Isaías

804 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
804
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Isaías

  1. 1. Do que trata Is 7,1-17?Trata desta esperança chamada Ezequias. É um texto que deve ser lido em duas etapas. Oprimeiro bloco, Is 7,1-9, relata o encontro de Isaías com Acaz, às vésperas da guerra siro-efraimita, em 734 ou 733 a.C. Quando os reis de Damasco e de Samaria planejam invadir Judápara depor Acaz e no seu lugar colocar um rei não-davídico - o filho de Tabeel - que envolveriao país na coalizão antiassíria, Isaías vai ao encontro de Acaz acompanhado por seu filho Sear-Iasub (= Um-resto-voltará), indicação ou sinal de esperança frente à crítica situação que sedesenha. Acaz está cuidando das defesas de Jerusalém. Segundo Isaías, a dinastia davídicaestá ameaçada por dois fatores: os planos inimigos e o medo do rei. Os planos inimigosfracassarão, o temor e as alianças políticas farão o rei de Judá fracassar. O que dá estabilidadeé a fé a confiança em Iahweh.O que diz Isaías a Acaz nesta ocasião?O que Isaías diz a Acaz, segundo os vv. 4-9 do capítulo 7, é o seguinte:Toma as tuas precauções, mas conserva a calma e não tenhas medo nem vacile oteu coração diante dessas duas achas de lenha fumegantes, isto é, por causa dacólera de Rason, de Aram, e do filho de Romelias, pois que Aram, Efraim e o filho deRomelias tramaram o mal contra ti, dizendo: Subamos contra Judá e provoquemos acisão e a divisão em seu seio em nosso benefício e estabeleçamos como rei sobre eleo filho de Tabeel.Assim diz o Senhor Iahweh:Tal não se realizará, tal não há de suceder,porque a cabeça de Aram é Damasco, e a cabeça de Damasco é Rason; (...)A cabeça de Efraim é Samaria e a cabeça de Samaria é o filho de Romelias.Se não o crerdes, não vos mantereis firmes.O que andou falando Isaías na época do rei Joatão?Isaías falou muito das condições sociais e políticas em que Judá se encontrava. E, às vezes,falava também de Samaria, que ainda existia nesta época. E ele não anda muito contente como seu país e com o rumo das coisas. Vive anunciando um julgamento que está para se abatersobre o país, porque há muitos problemas internos, uma elite que se recusa a encarar estesproblemas, sem esquecer que o Império assírio é uma ameaça crescente que paira sobre todosos pequenos reinos da região.Por que Isaías se queixa tanto de seus conterrâneos?Porque, diz ele em 1,2-3, a aliança com Iahweh foi esquecida em Judá. Embora Iahweh tenhaum enorme amor por seu povo, os israelitas são incapazes de ver isso, revoltando-se contra elee, assim, colocando-se abaixo até mesmo do boi e do jumento. Diz o profeta:Mas as pessoas não estão procurando Iahweh no Templo de Jerusalém?Estão freqüentando o Templo sim. Mas para Isaías isso não basta. Encher o Templo cominiqüidade e solenidade é um erro enorme, vai dizer Isaías em 1,10-20. Porque as pessoas quevivem levando tantas oferendas para Iahweh são as mesmas que não se importam em fazer odireito (mishpât) funcionar, que não fazem justiça ao desprotegido órfão e à abandonada viúva.Isaías, em um dos textos proféticos mais violentos contra um culto que funciona só paramascarar as injustiças que se cometem no dia-a-dia, pede aos príncipes de Sodoma e ao povode Gomorra - na verdade, de Jerusalém! - para ouvirem a palavra de Iahweh:
  2. 2. E como Isaías vê esta sua atividade profética?Is 6,1-13, em um relato escrito muito tempo depois, como qualquer texto de vocação, oprofeta reflete sobre o sentido de sua missão e sobre o insucesso de sua pregação. Sua funçãofoi de fato, pensa Isaías, pregar o fim e a morte de Judá.Até quando, Isaías se pergunta em 6,11-12, ele deve ser o porta-voz de Iahweh?Até que as cidades fiquem desertas, por falta de habitantes, e as casas vazias, porfalta de moradores; até que o solo se reduza a um ermo, a uma desolação; até queIahweh remova para longe os seus homens e no seio da terra reine uma grandesolidão.E na época de Acaz, o que aconteceu em Judá?Na época de Acaz aconteceu em Judá uma grande crise política e militar, provocada pelacrescente ameaça do Império assírio e pelos muitos erros do governo de Judá. Vamos olhar asituação internacional. A Assíria passou, a partir da política expansionista do rei Teglat-FalasarIII, inaugurada em 745 a.C., a constituir a grande ameaça para os pequenos reinos da região.Israel (do norte), Damasco e outros da região tornaram-se tributários da Assíria. Golpes deEstado em Israel, alianças com a a Assíria ou contra a Assíria estavam na ordem do dia.Então o rei golpista Facéia, de Israel, fez uma aliança com Damasco e ambos decidiram invadirJudá, derrubar Acaz e colocar um estrangeiro em seu lugar, para usar o reino do sul numacoalizão militar contra a Assíria. Esta é a chamada guerra siro-efraimita, desencadeada em734 a.C. Acaz, acuado, resolveu pedir o auxílio da Assíria e Teglat-Falasar III acabou comDamasco e tomou 3/4 de Israel, reduzindo o país a quase nada. Aliás, poucos anos depois, em722 a.C., Samaria foi destruída pelas tropas assírias de Salmanasar V e de Sargão II, pondo fimao reino do norte que congregava a maior parte das tribos israelitas. Judá, por enquanto,escapou da destruição.Quanto custou para Judá esta ajuda assíria?Judá perdeu sua independência. Entre outras coisas, Acaz viu-se obrigado a reconhecer osdeuses assírios como seus libertadores e a prestar-lhes culto. Além disso, o rei de Judá foiobrigado a apresentar-se a Teglat-Falasar III para prestar-lhe obediência e teve que pagar fortetributo à Assíria, rapinando tesouros do palácio e do Templo e aumentando os impostos pagospelo povo. Então, a injustiça, que já era moeda corrente na época anterior, como denunciavaIsaías, correu solta. A religião oficial era mantida pelo Estado e se calava, ou melhor, encobriaos problemas com grandes festas, como se tudo estivesse bem. A situação econômica,entretanto, tornou-se péssima e Acaz ficou desmoralizado frente ao povo de Judá. E olhem queele era um rei em começo de governo e ainda bem jovem, tendo, no início da crise, quandomuito, 20 anos de idade.Mas havia alguma esperança para Judá?Havia. Chamava-se Ezequias e era filho de Acaz. Ainda criança, Ezequias foi associado ao trono,provavelmente com 5 anos de idade apenas, em 728/7 a.C. Mas o que podia um menino destaidade fazer por Judá? Manter a esperança. É que nesta época se ensinava em Judá que Iahwehescolhera Sião (= Jerusalém) como lugar privilegiado e fizera à dinastia davídica uma promessade permanência eterna no poder. Se um rei davídico - como Acaz, neste caso - não fosse bemsucedido no governo, o problema poderia ser resolvido com o rei seguinte. Acaz estava indomuito mal, mas Ezequias era uma esperança de dias melhores.E Isaías trata destes problemas na época de Acaz?
  3. 3. Trata. É neste contexto da guerra siro-efraimita e da conseqüente dependência assíria quedevemos ler os oráculos deste período, que estão em Is 7,1-12,6. Por causa de 7,14,convencionou-se chamar este bloco de Livro do Emanuel. Os textos falam de invasão,ataque, libertação, proteção, ameaças e promessas. São seis capítulos organizados pelo redatordo livro de Isaías em torno de três temas: os sinais, como o do menino que vai nascer, em 7,14-15. o binômio invasão/libertação, que aparece em vários textos o significado de nomes próprios, como os dos filhos de Isaías ("Pronto- saque-próxima-pilhagem" e "Um-resto-voltará") e até mesmo o nome de Isaías ("Iahweh é salvação"). Diz 8,18: "Eis que eu e os filhos que Iahweh me deu nos tornamos, em Israel, sinais (othôth) e prodígios (môphethîm) da parte de Iahweh dos Exércitos, que habita no monte Sião".Afinal, o que pretendia Isaías com a sua pregação?Isaías quer que o homem de sua época restabeleça o equilíbrio perdido na sua relação comIahweh. O homem de seu tempo se colocara no cume de um panteão terreno, dominando edecidindo tudo segundo mesquinhos interesses, sem exigências éticas de justiça esolidariedade. Isaías percebe Iahweh como soberano, glorioso, santo. E o homem, em geral, nasua condição humana, e, concretamente, o seu povo, os seus contemporâneos, como impurose fracos, como aparece no texto de sua vocação no capítulo 6. Se Israel não aceitar Iahweh -leia-se a prática do javismo - como decisivo, então virá o dia de Iahweh, e a arrogânciahumana será despedaçada. Como diz Is 2,12-17:

×