Técnicas e dicas de descoloração

2.589 visualizações

Publicada em

0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.589
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
131
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Técnicas e dicas de descoloração

  1. 1. TÉCNICAS E DICAS DE DESCOLORAÇÃO Na edição anterior apresentamos, através de perguntas e respostas, umaferramenta a mais de trabalho em descoloração. Agora, abordando o assunto de umaforma mais direta e detalhada, damos continuidade ao tema com informaçõesindispensáveis para vocês, profissionais cabeleireiros. Afinal como realizar, comsucesso, um processo de descoloração? Antes de tudo treinar muito e perder o medo deerrar, que o cabeleireiro adquire depois que aprende a cortar cabelo. Explicando melhor,antes de aprender a cortar cabelo, o cabeleireiro se define como um aprendiz ouauxiliar; quando passa a fazer cortes, já na condição de profissional, ele,inconscientemente, pensa que não pode mais errar e começa a treinar bastante,aprimorando cada vez mais o corte, a escova e outras finalizações, para fazer esatisfazer a sua clientela. Enquanto isso, os processos químicos, na maioria das vezes,não recebem o mesmo treinamento e passam a ser encarados como “técnicas queestragam o cabelo”. O que na realidade quer dizer: “não sei fazer ou não me aperfeiçoei para isso”.Revendo esse conceito, pense, analise e responda às seguintes questões: 1. Quantoscursos de descoloração eu já fiz? 2. Quantos cursos de colorimetria eu já fiz? 3. Qual odiferencial que eu tenho na profissão, em relação a outros profissionais? 4. Qual odiferencial que eu realmente quero ter, de hoje em diante? Bem, se as perguntas 1 e 2foram respondidas com cinco cursos e se há cinco anos você está na profissão,parabéns! Você faz parte de uma pequena parcela que se aperfeiçoa mas, ainda é pouco.Em um mercado tão concorrido, onde a preparação técnica é um pré-requisito para obom profissional, só uma reciclagem anual não é o bastante. Quanto às outras perguntas(3 e 4), independente do que você respondeu, o que existe muito por aí são profissionaiscabeleireiros fazendo sempre as mesmas coisas ou seja, não se reciclam e reclamam dacrise; e caso uma cliente queira clarear o cabelo, que tenha uma coloração muito escura,não fazem alegando que estraga o cabelo ou apelam para as mechas na tentativa dedisfarçar um pouco a cor escura. Descolorir um cabelo, com profissionalismo, requer muito treino para adquirirexperiência. Isso tudo implica, como em qualquer profissão, erros e acertos. É fazendoque se aprende. O primeiro passo é comprar o material para treinar em pessoas quequeiram esse tipo de serviço e não podem pagar. Quando for praticar lembre-se depequenos detalhes: - Nunca pratique no expediente de trabalho. Preserve-se não seexpondo, até obter confiança. - Nunca aplique uma descoloração da raiz às pontas. A raiz sempre clareia mais rápido, dificultando a unifor-mização da cor depois.Primeiro aplique no meio e pontas, até o fundo desejado (confira o gráfico ao lado), eem seguida na raiz. - Faça um teste de mecha, antes de executar o trabalho, para garantirum bom resultado. Existem pigmentos que não clareiam facilmente e cabelos frágeisque aparentam ser fortes. Como bom profissional zele pelo seu nome fazendo sempre oteste de mecha, de preferência no alto da cabeça, no meio e nas pontas, não esquecendoque a raiz clareia mais rápido. - Converse sempre com a cliente. Não adianta querer sairde um cabelo preto azulado para um tom 10. Deve-se levar em conta dois fatores: condições do cabelo e o choque de umamudança tão drástica. - Nunca clareie em excesso. Observe o tom desejado e o fundo declareamento para obter a cor escolhida. Ex.: a cliente deseja um cabelo ou mechasvermelhas e o profissional clareia até o amarelo e ainda reclama que a cor não fixou. -Lembre-se que antes de colorir um cabelo descolorido deve-se enxaguá-lo bastante, semdeixar resíduo de descolorante; e se for longo, usar o condicionador para não embaraçar.
  2. 2. O enxágüe deve ser feito com água morna. - Mais uma vez: quanto mais práticavocê tiver, melhor. Esteja preparado treinando muito. Em função das dúvidas apre-sentadas através de telefo-nemas e e-mails, prolongamos o tema descoloração nestaedição. Na próxima aborda-remos o assunto escurecimento de cabelos descoloridos. ACreattive Professional é uma revista técnica e essas orientações são direcionadas paraprofissionais cabeleireiros e afins; não utilize as técnicas se você não for umprofissional. Neste caso, consulte o seu cabeleireiro. Qualquer pro-cesso químico deveser aplicado por um especialista.Coloração e Diagnóstico V Técnicas de escurecimento (Pré-pigmentação – Repigmentação). Dandoseqüência a nossa matéria de colorimetria, abordamos, nesta edição, o assuntoescurecimento, também chamado de pré-pigmentação ou repigmentação. Agora que estáhavendo uma tendência natural das loiras escurecerem os cabelos, é bom saber que,assim como clarear não é um processo fácil, escurecer requer diagnóstico e umaexcelente aplicação. O primeiro item a observar é o estado em que se encontra o fio docabelo: quanto mais poroso e sem resistência, mais difícil o escurecimento. Isso é causado pela abertura das cutículas, ou até a falta de algumas delas, o quefacilita o desbotamento pós-química. Um cabelo descolorido perde a melanina e outrosconstituintes naturais, o que dificulta a fixação do pigmento. Entre algumas regras parao escurecimento que devem ser respeitadas, uma delas é não escurecer o cabelo com cornatural. A cor natural foi elaborada para deixar os cabelos em um processo declareamento o mais próximo do natural possível, eliminando o efeito avermelhado. Jáno escurecimento, quando usamos a cor natural, é muito comum acontecer a revelaçãoda cor oposta ao vermelho que é o verde ou cinza, dependendo da composição da tinta.Por isso é indicado o uso de uma cor quente para evitar que isso aconteçaExistem algumas técnicas de pré-pigmentação:Primeira técnica e mais antiga: Escolha a cor e aplique um tom mais claro, com nuance acobreada ouavermelhada, pura ou com água morna; logo em seguida prepare a cor desejada eaplique com oxidante de 20 volumes com o tempo de pausa de 35 minutos.Exemplo: O cabelo está com o tom 10. A cor desejada 5. A cor a ser aplicada na pré-pigmentação: um 6 avermelhado ou acobreado, que pode ser aplicado puro ou com água morna. Em seguida aplique a cor desejada 5 com oxidante de 20 volumes e tempo de pausa de 35 minutos.
  3. 3. Segunda técnica: Escolha a cor e aplique um tonalizante ou uma coloração com oxidante de, nomáximo, 10 volumes, um tom mais claro com nuance acobreada, avermelhada oudourada, deixe em pausa por 20 minutos, enxágüe, e logo em seguida prepare a cordesejada com oxidante de 20 volumes e tempo de pausa de 35 minutos.Exemplo: O cabelo está com o tom 10. A cor desejada 5. Tonalizar com 6 com nuance acobreada, avermelhada ou dourada e tempo de pausa de 20 minutos Enxágüe. Aplicar a coloração 5 com oxidante de 20 volumes. Tempo de pausa de 35 minutos.Terceira técnica: Aplicar uma cor com um tom mais escuro que a desejada, com nuance dourada,deixar 40 minutos e enxaguar. Esta técnica facilita voltar à cor mais clara, caso a clienteresolva, fato que seria muito difícil nas técnicas acima. Porém, o que predomina aqui é atécnica de aplicação, que deve ser precisa e minuciosa em todos os detalhes.Exemplo: O cabelo está com o tom 10. A cor desejada 5. Preparar a cor 4 com nuance dourada um pouco a mais do que usaria normalmente; tempo de pausa de 40 minutos. Massagear mecha por mecha a cada 10 minutos. A cada massagem observar onde houve maior absorção da tinta e ir reaplicando nessas regiões o que sobrou na cumbuca. Enxaguar e aplicar um condicionador com pH abaixo de 3,5; de preferência não aplicar shampoo, ou caso não seja possível, aplicar shampoo com pH abaixo de 4,5. Essa última técnica é uma das mais modernas, e para utilizá-la dependerá muito daqualidade e da quantidade de pigmento utilizado na coloração. Como não é possíveldeterminar este fator através do rótulo, o cabeleireiro deve entrar em contato com odepartamento técnico da empresa de coloração e se informar qual a melhor técnicaaconselhável para este processo. Estas são as técnicas que são denominadas como pré-pigmentação ou repigmentação. Todas as técnicas apresentam melhores resultados na segunda aplicação da tinta,após a pré-pigmentação. Cada profissional utiliza a técnica que achar conveniente, deacordo com o produto que utiliza. É importante o profissional aconselhar sua cliente autilizar a linha de manutenção indicada por ele e que deve ter o pH abaixo de 4,5.
  4. 4. Colorimetria - A Arte e a Técnica Nas edições anteriores o assunto colorimetria e diagnósticos foi amplamenteabordado, porém a necessidade do profissional cabeleireiro em obter maisconhecimento sobre o assunto, e pela importância desse trabalho, fez com que maisinformações fossem acrescentadas sobre a arte e a técnica da colorimetria.O profissional cabeleireiro que almeja o sucesso e não sabe, ou não gosta, de colorircabelos deveria repensar esse conceito, pois a arte de colorir cabelos vem ganhandocada vez mais adeptos. Basta observar as pessoas na rua para comprovar a evolução desse trabalho. Nasgrandes capitais do país são poucas as mulheres que não têm os cabelos coloridos. Atéquando faço seleção de modelos para eventos, apenas em uma minoria os cabelos sãovirgens. É certo que muitas mulheres ainda colorem os cabelos em casa, apesar damaioria, por não conseguir o efeito desejado, acabar acertando a cor no salão. É que,com a auto-aplicação fica difícil conseguir acompanhar a tendência atual que é cabeloscoloridos, com cores variadas, onde vai prevalecer o bom senso e o bom gosto em variaras mesclas de cores, mechas, transparências e técnicas similares, que valorizam omovimento do cabelo. Particularmente, prefiro um cabelo com mais de uma cor, pois esta opçãovaloriza os trabalhos de corte, escova e penteado, destacando os detalhes e o movimentodos fios. A criatividade está em alta, só que hoje ela é redirecionada; nos anos 80, sercolorista criativo era saber misturar as cores na preparação para obter um resultadodiferenciado. Hoje, é aplicar na mesma cabeça duas, três ou mais cores, sem deixar acliente fantasiada, utilizando bom gosto e técnicas variadas (transparência, mechas,balayagens entre outros). Por tudo isso, hoje, um cabeleireiro exemplar é aquele queestá sempre se aperfeiçoando, destinando parte de seu tempo a cursos e literaturareferentes ao seu trabalho. Principalmente, a treinamentos específicos, dentre eles a colorimetria, quemuitos dizem ser fácil, mas que tem poucos especialistas no assunto, em relação àquantidade de profissional existente.O bom colorista é aquele que: Realmente sabe analisar um cabelo “antes” de iniciar o processo, pois o bom resultado depende do bom estado do fio. Lê a bula do produto e prepara a coloração como manda o figurino, sem querer inventar moda de diluir o produto de forma não estabelecida pelo fabricante. Só utiliza produtos profissionais, e demonstra segurança em preparar o produto na frente da cliente, sabendo que ela não encontrará o produto no mercado, farmácia ou na perfumaria. Não sente vergonha em ligar para um centro técnico e tirar suas dúvidas referente ao trabalho a ser feito ou produto a ser utilizado. Sabe que para fazer um bom trabalho é preciso: 1-Diagnóstico 2-Produto 3-Aplicação
  5. 5. E que ele é responsável pelos três itens acima e não adianta culpar o produto quando algo sai errado (o produto não pensa, apenas age). Sabe que no processo de coloração o oxidante é responsável pela liberação de oxigênio e é o motor principal para que tudo funcione perfeitamente, não podendo utilizar os de baixa qualidade e os que não são estabilizados. Se preocupa com a cor, mas também com o estado de saúde do fio, e por isso só usa colorantes, oxidantes e descolorantes profissionais e que contenham proteínas. Se especializa em descoloração, pois o profissional que não domina esta técnica não conseguirá clarear os cabelos coloridos a não ser através de mechas. Sabe ser enfático ao indicar uma perfeita linha profissional de manutenção capilar (shampoo, condicionador e leave-in) e hidratações periódicas no salão para manter o resultado do trabalho. É organizado e disciplinado a ponto de ter uma ficha-cadastro de cada cliente, com os diagnósticos, aplicações e produtos utilizados na mesma. Estas são algumas das regras dentre muitas. Não é tão complicado como se imagina, mas exige disciplina. Uma dica especial para os amigos profissionais: nunca foi tão bom como agora ser cabeleireiro e, principalmente, especialista em colorimetria capilar. É só ser atualizado, inclusive no que se refere ao comportamento. Questione- se sempre sobre: - Sua profissão - Suas técnicas - Sua abordagem ao cliente - Sua imagem - Sua comunicação - O perfil de sua cliente - Qual seu objetivo nesta profissão e onde quer chegar?Coloração - A busca da perfeiçãoA mudança de rotina, no dia-a-dia dos salões, cria um novo perfil de clientes eexige competência e atualização profissional. Nos últimos 20 anos, os profissionais cabeleireiros sentiram uma grandemudança no dia-a-dia do salão com relação ao movimento de clientes, que foidiminuindo com o passar do tempo. Vários fatores concorreram para esta alteração derotina. Entre eles, novos hábitos das clientes e novas técnicas que substituíram algumas,anteriormente utilizadas. O perfil da cliente mudou e muitos profissionais nãoacompanharam essa evolução. Isto não quer dizer que não estejam atualizados ecapacitados para exercer suas funções com competência. Não é isto! A realidade hoje éoutra. Antes, trabalhava-se exaustivamente, de segunda-feira a sábado, com ummovimento intenso, e os serviços mais procurados eram definidos mais ou menos nessaordem: corte, escova, coquetéis (banho de creme), coloração, permanente e touca degesso (uma mistura de líquido de permanente e farinha de trigo utilizada por algunsprofissionais para diminuir o excesso de volume). Hoje, só continua inalterado o perfilda cliente que procura o serviço de corte, mensal, bimestral ou semestral. A diferençaestá na procura dos outros trabalhos. Naquela época, 80% das clientes, mesmo as que
  6. 6. tinham cabelos curtos, iam ao salão até duas vezes por semana para escovar os cabelos.Com a evolução das técnicas de corte e a moda, que proporciona praticidade, a escovadeixou de ser exclusividade e prioridade no salão. Em compensação, outros serviçosganharam força substituindo práticas anteriores. É o caso da coloração, que antigamentesó era procurado para cobrir fios brancos, e agora passou a ser um grande gerador delucros e fidelidade, por parte das clientes. Um serviço de coloração exige fatoresagregados que somam lucro, com práticas complementares, e, conseqüentemente, oretorno constante da cliente. Além de retoques periódicos, de 30 a 35 dias, a cliente quecolore seus cabelos passa a fazer tratamentos constantes para manter a cor e adota umalinha especial de produtos profissionais, geralmente indicados pelo seu cabeleireiro. Sendo assim, o profissional moderno tem que estar capacitado para executar otrabalho químico que requer diagnóstico do cabelo, tanto para a coloração quanto paratratamento, e a indicação correta do shampoo e condicionador, com e sem enxágüe, paracada tipo de cabelo. Tudo isso requer do profissional atualização constante através decursos, leitura e principalmente, muito treino. As fórmulas das colorações evoluíram, eos produtos para tratamento capilar acompanharam essa evolução, exigindoconhecimento do cabeleireiro para serem aplicados e indicados corretamente.As clientes não buscam somente colorir os cabelos uniformemente. Querem estilo epersonalidade: uma mecha, várias mechas, transparências, duas ou mais cores,harmoniosas ou contrastantes, de acordo com o seu gosto e estilo. E todas estas técnicassão executadas no salão, por um profissional competente e atualizado.Analisando todos esses fatores se conclui que o perfil da cliente mudou muito. Se antesela freqüentava mais o salão, gastando pouco, hoje vem menos, mas, em compensação,gera uma maior lucratividade. O que só vai ocorrer em salões com profissionaispreparados para essa evolução, que saibam que um trabalho executado comtranqüilidade e lucros maiores dependem da qualidade do desempenho de cada um.Coloração - Arte com técnica O mercado atual exige e impõe regras de conduta para todos os profissionais quenele atuam. E com o profissional cabeleireiro não é diferente. Conquistar espaço econseguir mantê-lo requer determinadas atitudes. O objetivo desta matéria é oferecerinformações indispensáveis ao profissional cabeleireiro, para que ele crie um diferencialfacilitador frente a um mercado altamente competitivo. Porém, como em qualquer profissão, para fazer uso dessas informações torna-senecessário que cada um analise, friamente, o mercado em que atua, pois só assim poderáconseguir este diferencial. Resultados não surgem da noite para o dia, por isso temosque estar sempre receptivos ao conhecimento, atentos às nossas falhas e,principalmente, às dos nossos colegas de profissão, não para comentá-las e sim paratransformá-las em instrumento de aperfeiçoamento contínuo. Conforme o que já foi escrito nas edições anteriores, houve uma grandemudança no mercado e o cabeleireiro já percebeu que não dá mais para viver somenteem função de cortar e pentear cabelos. Analisamos a profissão, como artistas, masfazemos uso incorreto deste adjetivo na prática. E aí começa a surgir um monte deinvenções que, muitas vezes, não resulta em nada e acaba não surtindo resultadospositivos nem para o cabeleireiro nem para os clientes.Vamos tentar explicar istoatravés de um seguimento que vem se tornando o carro chefe na maioria dos salões: acoloração.
  7. 7. Coloração Com a informação de alguns amigos e percorrendo diversos salões, no Brasil eno exterior, chegamos à conclusão que a coloração é cada vez mais procurada no salãode beleza, e que o sonho de todo cabeleireiro é que este serviço seja exclusivamenteprofissional. Daí, algumas empresas que trabalham unicamente para o profissionalforam ganhando mercado, e outras, que sempre atuaram no mercado varejista, estãotentando se infiltrar no setor profissional. Apesar da crescente procura, algunsprofissionais cabeleireiros ainda não se deram conta da valorização deste serviço, quegera fidelidade entre a cliente e o salão, pois mantém, em média, uma visita por mês.Mesmo assim, alguns ainda acham que a cliente faz coloração em casa por economia. Vale acrescentar que, em uma pesquisa informal entre clientes de classesdiferenciadas, constatamos algo interessante: um grande percentual não colore mais nosalão porque não ficaram satisfeitas com o resultado obtido. Eis aí, amigo cabeleireiro,um mercado a ser explorado, trazendo de volta aos salões este tipo de cliente. Sabemosque algumas pessoas, ao lerem isto, poderão pensar: “Não é tão fácil quanto eleimagina“. Mas quem disse que ganhar dinheiro e ter sucesso é fácil? Tudo isso requerdas pessoas objetividade e perseverança. Então meu amigo procure criar um grandediferencial em sua profissão, através de algumas mudanças no dia-a-dia da coloração. O primeiro passo é conhecer o produto que você usa, desde a sua concepção.Quando digo concepção não me refiro ao processo de fabricação e sim à filosofia daempresa com relação ao mercado. Se você tiver a intenção de trabalhar com produtos dovarejo saiba que assim você depõe contra o seu patrimônio. Não se esqueça que ocabeleireiro é formador de opiniões perante sua clientela, e que o uso de um produtopara ela é como o receituário de um médico: é a sua assinatura. Neste caso, analise bem o que está usando e lembre que preços e brindes não sãoimportantes, e sim custos-benefício. Quanto custa manter uma cliente fiel ao salão debeleza? Isto só ocorrerá com serviços exclusivos e o uso de produtos direcionados aoprofissional, criteriosamente selecionados para determinados fins. Quanto ao trabalhode coloração capilar é importante que você, mesmo que seja um profissionalconceituado no mercado, faça novos cursos de colorimetria. Vá, invista seu dinheiro,pague o curso como todos e sente na cadeira como se fosse a primeira vez que estivesseindo a um curso destes. Não vá com conceitos formados, apenas ouça e analise paravocê mesmo. O que for útil ponha em prática e o que não for armazene. Além do mais, nestescursos você vai observar o trabalho de seus amigos de profissão e entender onde devemelhorar, ou apenas mudar o conceito de trabalho. Nunca critique, apenas analise. Sevocê for novo na profissão será mais fácil absorver informações. É mais fácil adquirirnovos conceitos do que compará-los com os antigos para realizar a aprendizagem. Sevocê já é um profissional conceituado e continua fazendo cursos, além de se tornar umexemplo a ser seguido, é sinal que sempre temos muito a aprender. Fique atento a estesdetalhes que serão explicados na próxima edição e que são tópicos importantes para acolorimetria.
  8. 8. Para estar em evidência como cabeleireiro colorista é preciso: Conceito de trabalho (explicado nesta edição) Observar, através de diagnóstico, qual a condição do fio, pois isso está relacionado com a conservação da cor. Como tratar o cabelo colorido ou tratado quimicamente. Ainda existem profissionais que querem utilizar fonte de calor para regenerar o fio colorido Entender que os corantes utilizados na coloração capilar são diferentes dos corantes utilizados para pinturas de outros materiais como, por exemplo: os de parede ou automotivos. Explicar à cliente que a temperatura da água, a exposição do cabelo ao sol sem proteção solar e condicionadores podem desbotar a cor ou degenerar o fio. Indicar produtos adequados Ensinar a cliente a lavar os cabelos sem esfregá-los e com os produtos adequados Conhecer o processo oxidativo e quais as vantagens e desvantagens de usar produtos com ou sem amônia e o que é realmente um tonalizanteColoração - Arte com técnica II O sucesso da coloração capilar está nas condições do fio de cabelo. Na ediçãoanterior escrevemos sobre conceito de trabalho do colorista. Dando continuidade aoassunto abordaremos mais um tópico, referente à arte de colorir, estabelecido naprimeira matéria: “Observar, através do diagnóstico, qual a condição do fio, pois issoestá relacionado com a conservação da cor”. Antigamente, o processo de coloraçãogerava mal-estar nas clientes pelo estado em que ficava o fio. Após a coloração o cabelopodia até ter uma boa cor, mas perdia a maleabilidade, o brilho e o toque. Hoje, este problema foi solucionado pela evolução tecnológica dos cosméticosutilizados. Além de pigmentos de melhor qualidade os produtos são aditivados comproteínas e substâncias hidratantes, que conseguem colorir sem gerar nenhum dano aocabelo e até em alguns casos promovem a melhoria no estado do fio.Certos fatores determinados pelo diagnóstico, feito antes da aplicação, garantem o êxitoda coloração:O estado do couro cabeludo – Não se deve aplicar a química se o couro cabeludoapresentar vermelhidão, irritação ou qualquer inflamação cutânea. O certo é sugerir quea cliente procure um dermatologista.O estado do fio de cabelo – Durante o diagnóstico, algumas características do fio devemser observadas:A espessura: quanto mais grosso é o fio maior deve ser o depósito de coloração sobre omesmo.A porosidade: está relacionada com as condições das cutículas. Estando elevadas oudanificadas dificultam o reflexo de luz e retenção de pigmentos causando odesbotamento rápido da cor. Principalmente se for um vermelho, que tem o menortamanho de pigmento e se perde com mais facilidade, ou cria uma cor opaca.A resistência: relaciona-se com o grau extremo de porosidade, ocasionado por umaperda protéica muito grande, impossibilitando qualquer processo químico. Quanto maissaudável estiver o fio de cabelo melhor o brilho e a fixação da cor. Um cabelo semresistência pode não fixar cor alguma ou até mesmo se partir durante o processoquímico.Estes itens são os mais importantes porque podem inviabilizar as aplicações decoloração, descoloração ou relaxamento capilar. Geralmente em meus cursos eu
  9. 9. costumo citar uma situação que serve como exemplo para o desempenho da coloração.Digo que vou pintar uma parede, que apresenta buracos e outras imperfeições nasuperfície, e então pergunto?- “Qual é a cor que podemos aplicar nessa parede para corrigir suas imperfeições?”.Logicamente, se aplicarmos uma cor escura poderá disfarçar os defeitos quando vista delonge, mas de perto seria perceptível. Para tratar dessa parede eu vou ter que limpar,aplicar cimento ou, dependendo do tamanho do buraco, até mesmo um pedaço de tijolo.Depois aplicar massa fina, massa corrida e mesmo assim esperar secar para lixar,corrigindo as imperfeições, e finalmente como grand finale pintar, aplicando no mínimoduas demãos de tinta.Se em uma parede, que não tem nenhum movimento, demora tanto assim, por que osprofissionais querem repor a camada do fio somente com a coloração ou uma aplicaçãode tratamento? E olha que o fio é tão sensível que até os raios solares são capazes dedanificá-los.A evolução tecnológica e a abertura do mercado globalizado causaram uma grandemelhoria na qualidade e na diversidade das matérias-primas, mas isso não quer dizerque dispensem o diagnóstico. Muito pelo contrário, a coloração é uma ferramenta namão do profissional. Se dermos um carro da escuderia Ferrari para um leigo pilotar eleacabará com o carro na primeira curva e dirá que o carro não é bom. O mesmo acontececom os produtos profissionais: não dispensa o bom piloto, ou seja, o profissionalcabeleireiro com seu diagnóstico.Enfim, o sucesso da coloração depende da base que recebe a aplicação. Quanto maissaudável o fio melhor a revelação da cor; e caso não esteja é o profissional que irá tratá-lo no salão com constantes hidratações e com a parceria da cliente, que utilizará a linhade manutenção indicada por ele.Na próxima edição continuaremos com mais dois tópicos da seqüência desta matéria:- Como tratar o cabelo colorido ou tratado quimicamente.- Entender que os corantes utilizados na coloração capilar são diferentes de outros tiposde corantes.Coloração - Arte com técnica IIIA coloração capilar e seus corantesUma das técnicas mais procuradas nos salões de beleza, a coloração capilar exige decada profissional um conhecimento profundo sobre cabelo, e um domínio total sobre ouso dos produtos utilizados.Nos últimos anos, o Brasil vem registrando um crescimento expressivo no setor debeleza. E a coloração capilar, especificamente, a cada dia torna-se uma das técnicasmais procuradas e utilizadas neste ramo. A tendência é crescer ainda mais, pois como oBrasil é um país em crescimento populacional, a perspectiva é de continuidade, haverásempre um público jovem que vai querer colorir os cabelos. Com este crescimentoprecisamos desenvolver um conhecimento maior em cima deste trabalho, que cada vezmais se torna a vedete nos salões de beleza, principalmente por se tratar de um serviçocontínuo que cria a fidelização da cliente com o salão.Só a aplicação não é suficiente para gerar esta fidelidade. Existem fatoresimportantíssimos além de um bom desempenho profissional. Deve-se levar em conta acriatividade e a técnica, que obedecendo às medidas do produto utilizado aproveita acosmeticidade do mesmo, principalmente se este contém ativos hidratantes. Outro fator
  10. 10. é utilizar linhas que investem no profissional cabeleireiro, com exclusividade. Já émuito difícil manter a cliente no salão e será pior se o profissional utilizar uma linha quevende no mercado. Nesse caso ele passa a concorrer com ele mesmo, criando apossibilidade da cliente comprar o produto e aplicar em casa, pois se engana oprofissional que acredita que alguém faça isto apenas por dificuldade financeira. Muitasvezes isto ocorre por curiosidade ou admiração indireta pelo profissional, que passa aser copiado inconscientemente. Quem nunca teve uma cliente que já cortou a franjinhada filha ou escovou os cabelos da amiga?O profissional colorista que quer ter sucesso nesta belíssima profissão tem quedesenvolver, e mostrar para a clientela, seu conhecimento sobre cabelo e demonstrarcompetência na utilização do produto. Ao contrário do que muitos imaginam, não há anecessidade de estudar química para ser um bom colorista assim como o médico nãoprecisa estudar farmácia para ser um bom medico. Lógico que alguns conhecimentosbásicos ajudam bastante, mas não necessita de graduação.O que deve ser bem analisado é a condição do cabelo, pois como disse na ediçãoanterior não é a tinta que vai tratar o cabelo. Ela apenas vai colorir e se for de boaqualidade, colorir sem gerar ressecamento. Por isso, quanto melhor as condições do fio,melhor a revelação da cor.A coloração capilar de oxidação trabalha com intermediários de corantes que serevelarão dentro do fio de cabelo, e o oxigênio tem duas funções interessantes: clarearos pigmentos naturais e revelar os corantes dentro do fio. Às vezes, por motivos deeconomia, o profissional cabeleireiro adquire um oxidante de baixa qualidade quetermina por comprometer o trabalho técnico de coloração.Se faltar oxigênio não se consegue clarear a cor natural do cabelo, como também não seconsegue revelar adequadamente todos os corantes na coloração, gerando uma cor maisclara ou mais escura que a desejada, desbotamento prematuro, ressecamento ou até airritação no couro cabeludo.A coloração capilar é um processo fascinante. No Brasil encontramos produtos comfórmulas de mais de 50 anos atrás, e ao mesmo tempo temos empresas que investem noprofissional cabeleireiro, com fórmulas modernas que não deixam nada a desejar emrelação às importadas. O profissional cabeleireiro só precisa estar atento àsmodernidades e se adequar a elas. Não adianta querer dirigir e cuidar de uma Ferrari damesma forma que cuidava de um Fusca. Tem mais é que se reciclar adquirindo novosconhecimentos e se adaptar às novas disciplinas e ferramentas atualizadas.Na coloração, os pigmentos utilizados não podem ser comparados com os pigmentosaplicados em paredes ou tintas automotivas, que são corantes prontos e visíveis antes daaplicação. Já os intermediários de corantes, utilizados na coloração, são de totaleficiência e eficácia quando se unem ao diagnóstico de um cabeleireiro coloristacapacitado. Cabe ao profissional saber preparar o cabelo para o processo de coloração,identificar a cor e o oxidante com a volumagem e a medida adequada, e indicar aocliente uma manutenção para garantir o resultado e o estado do fio. Ou até mesmo, sefor o caso, dizer ao cliente que não há condição de executar o trabalho por falta deresistência do fio.Coloração e Pigmentos: perguntas e respostasApesar de ser uma técnica que faz parte do dia-a-dia do colorista, a coloração requer umprofundo conhecimento e uma atualização constante.Com o objetivo de ampliar o conhecimento através da informação, elaboramos respostasesclarecedoras, para algumas questões com as principais dúvidas de nossos leitoressobre coloração e pigmentos, que facilitarão o desempenho do profissional cabeleireiro.
  11. 11. Como analisar se a coloração que estou aplicando na minha cliente tem boaqualidade de pigmentos?A melhor maneira de identificar a qualidade do pigmento é através da intensidade da coraplicada no fio de cabelo, porém é importante avaliar a cor, com um oxidante de marcaigual a do fabricante da coloração, e respeitar à risca as medidas sugeridas na bula doproduto.Em coloração de oxidação os corantes vão se formar dentro do fio de cabelo através daliberação de oxigênio dos oxidantes; por isso é tão importante a qualidade dos mesmos,quanto a sua medida e o tempo de pausa do produto no cabelo.Apliquei uma coloração de determinada marca em uma cliente e a mesma cor emoutra cliente, porém de marca diferente. Além de notar uma pequena diferença detom, percebi que uma delas desbotou mais rápido que a outra. Por que issoocorre?Estaria sendo injusto em afirmar que uma coloração é melhor que a outra, comparandodesta maneira. As diferenças de cor e de durabilidade podem se dar dependendo daestrutura e da pigmentação natural do fio que vai receber a coloração. A única maneirade se comparar marcas de coloração é aplicar sobre a mesma base, ou seja, sobre amesma cabeça, metade a metade.O cabelo de uma pessoa não é igual ao de outra. O cabelo é como uma impressãodigital, só que pode variar. Se fizermos um teste de mineralograma temos um relato detodos os oligoelementos que existem, ou que estão em excesso no corpo naquelemomento. Uma pessoa que quase não bebe água e que se alimenta muito mal tem umaestrutura de cabelo diferente daquela que toma, pelo menos, dois litros de água por dia etem uma alimentação equilibrada. Sem contar como, e com o que, a pessoa trata oscabelos diariamente. Duas pessoas podem ter os cabelos castanhos claros, e um delesclarear mais rápido ou ter porosidade diferente. Por isso, só é possível comparar marcase cores sobre a mesma cabeça. Tudo isto levando em conta que as preparações,aplicações e tempo de pausa terão que ser feitas uniformemente, em ambos os lados.Por isso, também, recomendamos aos leitores que não são profissionais, e queeventualmente venham a ler nossas matérias, a procurar sempre um profissionalcabeleireiro para a execução destes trabalhos.Como fazer uma mudança de tom fantasia em um cabelo colorido, sem alterar aaltura de tom, mantendo a uniformidade?Seguindo as regras da estrela de Oswald, usando a cor complementar na mesma alturade tom. Exemplo:Um cabelo com a cor fantasia, vermelho, e altura de tom 7, aplica-se uma cor 7 cinzapara a neutralização.Lembre-se que esta neutralização se dá através de sobreposição de cores e que emalguns casos pode se obter melhor resultado na segunda aplicação.Por que depois de muito tempo loiríssima é difícil para uma cliente voltar à cornatural?É muito difícil mudar de uma hora para outra sem gerar um desconforto. Nesta horaexige-se muito do profissional cabeleireiro, que deve ter a sensibilidade de entender quea cliente não tem muita noção de escurecimento. Às vezes ela quer escurecer um ou doistons e acaba pedindo um castanho. Um bom diálogo, esclarecendo as opções que se teme usando artifícios como fotos ou cartela de cores, pode ajudar muito. Caso sinta queexiste alguma dúvida, utilize técnicas que gerem um desbotamento gradativo, ou quepropiciem uma descoloração depois, caso ela resolva voltar atrás.Coloração e Pigmentos: Perguntas e Respostas II
  12. 12. A cada dia surgem novos produtos e procedimentos a serem utilizados na coloração, queexige do profissional muita prática e informação para realizar, de maneira correta, estatécnica.Dando seqüência ao nosso trabalho de esclarecer as principais dúvidas de nossosleitores sobre coloração e pigmentos, respondemos aqui duas perguntas interessantesque facilitarão o desempenho do profissional cabeleireiro.O que eu preciso fazer para escurecer um cabelo muito claro, com sucesso?Em um cabelo na cor natural 5 e com pontas na altura de tom 10, o que eu faço parauniformizar na cor natural sem que fique verde?Estas questões têm respostas semelhantes que se complementam:Quando um cabelo passa por um processo de descoloração, além de perder ospigmentos naturais ele sofre também uma perda de outros nutrientes causando assimuma determinada porosidade, que é agravada se no processo for usada uma fonte decalor. Esta porosidade e a falta de nutrientes dificultam a fixação da cor, que estárelacionada com o estado do cabelo.Quando um cabelo está muito claro, na altura de um tom 10, ele é declaradoquimicamente sem pigmento, o que exige técnicas de reposição dos pigmentos quefaltam. A cor natural de um cabelo contém azul, vermelho e amarelo: quanto mais azulmais escuro, o castanho claro contém mais vermelho e o louro mais amarelo. Quandovamos descolorir um cabelo o primeiro pigmento eliminado é o azul e o cabelo passa aficar avermelhado. Mantendo o tempo de pausa passamos a retirar o vermelho, ficandoalaranjado até o amarelo, e quando retiramos todo o amarelo o cabelo ficaesbranquiçado e geralmente quebradiço. Quanto mais descolorido maiores os cuidadoscom a manutenção.No processo de escurecer os cabelos descoloridos essa regra é usada de forma inversa.Toda coloração é feita para clarear os cabelos e deixá-los o mais natural possível, sem oaspecto avermelhado. Para que isto ocorra se faz necessário, no processo fabril,adicionar a contra cor do vermelho na sua formulação. Esta contra cor como sabemos éesverdeada, por isso não se escurece cabelo descolorido com tom natural, para nãocorrer o risco de ficar verde ou muito cinza. Para este procedimento existem técnicas depré-pigmentação ou repigmentação, confira:Primeira técnica e mais antiga:Escolha a cor e aplique um tom mais claro, com nuance acobreada ou avermelhada,pura ou com água morna; logo em seguida prepare a cor desejada e aplique comoxidante de 20 volumes com o tempo de pausa de 35 minutos.Exemplo:• O cabelo está com o tom 10.• A cor desejada 5.• A cor a ser aplicada na pré-pigmentação: um 6 avermelhado ou acobreado, que podeser aplicado puro ou com água morna.• Em seguida aplique a cor desejada 5 com oxidante de 20 volumes e tempo de pausa de35 minutos.Segunda técnica:
  13. 13. Escolha a cor e aplique um tonalizante ou uma coloração com oxidante de, no máximo,10 volumes, um tom mais claro com nuance acobreada, avermelhada ou dourada, deixeem pausa por 20 minutos, enxágüe, e logo em seguida prepare a cor desejada comoxidante de 20 volumes e tempo de pausa de 35 minutos.Exemplo:• O cabelo está com o tom 10.• A cor desejada 5.• Tonalizar com 6 com nuance acobreada, avermelhada ou dourada e tempo de pausa de20 minutos.• Enxágüe.• Aplicar a coloração 5 com oxidante de 20 volumes. Tempo de pausa de 35 minutos.Terceira técnica:Aplicar uma cor com um tom mais escuro que a desejada, com nuance dourada, deixaragir por 40 minutos e enxaguar. Esta técnica facilita voltar à cor mais clara, caso acliente resolva, fato que seria muito difícil nas técnicas acima. Porém, o que predominaaqui é a técnica de aplicação, que deve ser precisa e minuciosa em todos os detalhes.Exemplo:• O cabelo está com tom 10.• A cor desejada 5.• Preparar a cor 4 com nuance dourada um pouco mais do que usaria normalmente;tempo de pausa de 40 minutos.• Massagear mecha por mecha a cada 10 minutos.• A cada massagem observar onde houve maior absorção da tinta e ir reaplicando nessasregiões o que sobrou da cumbuca.• Enxaguar e aplicar um condicionador com pH abaixo de 3,5; de preferência nãoaplicar shampoo, ou caso não seja possível, aplicar shampoo com pH abaixo de 4,5.Esta última técnica é uma das mais modernas, e para utilizá-la dependerá muito daqualidade e da quantidade de pigmento utilizado na coloração. Como não é possíveldeterminar este fator através do rótulo, o cabeleireiro deve entrar em contato com odepartamento técnico da empresa de coloração e se informar qual a melhor técnicaaconselhável para este processo.Com a abertura do mercado brasileiro vieram novos produtos, e com isso novosconceitos e técnicas. O produto é simplesmente uma ferramenta na mão de umprofissional, por isso não existe produto que substitua o profissional cabeleireiro comseu diagnóstico e sua aplicação. O que podemos fazer é fornecer conhecimentos, queaumentam a capacidade técnica do profissional, para que ele utilize esta ferramenta commais êxito colocando em prática a colorimetria moderna.Coloração e Pigmentos: perguntas e respostas III
  14. 14. A cada dia surgem novos produtos e procedimentos a serem utilizados na coloração, queexigem do profissional muita prática e informação para realizar, de maneira correta, estatécnica.Dando continuidade ao nosso trabalho de esclarecer as principais dúvidas de nossosleitores sobre coloração e pigmentos, respondemos aqui mais duas perguntasinteressantes, que facilitarão o desempenho do profissional cabeleireiro.Qual o segredo para uma coloração ter mais fixação, ou seja, menos desbotamento?A fixação da cor está relacionada com o estado do fio do cabelo, principalmente com ascutículas: quanto mais comprometida menor é a fixação. Nem sempre conseguimosnotar a olho nu o quanto realmente esta cutícula está danificada e examiná-lacriteriosamente seria dispendioso, pois o microscópio eletrônico, capaz de detectar asranhuras no fio, é um investimento inviável em um salão de beleza. Para que umacoloração tenha uma melhor fixação e, conseqüentemente, um menor desbotamento énecessário respeitar as medidas e o tempo de uso de cada produto, indicados pelofabricante. Isto se dá porque os produtos são elaborados com vários ativos, quenecessitam da quantidade correta de oxidante e de um tempo determinado para revelar acor adequadamente.Daí a importância do profissional freqüentar cursos de coloração promovidos pelosfabricantes dos produtos que se pretende usar. Fora estes fatores, é muito importanteque a própria coloração a ser utilizada, tenha qualidade e que seus corantes sejam deprimeira linha, por isso aconselho utilizar produtos de exclusividade profissional. Éimportante também que o cabeleireiro indique à cliente uma linha de manutenção damesma empresa da coloração aplicada, para que o cabelo tenha condições de manter ospigmentos por mais tempo. Soma-se a isto um tratamento periódico no salão e, aí sim,teremos um serviço de coloração com maior durabilidade.Alguns perguntam: “Quais pigmentos têm maior fixação, e quais tem menos?” Levandoem consideração estas informações podemos presumir que, independentemente da coraplicada, ela terá maior durabilidade e fixação se seguirmos os seguintes critérios:• Um bom diagnóstico das condições de saúde do fio, da cor natural, da altura de tom,ou seja, das condições totais que o fio apresenta, pois são estes os fatores principais quepodem comprometer a fixação.• Utilizar somente produtos, única e exclusivamente, destinados a profissionaiscabeleireiros. Estes produtos costumam utilizar corantes de primeira linha e são capazesde atingir o resultado desejado dependendo somente do diagnóstico e aplicação docabeleireiro.• Respeito às medidas e tempo indicados pelo fabricante e uma boa técnica de aplicação,conforme o diagnóstico.Em uma descoloração, seguida de coloração, é necessário o uso de shampoo antes daaplicação da coloração desejada? Por quê?Sim, por mera precaução. Na realidade, a água morna e em abundância já seria osuficiente para eliminar os resíduos de produtos químicos, não contrair as cutículas enem reter alguma partícula de descolorante em qualquer ponto dos fios. Quando esteenxágüe com água morna não é bem feito sobram resíduos de descolorante, quemodificam o resultado final, em partes ou por inteiro, no cabelo. Com isso nãoatingiremos o objetivo e não teremos, conseqüentemente, sucesso no nosso trabalho decoloração. Nesse caso, o shampoo tem que ser suave, nunca anti-resíduos, para nãoendurecer a fibra, não deve ser esfregado ou massageado, nem aplicado no courocabeludo. Aplique somente sobre os fios e enxágüe rapidamente, pois se lembre que
  15. 15. você ainda vai colorir e precisa da oleosidade natural do couro cabeludo para a proteçãodo mesmo. Em caso de cabelos longos também usar um condicionador, para facilitar odesembarace, e enxaguar bem.Após a coloração não é necessário o uso de shampoo sobre os fios! Se você fizer umbom enxágüe com bastante água, não há necessidade de shampoo. O uso de umcondicionador próprio, para realinhar as cutículas, já é suficiente. Porém, se neste casoformos aplicar algum shampoo, que este seja um apropriado para coloração, com um pHácido e com ativos que visem garantir o resultado da cor e não extrair os pigmentosdepositados. Dê sempre preferência a produtos da mesma marca do fabricante dacoloração.

×