8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8

301.845 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação

8 poemas 8 mulheres 8 imagens 8

  1. 1. 8 poemas 8 mulheres 8 imagens Dia Internacional da Mulher 8 de Março
  2. 2. Tens agora outro rosto, outra beleza:Um rosto que é preciso imaginar,E uma beleza mais furtiva ainda…Assim te modelaram, caprichosas,As sombras da lonjura,Mãos irreais que tornam irrealO barro que nos foge da retina.Barro que em ti passou de luz carnalA bruma feminina….Mas nesse novo encantoTe conjuroQue permaneças.Distante e preservada na distância.Olímpica recusa, disfarçadaDe terrena promessaFeita aos olhos tentados e descrentes.Nenhum mito regressa…Todas as deusas são mulheres ausentes…Miguel TorgaCoimbra, 20 de Março de 1963Diário IX
  3. 3. A Mulher Mais Bonita do Mundoestás tão bonita hoje. quando digo que nasceramflores novas na terra do jardim, quero dizerque estás bonita.entro na casa, entro no quarto, abro o armário,abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fiode ouro.entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, comose tocasse a pele do teu pescoço.há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.estás tão bonita hoje.os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.estás dentro de algo que está dentro de todas ascoisas, a minha voz nomeia-te para descrevera beleza.os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.de encontro ao silêncio, dentro do mundo,estás tão bonita é aquilo que quero dizer.José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"
  4. 4. Nunca Envelhecerás A tua cabeleiraé já grisalha ou mesmo branca?Para mim é toda loirae circundada de estrelas.Sobre elao tempo não poisouo inverno dos anosque se escoam maldososinsinuando rugas, fios brancos... Ao teu corpo colou-seo vestido de seda,como segunda pele;entre os seios pequenosviceja pereneum raminho de cravos...Pétalas esguiasemolduram-te os dedos...E revoadas de avestraçam ao teu redorvolutas de primavera.Nunca envelhecerás na minha lembrança!...Saúl Dias, in "Sangue"
  5. 5. A Luz que Vem das PedrasA luz que vem das pedras, do íntimo dapedra,tu a colhes, mulher, a distribuistão generosa e à janela do mundo.O sal do mar percorre a tua língua;não são de mais em ti as coisas mais.Melhor que tudo, o voo dos insectos,o ritmo nocturno do girar dos bichos,a chave do momento em que começa ocantoda ave ou da cigarra— a mão que tal comanda no mesmogesto ferea corda do que em ti faz acordaros olhos densos de cada dia um só.Quem está salvando nesta respiraçãoboca a boca real com o universo?Pedro Tamen, in "Agora, Estar"
  6. 6. És Aquela que tudo te entristeceIrrita e amargura, tudo humilha;Aquela a quem a Mágoa chamou filha;A que aos homens e a Deus nada merece.Aquela que o sol claro entenebreceA que nem sabe a estrada que ora trilha,Que nem um lindo amor de maravilhaSequer deslumbra, e ilumina e aquece!Mar-Morto sem marés nem ondas largas,A rastejar no chão como as mendigas,Todo feito de lágrimas amargas!És ano que não teve Primavera...Ah! Não seres como as outras raparigasÓ Princesa Encantada da Quimera!...Florbela Espanca, in "Livro de SórorSaudade"
  7. 7. Retrato de Mulher TristeVestiu-se para um baile que não há.Sentou-se com suas últimas jóias.E olha para o lado, imóvel.Está vendo os salões que se acabaram,embala-se em valsas que não dançou,levemente sorri para um homem.O homem que não existiu.Se alguém lhe disser que sonha,levantará com desdém o arco das sobrancelhas,Pois jamais se viveu com tanta plenitude.Mas para falar de sua vidatem de abaixar as quase infantis pestanas,e esperar que se apaguem duas infinitas lágrimas.Cecília Meireles, in Poemas (1942-1959)
  8. 8. Há uma Mulher a Morrer SentadaHá uma mulher a morrer sentadaUma planta depois de muito tempoDorme sossegadamenteComo cisne que se preparaPara cantarEla está sentada à janela. Sei que nuncaMais se levantará para abri-laPorque está sentada do lado de foraE nenhum de nós pode trazê-la para dentroEla é tão bonita ao relentoInesgotávelÉ tão leve como um cisne em pensamentoE está sobre as águasÉ um nenúfar, é um fluir já anteriorAo tempoSei que não posso chamá-la das margensDaniel Faria, in "Dos Líquidos"
  9. 9. Eu não dei por esta mudançaTão simples, tão certa, tãofácil.Em que espelhoFicou perdidaA minha face?Cecília Meireles

×