Estrutura
BactEriana
turma 203
-LaurianE
-isadora
A bact éria é
compost a por:• Cromossomos
O cromossomo que está presente nas bactérias é circular e possui
uma única moléc...
• Ribossomos
• Dispersos no interior da célula, esta estrutura é responsável pela síntese de
proteínas.
• Grânulos de Rese...
• Cápsulas
• É uma camada que recobre a parede celular, polissacarídica geralmente, mas
podem ser proteínadas também. Esta...
• Esporos- estruturas responsáveis por uma resistência ao meio externo quando
este é desfavorável à sobrevivência da bacté...
Classificação
morfológica das
bactérias:COCOS – bactérias de formato arredondado
Classificação das
bactérias:
 
DIPLOCOCOS – cocos que formam colônias aos pares.
Classificação das
bactérias:
 
ESTAFILOCOCOS – cocos que, formando colônias, dispõe-se de
maneira semelhante a cachos de u...
Classificação das
bactérias:
 
ESTREPTOCOCOS – cocos que, formando colônias, ficam enfileirados
Classificação das
bactérias:
 
BACILOS – bactérias em formato de bastonete
Classificação das
bactérias:
 
DIPLOBACILOS – bacilos que formam colônias aos pares
Classificação das
bactérias:
 
ESTREPTOBACILOS – bacilos que, formando colônias, dispõem-se em
filas
Classificação das
bactérias:
 
ESPIRILOS- Bactérias em formato de espiral
Classificação das
bactérias:
 
VIBRIOES- Bacterias em formato de virgula, como um bacilo
torto.
Classificação das
bactérias:
 
As bactérias tipo bacilo são responsáveis por doenças como tuberculose,
lepra, Difteria, Té...
Classificação das
bactérias:
 
Mét odo de Gram:
Criado pelo médico dinamarquês Hans Christian Joachim
Gram (1853-1938) em ...
Classificação das
bactérias:
  O método de Gram consiste em expor as bactérias à seguinte sequência:
Corante primário: vio...
Classificação das
bactérias:
 
As bactérias Gram positivas apresentam uma parede espessa,
homogênea, geralmente não estrat...
Classificação das
bactérias:
 
As bactérias Gram negativas apresentam uma parede estratificada
constituída por uma membran...
Reprodução das
bact érias:As bactérias apresentam reprodução assexuada por bipartição. No entanto, é
possível encontrarmos...
Reprodução das
bact érias:As bactérias apresentam reprodução assexuada por bipartição. No entanto, é
possível encontrarmos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação bacterias

352 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
352
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação bacterias

  1. 1. Estrutura BactEriana turma 203 -LaurianE -isadora
  2. 2. A bact éria é compost a por:• Cromossomos O cromossomo que está presente nas bactérias é circular e possui uma única molécula de DNA. Algumas fontes bibliográficas o designam não como cromossomo, mas como corpo cromatínico, por não o considerarem como um cromossomo verdadeiro. Este cromossomo carrega as informações genéticas da célula, tornando-o apto a realizar a auto-replicação cromossômica. • Plasmídeo Esta estrutura é uma pequena molécula de DNA e NÃO  está presente em todas as bactérias. Seus genes não são codificadores de informações e características essenciais, mas dependendo da situação ambiente a que esta célula é exposta, pode ter alguma vantagem seletiva em relação às outras bactérias que não possuem o plasmídeo, como por exemplo quando são expostas à antibióticos. O plasmídeo protege a célula da ação antibiótica. Eles se autoduplicam, independentemente dos cromossomos. São trocadas pelo pili, quando este se liga ao de uma outra bactéria.   • Hialoplasma Isto é um líquido gelatinoso, composto por saia, glicose e outras
  3. 3. • Ribossomos • Dispersos no interior da célula, esta estrutura é responsável pela síntese de proteínas. • Grânulos de Reserva • Neste tipo de célula o acúmulo de reservas acontece, mas é feito de maneira diferente das celulas eucariotecas. Aqui são formados grânulos insolúveis em , compostos de glicose, ácido beta-hidroxibutírico e fosfato, formando cadeias complexas de açúcares. • Membrana Celular • Esta membrana é na verdade uma camada dupla de fosfolipidios, mas também contem proteínas essenciais auxiliadoras na permeabilidade de nutrientes, na defesa e na produção de energia.Respiração, Nutrição. • Parede Celular • A parede recobre a membrana, e é ela quem confere alguma forma à bactéria constituída por um complexo protéico - glicídico (proteína + carboidrato). Não é uma estrutura simples, e em algumas espécies é possível observar as endotoxinas, substâncias que induzem o sistema imune a ter uma reação exacerbada (conhecida como choque séptico) e provocar a morte do próprio hospedeiro.
  4. 4. • Cápsulas • É uma camada que recobre a parede celular, polissacarídica geralmente, mas podem ser proteínadas também. Esta estrutura mantém a célula bacteriana resistente à fagocitose. É encontrada principalmente nas bactérias patogênicas. • Flagelo • Esta estrutura é responsável pela motilidade da bactéria, são apêndices filiforme presos à membrana plasmatica e são proteinados. Fímbrias • Também conhecidas como “pili”, estas estruturas são microfibrilas (curtas e finas) protéicas, características das bactérias gram-negativas e diferentemente dos flagelos, não servem para locomoção, mas para adesão. Existe ainda um tipo específico de fímbria, a sexual. Esta serve para auxiliar no processo de conjugação, ligando as bactérias para que troquem material genetico. • Citoplasma - formado pelo Hialoplasma e pelos Ribossomos. Ausência de organelas membranosas. Onde ocorrem a maioria das reações químicas da célula. • Nucleóide - é a região onde se concentra o cromossomo bacteriano, constituído por uma molécula circular de DNA. É o equivalente bacteriano dos núcleos de células eucariontes. Não possui carioteca ou envoltório nuclear. Além do DNA presente no nucleóide, a célula bacteriana pode ainda conter moléculas adicionais de DNA, chamadas Plasmídios ou Epissomas.
  5. 5. • Esporos- estruturas responsáveis por uma resistência ao meio externo quando este é desfavorável à sobrevivência da bactéria. • • Obs.: Não possui celulose como as das células vegetais. Obs.: Nas bactérias ocorrem invaginações na membrana plasmática que concentram as enzimas respiratórias: os mesossomos.
  6. 6. Classificação morfológica das bactérias:COCOS – bactérias de formato arredondado
  7. 7. Classificação das bactérias:   DIPLOCOCOS – cocos que formam colônias aos pares.
  8. 8. Classificação das bactérias:   ESTAFILOCOCOS – cocos que, formando colônias, dispõe-se de maneira semelhante a cachos de uva
  9. 9. Classificação das bactérias:   ESTREPTOCOCOS – cocos que, formando colônias, ficam enfileirados
  10. 10. Classificação das bactérias:   BACILOS – bactérias em formato de bastonete
  11. 11. Classificação das bactérias:   DIPLOBACILOS – bacilos que formam colônias aos pares
  12. 12. Classificação das bactérias:   ESTREPTOBACILOS – bacilos que, formando colônias, dispõem-se em filas
  13. 13. Classificação das bactérias:   ESPIRILOS- Bactérias em formato de espiral
  14. 14. Classificação das bactérias:   VIBRIOES- Bacterias em formato de virgula, como um bacilo torto.
  15. 15. Classificação das bactérias:   As bactérias tipo bacilo são responsáveis por doenças como tuberculose, lepra, Difteria, Tétano.  Bactérias tipo cocos: Gonorréia e Meningite  Bactérias tipo vibrião: Cólera  Bactéria tipo espirilo: Leptospirose.
  16. 16. Classificação das bactérias:   Mét odo de Gram: Criado pelo médico dinamarquês Hans Christian Joachim Gram (1853-1938) em 1884, o método de Gram é uma técnica de coloração diferencial que permite diferenciar, por meio de miscroscopia óptica, os dois principais grupos de bactérias. Gram obteve, com a coloração realizada, uma melhor visualização das bactérias em amostras de material infectado. Entretanto, observou que nem todas as bactérias coravam com este método, o que o levou  a sugerir a possibilidade de ser usado um contrastante. O cientista morreu sem que reconhecessem a importância de seu método. Atualmente, esta técnica é fundamental para a taxonomia e identificação das bactérias, sendo utilizada como técnica de rotina em laboratórios de bacteriologia. mite diferenciar, por meio de miscroscopia óptica, os dois principais grupos de bactérias. coravam com este método, o que o levou  a sugerir a possibilidade de ser usado um contrastante. O cientista morreu sem que reconhecessem a importância de seu mé
  17. 17. Classificação das bactérias:   O método de Gram consiste em expor as bactérias à seguinte sequência: Corante primário: violeta de cristal – Cora o citoplasma de púrpura, independente do tipo de bactéria. Mordente: solução de iodo – Aumenta a afinidade entre o violeta de cristal e a bactéria e forma com o corante um complexo insolúvel dentro da bactéria. Agente descolorante: álcool, acetona ou ambos – Dissolvem lipídios. Contrastante: safranina ou fucsina básica – Cora o citoplasma de vermelho. Se ao fim desta sequência, a bactéria adquirir coloração púrpura, ela é classificada como Gram positiva. Caso adquira coloração vermelha, sua classificação é de Gram negativa. Estudos de microscopia eletrônica e análises bioquímicas permitiram concluir que a parede celular bacteriana é a estrutura responsável pelo diferente comportamento das bactérias ao método de Gram.
  18. 18. Classificação das bactérias:   As bactérias Gram positivas apresentam uma parede espessa, homogênea, geralmente não estratificada e predominantemente constituída por peptidoglicano. Esta camada espessa de peptidoglicano retém, no interior da bactéria, o complexo insolúvel que se forma pela ação do mordente. Logo, estas bactérias não são descoradas, permanecendo com a coloração conferida pelo corante primário (púrpura).
  19. 19. Classificação das bactérias:   As bactérias Gram negativas apresentam uma parede estratificada constituída por uma membrana externa e por uma camada mais interna que contém peptidoglicano; esta camada é  mais fina do que a camada encontrada nas bactérias Gram positivas. Nas bactérias Gram negativas, então, o complexo insolúvel formado pela ação do mordente é removido (a membrana externa é parcial ou totalmente solubilizada pelo agente descolorante e a fina camada de peptidoglicano não retém corante o suficiente para dar a coloração púrpura) e as bactérias ficam descoradas, corando de vermelho pela ação do contrastante.
  20. 20. Reprodução das bact érias:As bactérias apresentam reprodução assexuada por bipartição. No entanto, é possível encontrarmos formas de recombinação genética entre as bactérias. Uma dessas formas é a conjugação, em que uma bactéria doadora de DNA transfere, através de uma estrutura chamada pili, um plasmídio para a bactéria receptora, que pode incorporá-lo ao seu cromossomo, o que produz uma mistura genética. Num outro processo, chamado transformação, as bactérias absorvem, diretamente do meio em que se encontram, fragmentos de DNA provenientes, por exemplo, de bactérias mortas e decompostas. Por fim, os vírus bacteriófagos, ao se formarem no interior de bactérias infectadas, podem incorporar DNA bacteriano, transferindo-o ao infectar outra bactéria, num processo chamado de transdução.
  21. 21. Reprodução das bact érias:As bactérias apresentam reprodução assexuada por bipartição. No entanto, é possível encontrarmos formas de recombinação genética entre as bactérias. Uma dessas formas é a conjugação, em que uma bactéria doadora de DNA transfere, através de uma estrutura chamada pili, um plasmídio para a bactéria receptora, que pode incorporá-lo ao seu cromossomo, o que produz uma mistura genética. Num outro processo, chamado transformação, as bactérias absorvem, diretamente do meio em que se encontram, fragmentos de DNA provenientes, por exemplo, de bactérias mortas e decompostas. Por fim, os vírus bacteriófagos, ao se formarem no interior de bactérias infectadas, podem incorporar DNA bacteriano, transferindo-o ao infectar outra bactéria, num processo chamado de transdução. FIM

×