39

475 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

39

  1. 1. PSICOLOGIA B - 12º ano Tema 2: EU Aprendizagem: Condicionamento clássico e operante Aprendizagem social A professora: Antónia Couto Ano letivo: 2011-2012Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  2. 2. PavlovFoi o fisiologista russo Ivan Pavlovquem, em 1904, ao estudar o papel dasaliva na digestão, verificou que oscães salivavam ao cheiro ou à vistada comida. Esta observação ocasionallevou Pavlov ao estudo sistemático docondicionamento. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  3. 3. CONDICIONAMENTO CLÁSSICO .Processo de aprendizagem que se baseia na associação deum estímulo condicionadoe um estímulo natural, de modo a que o indivíduo reaja ao estímulo condicionado do mesmo modo que reage ao estímulo natural.Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  4. 4. Experiência. Apresentou a um cão um pedaço de carne, o que fez comque as glândulas salivares entrassem em atividade..Repetiu várias vezes a experiência, mas complicando-a,fazendo com que, à apresentação da carne, o cão ouvisseo som de uma campainha.. Como resposta a esta nova situação, o cão continuou asalivar.. Por último, tocou apenas a campainha, e o cão, queassociara os estímulos "carne" e "som", respondeusalivando.. Pavlov constatou que o cão reagiu ao estímulo "som" comuma resposta que seria adequada ao estímulo "carne",mas inadequada ao estímulo "som". Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  5. 5. Esquema E1 R1 E1 E2 R1Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  6. 6. Condicionamento operante - SkinnerEste tipo de aprendizagem foi sistematizado pelopsicólogo americano B. F. Skinner (1904-1990), quecriou uma caixa especial, conhecida, em suahomenagem, como "caixa deSkinner". A caixa contém uma alavanca que permite ofornecimento automático de alimento (reforço) aoanimal, de acordo com um plano estabelecido peloexperimentador. Contém ainda um mecanismo queregista as respostas do animal, o que faz dispensar aobservação contínua do experimentador. Estedispositivo regista cumulativamente as respostasdadas pelo animal durante a experiência. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  7. 7. Condicionamento operante Processo de aprendizagem dinamizado pela obtenção do reforço e que é baseado na sua associação à resposta operante.Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  8. 8. ExperiênciaUm rato faminto é colocado na caixa, o qual começa a explorar o ambiente,cheirando asparedes, tateando e arranhando, Locomovendo-se ao acaso, parando, erguendo-se nas patas traseiras, etc. Num destes movimentos exploratórios, acionaocasionalmente a alavanca, caindo uma bolinha de alimento, Posteriormente, eainda por acaso, o rato volta a premir aalavanca, o que faz cair outra dose de comida. A determinada altura, o ratodescobre que para obter alimento tem de premir a alavanca, pelo que passa maistempo na sua vizinhança, acionando-a insistentemente. E1 R1 Pressão na Alavanca alavanca ----- E2 R2 Comida Comer Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  9. 9. ResultadoQuando o rato estabelece a associação entre aresposta operante (premir a alavanca) e o reforço(alimento), conclui a aprendizagem, ou seja, ficacondicionado a premir a barra para comer. Como sópode comer (R2) após ter acionado a alavanca (RI),o alimento (E2) vai reforçar essa resposta (RI). Isto é,o animal aprende a pressionar a alavanca em funçãodo reforço, que é o alimento. Este só é obtido se orato der uma resposta adequada, uma vez que, senão carregar na alavanca, não receberá comida, equanto mais vezes carregar, mais comida poderáobter. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  10. 10. Reforço• Estímulo agradável que, surgindo em consequência de um comportamento, aumenta a sua ocorrência.• Ex: Esse algo de agradável é a característica essencial do reforço, e pode consistir na obtenção de algo apetecível como, por exemplo, comida, ou na evitação de algo aversivo como, por exemplo, dor. Daí o reforço poder ser positivo e negativo. Na experiência de Skinner, o rato obtinha comida quando acionava a alavanca, Neste caso, o rato aprendeu por reforço positivo, dado que lhe era apresentado um estímulo apetecível - o alimento. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  11. 11. Reforço: positivo• Apresentação de qualquer estímulo apetecível e que aumenta a frequência do comportamento.• Por ex: numa noutra experiência de Skinner, o chão da gaiola provocava choques elétricos ao rato, que cessavam sempre que o rato acionava a alavanca, o que rapidamente fez aumentar a frequência deste comportamento. Neste caso, o rato aprendeu por reforço negativo, dado que lhe era retirado um estímulo aversivo - o choque elétrico. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  12. 12. Reforço: negativo• Retirada de qualquer estímulo aversivo e que aumenta a frequência do comportamento.• Por ex: as pessoas tendem a repetir comportamentos que lhes permitem ganhar dinheiro. Ganhar dinheiro constitui um reforço positivo. Do mesmo modo, as pessoas tendem a repetir comportamentos que lhes permitem pôr fim a uma dor. Pôr fim à dor constitui um reforço negativo. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  13. 13. Castigo ou punição• As respostas diminuem quando há castigo, ou seja, quando delas resulta algo de mau ou desagradável para o sujeito.• Qualquer estímulo desagradável que surge em consequência de um comportamento e que diminui a sua ocorrência.• Por ex: esse algo de mau ou desagradável é a característica essencial do castigo, e pode consistir quer em receber algo aversivo como a dor, quer em ser privado de algo apetecível como o alimento. Quando o rato passou a carregar menos vezes na alavanca porque apanhava um choque elétrico ou não recebia comida, estava a fazer uma aprendizagem por castigo. No primeiro caso, ao deparar com um estímulo incómodo. No segundo, ao ver-se privado de um estímulo agradável. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  14. 14. Conclusão• No dia-a-dia, as pessoas tendem a não repetir comportamentos que lhes provoquem dor ou as privem de obter algo que apreciam, Assim, diminuem o consumo de certo alimento se ficam com dor de estômago quando o ingerem ou tendem a não estacionar o carro em cima de uma rampa se este já tiver sido rebocado alguma vez.• Em suma, ensina-se por castigo quando se apresenta um estímulo aversivo ou se retira um estímulo apetecível, o que, em um ou outro caso, faz diminuir a frequência do comportamento. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  15. 15. Aprendizagem social • OBSERVAÇÃO E IMITAÇÃO Processo de aprendizagem que as pessoas fazem através da observação de comportamentos sociais, os quais são mentalmente imitados e exteriormente expressos.• MODELAGEM - Processo de aprendizagem social feito por observação e imitação de pessoas significativas. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  16. 16. Aprendizagem vicariante• A ideia-chave das conceções de Bandura é a de que as pessoas podem aprender tão bem direta como indiretamente.• Por ex: assim, um empregado que recebe um prémio pelo seu desempenho profissional está a ser reforçado pelo seu comportamento positivo e tenderá a mante-lo no futuro. Trata- se de uma aprendizagem direta conseguida por reforço direto. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  17. 17. Aprendizagem direta• Aquisições em que as consequências dos atos recaem sobre o sujeito que os pratica.• Por ex: os colegas de trabalho tenderão a proceder como o empregado que recebeu o prémio, em virtude de terem observado que o seu bom desempenho foi apreciado. Trata-se de uma aprendizagem vicariante conseguida por reforço indireto ou vicariante. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt
  18. 18. APRENDIZAGEM VICARIANTE• Aquisições em que os modos de proceder são sugeridos pela observação das consequências que recaem nos outros.• Aprender com o que acontece aos outros é uma via de aprendizagem de comportamentos, atitudes e sentimentos sociais. Assim, aprendemos a conduzir moderadamente, observando as consequências nefastas que recaem em pessoas que procedem de outra maneira. O medo de cobras, de assassinos, de animais selvagens, do mar bravo ou de fantasmas desenvolve-se muitas vezes nas pessoas, não por terem estabelecido um confronto direto, mas por contactarem com observações de outras pessoas a respeito desses seres e dos perigos reais ou imaginários que representam. Rua Professor Veiga Simão | 3700 - 355 Fajões | Telefone: 256 850 450 | Fax: 256 850 452 | www.agrupamento-fajoes.pt | E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt

×