SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7

I N S T R U Ç Õ E S :
• Leia atentamente a sua avaliação antes de responder às questões;
• Não é permitida rasura, borrões ou uso de corretivo nesta avaliação
• Utilize somente caneta azul ou preta. Respostas a lápis serão anuladas.
• Questões de interpretação não podem ser respondidas com partes do texto, a não ser que a questão
peça que você justifique com trechos. Caso contrário, use suas palavras.
• Questões de assinalar, apenas UMA alternativa está correta.
• Escreva com letra legível .
• Leia um trecho do livro Viagem ao Centro da Terra para responder as questões de 01 a 06.
[... “O professor Otto Lidenbrock descobre em um livro um velho pergaminho com a revelação de que, a
partir da cratera de um determinado vulcão na Islândia, era possível penetrar no centro da Terra e explorá-la.
Empolgado com essa descoberta, Lidenbrock, seu sobrinho e também assistente Axel, partem da Alemanha
rumo à Islândia. Lá se juntam a Hans, um guia islandês, e iniciam, no dia 23 de junho de 1863, uma expedição
ao interior de um vulcão com o objetivo de explorar as profundezas da Terra “...]
Desespero e escuridão
Tudo corria bem, até que algo muito grave aconteceu comigo. Foi assim: no dia 7 de agosto,
atingimos um trecho do túnel que era um pouco mais inclinado. Eu ia na frente, seguido por meu tio.
De repente, ao me virar, estava sozinho. Talvez tivesse andado muito depressa e resolvi voltar para
alcançar meus companheiros.
Andei durante quinze minutos e não os encontrei. Chamei
por eles e não obtive resposta. Andei mais meia hora. Um
silêncio medonho reinava na galeria. [...]
Eu ainda tinha alimento e água para três dias. Precisava
fazer alguma coisa, mas não sabia se devia descer ou subir.
Resolvi subir.
Subi, mas não reconheci o caminho. Tive certeza de que aquela galeria não me levaria a lugar
nenhum. Desesperado, sem enxergar direito e muito nervoso, bati contra uma parede e caí.
PROVA DE PORTUGUÊS
Nome: Nº
Data:
Unidade:
Professor (a): Disciplina:
Série/Turma:
Algum tempo depois, acordei perdido num labirinto de curvas. Minha lanterna estava
amassada, com a luz fraca. A qualquer momento, poderia se apagar. Meu desespero aumentou.
Comecei a correr naquele labirinto sem saída, chamando, gritando, uivando, batendo contra as
rochas. Depois de algumas horas, caí novamente e perdi a consciência.
Quando recobrei os sentidos, percebi que estava machucado. Nunca senti uma solidão tão
grande em toda a minha vida. Ia desmaiar novamente, quando ouvi um ruído forte em algum lugar
daquele abismo. Talvez fosse a explosão de algum gás ou uma pedra caindo. Depois, o silêncio
voltou a reinar.
Encostei o ouvido na muralha e escutei palavras incompreensíveis ao longe. Seria uma
alucinação? Prestei atenção e ouvi novamente um murmúrio. Eram vozes humanas!
Só poderiam ser de meu tio e Hans. Se eu os ouvia, certamente eles me ouviriam também.
− Aqui! Aqui! – gritei, com todas as minhas forças.
Não tive resposta. Encostei meu ouvido na pedra de novo e, dessa vez, ouvi meu nome bem
claro! Era meu tio quem o pronunciava. Eu não tinha tempo a perder. Se eles se afastassem, talvez
não me ouvissem mais. Cheguei bem perto da muralha e gritei da forma
mais clara possível:
− Tio Lidenbrock!
Passaram-se alguns segundos, que pareciam séculos, e então ouvi:
− Axel, Axel! É você?
− Sim, sou eu – respondi.
− Onde você está?
− Perdido, na mais completa escuridão! Minha lanterna quebrou e o
córrego desapareceu.
− Tenha coragem! Não se desespere, Axel!
Calculando o tempo que o som levava para ser ouvido, descobrimos a distância que nos
separava. Segundo meu tio, que estava numa enorme caverna, da qual partiam diversas galerias, eu
deveria descer para encontrá-los.
− Axel, se for preciso arraste-se, escorregue pelas rampas e você vai nos encontrar no fim do
caminho. Venha, meu filho, venha!
Essas palavras me reanimaram. Parti ao encontro deles cheio de esperança. Minhas forças
estavam no fim. Eu só conseguia me arrastar. A galeria inclinada me conduziu a uma velocidade
assustadora.
Escorreguei pelas pedras, sem poder me segurar em parte alguma, até bater a cabeça em uma
rocha e perder os sentidos mais uma vez.
Quando abri os olhos, meu tio estava cuidando de mim. Ao perceber que eu tinha acordado,
soltou um grito de alegria:
− Ele está vivo! Está vivo!
− Estou...
Hans veio me cumprimentar.
− Tio, que horas são, que dia é hoje, onde estamos?
− Hoje é domingo, nove de agosto, e são onze horas da noite. Agora, chega de perguntas. Você
está muito fraco.
Meu tio tinha razão. Eu mal conseguia ficar com os olhos abertos. Precisava descansar.
Julio Verne. Viagem ao centro da Terra. São Paulo, Scipione, 2004
Vocabulário:
pergaminho: manuscrito em pele de animal tratada onde eram anotados registros antigos importantes.
reinar: vigorar, se instalar.
galeria: corredor subterrâneo de uma caverna.
1) Axel ao perceber que estava perdido e sozinho se desespera. Que ações demonstram o seu
desespero? Copie trechos que comprovem sua resposta.
___________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
2) Qual o provável motivo de Axel ter se perdido de seus companheiros?
___________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________
3) Que fez com que Axel tivesse certeza de que podia ser ouvido pelo tio quando escutou sua voz?
___________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________
4) Axel e o tio usaram uma técnica matemática para descobrir como se encontrarem. Que técnica foi
essa Ela funcionou?
___________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________________
5) Lidenbrock, Axel e Hans entraram no vulcão no dia 23 de junho. Quando Axel se perdeu, a
expedição estava há quanto tempo no interior do vulcão?
(A) uma semana
(B) 15 dias
(C)1 mês e meio
(D) menos de 1 mês
(E) mais de 2 meses
6) Lidenbrock e Axel viajaram da Alemanha para a Islândia. Na Islândia, os personagens
desceram por m vulcão e, no final da aventura, saíram por outro vulcão na Itália. Em qual
continente ficam esses países?
(A) América do Norte
(B) América do Sul
(C) África
(D) Europa
(E) Ásia
7) Há enunciados que são definidos como frases, outros como frases nominais. Assinale a
única alternativa que apresenta frase nominal.
(A) “− Tio Lidenbrock!”
(B) “− Onde você está?”
(C) “− Tenha coragem! Não se desespere, Axel!”
(D) “− Estou...”
(E) “− Ele está vivo! Está vivo!”
8) Dados os períodos abaixo, classifique-os em simples (S) o composto (C).
( ) “Andei durante quinze minutos e não os encontrei.”
( ) “Chamei por eles e não obtive resposta.”
( ) “Andei mais meia hora.”
( ) “Um silêncio medonho reinava na galeria.”
 Releia a apresentação inicial do livro Viagem ao centro da Terra e responda à
questão 09.
9) Leia as orações a seguir observando a classificação do sujeito e indique, em cada uma
delas se ela apresenta:
I. Sujeito simples
II. Sujeito Composto
III. Sujeito Oculto (desinencial)
( ) “Lá se juntam a Hans”
( ) “O professor Otto Lidenbrock descobre em um livro um velho pergaminho”
( ) “Lidenbrock, seu sobrinho e também assistente Axel, partem da Alemanha rumo à
Islândia”
10. Leia este trecho:
I. Quantas orações há nessa frase?
(A)01
(B)02
(C) 03
(D)04
II. Qual é o sujeito de cada uma delas? Como eles se classificam?
________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________
__________________
11)
Os termos destacados referem-se, respectivamente, a:
(A)Hans e Lidenbrock - Axel
(B)Hans e Axel - Lidenbrock
(C) Axel – Lidenbrock e Hans
[... “O professor Otto Lidenbrock descobre em um livro um velho pergaminho com a
revelação de que, a partir da cratera de um determinado vulcão na Islândia, era possível
penetrar no centro da Terra e explorá-la.
Empolgado com essa descoberta, Lidenbrock, seu sobrinho e também assistente Axel,
partem da Alemanha rumo à Islândia. Lá se juntam a Hans, um guia islandês, e iniciam, no
dia 23 de junho de 1863, uma expedição ao interior de um vulcão com o objetivo de explorar
as profundezas da Terra “...]
“[...] Essas palavras me reanimaram. Parti ao encontro deles cheio de esperança.
“Só poderiam ser de meu tio e Hans. Se eu os ouvia, certamente eles me ouviriam
também.”
No desenrolar do achado,
A cena foi nos contendo.
A gente não acreditávamos
Naquilo que estava vendo:
Símbolos incompreensíveis
Nele foi aparecendo.
(D)Lidenbrock e Axel – Hans
12)
Como você sabe sujeito e predicado normalmente ficam juntos, pois um complementa o
outro. Observe a primeira oração do trecho e responda:
a. Qual é o sujeito dele? -
__________________________________________________________________________________
b. Identifique o(s) núcleo(s) do sujeito e responda: Trata-se de sujeito simples ou
composto? Por quê?
__________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________
________________
c. Qual é o predicado dessa oração?
______________________________________________________________________
d. O verbo concorda com o sujeito? Por quê?
__________________________________________________________________________________________________________
________
__________________________________________________________________________________________________________
________
13) Para quem acha que ficção cientifica e literatura de cordel não combinam, vale citar que
o poeta cearense Costa Senna lançou Viagem ao Centro da Terra em linguagem de cordel.
Da mesma forma que no romance, Axel é o narrador, ou seja, a história se desenvolve
segundo o seu ponto de vista.
Vamos ler agora um trecho que acontece após uma discussão entre Axel e o tio, quando
é encontrado o já citado pergaminho que possibilitará a viagem:
a. Propositalmente, alguns versos s foram escritos com erros de concordância. . Sublinhe os
problemas de concordância, e em seguida, reescreva-os fazendo as correções necessárias
para que fiquem de acordo com a variedade padrão da língua.
__________________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________________
_______________
“Minhas forças estavam no fim. Eu só conseguia me arrastar. A galeria inclinada me
conduziu a uma velocidade assustadora.”
14. Observando a regra geral de concordância verbal, nas frases seguintes, assinale a forma
verbal que torna correta a concordância.
a.  às pressas da sala de aula os últimos alunos. (saía – saíam)
b. A população da periferia das grandes cidades  muito com a falta de transporte
adequado. (sofre-sofrem)
c. As sondas da NASA  um sistema chamado redes neurais que procura imitar o
funcionamento do sistema nervoso dos animais. (usa – usam)
d. Já  funcionando os aparelhos que  para a diversão dos jovens. (está – estão/ foi
programado – foram programados)
15. Com base nas discussões feitas em sala de aula sobre a concordância verbal dos
substantivos que são usados somente no plural, explique a concordância do verbo na
manchete abaixo:
................................................................................................................................................................................................
................................................................................................................................................................................................
............................. ..................................................................................................................................................................
.............................................
16. Observando as regras de concordância verbal com sujeito composto, assinale a
alternativa, cuja sequência enumera corretamente as frases:
(1) concordância correta
(2) concordância incorreta
( ) Diante da crise insuperável, renunciou o presidente e os ministros.
( ) Voltaram ao hotel a polícia e os turistas.
( ) Muitos covardes e tímidos tem cedido antes de ir à luta.
( ) Os pastos, os reservatórios de água e a cidade foi dizimada pelo furação.
( ) Matemática, Física e Química costumam ser a maior dificuldade dos alunos
vestibulandos.
17. Complete as frases a seguir com a forma verbal adequada. Se as DUAS formas estiverem
corretas, marque-as.
a. O grupo de estudantes  palavras de ordem. (gritava/ gritavam)
b. O grupo  palavras de ordem. (gritava/ gritavam)
c. Antilhas, com seus recifes e atóis,  praias paradisíacas de águas transparentes.
(possui/ possuem)
d. Os Estados Unidos  carregamento de suco de laranja do Brasil. (barra / barram)
Canavieiras está movimentada com as gravações das cenas externas do
remake Gabriela,
Disponível em <http://www.ibirataianoticias.net/2012/04/globo-filmara-mais-uma-novela-em.html>. Acessado em 18.abr.2012.
e. Finalmente  as férias. (chegou/ chegaram)
f. Na verdade, eu que pago as despesas. (é/ sou)
e. Já  nove horas e quarenta minutos. (é/ são)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música Mary Alvarenga
 
5º ano edu. para a cidadania ativ. compl
5º ano edu. para a cidadania ativ. compl5º ano edu. para a cidadania ativ. compl
5º ano edu. para a cidadania ativ. complGiselda Rodrigues
 
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloAtividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloMaria de Lourdes Lourenço
 
Atividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º ano
Atividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º anoAtividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º ano
Atividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º anoAurinete Araujo Araujo
 
Texto e interpretação - A origem do Carnaval
Texto e interpretação - A origem do Carnaval Texto e interpretação - A origem do Carnaval
Texto e interpretação - A origem do Carnaval Mary Alvarenga
 
Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.Mary Alvarenga
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da músicaMary Alvarenga
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Mary Alvarenga
 
Oxitona paroxitona ... trabalho
Oxitona paroxitona ... trabalhoOxitona paroxitona ... trabalho
Oxitona paroxitona ... trabalhoDaíze Gusso
 
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da músicaAleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da músicaMary Alvarenga
 
De olho na dengue - Análise e entendimento do texto
De olho na dengue -   Análise e entendimento do textoDe olho na dengue -   Análise e entendimento do texto
De olho na dengue - Análise e entendimento do textoMary Alvarenga
 
Caça-palavras Dia internacional da mulher
Caça-palavras   Dia internacional da mulherCaça-palavras   Dia internacional da mulher
Caça-palavras Dia internacional da mulherMary Alvarenga
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Mary Alvarenga
 
Atividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxAtividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxFabiola Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Gabarito: Atividade de português: substantivos coletivos, diminutivos e aumen...
Gabarito: Atividade de português: substantivos coletivos, diminutivos e aumen...Gabarito: Atividade de português: substantivos coletivos, diminutivos e aumen...
Gabarito: Atividade de português: substantivos coletivos, diminutivos e aumen...
 
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
Meu Abrigo - Análise e entendimento da letra música
 
5º ano edu. para a cidadania ativ. compl
5º ano edu. para a cidadania ativ. compl5º ano edu. para a cidadania ativ. compl
5º ano edu. para a cidadania ativ. compl
 
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amareloAtividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
Atividades para as turmas 6 ao 9 anos setembro amarelo
 
Atividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º ano
Atividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º anoAtividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º ano
Atividade de-lingua-portuguesa-tipos-de-frases-5º ano
 
Texto e interpretação - A origem do Carnaval
Texto e interpretação - A origem do Carnaval Texto e interpretação - A origem do Carnaval
Texto e interpretação - A origem do Carnaval
 
Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.
 
PDF: Atividade de português: Questões sobre verbos de ligação – 8º ano – Pron...
PDF: Atividade de português: Questões sobre verbos de ligação – 8º ano – Pron...PDF: Atividade de português: Questões sobre verbos de ligação – 8º ano – Pron...
PDF: Atividade de português: Questões sobre verbos de ligação – 8º ano – Pron...
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da música
 
Interpretação de tirinha
Interpretação de tirinhaInterpretação de tirinha
Interpretação de tirinha
 
Gabarito: Atividade de português: Adjetivo – 6º ano
Gabarito: Atividade de português: Adjetivo – 6º ano Gabarito: Atividade de português: Adjetivo – 6º ano
Gabarito: Atividade de português: Adjetivo – 6º ano
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
 
Word: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Modelo editável
Word: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Modelo editávelWord: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Modelo editável
Word: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Modelo editável
 
Interpretação meu abrigo
Interpretação   meu abrigoInterpretação   meu abrigo
Interpretação meu abrigo
 
Oxitona paroxitona ... trabalho
Oxitona paroxitona ... trabalhoOxitona paroxitona ... trabalho
Oxitona paroxitona ... trabalho
 
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da músicaAleluia  de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
Aleluia de Gabriela Rocha - Análise e entendimento da música
 
De olho na dengue - Análise e entendimento do texto
De olho na dengue -   Análise e entendimento do textoDe olho na dengue -   Análise e entendimento do texto
De olho na dengue - Análise e entendimento do texto
 
Caça-palavras Dia internacional da mulher
Caça-palavras   Dia internacional da mulherCaça-palavras   Dia internacional da mulher
Caça-palavras Dia internacional da mulher
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
Atividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxAtividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docx
 

Semelhante a Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeito - concordância do verbo com o sujeito

Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisMarcia Oliveira
 
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdfCiencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdfCarlosAugustoAfonso
 
Exercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavrasExercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavrasThalita Lameira
 
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua PortuguesaSinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua PortuguesaJomari
 
P ee jornalista cecilia de godoy camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...
P ee jornalista  cecilia de godoy  camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...P ee jornalista  cecilia de godoy  camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...
P ee jornalista cecilia de godoy camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...Gisela Martin
 
Prova internet-pssii-2005
Prova internet-pssii-2005Prova internet-pssii-2005
Prova internet-pssii-2005Lucas Ferreira
 
AUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdf
AUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdfAUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdf
AUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdfVIEIRA RESENDE
 
1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf
1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf
1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdfJosianeSalesArajo
 
Interpretação do Ex- Libris
Interpretação do Ex- LibrisInterpretação do Ex- Libris
Interpretação do Ex- LibrisRODRIGO ORION
 
Poema narrativo e verbos irregulares.pdf
Poema narrativo e verbos irregulares.pdfPoema narrativo e verbos irregulares.pdf
Poema narrativo e verbos irregulares.pdfCaroline Assis
 
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2Gladis Nunes
 
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
 narracao-e-descricao-textos-e-exercicios narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
narracao-e-descricao-textos-e-exerciciosKicastro
 
Nuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfNuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfGabriel171
 

Semelhante a Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeito - concordância do verbo com o sujeito (20)

Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
 
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdfCiencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
Ciencia-Na-Alma-Richard-Dawkins.pdf
 
Exercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavrasExercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavras
 
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua PortuguesaSinais Pontuação Língua Portuguesa
Sinais Pontuação Língua Portuguesa
 
P ee jornalista cecilia de godoy camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...
P ee jornalista  cecilia de godoy  camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...P ee jornalista  cecilia de godoy  camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...
P ee jornalista cecilia de godoy camargo reforço_lingua portuguesa_semana 1...
 
Prova internet-pssii-2005
Prova internet-pssii-2005Prova internet-pssii-2005
Prova internet-pssii-2005
 
Portugues vol6
Portugues vol6Portugues vol6
Portugues vol6
 
AUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdf
AUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdfAUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdf
AUGUSTO CURY - O Mestre Inesquecivel.pdf
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
 
Moldado por Deus
Moldado por DeusMoldado por Deus
Moldado por Deus
 
DeClara nº 45 julho 2021
DeClara nº 45 julho 2021DeClara nº 45 julho 2021
DeClara nº 45 julho 2021
 
1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf
1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf
1º BIMESTRE- BLOCO 1 - 01-03 A 26-03 - 5º ANO B LELE E DAVI.pdf
 
Interpretação do Ex- Libris
Interpretação do Ex- LibrisInterpretação do Ex- Libris
Interpretação do Ex- Libris
 
Poema narrativo e verbos irregulares.pdf
Poema narrativo e verbos irregulares.pdfPoema narrativo e verbos irregulares.pdf
Poema narrativo e verbos irregulares.pdf
 
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
Augusto Cury Os Segredos do pai nosso 2
 
4. funções da linguagem
4. funções da linguagem4. funções da linguagem
4. funções da linguagem
 
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
 narracao-e-descricao-textos-e-exercicios narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
narracao-e-descricao-textos-e-exercicios
 
P. brasil 1
P. brasil 1P. brasil 1
P. brasil 1
 
Nuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfNuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdf
 
Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas: Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas:
 

Mais de dpport

As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da artedpport
 
I unidade prova de português - 8º ano
I unidade   prova de português - 8º anoI unidade   prova de português - 8º ano
I unidade prova de português - 8º anodpport
 
I unidade prova de português - 9º ano - 2015
I unidade   prova de português - 9º ano - 2015I unidade   prova de português - 9º ano - 2015
I unidade prova de português - 9º ano - 2015dpport
 
I unidade prova de redação - 8º ano - 2015
I unidade   prova de redação - 8º ano - 2015I unidade   prova de redação - 8º ano - 2015
I unidade prova de redação - 8º ano - 2015dpport
 
I unidade teste de redação - 8º 01 e 02
I unidade   teste de redação - 8º 01 e 02I unidade   teste de redação - 8º 01 e 02
I unidade teste de redação - 8º 01 e 02dpport
 
Interpretação de texto vidas secas
Interpretação de texto   vidas secasInterpretação de texto   vidas secas
Interpretação de texto vidas secasdpport
 
Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda
Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda
Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda dpport
 
Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...
Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...
Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...dpport
 

Mais de dpport (8)

As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
I unidade prova de português - 8º ano
I unidade   prova de português - 8º anoI unidade   prova de português - 8º ano
I unidade prova de português - 8º ano
 
I unidade prova de português - 9º ano - 2015
I unidade   prova de português - 9º ano - 2015I unidade   prova de português - 9º ano - 2015
I unidade prova de português - 9º ano - 2015
 
I unidade prova de redação - 8º ano - 2015
I unidade   prova de redação - 8º ano - 2015I unidade   prova de redação - 8º ano - 2015
I unidade prova de redação - 8º ano - 2015
 
I unidade teste de redação - 8º 01 e 02
I unidade   teste de redação - 8º 01 e 02I unidade   teste de redação - 8º 01 e 02
I unidade teste de redação - 8º 01 e 02
 
Interpretação de texto vidas secas
Interpretação de texto   vidas secasInterpretação de texto   vidas secas
Interpretação de texto vidas secas
 
Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda
Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda
Interpretação de texto: O rei Arthur e os cavalheiros da távola redonda
 
Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...
Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...
Interpretação de texto ( o bicho alfabético) e gramática ( sujeito e concordâ...
 

Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeito - concordância do verbo com o sujeito

  • 1.  I N S T R U Ç Õ E S : • Leia atentamente a sua avaliação antes de responder às questões; • Não é permitida rasura, borrões ou uso de corretivo nesta avaliação • Utilize somente caneta azul ou preta. Respostas a lápis serão anuladas. • Questões de interpretação não podem ser respondidas com partes do texto, a não ser que a questão peça que você justifique com trechos. Caso contrário, use suas palavras. • Questões de assinalar, apenas UMA alternativa está correta. • Escreva com letra legível . • Leia um trecho do livro Viagem ao Centro da Terra para responder as questões de 01 a 06. [... “O professor Otto Lidenbrock descobre em um livro um velho pergaminho com a revelação de que, a partir da cratera de um determinado vulcão na Islândia, era possível penetrar no centro da Terra e explorá-la. Empolgado com essa descoberta, Lidenbrock, seu sobrinho e também assistente Axel, partem da Alemanha rumo à Islândia. Lá se juntam a Hans, um guia islandês, e iniciam, no dia 23 de junho de 1863, uma expedição ao interior de um vulcão com o objetivo de explorar as profundezas da Terra “...] Desespero e escuridão Tudo corria bem, até que algo muito grave aconteceu comigo. Foi assim: no dia 7 de agosto, atingimos um trecho do túnel que era um pouco mais inclinado. Eu ia na frente, seguido por meu tio. De repente, ao me virar, estava sozinho. Talvez tivesse andado muito depressa e resolvi voltar para alcançar meus companheiros. Andei durante quinze minutos e não os encontrei. Chamei por eles e não obtive resposta. Andei mais meia hora. Um silêncio medonho reinava na galeria. [...] Eu ainda tinha alimento e água para três dias. Precisava fazer alguma coisa, mas não sabia se devia descer ou subir. Resolvi subir. Subi, mas não reconheci o caminho. Tive certeza de que aquela galeria não me levaria a lugar nenhum. Desesperado, sem enxergar direito e muito nervoso, bati contra uma parede e caí. PROVA DE PORTUGUÊS Nome: Nº Data: Unidade: Professor (a): Disciplina: Série/Turma:
  • 2. Algum tempo depois, acordei perdido num labirinto de curvas. Minha lanterna estava amassada, com a luz fraca. A qualquer momento, poderia se apagar. Meu desespero aumentou. Comecei a correr naquele labirinto sem saída, chamando, gritando, uivando, batendo contra as rochas. Depois de algumas horas, caí novamente e perdi a consciência. Quando recobrei os sentidos, percebi que estava machucado. Nunca senti uma solidão tão grande em toda a minha vida. Ia desmaiar novamente, quando ouvi um ruído forte em algum lugar daquele abismo. Talvez fosse a explosão de algum gás ou uma pedra caindo. Depois, o silêncio voltou a reinar. Encostei o ouvido na muralha e escutei palavras incompreensíveis ao longe. Seria uma alucinação? Prestei atenção e ouvi novamente um murmúrio. Eram vozes humanas! Só poderiam ser de meu tio e Hans. Se eu os ouvia, certamente eles me ouviriam também. − Aqui! Aqui! – gritei, com todas as minhas forças. Não tive resposta. Encostei meu ouvido na pedra de novo e, dessa vez, ouvi meu nome bem claro! Era meu tio quem o pronunciava. Eu não tinha tempo a perder. Se eles se afastassem, talvez não me ouvissem mais. Cheguei bem perto da muralha e gritei da forma mais clara possível: − Tio Lidenbrock! Passaram-se alguns segundos, que pareciam séculos, e então ouvi: − Axel, Axel! É você? − Sim, sou eu – respondi. − Onde você está? − Perdido, na mais completa escuridão! Minha lanterna quebrou e o córrego desapareceu. − Tenha coragem! Não se desespere, Axel! Calculando o tempo que o som levava para ser ouvido, descobrimos a distância que nos separava. Segundo meu tio, que estava numa enorme caverna, da qual partiam diversas galerias, eu deveria descer para encontrá-los. − Axel, se for preciso arraste-se, escorregue pelas rampas e você vai nos encontrar no fim do caminho. Venha, meu filho, venha! Essas palavras me reanimaram. Parti ao encontro deles cheio de esperança. Minhas forças estavam no fim. Eu só conseguia me arrastar. A galeria inclinada me conduziu a uma velocidade assustadora. Escorreguei pelas pedras, sem poder me segurar em parte alguma, até bater a cabeça em uma rocha e perder os sentidos mais uma vez. Quando abri os olhos, meu tio estava cuidando de mim. Ao perceber que eu tinha acordado, soltou um grito de alegria: − Ele está vivo! Está vivo! − Estou... Hans veio me cumprimentar. − Tio, que horas são, que dia é hoje, onde estamos? − Hoje é domingo, nove de agosto, e são onze horas da noite. Agora, chega de perguntas. Você está muito fraco.
  • 3. Meu tio tinha razão. Eu mal conseguia ficar com os olhos abertos. Precisava descansar. Julio Verne. Viagem ao centro da Terra. São Paulo, Scipione, 2004 Vocabulário: pergaminho: manuscrito em pele de animal tratada onde eram anotados registros antigos importantes. reinar: vigorar, se instalar. galeria: corredor subterrâneo de uma caverna. 1) Axel ao perceber que estava perdido e sozinho se desespera. Que ações demonstram o seu desespero? Copie trechos que comprovem sua resposta. ___________________________________________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________________________ 2) Qual o provável motivo de Axel ter se perdido de seus companheiros? ___________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________ 3) Que fez com que Axel tivesse certeza de que podia ser ouvido pelo tio quando escutou sua voz? ___________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________ 4) Axel e o tio usaram uma técnica matemática para descobrir como se encontrarem. Que técnica foi essa Ela funcionou? ___________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________ 5) Lidenbrock, Axel e Hans entraram no vulcão no dia 23 de junho. Quando Axel se perdeu, a expedição estava há quanto tempo no interior do vulcão? (A) uma semana (B) 15 dias (C)1 mês e meio (D) menos de 1 mês (E) mais de 2 meses 6) Lidenbrock e Axel viajaram da Alemanha para a Islândia. Na Islândia, os personagens desceram por m vulcão e, no final da aventura, saíram por outro vulcão na Itália. Em qual continente ficam esses países? (A) América do Norte (B) América do Sul (C) África (D) Europa (E) Ásia 7) Há enunciados que são definidos como frases, outros como frases nominais. Assinale a única alternativa que apresenta frase nominal. (A) “− Tio Lidenbrock!” (B) “− Onde você está?”
  • 4. (C) “− Tenha coragem! Não se desespere, Axel!” (D) “− Estou...” (E) “− Ele está vivo! Está vivo!” 8) Dados os períodos abaixo, classifique-os em simples (S) o composto (C). ( ) “Andei durante quinze minutos e não os encontrei.” ( ) “Chamei por eles e não obtive resposta.” ( ) “Andei mais meia hora.” ( ) “Um silêncio medonho reinava na galeria.”  Releia a apresentação inicial do livro Viagem ao centro da Terra e responda à questão 09. 9) Leia as orações a seguir observando a classificação do sujeito e indique, em cada uma delas se ela apresenta: I. Sujeito simples II. Sujeito Composto III. Sujeito Oculto (desinencial) ( ) “Lá se juntam a Hans” ( ) “O professor Otto Lidenbrock descobre em um livro um velho pergaminho” ( ) “Lidenbrock, seu sobrinho e também assistente Axel, partem da Alemanha rumo à Islândia” 10. Leia este trecho: I. Quantas orações há nessa frase? (A)01 (B)02 (C) 03 (D)04 II. Qual é o sujeito de cada uma delas? Como eles se classificam? ________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________ __________________ 11) Os termos destacados referem-se, respectivamente, a: (A)Hans e Lidenbrock - Axel (B)Hans e Axel - Lidenbrock (C) Axel – Lidenbrock e Hans [... “O professor Otto Lidenbrock descobre em um livro um velho pergaminho com a revelação de que, a partir da cratera de um determinado vulcão na Islândia, era possível penetrar no centro da Terra e explorá-la. Empolgado com essa descoberta, Lidenbrock, seu sobrinho e também assistente Axel, partem da Alemanha rumo à Islândia. Lá se juntam a Hans, um guia islandês, e iniciam, no dia 23 de junho de 1863, uma expedição ao interior de um vulcão com o objetivo de explorar as profundezas da Terra “...] “[...] Essas palavras me reanimaram. Parti ao encontro deles cheio de esperança. “Só poderiam ser de meu tio e Hans. Se eu os ouvia, certamente eles me ouviriam também.”
  • 5. No desenrolar do achado, A cena foi nos contendo. A gente não acreditávamos Naquilo que estava vendo: Símbolos incompreensíveis Nele foi aparecendo. (D)Lidenbrock e Axel – Hans 12) Como você sabe sujeito e predicado normalmente ficam juntos, pois um complementa o outro. Observe a primeira oração do trecho e responda: a. Qual é o sujeito dele? - __________________________________________________________________________________ b. Identifique o(s) núcleo(s) do sujeito e responda: Trata-se de sujeito simples ou composto? Por quê? __________________________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________ ________________ c. Qual é o predicado dessa oração? ______________________________________________________________________ d. O verbo concorda com o sujeito? Por quê? __________________________________________________________________________________________________________ ________ __________________________________________________________________________________________________________ ________ 13) Para quem acha que ficção cientifica e literatura de cordel não combinam, vale citar que o poeta cearense Costa Senna lançou Viagem ao Centro da Terra em linguagem de cordel. Da mesma forma que no romance, Axel é o narrador, ou seja, a história se desenvolve segundo o seu ponto de vista. Vamos ler agora um trecho que acontece após uma discussão entre Axel e o tio, quando é encontrado o já citado pergaminho que possibilitará a viagem: a. Propositalmente, alguns versos s foram escritos com erros de concordância. . Sublinhe os problemas de concordância, e em seguida, reescreva-os fazendo as correções necessárias para que fiquem de acordo com a variedade padrão da língua. __________________________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________ _______________ “Minhas forças estavam no fim. Eu só conseguia me arrastar. A galeria inclinada me conduziu a uma velocidade assustadora.”
  • 6. 14. Observando a regra geral de concordância verbal, nas frases seguintes, assinale a forma verbal que torna correta a concordância. a.  às pressas da sala de aula os últimos alunos. (saía – saíam) b. A população da periferia das grandes cidades  muito com a falta de transporte adequado. (sofre-sofrem) c. As sondas da NASA  um sistema chamado redes neurais que procura imitar o funcionamento do sistema nervoso dos animais. (usa – usam) d. Já  funcionando os aparelhos que  para a diversão dos jovens. (está – estão/ foi programado – foram programados) 15. Com base nas discussões feitas em sala de aula sobre a concordância verbal dos substantivos que são usados somente no plural, explique a concordância do verbo na manchete abaixo: ................................................................................................................................................................................................ ................................................................................................................................................................................................ ............................. .................................................................................................................................................................. ............................................. 16. Observando as regras de concordância verbal com sujeito composto, assinale a alternativa, cuja sequência enumera corretamente as frases: (1) concordância correta (2) concordância incorreta ( ) Diante da crise insuperável, renunciou o presidente e os ministros. ( ) Voltaram ao hotel a polícia e os turistas. ( ) Muitos covardes e tímidos tem cedido antes de ir à luta. ( ) Os pastos, os reservatórios de água e a cidade foi dizimada pelo furação. ( ) Matemática, Física e Química costumam ser a maior dificuldade dos alunos vestibulandos. 17. Complete as frases a seguir com a forma verbal adequada. Se as DUAS formas estiverem corretas, marque-as. a. O grupo de estudantes  palavras de ordem. (gritava/ gritavam) b. O grupo  palavras de ordem. (gritava/ gritavam) c. Antilhas, com seus recifes e atóis,  praias paradisíacas de águas transparentes. (possui/ possuem) d. Os Estados Unidos  carregamento de suco de laranja do Brasil. (barra / barram) Canavieiras está movimentada com as gravações das cenas externas do remake Gabriela, Disponível em <http://www.ibirataianoticias.net/2012/04/globo-filmara-mais-uma-novela-em.html>. Acessado em 18.abr.2012.
  • 7. e. Finalmente  as férias. (chegou/ chegaram) f. Na verdade, eu que pago as despesas. (é/ sou) e. Já  nove horas e quarenta minutos. (é/ são)