do recôncavo baiano para essas terras. A pecuária aqui implantada servirá para abastecer os engenhos de outras regiões. Lagarto tornara-se caminhos para passagem dos comerciantes e dos rebanhos da capitania da Bahia e Pernambuco, sendo um dos maiores produtores de gado da capitania de Sergipe que irá abastecer todas essas regiões, portanto a criação de gado em Lagarto foi um fator primordial para construção da sociedade, sendo essa grandes proprietárias de fazendas. Referências bibliográficas. ALMEIDA, Maria da Gloria Santana de – Sergipe: fundamentos de uma economiadependente. Petrópolis: vozes, 1984 ALMEIDA, Maria da Gloria Santana de – Textos para a Historia de Sergipe. Aracaju:Universidade Federal de Sergipe/ Banese, 1991 NUNES, Maria Thetis – Sergipe Colonial I. Universidade Federal de Sergipe; Rio deJaneiro: Tempo brasileiro, 1989. NUNES, Maria Thetis – Sergipe Colonial II. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro/1996 PASSOS SUBRINHO, Josué Modesto dos – Historia Economica de Sergipe (1850-1930).Aracaju, UFS, Programa editorial da UFS, 1987.SOUZA, Ítala Santana- Mandiocultura, produção do espaço e pequena produçãofamiliar do município de Lagarto/SE. São Cristovão, 2011.10 NUNES, Maria Thetis – Sergipe Colonial I. Universidade Federal de Sergipe; Rio de Janeiro: Tempobrasileiro 1989.

×