HISTÓRIACONTEMPORÂNEADISCIPLINA: HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA IIALUNOS: JOÃO GUSTAVO DE OLIVEIRA,BRENDA PIMENTELCURSO: 1 ANO DE ...
ÍNDICE ANALÍTICOPARTE 1GUERRA FRIAAntecedentes ..............................................................................
Bibliografia e referências ....................................................................................... 18Guerr...
ANTECEDENTESCom o fim da Segunda Guerra Mundial e, consequentemente, a “derrubada” de Hitler,iniciou-se um período de fort...
existência de um partido político único (o comunismo) e, também, uma igualdade socialmuito marcada. Estranho pensar que um...
MY NAME IS BOND, JAMES BOND.James Bond, personagem fictício criado pelo agente de serviço secreto em Moscou nos anos50, Ia...
ERA VARGAS“Agora eu vou mudar minha conduta,Eu vou pra lutaPois eu quero me aprumar.Vou tratar você com força bruta,Pra po...
PAI PATRÃOGetulio Vargas entrou para a história como o presidente mais popular de todos os tempos.Amado pelas massas de no...
Não foi uma medida, de toda nacionalista. No mundo inteiro as trocas comerciais decaiamem virtude da crise de 1929 e pela ...
produção de outros bens e a diversificação industrial. Apesar dos avanços advindos destamodernização e impulso da industri...
ano, agora marcadas para dezembro de 1945. Mas o que era de se esperas, suas declaraçõesnão eram tidas com muita credibili...
Apesar de deposto e recolhido a sua fazenda em São Borja, no Rio Grande do Sul, Vargasainda viria a exercer forte influênc...
Chávez, na Venezuela e, até mesmo no Brasil, o ex-presidente Lula, exemplo máximo decarisma nos dias atuais e o que mais s...
essas se multiplicaram pelo país e representam, até hoje, uma das maiores comoçõesnacionais da história.14
33Foto/divulgação: WEB15
CARTA TESTAMENTOMais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e novamente sedesencadeiam sobre mim....
Não querem que o povo seja independente. Assumi o Governo dentro da espiral inflacionáriaque destruía os valores do trabal...
Bibliografia e ReferênciasCAMPOS, Flavio de; MIRANDA, Renan Garcia. A escrita da História. 1. ed. São Paulo:Escala Educaci...
BUENO, Newton Paulo. Scielo Brasil: A crise política do final da era Vargas: umainterpretação sob a ótica da economia polí...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A guerra fria e era Vargas

1.626 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.626
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A guerra fria e era Vargas

  1. 1. HISTÓRIACONTEMPORÂNEADISCIPLINA: HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA IIALUNOS: JOÃO GUSTAVO DE OLIVEIRA,BRENDA PIMENTELCURSO: 1 ANO DE JORNALISMO, 2° SEM.
  2. 2. ÍNDICE ANALÍTICOPARTE 1GUERRA FRIAAntecedentes .......................................................................................................... 4Ideologia dos Titãs ................................................................................................. 4Corrida armamentista e a “Paz Armada” ............................................................... 5My name is bond, James Bond …………………………………………………….…… 6Consequências da Guerra Fria …………..........................................................…… 6PARTE 2ERA VARGASPai Patrão ............................................................................................................... 8O quadro econômico ............................................................................................... 8A política externa brasileira e a “boa vizinhança” ................................................... 9O declínio do Estado Novo ..................................................................................... 10Todos pela democracia ........................................................................................... 10Queremismo …….......................................................................................……….. 11“Publicidade” no Brasil …………………............................................................…. 12A queda do poder e o suicídio de Vargas ................................................................ 13Carta Testamento .................................................................................................. 162
  3. 3. Bibliografia e referências ....................................................................................... 18Guerra FriaNa Europa e na AméricaHá um crescente sentimento de histeriaCondicionada para responder a todas as ameaçasNa retórica dos discursos soviéticosO senhor Khrushchev disse, "nós vamos enterrar vocês"Eu não aprovo seu ponto de vistaIsso seria uma coisa muito ignorante a fazerSe os Russos amam suas crianças também (...)(Sting. Russians, 1986)3
  4. 4. ANTECEDENTESCom o fim da Segunda Guerra Mundial e, consequentemente, a “derrubada” de Hitler,iniciou-se um período de forte tensão entre as emergentes potências EUA e URSS, queinstauraram no mundo uma espécie de “paz armada”. Essa disputa foi um embate que sóficou no campo ideológico, mas trouxe como consequência diversos pontos positivos e,também, negativos como, por exemplo, um desenvolvimento tecnológico muito acentuado.A IDEOLOGIA DOS TITÃSCom o pós-guerra iniciou-se um período que, ao contrário da falsa harmonia e o inicio deuma nova belle époque, foi marcado por uma tensão que duraria até meados de 1986 entre osAmericanos e os Soviéticos, entendendo-se para o resto do mundo – que, por sua vez,ficaram submetidos aos desejos de ambas as potências.De um lado estava o EUA, que saiu da Segunda Guerra Mundial mais forte do que entrou.Sua política imperialista e seu desejo de espalhar a influência do sistema capitalismo aomundo que, apesar de se mostra falho em meados de 29, mostrou ser um sistema que, apesardas constantes crises, era capaz de crescer dos erros e se mostrava o mais útil sistema deacumulação de capital (e consequentemente de poder). Os Estados Unidos também defendiao direito da propriedade privada, a democracia e a política de mercado – base do sistemacapitalista.Já a URSS, que como o próprio nome deixa implícito, defendia o socialismo. O socialismo –hoje “fora dos trilhos” – era um sistema baseado na economia planificada. Esse sistemaeconômico entra em contraste puro com a economia de mercado – vigente quase que em todoo mundo atualmente –, que é à base do sistema capitalista, pois seria uma espécie deeconomia baseada no planejamento e acompanhada por especialistas do Estado,principalmente com relação aos meios de produção; esse sistema detém o poder sobre osmeios de produção e vai controlar as atividades econômicas, ao passo que a economia demercado baseia-se nos interesses individuais, onde a produção, distribuição, investimentos epreços caberão única e exclusivamente ao proprietário privado, sem a intervenção do Estado.Não sendo esta a característica exclusiva deste sistema socialista, o mesmo irá defender a4
  5. 5. existência de um partido político único (o comunismo) e, também, uma igualdade socialmuito marcada. Estranho pensar que um sistema assim, onde é vigente a falta de democracia– muito difundida como o sistema máximo de participação popular na política do Estado eque, como sabemos, só funciona no imaginário – pudesse dar certo. Mas deu, em partes.O fato de o socialismo surgir como uma nova ideia que possivelmente daria certo, reforçadacom a crise de 29 que deixou claro que os braços do “polvo capitalista” somente nãoalcançavam a URSS, os Estados Unidos passou a temer sua perda de influência e, logo,inicia-se uma corrida pela hegemonia dos sistemas: Os EUA com o Bloco Capitalismo e aURSS com o Socialismo. Ambos tentando espalhar e aumentar suas áreas de influência.CORRIDA ARMAMENTISTA E A “PAZ ARMADA”Como citado, na busca pela disseminação de suas ideologias, os países em questão iniciouuma corrida armamentista espalhando exércitos e armamentos em seus territórios e nosterritórios aliados1. Essa “paz armada” funcionou muito bem na prática e na teoria, pois umavez que houvesse o equilíbrio bélico entre as duas super potências – EUA e URSS – a pazestaria garantida, já que a existência do ataque inimigo era iminente.Nesse meio tempo, para defender os interesses militares de seus países e membros aliados,tanto os EUA quanto a URSS criam dois blocos militares. Os EUA lideravam a OTAN(Organização do Tratado do Atlântico Norte), que surgiu em 1949 e integrava o Canadá e ospaíses da Europa Ocidental. A OTAN tinha como objetivo assegurar uma manutençãocoletiva dos países aliados contra um possível ataque diretos dos soviéticos, contudo isso sófuncionou ideologicamente, pois nunca aconteceu. Já a URSS que liderava o Pacto deVarsóvia, defendia militarmente os países que faziam parte do bloco socialista como, porexemplo, Cuba, China, Coréia do Norte, Romênia, Alemanha Oriental, Albânia,Tchecoslováquia e Polônia.1SUA PESQUISA. História da Guerra Fria. Disponível em: < http://www.suapesquisa.com/guerrafria/>.Acesso: 12 de outubro de 2011.5
  6. 6. MY NAME IS BOND, JAMES BOND.James Bond, personagem fictício criado pelo agente de serviço secreto em Moscou nos anos50, Ian Fleming, era o perfil e a imagem perfeita que as potências do ocidente gostariam detransmitir ao mundo. Um agente bonito, irresistível às mulheres e, mais do que isto,extremamente competente. Com suas armas de alta tecnologia, o Inglês “boa pinta”, Bond,salvava o mundo constantemente do monstro soviético - quase sempre sem suar a camisa. Apropaganda anti-soviética feita de forma tão acentuada tinha um único propósito: estigmatizaro comunismo e socialismo e mostrar que o capitalismo era a forma econômica mais benéficapara o mundo. Outros heróis também entraram para o “cardápio” propagandístico deHollywood como Indiana Jones e Rambo (desenho que mais tarde entraria para o cinemaestrelado por Silvéster Stallone).Contudo, isso não se restringiu apenas ao universo adulto, a ameaça comunista também erauma realidade no mundo infantil. Temos como exemplo os desenhos do Capitão América,que lutava incansavelmente contra a Caveira Vermelha. Wolverine, em um dos episódios dasérie X-mens (1993 a 1997), enfrenta o terrível e indestrutível vilão Omega Red, um soldadosoviético criado para lutar ao interesses Russos.Essa imagem “diabólica” do comunista foi algo que realmente surtiu efeito e até hoje aspessoas têm certo receio quando tratamos de comunismo. Devemos isto à indústriacinematográfica e aos quadrinhos da época.CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA FRIAForam muitos as consequências que surgiram deste tenso conflito como, por exemplo, umdesenvolvimento bélico muito acentuado para garantir o equilíbrio armamentista. Entretantoum ponto forte, se não o principal, foi o desenvolvimento tecnológico provido dessa disputade egos, com destaque para a produção de lixo atômico. A “corrida espacial” foi outroimportante fator deste processo, com destaque para o lançamento do primeiro satélite pelosrussos, assim como a construção de estações espaciais. Alem disto, temos o pouso dosamericanos à lua. Em suma, o medo e as incertezas sobre uma provável Terceira GuerraMundial foi o que vigorou neste período.6
  7. 7. ERA VARGAS“Agora eu vou mudar minha conduta,Eu vou pra lutaPois eu quero me aprumar.Vou tratar você com força bruta,Pra poder me reabilitar.Pois esta vida não está sopaE eu pergunto: com que roupa,Com que roupa eu vouAo samba que você me convidou?”(Noel Rosa, Com que roupa, 1931)7
  8. 8. PAI PATRÃOGetulio Vargas entrou para a história como o presidente mais popular de todos os tempos.Amado pelas massas de nosso país, apesar do autoritarismo característico de seu governo,Getulio chega ao poder em 1930, através de um golpe militar, e governaria o país ao longo dequase 20 anos, deixando seu posto como desejava: morto, apenas. E de fato: Getulio sesuicida em agosto de 1954.Deixando um vazio, ou não, para a história, o fato é que Getulio Vargas, apesar do alto graupopulista, não foi tão bom quanto se pensava. Seu autoritarismo, pouco sentido e camufladopelo sorriso gentil e pela lábia persuasiva, foi algo gradativo, que se intensificava conforme osurgimento de revoltas e manifestações populares, como a de 34. Apesar dos “poréns”,Vargas sem dúvida trouxe um progresso, até então inimaginável, para o país. Rompendo como passado, a República Nova agora crescia, tanto economicamente quanto “humanamente”(ao que se diz respeito à classe operária).O QUADRO ECONÔMICOPodemos destacar a economia brasileira até a década de 1930, como um modeloagroexportador, ou seja, a economia brasileira era voltada para o modo de produção rural:café, tabaco, algodão, entre outros produtos que consolidaram a economia brasileira. Emsuma, o Brasil era um país que vendia matéria primas e gêneros tropicais e, no entanto,comprava grande parte dos produtos industrializados de potências como a Inglaterra, EUA,Alemanha e outros países europeus. Entretanto, com a crise de 1929, este quadro mudariaconsideravelmente, pois a retração do mercado externo, mediante a crise, obrigou o governobrasileiro a voltar-se para o seu interior, estimulando atividades que pudessem substituir asimportações. Contudo, é a partir de 1937, com o Estado Novo, que se definiu a implantaçãodo modelo de substituição de importação, ou seja, através de uma intervenção econômica, oEstado restringiu a importação de bens de consumo não duráveis e estimulou a importação debens de produção de produto e bens de consumo duráveis como máquinas, equipamentos eautomóveis.8
  9. 9. Não foi uma medida, de toda nacionalista. No mundo inteiro as trocas comerciais decaiamem virtude da crise de 1929 e pela tendência monopolista do capitalismo mundial. Nesteperíodo, o Estado populista direcionou seus investimentos para garantir a montagem de umainfra- estrutura que permitisse a expansão do capitalismo nacional ao mesmo tempo em quesocorria o setor cafeeiro com a compra e a queima da produção de excedentes.A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA E A BOA VIZINHANÇAApesar da desastrosa crise, o Brasil soube tira certo proveito da situação. O Estado manteveestreitas relações diplomáticas e econômicas tanto com o EUA quanto com a Alemanha.Devido à indefinição do quadro internacional, no que se diz respeito aos benefícios que aspotências podiam oferecer, sem contar as divisões internas das alianças políticas brasileiras, opaís ficou limitado a qualquer relação direta com essas mesmas potências. Com a invasão daPolônia pelas tropas alemãs, inicia-se, então, a Segunda Guerra Mundial, e, para o Brasil, esteera o momento de definições. Em 1942 sobre o pretexto de navios brasileiros terem sidoatingidos por torpedos alemães, Vargas declara Guerra às forças do Eixo. Entretanto, estaaliança aos EUA não seria gratuita. O Estado Americano emprestaria ao país 20 milhões dedólares para a construção de uma usina siderúrgica no país, em troca de utilizar o Brasil emcaso de necessidade militar.Em abril de 1942, Vargas, inicia a construção da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN),em Volta redonda. Em janeiro daquele mesmo o ano o governo rompeu relações, pordefinitivo, com o Eixo e, quando os alemães atacaram as embarcações brasileiras, na prática,o Brasil já não estava mais em uma situação de neutralidade. A intenção dos americanos, emsuma, com esta relação Brasil-EUA, era impedir que os alemães tivessem “livre transito”pelo hemisfério sul. Segundo Flavio Campos e Renan Garcia2“antes de entrar na guerra, osEUA garantiram sua retaguarda com uma ampla ofensiva política, cultura e econômica que,alem do Brasil, também se dirigiu a Argentina e ao México. Foi à política de “boavizinhança”, criada oficialmente a partir de 1940”.Além da CSN, foi criada, também, em 1942, a Campainha do Vale do Rio Dose. Essasempresas buscavam abastecer o mercado interno com matérias-primas, bens intermediários a2CAMPOS, Flavio de; MIRANDA, Renan Garcia. A escrita da História: Política Externa Brasileira, pag. 524.1. ed. São Paulo: Escala Educacional, 2005.9
  10. 10. produção de outros bens e a diversificação industrial. Apesar dos avanços advindos destamodernização e impulso da industrialização, tudo se fazia ao sigilo do autoritarismo e dopragmatismo diplomático. Contudo, tal ambigüidade de Vargas teia o seu preço.O DECLÍNIO DO ESTADO NOVOEmbora tivesse influências fortemente fascistas, a estrada do Brasil na guerra ao lado dosAliados expôs suas próprias contradições, enfraquecendo, assim, o governo varguista. Comos avanços das forças aliadas, a partir de 1943, Vargas comprometeu-se a realizar eleiçõesgerais ao final dos conflitos militares. Com isto, o processo de democratização passaria a seralvo de intensa disputa. Com a iminente reabertura do poder legislativo, isto só se agravaria.O Estado Populista teria de se adaptara a democracia representativa e os compromissos entrediversos grupos sociais teriam que ser atualizado.TODOS PELA DEMOCRACIACom a participação do Brasil na guerra, manifestações de contestações a ditadura varguistaforam ganhando forças. No aniversário de 13 anos da “Revolução” de 30, representantes daoligarquia Mineira laçaram o “Manifesto dos Mineiros”, defendendo o estabelecimento danormalidade democrática no País. Uma passeata de estudantes da Faculdade de Direito doLargo São Francisco, no mesmo ano, em São Paulo, resultou na morte de dois jovens devidoà repressão. A mascara literalmente havia caído, e o governo autoritário, desnudo, mostrava,agora, sua verdadeira face. Apesar da repressão, a UNE (União Nacional dos Estudantes)levantou-se em todo o país contra a ditadura varguista. O estrago já estava feito. Estudantes,intelectuais, jornalistas, advogados e artistas se uniram a favor da democracia. Pouco a poucoa repressão ia perdendo força frente às manifestações e, até mesmo as representantes maisconservadores como Góis Monteiro, pronunciava-se a favor das eleições. A ditadura tinha,agora, seus dias contados.Contudo, as promessas de uma nova eleição e um futuro democrático eram incertos, ao longode seus 15 anos de governo a população havia se acostumado a ditadura de Vargas. Desde oinício das manifestações pela democracia, em 1943, correram diversos conflitos entrecidadãos, forças políticas, e prisões de liderança política. Entretanto, ainda sim, Vargasprometia a democracia e afirmava que não concorreriam as eleições para presidência daquele10
  11. 11. ano, agora marcadas para dezembro de 1945. Mas o que era de se esperas, suas declaraçõesnão eram tidas com muita credibilidade. Contudo, a oposição tentaria antecipar-se ao ditador.QUEREMISMOEm meio às inseguranças que cercavam as eleições, um fato surpreendeu a nação: Prestes, emum comício, em São Paulo, defendeu a permanecia de Getúlio Vargas ao poder até aelaboração de uma nova constituinte para o Brasil. O lema dos comunistas recém-libertadosdas prisões do Estado Novo passou a ser “Constituinte com Getúlio”. Com oenfraquecimento de seu poder frente ao Exército e Oligarquias, principalmente à oposição,Vargas buscou se aproximar mais dos movimentos populares, na tentativa de equilibrar opoder.Não demorou muito para a massa começar a exigir que Getúlio ficasse no poder nestatransição ditadura-democracia. Seus manifestantes e seguidores passaram a ser conhecidospor “queremistas”: queremos Getúlio!Com o temor de que os grupos mais conservadores, sob influência das oligarquias e a pressãonorte-americana, tomassem o poder, o PCB seguiu orientações de Moscou para apoiarVargas. Sob a óptica de seus dirigentes, uma constituinte com Getúlio traria mais avanços àclasse trabalhadora. Todavia, um ato político-administrativo acabou por atrapalhar os planosde Vargas.O ex-tenente João Alberto, que desde agosto de 1945, daquele ano, tentava impedir, semsucesso, as campanhas e comícios queremistas, mais tarde, em 29 de outubro, comunicou seuremanejamento da Chefia da Policia para a prefeitura do Distrito Federal. Horas depois docomunicado, Góis Monteiro e seu Ministro da Guerra na ocasião e os chefes das ForçasArmadas depuseram Vargas. Como medida provisória, José Linhares, presidente do SupremoTribunal, assumiu a presidência da república. Apesar de tudo e do tumultuado momento,manteve-se o calendário eleitoral, assim, em 2 de dezembro de 1945, Eurico Gaspar Dutraganha às eleições.11
  12. 12. Apesar de deposto e recolhido a sua fazenda em São Borja, no Rio Grande do Sul, Vargasainda viria a exercer forte influência na política nacional.“PUBLICIDADE” NO BRASILUma característica importante que podemos destacar do período populista no Brasil, que seinicia com o rearranjo da democracia ao final do Estado Novo, por Vargas, e segue até aditadura militar, em 1964, no país, é a intensa participação das massas na política nacional.Como artistas, os presidentes deste período arrastavam multidões em comícios e nutriamverdadeira veneração em seus fãs, sobretudo Vargas, o presidente mais popular deste período.O carisma e o forte poder de influência sobre as massas eram as características maismarcantes em Vargas, contudo ele não foi único. Verdadeiros lideres carismáticos comoEvita Perón, na Argentina e Evo Morales, na Colômbia, também faziam essa linha de “paidos pobres”.O populismo, em temos técnicos, foi um período em que o governo encontrava apoio nasmassas, utilizando-se disto para obter o apoio popular.Esses líderes tinham a simpatia e feição da população muito facilmente, estabelecendo,assim, laços emocionais e não racionais. Esse contato popular, muitas vezes era direto,desprezando, assim, qualquer intermediário. E era esta aproximação que iria gerar osentimento de feição e simpatia do líder. Outras causas como, por exemplo, a intervenção queo Estado passou a ter nas relações patrão-empregado, com o pacto populista, foi um fator quecontribui muito para essa proximidade. Vargas, assim, passou a ser conhecido como “pai dospobres”. Sua liderança carismática e sua contribuição para a aprovação de reformastrabalhistas que favoreciam os operariados fizeram com que ele, fosse aclamado, ainda mais,pela população.O movimento populista, como já citado, não foi um movimento exclusivamente brasileiro.Podemos referir, no mundo, ao populismo russo no final do século XIX, que propunha umaradical reforma agrária. Atualmente, podemos citar como exemplo de populismo o Hugo12
  13. 13. Chávez, na Venezuela e, até mesmo no Brasil, o ex-presidente Lula, exemplo máximo decarisma nos dias atuais e o que mais seguiu a “linha” varguista.A QUEDA DO PODER E SUICÍDIO DE VARGASDuas vezes presidente da Republica, sendo a primeira pela revolução de 30, e a segunda porvoto direto, em 1950, a missão de Vargas aparentava-se bastante longa. Após eleito em 1950,Getúlio tomou o poder novamente no ano seguinte, em 31 de Janeiro de 1951, carregandoconsigo todo nacionalismo e claro, o populismo característico de seu governo.Amado pelo povo, mas já enfrentando problemas com grandes empresários porconsequências de aumentos do salário mínimo em 100%, o “pai dos pobres” caminhava paraa sua crise política.Como se já não bastasse à insatisfação dos empresários, também, com as medidas quelevaram ao monopólio da exploração de petróleo no Brasil, Vargas enfrentou uma fortepressão pela oposição sobre o envolvimento de Gregório Fortunato, comandante de suaGuarda Pessoal, no atentado contra o Jornalista Carlos Lacerda que, diga-se de passagem, eraum ferrenho opositor ao governo getulista.Diante de todos esses acontecimentos do governo de Getúlio em 1954, os militares reuniram-se com o presidente e recomendaram-lhe que renunciasse. Por desventura desse pedido, ahistória brasileira foi marcada pela fala de Getúlio como resposta aos militares: “Só mortosairei do catete”.Massacrado pela oposição, pela imprensa e não mais resistindo às pressões exercidas sobreseu governo, Getúlio Vargas suicidou-se, com um tiro no peito, na madrugada de 23 para 24de agosto do ano de 1954. Deixando como legado a famosa carta-testamento – parcialmenteexibida pelos jornais do dia seguinte como o Ultima Hora –. A publicação de que Vargashavia se matado provocou um profundo espírito comoção na população brasileira. Seguiu-separa as ruas multidões que depredaram e incendiaram vários lugares que supostamente eramoposicionistas a Vargas. Ao serem noticiados pequenos fragmentos da carta, ações como13
  14. 14. essas se multiplicaram pelo país e representam, até hoje, uma das maiores comoçõesnacionais da história.14
  15. 15. 33Foto/divulgação: WEB15
  16. 16. CARTA TESTAMENTOMais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e novamente sedesencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam, e não medão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eunão continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos gruposeconômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei otrabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei aogoverno nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se àdos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucrosextraordinários foi detida no Congresso. Contra a justiça da revisão do salário mínimo sedesencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezasatravés da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. AEletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre.16
  17. 17. Não querem que o povo seja independente. Assumi o Governo dentro da espiral inflacionáriaque destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadasde mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nossoprincipal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre anossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder.Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante,incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, paradefender o povo, que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar, a não ser meusangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povobrasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha almasofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energiapara a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no pensamento aforça para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira deluta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá avibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão.E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo ehoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravode ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço do seuresgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutadode peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minhavida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo nocaminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.(Rio de Janeiro, 23/08/54 - Getúlio Vargas)17
  18. 18. Bibliografia e ReferênciasCAMPOS, Flavio de; MIRANDA, Renan Garcia. A escrita da História. 1. ed. São Paulo:Escala Educacional, 2005.SCHILLING, Voltaire. Educa Terra: Os Estados Unidos e o início da Guerra Fria.Disponível em: < http://educaterra.terra.com.br/voltaire/mundo/guerra_fria.htm >. Acesso: 12de outubro de 2011.MOREIRA, Fernando. Cultura Mix: Economia Planificada. Disponível em: <http://economia.culturamix.com/mercado/economia-planificada >. Acesso: 13 de outubro de2011.GOMES, Cristiana. Info Escola: Guerra Fria. Disponível em: <http://www.infoescola.com/historia/guerra-fria/ >. Acesso: 14 de outubro de 2011.MARINHO, Jaison. Mundo Vestibular: Era Vargas. Disponível em: <http://www.mundovestibular.com.br/articles/4375/1/ERA-VARGAS/Paacutegina1.html >.Acesso: 11 de novembro de 2011.18
  19. 19. BUENO, Newton Paulo. Scielo Brasil: A crise política do final da era Vargas: umainterpretação sob a ótica da economia política neo-institucionalista. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-41612006000100008&script=sci_arttext >.Acesso: 11 de novembro de 2011.SUA PESQUISA. Era Vargas. Disponível em: < http://www.suapesquisa.com/vargas/>.Acesso: 12 de novembro de 2011.SANTANA, Miriam Ilza. Info Escola: Era Vargas. Disponível em: <http://www.infoescola.com/historia/era-vargas/ >. Acesso: 12 de novembro de 2011.GAMA, Allan. Historiateca Brasil: Populismo no Brasil. Disponível em: <http://www.historiatecabrasil.com/2010/05/o-populismo-no-brasil.html >. Acesso: 15 denovembro de 2011.ÁTICA EDUCACIONAL. O suicídio de Vargas. Disponível em: <http://www.aticaeducacional.com.br/htdocs/secoes/datas_hist.aspx?cod=543 >. Acesso: 18 denovembro de 2011.MANIA DE HISTÓRIA. Carta testamento. Disponível em: <http://maniadehistoria.wordpress.com/carta-testamento-de-getulio-vargas/ >. Acesso: 24 denovembro de 2011.19

×