SlideShare uma empresa Scribd logo

HISTORIA

GUERRA FRIA

1 de 20
Baixar para ler offline
GUERRA FRIA
 A corrida armamentista pela construção de um grande
arsenal de armas nucleares foi o objetivo central durante
a primeira metade da Guerra Fria, estabilizando-se na
década de 1960 até à década de 1970 e sendo reativada
nos anos 1980 com o projeto do presidente dos Estados
Unidos Ronald Reagan chamado de "Guerra nas
Estrelas".
O confronto da Ideologias
 Realizada um pouco antes da Segunda Guerra
Mundial, a Conferência de Yalta serviu para que
os Aliados não apenas coordenassem a fase
derradeira da luta contra o nazismo,mais também
decidissem a organização do mundo no pós-
guerra.
Doutrina Truma
 É uma expressão que designa um
conjunto de medidas políticas e
econômicas assumidas depois de
março 1947, data em que o então
presidente dos EUA, Harry Truman,
profere um violento discurso contra a
“ameaça comunista”, onde diz que os
EUA assumem o compromisso de
defender o mundo dos soviéticos.
Após a Segunda Guerra Mundial e
uma destruição nunca antes vista na
história (foram mais de 50 milhões de
mortos e alguns dos maiores e mais
desenvolvidos países do mundo,
arrasados) o mundo esperava um
longo período de paz e cooperação
entre os vencedores aliados (EUA,
Grã Bretanha, URSS) que haviam
derrotado o Eixo (Alemanha, Itália,
Japão) e o perigo nazista.
Aliança Militar
 Tem-se uma aliança militar quando duas ou mais forças bélicas,
constituídas cada qual sob comandos centrais distintos, unem-se para
promover ou repelir um ataque, podendo ser firmada em tempos
de paz ou de guerra.Em geral, as alianças militares são celebradas
formalmente, por meio de tratado diplomático que assegura a mútua
assistência em caso de ataque a qualquer um dos membros. Há casos em
que esta formalidade não passa de um pretexto para organizar um ataque,
na tentativa de evitar o desgaste que traz o fato de ser o iniciador de uma
guerra. Algumas das mais importantes alianças militares ao longo da
história foram:
 Santa Aliança, formada em 1815 no Congresso de Viena
por Rússia, Áustria, Prússia e Reino Unido, após a derrota de Napoleão
Bonaparte
 Tríplice Aliança, formada por Brasil, Argentina e Uruguai contra
o Paraguai, na Guerra do Paraguai;
 Tríplice Entente, formada por França, Reino Unido e Rússia, durante a I
Guerra Mundial;
 Tríplice Aliança, formada por Alemanha, Império Austro-Húngaro e Itália,
também durante a I Guerra Mundial, em oposição à Tríplice Entente;
 Eixo, formada por Alemanha, Itália e Japão, durante a II Guerra Mundial;
OTAN, PDSC
OCX, OTSC
CDSA
CPS
As principais alianças militares atuais:

Recomendados

A geopolítica durante o período da ordem bipolar
A geopolítica durante o período da ordem bipolarA geopolítica durante o período da ordem bipolar
A geopolítica durante o período da ordem bipolarRafael Marques
 
Aula de história – 8º ano guerra fria
Aula de história – 8º ano   guerra friaAula de história – 8º ano   guerra fria
Aula de história – 8º ano guerra friastelawstel
 
Antecedentesgeopoliticoseestrategico
AntecedentesgeopoliticoseestrategicoAntecedentesgeopoliticoseestrategico
Antecedentesgeopoliticoseestrategicoborgesnuria
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 8 unidade 1.2 guerra fria
Módulo 8 unidade 1.2 guerra friaMódulo 8 unidade 1.2 guerra fria
Módulo 8 unidade 1.2 guerra friaangelamoliveira
 
Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar Elizangela Silva
 
O mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundialO mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundialDaniel Coelho
 
Aula de história – 8º ano guerra fria
Aula de história – 8º ano   guerra friaAula de história – 8º ano   guerra fria
Aula de história – 8º ano guerra friastelawstel
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Friadrvahl
 
02 história rafael - guerra fria 9º ano 2015
02   história   rafael  - guerra fria 9º ano 201502   história   rafael  - guerra fria 9º ano 2015
02 história rafael - guerra fria 9º ano 2015Rafael Noronha
 
Geografia o mundo bipolar e guerra fria
Geografia   o mundo bipolar e guerra friaGeografia   o mundo bipolar e guerra fria
Geografia o mundo bipolar e guerra friaGustavo Soares
 
Geografia – 9º a aula 02
Geografia – 9º a   aula 02Geografia – 9º a   aula 02
Geografia – 9º a aula 02Eloy Souza
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOAlice Barros
 

Mais procurados (20)

O mundo bipolar
O mundo bipolarO mundo bipolar
O mundo bipolar
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Módulo 8 unidade 1.2 guerra fria
Módulo 8 unidade 1.2 guerra friaMódulo 8 unidade 1.2 guerra fria
Módulo 8 unidade 1.2 guerra fria
 
Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar Guerra fria - O mundo bipolar
Guerra fria - O mundo bipolar
 
Mundo PóS Guerra
Mundo PóS GuerraMundo PóS Guerra
Mundo PóS Guerra
 
Um mundo dividido, um país dividido
Um mundo dividido, um país divididoUm mundo dividido, um país dividido
Um mundo dividido, um país dividido
 
O mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundialO mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundial
 
Aula de história – 8º ano guerra fria
Aula de história – 8º ano   guerra friaAula de história – 8º ano   guerra fria
Aula de história – 8º ano guerra fria
 
Guerra fria ppt49
Guerra fria ppt49Guerra fria ppt49
Guerra fria ppt49
 
O Espaço Global e a Nova Ordem Mundial
O Espaço Global e a Nova Ordem MundialO Espaço Global e a Nova Ordem Mundial
O Espaço Global e a Nova Ordem Mundial
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Guerra fria
Guerra fria  Guerra fria
Guerra fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
02 história rafael - guerra fria 9º ano 2015
02   história   rafael  - guerra fria 9º ano 201502   história   rafael  - guerra fria 9º ano 2015
02 história rafael - guerra fria 9º ano 2015
 
Geografia o mundo bipolar e guerra fria
Geografia   o mundo bipolar e guerra friaGeografia   o mundo bipolar e guerra fria
Geografia o mundo bipolar e guerra fria
 
Geografia – 9º a aula 02
Geografia – 9º a   aula 02Geografia – 9º a   aula 02
Geografia – 9º a aula 02
 
Aula 2 Geografia_3°ano_pré
Aula 2 Geografia_3°ano_préAula 2 Geografia_3°ano_pré
Aula 2 Geografia_3°ano_pré
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 

Semelhante a HISTORIA

A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Friacattonia
 
Resumo a guerra fria
Resumo   a guerra friaResumo   a guerra fria
Resumo a guerra friahistoriando
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra friagdfsabc
 
17234609 Guerra Fria 11 Otimo
17234609 Guerra Fria 11 Otimo17234609 Guerra Fria 11 Otimo
17234609 Guerra Fria 11 OtimoJoão Couto
 
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra FriaDa 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra FriaAEDFL
 
Segunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra friaSegunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra friaIsabel Aguiar
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaechechurry
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaechechurry
 
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábadoHistória   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábadoRafael Noronha
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra FriaJanaína Bindá
 

Semelhante a HISTORIA (20)

A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Resumo a guerra fria
Resumo   a guerra friaResumo   a guerra fria
Resumo a guerra fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
17234609 Guerra Fria 11 Otimo
17234609 Guerra Fria 11 Otimo17234609 Guerra Fria 11 Otimo
17234609 Guerra Fria 11 Otimo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra FriaDa 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
Da 2 Guerra Mundial à Guerra Fria
 
Segunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra friaSegunda guerra e guerra fria
Segunda guerra e guerra fria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábadoHistória   rafael  - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
História rafael - guerra fria - cursinho intensivo e sábado
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Revisão 9º.docx
Revisão 9º.docxRevisão 9º.docx
Revisão 9º.docx
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
19-GUERRA-FRIA-2019-LISTA.pdf
19-GUERRA-FRIA-2019-LISTA.pdf19-GUERRA-FRIA-2019-LISTA.pdf
19-GUERRA-FRIA-2019-LISTA.pdf
 
EUA
EUAEUA
EUA
 
Texto fragmentado
Texto fragmentadoTexto fragmentado
Texto fragmentado
 
Sintese power point
Sintese power pointSintese power point
Sintese power point
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
 

HISTORIA

  • 2.  A corrida armamentista pela construção de um grande arsenal de armas nucleares foi o objetivo central durante a primeira metade da Guerra Fria, estabilizando-se na década de 1960 até à década de 1970 e sendo reativada nos anos 1980 com o projeto do presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan chamado de "Guerra nas Estrelas".
  • 3. O confronto da Ideologias  Realizada um pouco antes da Segunda Guerra Mundial, a Conferência de Yalta serviu para que os Aliados não apenas coordenassem a fase derradeira da luta contra o nazismo,mais também decidissem a organização do mundo no pós- guerra.
  • 4. Doutrina Truma  É uma expressão que designa um conjunto de medidas políticas e econômicas assumidas depois de março 1947, data em que o então presidente dos EUA, Harry Truman, profere um violento discurso contra a “ameaça comunista”, onde diz que os EUA assumem o compromisso de defender o mundo dos soviéticos. Após a Segunda Guerra Mundial e uma destruição nunca antes vista na história (foram mais de 50 milhões de mortos e alguns dos maiores e mais desenvolvidos países do mundo, arrasados) o mundo esperava um longo período de paz e cooperação entre os vencedores aliados (EUA, Grã Bretanha, URSS) que haviam derrotado o Eixo (Alemanha, Itália, Japão) e o perigo nazista.
  • 5. Aliança Militar  Tem-se uma aliança militar quando duas ou mais forças bélicas, constituídas cada qual sob comandos centrais distintos, unem-se para promover ou repelir um ataque, podendo ser firmada em tempos de paz ou de guerra.Em geral, as alianças militares são celebradas formalmente, por meio de tratado diplomático que assegura a mútua assistência em caso de ataque a qualquer um dos membros. Há casos em que esta formalidade não passa de um pretexto para organizar um ataque, na tentativa de evitar o desgaste que traz o fato de ser o iniciador de uma guerra. Algumas das mais importantes alianças militares ao longo da história foram:  Santa Aliança, formada em 1815 no Congresso de Viena por Rússia, Áustria, Prússia e Reino Unido, após a derrota de Napoleão Bonaparte  Tríplice Aliança, formada por Brasil, Argentina e Uruguai contra o Paraguai, na Guerra do Paraguai;  Tríplice Entente, formada por França, Reino Unido e Rússia, durante a I Guerra Mundial;  Tríplice Aliança, formada por Alemanha, Império Austro-Húngaro e Itália, também durante a I Guerra Mundial, em oposição à Tríplice Entente;  Eixo, formada por Alemanha, Itália e Japão, durante a II Guerra Mundial;
  • 6. OTAN, PDSC OCX, OTSC CDSA CPS As principais alianças militares atuais:
  • 7. Aliança política  Uma aliança política pode ser celebrada no plano internacional ou no plano nacional. Em ambos os casos, podem-se encontrar componentes ideológicos, assim como meros interesses de conquistar mais poder ou dinheiro.Nas democracias ocidentais modernas, os partidos políticos são o canal por excelência para a celebração de alianças. Todavia, outras organizações da sociedade também são partes ativas no jogo político.Exemplo arquetípico de aliança política foi a realizada pela burguesia, pela plebe e pelo baixo clero, no curso da Revolução Francesa.  Na história contemporânea, pode ser registrado, dentre tantos outros exemplos, o movimento brasileiro Diretas já, que reuniu diversos segmentos da sociedade na luta pela eleição direta para presidente.Outra forma bastante comum de aliança política é a coligação eleitoral, em que dois ou mais partidos se unem para disputar eleições. Entretanto, é comum que se efetuem alianças políticas mesmo após as eleições, a fim de assegurar a governabilidade, sobretudo nos sistemas parlamentaristas.
  • 9. A Divisão da Alemanha  A Alemanha foi dividida em 1949 pelo famoso MURO DE BERLIM. Esse muro dividia a Alemanha em duas partes como se fosse países distintos A divisão foi feita por que depois da derrota da Alemanha na 2,ª Guerra Mundial a parte oriental do país passou a ser influenciada pelo governo da extinta URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), ou seja Rússia, por estar mais próxima da URSS. Esse fato aconteceu porque a Alemanha resolveu invadir a Rússia no inverno e seus soldados não estavam preparados para o gélido inverno da região. Sendo assim o lado oriental foi beneficiado pelos russos e tornaram-se comunistas.
  • 10.  Em contrapartida o outro lado, Alemanha Ocidental passou a ter influencias dos países aliados que eram capitalistas e assim foi. Para haver essa decisão O governo de Berlim, capital da Alemanha Ocidental. Levantou o muro de Berlim também conhecido como o MURO DA VERGONHA, por dividir em dois o mesmo país. Por outro lado, Boom, capital da Alemanha Oriental proibiu sua população de sair, atravessar o Muro de Berlim, procurando melhores condições de vida do outro lado, e quem tentasse era fuzilado por soldados orientais. Em 1989 essa VERGONHA para o mundo veio abaixo, depois de muitas manifestações do povo alemão e de outros países também.
  • 12. O Muro de Berlim  Durante 28 anos, de 1961 a 1989, a população de Berlim, ex-capital do Reich alemão, com mais de três milhões de pessoas, padeceu uma experiência ímpar na história moderna: viu a cidade ser dividida por um imenso muro. Situação de verdadeira esquizofrenia geopolítica que cortou-a em duas partes, cada uma delas governada por regimes politicos ideologicamente inimigos. Abominação provocada pela guerra fria, a grosseira parede foi durante aqueles anos todos o símbolo da rivalidade entre Leste e Oeste, e, também, um atestado do fracasso do socialismo real em manter-se como um sistema atraente para a maioria da população alemã. Na manhã bem cedo do dia 13 de agosto de 1961, a população de Berlim, próxima à linha que separava a cidade em duas partes, foi despertada por barulhos estranhos, exagerados. Ao abrirem suas janelas, depararam-se com um inusitado movimento nas ruas a sua frente. Vários Vopos, os milicianos da RDA (República Democrática da Alemanha), a Alemanha comunista, com seus uniformes verde-ruço, acompanhados por patrulhas armadas, estendiam de um poste a outro um interminável arame farpado que alongou-se, nos meses seguintes, por 37 quilômetros adentro da zona residencial da cidade. Enquanto isso, atrás deles, trabalhadores desembarcavam dos caminhões descarregando tijolos, blocos de concreto e sacos de cimento.
  • 14. Cuba e a Revolução
  • 15. Cuba e Revolução  A Revolução Cubana foi um movimento armado e guerrilheiro que culminou com a destituição do ditador Fulgencio Batista de Cuba no dia 1 de janeiro de 1959 pelo Movimento 26 de Julho liderado pelo então revolucionário Fidel Castro. O termo Revolução Cubana é genericamente utilizado como sinônimo do castrismo, governo autoritário, mas que em sua origem notabilizou-se pela implantação de uma série de programas assistencialistas sociais e econômicos, notadamente alfabetização e acesso a saúde universal. O apoio soviético depois do movimento armado enfatizou seu caráter anticapitalista e também antiamericano para posteriormente alinhar o país com o chamado bloco socialista. Todavia, essas características ficaram claras apenas depois da revolução, não sendo o seu foco inicial, segundo alguns historiadores, que alegam que o rumo comunista foi tomado após a falta de apoio dos Estados Unidos à revolução de Fidel Castro.
  • 16.  Fulgencio Batista foi eleito presidente democraticamente pela primeira vez em Cuba, mas a sua presidência foi marcada por corrupção e violência. Fulgencio tem o poder de voltar através de um golpe militar em 1952. Em 1953, Fidel Castro e outros 160 homens (números incertos) tentaram o Assalto ao Quartel Moncada mas falharam, e Fidel Castro foi condenado a cerca de 20 anos de prisão, e seu movimento desapareceu. Em 1954, Batista foi reeleito como presidente e, posteriormente, em um ato de reconciliação, Fidel Castro foi libertado. Fidel foi viver um tempo no México. Em novembro de 1956, com um plano revolucionário, formou o Exército Rebelde". Um de seus comandantes era um médico argentino, Ernesto "Che" Guevara. Os guerrilheiros foram gradualmente se tornando populares, com dois novos líderes, Raúl Castro e Juan Almeida. De volta a Cuba, tinha apoio suficiente da população, em seguida, começou a empurrar para a frente as reformas políticas, sociais e econômicas. Fidel era muito popular.
  • 18.  A morte de Fidel Castro promete abrir um novo capítulo na relação entre Estados Unidos e Cuba, após quase seis décadas de confrontos que alcançaram o momento mais tenso em 1962, com a "crise dos mísseis", e começaram a se atenuar há menos de dois anos.  Os EUA, que em um primeiro momento reconheceram Fidel Castro como o novo líder do país, demoraram pouco para reconsiderar esta postura.
  • 19.  A reforma agrária cubana e a nacionalização de indústrias americanas dispararam os alarmes em Washington, que decretou a imposição gradual de restrições comerciais sobre o país.As tentativas de estrangulamento econômico ao novo regime comunista de Cuba, que foram oficializados em 1960 com o embargo sobre as relações comerciais e empresariais dos EUA com o país, se combinaram com planos para derrubar o líder revolucionário.  A tensão se prolongou até 28 de outubro. Nesse dia, o líder soviético Nikita Kruschev aceitou retirar todos os mísseis russos em Cuba e transferi-los outra vezà União Soviética. Já o então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, embora em segredo, se comprometeu a retirar ogivas nucleares da Turquia.