Ano das estrelas 11-08-2013

224 visualizações

Publicada em

Mensagem de La Jardinera - Mãos Sem Fronteiras

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ano das estrelas 11-08-2013

  1. 1. Ano das Estrelas, 11 de agosto de 2013. O tempo! Minhas queridas sementes, Fechem os olhos e relaxem neste lugar tão bonito com uma brisa beeeem fi- na acariciando seu rosto. As árvores, estes pinhei- ros tão grandes, estão orgulhosos e contentes de lhes oferecer sua clorofila. Os pássaros estão pro- curando algo para comer e alimentar seus filhotes; as abelhas estão nas flores coletando néctar para transformá-lo em mel. As borboletas nas árvores sabem que o tempo é precioso. O tempo é um segundo, um suspiro, dura muito pouco e, ao mesmo tempo, é uma eternidade. Quanta profundidade há nessas palavras quando nos referimos ao tempo. O que é uma vida? É um detalhe que pode ser intenso, muito grande e importantíssimo; ou pode ser simplesmente um abrir e fechar de olhos. Quando se está ao lado da pessoa amada, parece que passa depressa ou que dura anos e anos. Mas esse tempo é apenas uma ilusão. São os hormônios que mandam; é uma adrenalina e alegria que nos faz sentir que o tempo não existe. Quando o amor se vai, não se tem tempo para nada. Ficamos tristes e os dias são longos enquanto choramos de tristeza, de dor. É nesses dias que você acorda e se pergunta: por que me abandonou ou por que o tempo foi injusto comigo? Não, minhas sementes. A vida não lhe dá o que você quer. Quase nunca! Mas a vida lhe dá aquilo de que você necessita. Existe aí uma diferença importan- te. Nunca pensamos naquilo de que necessitamos, mas sim no que queremos. Al- gumas pessoas me disseram: “Gostaria de ter um Porsche, uma Mercedes, uma Ferrari”. Outras dizem: “Gostaria de fazer parte de uma elite, gos- taria de ser um grande Mestre do Ensinamento” - mas apenas para receber os louros, os aplausos. “Gostaria de ter muito dinheiro, sou ambicioso e gostaria de ter uma casa, propriedades. Quisera ter o mundo aos meus pés.” Há outros que pen- sam: “Falta-me tempo para conquistar”, ou seja,
  2. 2. conseguir que o mundo dependa de mim, que os outros tenham que me pedir favo- res. “Você pode me ajudar a fazer isso; me faça aquilo”. Essas pessoas não se dão conta de que o tempo passa e que elas estão a serviço dos outros. Mas ele não, está a serviço de Deus. O tempo fica passa bem devagar quando se espera o nascimento de um fi- lho. Ele fica muuuuiiito lento. Mas vale a pena a espera pela recompensa de ter um filho nos braços, e aí o tempo passa rápido. Há filas desempregados procurando emprego. Aí o tempo fica lento: meses, anos aguardando. E outros tempos em que jogam comida fora, jogam dinheiro fo- ra em luxos que não aproveitarão. Vimos, no início, o tempo de um amor. Mi- nhas amadas estrelas, a felicidade existe, mas dura apenas um minuto, um instante ou um certo tem- po... Vocês sabem – já repeti várias vezes – que o momento de nosso nascimento é o compromisso da dor, do sacrifício e das obrigações com a vida e ficamos marcados pelo tempo: o dia, o peso, o mês e o ano. Este é o nosso primei- ro tempo. Vamos crescendo, como uma árvore e, dependendo do vento, das tor- mentas, do sol e do frio, ficaremos forte ou fracos. As árvores são os seres mais fortes que existem na natureza. Podem medir seis metros ou mais. Quando o vento sopra, elas não se movem, seus braços são fortes. O bambu – e é essa a frase que eu sempre repito a vocês –, ‘temos que ser como o bambu’. Ele tem os ramos mais fortes da natureza. Quando o vento sopra, eles se vergam. Quando há grandes tornados, o bambu continua a vergar até o chão, mas não se quebra. Aquela árvore que sempre foi tão orgulhosa de sua força, de sua nobreza, muitas vezes arranca as raízes e cai por terra. Mas o bambu, quando a tempestade acaba, volta novamente a sua posição, ereto, di- reito e novamente de braços abertos para recolher a alegria que acontece ao seu redor. Há uma frase que diz: “O vento, o tempo coloca cada coisa em seu lugar”. E é bem assim. Alguns dias, o mar nos mostra dias de grandes tempestades, tsunamis, ondas. Outros dias, uma calma e uma tranquilidade que faz com que nos enamore- mos dele. Assim são as criaturas deste planeta: algumas resistem mais, outras me-
  3. 3. nos. Lembremo-nos sempre do bambu. Quando muitas sementes dizem: “Sou feliz porque meu amado – ou minha amada - me ama, está apaixonado e sente ciúmes de mim; sempre me cerca de aten- ções”. Cuidado, não se enganem. O ciúme é uma doença muito grave. É uma doen- ça pior que o câncer, que a AIDS. Os ciúmes não desaparecem nunca. Sempre estão adormecidos ou despertos dentro de nós. O ciúme é um sentimento de posse e aca- bam afogando ou matando a pessoa. Outra frase que se diz muito: “o amor mata”. Não, o amor não mata nunca. São as pessoas com seus ciúmes que acabam afogando psicologicamente outra pes- soa. Os ciúmes e a inveja são os piores inimigos do homem. Aproveitem um dia em que estiverem em sua horta, jardim ou em algum ca- minho, para arrancar um capim - uma daquelas ervas daninhas que dizem que in- vadem os territórios que não são delas. Vocês vão ver como é difícil fazer isso. Há uma outra expressão que diz: “sempre morrem as pessoas boas e ficam as ervas daninhas”; “erva daninha nunca morre”. Que grande verdade existe nesta expressão. Nuuuunca se consegue arrancar a erva daninha. Assim são os ciúmes, as invejas e o poder. Se tiverem a oportunidade, parem um pouco para pensar nisso e, se tiverem um jardim, arranquem essas ervas e as esta- rão arrancando de vocês mesmos. Uma vez uma semente me perguntou: “Jardinera, fale-nos das coisas da na- tureza”. A natureza é como nós. Está cheia de detalhes, sempre há uma árvore amiga para lhe dar sombra, sempre há um rio para lhe dar água para beber; sem- pre há a chuva para encher rum regato; sempre há um cantinho onde se encontra a terra que se transformará em barro ou argila e para onde virão os animais para se curarem se esfregando nela, nessa terra. Outro detalhe se refere às nossas amigas, as plantas. Todo o mundo vegetal tem suas defesas, como os cardos. Por exemplo, o cardo mariano – alcachofra brava - é muito bom, favorece o fígado e também ajuda os tecidos a se desenvolve- rem, mas é preciso colocar luvas para cortá-lo. Tem tantos espinhos que é impos- sível colhê-lo com as mãos. Ele se protege de qualquer animal que queira comê-lo. Existe também a beladona, que tem seus lindos frutos negros, brilhantes, mas ela avisa: “Cuidado, se os tocarem, morrerão”. Este também é um detalhe.
  4. 4. Cada flor e cada árvore têm seus detalhes e sua defesa. Se não houvesse árvores, os homens não teriam podido viajar, pois os barcos mais importantes que cruza- ram os mares da terra eram feitos de madeira. Poderiam ter sido feitos com outros materiais, como junco ou couro, mas foram feitos de madeira. E este é um detalhe importante. Vocês sabem por que cada flor nasce de uma cor diferente? Para chamar a atenção. Dessa forma os pássaros, os beija-flores, as abelhas e outros insetos vêm coletar seu alimento. Cada cor atrai um tipo de inse- to, cada perfume atrai uma espécie. Por isso são co- loridas. Assim também é o amor, é uma maneira de enganar. As borboletas são sempre atraídas pelo aroma. Existem árvores chamadas de “pega borbo- letas”. São azuis, brancas, rosas e as cores mais chamativas são as que mais atraem insetos. O ser humano copiou a natureza e usa o mesmo engodo. As mulheres usam roupas coloridas, saltos, joias, se maquiam. Os homens atualmente se cuidam mui- to mais, usam gomalina, gel, se depilam para ficarem mais atraentes. E o resulta- do é o mesmo: é para atrair um ao outro. Isso quer dizer servir nas necessidades, dar uma mão quando se cai, cobrir quando se tem frio, um olhar, uma flor, uma frase, um jantar à luz de velas ou uma boa surpre- sa. Pode ser também um bilhetinho que foi deixa- do escondido debaixo do travesseiro ou em algum outro lugar, ou fazer um plano. Vocês têm uma lista grande para praticar aquele amor cheio de surpresas, mas não de ciú- mes. Repito mais uma vez que a amizade é o verdadeiro amor. Perguntem aos ca- sais que já vivem juntos há 7, 10, 20 anos e todos eles dirão a mesma coisa: agora que nosso amor nasceu, mas depois de muitas guerras. Aceitar os fracassos de ca- da dia é a vitória de amanhã. Não existem fracassados, não existe o fracasso, mas apenas um equivocar-se para começar de novo e melhor. Não cruzem os braços e, principalmente, que a culpa nunca, nunca esteja em vocês. A culpa não existe. É pura invenção dos homens. A culpa não existe. Falem com seu Anjo-da-Guarda, falem com o Mestre a sós, falem com Sua Mãe dos Céus. Ela os compreenderá e lhes dará a resposta.
  5. 5. Se praticarem todos os dias o amor, sem ciúmes, sem egoísmo, sem sentimen- tos de posse, serão as pessoas mais felizes do planeta e do Universo. Hoje vamos agradecer por estarmos sentados aqui na natureza, nesta paz e serenidade. É um grande luxo. Perguntei às árvores se querem me emprestar seus braços; às flores se que- rem me emprestar suas cores e seus perfumes para poder mandar a vocês todos. Abracem-se, minhas estrelas, e que vocês possam aproveitar o dia e serem felizes e que o mais importante são vocês mesmos. Não há nada mais importante para a Ser- vidora, pois vocês são Luz, e Luz é Vida. Com todo o meu amor! La Jardinera

×