O USO DA METODOLOGIA ITERATIVA NA
CRIAÇÃO DE VIDEOGAMES COMO SISTEMAS
EMERGENTES
Julia Stateri

Doutoranda pelo Instituto ...
INTRODUÇÃO: FUNDAMENTAÇÃO E TERMINOLOGIA
•

•

•

•

•

Metodologia Iterativa – utilizada no
desenvolvimento de softwares ...
COMPLEXIDADE
•

Edgar Morin – crítica que se aplica ao sistema educacional: disciplinas do
conhecimento apresentadas isola...
COMPLEXIDADE
•

Mas então, o que é a complexidade?

•

Jeremy Campbell em Grammatical
Man explica que um sistema complexo
...
COMPLEXIDADE
•

Para John Conway o mais simples dos
jogos pode ser um sistema complexo,
pois partindo de um sistema de reg...
COMPLEXIDADE
•

Para Christopher Langton é possível
definir os sistemas como:
•

Fixo – TV Desligada, pixel ausente
de luz...
COMPLEXIDADE
•

O jogo, enquanto sistema, só entra em funcionamento com a participação do jogador.
Não há complexidade sem...
COMPLEXIDADE

Age of Empires Online – pode vir sob a forma de estratégias ou
dinâmicas de jogo.

Ragnarok Online – pode vi...
EMERGÊNCIA
•

A partir da adição de elementos que respeitem a importância das jogadas realizadas
pelos jogadores, a relaçã...
EMERGÊNCIA
•

Entretanto, no caso dos jogos, os paradigmas
dos quais a experiência do jogo emerge são
as próprias regras.
...
A CRIAÇÃO DE UM SISTEMA EMERGENTE
•

Quando um videogame é projetado para ser um verdadeiro sistema emergente o
jogador se...
A CRIAÇÃO DE UM SISTEMA EMERGENTE
Projeto
Na fase inicial do
projeto,
especialmente em
se tratando de
mecânicas
originais,...
METODOLOGIA ITERATIVA
Design

Avaliação

Protótipo
ALGUMAS SUGESTÕES PRÁTICAS
•

Já durante a elaboração da mecânica, devem ser realizadas algumas perguntas: Estes
component...
ALGUMAS SUGESTÕES PRÁTICAS
•

Depois do desenvolvimento da fase completa, é importante realizar testes com diversos
tipos ...
CONCLUSÃO
•

Sistemas Emergentes são Sistemas Complexos dos quais emergem comportamentos
inesperados, graças às relações e...
Julia Stateri – julia@oficinaludica.com.br

OBRIGADA!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O uso da metodologia iterativa na criação de videogames como sistemas emergentes

369 visualizações

Publicada em

Apresentação de artigo no SBgames 2013: "Este artigo pretende tornar clara a premissa de que os videogames podem ser vistos como sistemas complexos dos quais é possível observar a emergência de padrões comportamentais imprevistos quando da elaboração das regras e respectiva programação, sejam estes padrões o resultado de uma resposta à ação do jogador ou da interação social proporcionada pelos jogos coletivos. Parte da definição de complexidade segundo o pensamento de Edgar Morin, contrabalançado pela explicação de John Conway sobre sistemas complexos, passa à definição de emergência segundo a visão científica de Thomas Kuhn, para finalmente tratar dos videogames como possíveis sistemas emergentes. Ainda, oferece uma explicação sobre o uso da metodologia iterativa na criação de videogames enquanto sistemas complexos, com um modelo de prototipagem e avaliação cíclico que privilegia o refinamento e a eficácia do produto final."

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O uso da metodologia iterativa na criação de videogames como sistemas emergentes

  1. 1. O USO DA METODOLOGIA ITERATIVA NA CRIAÇÃO DE VIDEOGAMES COMO SISTEMAS EMERGENTES Julia Stateri Doutoranda pelo Instituto de Artes da UNICAMP Coordenadora do Curso de Pós-Graduação em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais do Senac – Campinas 2013
  2. 2. INTRODUÇÃO: FUNDAMENTAÇÃO E TERMINOLOGIA • • • • • Metodologia Iterativa – utilizada no desenvolvimento de softwares – incluindo videogames. Videogames – como jogos eletrônicos independentemente de sua plataforma. Complexidade – segundo Edgar Morin, em contraponto com John Conway (que trata especificamente dos videogames). Emergência – segundo Thomas Kuhn – lógica do raciocínio científico, ao que voltamos à Conway. Iteratividade – descrição prática de Richard Rouse. • E. Morin. “Da necessidade de um pensamento complexo,” in ara navegar no s culo – ecnologias do magin rio e i ercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003. • J. Conway. “Games as Emergent Systems,” in E. Zimmerman, K. Salen (Org.). Rules of Play: Game Design Fundamentals. Massachusetts: The MIT Press, 2004, pp. 152-157. • T. Kuhn. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006. • R. Rouse. Game Design: Theory & Practice. Massachusetts: Worldware Publishing, 2005, pp. 284.
  3. 3. COMPLEXIDADE • Edgar Morin – crítica que se aplica ao sistema educacional: disciplinas do conhecimento apresentadas isoladamente, sem correlação. Informação Transmitida • Decorada pelo Educando Avaliação Para compreender o espírito humano, por exemplo, por que não estudar a psicologia aliada à fisiologia do cérebro?
  4. 4. COMPLEXIDADE • Mas então, o que é a complexidade? • Jeremy Campbell em Grammatical Man explica que um sistema complexo é formado de muitas partes, mas nem sempre um sistema como muitas partes é complexo. • Ainda, um sistema complexo não é aquele em que muitas partes se relacionam entre sim, mas sim aquele no qual esta relação resulta na execução de coisas que não seriam possíveis sem esta relação.
  5. 5. COMPLEXIDADE • Para John Conway o mais simples dos jogos pode ser um sistema complexo, pois partindo de um sistema de regras os jogadores utilizarão seu repertório ao interpretar e jogar. Como o comportamento dos jogadores é imprevisível, logo o comportamento emergente do jogo também o será. • Porém, alguns jogos são tão restritivos que não oferecem o grau de complexidade necessário para que exista a jogada significativa.
  6. 6. COMPLEXIDADE • Para Christopher Langton é possível definir os sistemas como: • Fixo – TV Desligada, pixel ausente de luz. • Periódico – Oscilação entre padrões pré-determinados: branco e preto em constante alternância. • Caótico – Estado randômico, imprevisível. TV com estática. • Complexo - São mais complicados e surpreendentes do que um sistema periódico, mas não tão imprevisíveis e dinâmicos quanto os sistemas caóticos.
  7. 7. COMPLEXIDADE • O jogo, enquanto sistema, só entra em funcionamento com a participação do jogador. Não há complexidade sem que haja a jogada significativa e sem esta, não existe a emergência de um comportamento inesperado. • A jogada significativa – diz respeito às ações do jogador e à resposta oferecida pelo sistema. • Complexidade – diz respeito à relação entre as partes do próprio sistema e ao que o sistema oferece em decorrência desta.
  8. 8. COMPLEXIDADE Age of Empires Online – pode vir sob a forma de estratégias ou dinâmicas de jogo. Ragnarok Online – pode vir das relações sociais envolvidas. Poker Online – ou mesmo das implicações psicológicas em se apostar dinheiro real.
  9. 9. EMERGÊNCIA • A partir da adição de elementos que respeitem a importância das jogadas realizadas pelos jogadores, a relação entre as ações tomadas e o retorno oferecido pelo sistema começam a trazer padrões de comportamento imprevisíveis: como o jogador irá se relacionar socialmente através da dinâmica proposta pelo jogo? Em que momento o jogador se arriscará a apostar seus pontos ganhos dentro do próprio jogo? • Estes padrões de comportamento imprevistos e a maneira como são surgidos é o que pode-se chamar de emergência. • No capítulo A Anomalia e a Emergência das Descobertas Científicas, do livro A Estrutura das Revoluções Científicas de Thomas Kuhn, é possível se encontrar a compreensão do conceito de emergência a partir da maneira como novas teorias científicas surgem, pela modificação de paradigmas estabelecidos por teorias anteriores.
  10. 10. EMERGÊNCIA • Entretanto, no caso dos jogos, os paradigmas dos quais a experiência do jogo emerge são as próprias regras. • Ainda que tenhamos um jogo com a complexidade de um MMORPG, por exemplo, existe uma quantidade limitada de regras dentro das quais o jogador tem liberdade para tomar ações imprevistas. • O jogador deste gênero de videogame poderá explorar o mundo que se desvela a ele através da profundidade narrativa proposta pelo cenário ou poderá procurar monstros contra os quais se digladiar para subir de nível e adquirir itens. Poderá ainda, relacionar-se amigavelmente com outros jogadores, formando um grupo de exploradores que se auxilia mutuamente ou fazer muitos inimigos, posicionando-se como um antagonista. World of Warcraft – inúmeros comportamentos podem emergir das regras propostas.
  11. 11. A CRIAÇÃO DE UM SISTEMA EMERGENTE • Quando um videogame é projetado para ser um verdadeiro sistema emergente o jogador sentira sua vontade respeitada pelas jogadas significativas às quais terá acesso e, portanto, passará a se engajar com o conteúdo proposto. • Desenvolver um jogo que mantenha o interesse do jogador e permita contextualizações criativas é tarefa árdua que exige o uso de uma metodologia efetiva. Aqui propomos a utilização da Metodologia Iterativa, simples e precisa, que compreende um processo circular em três estágios: • Design • Protótipo • Avaliação
  12. 12. A CRIAÇÃO DE UM SISTEMA EMERGENTE Projeto Na fase inicial do projeto, especialmente em se tratando de mecânicas originais, é difícil prever todos os problemas. Devese evitar o excesso de detalhes e banir a inflexibilidade. Equipe e Ferramentas Deve-se evitar o uso de ferramentas recém-lançadas ou desconhecidas pela equipe de desenvolvimento. Adquirir domínio sobre novas tecnologias consome um tempo precioso. Publisher Caso esteja trabalhando sob a supervisão de uma publisher, deve-se redobrar a cautela com relação ao excesso de detalhes da documentação. Tudo o que for acordado por escrito será cobrado. Isso inclui os prazos de entrega que se estabelecerão. Estabelecimento de Etapas Com isto em mente, não se deve elaborar nada além do que for estritamente necessário para a etapa vigente do desenvolvimento do projeto, pois, completas as metas de cada etapa, serão realizadas as respectivas avaliações e testes antes que seja possível prosseguir à etapa seguinte.
  13. 13. METODOLOGIA ITERATIVA Design Avaliação Protótipo
  14. 14. ALGUMAS SUGESTÕES PRÁTICAS • Já durante a elaboração da mecânica, devem ser realizadas algumas perguntas: Estes componentes se complementam como objetos capazes de realizar ações combinadas? Eles são passíveis de sofrer alterações contextuais? Das ações realizadas podem emergir padrões comportamentais? Algum destes padrões pode ser danoso para a estabilidade do jogo? • Se a mecânica ainda não foi testada, não há porque trabalhar nos gráficos finais. Se a equipe houver devotado muito tempo à elaboração de recursos sobre fundamentos falhos, há risco de se encontrar dificuldade em abrir mão do que não está funcionando. • Com todos os elementos da mecânica funcionando e testados (inclusive do que diz respeito ao fator de diversão), é o momento para se criar uma fase completa e ter um olhar crítico sobre ela. Recomenda-se a construção de uma fase do meio do projeto, pois a primeira fase (cronologicamente) deve transmitir ao jogador o corpo e a totalidade do jogo. A fase final também deve estimular o jogador a continuar acompanhando o trabalho da desenvolvedora ou a aguardar por novos títulos do mesmo jogo.
  15. 15. ALGUMAS SUGESTÕES PRÁTICAS • Depois do desenvolvimento da fase completa, é importante realizar testes com diversos tipos de jogadores diferentes. Podem ser detectados problemas que não surgiram durante os testes de mecânica, como é o caso do balanceamento. Isso é comum quando os próprios programadores realizam os testes dos jogos que desenvolvem. • Deve-se manter a simplicidade. É muito mais fácil adicionar dificuldade a uma mecânica, do que torná-la mais simples depois de estruturada.
  16. 16. CONCLUSÃO • Sistemas Emergentes são Sistemas Complexos dos quais emergem comportamentos inesperados, graças às relações estabelecidas entre os componentes propostos. Podemos identificar em alguns jogos de videogame exemplos de sistemas emergentes. • Nos jogos, as regras são como paradigmas que, uma vez constituídos, não podem ser contestados, para o pleno funcionamento do sistema. Porém, um jogo é mais do que a soma de suas regras. Assim o game designer deve propor ações para jogadas significativas. Através da interpretação e articulação destas jogadas, emergirão comportamentos imprevistos. • Criar um videogame que corresponda a um sistema emergente é um trabalho que deve ser realizado da maneira mais estratégica possível, evitando esforços braçais para corrigir falhas que deveriam ser identificadas no início do projeto, ou o descarte de trabalhos elaborados de modo meramente intuitivo. Para tal, a cíclica metodologia iterativa mostra-se bastante adequada, oferecendo uma abordagem que parte da simplicidade para a complexidade, gerando-a através das combinações e contextualizações de seus elementos.
  17. 17. Julia Stateri – julia@oficinaludica.com.br OBRIGADA!

×