2014
Revista da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa
Maria. Setembro, outubro...
2
Sacra Ordem Dinástica,
Militar e Hospitalar da Milícia
de Jesus Cristo e de Santa
Maria.
Grão-Mestre:
Sua Alteza Serenís...
3
Oração dos Membros da Ordem
ORAÇÃO DOS CAVALEIROS DA SACRA MILÍCIA.
Senhor Jesus que me chamastes a participar da Sacra ...
4
Sumário
Avisos da Arquichancelaria.........................................................................................
5
Mensagem de Natal da Casa Principesca de Mesolcina
Aos Mesoanos, que habitem em Mesolcina, ou em outras nações
Aos Caval...
6
comemorar o Natal, quer por falta de recursos, quer por estarem em solo estrangeiro,
onde os Cristãos não são bem recebi...
7
Real Associação dos Cavaleiros e Damas das Ordens Dinásticas do
Principado de Mesolcina
Brasão de Armas da Real Associaç...
Grandes Arquipriores: Cardeal Nicola Alberti, Cônego Regular
Militense e Bispo de Spoleto.
Nesta secção, traremos a memóri...
Mensagem do Príncipe Grão-Mestre: A Missão da Nobreza
Nesta nossa 3º Edição da Revista Frati Gaudenti, é com grande alegri...
Notícias da Santa Se:
Intenciones de oración del papa Francisco para el mes de enero
Pide que se rece por la paz y por el ...
Y la intención misionera es la siguiente: ''Para que en este año dedicado a la vida
consagrada, los religiosos y las relig...
Francisco encerrou a sua fala dizendo que "os documentos oficiais do sínodo são três: a
mensagem final, o relatório final ...
Scopo dell‘iniziativa sarà quello di condividere con i genitori e con chiunque sia
interessato, i prossimi passi già in at...
Haciendo referencia a las visitas del Pontífice en Asia (a Corea y en las próximas
semanas a Sri Lanka y Filipinas), el pa...
Especial da Capa: A Nobreza, sua função em uma sociedade cada
vez mais republicana e igualitária, e a necessidade de ser
p...
O Bem-Aventurado Carlos I, Magno, Rei da França, da Itália e da Alemanha, sendo
Coroado Imperador de Roma pelo Papa
Nenhum...
se reuniriam e Elegeriam o sucessor, que recebia o título de Rei dos Romanos, e
somente seria Imperador após ser Coroado p...
Antonio III, O santo, Príncipe de Mesolcina e do Sacrossanto Império Romano-
Germânico, em trajes de Cavaleiro da Ordem do...
Palavra do Arquiprior
A FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA DE NAZARE
O Senhor aceita as boas intenções, os bons
procedimentos, a sin...
Na atual revolução social, a célula familiar está particularmente em perigo. Seu direito
tradicional, sua moral, sua econo...
A Voz de Sir Plínio
Coluna dedicada ao Cavaleiro Professo desta Ordem Dr. Plínio Corrêa de Oliveira1 2
Dr. Plínio, Cavalei...
Atualmente ela não é arma de guerra nem para a agressão nem para a defesa. Pode-se
dizer que está praticamente cancelada d...
Por isso nela costumam estar presentes não só a beleza da forma, mas também a
excelente qualidade do material utilizado em...
Vox Traditio
Coluna do Reverendíssimo Padre Marcio Bogaz Trevizan, Cônego Regular
Militense, Grão-Prior da Ordem.
O Signif...
NEUNHEUSER (1987), foi esta acepção que lentamente foi sendo introduzida no
cristianismo, contudo, não no sentido de culto...
REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA
NEUNHEUSER, B. et al. A liturgia: momento histórico da salvação. São Paulo:
Paulinas, 1987. (Anam...
Tarichi-Galli, Dª Gabriela Rosana Cartulano; e como Inspetora Geral a Dama de Grã-
Cruz de Graça Magistral Sra. Gaetanina ...
Outro Grão-Bailiado que promete uma agenda cheia de atividades é o Grão-Bailiado do
México. Chefiado pelo Cavaleiro da Grã...
Missa de Investidura na Província de São Paulo Apóstolo (Brasil)
Brasão de Armas da Província Militense de São Paulo Apóst...
Textos, Notícias & Opinioes
Hospital do Vaticano faz descoberta pioneira com células-tronco
O ―Bambino Gesù‖ descobre técn...
Para a aplicação no campo da leucemia,
a técnica aplicada pela equipe do
professor Franco Locatelli, responsável
pela Onco...
Por que discriminar é correto e natural
Por Walter Block, do site Instituto
Ludwing von Mises Brasil3
Nos dias de outrora,...
como indigna de ser sua parceira de
cama/sexo/casamento: ou seja, todos os
outros homens. Tampouco podem as
mulheres heter...
restaurante chinês, por exemplo, odeia
judeus como eu, ele legalmente não
pode me proibir de entrar em suas
dependências. ...
que negros se sentassem no fundo do
ônibus fosse apenas resultado de
discriminação privada, tal arranjo seria
completament...
— É um gesto muito positivo e, principalmente no âmbito local, cria um ambiente de
confiança — afirma o padre José Félix P...
―O Papa Francisco fez o que se espera dos papas: construir pontes e promover a paz‖,
ressaltou o arcebispo, em nota.
Visit...
ajudou a promover a operação ―Peter Pan‖ organizada pela Inteligência americana, que
tirou muitas crianças cubanas do país...
cidade de Sindchar, no norte do
Iraque, seus líderes não mostraram
paciência alguma. Meios de
comunicação informaram que v...
Entretanto, o jornal iraquiano Al Mada
considera possível uma solução política
para o conflito. "Pela primeira vez,
conseg...
Especial: Imagem
Especial Imagem: o Brasão de Armas de Sua Excelência Reverendíssima o Monsenhor
Dom Antonio Carlos Rossi ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista Frati Gaudenti 3

508 visualizações

Publicada em

3ª Edição da Revista Frati Gaudenti News, da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria Gloriosa.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Frati Gaudenti 3

  1. 1. 2014 Revista da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria. Setembro, outubro, novembro e dezembro de 2014, 3ª Edição Grão-Magistério da Sacra Milícia FRATI GAUDENTI NEWS Na 3ª Edição da Revista Frati Gaudenti News traremos uma especial reportagem sobre a missão da Nobreza no século XXI, os desafios de manter uma identidade política e cultural desta classe, espalhada por todo o mundo, mas que deve manter uma identidade comum.
  2. 2. 2 Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria. Grão-Mestre: Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Andre III Trivulzio- Galli Grão-Mestre Emérito: Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Angelo II Trivulzio- Galli Arquiprior: Sua Excelência Reverendíssima o Senhor Dom Antônio Carlos Rossi Keller. Grão-Prior: Rev. Pe. Marcio Bogaz Trevizan, Cônego Regular Militense. Grã-Consultora Histórica Sua Alteza Ilustríssima a Condessa Dra. Simone Galli, Dama da Honra e Devoção. Grã-Consultora Jurídica Dra. Waldirene Gabirnatto Soares, Dama de Graça Magistral. Grão-Condestável: Sr. Ivair Antônio Cantelli de Oliveira, I Barão da Guarda. Rei-de-Armas: Miguel Ângelo Bôto Avisos da Arquichancelaria Página do Grão-Magistério da Ordem em Língua Portuguesa: Anunciamos a todos que a Página da Sacra Milícia em língua portuguesa: http://sacramilicia.es.tl/ MÍSSA DO PRIORADO DE SÃO PAULO: A Chancelaria Geral das Ordens de Cavalaria da Casa Principesca de Trivulzio-Galli anuncia a todos que será Celebrada a Santa Missa de Investidura dos Cavaleiros e Damas da Ordem no dia 18 de janeiro de 2015. A Santa Missa será Presidida por S.E.R. o Arquiprior da Ordem Mons. Dom Antonio Carlos Rossi Keller, Bispo Diocesano de Frederico Westphalen. A Santa Missa Será realizada na Igreja de Nossa Senhora do Brasil, em São Paulo, Capital. Sede do Grão-Magistério da Ordem: Rua Romário Rosa Lopes, nº 184, Centro, Tenente Portela-RS. Escreva para o Grão-Mestre da seguinte forma: Para a CASA PRINCIPESCA DE TRIVULZIO- GALLI, Caixa Postal nº 52, CEP 98500-000, TENENTE PORTELA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Para escrever para o Grão-Magistério, o e-mail é granmagistero@outlook.com
  3. 3. 3 Oração dos Membros da Ordem ORAÇÃO DOS CAVALEIROS DA SACRA MILÍCIA. Senhor Jesus que me chamastes a participar da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria, te suplico humildemente, pela intercessão da Beata Virgem Maria, Rainha dos Céus, do valoroso São Valério Mártir, Teu glorioso Cavaleiro e de todos os Santos, para que me ajude a ser fiel às tradições da nossa Ordem, praticando e defendendo a Santa Religião Católica Apostólica Romana contra todos os Seus inimigos. Que o Vosso Evangelho seja para mim uma Armadura de Fé e um Escudo de Boa Vontade, Segura Defesa contra as forças do mal. Senhor Jesus, te peço, afim de que possa ter a Graça de exercitar a caridade ao meu próximo, especialmente os órfãos e pobres. Daime enfim a coragem de, segundo o espírito dos Evangelhos, com o ânimo desinteressado profundamente Cristão, a força de lutar pela maior Glória de Deus, pela Glorificação da Santa Igreja e pela Propagação da Fé, pela Paz no Mundo e pelo bem da Santa Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria. Amém. Breves Notícias da Ordem Pedidos de condecorações: Os pedidos de Condecorações poderão ser realizados diretamente para o Grão- Magistério da Ordem, através do e-mail sacramilicia@gmail.com As novas condecorações da Ordem, seguindo o modelo tradicional, serão confeccionadas pelo Sr. Julio Cesar Servilha, Joalheiro de Câmara da Casa Principesca de Trivulzio-Galli, sendo que, como convém a tradição, serão utilizados matérias nobres e banhos de ouro de 18 k. “Católico apostólico romano, o autor deste texto se submete com filial ardor ao ensinamento tradicional da Santa Igreja. Se, no entanto, por lapso, algo nele ocorra que não esteja conforme àquele ensinamento, desde já e categoricamente o rejeita”.
  4. 4. 4 Sumário Avisos da Arquichancelaria...........................................................................................2 Oração dos Membros da Ordem....................................................................................3 Breves Notícias da Ordem.............................................................................................3 Mensagem de Natal da Casa Principesca de Mesolcina .................................................5 Real Associação dos Cavaleiros e Damas das Ordens Dinásticas do Principado de Mesolcina .....................................................................................................................7 Grandes Arquipriores: Cardeal Nicola Alberti, Cônego Regular Militense e Bispo de Spoleto..........................................................................................................................1 Mensagem do Príncipe Grão-Mestre: A Missão da Nobreza..........................................1 Intenciones de oración del papa Francisco para el mes de enero ....................................2 Padre Lombardi: não existe nenhuma carta do papa sobre o celibato .........................3 A Roma si studiano "nuovi modelli di scuola"...............................................................4 'Asia es una de las grandes fronteras de la Iglesia para Francisco'..................................5 Especial da Capa: A Nobreza, sua função em uma sociedade cada vez mais republicana e igualitária, e a necessidade de ser preservada como classe social ................................0 Palavra do Arquiprior....................................................................................................4 A bela mensagem trazida pela Espada...........................................................................6 Criação da Lugar-Tenência de Córdoba no Grão-Bailiado da Argentina...................... 11 Novas atividades dos Grão-Bailiados nas Américas .................................................... 12 Grão-Bailiado da Bolívia......................................................................................... 12 Grão-Bailiado do México........................................................................................ 12 Novo Lugar-Tenente de Nápoles................................................................................. 13 Missa de Investidura na Província de São Paulo Apóstolo (Brasil) .............................. 14 Hospital do Vaticano faz descoberta pioneira com células-tronco................................ 15 Por que discriminar é correto e natural ..........................................................................0 Cuba acelera o processo de devolução de propriedades da Igreja...................................3 Visita de papas..........................................................................................................2 Uma relação tumultuada............................................................................................2 Após perder batalhas, Estado Islâmico mata seus combatentes ......................................3 EI perde sua dinâmica ...............................................................................................1 Jihadistas ainda são desafio .......................................................................................2 Especial: Imagem..........................................................................................................1
  5. 5. 5 Mensagem de Natal da Casa Principesca de Mesolcina Aos Mesoanos, que habitem em Mesolcina, ou em outras nações Aos Cavaleiros e Damas de Nossas Ordens Dinásticas, A todas as pessoas de Boa Vontade, ET Verbum caro factum est! Hoje relembramos o maior milagre da história da Humanidade, o dia em que o Verbo de Deus Se fez carne, e realmente habitou entre nós. Relembramos hoje, o dia em que o Verdadeiro Deus Sol designou-se a ser a Luz Eterna para iluminar a nossa existência humana. Mais um ano se passou e novamente comemoramos o Aniversário do Menino Deus, que há mais de dois mil anos veio trazer a Salvação a humanidade; e hoje, o comemoramos com grandes ceias em nossos lares; erguemo-lo grandes árvores em nossas salas; devemos, porém, ter também este senso de grandeza ao agradecê-Lo por tudo o que por nós fez. A grandeza desta época Natalina nos convida a intensificarmos a nossas ações caritativas, em prol dos mais necessitados, em especial àqueles que não podem
  6. 6. 6 comemorar o Natal, quer por falta de recursos, quer por estarem em solo estrangeiro, onde os Cristãos não são bem recebidos. Desejamos a todos que este período que o Natal do Senhor inicia, seja farto de bênçãos para todas as nações, especialmente ao povo Mesoano, trepievino, alvitense, e dos demais locais onde a Casa de Trivulzio-Galli tenha exercido sua soberania ao longo dos séculos. Que o eterno canto de Gloria in excelsis Deo, entoado pelos Anjos naquele Primeiro Natal, seja outra vez entoado em todos os lares do planeta, para glorificar o grande prodígio, do Deus Encarnado, que hoje celebramos. Andre, Príncipe Titular de Mesolcina, Duque de Alvito, Chefe da Casa Principesca de Mesolcina e de Trivulzio-Galli Angelo, Príncipe de Mesolcina e Duque de Bojano, Rosa, Princesa de Mesolcina e Duquesa de Bojano, Tiago, Príncipe de Mesolcina e Conde de Castel San Pietro, Serenita, Princesa de Mesolcina, Rosângela, Princesa de Mesolcina, Camilla, Princesa de Trivulzio-Galli.
  7. 7. 7 Real Associação dos Cavaleiros e Damas das Ordens Dinásticas do Principado de Mesolcina Brasão de Armas da Real Associação Por iniciativa dos Cavaleiros e Damas pertencentes às diversas Ordens Dinásticas da Casa Principesca de Trivulzio-Galli, foi formada a Real Associação dos Cavaleiros e Damas do Principado de Mesolcina, a RACOM. A RACOM, que terá como sua primeira Presidente a Condessa Simone Trivulzio-Galli, Dama da Grã-Cruz da Ordem das Damas Nobres de Nossa Senhora Auxiliadora será formada pelos Cavaleiros e Damas das Ordens de Cavalaria Dinásticas da Casa Principesca de Mesolcina, também chamada de Casa Principesca de Trivulzio-Galli, que associarem-se com o pagamento de uma cota associativa, atualmente R$ 100,00. Os Cavaleiros e Damas que associarem-se à RACOM deverão pagar uma mensalidade de R$ 50,00 (cinquenta reais), que será utilizada para a manutenção da Real Associação, e, na medida do possível, para o custeio das atividades caritativas da Real Associação. Será objetivo da RACOM a reunião de forças dos Cavaleiros das diversas Ordens Dinásticas da Casa Principesca de Trivulzio-Galli para a realização das atividades caritativas próprias da Cavalaria. Lembramos a todos que o pagamento das taxas cobradas pela RACOM não quitam eventuais obrigações pecuniárias que os Cavaleiros e Damas tenham com suas Ordens de Cavalaria. Para manter contato com a Secretaria da Real Associação, escreva para o e-mail secretaria.racom@gmail.com
  8. 8. Grandes Arquipriores: Cardeal Nicola Alberti, Cônego Regular Militense e Bispo de Spoleto. Nesta secção, traremos a memória dos Grandes Arquipriores que passaram pela Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria. Nicola, Cardeal Alberti, foi este o 3º Arquiprior da Ordem. Nomeado pelo Papa Bento XI em 1303, sua Nomeação vai representar um duro golpe no poder dos primeiros Grão- Mestres da Ordem, uma vez que estes queriam ver-se livres da influência direta da Santa Sé na Ordem, o que quase conseguiram, uma vez que a obtiveram que a Ordem permanecesse sem Arquipriores entre os anos de 1251 a 1303. Nicola Alberti foi Escudeiro e Noviço da Ordem, sendo Armado Cavaleiro da Mãe de Deus em 1298. Sentindo vocação para o Sacerdócio, migrou para o Tercio Religioso da Ordem, e tornou-se um Cônego Regular Militense, chegando a Superior do Priorado de Bolonha. Viu como oportuno a sua aproximação com os Dominicanos, o que era plenamente possível pelo direito canônico então vigente, também passando a ser Irmão daquela Ordem religiosa. Elevado ao Cardinalado em 18 de dezembro de 1303, pelo Papa Bento XI, foi Eleito Bispo de Spoleto. Como já era formalmente Cavaleiro e Cônego da Ordem, foi usado pelo Papa como um instrumento para a Santa Sé retomar o controle formal sobre a Ordem, nomeando-o Arquiprior da mesma. A notícia de sua nomeação foi recebida com grande protesto pelos Cavaleiros, mas mostrou-se profundamente exitosa com o tempo. Manteve-se Arquiprior da Ordem até falecer, em 1231. Cardeal Nicola Alberti
  9. 9. Mensagem do Príncipe Grão-Mestre: A Missão da Nobreza Nesta nossa 3º Edição da Revista Frati Gaudenti, é com grande alegria e satisfação que trazemos um tema que nos é tão caro e agradável, A NOBREZA. Quando este tema me foi sugerido pelo Reverendíssimo Padre Marcio Bogaz Trevizan, Cônego Regular Militense e Grão-Prior Geral da Ordem, confesso que minha primeira reação foi ao mesmo tempo de alegria e de espanto. A alegria não precisa ser nem ao menos motivada, pois o tema, por si só, é de grande interesse. O espanto, contudo, é devido pelo fato de que grandes Cavaleiros desta Ordem já falaram sobre o tema de forma muito mais magistral do que aqui falaremos. Um destes Cavaleiros, o Dr. Sir Plínio Corrêa de Oliveira (que com certeza foi o mais destacado Cavaleiro desta Ordem no século XX), passou boa parte da sua vida falando e (magistralmente) escrevendo sobre esta temática. Como, porém, não conseguiremos escrever tão bem como o nosso Confrade Dr. Plínio, julgamos que a melhor alternativa seria a de criarmos uma coluna editorial para este nosso querido Irmão de Hábito, falecido em 1995. Nossa alegria é que este nosso amado Cavaleiro nos deixou centenas de obras escritas, que, com toda certeza, abrilhantarão de hoje em diante esta nossa Revista. DEO FAVANTE! Andre III Trivulzio-Galli Príncipe titular de Mesolcina, Duque de Alvito.
  10. 10. Notícias da Santa Se: Intenciones de oración del papa Francisco para el mes de enero Pide que se rece por la paz y por el celo por el servicio a los pobres de los religiosos Ciudad del Vaticano, 31 de diciembre de 2014 (Zenit.org) Redacción | 43 hits El papa Francisco ha propuesto sus intenciones de oración para el mes de enero de 2015, una general y la otra misionera, informó la Oficina de Prensa de la Santa Sede. La intención general que el Pontífice argentino ha presentado para este primer mes del año es: ''Para que quienes pertenecen a tradiciones religiosas diversas y todos los hombres de buena voluntad colaboren en la promoción de la paz''.
  11. 11. Y la intención misionera es la siguiente: ''Para que en este año dedicado a la vida consagrada, los religiosos y las religiosas redescubran la alegría de seguir a Cristo y se dediquen con celo al servicio de los pobres''. Desde 1890, el Santo Padre confía en el Apostolado de la Oración para dar a conocer en todo el mundo sus preocupaciones, que encomienda a las plegarias de los fieles cristianos. Padre Lombardi: não existe nenhuma carta do papa sobre o celibato Roma, 31 de Dezembro de 2014 (Zenit.org) Redacao | 1 visita O diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, foi perguntado pelo blog italiano ―Il Sismografo‖ sobre uma suposta carta que o papa Francisco teria enviado ao cardeal brasileiro Cláudio Hummes a respeito do celibato eclesiástico. Lombardi declarou: "Posso afirmar que não existe nenhuma carta do papa ao cardeal Hummes sobre esta matéria. É verdade, porém, que o papa convidou em mais de uma ocasião os bispos brasileiros a buscarem e proporem com valentia as soluções pastorais que eles julgarem adequadas para enfrentar os grandes problemas pastorais do país". Não é a primeira vez que acontece um episódio parecido. Na audiência geral de 10 de dezembro, o próprio pontífice disse que, ao divulgarem notícias sobre o sínodo de outubro, "os meios de comunicação demonstravam um pouco do estilo das crônicas esportivas ou políticas: falava-se com frequência de dois lados, pró e contra, conservadores e progressistas". O Santo Padre explicou que "um sínodo não é um parlamento em que diversos partidos ou grupos de poder debatem, mas sim um contexto de comunhão, privilegiado e protegido, no qual o Espírito Santo age". O papa recordou também que "o documento de trabalho, fruto da consulta feita a toda a Igreja, foi a base do primeiro relatório, prévio ao diálogo fraterno realizado na sala sinodal, sem jamais serem postas em dúvida as verdades fundamentais do sacramento do matrimônio: a indissolubilidade, a unidade, a fidelidade e a abertura à vida. Em seguida, os grupos linguísticos trabalharam a partir de um segundo relatório, que recolhia as diversas opiniões manifestadas na sala. E, com estas contribuições, foi elaborado um relatório final, que será enviado às conferências episcopais de todo o mundo para que elas preparem a próxima assembleia ordinária, em 2015".
  12. 12. Francisco encerrou a sua fala dizendo que "os documentos oficiais do sínodo são três: a mensagem final, o relatório final e o discurso final do papa. Não há outros". A Roma si studiano "nuovi modelli di scuola" L'associazione Arca dell'Alleanza promuove tre workshop presso l'Istituto Sant'Orsola aperti alla partecipazione e al contributo attivo dei genitori Roma, 31 Dicembre 2014 (Zenit.org) Redazione | 31 hits Tre incontri per mettere a confronto genitori, insegnanti e imprese per delineare ―nuovi modelli di scuola‖ e dar vita ad una sorta di riforma educativa ―dal basso‖. L‘iniziativa è promossa dall‘associazione Arca dell‘Alleanza, fondata dagli imprenditori Giorgia Petrini e Marco Di Antonio, con l‘obiettivo di intercettare delle opportunità per progettare la scuola del futuro, ―avendo in mente e nel cuore quello che la scuola dovrebbe sempre essere e significare in ogni tempo: un diritto garantito di alta qualità accessibile a tutti, anche economicamente‖, spiega la Petrini sul suo blog. Il progetto vede la luce al termine di un percorso durato un anno di approfondimento e di analisi del contesto e delle necessità reali nell‘ambito della scuola di oggi, durante il quale l‘associazione Arca dell‘Alleanza ha monitorato le più disparate realtà educative. L‘obiettivo è quello di ripensare la scuola e l‘educazione affinché i giovani ―non crescano depressi e ignoranti (oltre che ignorati) in un sistema educativo che ―comincia‖ a fare acqua da tutte le parti‖. Gli incontri saranno ospitati dall‘Istituto Sant‘Orsola, in via Livorno 50/a a Roma e sono in programma nelle seguenti date: venerdì 30 gennaio 2015, ore 21; venerdì 27 febbraio 2015, ore 21, venerdì 20 marzo, ore 21.
  13. 13. Scopo dell‘iniziativa sarà quello di condividere con i genitori e con chiunque sia interessato, i prossimi passi già in atto per l‘apertura di una scuola di nuova generazione a Roma, condividendo in quella sede esperienze ed obiettivi. Tutti gli incontri avverranno in modalità workshop, sono aperti e gratuiti, ―oltre che vivamente suggeriti a tutti quei genitori intenti a cercare per i propri figli una speranza nuova, non solo di sola scuola, così come la conosciamo oggi‖, sottolinea Giorgia Petrini. Potranno essere fatte domande e saranno approfonditi diversi argomenti. 'Asia es una de las grandes fronteras de la Iglesia para Francisco' El director de la Oficina de Prensa de la Santa Sede hace balance de la actividad del Papa en 2014. Destaca la apuesta del Santo Padre por la cultura del encuentro Ciudad del Vaticano, 30 de diciembre de 2014 (Zenit.org) Redacción | 387 hits El padre Federico Lombardi, director de la Oficina de Prensa de la Santa Sede, ha hecho balance de la actividad del papa Francisco en 2014. En declaraciones a Radio Vaticano, el padre Lombardi ha valorado los cinco viajes internacionales del Pontífice argentino a Tierra Santa, Corea, Albania, Estrasburgo y Turquía. En primer lugar, el portavoz del Vaticano ha recordado una de las claves de la visita del Santo Padre a Tierra Santa: ―Siempre es un poco volver a las raíces de nuestra fe, las raíces del cristianismo, a los lugares de la Historia de la Salvación, y esto tiene un poder simbólico y espiritual formidable. Recuerdo los momentos en los que el Papa, conmovido, en las orillas del Jordán, en los lugares del bautismo, naturalmente en el Santo Sepulcro, y así sucesivamente. Por lo tanto, son cosas fundamentales para nuestra fe y es justo que el Papa pueda también, en nombre de todos nosotros, regresar a aquellos lugares para recordarnos de dónde venimos, el misterio del encuentro de Cristo con la humanidad‖. También ha destacado la importancia del aspecto ecuménico de alguno de estos viajes: ―Tanto la reunión en Jerusalén, como el encuentro luego en Constantinopla con el Patriarca Bartolomé habla de cuán intensa es esta amistad, la relación personal que Francisco ha establecido con el primero de los Patriarcas de la ortodoxia, y cómo esto es un signo de esperanza para nuestro futuro camino ecuménico‖.
  14. 14. Haciendo referencia a las visitas del Pontífice en Asia (a Corea y en las próximas semanas a Sri Lanka y Filipinas), el padre Lombardi ha subrayado cómo este continente constituya una de las grandes fronteras de la Iglesia de nuestro tiempo: ―Estos grandes viajes de Francisco hablan de una atención renovada de la Iglesia hacia esta parte importante de la humanidad de hoy y mañana, desde un punto de vista también demográfico, de presencia humana impresionante desde el punto de vista de sus dimensiones y de su dinámica y, para la Iglesia, una tierra sin fronteras de evangelización, de anuncio del Evangelio en situaciones culturales, sociales, políticas, muy diferentes, a menudo muy difíciles. Por lo tanto, es una de las grandes fronteras de la Iglesia de nuestro tiempo, y el Papa Francisco nos la indica con estos entusiastas viajes suyos‖. Además, el director de la Oficina de Prensa de la Santa Sede ha señalado que, en Europa, ―hubo un viaje muy breve a Albania, pero significativo por el hecho de que el Papa quiere partir tal vez más de las periferias para llegar al corazón de un continente‖. El viaje en Estrasburgo --ha proseguido-- sigue siendo ―un punto de referencia para muchas otras intervenciones‖ que podrá hacer el Papa en muchas situaciones que tienen que ver con el continente. ―Viaje corto pero importante, porque dio --quisiera decir finalmente, tal vez-- la ocasión al Papa de hacer un discurso para Europa, para los países europeos y para el continente, un discurso amplio, articulado, completo de tantas perspectivas, que de alguna manera --para el Papa que viene de fuera de Europa-- era muy esperado. Y ahora sigue siendo un punto de referencia para muchas otras intervenciones que el podrá hacer para determinados pueblos o en muchas situaciones que tienen que ver con nuestro continente‖. En Turquía, y en otras ocasiones, el diálogo interreligioso ha tenido un gran peso: ―El Papa es muy consciente también de la situación del Islam en el mundo moderno y trata de encontrar los caminos para una relación constructiva, también en el diálogo, en cuanto sea posible por supuesto, naturalmente evitando los excesos y condenando todos los excesos, como el uso violento de la religión‖. Un pequeño detalle que quisiera recordar de estos viajes es la dimensión del martirio, ha concluido el padre Lombardi: ―Tanto en Corea, donde la historia de la Iglesia se caracteriza por el martirio, en Albania, donde el martirio en tiempos recientes, bajo el comunismo ha sido muy fuerte, como en Oriente Medio, donde el martirio es también la realidad actual para los muchos problemas que ocurren allí, el Papa encuentra esta realidad y nos recuerda la importancia de esta dimensión en la vida de la Iglesia de todos los tiempos y también en el nuestro‖.
  15. 15. Especial da Capa: A Nobreza, sua função em uma sociedade cada vez mais republicana e igualitária, e a necessidade de ser preservada como classe social Muitos questionam-se, ―qual a função da Nobreza, como classe social e como estamento, em uma sociedade ‗evoluída‘ como a nossa?‖. É justamente por sermos uma sociedade evoluída que a Nobreza tem um papel social preponderante, e que deve ser mantido. É o papel de servir como MODELO para a sociedade. Hoje vivemos um conturbado período social, onde a sociedade escolher seguir modelos estranhos, cujos modos e costumes nada dizem de bom um de útil para as pessoas que o seguem. Tornou-se comum muitos jovens espelharem-se em atores de Hollywood, simplesmente porque querem parecer tal ator, isso quando não fazem ainda pior, e passam a imitar um personagem vivido por aquele ator, como se fosse possível imitar um personagem de filme 24 horas por dia na vida real. Na Sociedade Medieval a sociedade também vivia em constante estado de observar os usos, modos e costumes, e depois tentar adaptá-lo a sua própria vida. Os modelos a serem observados, porém, eram outros. Era na Nobreza que as demais classes da sociedade buscavam a inspiração para a vida. Todos, sem exceção, até mesmo o Clero, via na Nobreza a fonte inspiradora. E a Nobreza sabia que naquele período deveria servir de modelo inspirador para as demais classes da sociedade. A Nobreza buscava então manter um padrão de vida e de moral que parecesse o mais ideal possível, para que os membros dos demais estamentos sociais tivessem em quem se espelhar. E não apenas o modo de vida da Nobreza era copiado, a coragem da Nobreza servia de modelo para os demais. Muitas vezes, no campo de batalha, eram os Nobres que seguiam à frente, e avançavam com a força necessária para que seu exemplo fosse seguido pelos demais combatentes. É humanamente impossível pensar que aqueles príncipes ou barões não sentissem medo diante da morte iminente, porém sabiam que seus atos seriam copiados pelos demais Cavaleiros, assim, deveriam seguir em frente, incarnando o personagem que naquele instante era o de combatente valente e forte.
  16. 16. O Bem-Aventurado Carlos I, Magno, Rei da França, da Itália e da Alemanha, sendo Coroado Imperador de Roma pelo Papa Nenhuma outra estrutura social foi mais inspiradora do que o Sacrossanto Império Romano-Germânico. Fora criado aquele Santo Império, de modo que o Imperador, após Eleito pelos Príncipes, e Coroado pelos Papas, fossem a fonte de todo poder e dignidade, uma vez que seu mandato era ao mesmo tempo dado por Deus, e confirmado pelos Príncipes. Todavia, estes Imperadores, não poderia constitucionalmente exercer todo poder sozinhos. Diz-se constitucionalmente, pois no Sacro Império, apesar de nunca haver sido escrita nenhuma ―constituição‖ como hoje conhecemos, havia uma Constituição verdadeira, que passou a ser escrita com a Coroação do Bem-Aventurado Carlos I Magno, Rei da França, da Itália, da Alemanha, e Imperador de Roma. Esta Constituição pode ser chamada de verdadeira, pois não dependia de uma folha de papel para existir. Ela brotava do coração das pessoas. Não era necessário saber ler para que as pessoas soubessem o que ela dizia. Na Constituição do Sacro Império dizia que este era composto de milhares de pequenos Principados, agrupados entre si por laços de parentesco, amizade e cultura semelhante de seus Príncipes. Também dizia que a Monarquia Imperial seria por Eleição. Assim, morto o Imperador, os Príncipes com Direito de Voto, chamados de Príncipes Eleitores,
  17. 17. se reuniriam e Elegeriam o sucessor, que recebia o título de Rei dos Romanos, e somente seria Imperador após ser Coroado pelo Papa em Roma. Todas estas coisas, e muitas outras, dizia a Constituição do Sacrossanto Império. Porém, muitos dirão ―mas se esta Constituição não era escrita, como as pessoas poderiam saber que o Imperador e os Príncipes não a modificariam?‖ Esta pergunta é muito fácil de ser respondida. Este modelo de Constituição, que brota da alma das pessoas, é considerada a Constituição Verdadeira, pois tudo o que nela dizia constituía a sociedade. Não está se dizendo que este modelo constitucional gerava o direito utilizado na sociedade. É bem mais do que isto. Está-se dizendo que esta Constituição era a própria lei que gerava a sociedade, pois tudo o que constituía a sociedade, era a própria Constituição do Sacrossanto Império. Assim, todos, desde os mais simples vassalos, até o mais altos príncipes sabiam que para ser Imperador era necessário ser Eleito pelos Príncipes, geralmente em número de dez que tinham o Direito Eleitoral. Assim, caso um príncipe, por mais rico e poderoso que fosse, tentasse assumir o poder imperial após a morte de um Imperador, este não seria acatado, apesar de seu poder e riqueza, uma vez que todos sabiam que somente era Imperador o que fosse Eleito. Isto era a verdadeira Constituição de um povo. E o Imperador, logo que Eleito, apressava-se em fazer grandes atos, que logo pudessem ser espelhados pelos demais Príncipes do Império. Porém, pela própria estrutura imperial, o Imperador somente poderia governar as terras que cabiam a sua linhagem. Não podia o Imperador se intrometer nos assuntos internos dos Príncipes. Temos assim muitos e bons exemplos de Imperadores que buscaram fortemente servirem de símbolos para seus Príncipes. É de se destacar o exemplo de Carlos Magno. Tão logo Coroado Imperador pelo Papa buscou construir numerosas escolas, universidades e igrejas, e seu exemplo foi, de fato, seguido por seus sucessores. Outros bons exemplos de homens que compreenderam a importância simbólica de seu papel foram os Eleitores da Baviera. Estes Príncipes, provenientes da Casa de Wittelsbach, buscaram servir de exemplo para seus súditos e vassalos, construindo numerosos Castelos, Palácios, escolas e hospitais por todo o seu reino.
  18. 18. Antonio III, O santo, Príncipe de Mesolcina e do Sacrossanto Império Romano- Germânico, em trajes de Cavaleiro da Ordem do Tosão de Ouro, e com as regalias majestáticas. Retrato de 1754. Nesta mesma linha, temos o exemplo do Príncipe Antonio III de Mesolcina, proveniente da Casa de Trivulzio-Galli. Este valente príncipe, cognominado de O Príncipe Santo, construiu uma rede hospitalar tão grande e avençada, que foi considerada a maior da Europa em 1760. Chamou sua obra de Pio Albergo Trivulzio (que até hoje está em pleno funcionamento) Também hoje a Nobreza é chamada a servir como modelo para a sociedade, porém deve ser um modelo ainda mais forte e contundente. Podemos usar o belo exemplo do Kaiser Guilherme II da Alemanha. O Kaiser era um homem, cuja aparência, por si só, inspirava o típico militarismo alemão, embora Guilherme II não fosse um grande general. Ele porém, vestido com suas muitas fardas, era como um ator, que revestia-se de um personagem para cumprir bem o seu papel. É, com certeza, este papel que a Nobreza deve estar disposta a cumprir hoje em dia. Deve a Nobreza hoje servir de inspiração de coragem e modelo de honestidade para toda a sociedade em sua volta.
  19. 19. Palavra do Arquiprior A FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA DE NAZARE O Senhor aceita as boas intenções, os bons procedimentos, a sinceridade e a ajuda contra os inimigos, como ações justas e meritórias. Abraão auxilia os prejudicados por roubos, assassinatos, liberta-os vencendo os maldosos, repondo a legalidade, resgatando os prisioneiros e castigando os traidores da usura e saque. Respeita a aliança com seus amigos, reparte e só pretende aquilo a que tem direito. Isso agradou ao Senhor que lhe promete um desejado descendente, firma com ele uma aliança inquebrável. Deus atende as queixas do primeiro patriarca do povo que convida a formar. A atitude de Abraão, ensina-nos a: Ouvir a voz de Deus e a ir em socorro de quem precisa, A corrigir os que erram e a libertar os cativos das maldades, A acreditar sempre na palavra de Deus que não engana, não erra e cumpre sempre, pois, no tempo devido e prometido, nasce Isaac. Deus preparou a vinda de Seu Filho, o Messias, durante séculos e envia-o no tempo que julgou mais oportuno. Foi herdeiro, aquele que resgata, vencedor dos inimigos do bem, operando a maior batalha contra os que desrespeitam Deus; ganhou pelos sofrimentos, paixão e morte.
  20. 20. Na atual revolução social, a célula familiar está particularmente em perigo. Seu direito tradicional, sua moral, sua economia, sua função são postos em discussão. – Do ponto de vista moral, o divórcio, o espinhoso problema da limitação da natalidade, o aumento do número dos matrimônios fracassados obrigam os cristãos a retomar consciência de caráter sagrado da família cristã. – São Paulo apresenta o amor dos esposos entre si para que a harmonia conjugal, querida por Deus, não seja desequilibrada. Para isto sugere uma terapia salutar: misericórdia e bondade, humildade, mansidão e paciência, e o cultivo da compreensão e caridade. Cristo deu origem a esta instituição – o matrimonio – Sacramento – como fonte de graça, segundo o modelo do Seu amor pela Igreja. O amor conjugal é, portanto, um meio de santificação para o cumprimento dos deveres do estado conjugal (Gaudium et Spes, 48). Estes deveres concretizam no estado conjugal dos deveres gerais, derivados da família do povo de Deus, como nos ensina a 2.ª Leitura da Missa de hoje (Colossenses 3,12-21). A Família de Nazaré é o modelo de convivência e da mútua compreensão. Este Evangelho de hoje (Lucas 2,22-40) apresenta, em sua primeira parte e na conclusão, a sagrada família cumprindo a lei, isto é, plenamente inserida na ordem social. Tem um desenvolvimento teológico-pascal e a mãe aparece estreitamente unida, na dor, ao destino do filho. Jesus é aqui descrito como o Messias do Senhor, isto é, como o ungido por excelência, destinado a uma obra de salvação que cumprirá realizando em Si a figura do Servo sofredor. Na Sagrada Família, como tidas as outras, há alegrias e tristezas, desde o nascimento até a infância e a idade adulta; ela amadurece através dos acontecimentos alegres e tristes para cada um de seus membros. Dom Antônio Carlos Rossi Keller, Arquiprior da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria, Custódio da Sacra Coroa de Nosso Senhor Jesus Cristo.
  21. 21. A Voz de Sir Plínio Coluna dedicada ao Cavaleiro Professo desta Ordem Dr. Plínio Corrêa de Oliveira1 2 Dr. Plínio, Cavaleiro Professo da Grã- Cruz Brasão de Armas do Dr. Plínio Corrêa de Oliveira A bela mensagem trazida pela Espada A Belíssima Espada Real da Baviera, considerada a mais bela do mundo Hoje em dia a espada está completamente superada como arma de guerra, e nem pode entrar em cogitação a ideia de afiar uma espada para entrar em combate. 1 Dr. Plínio Corrêa de Oliveira (nascido em São Paulo, 13 de dezembro de 1908, e falecido nesta mesma cidade em 3 de outubro de 1995), foi Cavaleiro Professo de Grã-Cruz da Sacra Milícia, recebendo a Investidura em 1971. 2 A Sacra Milícia se nega a participar de quaisquer eventuais disputas ideológicas que envolvam a memória de seus Cavaleiros já falecidos.
  22. 22. Atualmente ela não é arma de guerra nem para a agressão nem para a defesa. Pode-se dizer que está praticamente cancelada da lista dos armamentos modernos. Entretanto, apesar desse fato, em todos os exércitos dos países civilizados os oficiais a trazem consigo nas ocasiões de grande solenidade. Numa época em que o desaparecimento da espada como arma chega ao seu auge, como símbolo ela ainda é tal, que não se compreende um oficial sem a sua espada. Por outro lado, em vários países existem Academias de Letras nas quais se usam fardões, e os acadêmicos, nas ocasiões de pompa, portam a espada. No momento em que o literato chega ao auge de sua glória e é proclamado ―imortal‖ ‒ da mais mortal das imortalidades ‒ não lhe dão uma grande pena para usá-la como simbólico adorno, pois ficaria uma tralha ridícula. Ele sente-se inibido se não tiver uma espada. De maneira que o literato envergando o fardão, usa a espada. Até algum tempo atrás, ao fardão dos diplomatas era também incorporada à espada. Atualmente não sei se ainda a conservam. Por que razão isso é assim? Porque a espada ficou ligada a uma série de aspectos poéticos e heróicos, símbolos da cavalaria e da dignidade humana, que não se dissociam dela.
  23. 23. Por isso nela costumam estar presentes não só a beleza da forma, mas também a excelente qualidade do material utilizado em sua confecção, muitas vezes ornamentado com incrustações de metais nobres e pedras preciosas. E quando seu detentor é possuidor de fé ardente e espírito sacral, não hesita em colocar uma relíquia do Santo de sua maior devoção no punho da mesma. Na Antiguidade clássica, ainda não se construíra em torno da espada toda a legenda que, sobre ela, formou-se durante a Idade Média. Esta fase histórica soube ver com profundidade a espada, sublimá-la e transformá-la no mais alto símbolo da dignidade humana. Um rei para ser coroado usa sempre a espada. Para tudo de elevado, de pompa que o igualitarismo moderno ainda deixou de elevado, usa-se a espada. O que é mais bonito dizer: ―Eu herdei de meu pai uma espada‖ ou ―eu herdei de meu pai uma geladeira, um Cadillac ou uma indústria‖? Pode ser mais lucrativo herdar do pai uma indústria, porém há mais beleza em dizer: “Eu herdei de meu pai uma espada que, nos campos de batalha, defendeu a civilização cristã. Ele foi um herói e morreu na guerra. A espada que usava como militar, como combatente, ele me legou!” Uma espada assim deveria ser guardada numa capela. Pois ela transformou-se numa relíquia.
  24. 24. Vox Traditio Coluna do Reverendíssimo Padre Marcio Bogaz Trevizan, Cônego Regular Militense, Grão-Prior da Ordem. O Significado do termo “Liturgia” A palavra Liturgia é de origem grega, provém da raiz leit (leós- laós= povo), que significava ‗público- pertencente ao povo‘, acrescido do vocábulo érgon (ergázomai= agir, operar), que refere-se a uma ação- obra’. O termo assim composto, significava diretamente uma obra-ação para o povo; em sentido secundário, referia-se também ao valor público da ação. Portanto a palavra leitourgiai, podia ser traduzida também como ação-obra-empresa pública‖ NEUNHEUSER (1987, p. 39). Nas cidades gregas antigas, o vocábulo liturgia estava ligado as obrigações que os cidadãos dotados de certo patrimônio, deveriam realizar em favor dos demais habitantes. Estes eram obrigados a custear serviços públicos (aberturas de estradas, construção de pontes, iluminação da cidade...) ou jogos públicos do atletismo e das olimpíadas, dentre outros. Referia-se também, àquelas ações espontâneas praticadas por pessoas, que assumiam as despesas de eventos públicos (leitourgiai), geralmente motivadas por patriotismo ou por vaidade. Contudo, aos poucos o termo Leitourgía foi perdendo seu significado de ‗serviço público‘ para designar qualquer serviço, como o do escravo ao patrão, do amigo ao amigo e etc. Neste processo de mutação do significado do vocábulo liturgia, a referida palavra passou a assumir, a partir do século III a. C., um sentido religioso, que ligava-se ao culto prestado aos deuses, oficiado por pessoas para isto designadas. De acordo com
  25. 25. NEUNHEUSER (1987), foi esta acepção que lentamente foi sendo introduzida no cristianismo, contudo, não no sentido de culto pagão, mas no sentido de culto ao Cristo Ressuscitado. De acordo com NEUNHEUSER (1987), os escritos da Didaqué (ano 90- 100 d. C), já utilizava de forma embrionária a palavra Leitourgía para expressar o culto a Cristo e designava especificamente a celebração da Eucaristia. Porém, havia grande resistência das comunidades cristãs em aderir ao referido vocábulo, para designar o culto cristão e este passou a ser utilizado na igreja, com outros significados. NEUNHEUSER (1987), aponta que no Ocidente, onde prevaleceu o Latim, o vocábulo Leitourgía ficou sendo desconhecido e para expressar o culto cristão, eram utilizados os termos officium, misterium, múnus. Segundo o referido liturgista, o único autor latino que conheceu o vocábulo liturgia em sentido cultual, contudo expressando adoração a Deus, (latreia) foi Santo Agostinho. Em sentido, não litúrgico, NEUNHEUSER (1987) indica que por volta do ano 300 d.C, a palavra ‗liturgia‘ no Ocidente, referia-se a um encargo, uma função, exercida na Igreja. Esta acepção aparece nos escritos de Eusébio de Cesareia (+- 339 d.C), quando ele se refere aos trabalhos que o Papa Lino exercia em favor da Igreja. Segundo Eusébio, Lino exerceu uma Leitourgía (uma função de governo) durante anos, e foi sucedido por Anacleto que continuou a Leitourgía. Ainda no mundo ocidental, no século IV, o referido vocábulo designava a função dos bispos, presbíteros e dos diáconos. No ocidente a partir do século XVI, com o advento do renascimento é que se começou a utilizar, de forma informal, o termo Liturgia para designar os ritos ou formulários de Missa (NEUNHEUSER ,1987, p. 53). NEUNHEUSER (1987), aponta que ―na linguagem eclesiástica oficial latina, o termo liturgia começou a aparecer somente na primeira metade do século XIX com Gregório XVI (Inter gravissimas, 1832; Studium pio, 1842) e Pio IX (Non mediocri, 1864; Omnem sollicitudini, 1874). Contudo, foi a partir de São Pio X (Tra le sollecitudini, 1903 etc) que o termo liturgia passou a ser usual, referindo-se ao culto. Entretanto, como expressão de uma atitude espiritual, o vocábulo liturgia passou a ser utilizado pouco antes do Concílio Vaticano II. No próximo artigo, aprofundaremos o significado da palavra Liturgia compreendida antes do Concílio Vaticano II e o significado que o referido termo adquiriu com a promulgação da Constituição Apostólica Sacrosanctum Concilium.
  26. 26. REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA NEUNHEUSER, B. et al. A liturgia: momento histórico da salvação. São Paulo: Paulinas, 1987. (Anamnesis, 1). TREVIZAN, M. B. Curso de Liturgia. Dourados- MS: Diocese de Dourados, 2007. Notícias da Ordem Criação da Lugar-Tenência de Córdoba no Grão-Bailiado da Argentina Brasão de Armas da Lugar-Tenência de Córdoba da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria Gloriosa Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Titular de Mesolcina, buscando melhor atender as necessidades dos Cavaleiros da Sacra Milícia, Criou a Lugar-Tenência de Córdoba, junto ao Grão-Bailiado da Argentina. Como primeiro Lugar-Tenente Sua Alteza Sereníssima nomeou o Conde Gustavo Alejandro Taricco y Calvo, II Conde de Tarichi-Galli e Cavaleiro da Grã-Cruz de Honra e Devoção. Como Vice-Lugar-Tenente Sua Alteza Sereníssima nomeou o Conde Carlos Andres Taricco y Galli, I Conde de Tarichi-Galli, e Cavaleiro do Grão-Colar da Ordem. Sua Alteza Sereníssima também nomeou como Secretária Geral da Lugar-Tenência a Condessa Monica Andrea Taricco y Calvo; como Hospitalar a Condessa Consorte de
  27. 27. Tarichi-Galli, Dª Gabriela Rosana Cartulano; e como Inspetora Geral a Dama de Grã- Cruz de Graça Magistral Sra. Gaetanina Felice. A nova Lugar-Tenência argentina iniciou as suas atividades caritativas com grandes projetos, destacando-se um projeto junto a Centro de Saúde de Villa Amancay, onde se colaborará com questões ligadas a medicamentos de venda livre; o projeto de doações de roupas e demais utensílios necessários ao ―Hogar de Ancianos Italiano de Colonia Caroya‖. Novas atividades dos Grão-Bailiados nas Américas Grão-Bailiado da Bolívia Brasão de Armas do Grão-Bailiado da Bolívia, onde pode ser vista a flor de Kantuta, símbolo daquele país. O Grão-Bailiado da Bolívia promete um ano de grandes atividades para 2015. Chefiada pelo Cavaleiro da Grã-Cruz de Graça Magistral Sir Freddy Gonzales Flores, a Ordem Militar de Santa Maria desenvolverá uma série de eventos neste próximo ano. Grão-Bailiado do México Armas do Grão-Bailiado do México
  28. 28. Outro Grão-Bailiado que promete uma agenda cheia de atividades é o Grão-Bailiado do México. Chefiado pelo Cavaleiro da Grã-Cruz de Graça Magistral Sir Dr. Arturo Santoyo y Medina, Vice-Reitor Internacional da Universidad del Sur. A pedido do Grão-Bailio, Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Titular de Mesolcina, 44º Grão-Mestre da Ordem nomeou a nova Diretoria do Grão-Bailiado, que será composta por: - DECANO: Sir Francisco Javier Reynoso Nuno, Cavaleiro Grande Oficial de Graça Magistral; - GRÃO-CHANCELER: Sir Francisco Zepeda Villasenor, Cavaleiro Grande Oficial de Graça Magistral; - JUIZ DE ARMAS: Sir Jesus Avila Pajarito, Cavaleiro Grande Oficial de Graça Magistral; - SECRETÁRIO GERAL: Dr. Sir Efrain Rodriguez y Gutierrez, Cavaleiro Grande Oficial de Graça Magistral; Novo Lugar-Tenente de Nápoles Brasão da Lugar-Tenência de Nápoles O Príncipe de Pietraroja, Don Pasquale Iacomino, Cavaleiro da Grã-Cruz de Hora e Devoção, fora nomeado novo Lugar-Tenente da Sacra Milícia em Nápoles. A Lugar-Tenência de Nápoles é uma das mais importantes Lugares-Tenências da Ordem no mundo, e o Príncipe de Pietraroja com toda a certeza foi o mais indicado para o cargo. Com larga experiência militar, Don Pasquale Iacomino, que serviu por 40 anos como Oficial dos Carabinieri italianos, irá trazer a esta Lugar-Tenência da Casa Principesca de Mesolcina o seu brilho costumeiro.
  29. 29. Missa de Investidura na Província de São Paulo Apóstolo (Brasil) Brasão de Armas da Província Militense de São Paulo Apóstolo. A Província Militense de São Paulo Apostolo irá realizar a Santa Missa de Investidura da Lugar-Tenência Meridional do Grão-Bailiado do Brasil. A Santa Missa será realizada na Igreja Paróquia Nossa Senhora do Brasil, no dia 18 de janeiro de 2015. A Santa Missa será Presidida por Sua Excelência Reverendíssima o Monsenhor Dom Antonio Carlos Rossi Keller, IV Bispo Diocesano de Frederico Westphalen-RS, e 39º Arquiprior da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria Gloriosa. Na ocasião Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Andre III Trivulzio-Galli, Príncipe Titular de Mesolcina e do Sacrossanto Império Romano-Germânico, 44º Grão-Mestre Hereditário da Ordem irá Investir novos Cavaleiros e Cônegos Militenses. Brasão de Armas do Príncipe de Pietraroja, novo Lugar-Tenente da Ordem em Nápoles.
  30. 30. Textos, Notícias & Opinioes Hospital do Vaticano faz descoberta pioneira com células-tronco O ―Bambino Gesù‖ descobre técnica de manipulação que permite o transplante de medula para crianças com leucemia sem necessidade de doador compatível A descoberta científica do hospital do Vaticano promete salvar a vida de milhões de crianças no mundo inteiro. A notícia foi divulgada pelo hospital pediátrico da Santa Sé, ―Bambino Gesù‖ (―Menino Jesus‖), com sede em Roma. Segundo a direção do hospital, os resultados foram apresentados à revista científica internacional ―Blood‖, e poderiam ser ―um marco na cura de muitas doenças no sangue‖. O hospital anunciou, em uma coletiva de imprensa, que a manipulação de células-tronco, em ausência de um doador compatível, permite o transplante de um pai ou mãe ao seu filho. A descoberta é importante para curar crianças com problemas de imunodeficiência, doenças genéticas, leucemia e tumores no sangue. ―Estamos orgulhosos de apresentar este sucesso dos pesquisadores do Hospital ‗Bambino Gesù‘, conscientes de que o protocolo dos nossos laboratórios é um marco na terapia de muitas doenças no sangue‖, confirmou o professor Bruno Dallapiccola, diretor científico do hospital da Santa Sé.
  31. 31. Para a aplicação no campo da leucemia, a técnica aplicada pela equipe do professor Franco Locatelli, responsável pela Onco-hematologia e Medicina Transfusional do hospital, foi apresentada no último mês de dezembro em New Orleans, durante o congresso da Sociedade Americana de Hematologia (ASH). O transplante de células-tronco adultas é uma cura que salva a vida de milhões de crianças que sofrem tumores do sangue, bem como de crianças que nascem sem as adequadas defesas do sistema imunológico. Por muitos anos, o único doador que se podia ter era um irmão ou irmã do paciente. O problema é que dois irmãos são idênticos somente em 25% dos casos. Diante da impossibilidade de ter doadores na família, existem bancos de dados internacionais com 20 milhões de doadores voluntários de medula óssea. Mesmo assim os bancos de sangue para estes casos dão disponibilidade de apenas 600 mil unidades no mundo. O problema se agrava quando 30 ou 40% dos pacientes não encontram um doador compatível, além do mais, considerando o tempo de seleção de um doador e a conclusão de todos os exames para identificar outro doador fora da família. A técnica do hospital da Santa Sé foi aplicada em 23 pequenos pacientes. Os resultados, segundo afirmou a instituição, demonstram que a probabilidade de cura definitiva para estas crianças doentes é de 90%, ou seja, igual à técnica que emprega a medula de um irmão do paciente completamente compatível geneticamente. A descoberta da manipulação das células-tronco é uma esperança para milhões de crianças que podem ser salvas com um transplantede medula. É possível salvar crianças na Ásia, África ou América do Sul, que não têm ―representantes‖ nos registros de doadores de medula óssea e que, por meio desta técnica, poderão finalmente ter acesso a um transplante de maneira rápida e ―virtualmente aplicável a todos os casos‖. Fonte: ARY WALDIR RAMOS DÍAZ para Atleia: http://www.aleteia.org/pt/saude/artigo/h ospital-do-vaticano-faz-descoberta- pioneira-com-celulas-tronco- 5877803891294208
  32. 32. Por que discriminar é correto e natural Por Walter Block, do site Instituto Ludwing von Mises Brasil3 Nos dias de outrora, dizer que um homem estava discriminando significava estar-lhe prestando um grande elogio. Significava dizer que ele tinha gosto: ele sabia distinguir entre o ruim, o medíocre, o bom e o excelente. Sua capacidade de fazer distinções requintadas permitia-o viver uma vida melhor do que em outros contextos. Hoje em dia, em nossos tempos politicamente corretos, discriminação implica ódio racial ou sexual. Quem discrimina está, segundo o senso comum, evocando o linchamento de inocentes, o enforcamento de negros que não cometeram crime nenhum, e, no extremo, um retorno à escravidão. Pelo menos foi isso que aconteceu com o senador recém-eleito pelo estado do Kentucky Rand Paul, que, durante sua campanha, afirmou que havia algumas partes da chamada Lei dos "Direitos Civis" de 1964 que eram repreensíveis. Em decorrência disso, a esquerda acionou sua poderosa máquina difamatória. Porém, tudo que o senador Paul estava dizendo é que, embora seja ilícito ao 3 Disponível em: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=885#. VJNhdTwdB6U.facebook governo discriminar com base em raça, sexo ou qualquer outro critério, é um direito básico de indivíduos terem a liberdade para demonstrar exatamente quais são suas preferências. Trata-se de um elemento básico dos direitos de propriedade. Se os indivíduos não tiverem esse direito, então um importante elemento da liberdade está irremediavelmente perdido. Os gritos de fúria e revolta que recepcionaram tal exposição de ideias foram tão intensos, que o senador se sentiu compelido a recuar em sua declaração. Entretanto, estamos aqui para discutir ideias e não política. Aqui, a verdade e a justiça são nossas únicas guias, e não os sentimentos feridos de jornalistas trabalhando para a mídia convencional e para outros veículos lacrimosos. Sendo assim, faz-se necessário ser claro e direto: é mais do que óbvio que qualquer ato de discriminação da parte de indivíduos — porém, é claro, não da parte do estado — é um direito nato, pois trata-se do direito à liberdade. Quem discorda disso, por consequência lógica, teria de, por exemplo, impor a bissexualidade para todos. A bissexualidade coerciva é a implicação lógica de qualquer movimento antidiscriminação. Por quê? Ora, homens heterossexuais desprezivelmente discriminam nada menos que metade da raça humana
  33. 33. como indigna de ser sua parceira de cama/sexo/casamento: ou seja, todos os outros homens. Tampouco podem as mulheres heterossexuais alegar inocência frente a essa terrível acusação; elas, também, repudiam metade dos seres humanos nesse aspecto. E quanto aos homossexuais masculinos? Podem eles rechaçar essa acusação mortal? Não, eles também se recusam a ter qualquer coisa com todas as fêmeas nesse contexto. Similarmente, as fêmeas homossexuais, lésbicas, criaturas rançosas que são, também evitam manter relações amorosas com qualquer tipo de homem — de novo, metade da raça humana. Portanto, os bissexuais, e somente os bissexuais, estão livres de tal acusação. Somente eles são totalmente inocentes de incorrer em qualquer discriminação desse tipo. Eles são as únicas pessoas decentes em todo o espectro sexual; apenas eles se abstêm de incorrer em prática tão abjeta. (Vamos aqui desconsiderar o fato de que bissexuais também fazem comparações individuais baseadas em beleza, idade, senso de humor etc.) Logo, se nós realmente nos opomos à discriminação de questões referentes ao coração, então todos nós temos de abraçar a bissexualidade. Pois, se não o fizermos voluntariamente, a implicação lógica é que devemos ser forçados a fazê-lo. Afinal, recusar-se a aceitar essa conclusão significa aprovar não apenas tacitamente, mas também ativamente, práticas discriminatórias — certamente uma das piores coisas dentro do arsenal do politicamente correto. É perfeitamente possível opor-se a esse argumento dizendo que leis contra a discriminação feita por agentes privados devem ser válidas apenas para empresas e negócios, e não para interações entre pessoas. Porém, por que somente para o comércio e não também para relações humanas? Certamente, se há algo como "o direito de não ser discriminado", então ele deve ser aplicado em todas as áreas da existência humana, e não apenas no mercado. Se nós temos o direito de não sermos assassinados, ou roubados — e nós o temos —, então esse direito permeia todos os domínios da existência humana. Ser assassinado ou roubado dentro de sua casa é tão igualmente incorreto quanto o ser dentro de uma loja. Ademais, o fato é que as atuais leis antidiscriminação nem mesmo se aplicam uniformemente no âmbito comercial. Antes, sua aplicação depende do "poder" envolvido nas relações, um conceito bastante sem sentido, pelo menos da maneiro como é utilizado pelos nossos amigos da esquerda. Por exemplo, se eu odeio chineses e, por conseguinte, não quero frequentar seus restaurantes, não estou violando nenhuma lei. Entretanto, se o dono do
  34. 34. restaurante chinês, por exemplo, odeia judeus como eu, ele legalmente não pode me proibir de entrar em suas dependências. Por quê? Porque os vendedores, nesse caso, são considerados mais "poderosos" do que os compradores. Porém, a coisa nem sempre funciona assim. Se um grande comprador — por exemplo, uma rede varejista poderosa — se recusar a comprar estoques de uma empresa fornecedora presidida por uma mulher, porque tal rede varejista discrimina mulheres, ela jamais ficaria impune mantendo tal política. Por que então deveria esse sentido ilegítimo de "poder" determinar a legalidade de uma decisão econômica? Certamente, um homem "sem poder", no sentido de ser pobre, não teria permissão para estuprar uma mulher "poderosa", no sentido de que ela é rica. Ou teria? Bem, essa defesa nunca foi tentada antes, então, quem sabe? Outra objeção: pode ser aceitável que um indivíduo discrimine uma minoria oprimida, mas se muitos — ou, pior, se todos os membros da maioria — resolverem incorrer nessa prática, suas vítimas irão sofrer indevidamente e excessivamente. Por exemplo, suponha que brancos se recusem a alugar quartos de hotéis para negros, ou até mesmo a empregá-los. Consequentemente, os negros passarão por sofrimentos e angústias atrozes. Porém, tal objeção é economicamente ignorante. Se os brancos boicotarem os negros dessa maneira, o livre mercado irá se levantar em defesa destes últimos. Como? Se nenhum proprietário estiver concedendo alugueis para um negro, então haverá aí uma grande oportunidade de lucro. Mais ainda: os lucros subirão enormemente em decorrência do simples surgimento desse arranjo. Consequentemente, passará a ser extremamente vantajoso para qualquer empreendedor, no sentido financeiro, passar a suprir essa demanda de mercado. O mesmo ocorre no mercado de trabalho. Se os brancos se recusarem a contratar negros, seus salários cairão para níveis abaixo daquele que de outra forma prevaleceria no mercado. Isso irá criar grandes oportunidades de lucro para alguém — seja ele branco ou negro — que decida contratar essas pessoas, o que o tornará capaz de superar concorrencialmente aqueles que optaram pela discriminação. Porém, esse fenômeno não funcionou para aliviar a má situação dos negros que eram obrigados a sentar no banco de trás dos ônibus durante a vigência das leis de segregação racial nos EUA até a década de 1960. Por quê? Porque a entrada no mercado de fornecimento de serviços de ônibus era estritamente regulada pelas forças políticas, as quais, antes de tudo, foram as responsáveis pela criação dessas leis raciais repreensíveis. Se a determinação de
  35. 35. que negros se sentassem no fundo do ônibus fosse apenas resultado de discriminação privada, tal arranjo seria completamente impotente e inócuo, pois outras empresas concorrentes certamente passariam a ofertar lucrativamente serviços de ônibus para essas pessoas discriminadas. É com essas e outras questões que lido em meu mais novo livro, The Case for Discrimination (algo como Em Defesa da Discriminação). A minha esperança é que esse volume possa lançar alguma luz sobre essas questões, além de se mostrar uma leitura interessante. Walter Block é membro sênior do Mises Institute e professor de economia na Loyola University, Nova Orleans. Cuba acelera o processo de devolução de propriedades da Igreja Um vigia caminha dentro da capela da antiga Universidade de Santo Tomás de Villanueva, em Havana: deteriorado, espaço agora volta a pertencer à Igreja Católica - Ramon Espinosa / AP HAVANA — Enquanto outra reabertura ganhava os holofotes na semana passada, quando os governos de Cuba e dos Estados Unidos anunciavam ao mundo o fim das hostilidades, pelo menos diplomáticas, outra mudança, silenciosamente, ia tomando forma. De maneira discreta, as autoridades cubanas vêm acelerando a restituição de antigas propriedades da Igreja Católica, que por muitos anos manteve uma relação conturbada com os Castro. O processo de devolução começou em 2009 e, até agora, pelo menos 12 imóveis voltaram para a Santa Sé.
  36. 36. — É um gesto muito positivo e, principalmente no âmbito local, cria um ambiente de confiança — afirma o padre José Félix Pérez, secretário-adjunto da Conferência dos Bispos Católicos de Cuba. — Mas está acontecendo, é preciso destacar, gradualmente. Uma das propriedades devolvidas para a Igreja é a capela da antiga Universidade de Santo Tomás, em Miramar, bairro da capital, Havana. As grossas paredes cobertas de azulejos bizantinos com desenhos de santos ainda estão de pé. Mas a metade do teto de madeira e parte dos vitrais coloridos foram destruídos. O processo inclui ainda algumas propriedades valiosas ao longo do país, como o antigo Colégio dos Padres Jesuítas, um edifício na cidade de Cienfuegos, a 250 quilômetros da capital. Ao longo dos anos, o governo usou os espaços como lojas, padarias, lanchonetes e escolas, o que explica, em parte, a degradação. Entre as propriedades em pior estado de conservação estão templos em Santiago de Cuba, San Jose Obrero e San Benito, uma casa paroquial e alguns edifícios que eram ocupados por lojas na região. — Existem dois fatores. Um é o econômico, já que o governo cubano não tem recursos para melhorar a infraestrutura em processo de deterioração. O outro, é de caráter religioso e político, para ressaltar a imagem de que a relação com a Igreja Católica vem melhorando, que é parte deste momento histórico novo que trata de tentar reconstruir o país — explica Enrique López Oliva, professor de história das religiões da Universidade de Havana. A emblemática mediação do Papa Francisco no acordo com os EUA é a prova máxima dessa aproximação. Mas o Vaticano e as conferências episcopais dos Estados Unidos e de Cuba têm incentivado a normalização das relações entre os dois governos há muito tempo, segundo Stephen Colecchi, diretor do Escritório de Justiça e Paz Internacional, da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA: — Isso era necessário há muito tempo. Quando o anúncio foi finalmente feito, Dom Thomas Wenski, arcebispo de Miami — cidade com grande população de cubano-americanos — emitiu um comunicado ressaltando que Barack Obama e Raúl Castro agradeceram pelo papel desempenhado pelo Papa em tornar possível ―o que parece ser uma verdadeira guinada no relacionamento historicamente tenso entre Cuba e os EUA‖.
  37. 37. ―O Papa Francisco fez o que se espera dos papas: construir pontes e promover a paz‖, ressaltou o arcebispo, em nota. Visita de papas Em 1998, quando João Paulo II visitou Cuba, muitos esperavam que ele denunciasse o comunismo. Mas o pontífice se mostrou aberto a conversar com Fidel Castro — e o resultado foi a restauração do feriado nacional de Natal. Da mesma forma, quando Bento XVI esteve no país, em 2012, manteve-se aberto ao diálogo com Castro. — A Igreja em Cuba já não enfrentava as mesmas dificuldades que teve no começo, porque, desde a vinda do Papa João Paulo II, houve uma mudança muito marcante nas relações entre a Igreja e o Estado — disse, na semana passada, o cardeal cubano Jaime Ortega, importante mediador que ajudou na libertação de presos políticos no país. Poucos meses antes do anúncio, em outubro, em um sinal de distensão da relação entre o regime e o Vaticano, a Igreja Católica em Cuba anunciou que, pela primeira vez desde a revolução, iria construir um novo templo na ilha no município de Sandino, na província de Pinar del Río. Criada no começo dos anos 60, a cidade não tinha nenhuma igreja. O santuário terá capacidade para 200 pessoas e ocupará uma área de 800 metros quadrados. O titular da paróquia será Cirilo Castro — sem parentesco com os irmãos que governam a ilha desde a revolução armada e decretaram o país um Estado ateu. Uma relação tumultuada Apesar de Cuba ser um país de tradição católica, a religião já não é a maioria entre a população. Predominam as crenças afro-cubanas, trazidas pelos escravos. O número de cubanos batizados corresponde a cerca 60% da população, segundo dados do Vaticano, mas especialistas estimam em 30% os praticantes. Destes, 5% frequentam missas regularmente. Após o triunfo da revolução, a Igreja Católica não conseguiu manter uma boa relação com o Estado. Fidel Castro nacionalizou muitas das propriedades, e alguns dos locais passaram a ser usados para guardar armas de grupos anticastristas. A Igreja também
  38. 38. ajudou a promover a operação ―Peter Pan‖ organizada pela Inteligência americana, que tirou muitas crianças cubanas do país, com o consentimento dos pais. O argumento era que os revolucionários comunistas iriam tirar suas custódias. O governo cubano, por outro lado, perseguiu muitos fiéis. O diálogo com membros das Igreja começou a ser retomado apenas nos anos 90 — uma iniciativa do então presidente Fidel Castro, que autorizou pela primeira vez a visita dos papas São João Paulo II e Bento XVI à ilha. Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/de-volta-para-igreja- cuba-restitui-templos-cristaos-14919646#ixzz3N7FLrYx2 Mundo islamico Nossa luta é contra isto! Após perder batalhas, Estado Islâmico mata seus combatentes Eles lutaram. Mas, do ponto de vista de seus líderes, não o suficiente. Quando os combatentes do movimento jihadista "Estado Islâmico" (EI) retornaram no último final de semana da batalha pela
  39. 39. cidade de Sindchar, no norte do Iraque, seus líderes não mostraram paciência alguma. Meios de comunicação informaram que várias dezenas de homens do EI foram executados pelo próprio grupo jihadista. Na opinião dos comandantes do grupo, isso foi uma punição justa pela derrota do grupo na luta contra a milícia curda pershmerga. Os pershmergas obtiveram sucesso ao reconquistar partes da cidade antes controladas pelos jihadistas. Da mesma forma brutal procederam os comandantes do EI também na Síria. De acordo com relatos da mídia, cerca de 100 combatentes predominantemente europeus foram executados. Depois de lutar, eles queriam voltar para seus países de origem. De acordo com a mídia, centenas de outros combatentes ainda são vigiados, já que eles queriam abandonar as zonas de combate. "As execuções têm o objetivo de servir como dissuasão e como um alerta para todos que não querem mais lutar pelo EI", afirma a cientista política Gülistan Gürbey, da Universidade Livre de Berlim. A punição atinge principalmente os combatentes que não teriam se engajado pelo EI por convicções ideológicas, mas por outros motivos – como a esperança de receber vantagens materiais. "Já aqueles que se juntaram ao movimento por convicção ideológica não se opõem a essas ações. Eles até mesmo a saúdam", diz Gürbey. EI perde sua dinâmica O ritmo no qual o EI tinha tomara parte considerável da Síria e do Iraque parece ter perdido impulso em muitos lugares. Em parte, a marcha se estagnou de forma completa – como na cidade de Kobane, no norte da Síria. Lá, há meses os terroristas do EI promovem grandes batalhas contra o exército curdo. A ajuda da aliança internacional, por meio de seus ataques aéreos, foi decisiva para deter a marcha do EI. Porém, tudo tem seu preço: até agora, centenas de curdos morreram nos combates. Ainda maior é o número de vítimas do lado do EI. De acordo com informações do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, mais de mil jihadistas morreram em Kobane. Na cidade iraquiana de Sindchar, o EI teve até mesmo que recuar. Os jihadistas fracassaram perante os curdos, que equipados também com armas alemãs, conseguiram resistir fortemente no norte do Iraque. No resto do país, árabes xiitas e sunitas moderados ainda não se juntaram numa aliança conjunta. Porém, conversações já ocorrem e avançam.
  40. 40. Entretanto, o jornal iraquiano Al Mada considera possível uma solução política para o conflito. "Pela primeira vez, conseguimos dar uma resposta à catástrofe e ter uma solução em vista", afirma o periódico em sua edição de 22 de dezembro. "O EI poderia se responsabilizar pelo seu mais recente fracasso", afirma Stefan Rosiny, especialista em Oriente Médio do Instituto Alemão de Estudos Globais e Regionais (Giga), em Hamburgo. Ele lembra que até o momento, os jihadistas se concentraram em "regiões mais indefesas" – áreas onde, principalmente, vivem minorias, como os yazidis ou curdos. Jihadistas ainda são desafio E, agora, a organização teria assumido o erro. E isso terá consequências, alertou Rosiny, em uma entrevista para o jornal alemão Sächsische Zeitung. "O EI vai perder atratividade, caso sua promessa de um califado universal se tranforme numa bolha de sabão." Contudo, o desafio contra os jihadistas continua existindo. Talvez ele até mesmo cresça. Atualmente, existem movimentos radicais islamistas em quase todos os países ou regiões muçulmanas. De Abu Sayyaf, nas Filipinas, até o Al Qaeda recentemente fundado na Índia; passando ainda pelo Talibã no Paquistão e Afeganistão, até os jihadistas no Oriente Médio e no norte da África: por toda a parte, grupos jihadistas estão presentes. "O Islã político se radicalizou fortemente nas últimas duas décadas", afirma Gülistan Gürbey. Por isso, esses grupos continuam a ser uma ameaça regional e global. "Mesmo se o EI for militarmente restringido, ele permanecerá, politicamente, um grande desafio. Superá-lo deve durar anos."
  41. 41. Especial: Imagem Especial Imagem: o Brasão de Armas de Sua Excelência Reverendíssima o Monsenhor Dom Antonio Carlos Rossi Keller, 4º Bispo Diocesano de Frederico Westphalen-RS, 39º Arquiprior da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria Gloriosa, Cônego Regular Militense condecorado com o Grão- Colar da Ordem.

×