E se, olhando atentamente,
a realidade desliza e acontece
A Ruptura do Improvável,
então que ela sirva para dele se
fazer ...
A torrente passa
ao lado, que é
modo de dizer:
passa por baixo.
O aqueduto não
conduz a água.
O aqueduto, vindo
de nenhum ...
Das mil e uma cores
desembrulhado, o
palácio ficou sem sítio
para estar. Que é feito
do jardim do lago
espelhado, das
alam...
Uma vez,
à noite, a paisagem
partiu-se.
O que havia antes
perdeu sentido e o vale
apresenta-se ufano
e conta com firmeza a...
A nascente nasce rio por baixo de uma paisagem pousada por
camadas de folhas finas sobre folhas.
Dizem que são extractos g...
Sem Horizonte
Óleo sobre tela
30 x 40 2008
O horizonte diz onde está o alto e o baixo, organiza os espaços,
define a orige...
O Ornato Deslocado
Óleo sobre tela
30 x 40 2008
Seria como se fosse a história de um ornato deslocado num sítio sem
saber ...
É a porta para a escada que não sobe, ela a porta que não abre. O que
estava à volta e o que estava além interpenetraram-s...
Todos os enfeites: serpentinas, confeitos e balões, tecidos e muitos
artefactos, mais lindas coisas e muitas delas e foram...
O rio fechou a
cidade na
tentativa de
simetria. Na
cidade dos
homens, o rio em
baixo procura
arremedo de
espelho lá no cim...
O livro sobre a mesa não se pode ler, não está escrito. Os objectos não
têm sombras próprias nem projectadas. O candeeiro ...
De noite as portas do armário dão para a cidade. Acontece!
Para a cidade obsessivamente iluminada em cada uma das janelas....
Pasmado de tanto olhar, o cais naufragou, o que foi notícia em tudo
quanto contou o episódio por todos falado. E ele caiu ...
Pela noite adentro de tudo se falou. Concepções tautológicas do mundo dá-
me a garrafa, visões filosóficas, mesmo teosófic...
Porfírio Alves Pires
2009
Em exposição
de 3 de Outubro a 7 de Novembro de 2009
na
Galeria Vieira Portuense
Largo dos Lóios...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Galeria Vieira Portuense 1

320 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Galeria Vieira Portuense 1

  1. 1. E se, olhando atentamente, a realidade desliza e acontece A Ruptura do Improvável, então que ela sirva para dele se fazer o maior elogio! Tem de se ter cuidado e fazer muita atenção. Há que lhe dar extremoso carinho. De acordo assim se fará! Ter-se-á o maior cuidado!
  2. 2. A torrente passa ao lado, que é modo de dizer: passa por baixo. O aqueduto não conduz a água. O aqueduto, vindo de nenhum lado e indo para lado algum, nem sequer ponte pode ser. Altaneiro, agigantado, mostra-se inútil. O aqueduto falhou. O Aqueduto Falhado Óleo sobre tela 90 X 70 2009
  3. 3. Das mil e uma cores desembrulhado, o palácio ficou sem sítio para estar. Que é feito do jardim do lago espelhado, das alamedas, do calor e das sombras refrescantes?! Assim sozinho, o palácio não tem sítio para estar. Que é feito das mil e uma noites do palácio, do palácio desembrulhado ?! O Palácio Desembrulhado Óleo sobre tela 90 X 70 2009
  4. 4. Uma vez, à noite, a paisagem partiu-se. O que havia antes perdeu sentido e o vale apresenta-se ufano e conta com firmeza a história do seu estar assim. Do antes guarda a nitidez das cores. Do agora mostra as fracturas que o definem. A Paisagem Quebrada Óleo sobre tela 90 X 70 2009
  5. 5. A nascente nasce rio por baixo de uma paisagem pousada por camadas de folhas finas sobre folhas. Dizem que são extractos geológicos sobrepostos por convulsões agigantadas arrumadas e desarrumadas em sequências logicamente explicadas. Assim o cremos! A Nascente Óleo sobre tela 30 x 40 2008
  6. 6. Sem Horizonte Óleo sobre tela 30 x 40 2008 O horizonte diz onde está o alto e o baixo, organiza os espaços, define a origem e dá sentido. Aqui falta o horizonte e não há sentido o que, em si mesmo, é a sua razão de ser.
  7. 7. O Ornato Deslocado Óleo sobre tela 30 x 40 2008 Seria como se fosse a história de um ornato deslocado num sítio sem saber muito bem onde se colocar, se junto à nascente, se no não- horizonte ou se fica onde está, ali onde não pertence, ao pé do lírio vermelho que há muito deixou de ser flor. É que isto de ornatos nunca se pode dizer se ficam bem ou não.
  8. 8. É a porta para a escada que não sobe, ela a porta que não abre. O que estava à volta e o que estava além interpenetraram-se e escada e porta são agora tão somente presenças diluidas na paisagem. A Porta para a Escada Aguarela sobre tela 80x100 2009
  9. 9. Todos os enfeites: serpentinas, confeitos e balões, tecidos e muitos artefactos, mais lindas coisas e muitas delas e foram todas levadas para o bosque e tudo lá se deixou. É a festa do bosque, muito bonita e há muito celebrada em todos os arredores. A Festa do Bosque Óleo sobre tela 30 X 40 2009
  10. 10. O rio fechou a cidade na tentativa de simetria. Na cidade dos homens, o rio em baixo procura arremedo de espelho lá no cimo. Tem verticais, muitas verticais para dizer que sobe e que há-de chegar lá ao alto. A cidade dos homens é assim: procura sempre o rio de cima. O Rio de Cima Óleo sobre tela 100 X 80 2009
  11. 11. O livro sobre a mesa não se pode ler, não está escrito. Os objectos não têm sombras próprias nem projectadas. O candeeiro ilumina as superfícies afastadas. A figuração quebra-se nas perspectivas múltiplas. A biblioteca guarda a memória de si mesma. A Biblioteca Óleo sobre tela 80 X 100 2009
  12. 12. De noite as portas do armário dão para a cidade. Acontece! Para a cidade obsessivamente iluminada em cada uma das janelas. Do rio parado sobe a névoa esverdeada dos limos e tinge os céus. Pois é: de noite as portas do armário dão para a cidade. As Portas do Armário Óleo sobre tela 80 X 100 2009
  13. 13. Pasmado de tanto olhar, o cais naufragou, o que foi notícia em tudo quanto contou o episódio por todos falado. E ele caiu no fundo, mais o horizonte que é dele e olha pasmado para o que o cerca. O destino do cais é olhar o mar. O Cais Naufragado Óleo sobre tela, 80X100 2009  
  14. 14. Pela noite adentro de tudo se falou. Concepções tautológicas do mundo dá- me a garrafa, visões filosóficas, mesmo teosóficas, passa-me aí o copo. Noite adentro tudo era possível, mais um pouco de vinho e o amanhecer seria definitivamente diferente no dia seguinte igual ao sempre igual. A Pela Noite Adentro Óleo sobre tela sobre tela 100 x80 2009
  15. 15. Porfírio Alves Pires 2009 Em exposição de 3 de Outubro a 7 de Novembro de 2009 na Galeria Vieira Portuense Largo dos Lóios nº50 Porto

×