A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade

833 visualizações

Publicada em

Data de realização : 30/10/2011

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • A fundação da Juventude está a promover um Concurso Nacional “ Mais vale perder um minuto da vida, do que a vida num minuto!”
    Este concurso tem como objectivo principal sensibilizar os estudantes de ensino superior para a problemática da Educação e Sinistralidade Rodoviária Portuguesa.
    Gostaríamos de lhe pedir o favor de divulgar o nosso link no vosso blogue.
    Muito Obrigado!
    http://www.fjuventude.pt/a-vida-num-minuto-2012-2013/
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
833
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade

  1. 1. A Sinistralidade Portuguesa Disciplina de Ciências Físico-Químicas Ano letivo 2011/2012 Professor Manuel SalgueiroEscola Secundária de São Pedro, Vila Real Pedro Cruz Silvestre Nº 17 9ºD 1
  2. 2. 1. INTRODUÇÃO A sinistralidade rodoviária afeta um elevado número de portugueses todos os anos. O númerocada vez maior de viaturas que circulam à face da Terra e a possibilidade de alcançarem velocidadescada vez maiores têm aumentado o número de acidentes que matam e causam ferimentos graves amuitas pessoas. Todos os anos são desenvolvidas campanhas através dos meios de comunicaçãosocial como TV, rádio, jornais, Net, com o objetivo de alertar os condutores a realizarem umacondução segura. Nas ocasiões de maior tráfego nas estradas portuguesas como em feriados, épocasde férias, entre outras, costumam haver operações policiais com o objetivo de sensibilizar oscondutores a não infringir o Código da Estrada. Portugal tem das taxas de sinistralidade maiselevadas da Europa. No entanto, o número de acidente tem vindo a diminuir de ano para ano. 2. CAUSAS DA SINISTRALIDADE As causas da sinistralidade rodoviária podem-se resumir nos seguintes pontos: Comportamentos inadequados por parte dos diferentes utentes da infraestrutura rodoviária,com frequentes violações do Código da Estrada; Falta de educação cívica; Insuficiente conhecimento das causas da sinistralidade; Infraestrutura rodoviária com deficiências; Insuficiente coordenação na promoção de campanhas de informação/sensibilização dosutentes; Excesso de velocidade; Excesso de álcool; Sonolência, que pode ser o resultado de uma alimentação pesada ou outros fatores; Ultrapassagens perigosas; Más condições atmosféricas; Veículo sem revisão; Desrespeito ao sistema de contraordenações; Sistema de formação e avaliação de condutores inadequado; Falta de contribuição do sistema educativo na segurança rodoviária das crianças e jovens. 2
  3. 3. 3. EVOLUÇÃO Neste ponto do trabalho vou apresentar a evolução do número de mortes e feridos gravescausados por acidentes de viação em Portugal. 3.1 NÚMERO DE MORTES CAUSADOS POR ACIDENTES DE VIAÇÃO EM PORTUGAL O número de mortes causadas por acidentes de viação de 2001 até 2010 foi de 10478, sendoque o número de mortes até 34 anos foi de 4281 (Tabela 1). Em 2001, o número de mortes até 34anos foi de 661 tendo decrescido ao longo dos anos até ao valor de 250 em 2010 (Figura 1).Tabela 1. Mortes causadas por acidentes de viaçãoAnos 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 TotalMortes até 34 anos 661 655 575 500 460 316 328 274 262 250 4281Mortes até 34 anos (%) 45,1 44,6 42,4 44,1 42 37,2 38,4 35,3 35,5 33,7 40,9Número total de mortes 1466 1469 1356 1135 1094 850 854 776 737 741 10478 1600 Total de mortes 1400 Mortes até 34 anos 1200 Nº de mortes 1000 800 600 400 200 0 Ano Figura 1. Evolução do número total de mortes e mortes até aos 34 anos. Verifica-se claramente que houve uma grande descida do número de vítimas até aos 34 anos eo próprio total de mortes diminui drasticamente de 2001 até 2010. Tal fato deve-se a várias medidastomadas pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), pelo Plano Nacional dePrevenção Rodoviária e Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária. 3
  4. 4. 3.2 NÚMERO DE FERIDOS GRAVES CAUSADOS POR ACIDENTES DE VIAÇÃO EM PORTUGAL De 2001 até 2010 o número de feridos graves causados por acidentes de viação foi de 37644,verificando-se que desses acidentes 18995 incluíram indivíduos até 34 anos (Tabela 2). O valor donúmero de feridos graves até 34 anos desceu ao longo dos anos desde 3140 em 2001 até 1148 em2010 (Figura 2).Tabela 2. Feridos Graves causadas por acidentes de viação Ano 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Total 1 FG até 34 anos 3140 2531 2431 2170 1923 1701 1543 1249 1159 1148 18995 FG até 34 anos (%) 54,2 53,1 52,2 51,8 51,1 48,8 49,5 47,9 44,2 43,5 50,5 Total de FG 5797 4770 4659 4190 3762 3483 3116 2606 2624 2637 376441 Feridos Graves 7000 Total de feridos graves 6000 Nº de feridos graves 5000 Feridos graves até 34 anos 4000 3000 2000 1000 0 Ano Figura 2. Evolução do número total de feridos graves e feridos graves até aos 34 anos. É ainda de salientar que alguns dos feridos graves acabam por morrer, e que há pessoas queficam incapacitadas para toda a vida, o que é um problema muito grave para as famílias e para asociedade. 4
  5. 5. 4. CONCLUSÃO Com este trabalho posso concluir que muitos acidentes de viação podem ser causadosunicamente pelas atitudes irresponsáveis do condutor, o consumo excessivo de álcool e exceder oslimites de velocidade. Outros fatores que condicionam os acidentes rodoviários não dependem docondutor como por exemplo a existência de deficiências nas estradas, o piso da estrada em mauestado, má sinalização e ainda as condições climáticas, como a chuva e o nevoeiro. Graças à contribuição de numerosas empresas, meios de comunicação e às novas leis emestradas portuguesas, Portugal tem vindo a diminuir o número de mortes e feridos graves totais eaté aos 34 anos. Considero importante realçar que cada vez se fabricam carros mais seguros (mais airbags,travões abs, estrutura reforçada do habitáculo) o que faz com que os efeitos dos acidentes não sejamtão intensos. Há ainda a acrescentar que atualmente as estradas são melhores do que no passado ehá mais autoestradas, o que evita a utilização de estradas secundárias e torna as viagens maisseguras. 5. BIBLIOGRAFIAFig.1. http://3.bp.blogspot.com/_OP9p06qPZGE/TTi5Y1D0GII/AAAAAAAAACg/mmeIQ_W0_dQ/s1600/acidenteip03.jpghttp://www.ansr.pt/default.aspx?tabid=57Plano Nacional de Prevenção Rodoviária (PNPV), Março, 2003 (www.ansr.pt)Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária (ENSR) 2008 – 2015, Março, 2009 (www.ansr.pt)http://www.gestao-frotas.com/tag/sinistralidade/http://estradas.no.sapo.pt/ 5

×