Grãos – Teremos o suficiente no futuro?
Contribuições à desconstrução de mitos Neo-Malthusianos
Por Osler Desouzart
osler@...
Gráfico I
3
Gráfico II
4
O Gráfico III permite ver que três culturas milenares – milho (domesticado entre 12.000 e 7.500
a...
Gráfico III
5
O Gráfico IV apresenta a evolução da produção mundial de oleaginosas e aí é interessante
destacar que a expa...
Gráfico V
7
A soja e diferentes frutos de palmeiras8 respondem por mais de 54% da produção mundial de
oleaginosas. Soja te...
9
Acredito que os dados apresentados até agora contribuem a derrubar o mito histórico de que
faltariam alimentos. Como os ...
11
Voltemos ao tema principal deste artigo – mitos cercando a disponibilidade de alimentos. E mais
recente é que o uso de ...
14
O setor de pecuária é um dos maiores consumidores de grãos, conforme podemos constatar na
Tabela II e já consigo ouvir ...
por Unidade Animal”. Traduzi no Gráfico IX as melhoras que anualmente estamos experimentando
no consumo de grão por unidad...
19
Tabela IV
20
Tabela V
19Fonte: USDAAgricultural Projections for 2012-2021 InternationalAgriculturalProjections Data: Su...
21
Tabela VI
22
21 Idem # 19
22 Idem # 19
Tabela VII
23
Tabela VIII
24
Vemos em todas essas tabelas as indicações de que o crescimento da produção mundial na
próxim...
Mas estão usando milho nos Estados Unidos para fazer etanol e os brasileiros estão plantando
cana ao invés de alimentos? V...
ii "World's 'oldest' ricefound", Dr David Whitehouse". BBC News. October 21, 2003.
http://news.bbc.co.uk/1/hi/sci/tech/320...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Grãos – teremos o suficiente no futuro

295 visualizações

Publicada em

Considerations on future availability of feed grains

Publicada em: Dados e análise
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
295
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Grãos – teremos o suficiente no futuro

  1. 1. Grãos – Teremos o suficiente no futuro? Contribuições à desconstrução de mitos Neo-Malthusianos Por Osler Desouzart osler@odconsulting.com.br O que eu entendo de grãos para escrever artigos sobre eles? Eu diria que tão pouco, tão pouco, que tenho o perfil quase que perfeito para ocupar o Ministério dos Grãos se o nosso governo desejar criar o 39º, pois a presidenta já expressou que é impossível administrar com 40 ministérios. Ou seja, com 39 é perfeitamente possível, embora onde eu tenha estudado ensinaram-me o quão complicado é gerir eficientemente uma equipe de mais de oito gestores. O que sei de grãos? Que passei a vida acompanhando os preços do milho e do farelo de soja, pois representavam mais de 2/3 do custo de produção dos animais que produziam as carnes e outros produtos de origem animal que eu vendia ou, versão mais realista, eu não atrapalhava muito os clientes quando eles queriam comprar. Depois que passei a fazer de pensar e estudar minha vida profissional, grãos seguiram sendo um dos meus interesses, pois as carnes entraram na minha vida em 1978 e nunca mais saíram. De tempos em tempos, minto para mim mesmo e digo que estou procurando a porta de saída, sem lograr, pois é difícil largar o amor de uma vida profissional. Hoje como não tenho agendas a defender – na vida corporativa sempre tem uma ou mais – posso permitir-me ser mais crítico, embora tal não seja nada simpático. Nessa condição vou me permitir criticar alguns dos mitos recentes que cercam a disponibilidade de alimentos para o mundo. O mito histórico é de que faltariam alimentos. Um exame da evolução da área cultivada, produtividade e produção de cereais1 (Gráficos I e II) e oleaginosas2 (Gráficos IV e V) contradizem essa crença neo-malthusiana. No Gráfico I podemos observar a evolução anual da produção mundial, da produtividade e da área cultivada. Observamos que esta permanece quase que estável, enquanto produção e produtividade registram uma ascensão quase que idêntica, demonstrando que crescemos a produção de cereais não porque ocupamos mais terras, mas porque, graças à Revolução Verde do Professor Borlaug, logramos produzir mais com menos. O Gráfico II com uma série quinquenal histórica e anual de 2005 a 2010 permite-nos uma visão quantificada da afirmação anterior. 1 As estatísticas apresentadas abrangemnessacategoria: Cevada, Trigomourisco, Alpiste, Cereais, n.e., Fonio, Milho, Painço, Grãos misturados, Aveia, Quinoa, Arroz, Cevada, Sorgo, Triticale e Trigo. Os assimchamados grãos (Coarse grains)compreendem todos esses, menos arroz e trigo 2 As estatísticas apresentadasabrangem nessa categoria: Mamona, Coco, Caroçode algodão, Amendoins, com casca, sementes de cânhamo, Sementes de jojoba, Frutoda sumaúma, Nozes karité, Linhaça, Sementes de melão, Sementes de mustarda, fruto do palmiste, Olaginosasn.e.. Azeitonas, Semente oucaroçode palma, Palma, Sementes de papoula, Sementes de colza, Sementes de cártamo, Sementesde algodão, Sementes de gergelim, Soja, Girassol, Sementesde pau-de-sebo(tallowtree seeds), Sementes de tungue
  2. 2. Gráfico I 3 Gráfico II 4 O Gráfico III permite ver que três culturas milenares – milho (domesticado entre 12.000 e 7.500 anos ACi na Meso-América), arroz (domesticado na atual China entre 12.000ii e 8.000iii anos AC) e o trigo (domesticado na Mesopotâmia em torno de 9.600 anos ACiv) – concentram 89,1% da produção mundial de cereais, o que por si só fala sobre a importância desses grãos na alimentação humana. 3 Elaboradopor ODConsulting com baseem dados FAOSTAT| © FAO Statistics Division 2012| 07March 2012Cereals and grains 61a2010 produção, área plantada e produtividade.xlsx 4 Idem #3
  3. 3. Gráfico III 5 O Gráfico IV apresenta a evolução da produção mundial de oleaginosas e aí é interessante destacar que a expansão das áreas cultivadas é mais acentuada que no caso dos cereais. Ainda assim observa-se que a partir de meados dos anos 60 a produtividade é incrementada e dela provém parcela importante da expansão da produção como um todo. Gráfico IV 6 O Gráfico V apresenta essa evolução de forma quantificada e com mais facilidade se percebe a partir dos anos 90 o grande salto no distanciamento entre a produção e as áreas cultivadas. No período de 1990 a 2010, a produção cresceu em 112,7% enquanto a área cultivada expandiu-se 43,8%. 5 Idem #3 6 Idem#3
  4. 4. Gráfico V 7 A soja e diferentes frutos de palmeiras8 respondem por mais de 54% da produção mundial de oleaginosas. Soja tem uma particular relevância na alimentação animal e, além disso, o Brasil é o segundo produtor mundial dessa leguminosa, que segundo pesquisadores é a cultura que produz significativamente mais proteínas por hectares do que qualquer outro cultivo ou uso da terrav. O Gráfico VI apresenta o Pareto da produção mundial das quinze principais oleaginosas Gráfico VI 7 Idem #3 8 Palm oil fruit no originalem inglês no databank da FAOSTAT. Édifícil fazer uma tradução exata para o português,pois habitualmentechamamosos diferentes frutos das palmeiras pela expressão genérica de coquinho ouentão o nomeespecífico da palmeira queo produz, como é o caso do dendê, açaí,babaçu, buriti,etc.
  5. 5. 9 Acredito que os dados apresentados até agora contribuem a derrubar o mito histórico de que faltariam alimentos. Como os profetas do apocalipse alimentar renovam seus argumentos a cada derrota que sofrem no confronto com os fatos e dados, vamos incomodá-los um pouco mais com o Gráfico VII. Verifiquem que os cereais e oleaginosas cresceram no mundo não pela expansão das áreas cultivadas, mas pelo aumento da produtividade. Ou seja, estamos produzindo mais com proporcionalmente menos recursos naturais. Missão cumprida? Não, missão começada pelo Professor Borlaug. Cumpre a nós dar continuidade a seu trabalho e isso só o faremos com as melhores armas do arsenal humano: ciência e tecnologia. Não o faremos voltando às técnicas de produção dos séculos XVIII e XIX e nem obstando as conquistas que nos aportam a ciência e tecnologia, como o fazem os neo-luddistas10vi. Gráfico VII 9 Idem #3 10 Luddismo foi ummovimentoque ficoubastante conhecidoem1811 na Inglaterra e que pregava a condenação da mecanização do trabalho, uma das maiores consequências da Revolução Industrial. O nome do movimento deriva de NedLudd, um de seus líderes. Fonte:http://www.mundoeducacao.com.br/sociologia/luddismo.htm Neo- Ludismoé uma visãode mundo pessoal contra qualquer tecnologia. Neo-ludismoinclui a análise crítica dos efeitos que a tecnologia temsobre os indivíduos e comunidades
  6. 6. 11 Voltemos ao tema principal deste artigo – mitos cercando a disponibilidade de alimentos. E mais recente é que o uso de grãos para a produção de energia geraria fome no mundo. Acredito que os gráficos I e IV já desmitificaram muitas das alegações dos neo-luddistas. A Tabela I reforça os argumentos de com ciência e tecnologia nós seremos capazes de gerar produção suficiente para que do campo sigam saindo alimentos, componentes de rações, fibras e combustíveis renováveis. Vemos que a disponibilidade per capita dos principais alimentos de origem vegetal e animal aumentaram entre 1961 e 200712 (cf. Gráfico VIII), com a única exceção residindo nos legumes secos que sofreram queda de 32% no período, indicativo de mudança da dieta humana para ingestão de produtos mais complexos e nutricionalmente mais completos. Tabela I – Disponibilidade de alimentos per capita a nível mundial 13 Gráfico VIII 11 Idem #3 12 As estatísticas decomposição da dieta humana contidas nas seções Food Supply e Food BalanceSheets da FAOSTAT só cobrem até 2007. Devido à complexidadede sua elaboração por países taisdados tardammais a ficarem disponíveis.É, entretanto um dos labores da maior relevância da Divisão deEstatísticas FAO.Disponibilidadenão deve ser confundida comconsumo, que está sempre aquém daquela,mas ainda assimos dois sobemem paralelo. 13 Elaboradopor ODConsultingcom base em dados da FAOSTAT/FoodSupply Disponibilidade per capita produtos selecionados 61- 07.xlsx
  7. 7. 14 O setor de pecuária é um dos maiores consumidores de grãos, conforme podemos constatar na Tabela II e já consigo ouvir o coro de protestos entoados pelos neo-luddistas, simpatizantes e afins a protestar contra o uso de grãos para alimentação animal e seus gritos, pois nas suas visões romântico-regressistas a pecuária ameaça o planeta com as eructações dos bovinos15 e as excretas das demais espécies, ambos com o poder destruidor do planeta quase similar ao descrito no épico “A Guerra dos Mundos”. E pensar que nos meus estudos no primário, vaca, frango, ovinos e caprinos, suínos, peixe e abelhas eram classificados como “animais úteis”. A histeria ativista fez recentemente com que olhássemos para um boi com o mesmo temor que para uma bomba atômica. Tabela II Média Mundial do Usode Grãos Selecionados em Rações Animais16 Cultivo % usado em rações Trigo 18,0% Milho 58,9% Cevada 70,0% Sorgo 37,4% Soja 87,3% O excepcional “Feed Grains Data: Yearbook”17 do Economic Research Service, USDA, apresenta entre as suas 35 tabelas que cobrem “grãos forrageiros” uma primorosa sobre “Consumo de Grãos 14 Idem # 13 15 Progresso, pois até recentemente os NLSAacreditavamquea agressão aomeio ambiente sedevia à flatulência dos bovinos,coma célebre foto de uma vaca com umdepósito plásticopara recolher os gases com o fito demesurar emissão,depósito esseconectado aoterminalemissor de gases errado. 16 A tabela foi elaborada pela ODConsulting com basena média do usode grãos emrações entre2009/2010 a 2020/2021, segundo as projeções agrícolas do USDA-ERS Projections Data: Supply and Use Tables,2011-2020. Feed Grains Projections to 2020 MainPlayers.xlsx +Soy Projections to 2020 MainPlayers.xlsx
  8. 8. por Unidade Animal”. Traduzi no Gráfico IX as melhoras que anualmente estamos experimentando no consumo de grão por unidade animal e, parafraseando o Professor Delfim Neto, “até os cegos de boa-vontade enxergam” os ganhos de produtividade que ciência e tecnologia nos têm proporcionado na transformação de produtos de origem vegetal em produtos de origem animal. Gráfico IX 18 Vamos examinar os grãos usados em alimentação animal. No Brasil, milho e soja são os principais componentes das rações animais, com o sorgo ganhando algum espaço. Mundialmente, usas-se milho, sorgo, cevada (cf. Tabelas III, IV e V) e aveia como principais, ainda que trigo (cf. Tabela VI) tenha papel relevante em certas latitudes, complementado por centeio, painço e grãos mistos. Não pretenderemos escrever tese sobre nutrição animal, até por incompetência (opa, reforço irresistível à minha candidatura ministerial), e não abordaremos fenos, gramíneas forrageiras e tantos outros produtos de origem vegetal usados para produzir proteínas animais. Não deixaremos naturalmente de lado as oleaginosas, principalmente soja, e buscaremos nos centrar nos macroelementos de rações, sem abordar as farinhas de origem animal em alimentação, cuja rejeição na segunda metade dos anos 90 foi uma unanimidade agora contestada. Fundamentalmente, concentraremos em milho, sorgo e soja (cf. Tabelas VII e VII), esta tanto em grãos quanto em farelo. Tabela III 17 http://www.ers.usda.gov/Data/FeedGrains/ 18Fonte idem #17. Rações energia incluemmilho,sorgo, cevada,aveia e trigo. Rações Todas incluemademais desses grãos,farelos de oleaginosas,componentes proteicos de origem animal,componentes proteicos de origem vegetal e outros sobreprodutos de origem vegetal e animal. FGYearbookTables-Recent.xlsx
  9. 9. 19 Tabela IV 20 Tabela V 19Fonte: USDAAgricultural Projections for 2012-2021 InternationalAgriculturalProjections Data: SupplyandUseTables, 2011-2020.Feed Grains Projections to2020Main Players.xlsx 20 Idem #19
  10. 10. 21 Tabela VI 22 21 Idem # 19 22 Idem # 19
  11. 11. Tabela VII 23 Tabela VIII 24 Vemos em todas essas tabelas as indicações de que o crescimento da produção mundial na próxima década seguirá o caminho das últimas cinco décadas, o do aumento acima do crescimento demográfico, o que significa dizer que mais alimentos estarão sendo disponibilizados para a população mundial. 23 USDAAgricultural Projections for 2012-2021 International AgriculturalProjections Data: Supply andUseTables, 2011-2020Soy Projections to 2020 MainPlayers.xlsx 24 Idem
  12. 12. Mas estão usando milho nos Estados Unidos para fazer etanol e os brasileiros estão plantando cana ao invés de alimentos? Vão faltar alimentos? Os preços ficarão mais caros? E outros gritos de lobo, lobo, lobo. Há aqui, como em todas as questões, verdades e versões. Efetivamente o valor da agricultura tende a crescer, na medida em que esta é capaz de responder às necessidades humanas dos quatro “F” – Food, Feed, Fuel, Fiber (Alimentos, Rações, Combustível, Fibras). Essas mesmas forças estimularão uma maior produção e busca de maior produtividade, o que já está acontecendo. Nos últimos 15 anos a produtividade das lavouras americanas de milho cresceu 34%, enquanto no Brasil esse ganho de produtividade foi de 49% e estamos com 3.970 kg/ha apenas arranhando a superfície do que podemos fazer (cf. produtividade média mundial na Tabela III). Considere-se ainda o quanto o campo transferiu de renda para as cidades nos últimos 50 anos e que em quase todas as latitudes a renda da área rural é muito inferior a da área urbana. Mas milho mais caro afetará o preço das rações e as carnes e lácteos vão ficar mais caros, dirá com toda a propriedade o produtor pecuário. É certo, mas não em nível de inviabilizar o consumo de carnes e lácteos e favorecendo naturalmente aquelas espécies que melhor equacionarem os aumentos de produtividade indispensáveis à sobrevivência, tanto da porteira para dentro como da porteira para fora. Quanto aos gritos de lobo, lobo, lobo de que vão faltar alimentos, creio que os dados estatísticos das produções do passado como as projeções feitas por organismos internacionais sérios e respeitados desmentem essas afirmações, por mais atraentes que sejam para se obter espaço na mídia. Fatos e dados demonstram que haverá alimentos suficientes, ainda que fome e mortes por inanição estejam longe de ser referência histórica superada. Haveria ainda o que escrever sobre grãos? Muito, mas temo que se o fizer perderei as minhas chances de me tornar Ministro dos Grãos, pois começaria a demonstrar um mínimo de conhecimento. Além disso, este artigo ficaria tão longo e chato que o leitor, o editor e mesmo o autor não aguentariam sequer uma página a mais. A equação é simples. Se deixarem ciência e tecnologia atuarem e desempenharem seus papéis, equacionaremos o desafio de produzir o suficiente para suprir o mundo de suas necessidades dos quatro “F” anteriormente mencionados. Como podemos ajudar a que o saber humano faça seu papel, mesmo não sendo eu ou você cientista ou tecnólogo? Simples: não nos calemos diante dos NLSA – Neo-Luddistas, Simpatizantes e Afins, pois temos a missão de produzir mais com menos enquanto eles vivem de seus próprios ativismos. E agora termino para cuidar da minha candidatura ao Ministério. Só me falta conhecer alguém na base aliada. i "Wild grass becamemaize crop more than 8,700 years ago", National ScienceFoundation,News Release at Eurekalert March 24, 2009 e Ranere, Anthony J., Dolores R. Piperno, Irene Holst,Ruth Dickau,José Iriarte(2009). "The cultural and chronological contextof early Holocene maize and squash domestication in the Central BalsasRiver Valley,Mexico". Proceedings of the National Academy of Sciences 106 (13): 5014–5018. doi:10.1073/pnas.0812590106. PMC 2664064.PMID 19307573.http://www.pnas.org/content/106/13/5014.full.pdf. e Piperno, Dolores R., Anthony J. Ranere, Irene Holst,José Iriarte,Ruth Dickau (2009). "Starch grain and phytolith evidence for early ninth millenniumB.P. maize from the Central BalsasRiver Valley,Mexico".Proceedings of the National Academy of Sciences 106 (13): 5019–5024.doi:10.1073/pnas.0812525106. PMC 2664021.PMID 19307570. http://www.pnas.org/content/106/13/5019.full.pdf.
  13. 13. ii "World's 'oldest' ricefound", Dr David Whitehouse". BBC News. October 21, 2003. http://news.bbc.co.uk/1/hi/sci/tech/3207552.stm. iii MacNeish R. S. and Libby J. eds. (1995) Origins of Rice Agriculture. Publicationsin Anthropology No. 13. iv Feldman, Moshe and Kislev,Mordechai E., Israel Journal of PlantSciences,Volume 55, Number 3 - 4 / 2007,pp. 207 - 221, Domestication of emmer wheat and evolution of free-threshing tetraploid wheat in "A Century of Wheat Research-From Wild Emmer Discovery to Genome Analysis", e Sue Colledge; University College, London. Institute of Archaeology (2007). The origins and spread of domestic plants in southwest Asia and Europe. Left CoastPress.pp. 40–. ISBN 9781598749885. v National Soybean Research Laboratory, Soy Benefits: A soja pode produzir pelo menos o dobro de proteínas por acre do qualquer outra cultura vegetal ou granífera, de 5 a 10 vezes mais proteínas por acre do que pastos usados para gado leiteiro e até 15 vezes mais proteínas por acre do terra usada para pastagem de gado de corte. http://www.nsrl.uiuc.edu/soy_benefits.html vi Jones, Steve E. (2006). Against technology: from the Luddites to neo-Luddism. CRC Press.pp. 20. ISBN 9780415978682

×