Aula EBD - Superficialidade

3.108 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.108
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula EBD - Superficialidade

  1. 1. a RAIZ de nossa SUPERFICIALIDADE © DMM, 2009
  2. 2. Textos para Análise: Tiago 1:1-18 www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  3. 3.  Considerações Iniciais 0 Como se expressa nossa superficialidade ao enfrentarmos situações difíceis? É necessário discernir entre o que proclamamos e o que decidimos viver? Como enfrentam um cristão e um não cristão as situações difíceis? Aí se expressa nossa superficialidade! www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  4. 4. 0 O que é superficialidade?  diz respeito  àquilo que é desprovido de profundidade, vazio de conteúdo e significado.  Vivemos uma época de avanço tecnológico e conquistas assombrosas, porém, marcada pela SUPERFICIALIDADE. as relações são SUPERFICIAIS, há falta de ideais, de compromisso, de tempo para se APROFUNDAR relações e conhecimento. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  5. 5.  Sobre o Texto e Contexto 1 v.1 “Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo”  Irmão de Jesus, se converteu depois da ressurreição.  Um dos líderes da Igreja Cristã Primitiva Gálatas 2:9 “coluna da Igreja”  Hegesipo: “Tiago, o Justo”  Historiadores: “tempo de oração de rodillas…”  Ano 72 d.C. Tiago foi lançado do pináculo do templo.  Tiago conhece o que é o sofrimento. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  6. 6.  Sobre o Texto e Contexto 1 v.1 “as doze tribos que estão na dispersão…” Analogia com as doze tribos de Israel  Todo o povo de Deus (sua Igreja). Gr. diáspora, palavra que, no seu sentido literal, designa os judeus que ficaram espalhados entre as nações após o cativeiro babilônico. Aqui, abrange os crentes em Cristo espalhados pelo mundo, incluindo os de procedência judaica....” www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  7. 7.  Sobre o Texto e Contexto 1  Perseguição pelo acontecido com Estevão (Atos 6, 7 e 8) Dispersão  Ásia menor  Deixaram casa, propriedades, trabalho, negócios, para salvar suas vidas e famílias. Tiago é um cristão que entende o que é sofrimento e está escrevendo para pessoas que também sabem o que é sofrimento. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  8. 8.  Sobre o Texto e Contexto 1 DoVocê é contexto de Tiago cristão? texto e se considera Objetivos: Precisamos encontrar uma saída para a crise e o sofrimento de modo que nossa CONSOLO EM MOMENTO DE não atitude honre ao Senhor e CRISE comprometa a mensagem do EXORTAÇÃO PARA UM FÉ COMPLETA evangelho. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  9. 9.  Sobre o Texto e Contexto 1 Você é se considera cristão? Precisamos encontrar uma saída para a crise e o sofrimento de modo que nossa atitude honre ao Senhor e não comprometa a mensagem do evangelho. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  10. 10.  Sobre o Texto e Contexto 1 Em função do contexto de crise e do mundanismo o que se via eram crentes sujeitos uma FÉ incompleta, SUPERFICIAL. A proposta do texto é justamente nos confrontar na capacidade de continuarmos crentes mesmo quanto tudo está difícil e estabelecer o padrão das adversidades: “São nesses momentos para os quais não se encontra respostas que a fé entra em ação.” www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  11. 11.  Quais os perigos? 2 A preocupação de Tiago tem fundamento em perigos que eram reais na sua época e são reais hoje. E quais são esses perigos?  Superficialidade produz IGNORÂNCIA RELIGIOSA – vs. 7 e 8 De Coração dobre  quem hoje pensa uma coisa e amanhã outra. Refere-se àqueles que balançam entre dois modos contraditórios de se comportar. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  12. 12.  Quais os perigos? 2  Superficialidade conduz INSENSATEZ  Vaidade e desconfiança da providência  (Podemos afirmar que talvez seja a espinha dorsal da superficialidade.  Pecado – Egocentrismo  valores: forma acima do conteúdo; a aparência é mais importante do que a essência; o fútil ao substancial.  Superficialidade conduz a PERIGOS REAIS  Fragilidade da fé  (falta de integridade);  Instantaneidade  (Culto do momento);  Evangelho pós-moderno; www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  13. 13.  E qual o Ensino do Texto? 3 Uma característica da epístola é a intensidade com que nela ressoa a literatura sapiencial do Antigo Testamento. O tema da sabedoria, enquanto dom que procede de Deus, ocupa um lugar proeminente no pensamento de Tiago (1.5; 3.13-18), para quem ser sábio não consiste em possuir grandes conhecimentos científicos, humanísticos ou teológicos, mas sim em conduzir-se com retidão (4.17), “em mansidão de sabedoria” (3.13), de acordo com a vontade de Deus. www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  14. 14.  E qual o Ensino do Texto? 3 1° Principio (v. 2-4)  Deixar a atitude de amargura diante do sofrimento “ter”  Atitude de gozo “prova”  Exercício de nossa fé “perfeitos”  Chegar a ser como Cristo. Gozo e Perseverança www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  15. 15.  E qual o Ensino do Texto? 3 2º Principio (v.5-8) Dilema: Encontrar solução que glorifique a Deus Reação superficial  a solução mais rápida, menos onerosa e que se ajuste a nossos interesses. v.5 “Seja feito com fe”  “Deus não nos “reprova” v.6 O que não ora é como a onda do mar  CRISTIANISMO INCONSTANTE A perseverança é o oposto a isto. Permanecer firme: Sem murmuração Oração pedindo sabedoria www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  16. 16.  E qual o Ensino do Texto? 3 3º Princípio (v.9-11) Nossa estabilidade espiritual não deve variar de acordo a suas circunstâncias econômicas. Se um é POBRE é provado / Se um é RICO é provado v.9 - O POBRE É DIGNO: “exaltação | alta posição” FILHOS AMADOS E ADOTADOS POR DEUS EM CRISTO Pobre ou rico  “cristão abençoado” SER POBRE NÃO É PECADO. Superficialidade: “nossa sensação de indignidade por causa de nossa situação financeira” Dignidade de filhos de Deus www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  17. 17.  E qual o Ensino do Texto? 3 v.12 - Resumo “Bem-aventurado o homem… … que suporta a tentações e provas… com PERSEVERANCIA E GOZO … porque quando tenha resistido a prova… com ORAÇÃO PEDINDO SABEDORIA … receberá a coroa da vida, que Deus tem prometido aos que lhe aman… com DIGNIDADE DE FILHOS www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  18. 18.  E qual o Ensino do Texto? 3 4º Princípio (v.13-17) Ensino tradicional  “culpa de nosso pecado é do diabo” Conceito tradicional: “Uma coisa é prova e outra é tentação” v.13-14 - Concupiscência  Desejo  Prostituta  atrai  PECADO  queda  da luz ao pecado (vontade + tentação) Sai e mata o pai. Quem está ausente neste texto? A raíz… é nossa natureza pecaminosa Uma noção madura de responsabilidade www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  19. 19.  E qual o Ensino do Texto? 3 5º Princípio (v.18-21) v.18 - Deus levanta nova humanidad (2 Cor.5:17) Com a regeneração  Reações NOVAS. Sem regeneração NÃO SE CHEGA ATÉ A RAÍZ… O problema não seria santificação, sim conversão v.19 - No meio das situaciones temos que parar para ouvir (impulsividade) | Justiça de Deus. v.21 – arrancar a imundícia / palavra implantada A realidade prática da regeneração www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  20. 20.  REVENDO 3 1. Gozo e Perseveraça (v.2-4) 2. Oração pedindo sabedoria (v.5-8) 3. Dignidade de filhos de Deus (v.9-11) 4. Uma noção madura de responsabilidade (v.13-17) 5. A realidade prática da regeneração (v.18-21) www.dmmonteiro.com © DMM, 2009
  21. 21. 0 CONCLUSÃO Do texto de Tiago falamos de duas palavras chaves: Provação e perseverança Para não sucumbirmos no estágio entre uma e outra devemos entender que a primeira tem o propósito de nos levar a segunda passando por uma vivência prática da fé sob o entendimento de mais 2 palavras: www.dmmonteiro.com © DMM, 2009

×