Segurança no canteiro_de_obras_-_parte_1

2.070 visualizações

Publicada em

Segurança_no_Canteiro_de_Obras_-_Parte_1

Publicada em: Engenharia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.070
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
462
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
207
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segurança no canteiro_de_obras_-_parte_1

  1. 1. Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 1
  2. 2. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 2 Introdução •De acordo com estimativas da OIT (2003) dos 355.000 acidentes de trabalho fatais que acontecem em cada ano no mundo, aproximadamente 60.000 (17%) ocorrem em obras de construção;
  3. 3. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 3 Introdução •94% das empresas no Brasil são micro e pequenas, que empregam até 29 trabalhadores. •Informalidade da mão-de-obra na construção é da ordem de 61%.
  4. 4. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 4 Introdução
  5. 5. Definições:
  6. 6. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 6 Definições: Segurança do trabalho: •Conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.
  7. 7. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 7 Definições: Segurança do trabalho: É a base para a produtividade e qualidade da obra. A NR 18 é lei, e suas determinações devem ser seguidas.
  8. 8. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 8 Definições: Segurança do trabalho: •Doenças do Trabalho; •Higiene do Trabalho; •Legislação e Normas Técnicas; •Responsabilidade Civil e Criminal; •Perícias; •Proteção do Meio Ambiente; •Ergonomia e Iluminação;
  9. 9. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 9 Definições: Segurança do trabalho: •Proteção contra Incêndios e Explosões; •Gerência de Riscos; •Psicologia na Engenharia de Segurança; •Comunicação e Treinamento; •Administração aplicada à Engenharia de Segurança.
  10. 10. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 10 Definições: PCMAT (Programa de Condições e Maio Ambiente do Trabalho) Destinado a auxiliar a empresa na implantação dos procedimentos de segurança e saúde no trabalho
  11. 11. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 11 Definições: PCMAT (Programa de Condições e Maio Ambiente do Trabalho) •Exigido pela NR 18 – Obras com 20 ou mais funcionários •Projeto detalhado de tudo que envolva a segurança e conforto do trabalhador em todas as suas fases.
  12. 12. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 12 Definições: Sistemas de Proteção Coletiva: Ações e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) que servem de barreira entre o perigo e os operários. Sistemas de Proteção Individual: Composto pelo conjunto de Equipamentos de Proteção Individual.
  13. 13. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 13 Definições: •EPC •EPI
  14. 14. Riscos de Acidentes:
  15. 15. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 15 Riscos de Acidentes Queda em altura •São os que mais levam a óbito.
  16. 16. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 16 Riscos de Acidentes Queda em altura •São os que mais levam a óbito.
  17. 17. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 17 Riscos de Acidentes Queda em altura •São os que mais levam a óbito.
  18. 18. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 18 Riscos de Acidentes Queda em altura •São os que mais levam a óbito.
  19. 19. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 19 Riscos de Acidentes Queda em altura •São os que mais levam a óbito.
  20. 20. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 20 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Mortes só são superadas pelos acidentes com queda em altura na construção civil (Fundacentro)
  21. 21. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 21 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: Locais que fechados por médios ou longos períodos, mas precisam ser acessados em determinado momento por profissionais encarregados de realizar um trabalho específico internamente como manutenção, inspeção, limpeza ou resgate.
  22. 22. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 22 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •NR-33 - em vigor desde o dia 28 de dezembro de 2006 Riscos de asfixia, explosão, intoxicação e doenças do trabalho
  23. 23. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 23 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •A desinformação atinge empregadores e funcionários. •No Brasil, a grande maioria dos trabalhadores desconhece os riscos provenientes dos trabalhos envolvendo Espaços Confinados.
  24. 24. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 24 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Estatísticas sobre mortes de resgatistas também explicitam o desconhecimento sobre o tema. •Estima-se que por cada vítima fatal, dois socorristas (pseudo-resgatistas) morrem tentando salvá-la. •“Quando o Espaço Confinado faz uma vítima, logo em seguida fará múltiplas vítimas que tentarão realizar resgates desastrados, agindo emocionalmente e não racionalmente”
  25. 25. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 25 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Ações simples como a entrada para resgatar uma ferramenta que caiu ou foi esquecida no interior do espaço confinado pode se transformar numa tragédia”.
  26. 26. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 26 Riscos de Acidentes Espaços Confinados são locais que apresentam as seguintes características básicas: – entradas e saídas limitadas – não projetados para a permanência humana e trabalhos contínuos – ventilação desfavorável – Podem conter produtos tóxicos ou inflamáveis
  27. 27. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 27 Riscos de Acidentes Espaços Confinados são locais que apresentam as seguintes características básicas: – Possuem uma atmosfera perigosa que possa causar morte, dano, doença aguda ou incapacidade física, do tipo: • Deficiente de oxigênio • Tóxica ou prejudicial à saúde • Inflamável e/ou explosiva
  28. 28. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 28 Riscos de Acidentes Espaços Confinados são locais que apresentam as seguintes características básicas: •A alteração da atmosfera interna é uma das características do Espaço Confinado, local que possui meios limitados de entrada e saída, com ventilação insuficiente para remover contaminantes, ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio.
  29. 29. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 29 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Poucas empresas e trabalhadores sabem reconhecer um Espaço Confinado e distingui-lo dos demais locais de trabalho (isso requer informação). •O local muitas vezes não é confinado, mas torna-se.
  30. 30. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 30 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Exemplo: Caixa d´água Enquanto está sendo utilizada na sua função tradicional é apenas um reservatório e distribuidor. Quando é preciso esvaziá-la e realizar manutenção, inspeção e limpeza com produtos químicos, ela se transforma em um Espaço Confinado.
  31. 31. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 31 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Os equipamentos/locais usados para estocagem agrícola são cenários de muitos acidentes ocorridos nos locais classificados como Espaços Confinados – armazenados em processo natural , os grãos liberam gás CO2 (dióxido de carbono) ou CH4 (Metano), substâncias letais para o ser humano se respiradas em grandes quantidades.
  32. 32. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 32 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Método usado até hoje: Empurram uma galinha viva, amarrada em cordas, ao interior do local – e a retiram após 15 minutos aproximadamente. A sobrevivência do animal usado como cobaia significa ausência de riscos na atmosfera do ambiente. (Relato fiel de um procedimento comum em empreendimentos agrícolas no Rio Grande do Sul)
  33. 33. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 33 Riscos de Acidentes Espaços Confinados: •Método arcaico e cruel NR-33-2006 Evita este tipo de procedimento, obrigando o uso de dispositivos de segurança de detecção de gases tóxicos.
  34. 34. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 34 Riscos de Acidentes Choque elétrico
  35. 35. Riscos de Contrair Doenças:
  36. 36. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 36 Riscos de Contrair Doenças Respiratória - Silicose: •Doença profissional mais antiga que se conhece. •Pessoas que inalaram pó de sílica durante muitos anos. •O pó de sílica é o elemento principal que constitui a areia.
  37. 37. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 37 Riscos de Contrair Doenças Respiratória - Silicose: •Formam áreas cicatrizadas no pulmão, que não permitem a passagem do oxigênio para o sangue de forma normal. •Os pulmões perdem elasticidade e requer-se mais esforço para respirar. •O pulmão lesado submete o coração a um esforço excessivo e pode causar insuficiência cardíaca (pode evoluir para a morte).
  38. 38. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 38 Riscos de Contrair Doenças Respiratória - Silicose: •Indivíduos com silicose expostos ao microrganismo causador da tuberculose são três vezes mais propensos a desenvolver a tuberculose do que aqueles que não estão afectados pela silicose.
  39. 39. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 39 Respiratória - Silicose: •Diagnostica-se com uma radiografia do tórax que mostra o padrão típico de cicatrizes e nódulos. Riscos de Contrair Doenças
  40. 40. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 40 Riscos de Contrair Doenças Respiratória - Silicose: •Devido ao alto risco de contrair tuberculose - submeter-se periodicamente a revisões médicas que incluam a prova cutânea para a tuberculose.
  41. 41. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 41 Riscos de Contrair Doenças Respiratória - Silicose: •A silicose é incurável. •No entanto, pode deter-se a evolução da doença, interrompendo a exposição à sílica desde os primeiros sintomas.
  42. 42. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 42 Riscos de Contrair Doenças Respiratória - Silicose: Trabalhador com silicose em estágio avançado Foto: ACERVO niosh
  43. 43. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 43 Riscos de Contrair Doenças De Pele:
  44. 44. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 44 Riscos de Contrair Doenças •Pele:
  45. 45. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 45 Riscos de Contrair Doenças Perda auditiva: - Ruídos (Máquinas pesadas, máquinas em geral) Serras circulares;
  46. 46. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 46 Riscos de Contrair Doenças Perda auditiva: -Ruídos (Máquinas pesadas, máquinas em geral) Vibradores de concreto;
  47. 47. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 47 Riscos de Contrair Doenças Perda auditiva: -Ruídos (Máquinas pesadas, máquinas em geral) Betoneiras; Marteletes;
  48. 48. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 48 Riscos de Contrair Doenças Perda auditiva: -Ruídos (Máquinas pesadas, máquinas em geral) Esmerilhadeiras; Compressores;
  49. 49. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 49 Riscos de Contrair Doenças Perda auditiva: -Ruídos (Máquinas pesadas, máquinas em geral) Bate estaca
  50. 50. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 50 Riscos de Contrair Doenças Musculoesqueléticas •por Esforços Repetitivos (LER) ou Traumas Cumulativos (LTC) ou Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (DORT). •Atingem dedos, punhos, antebraços, cotovelos, braços, ombros, pescoço, regiões escapulares e coluna vertebral.
  51. 51. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 51 Riscos de Contrair Doenças Musculoesqueléticas •elementos desencadeadores:  Esforço  Repetitividade  Velocidade  Sobrecargas  Vibrações
  52. 52. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 52 O amianto é uma fibra mineral usada na fabricação de produtos como telhas, caixas d'água, mangueiras e forração de roupa. Riscos de Contrair Doenças Amianto
  53. 53. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 53 Considerado pela indústria um produto de grande importância, devido às suas propriedades, como o isolamento térmico, a durabilidade e a flexibilidade, além de ser de difícil combustão e, principalmente, de baixo custo. O amianto ainda é largamente utilizado no Brasil. Riscos de Contrair Doenças Amianto
  54. 54. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 54 O uso da crisotila (mineral que lhe dá origem) é capaz de provocar diversas doenças respiratórias graves, podendo chegar ao câncer e à morte. Riscos de Contrair Doenças Amianto
  55. 55. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 55 Proibido pela Convenção 162 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Riscos de Contrair Doenças Amianto
  56. 56. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 56 Riscos de Contrair Doenças Amianto  Desde 1942, o câncer de pulmão ligado ao uso do amianto é reconhecido como doença profissional na Alemanha.  Mais de 1.000 mortes anualmente causadas por câncer no mundo
  57. 57. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 57 O amianto ainda é largamente utilizado no Brasil. Riscos de Contrair Doenças Amianto – Indústria FORTE Brasil (terceiro maior produtor mundial de materiais com amianto) • Produção anual ± 250 mil toneladas. • O amianto é consumido internamente e exportado
  58. 58. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 58 Riscos de Contrair Doenças Amianto – Indústria FORTE Toda a cadeia produtiva do amianto crisotila brasileiro, desde a mineração até a revenda dos produtos derivados, gera 170 mil empregos no país.
  59. 59. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 59 Estimativas: • 94% - em produtos de cimento amianto • 50% dos telhados brasileiros • 80% das caixas d´água brasileiras Riscos de Contrair Doenças Amianto – Indústria FORTE
  60. 60. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 60 Mina de Cana Brava, localizada no município de Minaçu (nordeste de Goiás). Reserva estimada para a produção de amianto crisotila por mais 50 anos. Riscos de Contrair Doenças Amianto – Indústria FORTE
  61. 61. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 61 Assembléia Legislativa do Estado de SP (Alesp) aprovou em 2007, aprovou a Lei nº 12.648. Proíbe o uso do amianto em São Paulo. A lei foi aprovada pelo governador José Serra, mas uma ação liminar suspendeu sua efetividade. Riscos de Contrair Doenças Amianto
  62. 62. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 62 As empresas reconhecem os malefícios que o amianto pode causar. Estima-se que em cidades industriais de São Paulo, 53 % dos trabalhadores que utilizam o amianto têm algum tipo de doença provocada por esse material. Riscos de Contrair Doenças Amianto
  63. 63. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 63 Riscos de Contrair Doenças No Brasil, sua utilização é controlada pela Norma Regulamentadora (NR 15), do Ministério do Trabalho e Emprego, que dispõe sobre as atividades e operações insalubres. Amianto
  64. 64. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 64 Normas Vigentes:
  65. 65. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 65 Norma Regulamentadora •NR 4 – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. •NR 15 – Atividades e Operações Insalubres. •NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção. •NR 33 – Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados.
  66. 66. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 66 Equipamento de Proteção Individual (EPI):
  67. 67. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 67 NR-18 - os EPIs devem ser fornecidos de forma gratuita para os empregados sempre que as medidas de proteção coletiva não forem viáveis do ponto de vista técnico ou não oferecerem completa proteção aos operários. Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  68. 68. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 68 Equipamento de Proteção Individual (EPI) NR5 - EPI’s que são obrigatório dividem-se em quatro grupos: •Proteção para a cabeça •Proteção para o tronco •Proteção para os braços e mãos •Proteção para as pernas e pés (além do cinto de segurança)
  69. 69. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 69 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça: Capacete Mascara de soldador
  70. 70. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 70 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Protetor facial para serra circular
  71. 71. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 71 •Lascas de madeira, ferro, vidro, respingos de argamassa e faíscas que se soltam do esmeril estão entre as principais causas de problemas nos olhos. •São conhecidos como acidentes com corpos estranhos. Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  72. 72. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 72 Protetor facial - EPI obrigatório para quem corta ferro. Ele protege os olhos contra as fagulhas provenientes do vergalhão de aço. Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  73. 73. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 73 Serra de bancada. As lascas de madeira podem atingir os olhos. Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  74. 74. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 74 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça: Óculos de proteção
  75. 75. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 75 Se houver recomendação médica, use- os juntamente com os óculos de grau. Óculos de proteção Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça:
  76. 76. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 76 Use máscara e óculos com proteção lateral. Isso evita que entrem partículas de pó nos olhos. Óculos de proteção Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça:
  77. 77. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 77 Pedaços de concreto que se soltam durante o trabalho.. Óculos de proteção Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça:
  78. 78. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 78 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça: Protetor auricular Máscara de pó
  79. 79. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 79 Equipamento de Proteção Individual (EPI) •Proteção para a cabeça:
  80. 80. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 80 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para a cabeça:
  81. 81. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 81 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para o tronco: Avental de couro para soldagem Capa de chuva
  82. 82. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 82 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para os braços e mãos: Luva de malha pigmentada Luva de malha
  83. 83. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 83 Proteção para os braços e mãos: Equipamento de Proteção Individual (EPI) Luva de borracha Luva de raspa de couro
  84. 84. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 84 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Proteção para as pernas e pés: Botas para concretagem Calçado fechado Perneiras de couro para soldagem
  85. 85. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 85 Cinto de segurança: Equipamento de Proteção Individual (EPI) Cinto de segurança tipo pára-quedista
  86. 86. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 86 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Cinto de segurança: Cinto de segurança Posicionamento abdominal
  87. 87. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 87 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Cinto de segurança: Talabarte duplo em Y com absorvedor de energia integrado
  88. 88. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 88 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Cinto de segurança:
  89. 89. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 89 Cinto de segurança: Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  90. 90. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 90 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Cinto de segurança:
  91. 91. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 92 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Cinto de segurança: Trava quedas
  92. 92. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 93 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Dever do empregador
  93. 93. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 94 Tem que fiscalizar!!! Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  94. 94. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 95 Atividade X EPI: •Operador de guincho - luva de raspa, calçado de segurança; •Operador de máquinas móveis e equipamentos - luva de raspa, calçado de segurança; •Operador de martelete - óculos de segurança contra impacto, máscara descartável, avental de raspa, luva de raspa, calçado de segurança; Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  95. 95. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 96 Atividade X EPI: •Operador de policorte - máscara semifacial, protetor facial, avental de raspa, luva de raspa, calçado de segurança; •Pastilheiro - óculos de segurança, luva de PVC ou látex, calçado de segurança; •Pedreiro - óculos de segurança contra impacto, luva de raspa, luva de PVC ou látex, botas impermeáveis, calçado de segurança; Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  96. 96. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 97 Atividade X EPI: •Pintor - óculos de segurança, máscara descartável, avental de PVC, luva de PVC ou látex, calçado de segurança; •Servente em geral - calçado de segurança (deve sempre utilizar os equipamentos correspondentes aos da sua equipe de trabalho); Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  97. 97. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 98 Atividade X EPI: •Soldador - óculos para serviços de soldagem, máscara para soldador, máscara semifacial, protetor facial, avental de raspa, luva de raspa, perneira de raspa, calçado de segurança; •Vigia - colete refletivo. Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  98. 98. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 99 Atividade X EPI: •O capacete é obrigatório para todas as funções; •O protetor auricular é obrigatório a qualquer função quando exposta a níveis de ruído acima dos limites de tolerância da NR 15; Equipamento de Proteção Individual (EPI)
  99. 99. Departamento de Construção Civil Grupo de Materiais de Construção Construção Civil I – TC 024 Prof. Dr. Marcelo Medeiros 100 Atividade X EPI: •A capa impermeável deve ser utilizada pelos trabalhadores cuja função requeira exposição a garoas e chuvas; •O cinto de segurança tipo pára-quedista deve ser utilizado pelos trabalhadores cuja função obrigue a trabalhos acima de 2 m de altura. Equipamento de Proteção Individual (EPI)

×