Media e Sociedade, unidade A<br />Ana Margarida Almeida<br />Departamento de Comunicação e Arte<br />Universidade de Aveir...
Organização da unidade:<br />Manhã de 11 de Dezembro<br />apresentação e exposição temática<br />Tarde de 11 de Dezembro <...
Tópicos a abordar na Unidade A:<br />1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />2. Novos media e...
1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />Do paradigma informacional (lógica da transmissão) pa...
 afastamento face às abordagens “tradicionais” que limitam a investigação e, torno das TIC ao estudo dos processos de inte...
 estudo dos factores relacionais e sociais implicados na utilização das ferramentas de comunicação distribuídas </li></li>...
 comunicação
 lógica de redes
 flexibilidade e reconfiguração constantes
 convergência tecnológica  </li></ul> = omnipresença social das tecnologias da comunicação<br />
1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />= a Tecnologia é a sociedade (Castells, 1999)<br /><u...
 as tecnologias não se limitam a ser ferramentas a aplicar mas antes processos que devem ser entendidos como portadores de...
1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />Como está, actualmente, a evoluir este novo paradigma...
2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Novas tendências da web 2.0:<br />Novo cenári...
2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Novos papéis<br />Novo internauta (Heidetal, ...
manager
owner
distributoroflearning</li></li></ul><li>2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Novos...
2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Principais alterações potenciadas pelos novos...
Novas relações entre os utilizadores/consumidores e as tecnologias
Novas experiências ao nível do sentido de identidade e comunidade
Novos padrões de organização e produção</li></ul> <br />
3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br />Esfera alargada de influência que determina a relação ...
3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br />Os novos media potenciam alterações sociais que, por s...
3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br />Reciprocidade na relação Atitudes-Necessidades-Comport...
 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Mas como observamos os efeitos e implicaçõ...
 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Lógica crítica subsistem assimetrias e de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Media Sociedade_marga_11dez09

709 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Media Sociedade_marga_11dez09

  1. 1. Media e Sociedade, unidade A<br />Ana Margarida Almeida<br />Departamento de Comunicação e Arte<br />Universidade de Aveiro<br />marga@ua.pt<br />
  2. 2. Organização da unidade:<br />Manhã de 11 de Dezembro<br />apresentação e exposição temática<br />Tarde de 11 de Dezembro <br />início do trabalho exploratório (pesquisa)<br />Manhã de 18 de Dezembro <br />apresentações dos trabalhos realizados<br />
  3. 3. Tópicos a abordar na Unidade A:<br />1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br /> 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br /> <br />
  4. 4. 1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />Do paradigma informacional (lógica da transmissão) para o paradigma comunicacional (lógica da colaboração e partilha)<br /><ul><li> recentes abordagens de valorização das relações interpessoais, sociais e grupais, no contexto da investigação em torno das TIC
  5. 5. afastamento face às abordagens “tradicionais” que limitam a investigação e, torno das TIC ao estudo dos processos de interacção “homem-máquina”
  6. 6. estudo dos factores relacionais e sociais implicados na utilização das ferramentas de comunicação distribuídas </li></li></ul><li>1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />Matéria-prima do novo paradigma digital (Castells, 1999):<br /><ul><li> informação
  7. 7. comunicação
  8. 8. lógica de redes
  9. 9. flexibilidade e reconfiguração constantes
  10. 10. convergência tecnológica </li></ul> = omnipresença social das tecnologias da comunicação<br />
  11. 11. 1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />= a Tecnologia é a sociedade (Castells, 1999)<br /><ul><li> a sociedade não pode ser entendida ou representada sem as suas ferramentas tecnológicas
  12. 12. as tecnologias não se limitam a ser ferramentas a aplicar mas antes processos que devem ser entendidos como portadores de uma grande “elasticidade social”</li></li></ul><li>1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />Mas assistiremos a um cenário de determinismo tecnológico?<br />A tecnologia não determina a sociedade, antes a incorpora (Castells, 1999)<br />“It (technology) has to beusedanddeveloped.” (Burton, 2005: 201)<br />“Media productionanddistributionisnotrunbytechnologies: itismadepossiblebythem.” (Burton, 2005: 202-203).<br />
  13. 13. 1. Contextualização histórica do novo paradigma comunicacional <br />Como está, actualmente, a evoluir este novo paradigma comunicacional?<br />OldcomputingNew computing (Shneiderman, 2003)<br />experiência solitária de utilização de computadores “pessoais” (oldcomupting)<br /><br />recolha, relação, criação e partilha de experiências distribuídas (newcomputing)<br />Web 1.0 Web 2.0 (O&apos;Reilly, 2004)<br />novas oportunidades para a criação e partilha mais horizontalizada de conteúdos<br />
  14. 14. 2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Novas tendências da web 2.0:<br />Novo cenário de flexibilidade e abertura dos processos de participação<br /> novas oportunidades de participação em actividades sociais, na vida cívica e nos processos de aprendizagem (Hague e Williamson, 2009).<br />Novos papéis nos processos de formação de opinião e tomada de decisão: <br /> foco no utilizador e na colaboração aberta entre membros de uma comunidade (Heidetal, 2009).<br />
  15. 15. 2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Novos papéis<br />Novo internauta (Heidetal, 2009):<br /><ul><li>knowledgecreator
  16. 16. manager
  17. 17. owner
  18. 18. distributoroflearning</li></li></ul><li>2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Novos papéis<br />Novas competências (Hague e Williamson, 2009):<br />liderança, responsabilidade e colaboração:<br />moderating, negotiating, debating, commenting, vídeo conferencing, reviewing, questioning, commenting, posting, networking, contributing, chatting, e-mailing, twittering, textingandinstantmessaging<br />Reconfiguração da importância dos processos de negociação:<br />“Theability to travelacrossdiversecommunities, discerningandrespectingmultiple perspectives, andgraspingandfollowingalternativenorms.” (Hague e Williamson, 2009: 25). <br />
  19. 19. 2. Novos media e novas modalidades de participação na sociedade em rede<br />Principais alterações potenciadas pelos novos media (Burton, 2005):<br /><ul><li>Novas modalidades de representação do mundo
  20. 20. Novas relações entre os utilizadores/consumidores e as tecnologias
  21. 21. Novas experiências ao nível do sentido de identidade e comunidade
  22. 22. Novos padrões de organização e produção</li></ul> <br />
  23. 23. 3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br />Esfera alargada de influência que determina a relação tecnologia-sociedade:<br />Os efeitos da integração das tic na sociedade ultrapassam o domínio da técnica (Breton e Proulx, 1997), abrangendo um espectro alargado de áreas, como a social, cultural, profissional, educativa ou económica. <br />“…media influence is the product of interaction with broader cultural factors. Media have helped shape attitudes, values, and behavior in a number of ways (…)” <br />(GormanandMcLean, 2009: 288).<br />
  24. 24. 3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br />Os novos media potenciam alterações sociais que, por sua vez, induzem o aparecimento de novas soluções tecnológicas (Burton, 2005)<br /> <br />
  25. 25. 3. Efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais<br />Reciprocidade na relação Atitudes-Necessidades-Comportamentos-Novas Tecnologias<br />“Sometimes the evolution towards new attitudes is supported by existing technologies that enable new conceptions of new behaviors to satisfy needs. <br />In other occasions, new technologies are supported by existing attitudes that demand advances which enable the achievement of those behaviors which, although accepted, are not technologically feasible.” <br />(Rubina, 2009: 2).<br />
  26. 26. 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Mas como observamos os efeitos e implicações dos novos media nas dinâmicas sociais?<br />Lógica entusiasta<br />Os novos media potenciam efeitos transformadores positivos para a sociedade: <br />“are seen as liberatinganddemocratizing, empoweringcitizens, promotingegalitarianismandtolerance, global understanding, and global civil society” (GormanandMcLean, 2009: 231)<br />Lógica crítica<br />Os impactos dos novos media têm sido sobrevalorizados:<br />“theirimpactonpoliticshasbeenslight, tjattheyhavemerelyreinforcedthedominant role ofbigbusiness, andthataccess to new media diverges sowidely, becauseofcontinuinginequalitiesbetweenrichandpoor (...) global effects are simplynottrue.” <br />(GormanandMcLean, 2009: 231).<br />
  27. 27. 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Lógica crítica subsistem assimetrias e desigualdades nos processos de participação<br />As tecnologias da comunicação, ainda que, potencialmente, possam promover a igualdade, poderão também catalisar a criação de novas barreiras, decorrentes da inaptidão tecnológica de determinados sujeitos para ter acesso e utilizar equipamentos e serviços particulares (VonTetzchner, [1991] 1994)<br /><br />“É possível que haja igualdade de acesso, mas não existe igualdade na capacidade de utilização. As desigualdades de conhecimento não se modificam com a simplificação do acesso e da utilização.” (Wolton, 1999: 299)<br />
  28. 28. 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Para além do acesso<br />Importa assegurar não apenas o acesso alargado das tecnologias a todas as populações<br />mas, fundamentalmente:<br /><ul><li>desenvolver mecanismos de suporte, apoio e incentivo à participação e à criação activa de conteúdos, produtos e serviços
  29. 29. respeitar as especificidades locais de cada grupo ou comunidade, numa lógica de valorização dos processos, não apenas de acesso e transmissão, mas, fundamentalmente, de troca, partilha, adaptação contextualizada e comunicação</li></li></ul><li> 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />para além do acesso<br />contrariar a tendência existente que define apenas dois pólos no processo de criação, recepção/acesso, uso e participação (Castells, 1999):<br />pólo dos que se limitam a receber soluções <br />pré-empacotadas e que não dispõem de competências para as criar, seleccionar, interpretar e, consequentemente, interagir e participar<br />pólo dos que recebem, interagem, seleccionam e criam os conteúdos e serviços<br />
  30. 30. acesso<br />uso<br />uso autónomo<br />participação<br />construção activa<br />……………………………….. infra-estrutura tecnológica ……...…….…………………….<br />………….….… literacia digital .……………………<br />..……. formação contextualizada ...….<br />. suporte à comunicação e partilha .<br /> 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Para além do acesso<br />Necessário identificar outras variáveis (para além do acesso) que poderão concorrer para a criação do chamado fosso digital (ou “digital divide”)<br />                              <br />pólo dos que se limitam a receber soluções <br />pré-empacotadas e que não dispõem de competências para as criar, seleccionar, interpretar e, consequentemente, interagir e participar<br />pólo dos que recebem, interagem, seleccionam e criam os conteúdos e serviços<br />                              <br />
  31. 31. 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Pese embora o novo paradigma da web 2.0...<br />“The digital divide hasnotdisappeared” (Gorman e McLean, 2009: 255).<br />“(...) social illshavenotdisappeared (...) real worldpoliticshavenotbeentransformed (...) global inequalities continue to exclude a sizableportionoftheworld’spopulationfromaccess to the Internet andallitoffers. Manyplayersfromthe “old-media” world continue to provideinformationandenterteinment to new media users, eveniftheyhaveharnessednewpotential (for example, citizenjournalists’ contributions to mainstream media”. (Gorman e McLean, 2009: 262-263).<br /> <br />
  32. 32. 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />Assimetrias no acesso, alguns dados (Gorman e McLean, 2009):<br />+A grande maioria dos alojamentos web estão nos EUA e na Europa<br />+A grande maioria dos conteúdos web são gerados nos EUA e na Europa<br />+A língua “maioritária” da web continua a ser o inglês <br />- 200 utilizadores de Internet, na Somália, em Julho de 2000<br />- 60% dos utilizadores da Internet no continente africano são da África do Sul<br />- Menos de 0,2% da população restante do continente tem acesso à Internet<br />- No médio oriente, em 2007, apenas 17,4% da população tinha acesso à Internet<br />
  33. 33. 3.1 Assimetrias e desigualdades na participação na nova sociedade em rede<br />As TIC como bem essencial para o desenvolvimento (Hamelink, 2000)<br /><ul><li>bem essencial (tal como a água, a energia ou o sistema rodoviário) para a igualdade social e para o desenvolvimento humano.
  34. 34. apesar de não hipotecarem a sobrevivência humana são um factor fundamental de inclusão social.</li></ul> <br />
  35. 35. Referências bibliográficas<br />Breton e Proulx (1997) Breton, P., Proulx, S. A Explosão da Comunicação . Lisboa: Bizâncio, Colecção Sínteses, 1997.<br />Burton, G. (2005) Media andSociety, Critical Perspectives. Berkshire: OpenUniversityPress, McGraw-Hill, 2005.<br />Castells (1999) Castells, M. A Sociedade em Rede (A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura), Volume I , Segunda Edição, São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999.<br />Gorman, L.; McLean D. Media andsocietyintothe 21st century : a historicalintroduction. Chichester : Wiley-Blackwell, 2009.<br />Hague, C.; Williamson, B. Digital Participation, digital literacy, andschoolsubjects - A reviewofthe policies, literatureandevidence. FutureLab. 2009. Available online at: www.futurelab.org.uk/projects/digital-participation<br />Hamelink (2000) Hamelink, C. J. TheEthicsofCyberspace . London: SagePublications, 2000.<br />
  36. 36. Referências bibliográficas (cont.)<br />Heidetal. GoodPractices for Learning 2.0: PromotingInnovation - AnIn-depthStudyofEightLearning 2.0 Cases. JRC Technical Notes. EuropeanComission - Institute for ProspectiveTechnologicalStudies, 2009.<br />O’Reilly T. 2005. WhatIs Web 2.0: Design PatternsandBusinessModels for theNextGenerationof Software. Available online at: http://www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/whatis-web-20.html?page1/41<br />Rubina, J. M. “Challengesof Internet Evolution: AttitudeandTechnology”, in: TowardstheFuture Internet. G. Tselentisetal. (Eds.). IOS Press, 2009. pag: 12-23.<br />Shneiderman (2003) Shneiderman, B. Leonardo&apos;s Laptop, HumanNeedsandtheNewComputing Technologies . Cambridge: MIT Press, 2003. <br />VonTetzchner ([1991] 1994) VonTetzchner, S. “Introdução”, in: VonTetzchner, S. (Ed.) Telecomunicações e Incapacidade. Lisboa: Secretariado Nacional para a Reabilitação, 1994 [1991], p. 1-10. <br />Wolton (1999) Wolton, D. Pensar a Comunicação. Lisboa: Dilfel, 1999.<br />
  37. 37. Proposta de trabalho<br />Objectivo<br />Investigar um caso que retrate um bom exemplo (de boas práticas) de uso das tic para a inclusão/desenvolvimento <br />Exemplos<br />países em vias de desenvolvimento, comunidades rurais, populações segregadas, bairros problemáticos ...<br />Sugestões de palavras-chave para pesquisa<br />digital divide case study<br />ict for development<br />ict + rural populations<br />ict + inequalities + case study<br />...<br />
  38. 38. Proposta de trabalho (cont.)<br />Regras<br />Trabalho individual<br />Apresentação na manhã de dia 18 (20 minutos/apresentação)<br />Entrega de relato do caso estudado, em formato pdf, até às 20h de dia 21 (para marga@ua.pt)<br />Nb: o pdf não deve exceder os 7,5MB<br />A apresentação do caso deve valorizar não apenas a descrição/relato do mesmo mas também a sua problematização e enquadramento crítico nas temáticas da disciplina.<br />

×