SlideShare uma empresa Scribd logo

Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen

G
GETACS

Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen

1 de 103
Baixar para ler offline
Lavouras para
altos rendimentos
Dirceu Gassen, Rafael Marcon,
       Bernardo Tisot

        Cooplantio
                                1
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
Matriz – Eldorado do Sul/RS
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
6
Anúncio

Recomendados

Agric prec 25set2013 b
Agric prec 25set2013 bAgric prec 25set2013 b
Agric prec 25set2013 bDirceu Gassen
 
Qual a diferença entre fertilidade do solo e nutrição da planta josé laerc...
Qual a diferença entre fertilidade do solo e nutrição da planta    josé laerc...Qual a diferença entre fertilidade do solo e nutrição da planta    josé laerc...
Qual a diferença entre fertilidade do solo e nutrição da planta josé laerc...Revista Cafeicultura
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESGeagra UFG
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesBruno Rodrigues
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaGeagra UFG
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGeagra UFG
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosSabrina Nascimento
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulProva de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulAndré Fontana Weber
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasAna Carolina Boa
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxMateusGonalves85
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxGeagra UFG
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Ediney Dias
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertiajrturra
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaGeagra UFG
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresGeagra UFG
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazieloRevista Cafeicultura
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades soloElton Mendes
 
Comportamento de herbicidas no solo
Comportamento de herbicidas no soloComportamento de herbicidas no solo
Comportamento de herbicidas no soloRonaldo Cunha Coelho
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOGeagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
 
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubosMáquinas de aplicação de corretivos e adubos
Máquinas de aplicação de corretivos e adubos
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulProva de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantas
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptxNUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DE SORGO E MILHETO.pptx
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
2ª aula erosao
2ª aula erosao2ª aula erosao
2ª aula erosao
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 
Comportamento de herbicidas no solo
Comportamento de herbicidas no soloComportamento de herbicidas no solo
Comportamento de herbicidas no solo
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 

Destaque

Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaGustavo Avila
 
Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaGustavo Avila
 
Soja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare ForceliniSoja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare ForceliniGETACS
 
Doenças soja
Doenças soja Doenças soja
Doenças soja André Sá
 
Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita
Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita
Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita Geagra UFG
 
Soja - Pragas (Insetos soja)
Soja - Pragas   (Insetos soja)Soja - Pragas   (Insetos soja)
Soja - Pragas (Insetos soja)André Sá
 
Apresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaApresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaGeagra UFG
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJAGeagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAGeagra UFG
 
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...João Siqueira da Mata
 
Adubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada SojaAdubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada SojaGustavo Avila
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJAGeagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA Geagra UFG
 
Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação Soja
Epoca de Semeadura Verão Inverno   Apresentação SojaEpoca de Semeadura Verão Inverno   Apresentação Soja
Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação SojaGustavo Avila
 

Destaque (20)

Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da SojaApresentação   Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
Apresentação Aspectos Fisiológicos da Cultura da Soja
 
Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
 
Soja
SojaSoja
Soja
 
Soja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare ForceliniSoja 2010 Hectare Forcelini
Soja 2010 Hectare Forcelini
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Doenças soja
Doenças soja Doenças soja
Doenças soja
 
Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita
Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita
Dessecação na Cultura da Soja: Pré-Colheita
 
Soja - Pragas (Insetos soja)
Soja - Pragas   (Insetos soja)Soja - Pragas   (Insetos soja)
Soja - Pragas (Insetos soja)
 
Fertilidade do solo potássio
Fertilidade do solo   potássioFertilidade do solo   potássio
Fertilidade do solo potássio
 
Apresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaApresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de Soja
 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJAFIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
FIXAÇÃO BIOLÓGICA NA SOJA
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Pragas da Soja
Pragas da SojaPragas da Soja
Pragas da Soja
 
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
Problemas de nutrição e de doenças de plantas na agricultura moderna: Palestr...
 
Adubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada SojaAdubação Nitrogenada Soja
Adubação Nitrogenada Soja
 
Aplicação de-defensivos
Aplicação de-defensivosAplicação de-defensivos
Aplicação de-defensivos
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Plantabilidade da soja
Plantabilidade da sojaPlantabilidade da soja
Plantabilidade da soja
 
Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação Soja
Epoca de Semeadura Verão Inverno   Apresentação SojaEpoca de Semeadura Verão Inverno   Apresentação Soja
Epoca de Semeadura Verão Inverno Apresentação Soja
 

Semelhante a Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen

Pratini Moraes: como alimentar o mundo
Pratini Moraes: como alimentar o mundoPratini Moraes: como alimentar o mundo
Pratini Moraes: como alimentar o mundoNFT Alliance
 
090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP
090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP
090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SPMiguel Cavalcanti
 
Erradicação da Pobreza
Erradicação da PobrezaErradicação da Pobreza
Erradicação da PobrezaGleisi Hoffmann
 
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09BeefPoint
 
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04Iochpe-Maxion
 
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04Iochpe-Maxion
 
Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09JBS RI
 
A situação atual do crédito no agronegócio marcelo fernandes guimarães
A situação atual do crédito no agronegócio   marcelo fernandes guimarãesA situação atual do crédito no agronegócio   marcelo fernandes guimarães
A situação atual do crédito no agronegócio marcelo fernandes guimarãesagro_SEBRAE
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...AES Eletropaulo
 
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07Localiza
 
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07Localiza
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)AES Eletropaulo
 
Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010
Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010
Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010BeefPoint
 

Semelhante a Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen (20)

Pratini Moraes: como alimentar o mundo
Pratini Moraes: como alimentar o mundoPratini Moraes: como alimentar o mundo
Pratini Moraes: como alimentar o mundo
 
090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP
090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP
090720 Vencofarma - Tendencias Perspectivas Mercado Do Boi - Sao Paulo SP
 
Apres Banco Do Brasil 2009
Apres Banco Do Brasil 2009Apres Banco Do Brasil 2009
Apres Banco Do Brasil 2009
 
Erradicação da Pobreza
Erradicação da PobrezaErradicação da Pobreza
Erradicação da Pobreza
 
Ipeaindicedepobreza
IpeaindicedepobrezaIpeaindicedepobreza
Ipeaindicedepobreza
 
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
JBS - Divulgação dos Resultados do 1T09
 
Pim pf outubro 2012 ibge
Pim pf outubro 2012 ibgePim pf outubro 2012 ibge
Pim pf outubro 2012 ibge
 
Pim pf brasil janeiro 2013
Pim pf brasil janeiro 2013Pim pf brasil janeiro 2013
Pim pf brasil janeiro 2013
 
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
 
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
Iochpe-Maxion - Apresentação dos Resultados 1T04
 
Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09Apresentação dos Resultados do 1T09
Apresentação dos Resultados do 1T09
 
A situação atual do crédito no agronegócio marcelo fernandes guimarães
A situação atual do crédito no agronegócio   marcelo fernandes guimarãesA situação atual do crédito no agronegócio   marcelo fernandes guimarães
A situação atual do crédito no agronegócio marcelo fernandes guimarães
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port [modo de compatibi...
 
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
 
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
ApresentaçãOdos Resultadosdo2 T07
 
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
Apresentação sem discurso 2 t10 aes eletropaulo final_port (final)
 
Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010
Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010
Mercado do Boi Gordo, Economia e Política em 2010
 
Raio- X das Relações Bilaterais Brasil- China ( Março 2012)
Raio- X das Relações Bilaterais Brasil- China ( Março 2012)Raio- X das Relações Bilaterais Brasil- China ( Março 2012)
Raio- X das Relações Bilaterais Brasil- China ( Março 2012)
 
Rendimento3
Rendimento3Rendimento3
Rendimento3
 
PIN-PF Brasil - Outubro 2011
PIN-PF Brasil - Outubro 2011PIN-PF Brasil - Outubro 2011
PIN-PF Brasil - Outubro 2011
 

Último

1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 

Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen

  • 1. Lavouras para altos rendimentos Dirceu Gassen, Rafael Marcon, Bernardo Tisot Cooplantio 1
  • 6. 6
  • 7. 7
  • 9. Victor Trucco, Revista Plantio Direto, jul-ago 2010
  • 12. 12
  • 17. Renda, produção e preço de trigo Renda R$/ha 1050 20 25 R$ 30/sc 700 600 350 350 150 100 0 -150 30sc/ha R$ 750/ha 50sc/ha R$ 900/ha 70sc/ha R$ 1050/ha
  • 19. t/ha 2,7 2,7 2,3 2,4 2,0 2,1 2,0 2,0 2,0 1,9 1,9 1,8 1,7 1,7 1,7 1,7 1,6 1,6 1,6 1,6 1,5 1,4 1,1 1,0 0,7 0,7 Fonte: Conab Emater 1985 1987 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009
  • 20. t/ha 8,6 Milho: + 98% (2894 kg/ha) 7,9 7,5 7,2 6,7 6,3 5,9 5,8 5,6 5,6 5,5 5,1 5,0 4,8 4,7 4,4 3,8 3,9 3,6 3,7 3,5 3,2 3,2 3,0 3,0 2,8 2,7 2,8 2,6 2,5 2,6 2,4 2,2 1,5 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009
  • 21. t/ha 8,9 8,7 8,2 8,0 7,7 7,0 Milho RS 6,6 Milho: + 143 % (4622 kg/ha) Milho - J.Xavier 4,4 3,8 3,9 3,2 3,0 2,7 2,8 1,5 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
  • 22. t/ha 8,9 8,7 8,2 8,0 7,7 7,0 Milho RS 6,6 Milho: + 143 % (4622 kg/ha) Milho - J.Xavier 4,4 3,8 3,9 3,2 3,0 2,7 2,8 1,5 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
  • 23. 4 t/ha Soja: + 49 % (906 kg/ha) 3,6 4 3,4 3,1 3,1 3,1 3 3,0 3,0 2,8 2,7 2,7 2,7 2,6 2,6 2,6 2,6 3 2,4 2,5 2,3 2,3 2,0 2,0 2,1 2 2,0 1,9 2,0 1,7 1,7 1,7 1,6 1,6 2 1,5 1,4 1,3 1 Soja RS 0,7 1 Soja, Faxinal Sul 0 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 2009
  • 24. 4 t/ha 4 3,5 3,4 3,3 3,2 3,1 3 Soja: + 56 % (1061 kg/ha) 2,8 2,8 2,7 2,6 3 2,0 2,1 2 2,0 1,7 2 1,4 1,4 Soja RS 1 0,7 Soja - J.Xavier 1 0 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
  • 25. Trigo Quantas espigas/m2? Quantos grãos/espiga? Quantos grãos/m2 para 1sc/ha?
  • 26. Produção de Trigo 40 grãos/espiga (8 pares de espiguetas - 2,5 grãos/espigueta - 30 g/mil grãos) 5 espigas/m2: 60 kg/ha (2.000.000 grãos) 150 espigas/m2: 30 sacos/ha 300 espigas/m2: 60 sacos/ha 450 espigas/m2: 90 sacos/ha
  • 29. Espigamento Componentes rendimento 1. Número de espigas/m2 2. Número de grãos/espiga 3. Peso de grãos Elongamento 3 Afilhamento IAF folhas 4:1 Parte aérea 0 10 20 30 40 50 60 70 dias Semente sadia Raízes Raízes Raízes Índice de área foliar Semeadura Nutrição Nutrição Radiação solar Água/germinar Planta daninha Sol, To... Sol, to, vento...
  • 31. t/ha Hoeft, 2003 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 1860 1870 1880 1890 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 32
  • 32. O potencial da lavoura de milho se define na Florescimento IAF 4:1 semeadura 12 folhas 7-8 folhas 4 folhas 2 folhas Parte aérea 0 10 20 30 40 50 60 70 dias Semente sadia Raízes Raízes Raízes Índice de área foliar Água/germinar Nutrição Nutrição Radiação solar Semeadura Planta daninha Sol, to... Sol, to, vento...Fanceli & Dourado Neto 33
  • 33. 34
  • 34. População de plantas Fileiras por espiga 14 18 Grãos por fileira Peso de grãos 35
  • 35. 36
  • 36. Como ajudar a planta? 37
  • 37. Qual a necessidade da semente? Água Oxigênio! 38
  • 38. 39
  • 39. 40
  • 40. 41
  • 41. 42
  • 42. Plúmula Coleóptilo Raízes seminais 43
  • 43. 44
  • 44. 45
  • 45. 46
  • 46. 2,5 5,0 7,5 10,0 cm 47
  • 47. 2,5 5,0 7,5 10 cm Raízes coronais Raízes seminais Mesocótilo 48
  • 48. Profundidade: < 3 cm: problema 3 a 5 cm: bom > 7 cm: sepultar 49
  • 49. 50
  • 50. 51
  • 51. 52
  • 52. 53
  • 53. 54
  • 54. 55
  • 55. População de plantas 80 cm 50 cm 5 plantas/m2 6 plantas/m2 56
  • 56. 75 cm 50 cm 57
  • 57. 62.500 plantas 62.500 plantas 80 cm X 20 cm 40 cm X 40 cm 58
  • 58. 59
  • 59. 240 g 60
  • 61. 62
  • 62. 63
  • 63. 64
  • 64. 65
  • 65. 66
  • 69. Nutrição de plantas 16 a 20 elementos essenciais e necessários
  • 71. H + O 41% NPKSCa.. 9% Carbono 50% DN Gassen
  • 73. Quanto é 1% MO solo? 74
  • 74. 75
  • 75. 76
  • 76. 78
  • 77. 79
  • 78. 80
  • 79. 81
  • 80. 82
  • 81. 83
  • 82. 84
  • 83. 85
  • 84. 86
  • 85. 87
  • 86. 88
  • 87. 89
  • 88. 90
  • 90. 92
  • 91. Molibdênio 12 a 30 g/ha Cobalto 1 a 3 g/ha 93
  • 94. 96
  • 95. 97
  • 97. 100
  • 98. DNGassen 101
  • 99. 102
  • 100. 103
  • 101. 104
  • 102. 105
  • 103. Obrigado Dirceu N. Gassen, Rafael Marcon, Bernardo Tisot Cooplantio