A produção de carnes de aves em 2021

661 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
661
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A produção de carnes de aves em 2021

  1. 1. A Produção de Carnes de Aves em 2021 Osler Desouzart osler@odconsulting.com.br Tenho verificado nas conferências de que participo a frequencia com que o exercício de projeções é execrado. O número de piadas sobre projeções quase que iguala aquele sobre consultores. E como sou um consultor que estuda projeções sobre o segmento agropecuário podem vocês imaginarem que sou um prato cheio para quem tiver uma boa piada. Mas como já fui chamado de dinossauro da suinocultura, acabo me acostumando a ouvir de tudo, inclusive comentários inteligentes, ainda que estes sejam mais escassos. Estou plenamento de acordo com os críticos. Todas as projeções são errada e imperfeitas. Lembram-me muito o GPS do meu Honda Civic 20031 , que naturalmente não é de linha, pois em 2003 só veículos militares portavam esse equipamento. Meu GPS de vez em quando enloquece e me manda fazer as coisas mais burras do mundo e eu aproveito para xingar a voz, visto que por ser feminina não tem problemas nem o risco de responder pelo crime de homofobia. Entretanto, o meu imperfeito GPS, xingado ou não, mostra-me a direção geral que tenho que seguir. E na maioria das vezes leva-me onde quero chegar, e mesmo suas imperfeições me ajudam a escolher o melhor caminho. Não difere muito das projeções, cujo objetivo não é mostrar ao usuário quais as dezenas que deve marcar na mega-sena. Números exatos provêm de estatísticas dos anos passados e mesmo estas sofrem correções ao longo do tempo na medida em que governos procedem a atualizações ou revisões de seus dados. Há inúmeras fontes de projeções e na ODConsulting nós usamos como fontes principais a FAO, OECD-FAO, FAPRI, ERS-USDA e MAPA2 . Paralelamente, usamos ainda estudos estatísticos nacionais quando disponíveis e artigos que abordem o tema. O presente artigo tem o objetivo de avaliar as tendências da produção de carnes de aves até 2021 e espero num futuro bem próximo fazer o mesmo sobre as carnes suína e bovina. Buscarei retratar as projeções para os 15 principais países produtores, mas creio que será necessário incluir nessa avaliação alguns dos principais países importadores, visto que qualquer estudo existente aponta o Brasil como um dos três principais exportadores de carnes de aves nos próximos 10 anos. 1 Para ajudar aos piadistas, uma prova de que sou um perfeito idiota. Em outubro de 2003 comprou esse caro pelo equivalente a US$ 36.000. Em janeiro de 2004 fui ao México a trabalho e a 100m do meu hotel havia um concessionário Honda. Fui ver quanto os pobres mexicanos pagavam pelo carro que era fabricado no Brasil. US$ 21.000. Se tivesse um nariz de palhaço eu tinha colocado, mas minha forma de protesto é não comprar um carro novo. Uma gota d’água no combate ao incêndio? Concordo, mas estou fazendo a minha parte. 2 FAO –FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS; OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development; FAPRI - The Food and Agricultural Policy Research Institute; ERS- USDA – Economic Research Service-United States Department of Agriculture; MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
  2. 2. Iniciaremos mostrando que carnes de aves é na realidade 87,84% representada por frango Gráfico I 3 Detalhando o percentual que o frango representa sobre a produção de todas as carnes de aves por principais regiões do mundo, verificamos que na Oceania, África e América do Sul essa porcentagem supera os 94%, enquanto na América do Norte e Europa ficam em torno de 86% devido a importância da produção de peru e na Ásia em ≈ 83% pela importância que tem nesta Região a produção de carne de pato e ganso. Gráfico II 3 Elaborado por ODConsulting a partir de dados da FAOSTAT | © FAO Statistics Division 2013 | 17 May 2013. Os dados de 2011 são preliminares e sujeitos a atualizações. pOULTRY pRODUCTION 2011 PRELIMINARY DATA
  3. 3. 4 Não quero perder a linha de raciocínio que estou seguindo sobre a ubicação das produções por regiões do mundo, mas é impossível não comentar a Tabela I sobre os principais produtores de carnes de frango. Verifiquem que quando abrimos as estatísticas por países, não considerando a União Europeia-27 como um único país, o surpreendente que é constatar que o primeiro país comunitário em produção de frango da EU, o Reino Unido, ocupa a 13ª posição mundial e o quanto mudou a localização. O primeiro país europeu produtor de frango é a Rússia (4º), Turquia ocupa a 10ª posição e a Polônia superou a França. Países americanos e asiáticos dominam as posições principais. Notem que o Japão com todas as suas limitações de recursos naturais e um mercado aberto à importação ocupa o 12º lugar, o que de certa maneira é surpreendente. Nossos vizinhos argentinos ocupam a 8ª posição e o México um 5º lugar. O quanto cresceram as produções da Índia, Indonésia e África do Sul são também notáveis. A vontade é de comentar muito mais e de fazer uma comparação com as posições detidas em 1985, metade da década onde houve a explosão dos subsíidos europeus e norte-americanos, e 1995, ano a partir do qual as novas fronteiras do mundo são perceptíveis com o fim da União Soviética, separação pacífica das República Tcheca e da Eslováquia e a belicosa explosão da antiga Iugoslávia. 4 Idem
  4. 4. Tabela I – 45 Principais Países Produtores de Carne de Frango 5 A segunda carne de aves mais produzida no mundo é a carne de peru. Antes de ser seguidor as idéias do grande mestre Vicente Falconi de administração por qualidade total, eu sempre tinha a impressão ou estava convencido que peru era consumo de anglo-saxões. Mais uma lição de como as nossas “impressões, “convencimentos e “certezas” muitas vezes não resistem a uma análise à luz dos “fatos e dados”. O que dizem esses dados é que um continente, a Oceania, de população majoritariamente de origem anglo-saxã tem uma produção de carne de peru de pouquíssima expressão com um total de 23.062 tm6 , ou seja, quantidade inferior à produzida pelos dois maiores produtores brasileiros, BRF e Marfrig-Seara. O gráfico III definitivamente coloca a América do Norte⁵ como a principal região produtora de carne de peru, pela presença do primeiro produtor mundial, os Estados Unidos. Entretanto, se examinarmos os restantes quatorze países (cf. Tabela 1), verificaremos somente dois outros países de maioria anglo-saxã, o Reino Unido e o Canadá, respectivamente o sexto e o sétimo maiores produtores mundiais. Brasil, Alemanha, França, Itália, Polônia, Chile, Israel, Hungria, Marrocos, Holanda, Tunísia e Portugal completam a lista, enterrando com fatos e dados minha falsa impressão. Gráfico III 5 Faostat Carnes de Aves em 2011 em 20.05.13.xls 6 Fonte: FAOSTAT | © FAO Statistics Division 2013 | 20 May 2013. Para efeitos da FAOSTAT, a região da América do Norte compreende Bermuda, Canadá, Groenlândia, Saint Pierre & Miquelon e USA.
  5. 5. 7 É notável a pouca disseminação da carne de peru na Ásia e na África, continentes que terão papel preponderante na demanda e produção de carnes em geral, mas em particular nas carnes de aves nos próximos dez anos. A produção do Planeta China alcança meras 3.000 tm, uma gota de 0,02% sobre a produção chinesa de carnes de aves. Sete países listados entre os principais produtores - Israel (10º), Marrocos (12º), Tunísia (14º), Argélia (20º), Turquia (23º), Egito (28º) e Iran (29º) – têm restrições religiosas à carne suína e neles o peru é matéria prima para inúmeros produtos industrializados habitualmente produzidos com carne suína. Portanto, eu mesmo acabo de enterrar a minha completamente desinformada percepção sobre o consumo de carne peru. Além dessas respeitáveis razões religiosas, em muitos países desenvolvidos há uma percepção de maior saudabilidade em relação a embutidos produzidos com carne de peru. É tema questionável mas o consumidor é um ditador amado e bajulado, não necessariamente bem informado. Portanto, ao consumidor, a carne de peru8 . Tabela 2 – 45 Principais Países Produtores de Carne de Peru – 2011 – Em tm 7 Idem à nota # 3 8 Paródia do “Ao vencedor, as batatas” de uma das obras maiores, Quincas Borba, do genial Machado de Assis. Vivamente recomendo a releitura para que constatem o quão atual é essa secular e eternamente nova obra do grande Machado.
  6. 6. 9 A terceira carne de aves mais produzida e consumida no mundo é a de pato graças ao consumo asiático, mais particularmente o da China que concentra 68,31% da produção mundial. A Ásia em 2011 produziu 3.559.920 tm, enquanto que a segunda região produtora do mundo, a Europa, produziu 508.643 tm, ou seja, quase que sete vezes menos. Gráfico IV 9 Fonte: Faostat Carnes de Aves em 2011 em 20.05.13.xls – Os dados de 2011 são preliminares e sujeitos a revisões futuras.
  7. 7. 10 Na Tabela 2 podemos verificar que entre os 15 maiores produtores de carne de pato, 9 são países asiáticos, 4 são europeus, 1 é africano e 1 americano. O Brasil que está entre as maiores forças avícolas mundiais ocupa o 26º lugar na produção de pato, carne que no Brasil tem seu consumo concentrado em Santa Catarina, maior produtor, na restauração fina, sobretudo de cozinha francesa de várias capitais e na festa religiosa do Círio de Nazaré de Belém do Pará, onde o Pato no Tucupi é presença obrigatória, embora na última década venha sofrendo concorrência da carne de peru, mais econômica e acessível. Não há ainda no Brasil o hábito difundido do consumo de carne de pato, nem mesmo com o crescimento da colônia chinesa no Brasil, fazendo com que essa deliciosa carne tenha demanda limitada. Tal faz com que a produção careça de volumes capazes de contribuir à diminuição dos custos, o que gera preços de venda elevados comparativamente a outras carnes e assim fechando um ciclo que está mais para vicioso do que para virtuoso. Tabela 3 10 Idem à nota # 3
  8. 8. 11 Não nos deteremos demais na análise da produção da carne de ganso e de galinha d’Angola, visto que o domínio chinês é total nesse produto, respondendo com suas 2.440.200 toneladas produzidas em 2011 por 95,21% da produção mundial que alcançou naquele ano um total de 2.562.926 toneladas. Gráfico V 11 Idem à nota #8
  9. 9. 12 13 Finalizada esta longa introdução vamos aos números projetados pela OECD-FAO. Usamos esta fonte na medida em que a alternativa de uma entidade reconhecida internacionalmente seriam os números da USDA-ERS. Mui infelizmente restrições orçamentárias não afetam só o Brasil, mas mesmo os Estados Unidos impõe cortes a seus gastos. Dessa maneira, o monitoramento de 12 Idem à nota # 3 13 Faostat Carnes de Aves em 2011 em 20.05.13
  10. 10. produção e mercado realizado pelo USDA acaba por se restringir a países que sejam muito relevantes para os interesses norte-americanos. Isso faz com que os brilhantes e muito acurados levantamentos feitos pelos representantes do USDA em várias embaixadas daquele país no exterior só apresentem um quadro parcial do total mundial. Além disso, o USDA monitora a produção de carnes de frango e de peru, considerando irrelevante as demais. Exemplo dessa limitação está que o total mundial de produção de carnes de frango e de peru em 2011 segunda a base de dados do USDA alcançaria 85.969 mil toneladas. Esse seria o total para o que classificam como “países selecionados”. A FAO tem uma base mais ampla e estima a produção total mundial de carnes de aves em 2011 em 101.738.758 tm, sendo que o total para as carnes de frango e de peru alcançariam 94.836.925 tm. Para efeitos deste artigo, adotaremos para os totais mundiais os números da OECD-FAO e, uma vez identificados os principais países produtores avaliaremos as projeções feitas pelas duas entidades. O Gráfico VI apresenta o Balanço de Carnes de Aves da OECD-FAO a 2021 e, ainda que pareça-nos algo conservador, indica que a produção e consumo de carnes de aves aumentarão em ± 28,5% entre 2010 e 2021 e que o comércio internacional dessas carnes aumentará ± 19,8% nesse período. Gráfico VI
  11. 11. 14 O processo de migração da produção mundial de carnes de aves para os países em desenvolvimento se acelerará no período e em 2021 este concentração 62,7% da produção mundial contra 37,3% dos países desenvolvidos. Gráfico VII 14 Elaborado por ODConsulting - Fonte: OECD.Stat (http://stats.oecd.org/) Poultry Meat 2021.xlsx
  12. 12. 15 Os gráficos VIII e IX posicionam os 15 principais países produtores de carnes de aves na média do volume 2009-11 e na projeção para 2021. Gráfico VIII 15 Idem # 12
  13. 13. 16 Gráfico IX 16 Elaborado pela ODConsulting a partir de dados da publicação OECD/FAO (2012), OECD-FAO Agricultural Outlook 2012-2021, OECD Publishing and FAO. http://dx.doi.org/10.1787/agr_outlook-2012-en Poultry Meat Projections 2021
  14. 14. 17 Voltaríamos aqui a recordar sobre as diferenças de critérios entre as projeções da OECD-FAO, abrangentes de todas as aves, e as do USDA que incluem exclusivamente carnes de frango e de peru. No caso dos países asiáticos onde a produção de peru é inexpressiva, enquanto a de patos e gansos atinge volumes relevantes, verificaremos grandes diferenças entre os valores projetados. Ditas diferenças merecem acompanhamento ao longo do tempo para os números relativos aos quinze principais países aqui listados ou pelo menos para alguns desses países, segundo o enfoque e os objetivos do usuário dos dados. Há várias atualizações anuais da parte da USDA, generosa no acompanhamento dos dados do que chama de “países selecionados”, uma revisão anual da parte da OECD-FAO e pelo menos duas atualizações da parte da FAO, executadas pelo Global Information and Early Warning System (GIEWS). Complemente essas informações com leituras regulares de informes provenientes desses principais países e seguramente não lograrás precisão matemática, mas uma ideia geral de tendência. No caso da China (cf. Tabela 4) verificamos uma diferença algo significativa no percentual de crescimento da produção entre 2011 e 2021, deve-se ao fato de que os números do USDA somente incluem frango e peru, sendo que o frango sem dúvida crescerá muito mais que as carnes de pato e ganso, duas espécies que tem relevância no mix da produção de carnes de aves na China. Isso explica o menor crescimento percentual indicado pelas projeções OECD-FAO. Tabela 4 17 Idem
  15. 15. 18 Com todas as imperfeições e diferenças seguem nas Tabelas V a X as projeções as projeções para outras das principais potências avícolas, a saber, Estados Unidos, México, Rússia, Índia, Argentina e Tailândia, esta pela sua notável posição exportadora. 18 Elaborated by ODConsulting - Source: OECD.Stat (http://stats.oecd.org/) & USDA-ERS (www.ers.usda.gov/data-products/international-baseline-data.asp) Meats Poultry, Pork and Beef 2011-2022 US and other countries
  16. 16. Tabela V 19 Tabela VI 20 19 Idem 20 Idem
  17. 17. Tabela VII 21 Tabela VIII 22 21 Idem 22 Idem
  18. 18. Tabela IX 23 Tabela X O leitor mais atento estará sentindo falta de duas dessas potências, Brasil e União Europeia-27, cujas projeções se encontram nas Tabelas X e XI. Ambos possuem uma projeção adicional às da OECD-FAO e do USDA. No caso brasileiro, acrescentamos as projeções divulgadas pelo MAPA24 e 23 Idem 24 BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2011-2012 a 2021-2022. AGE/Mapa e SGE/Embrapa + CONAB.
  19. 19. no caso europeu as elaboradas pela Diretoria Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural da Comissão Europeia. Tabela XI 25 Tabela XII 26 25 Elaborado pela ODConsulting a partir de dados da publicação OECD/FAO (2012), OECD-FAO Agricultural Outlook 2012-2021, OECD Publishing and FAO. http://dx.doi.org/10.1787/agr_outlook-2012-en + Prospects for Agricultural Markets and Income in the EU 2012-2022. Projeções Agricultura Carnes e Ovos 2009 a 2022
  20. 20. Verifiquem nas Tabelas XI e XII que três cabeças, três sentenças. Entretanto, nessas e em todas as anteriores é possível verificar se a tendência é de crescimento e se este é menor ou maior. Permitirá ao pesquisador identificar não quem foram as grandes potências avícolas do passado, o que nos é permitido pelas estatísticas. Mui infelizmente no mundo dos negócios o passado fica no passado e no dia 1º de janeiro de todos os anos começa uma nova luta. Inspirado no ditado dos meus pagos que diz “quem chega ao rio primeiro bebe água mais limpa”, tomei a liberdade de enunciar um dos princípios que orientam o trabalho da ODConsulting: a forma mais rápida de se adaptar à mudanças é prevendo-as. E o complemento natural do PDCA é agir antes que ocorram. Este exercício não é possível sem que se façam previsões e projeções. Vamos encerrar com algumas previsões gerais. Nos próximos 10 anos os preços das carnes em geral serão mais altos e preços maiores induzirão a aumento de produção. Entretanto, os limites a esse aumento estarão dados por insumos mais caros e em muitos por limitações de disponibilidade de terras aráveis e água. De 2011 a 2021 o consumo mundial de carnes de aves crescerá 24,975 milhões de toneladas, mas 79,6% desse crescimento ocorrerão nos Países em Desenvolvimento, o que representa uma demanda adicional de 19,871 milhões de toneladas de carnes de aves. É motivo para otimismo e não tenho dúvida de que esse crescimento ocorrerá. Entretanto, dele participarão aqueles que sobreviverem como empresas ou organizações. Os preços dos grãos e da energia permanecerão em patamares elevados, dando ao nosso segmento pouca margem para erros maiores. Há uns 35 anos que vivo nesse setor e sempre vejo-nos cometendo os mesmos erros. Ao menor sinal de recuperação de demanda e preços aumentamos os alojamentos de forma desenfreada, como se o céu fosse o limite para a demanda. O resultado é sempre o mesmo. Há neste artigo e em inúmeros outros indicações quantificadas e datadas, o que não me fazem e nem às entidades que os elaboraram donos da verdade. Há, entretanto uma verdade que no mundo dos negócios é eternamente nova: quem planeja e dispões de fatos e dados têm maiores chances de sobreviver do que quem se baseia só em intuição e reação aos fatos quando estão batendo na porta do teu negócio. “Os sábios não consideram que não fazer qualquer erro seja uma benção. Eles acreditam mais que a grande virtude humana reside na sua habilidade de corrigir seus erros.” Wang Yang-Ming (1472- 1529), filósofo chinês. Filosófico e extremamente prático está o ensinamento do meu Mestre e guru, Vicente Falconi, ao preconizar: “cometam novos erros, não os mesmos”. 26 Elaborado pela ODConsulting a partir de dados da publicação OECD/FAO (2012), OECD-FAO Agricultural Outlook 2012-2021, OECD Publishing and FAO. http://dx.doi.org/10.1787/agr_outlook-2012-en + AGE/Mapa e SGE/Embrapa com dados da CONAB. BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2011-2012 a 2021- 2022

×