APRESENTAÇÃO        O cinema, como importante veículo de comunicação, tem grande papel de ferramentaformadora de opinião n...
maioria das vezes leva-nos, em uma análise mais curta a uma sensação de imoralidade edesrespeito aos bons costumes, amplam...
todo o país. “A Viúva Virgem”, filme de 1972 e para muitos a primeira produção do gênero,inaugurava uma fusão de erotismo ...
Pensando no fato de que apenas filmes que não saíam de um padrão pré-determinado delinguagem, eram liberados e apoiados pe...
1. A PORNOCHANCHADA      Num cenário onde a EMBRAFILME começava a financiar produções cinematográficasno país com um progr...
ao universo em que os roteiros mergulhavam especialmente os mais recentes, que tinham umcaráter mais urbanizado e fugiam d...
AHISTÒRIA DO CINEMA e fazendo a mistura de dois gêneros que, ainda eu distintos,prometiam uma boa combinação. A mistura tã...
das obras começariam a decair no final da década de 70, e teriam seu fim na metade da décadaseguinte.     1.2.       A POR...
Se certamente a nudez nos filmes até então chamava muito mais atenção do que asincursões no humor, já havia uma saída para...
5               Trapalhões                   Tanko                                           82           914      1      ...
4        Cazuza – O Tempo             Sandra                                            junho/20      3.082.              ...
1.3.    A PORNOCHANCHADA E A DITADURA     É no mínimo questionável que em um país onde a censura foi tão forte e presente ...
ainda era escasso no Brasil. Até mesmo filmes de grandes atores como David Cardoso, comopor exemplo, “Corpo Devasso” de 19...
FICHA TÉCNICA ORIGINAL DO FILME     SINOPSE      1985 - Banho de língua     Filme pornográfico com sexo explícito dos anos...
Produzido pelo então famoso e polêmico produtor, diretor e ator de filmes do estilopornochanchadas Tony Vieira (pseudônimo...
A linguagem do filme envolve palavrões e como a grande maioria das produções háuma falta de sincronia entre a fala e os mo...
acontecimento comum no cinema nacional da época: a dublagem para a melhora do somoriginal, que trouxe um ar ainda mais ama...
O filme mostra com uma linguagem que mistura a veia cômica de diálogos com termospouco usuais em uma conversa formal, com ...
desesperança talvez fosse refletida na vida sem perspectiva de personagens tão frios como elepróprio frente ao descaso com...
FICHA TÉCNICA      Título original: A Superfêmea      Gênero: Comédia      Elenco: Vera Fischer, Perry Sales, Walter Stuar...
SINOPSE      Um laboratório farmacêutico resolve lançar no Brasil a pílula anticoncepcional parahomens. Para a publicidade...
Tema: O filme passa por dois momentos distintos. Em um início que é praticamenteesquecido durante o restante do filme, mul...
2.6. CONCLUSÕES SOBRE O FILME      O filme segue a linha sugerida pelo gênero surgido na década de 1970. Mostra cenas deco...
Quando se tem em mãos o material de uma mesma era e gênero do cinema, pode-se tera ideia de uma linearidade entre os mater...
foco voltado em grande parte simplesmente para o sexo fez com que a obra fosse diminuída,embora uma mensagem fosse present...
censura, pode ser muito mais relacionada ao seu caráter alienador enquanto obra de humorpopular, do que quanto a filmes de...
27
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Um Estudo sobre a Pornochanchada

2.076 visualizações

Publicada em

Um estudo sobre as produções cinematográficas brasileiras, conhecidas como Pornochanchadas

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.076
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um Estudo sobre a Pornochanchada

  1. 1. APRESENTAÇÃO O cinema, como importante veículo de comunicação, tem grande papel de ferramentaformadora de opinião na sociedade. Grandes obras do cinema possuem ideologias e atémesmo, mensagens subliminares, que tem como principal função, a emissão de ideias que asociedade-de acordo com a ideia do realizador- deveriam ser incorporadas ou ao menos vistaspela sociedade. Laranja Mecânica de Stanley Kubrick, e Metropolis de Fritz Lang, são filmesconhecidos por seus conteúdos altamente políticos- ideológicos que mudaram a maneira defazer cinema. Ignorados pela grande audiência em sua época, e adulados pela crítica e pelaelite, esses filmes traziam claramente a divisão social e a punição sofrida pelos radicais.Notoriamente um grito de socorro - ou uma simples propaganda do programa de governo damaior parte da sociedade-, tais filmes até hoje tem seu valor reconhecido como obrascinematográficas de valor e de qualidade e claro de inspiração para filmes da atualidade. No cinema nacional, desde suas origens, diversas linguagens foram utilizadas. Desdefilmes com forte contexto político, ideológico e até mesmo, filmes com uma linguagem quaseabstrata, muito tem se visto nas produções nacionais. Talvez, nada de uma grandeza tãoabrangente como no filme de Kubrick, mas com certeza, de muita relevância para a formaçãode opiniões e ideias do público brasileiro. Público esse que muitas vezes, sofre com imagensde uma realidade de seu país que é vista nas telas de cinema de forma crítica e ácida, que porvezes é tão rasa e mal discutida em outros meios de comunicação. Dentre tantas fases da sétima arte nacional, uma das que mais chama a atenção, e quefoi (e para muitos ainda é) uma das fases mais polêmicas de produção cinematográfica, foi àera da pornochanchada. Tais filmes não eram nada mais do que uma mistura do estilo“chanchada”, que fazia comédias populares, com o estilo pornô (especialmente o italiano) quecontavam geralmente com elenco desconhecido e roteiros fracos. A falta de profundidade e excesso de linguagem sexual dessa fase do cinema nacional,fez com que ela fosse jogada no limbo do esquecimento, e até mesmo que fosse consideradauma vergonha para o cinema e para a cultura do país. Por anos, filmes que lotaram salas decinema e eram o sinônimo de boas bilheterias ficaram totalmente esquecidos, e nem mesmoforam recuperados para a posteridade. Muitos filmes anteriores a essa era, tem melhorconservação do que essas obras da década de 1970, devido à reputação de tais filmes que na 1
  2. 2. maioria das vezes leva-nos, em uma análise mais curta a uma sensação de imoralidade edesrespeito aos bons costumes, amplamente vistos em filmes nacionalistas. Ainda que a pornochanchada seja vista com maus olhos por uma grande parte dapopulação brasileira, o fato é que muito pode ser analisado observando os quase 20 anos emque esses filmes fizeram parte da realidade nacional. . SOBRE A RELEVÂNCIA DESTE TRABALHO Esta pesquisa tem como principal objetivo, mostrar a pornochanchada como ummovimento do cinema brasileiro, além daquilo que é percebido pelo grande público, ou seja,pretende-se mostrar essas obras como uma fonte de informações e ideologias importantes einerentes á época em que a pornochanchada teve seu auge. Muito além de fazer uma breve análise de filmes, a pesquisa pretende mostrar fatosimportantes relacionados a mudanças ocorridas na linguagem e até mesmo na produção defilmes que para muitos, são vistos como uma fase linear, ou seja, sem grandes mudanças eocorrências, mas que apesar disso apresenta fatos importantes para a compreensão da épocaem que está inserida. Com uma parte considerável do trabalho voltado à análise de dois diferentes filmes dogênero pornochanchada, sendo uma da década de 1970 e outra da década seguinte, pretende-se mostrar a evolução da linguagem de filmes puramente humorísticos para filmes com umcontexto mais maduro e informativo, ainda que tais informações estejam no filme de maneiraimplícita. O cinema como obra artístico-cultural, tem um poder incontestável na cultura humanadesde seu surgimento. No Brasil, a história não é diferente. Assim como o Cinema deRetomada em sua fase atual move milhões de espectadores para os cinemas e quebra recordesde público com filmes pensados na família brasileira e na atual necessidade deposicionamento econômico e cultural no qual o Brasil se encontra, não podemos nos esquecerde que há pelo menos três décadas atrás, o cinema nacional também vivia um momentosignificativo para sua existência quando lotava salas com pessoas que procuravam seidentificar com personagens de forte apelo popular, e histórias tão simples como suas vidas. Quando o primeiro filme em que corpos começaram a ser desnudados sem a censuraperseguindo seus difusores e seguidores, um novo gênero nascia e lotava salas de cinema por 2
  3. 3. todo o país. “A Viúva Virgem”, filme de 1972 e para muitos a primeira produção do gênero,inaugurava uma fusão de erotismo e comédia com cenas consideradas ousadas para a época,mas que passaram facilmente pela censura. Porém, a pornochanchada não se limita a década de 1970, e se estende para a décadaseguinte, e muitas mudanças podem ser notadas na linguagem utilizada, e aí que aimportância desse trabalho se destaca: encontrar e destacar tais mudanças e suasconsequências dentro desse tipo de produção. HIPÓTESES Tendo em vista a grande quantidade de produções cinematográficas do estilopornochanchada no período da década de 1970, até meados da década de 1980, deve-seanalisar atentamente a frouxidão da censura, e a facilidade absorção desse tipo de materialpela sociedade, bem como a mudança na postura desse tipo de produção, que passou de umaprodução com viés cômico a um produto repleto de sexo explícito. Juntamente com o sexoexplícito, vieram temas mais sérios como a prostituição, o homossexualismo, o estupro e atémesmo o liberalismo de ideias até então, ignoradas por esse tipo de obras que davam maisatenção ao humor pastelão. Para alguns o fim na produção dessas obras ocorrido somente porconta do desinteresse do público. Porém o governo que fora na década de 1970 tãocondescendentes com a produção cinematográfica, mudava suas regras dificultando e quaseanulando a produção de filmes no país, fazendo com que muitas produções mudassem seusfocos. Se filmes com certo teor político causavam o estranhamento para os órgãoscensuradores, é no mínimo curioso como filmes com alto teor de cenas sexuais e de contraideais cristãos amplamente divulgados pela igreja católica, fossem aceitos com tantafacilidade. Ainda que filmes tenham sofrido alguns cortes, como foi o caso de “O Princípio doDesejo”, de 1979, que teve algumas cenas excluídas, a grande maioria das obras foramexibidas de forma integral nos cinemas. Isso leva-nos a crer que havia um interesse por parte do governo, que filmes semconteúdo relevante fossem levados às telas de cinema, já que filmes nacionais deveriamocupar pelo menos uma exibição mensal em salas do país, e a época era de revolução e derevoltas populares. 3
  4. 4. Pensando no fato de que apenas filmes que não saíam de um padrão pré-determinado delinguagem, eram liberados e apoiados pelo governo, e de que as pornochanchadas eram filmesindependentes e com uma linguagem mais liberal, podemos ter a ideia de que por não seremfilmes financiados pela EMBRAFILME, são os que deveriam ser ainda mais visados pelogoverno. Mas de certa forma, notamos que há sim uma frouxidão pela censura, já que filmesque continham alusões ao comportamento da perversão, poderiam ser uma possível ameaça. Quando a censura se afrouxa ainda mais e cenas mais explícitas são liberadas, os filmespassam a surgir com uma linguagem mais política, e curiosamente, tais filmes pararam de serproduzidos, graças à decadência dos estúdios. Seria essa decadência uma mudança de ideiapor parte de censura, que passava a ver uma possível ameaça nos filmes que outrora eramapenas diversão com informação irrelevante e sem conteúdo que pudesse gerar uma possívelreflexão em seu público? Deve-se salientar também, que a pornochanchada, para os especialistas durou apenas até1982, já que o estilo presente com caráter de comédia havia sido trocado por falas políticas ecenas explicitas que mostravam um amadurecimento e ao mesmo tempo uma vulgarização doestilo que fizera tanto sucesso no passado. METODOLOGIA Para a realização dessa pesquisa, a análise de dois filmes do gênero em questão se feznecessária, sendo uma do início da década de 1970, e outra da década de 1980. Também parase apoiar histórica e temporalmente, o uso de artigos científicos, textos de sites especializadosem cinema e documentos que pudessem ser levados em conta para a realização dessa pesquisaforam utilizados, e devidamente referenciados nas páginas onde se encontram as citaçõescontidas em tais veículos/documentos. Em seguida uma análise comparativa entre as duas obras escolhidas foi realizada, paraque o confronto entre as duas diferentes épocas enquanto produtoras de um mesmo gêneropudessem ser percebidas. 4
  5. 5. 1. A PORNOCHANCHADA Num cenário onde a EMBRAFILME começava a financiar produções cinematográficasno país com um programa de coprodução, podemos notar o aparecimento de um fenômenocinematográfico que com certeza faz as décadas de 1970 e parte da de 1980, uma das maisrentáveis do cinema nacional, sendo que na de 70, o Brasil viria se tronar o maior produtor defilmes da América Latina. Esse fenômeno atende pelo nome de pornochanchada, e contavacom roteiros fracos e uma ideia relativamente ousada para a época em que surgia: a misturade humor pastelão com cenas de insinuação sexual, com uma nudez ainda moderada em seuinício. Se o cinema nacional já não era bem visto pelos olhos dos próprios brasileiros que reclamavam da péssima qualidade das obras produzidas no país, a pornochanchadas com certeza foi um agravante para essa visão, tendo em vista uma pesquisa realizada em 1978 pela própria EMBRAFILME, época em que o gênero estava em seu auge. . “Essa repulsa pelo cinema nacional, é explicitada por uma pesquisa de mercado encomendada pela própria EMBRAFILME no ano de 1978, realizada em diversos extratos sociais e idades” (SOUZA, 2006 P.11). Ainda assim, é indiscutível que a produção pornochanchada foi favorecida por umprograma em que a EMBRAFILME, fazia às vezes de coprodutora com os estúdios fazendocom que a difusão desse gênero fosse grande em too o território nacional, mesmo que essasnão fossem financiadas diretamente com o dinheiro dessa empresa. Um financiamento na áreada cultura de um órgão tão grande como a EMBRAFILME, só podia valorizar e chamar cadavez mais a atenção para as produções nacionais. Em 1973, a EMBRAFILME inicia seu programa mais conhecido, o de coprodução. Esse foi o principal programa desse órgão, e o maior responsável pela produção fílmica brasileira nas décadas de 70 e 80. Entre os anos de 1973 e 1981, a EMBRAFILME coproduziu 131 longas-metragens, tornando o Brasil o maior produtor Cinematográfico latino-americano nesse período. (SOUZA, 2006, P. 10) A composição dos filmes da pornochanchada, que somam mais de seiscentos em suatotalidade¹, não possui seu aspecto repulsivo à toa. Seu local de produção remetia totalmente 5
  6. 6. ao universo em que os roteiros mergulhavam especialmente os mais recentes, que tinham umcaráter mais urbanizado e fugiam do humor inocente proposto no início das produções.Famoso por abrigar estúdios como Paramount, Fox entre outros nos anos 30 e 40, o bairro daLuz em São Paulo contou com um lugar especial que com o passar dos anos viu suasproduções decaírem de qualidade tanto no roteiro quanto no financiamento de suas obras.Nascia então, “A Boca do Lixo”, chamado assim pelo ar de “resto” daquilo que já havia sidolugar de glamour e dinheiro e que hoje é conhecido como reduto de venda de produtos eletroeletrônico. Apesar de ocupar um espaço um tanto quanto esquecido na cultura nacional, apornochanchada, não deve ser subjugada e tampouco subestimada devido ao seu conteúdoquestionável para muitos. Tamanhas são as contribuições possíveis de análise que essasproporcionam para um estudo da época em que esta inserida. 1.1 A PORNOCHANCHADA NA DÉCADA DE 1970 Iniciada -para alguns- com a produção do filme “A Viúva Virgem” em 1972, com umahistória que colocava o cômico e o insinuante juntos, numa produção em que o roteiro já nãoera o forte da produção, o filme é um dos maiores sucessos do gênero, que em sua exibiçãocontou com grande público, cerca de 2.635.962 pagaram para ver a fita. Espelho de uma época onde o movimento hippie que influenciou o mundo todo ealmejavam por liberdade, os filmes produzidos nessa época mostram com um ar delibertinagem os desejos de uma sociedade em se desnudar daquilo que até então era proibido.Ainda é muito interessante observar que em uma época em que a censura era tão forte, taisobras tão ousadas tenham sido autorizadas. A ideia de vícios e virtudes, ideologia cristã-paulina difundida pela igreja católicae coadunada a necessidade de ser produtivo, estimuladapelo ideário governamental, demonstra outra faceta dessa realidade . (NETO, 2007 P.2) Deixemos a censura pata outro capítulo e reflitamos que a partir do curioso contextocitado, diversos filmes foram produzidos seguindo a linha que fizera tanto sucesso nas salasde cinema do país, seguindo a ideia do Cinema Marginal, advindo da década de 1960, 6
  7. 7. AHISTÒRIA DO CINEMA e fazendo a mistura de dois gêneros que, ainda eu distintos,prometiam uma boa combinação. A mistura tão incomum era da comédia (lembrado entãocomo chanchada, outro gênero famoso do cinema nacional que ia pelo caminho cômico) e doerotismo, que se tornava famoso graças à pornografia italiana que chegava a todo mundo e eraentão a maior produtora do gênero segundo a Wikipedia. No início da década de 70 até o ano de 1982 a linha seguida foi sempre a mesma.Roteiros fracos, misturados com cenas de corpos parcialmente nus especialmente de mulheres(onde seios eram geralmente mostrados), onde uma insinuação em forma de atuação sexualera feita. Muitos atores veteranos da TV brasileira começaram a sua carreira, ou reforçaram a jáexistente, com filmes de pornochanchada. Nomes como Vera Fischer, Sônia Braga, NunoLeal Maia, Antônio Fagundes entre outros foram nomes que passaram pelo gênero semcausarem estragos a carreira graças ao apelo menor ao sexo em seus filmes. Dentre as obras produzidas nessa década, estão filmes que até hoje possuem um grande reconhecimento por parte do público e até mesmo da crítica especializada, e que assim como já dito possuem atores conhecidos até a presente data como Vera Fischer e Nuno Leal Maia, como é o caso de filmes como “O Bem Dotado- O Homem de Itu”, “A Super-Fêmea” e também o filme “Mulher Objeto”, que conseguiu um total de 2.031.520 espectadores e seu período de exibição, sendo esse último um pouco menos cômico que os demais. (CARLOS Cinema BLOGSPOT) . Filmes com roteiros criados a partir de histórias do famoso escritor e cronista NelsonRodrigues também ficaram marcados nessa época, e por vezes fugiam da estética puramentecômica e tinham um viés mais sério, em especial títulos como “Os Sete Gatinhos”, “A Damado Lotação” e “Toda Nudez Será Castigada” que tinham um humor mais ácido e crítico. Até o final da década de 70, muitos foram os títulos que ganharam as telas, e muitasforam as polêmicas enfrentadas pelos produtores, atores e diretores do gênero. Um dos casosmais famosos, que até hoje gera controvérsias devido ao contexto em que aconteceu, é o casodo filme “Amor, Estranho Amor” de 1979 de Walter Hugo Khouri. Em seu lançamento, ofilme tinha em seu cartaz os protagonistas Tarcísio Meira e Vera Fischer. Anos depois apóssua atriz coadjuvante ganhar os holofotes do mundo do entretenimento infantil sob o nome deXuxa, sua imagem e nome foram anexados na capa original que passou a ser vendidailegalmente em todo o país. Mas o problema maior que Xuxa enfrentava era sua credibilidadecomo apresentadora infantil, já que na película ela era vista em cenas de sexo com um garotode apenas 12 anos. Assim como aconteceu com o filme de Khouri, as polêmicas e qualidade 7
  8. 8. das obras começariam a decair no final da década de 70, e teriam seu fim na metade da décadaseguinte. 1.2. A PORNOCHANCHADA NA DÉCADA DE 1980 Se na década de 1970, as produções foram favorecidas com a coprodução daEMBRAFILME, nos anos de 1980 a situação mudaria um pouco. Com uma gestão eburocracia confusa que não sabia se deviam apoiar os filmes com maior rendimento debilheteria, ou então, os filmes tidos como mais densos culturalmente, a organização passou ater sérios problemas, por volta de 1981 quando o passou-se a cobrar altos impostos de filmesestrangeiros e também graças à própria distribuidora também criada para fugir dasdistribuidoras internacionais. Com esse movimento, perdeu muito investimento de estúdiosamericanos, e muito dinheiro deixou de entrar no país. A paralisia da EMBRAFILME seguramente foi uma das responsáveis para a Crise do cinema nacional da década de 80. Soma-se à má qualidade dos filmes, em comparação à produção norte-americana (nesse caso o critério de qualidade é técnico), com a altíssima inflação e uma rede televisiva cada vez maior, trazendo entretenimento gratuito para a população. O ato de ir ao cinema se tornou um luxo para o brasileiro” (SOUZA, 2011 P.11) Com a crise no cinema, e a chegada de filmes e aparelhos reprodutores de VHS, omercado então se viu num beco sem saída. A saída mais viável para atrair público para assalas de cinema era fazer filmes mais apelativos e que pudessem ser alvo de interesse dosespectadores. A nudez não era um experimento novo e exclusivo da pornochanchada. Em 1962, “OsCafajestes” fez um grande público após ser censurado e, meses depois, liberado para aaudiência. No filme, que possuía a emblemática cena de Norma Bengell no primeiro nufrontal do cinema moderno brasileiro, uma preciosa lição fora aprendida. Essa trama apresentou a atriz Norma Bengell no primeiro nu frontal do cinema brasileiro moderno. Por essa cena foi censurado e considerado pornográfico, porém quando volta as “telonas” torna-se recorde de bilheteria e por trabalhar um tema de preferência do grupo cinema novista, que era a burguesia decadente e depravada, é eleito como filme-símbolo do movimento... Inicialmente pornográfico para depois tornar-se bandeira cinema novista e recorde de público, recorde esse, nitidamente alcançado pelo uso do erotismo que com abordagem inédita causava frisson e muita curiosidade. (NETO, 2007 P.5) 8
  9. 9. Se certamente a nudez nos filmes até então chamava muito mais atenção do que asincursões no humor, já havia uma saída para que a pornochanchada não ficasse esquecida, ouque se findasse: a produção de filmes com sexo explícito. E assim foi feito o primeiro filmede sexo explícito (mas ainda com toques de humor) no Brasil, intitulado “Coisas Eróticas” nolongínquo ano de 1981. Dirigido por Rafaelle Rossi e Laente Callichio, o filme causou frissonna sua estreia e conta com três historietas. Figura até hoje, na lista de um dos mais assistidosfilme nacionais de todos os tempos, figurando em um 13º lugar na lista, feito raro já que seanalisarmos a lista dos cinquenta maiores êxitos do cinema nacional não veremos nada dogênero que se compare ao sucesso atingido pela obra. P Data de Espect Título Diretor Rodutor os. estreia adores José outubro/ 11.081 1 Tropa de Elite 2 Zazen Produções Padilha 2010 .199[5] Dona Flor e Seus Bruno novembr 10.735 2 L.C.Barreto Dois Maridos Barreto o/1976 .524[5] Neville de abril/19 6.509. A Dama do Lotação Regina Filmes3 Almeida 78 134 Daniel janeiro/2 6.137. 4 Se Eu Fosse Você 2 Total Entertainment Filho 009 039 O Trapalhão nas agosto/1 5.786. 5 J.B. Tanko J.B.Tanko Filmes Minas do Rei Salomão 977 226 Lúcio Flávio, o Hector novembr 5.401. 6 HB Filmes Passageiro da Agonia Babenco o/1977 325 2 Filhos de Breno agosto/2 5.319. 7 Conspiração Filmes Francisco Silveira 005 677 Os Saltimbancos dezembr 5.218. 8 J. B. Tanko J.B.Tanko Filmes Trapalhões o/1981 478 Os Trapalhões na Adriano Renato Aragão Produções dezembr 5.089. 9 Guerra dos Planetas Stuart Artísticas o/1978 970 1 Os Trapalhões na dezembr 5.043. J. B. Tanko J.B.Tanko Filmes 0 Serra Pelada o/1982 350 1 O Cinderelo Adriano Renato Aragão Produções junho/19 5.028. 1 Trapalhão Stuart Artísticas 79 893 Com mais de 4 milhões P Data de Espect Título Diretor Produtoros. estréia adores 1 O Casamento dos José Renato Aragão dezembr 4.779. 2 Trapalhões Alvarenga Jr. Produções Artísticas o/1988 027 Raffaele 1 Empresa julho/19 4.729. Coisas Eróticas Rossi e 3 Cinematográfica Rossi 82 484 Laente Calicchio 1 Hector abril/20 4.693. Carandiru HB Filmes 4 Babenco 03 853 1 Os Vagabundos J. B. J.B.Tanko Filmes junho/19 4.631. 9
  10. 10. 5 Trapalhões Tanko 82 914 1 O Trapalhão no Planalto J. B. dezembr 4.565. J.B.Tanko Filmes 6 dos Macacos Tanko o/1976 267 1 Simbad, o Marujo J. B. junho/19 4.406. J.B.Tanko Filmes 7 Trapalhão Tanko 76 200 1 Adriano Renato Aragão janeiro/1 4.240. O Rei e os Trapalhões 8 Stuart Produções Artísticas 980 757 1 Os Três Mosqueteiros Adriano Renato Aragão junho/19 4.221. 9 Trapalhões Stuart Produções Artísticas 80 062 2 O Incrível Monstro Adriano Renato Aragão janeiro/1 4.212. 0 Trapalhão Stuart Produções Artísticas 981 244 2 Tizuka junho/19 4.178. Lua de Cristal Dreamvision 1 Yamazaki 90 165 2 Wagner setembr 4.060. Nosso Lar Cinética Filmes 2 de Assis o/2010 304 2 A Princesa Xuxa e os José Renato Aragão junho/19 4.018. 3 Trapalhões Alvarenga Jr. Produções Artísticas 89 764 2Com mais de 3 milhões P Data de Espect Título Diretor Produtoros. estréia adores 2 O Cangaceiro Renato Aragão junho/19 3.831. Daniel Filho 4 Trapalhão Produções Artísticas 83 443 2 janeiro/2 3.644. Se Eu Fosse Você Daniel Filho Total Entertainment 5 006 956 2 Os Trapalhões e o Renato Aragão junho/19 3.616. Carlos Manga 6 Rei do Futebol Produções Artísticas 86 696 2 dezembr 3.547. De Pernas pro Ar Roberto Santucci Downtown Filmes 7 o/2010 138 2 O Jeca Pio fevereir 3.468. PAM Filmes 8 Macumbeiro Zamuner e Mazzaropi o/1975 728 2 abril/19 3.457. Eu Te Amo Arnaldo Jabor Flávia Filmes 9 81 154 3 Jeca Contra o Pio fevereir 3.428. PAM Filmes 0 Capeta Zamuner e Mazzaropi o/1976 860 3 abril/20 3.413. Chico Xavier Daniel Filho Lereby Produções 1 10 300 3 O Trapalhão na junho/19 3.375. J. B. Tanko J.B.Tanko Filmes 2 Ilha do Tesouro 75 090 3 agosto/2 3.307. Cidade de Deus Fernando Meirelles O2 Filmes 3 002 746 3 Jecão, um Pio junho/19 3.306. PAM Filmes 4 Fofoqueiro no Céu Zamuner e Mazzaropi 77 926 3 Os Trapalhões na Renato Aragão dezembr 3.200. Flávio Migliaccio 5 Terra dos Monstros Produções Artísticas o/1989 000 setembr 3.183. Xica da Silva Carlos Diegues Terra Filmes36 o/1976 582 3 Lisbela e o agosto/2 3.169. Guel Arraes Natasha Enterprises 7 Prisioneiro 003 860 3 O Menino da Jeremias Moreira Topázio março/1 3.131. 8 Porteira Filho Cinematográfica 977 878 3 novembr 3.082. Aluga-se Moças Deni Cavalcanti Madial Filmes 9 o/1981 925 10
  11. 11. 4 Cazuza – O Tempo Sandra junho/20 3.082. Lereby Produções 0 Não Para Werneck e Walter Carvalho 04 522 4 Nexus Cinema e agosto/2 3.076. Olga Jayme Monjardim 1 Video 004 297 Com mais de 2 milhões P Data de Espect Título Diretor Produtoros. Estréia adores 4 Robin Hood, o julho/19 2.978. J. B. Tanko J.B.Tanko Filmes 3 Trapalhão da Floresta 74 767 4 Missão Impossível outubro/ 2.977. Os Normais José Alvarenga Jr. 4 Cinco Produções Artísticas 2003 641 4 José Alvarenga julho/20 2.974. Cilada.com Case Filmes 5 Júnior 11 697 4 Independência ou setembr 2.924. Carlos Coimbra Cinedistri 6 Morte o/1972 494 4 O Jeca e Seu Pio abril/197 2.872. PAM Filmes 7 Filho Preto Zamuner e Berilo Faccio 8 881 4 Super Xuxa Ana Penido e David 2.816. Dreamvision 1988 8 Contra Baixo Astral Sonnenschein 000 Produções 4 Roberto Carlos a dezembr 2.785. Roberto Farias Cinematográficas Roberto 9 300 km por Hora o/1971 922 Farias 5 Um Caipira em Pio PAM Filmes janeiro/1 2.720. 0 Bariloche Zamuner e Mazzaropi 973 345 Até mesmo José Mojica Marins, conhecido pela maioria como Zé do Caixão,personagem emblemático da cultura brasileira, fez sua participação no mercado dapornochanchada com duas sequências de nome forte: na primeira “24 horas de SexoAlucinante”, havia a proposta de uma orgia ininterrupta durante todo esse tempo. Em seguida,lançou “48 horas de sexo alucinante”, onde apesar do nome, tratava-se apenas de umreaproveitamento de cenas do anterior, com um tempo ainda menor de duração. Ainda que tenha feito grande sucesso nas bilheterias nacionais em sua estreia com umpúblico acumulado em 4.729.484 WIKIPEDIA, não demorou muito pra que a nova direçãoque tomava pornochanchada começasse a falhar. Com histórias cada vez mais ousadas quepartiam para uma estética bizarra e cada vez mais questionável quanto ao ponto de vistaartístico, cada vez mais a orçamento dos filmes eram menores, e já não havia nomes famososda televisão nas produções. Ainda assim, grandes nomes da era da pornochanchada foramforjados nessa época em que o sexo explícito era o foco. Nomes como David Cardoso, CarloMossy e Sady Baby que produziam e participavam de seu filme como personagens sãoconhecidos até hoje. Já atores menores e figuras sempre vistas nas produções acabaramcaindo no esquecimento. 11
  12. 12. 1.3. A PORNOCHANCHADA E A DITADURA É no mínimo questionável que em um país onde a censura foi tão forte e presente nasdécadas de 70 e 80, produções como as pornochanchadas tenham passado livremente semquestionamentos e cortes severos. Para os críticos da época, os filmes eram grosseiros, vulgares e apelativos, fruto de um momento de forte repressão do poder à produção cultural e de controle da informação. No afã de desviar a atenção da opinião pública para o cinema, tornando- a menos crítica ao regime, o governo permite o oferecimento de filmes de comédia e cenas picantes. Portanto, para estes intelectuais, a inteligência do Estado trabalhava de maneira sagaz a catarse pública através do riso e do erotismo, enquanto desenvolvia manobras esdrúxulas no comando do país. Numa leitura política, censura e pornochanchada são vistas como irmãs gêmeas de comportamentos opostos, que vem a surgir nos primeiros meses de 1969 (nenhuma intenção cabalística nesse número), tendo vida intensa no período em que cortes e cerceamentos criavam as condições excelentes para a aceitação de produtos mal- acabados e grosseiros. (NETO, 2007. P. 5 e 6) Em filmes da década de 1970, não é raro encontrarmos desconexões nos roteiros,geralmente rasos e carentes de informações relevantes. Em alguns filmes são notórias osposicionamentos mais ideológicos, como é o caso de “Toda Nudez Será Castigada”, porém oêxito de filmes desse calão é infinitamente menor, sendo visível a falta de figuração dessestítulos na lista dos mais assistidos do cinema nacional. Já na década de 1980, os filmes queperderam um pouco seu viés humorístico ganharam um foco um pouco mais sério e autoral,tendo como exemplo, o filme de Tony Vieira “Banho de língua” do ano de 1985, que contacom cenas de sexo explícito, mas também ostra personagens mais tangíveis e situações maisrealistas e dignas de discussão, como por exemplo, a temática do estupro, do machismo e dofeminismo. Merecendo um ponto de destaque, destaca-se a presença de cenas de homossexualismo(já que o feminino já acontecia na década passada) masculinos sempre constantes nos filmes apartir do início da década de 80. Filmes como “Emoções Sexuais de um Jegue” de 1986, “OAnalista de Taras Deliciosas” de 1984, “Um Pistoleiro Chamado Papaco” (Tambémconhecido como “Um Amor de Pistoleiro” de 1987 contém em sua composição pelo menosuma cena onde homens participam de cenas de sexo, mostrando um desprendimento maiorquanto ao sexo, e claro visando alcançar um publico maior, já que o mercado de home vídeo 12
  13. 13. ainda era escasso no Brasil. Até mesmo filmes de grandes atores como David Cardoso, comopor exemplo, “Corpo Devasso” de 1980 e “Gisele” com Carlo Mossy também de 1980continham cenas feitas pelos próprios atores que ostentavam a imagem de galãs. 1.4. O FIM DA PORNOCHAHCHADA BO BRASIL Se a decadência dos filmes se dava cada dia mais graças à falta de qualidade domaterial, a situação iria se tornar ainda pior quando produtores menores passariam a utilizar-se de nomes de filmes conhecidos em suas capas, mas na verdade tratava-se de material, aindaque parecesse impossível inferior aos oferecidos pelos grandes produtores. Por volta de 1989,os últimos filmes do gênero foram produzidos e por um tempo foram totalmente esquecidos,até que em 1991, Carlo Mossy galã, produtor e diretor voltaram com o filme “O Fotógrafo eas Modelos”, assinando a direção como Gisele, a personagem central de um de seus filmes dadécada anterior, mas era inegável que a era das pornochanchadas havia acabado de vez. 2.0. UMA ANÁLISE SOBRE A PORNOCHANCHADA Como já dito antes, a pornochanchada que ocupou duas décadas em sua duração nãopossui apenas uma faceta. Se em sua primeira década as obras eram voltadas para umacomédia com insinuação sexual moderada, na década de 1980 o sexo explícito tomou contadas produções. Para pontuar essas diferenças a análise de dois filmes faz-se necessária, sendo um dadécada de 1970 e outro da de 1980. Para a década de 70, será feita a análise do filme “ASuper-Fêmea” de 1973. Já para a década de 1980, o filme “Banho de Língua” do ano de 1985 dirigido por TonyVieira será o foco da análise. 2.1. BANHO DE LÍNGUA: MAIS ACIDEZ DO QUE HUMOR 13
  14. 14. FICHA TÉCNICA ORIGINAL DO FILME SINOPSE 1985 - Banho de língua Filme pornográfico com sexo explícito dos anos 80. Garota do interior vai buscartrabalho em São Paulo e, depois de ser violentada por um playboy, se torna garota deprograma. 14
  15. 15. Produzido pelo então famoso e polêmico produtor, diretor e ator de filmes do estilopornochanchadas Tony Vieira (pseudônimo de Maury de Queiroz) no ano de 1985, o filmeassim como a grande maioria dos filmes do gênero não conta com um roteiro consistente. Noentanto, isso não foi obstáculo para que o filme caísse no gosto do público fã do gênero, queconsagrou o filme como uma das maiores produções desse segmento, embora ele não figurenas listas dos filmes nacionais com mais de um milhão de espectadores. Na verdade para críticos e fãs do movimento cinematográfico da pornochanchada, ofilme já se trata apenas de um filme tenso que lembra os filmes engraçados da década passadaapenas por conta da presença de cenas de sexo explícito. Se até o final da década de 1970 osfilmes giravam em torno de um apelo popular visando o humor, os anos de 1980 vieram embusca de certo amadurecimento para as obras -ao menos do ponto autoral- e também de umempobrecimento, já que as fitas já não eram mais patrocinadas pela. Embora o filme não siga a linha comédia, há cenas de sexo na trama que possuem umteor cômico e por certas vezes provocador, já que foge da linha convencional de filmes desexo apresentados na mesma época. Na trama, três garotas desempregadas se encontram poracaso, logo após uma delas ter sido abusada sexualmente por um falso contratante, e a partirdessa premissa, ou seja, da dificuldade de ajustamento à cidade grande e a dificuldadefinanceira, decidem dar um jeito na dificuldade que enfrentam tornando-se garotas deprograma. O tema da prostituição foi tratado pelo diretor em um filme anterior á Banho deLíngua, intitulado “Meninas de Programa”, sendo esse o primeiro filme hardcore , ou seja,que continha cenas de sexo explícito, do diretor. Ainda que inicialmente a trama sugira uma ideia inicial de vingança da personagemprincipal pelos malfeitores que a violentam no início do filme, ao final há um plot twist, ouseja, uma reviravolta, que tira a intenção inicial e mostra o sexo como ação “salvadora” etalvez até solucionadora dos problemas da personagem, mostrando um lado mais pervertidodo filme que sugere que a personagem tenha gostado do estupro sofrido no início da história. Se por um lado o grande foco do filme são as cenas de sexo, algo incomum em ummundo machista nessa obra é percebido: a liberação feminina de seus desejos. Se em obrassimilares as mulheres são meros objetos receptivos para os homens, em “Banho de Língua”testemunhamos mulheres fortes e decididas a utilizarem seu corpo para o trabalho, e tambémpara satisfazerem seus desejos mais íntimos, como se pode notar nas cenas com conteúdolésbico, que não fazem parte do trabalho como garotas de programa envolvendo aspersonagens centrais. 15
  16. 16. A linguagem do filme envolve palavrões e como a grande maioria das produções háuma falta de sincronia entre a fala e os movimentos labiais dos atores, que por muitas vezessão dublados por artistas diferentes. Quanto às imagens e cenas, há muitas no mínimo chocantes para a audiência altamentemoralista, como por exemplo, cenas onde objetos são inseridos em cenas de sexo bizarras,como por exemplo, uma cena onde uma mulher fuma utilizando sua vagina por volta dos ***de filme, e também onde um espanador é introduzido no ânus de um homem em uma cena deorgia. As cenas não causam estranhamento apenas na época, mas ainda hoje impactam aosespectadores, que consideram tais cenas uma das mais fortes desse tipo de cinema.Considerado por adoradores da pornochanchada como uma das “pratas” de sua época, o filmenão foge a regra quando o assunto é escatologia. 2.2. ANÁLISE DAS CATEGORIAS Tema: O filme mostra o cotidiano de três garotas que após uma série de desilusões coma vida na cidade na grande, decidem tornarem-se garotas de programa. Dessa premissa, váriastemáticas ligadas ao sexo surgem na vida das garotas. Personagens: Os personagens podem ser divididos em três diferentes níveis. Osprotagonistas, que são as três garotas que se tornam garotas de programas e os antagonistasque se dividem em duas diferentes participações no filme. Uma delas são os vilões do filme,que são homens ricos que se utilizam da esperteza para abusarem de mulheres indefesas. Osoutros são os clientes atendidos pelas meninas, que são homens e mulheres de diferentesidades. Algo interessante a ser observado quanto aos personagens, é o contraponto entre aingenuidade da pessoa vinda das cidades do interior vivida pela personagem central Rose, e afalta de escrúpulos do homem da capital. Cenografia: O filme se passa na grande São Paulo dos anos de 1980, em locaçõesvariadas, como casas, apartamentos e também algumas cenas em locais abertos como ruas epraças. A cenografia é pobre e com cenários feios, o que de certa forma, mostra a qualidadede vida que os personagens possuíam no contexto da história. Diálogos: Os diálogos do filme, bem como seu roteiro, não são o forte da obra queconta com frases por muitas vezes desconexas e prejudicadas graças a um tipo de 16
  17. 17. acontecimento comum no cinema nacional da época: a dublagem para a melhora do somoriginal, que trouxe um ar ainda mais amador para algumas cenas da obra que não contavacom um grande orçamento. Roteiro: Conta a história da jovem Rose, que vinda de uma cidade pequena de MinasGerais tem problemas para se estabelecer na grande São Paulo. Quando se vê sem saída, jáque vai foi despejada de seu apartamento, a jovem começa a procurar uma oportunidade demelhora na sua vida. Quando pensa ter encontrado a oportunidade que salvará sua vida, Roseé enganada pelo homem que lhe oferecia uma oportunidade de emprego que na verdadepretendia ter relações sexuais com a moça. Desiludida com o mundo, Rose encontra maisduas mulheres em uma situação parecida, que dizem já ter resolvido seus problemas, poisresolveram se prostituir. Rose ainda crente nos valores do mundo vai à procura mais uma vezde emprego, e dessa vez cai nas garras de homens inescrupulosos que a dopam e forçam arelação sexual com a moça. Após tal situação, Rose desiste de seus bons costumes e se juntaàs duas amigas na prostituição. Porém, Rose tem um plano: pretende encontrar-se com agangue do homem que lhe estuprou para conseguir a vingança que tanto almeja. Mas até queseu desejo se concretize, muitas serão as aventuras/desventuras sexuais que Rose terá queenfrentar como prostituta, atendendo os mais diversos tipos de clientes e suas fantasias.Embora no final da película rose encontre seus desafetos, uma reviravolta acontece no roteiro:ela permite que os vilões a capturem e mais uma vez consumem o ato do estupro, mas dessavez com um diferencial, mostrando uma face da personagem que até então vinha sendodesenhada de acordo com o desenvolvimento da trama. Ela permite que os homens aestuprem, mostrando que na verdade tratava-se de um desejo secreto da personagem ter ocontato com aquele tipo de relação forçada. O filme termina com a relação consumada e maisnenhuma palavra. Trilha Sonora: O filme conta com algumas músicas feitas para a trilha incidental dofilme, ou seja, composições instrumentais originais para a obra. Mas assim como a maioriadas obras do gênero, conta com canções populares nacionais e internacionais da época. 2.3. CONCLUSÕES SOBRE O FILME 17
  18. 18. O filme mostra com uma linguagem que mistura a veia cômica de diálogos com termospouco usuais em uma conversa formal, com termos que podem causar estranhamento emalgumas pessoas, mas está longe da forte veia cômica que consagrou o gênero na décadaanterior, mas voltada para um humor mais popular. O forte do filme está mesmo nas cenas desexo explícito e na direção competente de Tony Vieira que fez um histórico notável naindústria cinematográfica brasileira dirigindo filmes policiais e de ação na década de 1970.Ainda que seja uma obra cheia de defeitos característicos das obras de baixo orçamento dadécada de 1980 com uma edição ruim e com trilhas sonoras desconexas com a história, ofilme tem uma competência maior do que os comparados a ele. Contando a história da inocente Rose, vieira nos remete a um mundo de paralelos,aonde a bondade daqueles que vem das pequenas cidades são abalados pela malícia einescrupulosidade de quem já vive na cidade grande há muito tempo. É notável a mudança decomportamento e como as atitudes dos personagens que cercam Rose afetam sua decisãofinal, e moldam seu comportamento. De moça doce e inocente do interior, Rose se transformaem mais uma mulher comum dos grandes centros. Se analisado mais a fundo, o filme pode nos mostrar também, especialmente em suacena final, traços de um feminismo não característico desse tipo de obra que trata a mulhercomo objeto de desejo. Quando a personagem Rose decide deixar que o estupro feito pelosmesmos dois homens que no início do filme abusaram sexualmente da personagem sejaconsumado sem maiores problemas e proclama a frase “Era bem isso que eu estavaesperando, era bem isso que eu queria”, não vemos apenas uma personagem que mudou deideia quanto aos seus planos de vingança; vemos uma mulher que teve coragem de expressarseus desejos verbalmente, e coloca-los em prática. Se na década da de 70 víamos filmesinspirados pelo movimento hippie que influenciava a liberdade sexual e de expressão, aindapodíamos enxergar traços de um machismo colocando as personagens femininas em posiçãodesconfortável de meros objetos de desejo. No filme de Vieira, podemos ver mulheresdecididas que para terem seu sustento garantido, buscam na prostituição um meio parasobreviverem, e de acordo com a obra, de se divertirem. O reflexo de o filme ter um viés tão sério e mais politizado de que seus concorrentes dadécada anterior a de sua realização, e até mesmo aos de sua geração, pode estar no fato dodescontentamento de Vieira com os rumos que a cultura vinha tomando no país, lembrandoque nessa época os problemas com a EMBRAFILME já haviam começado, e sua 18
  19. 19. desesperança talvez fosse refletida na vida sem perspectiva de personagens tão frios como elepróprio frente ao descaso com a cultura do cinema que ele mesmo tanto ajudara a construir. Os filmes da década de 1980, ao contrário de “Banho de Língua”, não possuíam roteiroconsistente, e por vezes, assim como o precursor da inserção do sexo explícito nas tramas,coisas Eróticas”, nem mesmocontinham conclusões de suastramas desenvolvidasdurante a trama, caso da segundahistória mostrada dentro de um ciclode três pequenos episódios inseridosno filme. Por isso ainda que aquém dasexpectativas de obras de qualidadeque talvez o público esperassepara assistir no cinema, “Banho deLíngua” merece destaque por trazertemas, que além do sexo, fazem suatrama interessante e até mesmo maispassível de classificação de obraque vai além do erotismo. Livre de mensagens políticasexplicita, mas cheios de alusões àliberdade, mostradas aquicomo o sexo por prazer e as escolhas do personagem, o filme merece destaque dentre a vastaprodução do gênero graças a sua qualidade superior. 2.4. A SUPER FÊMEA: O PODER DA MULHER COMO OBJETODE DESEJO 19
  20. 20. FICHA TÉCNICA Título original: A Superfêmea Gênero: Comédia Elenco: Vera Fischer, Perry Sales, Walter Stuart, Geórgia Gomide, John Herbert,Adoniran Barbosa, Líbero Rípoli, Sérgio Hingst, Renato Restier, Sílvio de Abreu,Roberto Bolant, Elza Aguiar, Ivete Bonfá, José Júlio Spiewak, Lyba Frydman, DécioPiccinini entre outros. Duração: 100min. Lançamento (Brasil): 1973 Distribuição: Cinedistri Direção: Anibal Massaini Neto Argumento: Anibal Massaini Neto, Lauro César Muniz, Adriano Stuart eAlexandre Pires História: Lauro César Muniz Roteiro: Anibal Massaini Neto e Adriano Stuart Adaptação: José Peres e Antônio C. Martins Produção: Osvaldo Massaini e Anibal Massaini Neto Gerente de produção: Miron R. Cunha Assistente de produção: Antônio Santana Co-produção: Cinedistri Música: Mário Edson Som: Victor Raposeiro Fotografia: Osvaldo Oliveira e Antônio Meliande Assistente de Fotografia: Jurandir Pizzo Câmera: Rubens Eleutério Fotografia de Cena: José Amaral e Wilson Marques Figurinos: Vila Romana Montagem: Lúcio Braun Assistente de Montagem: Fernando Braun Eletricista: Antônio Souza Maquinista: Wilson S. Louzada Maquiagem: Flávio Torres Contra-regra: Nilson Oliveira Continuidade: Maria Isabel Amaral Coreografia: Clarice Abujamra 20
  21. 21. SINOPSE Um laboratório farmacêutico resolve lançar no Brasil a pílula anticoncepcional parahomens. Para a publicidade de lançamento, revela-se, ao se realizar uma pesquisa de campo,que a maior parte dos homens temem tomar a pílula, com receio de que possa diminuir suavirilidade, mesmo sabendo de seu poder ao realizarem testes em cobaias animais. Por meio deuma agência de propaganda e de seu super cérebro, descobrem a solução: o publico alvo, ouseja, o homem brasileiro, apóia-se em três mitos fundamentais: a mulher, o jogo e o café. E éa partir desses estimulantes que a campanha publicitária cria a figura da Super-Fêmea, amulher perfeita, levando a publicidade do produto às alturas. Produzido no longínquo a no de 1973, o filme A Super-Fêmea (grafado dessa maneira,pois foi feito antes da correção ortográfica) é um típico filme da década de 1970 que mesclaincursões humorísticas e cenas de sexo moderadas, que na maioria das vezes se limitam ainsinuação sexual. Como estrela, temos a ex-miss Brasil Vera Fischer, fazendo um dos seusprimeiros papéis de destaque na dramaturgia nacional. O filme assim como a maioria, contacom um roteiro fraco e confuso, tendo cortes abruptos entre uma cena e outra, e uma trilhasonora nada original, que s utiliza até mesmo de trechos da trilha original de “O PoderosoChefão”, lançado alguns anos antes. Diferentemente dos filmes da década seguinte, o focodesse tipo de filme, era puramente o humor, sem compromisso algum com a realidade. O filme, até hoje um dos mais famosos e lembrados do gênero (embora não tenha sidosucesso de bilheteria), contém cenas que parecem ter sido tiradas de um filme doexpressionismo alemão, graças as suas cenas com personagens um tanto quanto robóticos, efalas complexas. Porém a comparação termina nesse ponto, já que as cenas do filme parecem,por muitas vezes, nem mesmo seguir uma cronologia ou uma lógica de roteiro. Estrela de grandes produções do gênero pornochanchada, Vera Fischer brilhou naprodução dando vida a uma modelo que tinha como missão a difícil tarefa de fazer com queuma pílula anticoncepcional masculina fosse aprovada pelo público alvo. Usando de suaimagem de sexy simbol, a atriz atiça os homens e faz com que seu produto seja facilmenteaceito pela população masculina, e ao final ainda consegue comprovar que o produto aumentaa fertilidade masculina. 2.5. ANÁLISE DAS CATEGORIAS 21
  22. 22. Tema: O filme passa por dois momentos distintos. Em um início que é praticamenteesquecido durante o restante do filme, mulheres reivindicam seus “direitos”, cobrando que oshomens agora sofram as dores e os desconfortos de um parto e coisas do tipo. Em umareunião fechada, que logo parte para as ruas, temos então a cena de uma repórter queentrevista homens sobre a possibilidade da existência da pílula contraceptiva masculina. Apartir daí, o tema do filme que inicialmente –especialmente pelo nome- parecia uma tramafeminista, rata dos caprichos de uma sociedade masculina altamente machista dos anos 70preocupada com sua virilidade e potência sexual. O corpo de Vera é altamente expostodurante o filme, que tem na protagonista a redenção de todos os seus problemas, que ao finalparecia ser uma tentativa do governo de aumento da natalidade no país, já que a personagemcentral da à luz a cem bebês ao final da película. Personagens: Os personagens centrais são vera Fischer e Perry Salles, que vivem Eva eOnan respectivamente. Criatura e criador que tentam fazer com que a imagem docontraceptivo masculino seja livre de manchas. Num romance previsível que termina com onascimento de cem bebês por parte do casal, sai de uma premissa interessante, mas não leva alugar algum. Cenografia: O filme se passa numa grande cidade, mas existem cenas em diversoslocais como em uma floresta (onde há um treino de arco e flecha), e grande parte das cenas sepassam dentro laboratório da empresa responsável pelas pílulas. Diálogos: Os diálogos são falas comuns e não contem palavras de baixo calão como namaioria das produções do gênero. Possuem um alto teor de características que remetem aomachismo, e a mulher objeto, que é o assunto central do filme. Roteiro: A história contada de filme é a de Eva, uma mulher utilizada por uma empresafarmacêutica que pretende colocar no mercado a pílula contraceptiva masculina. A mulher,escolhida por ser a mais bela e desejável encontrada pela equipe de marketing da empresa,tem como função fazer com que os homens percam o medo dos efeitos colaterais domedicamento. Enquanto tentam provar a eficácia do medicamento, ambos se envolvem emum relacionamento amoroso que só decola no final do filme. Trilha sonora: A trilha sonora é uma das maiores pérolas contidas no filme que contacom composições feitas para a trilha sonora do filme o “Poderoso Chefão” de 1972 dirigidopor Francis Ford Copolla, nas cenas em que o chefe dos laboratórios aparece. O restante sãocomposições de músicas de mpb e samba que fazem parte como trilha incidental. 22
  23. 23. 2.6. CONCLUSÕES SOBRE O FILME O filme segue a linha sugerida pelo gênero surgido na década de 1970. Mostra cenas decomédia com um misto de cenas onde a insinuação sexual e o ato sexual moderado estácombinado. Não diferente também, grande parte das falas sofrem de uma falta de sincronialabial e por vezes são dubladas por atores diferentes das vozes originais, o que deixa o filmecom um ar ainda mais trás. O roteiro é uma incógnita. Se no início parece uma manifestação pelos direitos dasmulheres, nas quase duas horas seguintes tem-se apenas um discurso machista de homens quese enxergam preocupados cm sua virilidade e potencia sexual. A própria imagem de VeraFischer que inicialmente parece ser usada positivamente, logo toma a posição de mulherobjeto, não distante daquilo que já fora e seriam usadas tantas outras vezes dentro do gênero. A falta de lógica na narrativa também chama a atenção. Cenas mal editadas dão um arde descontinuidade às cenas, embora também haja belas tomadas feitas durante a produção, agrande maioria explorando a beleza da protagonista, bem como cenas que beiram o bizarro eo mau gosto. O sexo presente de forma natural, porém não explícita na trama, também marca essaprimeira fase da pornochanchada onde o corpo feminino era o foco da atenção, porém semnudez frontal total. Ainda assim, o filme já remete ao que tudo se tornaria logo mais emalguns anos, mostrando que a moral e a luxúria estavam separadas apenas por uma tênue linhaque seria quebrada com produções mais ousadas na década seguinte. O filme diferente da maioria, porém tem uma produção um pouco mais cara eelaborada, e claramente apoiada pela Rede Globo, já que ainda no início do filme é feita aalusão de uma pesquisa feita para um programa da emissora. Ao fim, o parto dos cem bebês, amesma repórter do início, é a responsável pela cobertura do grande “acontecimento”. Ao contrário de “Banho de Língua”, a proposta de ‘A Super. Fêmea” é confusa. Umamistura de feminismo, machismo e a exaltação da natalidade e da quantidade de vezes que arepórter diz ao final que todos deveriam ter filhos não deixa claras suas intenções. 3. ANÁLISE COMPARATIVA DOS FILMES 23
  24. 24. Quando se tem em mãos o material de uma mesma era e gênero do cinema, pode-se tera ideia de uma linearidade entre os materiais, ainda que esses sejam de diferentes décadas.Pois entre “A Super Fêmea” e “Banho de Língua”, separados por 12 anos de diferença, adecadência de um estilo fica clara, bem como a mudança na linguagem e na intenção do usoda ferramenta. Se na primeira década de existência o humor pastelão era o carro chefe ao lado de umasensualidade moderada é totalmente perceptível o aumento do uso do sexo, nesse caso oexplícito para chamar a atenção de um público que cada vez mais se distanciava dasproduções nacionais e do cinema. Ainda que a decadência seja vista por muitos como a incursão do sexo explícito nastramas, também é claro um amadurecimento na discussão de temas polêmicos, consideradostabu para a sociedade. Se até então o homem viril e a mulher objeto eram o único viésexplorado pelas obras, podemos ver uma grande diferença ao assistir o filma da década de 80,pois percebemos personagens femininas não apenas vistas como objetos, mas como donas desues destinos e de não apenas objetos de manipulação do desejo masculino. à figura da mulherindependente que diferente de uma superfêmea, não cede aos desejos dos homens apenas poruma maleabilidade natural da mulher, mas sim por desejo próprio. Enquanto assistimos a odisseia de uma mulher que pretende fazer com que os homensdo país se convençam dos benefícios de um medicamento utilizando o poder de suasensualidade, logo notamos que a história não gira em torno do poder da mulher, mas sim dafigura feminina como objeto de puro de desejo. Ao final, a mensagem fica ainda mais confusae o feminismo some de vez: Eva personagem de Vera tem cem filhos em um só parto, e évangloriada pela multidão e pela imprensa por tal feito, que considera que superfêmea, éaquela que pode suportar tal acontecimento. Ou seja, o filme começa falando em liberaçãofeminina, mas em seguida, coloca a mulher em lugar de costume: como dona de casa. Embora as imagens sejam bem feitas, e algumas cenas bem bonitas, o filme peca pelafalta de estrutura mais bem elaborada de roteiro. Quanto a “Banho de Língua”, temos o inverso. Uma história de liberação pode ser vistana tela, com personagens que desafiam as regras de uma sociedade ainda presa a moralismos,falando sobre homossexualismo, bissexualidade e prostituição, mas o exagero e a escatologiatomam conta do filme que fazem com que assim como o que ocorre com o filme de 1973,fique a sensação incômoda de que algo está além do que devia. Se em 1973 o humor pastelãoe a incoerência fizeram com que a obra ficasse aquém de suas expectativas, o exagero e o 24
  25. 25. foco voltado em grande parte simplesmente para o sexo fez com que a obra fosse diminuída,embora uma mensagem fosse presente em maior escala e com maior força dentro do contexto,ou seja, a de liberação –especialmente a sexual- de desejos reprimidos. É impossível não levar em conta a habilidade e a técnica de Tony Vieira quanto àdireção de banho de Língua. Seus filmes, na maioria policial na década de 1970, sempredirigida com maestria e sucessos de público, foram base para a direção de seu filme maisdenso e explícito, e ao contrário da maioria dos filmes do estilo que na década de 1980seguiam apenas para o sexo gratuito Vieira acrescentou uma história, diga-se de passagem,com um final fortíssimo para seu filme. Contudo, como o filme era vendido com um filme desexo explícito, provavelmente essa intenção, essa mensagem passou despercebida. Em suma, embora muito mais explicite e agressivo do que os filmes do gênero nadécada de 1970, Banho de Língua consegue passar uma mensagem muito mais mobilizadorado que os filmes “leves” da década anterior que se utilizavam da nudez e de piadas parachamar a atenção, mas raras vezes tocava em assuntos polêmicos e com certeza de poucointeresse social passível de discussão. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com todos os aspectos negativos que o cinema passou na década de 1980 aliados com afalta de qualidade e o exagero das produções feitas nessa época, a pornochanchada chegou aoseu fim, mas não sem antes colocar em algumas de suas produções um ar mais ácido e crítico,fato, porém que foi ignorado pela grande população que procurava filmes de sexo explícitoapenas. Não propositalmente, tudo isso se emendou ao final desse tipo de produção, que caía nodesgosto do grande público e que também tinha que luta contra a grande produçãointernacional de filmes do gênero pornográfico, que eram o grande desejo da época. Ainda que haja a coincidência de que tais filmes começassem a ser extintos quando umalinguagem mais crítica passou a ser utilizada, em nada a censura interviu para que issoacontecesse, sendo o descrédito e a autodesvalorização do próprio gênero que o fez cair nolimbo do esquecimento, com roteiros cada vez mais fracos –embora houvesse obras dequalidade, ainda que muito poucas- e filmes de qualidade cada vez mais precária. Apornochanchada, quando bem intencionada, pode sim ser considerada uma obra eu faz comque seu espectador reflita quanto ao seu contexto, e seu fim, inclusive sua frouxidão quanto à 25
  26. 26. censura, pode ser muito mais relacionada ao seu caráter alienador enquanto obra de humorpopular, do que quanto a filmes de sexo explícito que apesar de conter mensagens muito maisfortes do que seus antecessores, fascinavam muito mais pelos corpos desnudos do que porsuas intenções filosóficas.REFERÊNCIASArtigosPINTO, Leonor Souza. O Cinema Brasileiro face à censura imposta pelo regime militarno Brasil – 1964/1988. Março 2006NETO, Francisco de Oliveira : PORNOCHANCHADA E CENSURA: LEGÍTIMAS FILHASDA DITADURA. Outubro de 2007.SOUZA, Rafael Machado Nobre. Fidel, “Purgas” e Pornochanchadas: um estudocomparativo entre as políticas públicas cinematográficas do ICAIC e EMBRAFILME. 2011.SIMIS, Anita. Cinema e Política Cultural Durante a Ditadura e a Democracia. 2006SitesA Boca do Lixo Ainda Respira. In < www.reporterbrasil.org.br > Acesso em: 2 de junho de 2011In < www.bmpornochanchada.blogpot.com > Acesso pela primeira vez em: 24 de maio de 2011In < www.unicamp.br > Acesso em 1º de junho de 2011 As pornochanchadas mais famosas In<http://gilbertocarlos-cinema.blogspot.com> Acesso em 20 de outubro de 2011 A lista dos filmesbrasileiros com mais de 1 de milhão de espectadores, A pornochanchada no Brasil, David Cardoso eTony Vieira In < http://pt.wikipedia.org>FilmesBANHO DE LÍNGUA. 1985 Direção: Tony Vieira. Elenco: Aida Gimaraes, Camila Babi74mimA SUPER FÊMEA. 1973. Direção: Anibal Massaini Neto. Elenco: Vera Fischer, Perry Salles,Adoniran Barbosa 103min 26
  27. 27. 27

×