Os media nos percursos vivenciais dos seniores

544 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
544
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os media nos percursos vivenciais dos seniores

  1. 1. Projeto  Inclusão  e  Participação  Digital   (Programa  UTAustin  |  Portugal)       4  de  Novembro  de  20011,  Fundação  Calouste  Gulbenkian          Os  Seniores  na  Sociedade  da  Informação  e  da  Comunicação  –  Inquérito  sobre  a  Utilização  da  Internet  por  indivíduos  com  idade  igual  ou  superior  a  55  anos              Lídia  Oliveira  (lidia@ua.pt)  Departamento  de  Comunicação  e  Arte  –  Universidade  de  Aveiro  CETAC.MEDIA  -­‐  Communication Sciences and Technologies Centre - http://www.cetacmedia.org/    
  2. 2. Projeto  Inclusão  e  Participação  Digital    Conferência  –  4  de  Novembro  de  20011,  Fundação  Calouste  Gulbenkian  Os  Seniores  na  Sociedade  da  Informação  e  da  Comunicação  –  Inquérito  sobre  a  Utilização  da  Internet  por  indivíduos  com  idade  igual  ou  superior  a  55  anos       No  contexto  do  Projeto  Inclusão  Digital  foi  realizado  um  inquérito  por  questionário  (aplicado  com  colaboração  de  entrevistador)  em  Lisboa  e  no  Porto  ao  qual  responderam  756  indivíduos,  sendo  50,3%  masculinos  e  49,7%  femininos.     O  presente  documento  apresenta  os  resultados  dos  respondentes  com  idade  igual  ou   superior   a   55   anos   (entre   55   e   88   anos,   com   idade   média   de   64,55   anos),   que  responderam   ao   referido   inquérito   por   questionário.   Interessa   compreender   os  resultados   obtidos,   nomeadamente,   no   contexto   dos   dados   relativo   ao   contexto  nacional,  que  têm  vindo  a  ser  publicados  pelo  Obercom.    Caracterização  da  Amostra   Quanto   à   caracterização   da   amostra   dos   Seniores,   consideram-­‐se   as   variáveis  género  e  escolaridade,  para  além  da  idade:       Género   Cumulative     Frequency   Percent   Valid  Percent   Percent   Valid   Masculino   42   51,2   51,2   51,2   Feminino   40   48,8   48,8   100,0   Total   82   100,0   100,0                Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   2  
  3. 3.     Idade  do  entrevistado   Valid   Cumulative     Frequency   Percent   Percent   Percent   Valid   55   6   7,3   7,3   7,3   56   7   8,5   8,5   15,9   57   5   6,1   6,1   22,0   58   5   6,1   6,1   28,0   59   3   3,7   3,7   31,7   60   4   4,9   4,9   36,6   61   4   4,9   4,9   41,5   62   5   6,1   6,1   47,6   63   5   6,1   6,1   53,7   64   2   2,4   2,4   56,1   65   4   4,9   4,9   61,0   66   3   3,7   3,7   64,6   67   2   2,4   2,4   67,1   68   4   4,9   4,9   72,0   69   2   2,4   2,4   74,4   70   3   3,7   3,7   78,0   71   3   3,7   3,7   81,7   72   2   2,4   2,4   84,1   73   2   2,4   2,4   86,6   74   1   1,2   1,2   87,8   75   1   1,2   1,2   89,0   76   3   3,7   3,7   92,7   77   1   1,2   1,2   93,9   79   1   1,2   1,2   95,1   81   1   1,2   1,2   96,3   82   1   1,2   1,2   97,6   83   1   1,2   1,2   98,8   88   1   1,2   1,2   100,0   Total   82   100,0   100,0          Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   3  
  4. 4. No  que  diz  respeito  à  formação  a  amostra  apresenta  a  seguinte  distribuição:     Escolaridade   Cumulative     Frequency   Percent   Valid  Percent   Percent   Valid   1º  Ciclo   17   20,7   20,7   20,7   2º  Ciclo   6   7,3   7,3   28,0   3º  Ciclo   15   18,3   18,3   46,3   Secundário   24   29,3   29,3   75,6   Superior   20   24,4   24,4   100,0   Total   82   100,0   100,0       Ainda   no   sentido   de   compreender   o   contexto   familiar,   doméstico,   dos  respondentes   será   interessante   observar   com   quem   vivem   e   qual   a   influência   dos  diversos  atores  presentes  na  rede  ego-­‐centrada  de  cada  um.   Neste   sentido   foi   solicitado   ao   respondente   que     indicasse   quantas   pessoas   com  mais  de  18  anos  (incluindo  o  próprio)  e  quantas  pessoas  com  menos  de  18  anos  vivem  em  sua  casa.  Os  resultados  mostram  que:     Pessoas em casa com mais de 18 anos Cumulative Frequency Percent Valid Percent Percent Valid 1 38 46,3 46,3 46,3 2 28 34,1 34,1 80,5 3 13 15,9 15,9 96,3 4 3 3,7 3,7 100,0 Total 82 100,0 100,0   Pessoas em casa com menos de 18 anos Cumulative Frequency Percent Valid Percent Percent Valid 0 78 95,1 95,1 95,1 1 2 2,4 2,4 97,6 2 2 2,4 2,4 100,0 Total 82 100,0 100,0Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   4  
  5. 5. Verifica-­‐se   que   são   agregados   familiares   envelhecidos,   dos   quais   95%   não   tem  nenhum  elemento    com  menos  de  18  anos,  apenas  dois  respondentes  vivem  com  uma  pessoa  com  idade  inferior  a  18  anos  e  outros  dois  com  duas  pessoas  jovens.   No   que   respeita   a   coabitar   com   pessoas   com   idades   superior   a   18   anos   verifica-­‐se  que  quase  metade  vive  apenas  uma  pessoa,  como  a  questão  pedia  para  o  respondente  se   considerar   a   si   próprio,   conclui-­‐se   que   quase   metade   dos   respondentes   vive   sozinho,  o  que  traça  bem  o  cenário  da  potencial  solidão.  Se  analisarmos  os  resultados  para  um  agregado  de  duas  pessoas  maiores  de  18  anos,  verifica-­‐se  que  isso  ocorre  em  34,1%  dos  casos,  que  se  poderá  inferir  ser  o  companheiro(a).  Apenas  aproximadamente  um  quinto  (19,6%)   dos   respondentes   partilha   a   casa   com   maior   número   de   pessoas,   sendo  agregados  com  três  ou  quatro  membros,  incluindo  o  respondente.   Logo,   estamos   face   agregados   onde   predomina   o   isolamento   ou   um   número  mínimo  de  membros  tendencialmente  envelhecido.   Neste  contexto  doméstico  a  questão  relativa  aos  relacionamento  inter-­‐geracionais  e  à  potencialização  dessas  relações  no  sentido  de  fluxos  mutuamente  estimulantes,  se  coloca  de  forma  residual.  Ainda  assim,  poderemos  olhar  para  os  resultados  da  questão:  Quem   o   ensinou   a   usar   a   Internet?,     -­‐   em   que   se   procurava   compreender   a   influência  educativa  da  rede  familiar,  de  amizade,  da  escola,    -­‐  verifica-­‐se  que:     25,0   20,0   15,0   10,0   5,0   0,0       O   autodidatismo   é   a   situação   dominante.   As   pessoas   tendencialmente   vivem  sozinhas   e   aprendem   sozinhas.   Mesmo   as   que   vivem   acompanhadas   demonstram   não  usar  essa  rede  para  a  promoção  de  interajuda  na  aprendizagem.  Contudo,  as  rede  social  funciona  em  11%  dos  casos  com  os  amigos  ou  colegas  e  9,8%  com  os  filhos  e/ou  netos,  ou   seja,   há   ainda   assim   um   grupo   que   usufruí   da   dinâmica   interpares   e   outro   da  dinâmica  inter-­‐geracional.  No  que  concerne  à  aprendizagem  num  contexto  formal  com  ajuda  de  um  professor    apenas  em  2,4%  dos  casos  se  verifica.        Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   5  
  6. 6. Ecologia  Social  de  Utilização  da  Internet    Equipamento  existente  no  agregado  familiar   Os  usos,  ou  os  não-­‐usos,  ocorrem  em  contexto.  Um  dos  contextos  determinantes  do   perfil   caracterizador   dessa   dinâmica,   é   o   contexto   doméstico.   Este   é   tanto   mais   o  contexto   quanto   mais   a   população   que   estamos   a   observar   é   uma   população   que   vai  progressivamente   ficando   desvinculada   de   um   contexto   profissional,   quer   porque   se  aposenta,  quer  porque  fica  em  situação  de  desemprego.  É  importante,  portanto,  saber  que  tipo  de  dispositivos  estas  pessoas  dispõem  das  suas  casas  independentemente  de  fazerem  ou  não  uso  deles,  ou  seja,  trata-­‐se  de  compreender  o  ecossistema  ou  ecologia  social,  na  qual  os  seus  processos  cognitivos  e  sociais  ocorrem.   Os   resultados,   que   se   sistematizam   no   gráfico   que   se   segue   evidenciam   que   a  ecologia   tecno-­‐social   partilhada   por   todos   é   tecida   pela   presença   e   dinâmica  comunicacional   da   TV   generalista   de   sinal   aberto   e   do   telefone   móvel,   sendo   que   a  televisão  por  cabo  ou  satélite  está  presente  em  66%  dos  casos.     100%   90%   80%   70%   60%   50%   40%   30%   20%   10%   0%         No  que  respeita  a  tecnologias  mais  características  das  dinâmicas  comunicacionais  contemporâneas,  como  computadores  portáteis  e  dispositivos  com  ligação  à  Internet  a  percentagem   diminui   de   forma   considerável,   o   que   expressa   que   a   velocidade   de  adopção  destas  ferramentas  não  chegou  ainda  à  geração  sénior.     Mas,   para   compreendermos   melhor   o   índice   de   inclusão   na   sociedade   em   rede,  onde   a   ligação   à   Internet   é   o   indicador   principal   para   se   compreender   o   potencial   de  inclusão  e  participação  teremos  de  centrar  a  atenção  nos  resultados  à  questão  sobre  o  uso,  ou  não  usos,  que  estes  indivíduos  fazem  da  rede.    Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   6  
  7. 7. Para   complementar   o   contexto   de   uso   da   tecnologia   importa   compreender   em  que   percentagem   são   utilizadores   da   Internet   e   em   que   contextos   fazem   esse   acesso.   A  questão  colocada  era:  “Que  frase  descreve  melhor  o  seu  uso  da  Internet?”       Que  frase  descreve  melhor  o  seu  uso  da  Internet?   Eu  nunca  quis  usar  a  internet   Já  fui  utilizador  da  internet  mas  agora  não  sou   Eu  nunca  usei  a  internet   Eu  uso  muito  frequentemente  a  internet   Existem  períodos  que  uso  frequentemente  e   0   5   10   15   20   25   30   35   40   45           Com  estes  resultados  a  nossa  amostra  passa  a  estar  divida  em  duas  subamostras:  os   utilizadores   da   Internet   (quem   usa   frequentemente   (26,8%)   e   os   que   umas   vezes  usam  frequentemente    e  noutros  períodos  usam  pouco  (43,9%))  e  os  não  utilizadores  da  Internet.   Estes   últimos   serão   tratados   em   tópicos   específico.   No   que   diz   respeito   aos  dados  daqui  para  a  frente  apresentado  e  tratados,  opta-­‐se  por  considerar  os  70,7%  dos  utilizadores  como  a  amostra  e  não  se  incluem  as  não  respostas  nos  resultados  (tabelas,  gráficos),   por   efetivamente   dizerem   respeito   aos   não   utilizadores,   que   em   números  absolutos  são:  vinte  que  afirmaram  nunca  ter  usado  a  Internet,  um  nunca  ter  querido  usar  e  um  já  ter  sido  utilizador,  mas  agora  já  não  ser  e  um  que  não  responde.      Locais  de  conexão  rizomática     Como   se   pode   verificar   no   gráfico   que   se   segue   o   lar   é   o   lugar   com   maior  expressão  quando  se  trata  de  aceder  à  Internet,  seguido  das  bibliotecas:    Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   7  
  8. 8. Acesso  no  telemóvel   Acesso  na  escola  ou  na   Acesso  em  casa  de  um  amigo  ou   Acesso  num  cibercafé   Acesso  no  trabalho   Acesso  na  biblioteca   Acesso  em  casa   0   10   20   30   40   50   Em  que  locais  tem  acesso/utiliza  a  Internet  (navegar,  chat,  e-­‐mail)        Dinâmicas  de  utilização  e  respetiva  frequência   Quais   as   tarefas   que   os   maiores   de   55   anos   fazem   usando   a   Internet   como  mediador   e   com   que   intensidade   o   fazem?   Estão   criadas   novas   rotinas   cognitivas   e  sociais?       Participar  em  fóruns   Publicar  informação  (blogs,  comentários   Pagar  compras  (livros,  viagens,  etc.)   Fazer  downlods  de  música  ou  _ilmes   Fazer  chamadas  telefónicas  pelo   Produzir  conteúdos  para  divulgação  pela   Frequentemente   Participar  em  redes  sociais  (Facebook,   Regularmente   Jogar  online   Raramente   Ver  vídeos  (por  ex.  Youtube)   Nunca   Utilizar  programas  de  mensagens   Ver  informação  sobre  desporto,  música,   Pagar  serviços/formulários   Aceder  a  informação  para  elaborar   Ver  informação  sobre  política,  economia   Consultar  e-­‐mail   0%   10%   20%   30%   40%   50%   60%   70%   80%   90%  100%       Utilização  da  Internet  Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   8  
  9. 9.   Da   análise   do   gráfico   verifica-­‐se   que   os   serviços   que   são   utilizados   com   maior  frequência  são  serviços  miméticos  de  serviços  pré-­‐Internet,  ou  seja,  o  e-­‐mail  mimetiza  o  correio   postal,   ver   informação   sobre   política,   economia,   etc.   mimetiza   a   consulta   de  jornais,   aceder   a   material   para   elaborar   trabalhos   mimetiza   o   acesso   a   livros   e  enciclopédias  para  a  elaboração  dos  referidos  trabalhos.  Todos  os  serviços  que  implicam  uma   mudança   na   lógica   de   uso   e/ou   na   linguagem   têm   um   índice   de   frequência   de  utilização  baixíssima.  Ou  seja,  quando  se  salta  de  uma  lógica  de  recepção/consumo  para  uma   lógica   de   produção   e   participação,   bem   como   da   linguagem   escrita,   para   a  linguagem   multimédia   interativa   o   cenário   de   adesão   altera-­‐se   radicalmente.   De   fato,  usar   serviços   que   implicam   que   o   utilizador   passe   de   consumidor   a   produtor   de  conteúdos   e   dinamizador   de   relacionamentos   envolve   o   domínio   de   competências   info-­‐comunicacionais  que  precisam  de  ser  apreendida/aprendidas  e  que  não  se  transferem  por  efeito  mimético  para  o  ciberespaço.   Outra  competência  que  é  necessário  ter  e  exercer  quando  se  navega  na  Internet  é  a  noção  que  nem  toda  a  informação  disponível  é  credível  e  que,  ao  contrário  das  fontes  editoriais   pré-­‐Internet   que   tinham   um   editor,   alguém   responsável   pelos   critérios   de  seleção   e   ordenação   da   informação   publicada,   na   Internet   desaparece   o   editor   e   o  receptor   assume   o   estatuto   de   autor.   Logo,   o   esquema   de   filtragem   e   construção   de  uma   visão   global   e   coerente   dos   assuntos   desaparece.   Como   diria   Edgar   Morin   a  necessidade   do   exercício   crítico   e   higiene   do   espírito   crescem   exponencialmente.   Que  tipo  de  preocupação  têm  os  maiores  de  55  anos    face  à  informação  que  consultam  na  Internet?       Não  me  preocupo  com  a   origem  da  informação   Sim,  preocupo-­‐me,  e   procuro  identi_icar  o   autor  do  conteúdo  ou   site  e  comparo  os  sites         Os   resultados   globais   evidenciam   que   há   ainda   quase   metade   dos   utilizadores  (49,2%)  que  não  se  preocupam  com  a  origem  da  informação,  contra  um  pouco  mais  de  metade   (50,8%)   que   demonstra   uma   atitude   crítica   e   analítica   face   à   informação   que  encontra   na   Internet.   Será   importante   cruzar   estes   resultados   com   outras   variáveis,  Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   9  
  10. 10. como  a  escolaridade  para  compreender  se  há  fatores  que  potenciam  esta  atitude  mais  preocupada.   Será   que   esta   informação   recolhida   na   Internet,   com   mais   ou   menos   filtragem  crítica  é  usada  apenas  para  consumo  imediato  ou  acaba  por  ser  guardada  e  fazer  parte  dos  referenciais,  dos  favoritos,  e  reutilizada  para  construir  outros  conteúdos?     Consulto  e  faço  copy/paste  directamente  para   o  trabalho  que  estou  a  fazer   Consulto  e  habitualmente  guardo  nos  favoritos   Consulto  e  habitualmente  guardo  para  analisar   posteriormente   Consulto,  e    habitualmente  não  preciso  de   guardar   0   10   20   30   40   50   60       A  maioria  faz  um  consumo  imediato  sem  registo  para  uso  futuro.  Talvez  também  aqui  se  verifique  o  mimetismo  da  estratégia  de  consumo  dos  meios  de  comunicação  de  massa  (mass  media)  em  que  impera  o  efémero.       Considerando   ainda   a   problemática   da   literacia   info-­‐comunicacional,   com   as  diferentes   competências   necessárias   a   sobreviver   e   usufruir   de   forma   protegida   do  ciberespaço,   é   importante   compreender   o   que   é   que   efetivamente   os   seniores  consideram  que  sabem  fazer.  A  questão  era:  Que  coisas  destas  sabe  fazer  na  Internet?      Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   10  
  11. 11. Alterar  as  de_inições  de  privacidade  no   per_il  de  uma  rede  social   Comparar  sites  diferentes  para  veri_icar   se  a  informação  é  verdadeira   Bloquear  publicidade  indesejada  ou  lixo   sim   Não   electrónico   Apagar  o  registo  dos  sites  que  visitou   Marcar  um  site,  ou  seja,  adicioná-­‐la  aos   "Favoritos"   0%   20%   40%   60%   80%   100%       Os  resultados  evidenciam  que  à  medida  que  o  grau  de  complexidade  na  proteção  dos   dados   pessoais   aumenta,   menor   é   o   número   de   utilizadores   que   assume   saber  manusear   essas   funções.   Apenas   20,4%   sabe   alterar   as   definições   de   privacidade   no  perfil   da   rede   social   e   apenas   40,4%   sabe   bloquear   publicidade   indesejada   ou   lixo  electrónico.  Estes  resultados  demonstram  existir  uma  grande  fragilidade  desta  camada  populacional  face  às  ameaças  que  sempre  espreitam  em  cada  esquina  on-­‐line.    Percepção  da  utilidade  da  Internet     Do  trabalho  ao  entretenimento,  da  máxima  concordância  ao  uma  não  apropriação  para  fruição  social  e  lúdica.       Grau  de  concordância  /  discordância  face  às  afirmações      Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   11  
  12. 12. Há   percepção   de   utilidade   da   Internet   para   a   atividade/trabalho   que   se   exerce,  mas   contrariamente   às   dinâmicas   juvenis   em   que   a   Internet   é   apropriada   como   uma  plataforma   social   e   de   entretenimento,   neste   caso   essas   componentes   são  desvalorizadas.   Este   fato   é   tanto   mais   considerável   na   presente   amostra   quanto   uma  percentagem  significativa  vive  sozinha  ou  apenas  com  o(a)  companheiro(a).  Logo,  num  contexto   propenso   a   solidões   seria   expectável,   ou   talvez   não,   a   potenciação   da  dimensão  social  e  lúdica  da  rede.   Para   dar   uma   leitura   mais   completa   a   estes   dados   é   pertinente   observar   os  resultados   obtidos   na   questão:   “Desde   que   começou   a   usar   a   internet   aumentou,  manteve  ou  diminuiu  o  seu  contacto  com  as  seguintes  pessoas?”     Pessoas  com  quem  partilho  os  mesmos   interesses  pessoais  e  passatempos   Aumentou   Amigos  e  família  que  vive  perto   Manteve   Diminuiu   Amigos  e  família  que  vive  longe   0%   10%   20%   30%   40%   50%   60%   70%   80%   90%  100%         Destaca-­‐se  a  ausência  de  efeito  negativo  da  Internet  nos  relacionamento  familiar  e  na  rede  de  pares.  Tendo  para  um  pouco  mais  de  um  quarto  dos  respondentes  tido  um  efeito   de   aumento   dos   contatos,   32,1%   para   familiares   que   estão   longe,   25,9%   para  familiares   que   vivem   perto   e   31%   com   as   pessoas   com   quem   partilham   interesse   e  passatempos,   o   que   revela   a   dimensão   agregação   social   que   está   na   sua   matriz  essencial.      De  consumidor  a  prosumidor   Qual   será   a   experiência   e   o   interesse   de   criação   de   conteúdos   das   pessoas   cujo  percurso   de   vida   já   entrou   numa   fase   de   maturidade,   com   experiências,   histórias,  conhecimentos  e  tudo  o  mais  para  partilhar,  para  que  não  ocorra  o  que  Boaventura  de  Sousa  Santos  denomina  como  desperdício  da  experiência  que  pode  ser  um  desperdício  por   falta   de   atenção   e   conhecimento   de   culturas   diferentes   e   cosmovisões  diferenciadas,  mas  também  desperdício  intergeracional.    Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   12  
  13. 13. Construir  o  meu  próprio  blog   Contribuir  para  um  site  colaborativo   Fiz   Contatar  um  político  on-­‐line   Interesse  em  fazer   Construir  o  meu  próprio  site   Sem  interesse   Criar  a  minha  própria  página/per_il   Fazer  comentários  que  contribuam   Assinar  uma  petição  on-­‐line   Carregar  fotos,  vídeo,  música  num   0%   20%   40%   60%   80%   100%       Destacam-­‐se   por   terem   sido   menos   feitas   a   construção   do   próprio   blog,   com  apenas  5,6%,  o  que  surpreende,  numa  sociedade  em  que  os  blogs  pela  sua  facilidade  de  construção   passaram   a   ser   o   espaço   de   expressão   do   eu,   mais   do   que   fazer   um   site  pessoal,  que  neste  caso  teve  13,2%  que  já  o  fizeram.   O  carregar    fotos,  vídeos  e  música  num  site  foi  a  atividade  que  maior  número  dos  respondentes  já  fez,  com  36,8%.  Segue-­‐se  a  assinatura  de  petições  on-­‐line,  com  31,6%,  o  que  denota  uma  oportunidade  de  participação  cívica  e  democrática  aberta  pelo  uso  da  Internet.        Os  não  utilizadores  da  Internet    Razões  para  não  usar  a  Internet   A  principal  a  razão  para  não  usar  a  Internet  é  não  ter  efetivamente  acesso  a  esse  bem/serviço  (60,9%),  seguida  pela  percepção  de  ausência  de  necessidade  quer  do  ponto  de  vista  profissional  que  pessoal.     Rejeito  tudo  o  que  está  relacionado  com  a   Faz  mal  à  saúde   Acho  que  não  consigo  funcionar  com  a  Internet   O  equipamento  que  tenhoo  no  emprego/escola   É  demasiado  cara   Não  tenho  tempo  /não  gosto   Não  preciso  nem  para  o  emprego  nem   Não  tenho  acesso   0   10   20   30   40   50   60   70     Principais  motivos  apresentados  pelos  não  utilizadores    Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   13  
  14. 14. O  argumento  de  ser  demasiado  cara,  com  17,4%,  reforça  a  ideia  de  não  acesso  por  privação   de   meios.   Há   ainda   a   sublinhar   que   17,4%   alega   não   ter   tempo   e/ou   não  gostar.     No   que   respeita   aos   dois   utilizadores   que   declararam   que   tinham   sido   utilizadores  da  Internet,  mas  tinham  deixado  ser,  um  apresentou  como  razão  o  fato  de  ter  perdido  o  interesse  e  outro  que  a  Internet  é  demasiado  cara.    O   que   desperta   o   interesse   em   usar   aos   não   utilizadores   –   quais   as   finalidades  desejadas   Apesar   de   não   utilizadores   estes   indivíduos   estão   mergulhados   numa   dinâmica  social   em   que   as   tecnologias   de   informação   e   comunicação   digitais   e   a   Internet   estão  disseminadas  e  naturalizadas  na  grande  maioria  dos  processos.  Sendo  assim,  é  natural  que  criem  uma  expectativa,  um  desejo  de  uso  de  algumas  funcionalidades  e  serviços.  Os  resultados   evidenciam   que   o   que   é   mais   desejado   é   a   consulta   de   informação   sobre  doenças  e  questões  de  saúde  com  73,9%  dos  respondentes  a  afirmar  ter  interesse  nesta  possibilidade.   Considerando   a   idade   que   traz   novos   desafios   ao   nível   da   saúde   é   natural  esta  escolha,  mas  não  deixa  de  ser  interessante  que  tenham  a  percepção  que  a  Internet  pode  ser  um  mediador  no  acesso  a  esse  tipo  de  informação.     Comprar  coisas  pela  Internet  e  usar   Consultar  serviços  locais  (cinema,   Preencher  documentos  on-­‐line  (IRS,   Sim   Transferir  fotogra_ia  de  uma  câmara   Não   Consultar  informações  sobre  serviços   Usar  a  Internet  para  telefonar  a  amigos   Consultar  informação  sobre  doenças  e   0   20   40   60   80   100     Motivos  de  interesse  para  usar  a  Internet,  por  parte  dos  não  utilizadores     Uma   percentagem   significativa   mostra   interesse   pelas   várias   possibilidades,   a  única  que  ficam  com  um  valor  abaixo  dos  50%  é  o  interesse  por  comprar  pela  Internet  e  usar   os   serviços   do   seu   banco.   Talvez   aqui   exista   uma   percepção   de   insegurança   e  perigos  não  controlados,  nomeadamente,  pelo  fato  de  por  serem  não  utilizadores,  e  a  sensação  de  domínio  ser  ainda  menor.     Enfim,  utilizadores  (e  não  utilizadores)  ainda  em  processo  de  apropriação  de  uma  dinâmica  que  cada  vez  menos  podem  ignorar,  porque  os  pressiona,  e  os  chega  mesmo  a  violentar,  aliás,  como  qualquer  processo  de  inclusão!  A  inclusão  digital  não  deixa  de  ter  também  duas  faces  a  considerar  na  reflexão.  Lídia  Oliveira  –  lidia@ua.pt   14  

×