Aaapostila de depilação muito boa

800 visualizações

Publicada em

Apostila de depilação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
800
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aaapostila de depilação muito boa

  1. 1. Presidência da República Secretaria - Geral Secretaria Nacional de Juventude Coordenação Nacional do ProJovem Coleção ProJovem Guia de Estudo Programa Nacional de Inclusão de Jovens Arco Ocupacional Serviços Pessoais 2006
  2. 2. PROGRAMA NACIONAL DE INCLUSÃO DE JOVENS (ProJovem) Serviços Pessoais : guia de estudo / coordenação, Laboratório Trabalho & Formação/COPPE-UFRJ/elaboração,ServiçoNacionaldeAprendizagem Comercial–DepartamentoNacional Brasília : Ministério doTrabalho e Emprego, 2006. 116p.:il. — (Coleção ProJovem –Arco Ocupacional) ISBN 85-285-0086-1 1. Ensino de tecnologia. 2. Reconversão do trabalho. 3. Capacitação para o trabalho. I. Ministério do Trabalho e Emprego. II . Série. CDD - 607 T675 FichaCatalográfica
  3. 3. Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva Secretaria Geral da Presidência da República Ministro Chefe - Luiz Soares Dulci Ministro de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Patrus Ananias Ministro da Educação Fernando Haddad Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretaria-Geral da Presidência da República Ministro Chefe - Luiz Soares Dulci Secretaria Executiva Secretária Executiva - Iraneth Monteiro Secretaria Nacional da Juventude Secretário - Luiz Roberto de Souza Cury Secretaria Nacional Adjunta Regina Célia Reyes Novaes Coordenação Nacional do Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem Coordenadora Nacional Maria José Vieira Féres Assessoria do ProJovem Articulação com os Municípios Gilva Alves Guimarães Administração e Planejamento Maurício Dutra Garcia Gestão da Informação Rosângela Rita Guimarães Dias Vieira Gestão Orçamentária Financeira Sérgio Jamal Gotti Gestão Pedagógica Renata Maria Braga Santos Márcia Seroa Motta Brandão Supervisão e Avaliação Tereza Cristina Silva Cotta Comitê Gestor do ProJovem Coordenadora Iraneth Monteiro Integrantes Luiz Roberto de Souza Cury – SNJ Maria José Vieira Féres – CNProJovem Jairo Jorge da Silva – MEC Ricardo Manuel dos Santos Henriques – MEC Márcia Helena Carvalho Lopes – MDS Osvaldo Russo de Azevedo – MDS Marco Antonio Oliveira – MTE Antônio Almerico Biondi Lima – MTE Comissão Técnica Interministerial Coordenadora Maria José Vieira Féres Integrantes Renata Maria Braga Santos – CNProJovem Aidê Cançado Almeida – MDS José Eduardo de Andrade – MDS Timothy Ireland – MEC Ivone Maria Elias Moreyra – MEC Antonio Almerico Biondi Lima – MTE Ricardo André Cifuentes Silva – MTE Comissão Técnica Interministerial
  4. 4. ESPECIALISTAS DO PROJOVEM Juventude Regina Célia Reyes Novaes Educação Básica Vera Maria Massagão Ribeiro Ação Comunitária Renata Junqueira Ayres Villas-Bôas Coordenadora Pedagógica Maria Umbelina Caiafa Salgado Equipe Pedagógica Ana Lúcia Amaral Maria Regina Durães de Godoy Almeida Equipe do Ministério do Trabalho e Emprego Antônio Almerico Biondi Lima Misael Goyos de Oliveira Francisco de Assis Póvoas Pereira Marcelo Silva Leite Revisores de Conteúdo / Pedagogia Leila Cristini Ribeiro Cavalcanti (Coppetec) Marilene Xavier dos Santos (Coppetec) Arco Ocupacional Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia - COPPE Programa de Engenharia de Produção - PEP Laboratório Trabalho & Formação - LT&F Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - Departamento Nacional Coordenação dos Arcos Ocupacionais Fabio Luiz Zamberlan Sandro Rogério do Nascimento AUTORES Elaboração Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - Departamento Nacional Pesquisa de conteúdo e redação Máslova Valença Rosa Amanda Strausz Marcia Capella Projeto Gráfico de Referência (miolo/capa) Lúcia Lopes Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica Christiane Abbade Revisão Jane Muniz Lucília Soares Fotos Zeca Guimarães, Renata Bomeny, Alexandre Sant`Anna e Rodrigo Lopes Ilustrações Marcelo Damm, Nato Gomes, Axel Sande, Guto Nóbrega e Elivaldo da Silva Aquino Agradecimentos Eduardo Ribeiro Lopes
  5. 5. Caros participantes do ProJovem! Chegamos ao fim da primeira etapa deste processo de Qualificação para o Trabalho. Nos meses passados,vocês tomaram conhecimento e debateram aspectos do trabalho que estão presentes em quase todas as ocupações, dentro da Formação Técnica Geral (FTG). Estudaram conceitos, conteúdos e técnicas relacionadas aos temas: Mobilidade e Trabalho; Atividades Econômicas na Cidade; Organização do Trabalho, Comunicação, Tecnologia e Trabalho; Gestão e Planejamento; Organização da Produção; Outras Possibilidades de Trabalho. Enfatizamos sua participação em muitas atividades, na escola e fora dela. Vocês não só resolveram as coisas no papel, mas também exercitaram os conhecimentos, movimentaram-se na cidade, buscaram informações, fizeram contatos e conversaram sobre o que estudaram. Teoria e prática andaram juntas. Parabéns pelos estudos que concluíram! Após terem feito essa travessia, é chegada a hora de acrescentarmos conhecimentos que os fortaleçam na formação para o mundo do trabalho. Agora tem início uma nova fase da Qualificação para o Trabalho, na qual serão tratados os temas específicos dos Arcos Ocupacionais. Cada Arco Ocupacional é composto por quatro ocupações e foi construído com conteúdos que possibilitarão a vocês diversificada iniciação profissional, abrindo espaço de atuação nessas ocupações. Esta formação não os tornarão um especialista em cada uma delas, mas vocês conhecerão muito mais amplamente o trabalho desenvolvido no conjunto das ocupações. Por exemplo,você escolheu Serviços Pessoais,vai iniciar- se em Manicura e Pedicura, Depilador, Cabeleireiro Escovista e Maquiador. Essa variedade ocupações certamente aumentará as possibilidades de obtenção de trabalho e emprego. Desejamos a vocês bom trabalho nesta fase de seus estudos. Abraços e boa sorte a todos! Anita
  6. 6. Sumário 1 Oportunidades na área de beleza 8 O mercado da beleza 10 O que é e como funciona um salão de beleza 12 Boa aparência é fundamental 14 Personalidade também conta 15 Direitos e deveres 18 2 Manicura e Pedicura 22 As unhas 23 Os agentes do perigo 25 Instrumentos e seus cuidados 29 Equipamentos, materiais e produtos 30 O lixo e o meio ambiente 32 Embelezamento das mãos e dos pés 33 3 Depilador 44 A pele e o pêlo 46 O ambiente de trabalho 48 Instrumentos e materiais 50 Os produtos e seu uso 52 As ceras e seu preparo 53 A depilação passo a passo 56 A direção dos pêlos e da depilação 64 4 Cabeleireiro 66 O que é o cabelo 67 Os cabelos e a saúde 69 Secos, normais ou oleosos? 69 Os produtos usados pelo cabeleireiro 69 O ambiente de trabalho 71 Principais técnicas 74 5 Maquiador 94 A pele 96 Pontos ativos e pontos passivos do rosto 98 Formatos do rosto 98 A harmonia das cores 101 Principais produtos 101 Equipamentos, instrumentos e materiais 107 A maquiagem 109 O mundo das cores e da beleza 114
  7. 7. 8 1SERVIÇOSPESSOAIS Oportunidades na área de beleza
  8. 8. 9 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA “Espelho, espelho meu, existe alguém mais bela do que eu?” A pergunta da madrasta da Branca de Neve nos acompanha desde a infância. E o motivo é simples. Por mais bem apresentados que estejamos, sempre achamos que poderíamos estar um pouquinho melhores. É essa necessidade que faz com que ninguém resista a um espelho ... e nem a um salão de beleza. Cuidar da própria aparência é um prazer. Nos dias de hoje, é também uma necessidade. E isso não acontece só nos salões, mas também no nosso dia-a-dia. Atividade 1 Pensando em você Veja a lista abaixo e marque com um X os itens que correspondem aos cuidados que você costuma tomar com seu corpo: ( ) Tomar banho ( ) Escovar os dentes ( ) Cortar as unhas ( ) Polir as unhas ( ) Pentear o cabelo ( ) Fazer a barba ( ) Depilar pernas ( ) Depilar virilha ( ) Depilar axila ( ) Depilar outras áreas do corpo ( ) Fazer a sobrancelha ( ) Fazer as unhas ( ) Usar pinturas criativas e originais nas unhas ( ) Cortar o cabelo ( ) Cuidar do cabelo (fazer hidratação, escova, enrolar etc.) ( ) Fazer penteados e pinturas diferentes no cabelo ( ) Passar cremes especiais no corpo ( ) Fazer massagens estéticas ou relaxantes ( ) Fazer limpeza de pele ( ) Fazer esfoliação do corpo ( ) Praticar atividades físicas, como ginástica, por exemplo ( ) Usar desodorante ( ) Usar perfumes Agora, volte à lista e marque com uma cor diferente (ou com um sinal diferente) os itens que você adoraria poder fazer, mas não faz por falta de tempo ou dinheiro.
  9. 9. 10 1SERVIÇOSPESSOAIS Boa parte dessas atividades é realizada nos salões de beleza. E o que leva tantas pessoas até lá é o mesmo desejo que você sente de estar bem, de se apresentar adequadamente em seu ambiente pro- fissional, de se perceber incluído numa sociedade que valoriza cada vez mais a aparência. Escolher Serviços Pessoais como formação profissional é ingres- sar num mundo no qual quase todas as pessoas desejam estar – como clientes. Oferecer serviços que quase todos querem comprar é um ótimo ponto de partida! O mercado da beleza Está nas revistas, na TV, nos comerciais... e acaba entrando tam- bém em nossa cabeça. No mundo de hoje, a boa aparência é fun- damental. Isso não tem nada a ver com raça, se a pessoa é gorda ou magra, se é alta ou baixa, velha ou nova. Mas tem a ver com valorizar aquilo que ela tem de melhor. E, nisso, os salões de be- leza são fundamentais. Eles valorizam o que têm de mais bonito ou original.
  10. 10. 11 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA As mãos dos profissionais dos serviços pessoais devem realçar as qualidades naturais de cada pessoa. Unhas bem tratadas, ca- belos limpos e bem penteados, pele depilada, maquiagem bem feita torna visível o que existe de mais bonito em cada um. Por esse motivo, o mercado de higiene pessoal, perfumaria e cos- méticos não pára de crescer. No Brasil, já garante o emprego ou a renda de mais de 2 milhões de pessoas. E continua aumentando. Alguns dos motivos do crescimento do mercado de beleza: As mulheres são as maiores consumidoras de produtos e serviços de embelezamento. E, a cada dia que passa, é maior o número de mulheres que trabalham e possuem renda própria. Hoje, elas já representam 60% do número de pessoas empregadas no país. Atualmente, as pessoas vivem mais. Por isso, aumenta o número de idosos. Também entre eles, as mulheres são maioria. E essa clientela vem se preocupando cada vez mais com sua aparência pessoal, já que isso melhora a sua auto-estima. Os homens são minoria nos salões de beleza. Mas o número de homens que se cuidam está crescendo. Eles se preocupam com o cabelo e fazem depilação. Não param de surgir novas técnicas e produtos para melhorar a aparência das pessoas. FOTOZECAGUIMARÃES
  11. 11. 12 1SERVIÇOSPESSOAIS O que é e como funciona um salão de beleza Um salão de beleza é o lugar que reúne diversos tipos de serviços de embelezamento. Normalmente, ele oferece: Corte e tratamento de cabelos Embelezamento de mãos e pés Depilação Maquiagem O que faz cada profissional: Cabeleireiro – cuida dos cabelos. Manicura/Pedicura – trata das mãos e dos pés. Depilador – retira pêlos do corpo. Maquiador – embeleza o rosto. Atividade 2 Eu tenho um sonho... Com base nas possibilidades oferecidas pelo mercado de beleza, escreva abaixo o que você espera dessa nova oportunidade que está se abrindo em sua vida. ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ....................................................................................................................... ........................................................................................................................ FOTOZECAGUIMARÃES FOTORODRIGOLOPES FOTOSRENATABOMENY
  12. 12. 13 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA Alémdosprofissionaisqueexecutamosserviçosdeembelezamento, ainda podemos encontrar em um salão de beleza: gerente – responsável pela coordenação geral de todas as atividades do salão. recepcionista – cuida do atendimento ao cliente. caixa – encarregado das entradas e saídas de dinheiro do salão no dia-a-dia. Existem diversos tipos de salão de beleza. Alguns deles são gran- des empresas, com franquias espalhadas por vários bairros; ou- tros são empresas pequenas, que, às vezes, funcionam em um cô- modo especial da casa do proprietário. Seja qual for o porte do salão, uma coisa é certa: os serviços prestados precisam ter quali- dade reconhecida pelos clientes. E isso não significa somente que os profissionais sejam competentes. O próprio salão tem que ser um ambiente agradável, que dê ao cliente vontade de voltar e, ao profissional, prazer de trabalhar. E para que um salão seja assim, ele precisa respeitar algumas re- gras. Veja-as seguir. Bom atendimento Ter uma recepção com alguém para receber o cliente é funda- mental. De preferência em um local próximo à entrada. Logo ao lado da recepção, convém ter uma sala de espera, para acomodar os clientes que aguardam o atendimento pelo profissional. Quan- do o espaço é pequeno para uma sala de espera, deve haver, pelo menos, algumas cadeiras para que os clientes não esperem em pé. Organização É preciso manter tudo arrumado e de forma funcional. Causa péssima impressão aquele profissional que está sempre procuran- do um instrumento de trabalho que deveria estar no carrinho, mas que sumiu. Outro ponto importante: é bom que as pessoas possam andar de um lado ao outro com facilidade, sem precisar “se espremer” para passar. Uma boa disposição dos móveis e equipamentos facilita a circulação dos clientes e dos funcionários. E contribui para dar um clima de harmonia ao ambiente. Limpeza Em matéria de primeira impressão, isso é tudo num salão. Chão, paredes e espelhos limpos, e um ambiente claro e arejado contri- buem para que o cliente tenha uma sensação de confiança, con- forto e bem-estar. funcional Adj. Diz-se de instru- mento, móvel, etc. capaz de cumprir com eficiência seus fins utilitários; prático.(...) In Novo Dicionário da Língua Portu- guesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira.
  13. 13. 14 1SERVIÇOSPESSOAIS Boa aparência é fundamental Você confiaria na competência de uma cabeleireira que tivesse os cabelos mal cuidados? Sentiria segurança numa manicura com unhas sujas ou roídas? Deixaria que uma depiladora de uniforme rasgado ou amarrotado cuidasse de você? Salões de beleza são os templos dos cuidados pessoais. E esses cuidados começam com a apresentação do profissional. Não é preciso estar na última moda, nem usar roupas caras, nem parecer que vai para uma festa. Mas um profissional de beleza com estilo próprio sempre chama a atenção de maneira positiva. Muitos salões adotam o uniforme para seus funcionários. Nesse caso, o charme pode vir dos acessórios: uma bijuteria dis- creta, um cinto diferente, um lenço amar- rado de modo original, até mesmo um penteado bem feito. O importante é que o seu visual transmita ao cliente a sensa- ção de que está nas mãos de alguém que realmente entende de beleza. Dica Evite: Roupas provocantes demais, com transparências, fendas, decotes exagerados, barriga de fora, etc. Saltos muito altos Bijuterias em excesso Unhas muito compridas Maquiagem pesada Perfumes muito fortes FOTOSZECAGUIMARÃES
  14. 14. 15 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA Personalidade também conta Profissionais de beleza precisam ser pessoas desinibidas. Mas muito educadas, gentis e bem-humoradas. Com capacidade de saber se expressar, mas também de ouvir, de compreender o que o cliente quer. O perfil do profissional de beleza exige ainda uma característica: equilíbrio emocional. Afinal, ele deve estar pronto para enfrentar, com tranqüilidade, qualquer tipo de situação embaraçosa. Alguns serviços, como depilação e maquiagem principalmente, envolvem intimidade, privacidade e sempre podem trazer algumas surpresas. Dica Preste atenção: Mantenha a roupa de trabalho ou o uniforme sempre limpo, passado, sem manchas nem rasgos. Dê atenção especial aos seus dentes. Use escova, pasta de dentes e fio dental após cada refeição. Profissionais de beleza costumam trabalhar muito perto de seus clientes e nada pior do que ter mau hálito. Seja muito atento à sua higiene pessoal. Nunca esqueça de passar desodorante após o banho. Se usar sandálias, cuide bem dos seus pés e dê atenção especial ao calcanhar. Escolha um calçado bem confortável para que seus pés não sofram no final de um dia de trabalho. Sapatos com bicos finos são grandes inimigos. Quando usados com freqüência, podem enfraquecer a unha do dedão, que, em casos extremos, chega a cair. Saltos de mais de cinco centímetros provocam cansaço nos músculos dos pés e das pernas. O salto plataforma força demais a musculatura da planta do pé. O ideal é um sapato confortável, que tenha bastante flexibilidade, bico amplo e que seja macio. Seus pés vão agradecer.
  15. 15. 16 1SERVIÇOSPESSOAIS Teste o seu equilíbrio emocional 1) Uma cliente lhe conta uma fofoca apimentada a respeito de outra cliente. Você: a) Não resiste e conta para a outra o que amiga anda espalhando. b) Toma partido da amiga e diz para a cliente que ela não deveria falar assim dos outros. c) Sorri educadamente e guarda para si a história. 2) Um homem da sua comunidade lhe pede para depilar as pernas. Você: a) Faz o que ele pediu, acha a maior graça e conta para todo mundo que o sujeito se depila. b) Aconselha-o a não fazer isso, pois podem falar mal dele. c) Age com naturalidade e faz o que o cliente lhe pediu, sem fazer comentários. 3) A cliente quer cortar o cabelo como o do personagem da novela, mas você acha que o corte não vai ficar bem nela. O que você faz? a) Corta como ela mandou, e depois comenta com todo mundo que “tem gente que não se enxerga mesmo”. b) Diz, com toda a sinceridade, que aquele corte vai ficar horrível nela. c) Sugere pequenas alterações que podem deixar sua cliente mais bonita. Caso ela não as aceite, faz o que ela pediu sem mais comentários. 4) Você está com mil problemas na sua vida. Chega uma cliente e começa a lhe contar os dela. Você: a) Interrompe o relato da cliente e começa a lhe contar os seus próprios problemas, para que ela veja que são muito mais sérios do que os dela. Atividade 3
  16. 16. 17 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA b) Dá sua opinião e conselhos a respeito dos problemas dela. c) Sorri educadamente e faz comentários do tipo: “é nessas horas que uma boa ida ao salão de beleza levanta o nosso astral”. 5) Você terminou o serviço e o cliente não ficou satisfeito. Pede, grosseiramente, que você refaça o que acabou de fazer. Você: a) Diz que não está ali para ouvir desaforos e manda o cliente embora. b) Tenta se explicar, dizendo, por exemplo, que fez exatamente aquilo que ele pediu. c) Faz questão de refazer o serviço até que o cliente fique satisfeito. Caso ele continue sendo agressivo, pede licença, chama o gerente do salão, explica-lhe educadamente o que está acontecendo e pede uma orientação. Calcule o resultado Marque 3 pontos para cada resposta C, 2 pontos para cada resposta B e 1 ponto para cada resposta A. Veja o resultado Entre 5 e 7 pontos Você é uma pessoa desinibida e fala o que tem vontade, sem se preocupar muito com as conseqüências. No trabalho, isso pode lhe trazer alguns problemas. Procure ser mais discreto e evite fofocas. Falar a respeito da intimidade dos clientes é a maneira mais rápida de perdê- los. Por mais esquisito ou estressado que o cliente esteja, ele deve sempre ser tratado com respeito. Entre 8 e 11 pontos Você é uma pessoa comunicativa e solidária. Faz questão de dar sua opinião e de não enganar o cliente. Isso pode vir a se tornar uma qualidade, desde que você aprenda a se expressar de uma maneira mais discreta. Vale a pena prestar atenção nisso! Entre 12 e 15 pontos Parabéns! Você sabe se comunicar e valorizar a relação com o cliente. É uma pessoa discreta e emocionalmente equilibrada. Com certeza, quali- dades pessoais não lhe faltam para vir a ser um ótimo profissional.
  17. 17. 18 1SERVIÇOSPESSOAIS Dicas Para sempre obter pontuação máxima na sua vida profissional, lembre-se: O ambiente do salão de beleza é um lugar muito tentador para fofocas. Fuja delas! Só dê a sua opinião pessoal se o cliente pedir. Alguns clientes podem ser agressivos ou mal-humorados. Não é motivo para que você perca o seu bom humor. Se tiver problemas, chame o gerente do salão. Direitos e deveres Profissionais que são contratados por salões de beleza têm sua jornada de trabalho regida pela CLT – a Consolidação das Leis do Trabalho. A lei determina uma jornada máxima de 44 horas por semana. Em um salão de beleza, essa jornada costuma ser distribuída as- sim: oito horas diárias de terça-feira a sábado e quatro horas na segunda-feira. Caso o estabelecimento não funcione às segundas-feiras, o empre- gador pode liberar seus funcionários para que eles façam cursos de aperfeiçoamento. Mas também pode compensar essas quatro horas nos outros dias da semana. Nesse caso, há necessidade de um acordo coletivo, que é firmado com o sindicato profissional da categoria. Como os acordos variam em cada município, uma boa idéia é você pro- curar o sindicato dos trabalhadores em institutos de beleza da sua cida- de. Lá, eles poderão explicar não só qualéajornadadetrabalho,mastam- bém dar informações sobre o piso salarial, os contratos de trabalho etc. Quem é autônomo também deve consultar o sindicato para conhe- cer melhor seus direitos, além de ser orientado com relação aos preços que deve cobrar por seus serviços.
  18. 18. 19 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA A remuneração Grande parte dos salões de beleza oferece comissão aos seus tra- balhadores. Funciona assim: quando o cliente paga pelo serviço, uma parte do dinheiro fica com o salão e a outra parte com o profissional que prestou o serviço. Quem ganha por comissão pode ter salário e carteira assinada. Mas isso não é o mais comum. E, quando ocorre, as comissões são mais baixas. Não existe uma tabela fixa para as comissões. Elas dependem de muitos fatores, como o porte do salão, a experiência do profis- sional e – principalmente – se o material de trabalho é comprado pelo profissional ou pelo dono do salão. A carteira de trabalho pode ser considerada o documento mais importante do (a) trabalhador (a). É nela que ficam registradas informações sobre o contrato feito entre o empregador e o empregado, como: a data de admissão, o valor do salário, a duração do trabalho diário. Serve também para o trabalhador comprovar tempo para aposentadoria e solicitar o seguro-desemprego (uma contribuição em dinheiro, oferecida pelo governo, para quem é demitido sem justa causa). A carteira de trabalho é gratuita e pode ser tirada num posto da Delegacia Regional do Trabalho (Orgão do Ministério do Trabalho e Emprego em cada estado) mais próximo de sua casa. E o melhor: fica pronta na hora! Basta levar: um comprovante de residência (serve conta de luz, gás ou telefone); um documento de identificação (pode ser a certidão de nascimento, casamento, carteira de identidade ou certificado de reservista para os homens); duas fotos 3x4 coloridas ou preto e branco, com fundo branco. Todo (a) trabalhador (a) deve guardar, com muito cuidado, a sua carteira de trabalho. Você sabia?
  19. 19. 20 1SERVIÇOSPESSOAIS Quando o profissional leva seu próprio material de trabalho (como acontece com freqüência com as manicuras e depiladoras), a co- missão costuma ser mais alta. O dono do salão investe seu dinhei- ro no espaço físico (aluguel do espaço, móveis e equipamentos, conta da luz etc.) e o profissional investe seu dinheiro no material de trabalho (cera, removedor, toalhas descartáveis, esmaltes etc.). É justo que os dois tenham um retorno do dinheiro que gastaram. Seja qual for a comissão fixada, ela deve constar no contrato de trabalho. Nesse contrato, além da porcentagem que cabe a cada um, é preciso que esteja bem claro quem fornecerá o material de trabalho. Os maquiadores são um caso à parte. Hoje em dia, os salões não têm maquiadores fixos. Quando o cliente precisa, o dono do sa- lão chama um profissional da sua confiança para fazer o serviço. O profissional determina quanto quer receber e o dono do salão acrescenta um percentual sobre este valor. FOTOSZECAGUIMARÃES
  20. 20. 21 1 OPORTUNIDADESNAÁREADEBELEZA Atividade 4 Agora, você é o repórter! Entreviste um profissional de salão de beleza e pergunte a ele tudo o que você gostaria de saber sobre a jornada de trabalho, como são estabelecidos os preços, salários, gratificações etc. ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................ ........................................................................................................................
  21. 21. 22 2SERVIÇOSPESSOAIS Manicura e Pedicura FOTORENATABOMENY
  22. 22. 23 2 MANICURAEPEDICURA Talento, simpatia e vontade de acertar são muito importantes para que você se torne um bom profissional. Mas, quem trabalha com serviços de manicura e pedicura também precisa conhecer os equi- pamentos, instrumentos, materiais e o principal... as mãos e os pés dos seus clientes! As unhas As unhas servem para proteger as pontas dos dedos. São elas que dão firmeza e proteção a eles. As pontas dos dedos das mãos e dos pés precisam mesmo ser protegidas. São partes do corpo que estão sempre em movimen- to, sempre batendo em alguma coisa. A natureza é sábia. Não foi só para facilitar nossos movimentos que ela criou as unhas. Sua função de proteção é muito mais importante do que parece. Repare bem... Parece até de propósito! Sempre que estamos com uma unha encravada ou quebrada, não paramos de dar topadas, batemos com o dedo a toda hora e todo mundo pisa no nosso pé. Na verdade, isso não existe. O que acontece é que, sem a proteção da unha, sentimos muito mais fortemente os impactos sobre os dedos das mãos e dos pés. Se não tivéssemos unha em nenhum dedo, seria impossível andar, pegar coisas, dançar, abraçar, correr. Sentiríamos dor o tempo todo. A composição da unha É claro que isso nunca vai acontecer. Mas, imagine, só de brinca- deira, o que você faria se uma cliente lhe dissesse: “Não sei o que faço. Quebrei a borda livre dessa unha e ela ficou no hiponíquio. E essa outra está com a lâmina toda manchada!”. Não se espante. Esses são apenas os nomes científicos de algu- mas partes das unhas. Mas isso quase ninguém sabe, e você não precisa decorá-los para ser uma boa profissional. Mas é bom ter esta informação.
  23. 23. 24 2SERVIÇOSPESSOAIS Você sabia? Eponíquio – película que se destaca da pele na parte mais próxima à unha. Mais conhecida como cutícula. Lâmina – ou lâmina ungueal. É a parte externa, corpo da unha. Matriz – parte que fica unida ao osso. Nela estão as células que formam a unha e que são responsáveis pelo seu tipo, qualidade, resistência e crescimento. Borda livre ou borda da unha – parte superior, acima do dedo, aquela que se corta ou lixa. Lúnula – parte inferior, perto da cutícula. É a parte mais fina e frágil da unha. Hiponíquio – sabugo da unha. A unha cresce em média 3 mm por mês e leva cerca de 160 dias para se renovar totalmente. FOTOSZECAGUIMARÃES
  24. 24. 25 2 MANICURAEPEDICURA Os agentes do perigo Nossa pele possui bilhões de minúsculos furos – os poros – por onde podem entrar germes e bactérias que provocam doenças. E essas doenças podem ser transmissíveis, isto é, podem passar de uma pessoa para outra. Para proteger a si mesmo e aos seus clien- tes dos indesejáveis germes, é preciso tomar muito cuidado com a higiene. E como, infelizmente, os germes não morrem afoga- dos, a água apenas não é suficiente para matá-los. Para destruir os germes, é preciso esterilizar os instrumentos que entram em con- tato com o cliente, podendo cortá-lo ou perfurá-lo. Outro cuidado que se precisa ter é com os ferimentos. Por den- tro das pontas dos dedos dos pés e das mãos correm milhares de canais que levam o sangue por todo o nosso corpo. São as veias e as artérias. O problema é que se existir um ferimento nessas regiões, ele funciona como uma porta de entrada para que várias doenças penetrem no nosso corpo através da circula- ção do sangue. Por isso, todo cuidado é pouco. Seus instrumentos podem ser res- ponsáveis pela transmissão de uma série de doenças. As aparências enganam. Um alicate novo e brilhante pode estar cheio de germes. Só existe uma maneira de evitar que os instrumentos usados pela manicura deixem seus clientes doentes: prestar muita aten- ção à higiene. Agentes infecciosos Vírus – tão pequenos que não podem ser vistos nem ao microscó- pio. Causam doenças como AIDS, hepatite B, herpes e verrugas. Bactérias – transmitem várias doenças como tétano, impetigo, erisipela, furúnculo, unheiro e foliculite, que é uma inflamação das glândulas sebáceas que temos por quase todo o corpo, incluindo o couro cabeludo. Fungos – para sobreviver, alguns fungos precisam de uma subs- tância chamada queratina, que temos na pele, no couro cabeludo, nos cabelos e nas unhas. Quando se alojam, causam as micoses, que passam de uma pessoa para outra ou de uma região do corpo para outra. Outros agentes infecciosos causam doenças como a sarna, a pediculose etc.
  25. 25. 26 2SERVIÇOSPESSOAIS Limpar, desinfetar, esterilizar: veja a diferença Limpar – É tirar a sujeira para diminuir a presença de germes. Geralmente, isso se faz com água, sabão e escova. Método muito útil em objetos que não podem furar ou machucar a pele do clien- te, como bacias e toalhas, por exemplo. Desinfetar – É um método mais poderoso do que a limpeza sim- ples porque é capaz de matar alguns tipos de germes. Muito útil para ser usado em objetos de madeira ou de plástico que encos- tam na pele do cliente mas não podem feri-la. Pode ser feito com agentes químicos, como o álcool ou o cloro. Se o instrumento não for de plástico, também é possível desinfetá-lo em água fer- vente. Basta mergulhá-lo na água fervente por, no mínimo, 30 minutos. Esterilizar – É destruir completamente os germes. Muito impor- tante para instrumentos que podem penetrar a pele, como alica- tes, bastões e espátulas de metal, tesouras etc. A esterilização pode ser feita por calor úmido, num aparelho chamado autoclave, ou por calor seco, em estufas apropriadas. Autoclaves ou estufas? O que é melhor? Na verdade, os dois aparelhos são eficientes para matar os germes dos instrumentos da manicura. Na autoclave, não há germe que resista ao vapor de 134ºC por 12 minutos. Em casa, pode-se usar a panela de pressão, com o mesmo efeito de uma autoclave. Já na estufa, o calor quente seca e queima os germes. Mas os instrumentos precisam ficar lá por, pelo menos, duas horas. E muito importante: nunca abra uma estufa antes do tempo, pois ela esfria e interrompe o processo de esterilização. FOTOSRENATABOMENY
  26. 26. 27 2 MANICURAEPEDICURA Para quem trabalha em casa, vai na casa do cliente ou é empregado em salão que não tem estufa, uma boa solução é a esterilização doméstica. Nesse caso, é preciso uma panela de pressão de 4,5 ou 7 litros e uma vasilha perfurada com suporte, como a que você pode ver na figura. Procedimentos: 1. Embrulhe o material que vai ser esterilizado em um papel grosso ou pano de algodão cru. Feche com barbante ou fita adesiva. 2. Coloque o material já embrulhado dentro da vasilha perfurada. 3. Coloque a vasilha perfurada dentro da panela de pressão. 4. Despeje meio litro de água na panela. 5. Tampe a panela sem colocar o pino de segurança. 6. Coloque em fogo alto e espere o vapor sair com bastante força. 7. Coloque o pino na panela e espere de dois a três minutos. 8. Quando a panela assobiar alto, abaixe o fogo e espere mais 15 minutos. 9. Apague o fogo e espere a panela esfriar. Não tire o pino antes disso. 10. Quando não houver mais vapor, retire o pino mas deixe a panela fechada por mais 10 minutos. 11. Espere que o material esfrie e guarde-o em local seco e protegido. Dica
  27. 27. 28 2SERVIÇOSPESSOAIS Atividade 5 Marquem uma entrevista com o dermatologista ou o clínico geral do Posto de saúde mais próximo da escola. Peçam ao médico que explique quais doenças podem ser transmitidas no serviço de manicura e pedicura. Escrevam abaixo o resultado da pesquisa para que possam consultar quando houver necessidade. Doenças transmissíveis Como evitar
  28. 28. 29 2 MANICURAEPEDICURA Instrumentos e seus cuidados Instrumento Para que serve Cuidados necessários Alicate de cutícula Tirar a cutícula Conservar amolado, esterilizado e seco para não enferrujar. Manter sempre as pontas cobertas com protetor de plástico ou papel laminado. Alicate de unha Cortar as unhas Conservar amolado, esterilizado e seco para não enferrujar. Manter sempre as pontas cobertas com protetor de plástico ou papel laminado. Bastão de metal Tirar o excesso Os de metal e os de madeira ou madeira de esmalte mais resistente devem ser (pau de laranjeira) esterilizados antes do uso. Os de madeira mais frágil devem ser jogados fora depois de cada uso. Espátula de inox Levantar as cutículas Esterilizar sempre antes do uso. amolecidas Por isso, a espátula deve ser toda de metal. Se tiver alguma parte de plástico, vai derreter na estufa. Cureta Tirar o excesso de Sempre limpar bem depois do cutícula, sem cortá-la uso. Depois de limpa, deve ser esterilizada. Lixa d’água Alisar asperezas Usar novas ou bem conservadas. das unhas As lixas descartáveis evitam a transmissão de micoses. Lixa Dar forma às unhas Usar sempre as de papel. Elas são descartáveis e devem ser usadas apenas uma vez em cada cliente. Polidor Dar brilho às unhas Manter seco e bem conservado. sem precisar de esmalte Lixa para pés Tirar calosidades dos pés Lavar muito bem com e peles duras do calcanhar escova, água e sabão. Se puder, usar sempre as descartáveis. Tesoura Cortar e dar acabamento Conservar amolada, esterilizada às unhas e seca para não enferrujar. Manter as pontas cobertas com protetores de plástico ou papel laminado. ILUSTRAÇÕESAXELSANDE
  29. 29. 30 2SERVIÇOSPESSOAIS Dica Equipamentos, materiais e produtos Agora que você já conhece os principais instrumen- tos da manicura e pedicura, vamos falar sobre os equipamentos, materiais e produtos que são funda- mentais no embelezamento das mãos e dos pés. Equipamentos do salão Cirandinha – Cadeira baixa que deixa a manicura e pedicura na melhor posição para cuidar das mãos e dos pés do cliente. Possui gaveta para o material de trabalho. Algumas já vêm com mesas de manicura para apoiar as mãos do cliente. Estufa – Serve para esterilizar os instrumentos de trabalho que não estragam com o calor, como os de aço inoxidável. Suporte de bacia – Para apoiar a bacia, deixando-a mais alta. Dá mais conforto para o cliente. Tripé – Apóia as pernas do cliente enquanto a pedicura trabalha. Pedra-pomes é como escova de dentes: cada um com a sua. Por isso, ela deve ficar longe do salão. Como é muito difícil de limpar e não deve ser levada à estufa, pode transmitir doenças se for usada por muitas pessoas. Para amaciar ou limpar a pele dos pés, prefira a lixa para pés. FOTOSRENATABOMENY Cirandinha Estufa Suporte de bacia Tripé
  30. 30. 31 2 MANICURAEPEDICURA Dicas 1. Forre as bacias com plástico descartável. É muito mais higiênico! 2. Tenha álcool sempre à mão para desinfetar os instrumentos que entram em contato com a pele, mas não podem furá-la, como as pinças e as espátulas. Materiais e produtos Algodão – Para ser molhado no removedor de esmalte e retirar o esmalte velho. Mas também tem outros usos. Guarde sempre o algodão em potes fechados. Bacias – A grande é para colocar os pés de molho. A pequena, para os dedos das mãos. Base – Fortalece e protege as unhas. Creme – Para ser aplicado na cutícula antes de botar os dedos de molho. Se usar o creme, você não vai precisar colocar pedacinhos de sabão na água. Esmalte – Para pintar e deixar as unhas mais bonitas. Óleo secante – Impede que poeira e sujeiras grudem no esmalte que ainda não está seco. Recipiente para esmaltes – Caixinha para guardar os esmaltes. Recipiente para instrumentos de trabalho – Serve para manter tudo organizado. Recipiente para resíduos – Serve como uma lixeirinha, onde você joga algodões usados, restos de cutícula, pontas de unha etc. Removedor de esmalte – Para tirar o esmalte das unhas. Sabão de coco – Se não usar creme para amolecer a cutícula, po- nha pedacinhos de sabão na água em que o cliente deixará os pés ou os dedos das mãos de molho. Spray secante – Seca o esmalte mais rapidamente. Toalha branca de algodão – Para enxugar as mãos e os pés dos clientes. Existem também as toalhinhas descartáveis, que já vêm do tamanho certo para serem usadas. Toalha de papel – Tem diversos usos. Serve para fazer rolinhos e separar os dedos dos pés durante a aplicação do esmalte. Tam- bém serve para limpar o esmalte que fica no bastão.
  31. 31. 32 2SERVIÇOSPESSOAIS Descartar quer dizer jogar fora depois de usar. Hoje em dia, boa parte dos salões prefere usar produtos descartáveis. Bas- tões de madeira, lixas, plásticos e toalhas de papel descartáveis fazem o profissional ganhar tempo. E também protegem a saú- de do cliente. O problema dos materiais descartáveis é que eles acabam custan- do mais caro. Por isso, nem sempre será possível utilizá-los. Se precisar trabalhar com instrumentos comuns, que vão ser usados muitas vezes, preste muita atenção à higiene. Economia não pre- cisa ser sinal de má qualidade. Mas, se por um lado, os descartáveis ajudam na questão da higie- ne, por outro, causam sérios problemas para o meio ambiente. O lixo e o meio ambiente Para onde vão os produtos descartáveis usados nos salões de beleza? Para o lixo, é claro. Porém, existem vários tipos de lixo. Restos de comida, por exemplo, são de um tipo, embalagens plás- ticas, de outro. Um se decompõe rapidamente, mas o outro pode levar décadas e até séculos para ser destruído. Em algumas cidades, as prefeituras fazem coleta seletiva do lixo, orientando os cidadãos para separar o lixo orgânico do inorgânico. Lixo orgânico é aquele que veio da natureza, como restos de co- mida, papel, madeira que não foi pintada nem envernizada, fezes, urina etc. De um modo geral, o lixo orgânico pode ser reciclado, isto é, pode ser transformado. Adeus, isoladores de dedos! Antigamente, as pedicuras usavam uma esponja cortada em formato especial como isolador de dedos. Servia para deixar os dedos dos pés separados enquanto ela aplicava o esmalte. Hoje em dia, não se faz mais assim. Como os isoladores não podem ser esterilizados, transformam-se em um perigoso meio de passar micoses de um cliente para outro. Resíduo S. m. Aquilo que resta de qualquer substância; resto. In Novo Dicionário da Língua Portugue- sa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Existem outros usos para este ter- mo. Se você quiser conhecê-los, pro- cure a palavra no dicionário.
  32. 32. 33 2 MANICURAEPEDICURA Lixo inorgânico é formado por materiais como metais, vidros, bor- racha, plásticos e outros materiais que levam até séculos para se decompor. Alguns desses materiais podem ser reciclados (pets, latas de cerveja, por exemplo) e outros, não (isopor, lâmpadas, inseticidas etc.). O tempo que cada material leva para se desintegrar pode variar de poucos meses a muitos anos. Veja: Papel: 3 meses Plástico: 50 a 450 anos (dependendo do tipo de plástico) Metal: 50 anos (ferro) a 500 anos (alumínio) Vidro: 4 mil a 1 milhão de anos Filtro de cigarro e chicletes: cerca de 5 anos Madeira pintada: 13 anos Fio de nylon: 30 anos Borracha: tempo indeterminado Fonte: www.pucpr.br/comunidade/ambiental/degradados.html Você sabia? Muito cuidado! Os produtos químicos encontrados nas tintas, alisantes e outras preparações usadas nos salões de beleza contêm metais que podem fazer mal à saúde, além de poluir rios e reservatórios de água. Na hora de jogar fora, não devem ficar no mesmo saco que o lixo comum. Os resíduos das embalagens desses produtos são tóxicos, como as pilhas e as baterias de celular. Embelezamento das mãos e dos pés Em todas as etapas do embelezamen- to das mãos, o trabalho tem uma mes- maseqüência,queéamostradanailus- tração ao lado. Comece pelo dedo mínimo da mão esquerda e termine com o mínimo da mão direita. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 FOTOZECAGUIMARÃES
  33. 33. 34 2SERVIÇOSPESSOAIS Passo a passo do serviço básico de manicura O processo de embelezamento das mãos segue seis passos básicos. Veja a seguir. Tirar o esmalte antigo Você vai precisar de algodão, removedor de esmalte, bastão, toalha para limpeza e cestinha de lixo. a) Pegue um pedaço de algodão e molhe com removedor, sem encharcar. Passe-o sobre a unha, de dentro para fora, na direção da ponta dos dedos. Vire o algodão e repita o movimento no mesmo dedo para limpar bem (foto1). Repita em todas as unhas das duas mãos. Com isso, você vai tirar quase todo o esmalte das unhas, mas os cantinhos ainda não estarão limpos. b) Para limpar os cantos, enrole a ponta do bastão com uma camada fina de algodão, como se fosse um cotonete, e molhe no removedor. Limpe os cantosdasunhascontornandoacutículacom cuidado para não machucar os dedos do cliente. Faça isso em todos os dedos (foto2). Cortar as unhas Você vai precisar de alicate de unha ou da tesourinha. O primeiro é indicado para cortar unhas fortes. O segundo, para unhas mais frágeis. a) Segure o alicate, “abraçando-o” com a mão e mantendo a lâmina para fora. A ponta do alicate deve ficar apoiada no dedo indicador, enquanto o polegar se firma na parte lisa para dar mais segurança aos movimentos (foto 3). b) Comece o corte pelo dedo mínimo da mão esquerda. Deixe a unha sempre um pouco maior do que o tamanho desejado, pois a lixa ainda irá diminui-la um pouco. Se as unhas estiverem muito compridas, corte primeiro a ponta e, depois, os cantos. Se o comprimento for normal, comece pelos cantos e vá em direção à ponta (foto4). 4 3 2 1 FOTOSRENATABOMENY
  34. 34. 35 2 MANICURAEPEDICURA Lixar as unhas e preparar as cutículas Você vai precisar de lixa, lixa d’água (tijolinho), creme para cutículas, toalha e bacia com água morna. a) Para começar, escolha o lado da lixa que vai usar. Se a unha for frágil, use o lado mais fino. Segurando a ponta do dedo, comece a trabalhar pelos cantos, em movimentos suaves de vai-e-vem (foto5). Depois de lixar todas as unhas da mão esquerda, veja se ficaram com o mesmo tamanho e formato. Caso haja alguma diferença, lixe de novo. b) Passe o creme (foto6) e mergulhe a mão esquerda (já lixada) na bacia com água morna. Enquantoascutículasamolecem,lixeas unhasda mão direita, agora começando pelo polegar. Escarnar e cortar as cutículas Você vai precisar de espátula, alicate de cutícula, lixa, lixa d’água (tijolinho), toalha e creme. a) Retire a mão esquerda do cliente da bacia e coloque nela a mão direita. b) Enxugue os dedos com a ponta da toalha, mas mantenha as cutículas sempre molhadas. Se for preciso, enquanto trabalha a cutícula de uma unha, molhe as demais (foto 7). c) As cutículas ficam grudadas na unha. Para que você possa cortá-las, é preciso primeiro soltá-las. A esse movimento chamamos escarnar a cutícula. Para isso, segure a ponta do dedo e empurre a cutícula com a espátula. Mantenha o lado curvo da espátula virado para baixo e faça movimentos delicados até que a cutícula se solte (foto 8). Só use o lado pontiagudo da espátula se a cutícula estiver muito dura. Repita a mesma operação nos outros dedos. d) Para cortar a cutícula, segure o alicate na mesma posição mostrada para o alicate de unhas (foto 9). Comece retirando a pele grossa dos cantos das unhas. Tenha muito cuidado, já que você está usando um instrumento cortante diretamente na pele do cliente. 5 6 8 9 7
  35. 35. 36 2SERVIÇOSPESSOAIS e) Em seguida, comece a cortar a cutícula pelo canto direito e vá até a metade da base da unha (foto10). Recomece pelo canto esquerdo e prossiga até a base da unha. f) Seque bem as unhas. Com o lado fino da lixa, retire as asperezas e retoque as pontas das unhas. Volte a molhar e a enxugar os dedos do cliente. Aplicar base e esmalte Você vai precisar de vidro de base e de esmalte, bastão e toalha. a) Segure o vidro de base como indicado na foto. Com a mão livre, mergulhe o pincel no vidro e escorra para retirar o excesso. Espalhe a base em camadas finas e uniformes sobre o corpo da unha. Comece pelo centro e siga até a ponta. Passe o pincel também pelas laterais da unha para não deixar falhas nos cantos (foto12). Deixe para retirar o excesso de base juntamente com o de esmalte. b) Pegue o vidro de esmalte e role-o entre as mãos, para misturar bem o produto (foto 13). Segure o vidro, o pincel e a mão do cliente como se fosse passar base. 11 10 13 12 g) Passe um creme hidratante, massageando as mãos do cliente. Comece pelos dedos e vá em direção ao punho (foto11). h) Repita todos os procedimentos na mão direita. FOTOSRENATABOMENY
  36. 36. 37 2 MANICURAEPEDICURA c) Retire o pincel do vidro, elimine o excesso de esmalte e passe-o de maneira uniforme na unha, começando sempre pelo centro e seguindo até a ponta (foto 14). Para um acabamento mais bonito, após passar o esmalte, limpe a ponta da unha do cliente com seu dedo polegar para tirar o excesso (foto 15). Repita a operação em todas as unhas, começando pelo dedo mínimo da mão esquerda e terminando com o dedo mínimo da mão direita. Assim que acabar de pintar a última unha, volte à primeira e passe a segunda camada de esmalte em cada dedo. d) Retire o excesso de esmalte dos cantos com o bastão (foto16). Isso deve ser feito assim que você passar a segunda camada em cada unha. Se você limpar o bastão num lenço de papel, sua toalha vai durar muito mais. Dica Se o esmalte começar a ficar grosso, experimente pingar no vidro algumas gotas de óleo de bananeira e depois misturar muito bem. É muito melhor do que afinar o esmalte com removedor! Você sabia? Um vidro de esmalte é suficiente para fazer, em média, 24 pés e 24 mãos. Limpar o excesso de esmalte e fazer o acabamento Você vai precisar de algodão, removedor de esmalte, bastão e óleo ou spray secante. a) Umedeça a ponta do bastão no removedor de esmalte, enrole-a com uma camada fina de algodão e molhe-a novamente no removedor de esmalte. Passe a ponta do bastão na ponta da unha e depois nas laterais, contornando-as em movimentos para fora (foto 17). Por último, passe-o por baixo da ponta da unha. Repita essa operação em todos os dedos. 15 14 16 17
  37. 37. 38 2SERVIÇOSPESSOAIS Passo a passo do serviço básico de pedicura Em todas as etapas do embelezamento dos pés, o trabalho tem uma mesma seqüência, que é a mostrada na ilustração ao lado. Comece sempre pelo dedo mínimo dos pés e trabalhe em direção ao centro (foto 1). O processo de embelezamento dos pés segue seis passos básicos: Retirar o esmalte antigo Você vai precisar de bacia com água morna, algodão, removedor de esmalte, bastão, toalha e lixeirinha. Quando terminar de usar o esmalte, passe um algodão molhado com removedor nas bordas do vidro. Assim, a tampa não irá grudar! Dica b) Aplique o óleo ou o spray secante para proteger o esmalte (fotos 18 e 19). 1 2 3 4 5 6 7 8 910 18 19 1 FOTOSRENATABOMENY
  38. 38. 39 2 MANICURAEPEDICURA Cortar as unhas Você vai precisar de toalha e de alicate de unha ou tesourinha. a) Retire o pé esquerdo do cliente de dentro da bacia (o direito já deve estar de molho). Seque-o com a toalha. Corte as unhas em sentido reto e um pouco maiores do que o tamanho final desejado. Não corte os cantos das unhas, para que elas não encravem (foto 3). Terminado o trabalho com o pé esquerdo, ponha-o de volta na água para continuar a amolecer as cutículas e repita os mesmos passos no pé direito. Lixar as unhas e preparar as cutículas Você vai precisar de lixa, lixa d’água (tijolinho) e creme para as cutículas. a) Pegue a lixa e passe nas unhas em movimentos de vai-e-vem, sempre começando pelos cantos (foto 4). Verifique se todas as unhas ficaram do mesmo tamanho e com o mesmo formato. Se a superfície das unhas apresentar ondulações, use a lixa d’água para deixá-las mais lisinhas. Limpe cada unha com a toalha de algodão. Terminado o pé esquerdo, passe o creme nas cutículas e torne a colocar o pé na bacia com água. Atenção! Unhas encravadas, inflamações nos cantos dos dedos, peles soltas ou esfareladas e outras alterações no aspecto das unhas ou dos dedos dos pés precisam dos cuidados de um profissional especializado. Não trabalhe nelas e nem arrisque tratamentos. Aconselhe o cliente a procurar um podólogo ou um dermatologista para tratar do problema. 3 4 2 a) Repita todos os passos descritos na retirada do esmalte das mãos. Depois de retirar o esmalte das unhas do pé esquerdo (foto2), coloque-o de molho na bacia e repita os mesmos passos no pé direito. Podólogo Sm. Profissional especializado no tratamento e prevenção de doenças do pé. In Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira
  39. 39. 40 2SERVIÇOSPESSOAIS Dica Escarnar e cortar as cutículas Você vai precisar de espátula, alicate de cutícula, lixa, lixa d’água e toalha. a) Escarne as cutículas (foto 5). Corte-as da maneira indicada nos serviços de manicura. b) Quando retirar a pele grossa que fica no canto da unha do dedão, veja se não existem calosidades. Se existirem, não tente retirá-las. Aconselhe o cliente a procurar um podólogo (foto 6). c) Toque final. Seque bem as unhas e retoque as imperfeições com o lado fino da lixa. Polir as unhas e lixar a pele grossa dos pés Você vai precisar de polidor, lixa de pé, toalha, álcool e creme. a) Passe o polidor na parte de cima da unha. Os movimentos devem ser delicados para não danificarem a unha do cliente (foto 7). b) Passe a lixa na pele grossa da sola do pé, nos lados e, por último, no calcanhar. Se o cliente tiver calos, não mexa neles. Este é um procedimento da área de podologia e não cabe à pedicura. c) Molhe novamente o pé do cliente. Enxugue bem, principalmente entre os dedos, e passe álcool. 7 Se tiver creme hidratante, use-o neste momento. Serve para deixar a pele dos pés mais macia. Aplique uma camada de creme no pé e espalhe bem. Aproveite para fazer uma massagem que vai deixar seus clientes nas nuvens. O bom profissional é aquele que acredita que sempre pode aprender mais para ser ainda melhor! FOTOSRENATABOMENY 6 5
  40. 40. 41 2 MANICURAEPEDICURA Aplicar base e esmalte Você vai precisar de base, esmalte, bastão, toalha e toalhas de papel para separar os dedos. a) Coloque o pé do cliente sobre o tripé ou sobre seus joelhos, enrole uma toalha de papel e passe o rolinho entre os dedos (foto 8). b) Repita os passos de aplicação de base e esmalte já descritos nos serviços de manicura. Limpar o excesso de esmalte e fazer o acabamento Você vai precisar de algodão, removedor de esmalte, bastão, óleo ou spray secante. a) Siga os mesmos passos descritos nos serviços de manicura (foto 9). Dica Quando você já estiver bem treinada nos serviços de manicura e pedicura, vale a pena estudar técnicas especiais para unhas artísticas. São unhas francesas, decoradas, multicolores ou postiças, que vão fazer toda a diferença na hora de você sentir-se uma profissional especial. FOTOSZECAGUIMARÃES 8 9
  41. 41. 42 2SERVIÇOSPESSOAIS Massagem relaxante Aplique uma camada de creme e espalhe bem pela sola, dedos, calcanhar e dorso do pé. Coloque uma das mãos sobre o dorso do pé e a outra sob a sola (foto 1). Deslize lentamente as mãos, dos dedos ao calcanhar, fazendo uma leve pressão (foto 2). Coloque seus polegares na sola do pé do cliente, atrás dos dedos (foto 3). Com os seus dedos unidos no dorso do pé, deslize as mãos na direção da perna, ativando a circulação (foto 4). FOTOSRENATABOMENY 4 3 2 1
  42. 42. 43 2 MANICURAEPEDICURA Apóie o calcanhar do cliente em uma de suas mãos e movimente as articulações dos dedos, indo do “dedão” ao dedo mínimo (foto 5). Coloque os polegares na sola do pé, na altura do calcanhar. Una os dedos acima do tornozelo, pressionando-o ligeiramente em movimentos cir- culares (foto 6). Com os polegares atrás do calcanhar do cliente, una seus dedos na parte inferior do tornozelo e massegeie-o (foto 7). Deslize as mãos pelo pé do cliente, de modo a facilitar a irrigação sangüínea e massageie o cal- canhar com movimentos circulares, com a mão em forma de concha (foto 8). Repita cada movimento cinco vezes. 5 6 8 7
  43. 43. 44 3SERVIÇOSPESSOAIS Depilador
  44. 44. 45 3 DEPILADOR Conta-se que desde a época de Cleópatra, no Antigo Egito, as mulheres usavam extrato de sândalo, argila e mel de abelha para arrancar os pêlos do corpo. Em tempos mais recentes, as muçul- manas costumavam usar um xarope espesso, composto de açú- car e sumo de limão, para ajudá-las a se livrar dos pêlos conside- rados maléficos. No Brasil, índios xavantes ainda arrancam total- mente as sobrancelhas e as pestanas. Então essa questão de eliminar pêlos é muito mais antiga e cheia de significados do que se imagina. Envolve crenças, culturas e religiosidade. Mas também, e muita, motivação estética. E re- presenta uma boa oportunidade de trabalho na área de beleza. Afinal, estamos no Brasil. E aqui, principalmente nas cidades que têm praia, a maioria das pessoas sonha com um corpo lisinho e sem nenhum pêlo à vista. É isso o que a depiladora faz: tirar os pêlos que o cliente não quer que sejam vistos. Os profissionais que trabalham nessa ocupação costumam di- zer que ninguém deixa de fazer depilação, porque isso tem a ver com o trato do corpo e com a auto-estima. Mas, como você já viu nos capítulos anteriores, não basta haver oportunidades de trabalho. É preciso conquistá-las e, mais ainda, saber mantê-las. Os sete mandamentos da depiladora 1. Manter a aparência saudável, com pele, mãos e cabelos bem tratados. 2. Usar roupas discretas e sapatos confortáveis. O ideal é usar um jaleco ou uniforme sempre limpo e bem cuidado. 3. Evitar jóias e bijuterias que atrapalhem o trabalho. 4. Inspirar confiança no cliente, informando-o antecipadamente dos procedimentos para o tipo de depilação que ele deseja fazer. 5. Atualizar-se sempre, lendo sobre temas que tenham a ver com a profissão.
  45. 45. 46 3SERVIÇOSPESSOAIS Os pêlos podem ser retirados sem causar problemas à saúde. Mas, para isso, é preciso conhecer a estrutura da pele e do pêlo. A pele e o pêlo Se observarmos a pele num microscópio, veremos a imagem abaixo. O pêlo atravessa as três camadas que formam a pele: A epiderme (1) – É a parte da pele que tocamos com os dedos. Ela serve, entre outras coisas, para manter os germes longe da derme. A derme (2) – É a camada que possui os vasos sangüíneos, os nervos e as glândulas que produzem o suor e a gordura que sai pelos poros. Nessa parte da pele estão também as raízes dos pêlos. A hipoderme (3) – É a camada mais profunda e mais espessa, onde fica a gordura do corpo. Agora, imagine o que acon- tece na hora em que esse pêlo é retirado daí. Fica um furo, que atravessa as três camadas da pele. Ele se fecha em pou- co tempo. Mas o tempo em queficaabertoésuficientepara queosgermesqueexistemna pele entrem até a hipoderme, podendo causar uma série de problemas à saúde. germe S.m (...) Micróbio In Novo Dicionário da Língua Portu- guesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Existem outros usos para este ter- mo. Se você quiser conhecê-los, pro- cure a palavra germe no dicionário. 1 2 3 ILUSTRAÇÃOAMPERSANDCOMUNICAÇÃOGRÁFICA 6. Freqüentar, sempre que possível, eventos e feiras de cosméticos e assistir a palestras ou programas sobre beleza e cuidados estéticos. 7. Ter força de vontade para estudar e se manter atualizada sobre técnicas, produtos e tendências.
  46. 46. 47 3 DEPILADOR Só a pele saudável pode ser depilada A situação é delicada, mas é preciso prestar atenção nela. Não se pode depilar a pele doente. Como já vimos antes, isso poderia facilitar a entrada de germes no corpo. Se perceber algum pro- blema, com educação e gentileza, oriente o cliente a procurar um dermatologista. Preste atenção especial a manchas vermelhas ou brancas, pele que descasca, pequenas bolhas, pêlos encravados, pontos que pare- cem espinhas inflamadas. Essas regiões não devem ser depiladas. Se perceber qualquer alteração na pele do cliente, depile em vol- ta, mas nunca sobre a região afetada. E não deixe de usar luvas descartáveis. Algumas das doenças po- dem contaminar você! saprófito S. m . Vegetal, desprovido de clorofila, que se nutre de animais e plan- tas em decomposição; sapróbio. secreção S. f. Produto específico ela- borado por glândula; excreção. In Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Existem outros usos para este termo. Se você quiser conhecê-los, procure a palavra no dicionário. fungo [Do lat. fungu.] S. m. Biol. co- gumelo Você sabia? O pêlo da coxa feminina cresce cerca de 0,21 mm por dia. Isso quer dizer que leva 50 dias (quase dois meses) para crescer 1 cm. Longe da depilação Veja os principais problemas de pele com os quais deve-se tomar muito cuidado e evitar a depilação: Micoses – Doenças causadas por fungos, tais como frieiras, impingens, unheiros etc. Atenção! Normalmente, vários germes vivem na pele, sem causar problema nenhum para nossa saúde. Mas alguns deles podem provocar doenças. São chamados de germes saprófitos e se multiplicam com uma velocidade espantosa quando encontram ambiente adequado. Dentre os fatores que ajudam a multiplicação desses germes estão a umidade (causada por suor ou secreções do corpo), a temperatura mais alta e a presença de pêlos. Quem pensou nas axilas e virilhas como ambiente preferido desses germes, acertou em cheio. Mas não é só ali que eles podem fazer estragos. Basta abrir uma porta – ou um poro – e eles já se sentem em casa. A única maneira de evitar isso é limpar muito bem a pele antes de retirar o pêlo.
  47. 47. 48 3SERVIÇOSPESSOAIS O ambiente de trabalho Ninguém se depila no meio de um salão cheio de gente em volta. As clínicas de estética e a maioria dos salões de beleza possuem uma área com cabines individuais para depilação. As depiladoras profissionais, que trabalham em casa, também devem ter um can- tinho especial para atender seus clientes. Veja o que é necessário para montar o cantinho de depilação (ou a cabine). Chão – Nada de carpetes, nem chão de madeira. Os pisos de cerâ- mica são mais fáceis de limpar. Só não podem ser escorregadios. Iluminação – A melhor é a de luz fria – aquela luz branca. Ela deixa ver melhor todos os pêlos, além de manchinhas ou proble- mas na pele. Temperatura – O ambiente precisa ser fechado para dar privaci- dade à cliente. Mas precisa ser bem arejado. Se não for possível colocar um ar refrigerado, precisa ao menos de um bom venti- lador. Armário pequeno – Para guardar todos os instrumentos, mate- riais e produtos. Cabide – Para a cliente pendurar suas roupas. Carrinho auxiliar – Com rodinhas. Para os materiais e instrumen- tos em uso no momento. descamação [De descamar + -ção.] S.m.1..Derm. Queda, sob a forma de esca- mas, de elementos epiteliais da pele. transmissível Adj. Que se pode transmitir. erupção S. f. Alteração cutânea visível, que se caracteriza por vermelhidão, saliência ou por ambos. In Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Existem outros usos para estes termos. Se você quiser conhecê-los, procure as pala- vras no dicionário. Candidíase – Deixa a pele avermelhada, com pontos esbranquiçados e úmidos. Parece uma brotoeja. Aparece principalmente nas dobras, como a virilha, por exemplo. Dermatofise – Provoca descamação e coceira. Dá em qualquer lugar do corpo e é transmissível. Pitiríase versicolor – Conhecida como mancha de praia. Tem cor clara e pode ser contagiosa. Herpes – É provocada por um vírus e causa pequenas bolhas. É mais comum nos lábios e na região genital. Altamente contagioso. Psoríase – Provoca descamação e erupção na pele. Dá mais no couro cabeludo, cotovelos, joelhos e nádegas.
  48. 48. 49 3 DEPILADOR Cesto de lixo – Uma lixeira portátil é indispensável. Ela deve ser do tipo que a gente abre com o pé e estar sempre forrada com um saco de plástico. Fichário – Com os dados dos clientes. Maca – Forrada com material que permita a limpeza, com ál- cool ou cloro, depois da saída de cada cliente. Pia – A cada atendimento, será preciso lavar as mãos e alguns dos instrumentos de trabalho. Será mais fácil se a pia estiver por perto. Recipientes – Para guardar cada coisa em seu lugar: algodão, gaze, palitos de madeira etc. FOTORENATABOMENY
  49. 49. 50 3SERVIÇOSPESSOAIS Instrumentos e materiais Escova para sobrancelhas – Escovinha especial para pentear as sobrancelhas, dando-lhes forma antes, durante e depois da depi- lação. Pode ser substituída por uma escova de dentes nova, do tipo macia. Espátula – Serve para espalhar a cera sobre a pele do cliente. Pre- fira as de madeira com cabo e lâmina sem gume. Elas têm o for- mato de uma faca e são descartáveis. Lupa – É uma lente de aumento que ajuda a enxergar melhor os pêlos encravados e algumas irritações da pele. Palitos de madeira – São indispensáveis porque evitam que você tenha que botar a mão diretamente nos produtos que vai usar no cliente, como cremes, por exemplo. São descartáveis. Panela elétrica (termocera) – Aparelho especial para derreter a cera de maneira segura. Se puder, compre um modelo com termostato, que deixa o produto na temperatura ideal. Se não for possível comprar uma panela elétrica, você pode derreter a cera em banho-maria, numa panela de alumínio, usando o fogão comum. Nesse caso, redobre os cuidados para não queimar a pele do cliente e nem deixar a cera passar do ponto. Se ela ferver, não prestará mais para ser usada. Dica Papel celofane ou papel tecido – Para aplicação da cera fria, que é espalhada sobre o papel e não sobre a pele do cliente. Se não vier já no tamanho certo, precisará ser cortado com a tesoura. Veja as principais medidas: Pernas e coxas: 14 x 10 cm Virilhas e axilas: 7 x 5 cm Lados do rosto: 5 x 5 cm Buço: 2,5 x 5 cm gume S. m. O lado afiado de instru- mento de corte. buço S. m. Penugem no lábio supe- rior do homem e de algumas mulhe- res; lanugem. In Novo Dicionário da Língua Portugue- sa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira
  50. 50. 51 3 DEPILADOR Dica Pau de laranjeira – Tem várias utilidades, entre as quais funcionar como espátula da depilação da sobrancelha, quando ela é feita com cera quente. Pinça – Para retirar os pêlos teimosos, que não saem com a cera. Como não é descartável, precisa ser lavada e desinfetada depois de usada em cada cliente. Tesoura – Para cortar o papel celofane e aparar os pêlos dos clien- tes. É bom ter mais de uma. Depois de ser usada, deve ser lavada e desinfetada. Avental ou jaleco – Tem a função de proteger a roupa do profis- sional. Pode ser substituído por um conjunto simples de roupa branca. O importante é estar sempre limpíssimo. Escova para as mãos – Para facilitar a limpeza de suas mãos, prin- cipalmente debaixo das unhas. Prefira sempre roupas, jalecos e lençóis brancos ou de cores bem claras. Eles impressionam mais porque é possível perceber que estão limpos. Estampados e cores escuras, jamais! Lençóis descartáveis – Para cobrir a maca, que é geralmente for- rada com plástico. É fundamental trocá-lo após a saída de cada cliente. Lenços descartáveis e papel-toalha – Têm mil e uma utilidades. Luvas – São fundamentais em alguns tipos de depilação, como a de virilha, nariz e região anal. Devem ser jogadas fora depois de cada uso. Máscara descartável – Em alguns estados brasileiros, a vigilância sanitária exige sua utilização. Toalhas – Servem para cobrir a cliente e para secar a pele após a limpeza. Devem ser trocadas a cada cliente e muito bem lavadas.
  51. 51. 52 3SERVIÇOSPESSOAIS Enigma Dentre os objetos ao lado, circule aqueles que não são equipamentos de trabalho da depiladora... Os produtos e seu uso Produtos para limpeza da pele – São especiais para tirar a oleosidade natural da pele, desodorantes, cremes e outros pro- dutos antes do começo da depilação. Talco – Protege a pele que será depilada. O ideal é que seja anti- séptico e sem perfume, para evitar alergias. Removedor de cera – Para retirar o restinho da cera que sempre sobra na pele. Loção adstringente – Fecha os poros depois da depilação, redu- zindo a possibilidade de infecções. Cremehidratante,gelrefrescante,loçãoougeldescongestionante – Para hidratar peles sensíveis, diminuir as irritações e acalmar a pele. Atividade 6
  52. 52. 53 3 DEPILADOR Dica As ceras e seu preparo As ceras são tão importantes na depilação que merecem um capí- tulo à parte. Elas são produtos químicos altamente adesivos. Em outras pala- vras, elas grudam de verdade. Aplicadas sobre a pele, ao serem puxadas, arrancam os pêlos. Veja a seguir o que são, para que servem e como preparar os diversos tipos de cera depilatória. É impossível preparar-se para receber um cliente que chega sem avisar. Mas, se ele marcar hora, aproveite a ocasião para perguntar o que vai depilar (meia perna, perna inteira, buço, sobrancelha, virilha?). Com base nessa informação, será possível preparar seu material com antecedência. Dicas Um bom profissional só usa produtos confiáveis. Veja como reconhecê-los: Leia o rótulo e verifique se o produto é registrado no Ministério da Saúde e se tem a aprovação da vigilância sanitária. Verifique a data de validade e nunca compre produtos vencidos. Para evitar problemas, leia e siga as instruções do fabricante do produto. Cera fria Produto químico muito aderente. Por esse motivo, só deve ser usada em peles bem resistentes, como a das pernas e braços. Ou em pêlos mais finos, como os do buço, rosto ou sobrancelha. Nada de aplicá-la sobre axilas, peito, costas ou bumbum ... Pode ser vendida em tiras prontas para aplicação sobre a pele do cliente. É fácil de manusear, mas só funciona bem em pêlos com- pridos. Também pode ser comprada em potes ou bisnagas. Nesse caso, deve ser espalhada sobre papel-tecido ou celofane já corta- do na medida certa. anti-séptico S. m. desinfetante. In Novo Dicionário da Língua Portu- guesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Existem outros usos para este ter- mo. Se você quiser conhecê-los, pro- cure a palavra no dicionário.
  53. 53. 54 3SERVIÇOSPESSOAIS Como usar – Se as tiras não vierem prontas, retire, com um palito de madeira, um pou- co da cera de seu recipiente. Ponha no cen- tro de uma das folhas de papel tecido ou celofane já recortada. Cubra com outra fo- lha, do mesmo tamanho, como se fosse um sanduíche. Agora, aperte na direção do cen- tro para as pontas, para que a cera se espa- lhe e forme uma camada fina. Faça vários “sanduíches” e deixe assim até a hora de usar. Na hora da depilação, separe as duas folhas e aplique uma de cada vez, como se fosse um esparadrapo. Em seguida, pres- sione a tira contra a pele do cliente na dire- ção do pêlo e puxe na direção contrária. (foto 1). As exceções – No caso da sobrancelha e do buço, como a área a ser depilada é muito pequena, não se usa a tira já banhada com cera. Com o auxílio de um pau de laranjei- ra, aplique o produto diretamente sobre a pele do cliente, formando uma camada fina. Em seguida, pressione um pedaço do papel tecido ou celofane sobre o local e puxe no sentido contrário ao dos pêlos (fotos 2 e 3). Cuidado! Como a cera fria gruda demais, ela não deve entrar em contato com as mãos. Se isso acontecer, você vai ter que parar tudo para limpá-las. Para evitar esse tipo de acidente, nunca deixe que a cera chegue perto das bordas do papel. A camada formada pelo “sanduíche” deve ter a forma parecida com a de um ovo, que fica no centro do papel. 1 2 3 FOTOSRENATABOMENY
  54. 54. 55 3 DEPILADOR Cera quente Produto químico que pode ser comprado em forma de tabletes ou bolinhas. Precisa ser derretida para ser aplicada diretamente sobre a pele do cliente com a ajuda de uma espátula. Esse tipo de cera é ideal para áreas que possuem a pele mais sen- sível e pêlos mais grossos, como axilas e virilhas. Mas também pode ser usada nas demais partes do corpo. Como usar – Esquente a cera no equipamento que você utilizar até que ela adquira o ponto certo, como um creme grosso e grudento. Reduza a temperatura. A cera não pode ferver. Refil S. m. Produto que se destina a substituir o conteúdo de certos obje- tos, como canetas esferográficas, ba- tons, estojos de pó-de-arroz, etc., e que se adquire especialmente para substituir o que se gastou. In Novo Dicionário da Língua Portu- guesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Atenção! A cera quente pode queimar a pele da cliente se não estiver na temperatura certa. Para evitar acidentes, sempre teste uma pequena quantidade no dorso de sua mão antes de aplicá-la. Aparelho roll-on (lê-se “rolom”) Muito fácil de usar, o roll-on aquece uma cera especial, que vem num refil. Em uma das pon- tas, o aparelho possui um pequeno rolo, que dis- tribui a cera, já aquecida, em camadas finas e uniformes. Uma de suas vantagens é manter a cera na temperatura ideal, diminuindo o risco de queimaduras. Como usar – Introduza o refil no interior do aplicador e ligue o aparelho na tomada por cer- ca de 20 minutos. Não use o aparelho direta- mente sobre a pele para evitar contaminações. Prefira passar a cera sobre as tiras de papel-te- cido ou celofane. Depois disso, aplique como se fosse cera fria. A diferença é que as tiras de roll-on são preparadas na hora do uso. Não se pode deixá-las prontas, como se faz com a cera fria, porque devem estar mornas ao entrar em contato com a pele.
  55. 55. 56 3SERVIÇOSPESSOAIS A depilação passo a passo Preparação da pele a) Assepsia da pele – Limpe a região a ser depilada com algo- dão ou pedaço de gaze embebido em produtos específicos para a limpeza da pele. Pode ser um sabonete anti-séptico. Se usar sa- bonete, enxágue e seque bem em seguida. b) Preparação da pele – Passe um pouco de talco sobre a região a ser depilada. Espalhe com as mãos e tire o excesso. O talco impe- de que a cera grude na pele e também alivia o calor. Mas use bem pouco. Em demasia, só dificulta a depilação. c) Teste alérgico – Os produtos usados na depilação podem pro- vocar alergias em alguns clientes. Se for a primeira vez que entra em contato com a pele do cliente, é melhor testar o produto. Aplique uma pequena porção sobre a pele do braço e espere cer- ca de 10 minutos. Limpe a área e observe. Se não ficar vermelha, não surgirem bolhas e nem bolinhas, pode utilizar o produto. d)Temperatura da cera – Se estiver usando cera quente, passe um pouco no dorso de sua mão para testar a temperatura. Caso não incomode, dê início à depilação. Assepsia S. f. Conjunto das medidas adotadas para evitar a chegada de ger- mes a local que não os contenha. Alergia S. f. hipersensibilidade causa- da por exposição a determinadas subs- tâncias . In Novo Dicionário da Língua Portugue- sa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira Existem outros usos para este termo. Se você quiser conhecê-los, procure a palavra no dicionário. Depilação com cera quente a) Depois de preparar a cera de acordo com as instruções, aplique-a obedecendo o sentido do crescimento do pêlo. Com a ajuda da espátula, distribua a cera, de maneira uniforme, em faixas de no máximo três dedos de largura. b) Quando a cera estiver levemente endurecida, retire-a no sentido contrário ao da aplicação. Uma das mãos estica a pele, a outra puxa a cera com a ajuda da espátula. O movimento deve ser rápido (foto1). c) Se ainda sobrarem muitos pêlos, aplique no- vamente a cera. Caso os pêlos não saiam com a segunda aplicação, use a pinça. Cera quente de- mais provoca irritação na pele. d) Depois de retirados os pêlos, pressione leve- mente o local com a palma da mão para norma- lizar o fluxo da corrente sangüínea na região. 1 FOTOSRENATABOMENY
  56. 56. 57 3 DEPILADOR Depilação com cera fria a) Separe as tiras de papel celofane ou papel-te- cido já preparadas. Coloque uma delas na região a ser depilada. Passe os dedos sobre o papel, pres- sionando no sentido do crescimento dos pêlos (foto 2). b) Estique a pele com uma das mãos e puxe o papel com a outra, no sentido contrário ao do pêlo. Para aliviar a dor e normalizar o fluxo da corrente sangüínea, pressione a região com a pal- ma da mão. c) Caso sobrem pêlos, reaplique o papel celofane. Ele pode ser usado até perder a aderência. Para retirar os pelinhos mais teimosos, use a pinça. Depilação com roll-on a) Deslize o aparelho de roll-on sobre o papel- tecido (foto 3). Em seguida, aplique o papel so- bre a pele do cliente. Pressione com os dedos no sentido do crescimento do pêlo. b) Retire como explicado na técnica da cera fria. c) Se for necessário, reutilize a mesma tira de pa- pel-tecido para retirar os pêlos que sobraram. Os mais teimosos devem ser tirados com a pinça. Depois da depilação a) Não deixe restos de cera sobre a pele do clien- te. Use a própria cera e/ou um pedaço de algo- dão embebido em óleo removedor de cera para retirar completamente os resíduos. b) Aplique um produto específico para fechar os poros. c) Hidrate a pele com produto específico, mas- sageando suavemente a região depilada. Como já vimos, quando o pêlo é arrancado, o poro fica aberto. Isso facilita a entrada de germes e o surgimento de inflamações. Por quê? 3 2
  57. 57. 58 3SERVIÇOSPESSOAIS Buço Essa área do rosto é muito sensível e, por isso, é preciso tomar alguns cuidados na hora da depilação. A cera pode ser fria ou quente, mas nunca além de 37ºC. Antes de começar, certifique- se que a pele da região esteja bem limpa e passe um pouco de talco. Cera fria Com um pau de laranjeira, espalhe a cera sobre a metade do buço, mantendo a pele esticada (foto 1). Coloque uma tira de papel-tecido sobre a cera, fixando-a com uma leve pressão do dedo indicador. Com uma das mãos, mantenha a pela esticada e, com a outra, puxe o papel-tecido no sentido contrá- rio ao do nascimento dos pêlos, isto é, de baixo para cima e de fora para dentro. Faça o mesmo do outro lado e, se precisar, retoque com a pinça (foto 2). Algumas marcas de ceras frias vêm grudadas em tiras individuais de papel para depilação, dispen- sando a etapa de aplicá-las com o pau de laran- jeira. Ao usá-las, também é importante manter a pele esticada e retirar o papel no sentido contrá- rio ao do nascimento dos pêlos. 1 2 FOTOSRENATABOMENY
  58. 58. 59 3 DEPILADOR Cera quente Com a pele limpa e após passar um pouco de talco, espalhe a cera com um pau de laranjeira sobre a metade do buço até o canto externo da boca (foto 3). Depois que a cera endurecer um pouco, segure a bochecha com uma das mãos e, com a outra, levante uma ponta da cera. Puxe de uma só vez. Sempre de baixo para cima e de fora para dentro (foto 4). Caso seja necessário, repita o procedimento. Mas atenção: não aplique a cera mais de duas vezes seguidas no mesmo local. Faça o retoque com uma pinça (foto 5). Depois da depilação, aplique creme hidratante. Use água filtrada fria durante 5 minutos para acalmar a pele da região, fechar os poros e diminuir o aspecto avermelhado. 3 4 5
  59. 59. 60 3SERVIÇOSPESSOAIS Axilas Essa é uma região de pela fina e pêlos grossos. Por isso, recomenda- se cera quente, que dilata os poros e facilita a depilação. Muitas vezes, a axila apresenta pêlos que crescem em direções diferentes. Nesse caso, é preciso fazer a depilação em duas etapas. Comece fazendo uma assepsia com sabão líquido na região (foto 1). Em seguida, passe talco e aplique a cera com uma espátula, no sentido do crescimento dos pêlos. Mantenha a pele sempre esticada (foto 2). Antes da cera endurecer, puxe-a com um movimento rápido no sentido contrário ao do crescimento dos pêlos (foto 3). Depois da depilação aplique creme hidratante (foto 4). Com a pinça retire os pêlos que não saíram e aplique creme hidratante (foto 5). 2 4 5 FOTOSRENATABOMENY 3 1
  60. 60. 61 3 DEPILADOR Virilhas O ideal é usar cera quente nessa região, que é muito delicada e possui pêlos grossos. Além disso, é preciso esticar e segurar bem a pele da área a ser depilada. Comece fazendo uma assepsia com sabão líquido na região. Em seguida, com um lápis de sobrancelha, faça um traço vertical, marcando o limite da região a ser depilada. (foto 1). Passe um pouco de talco na região (foto 2) e, com uma espátula descartável de madeira, aplique a cera (foto 3). Para puxar a cera, solte uma ponta e retire-a no sentido contrário ao do nascimento dos pêlos (foto 4). Depois de puxar a cera, pressione suavemente o local com a mão, para acalmar a região. Finalize com a pinça e aplique o gel pós-depilatório (foto 5). 5 4 3 2 1
  61. 61. 62 3SERVIÇOSPESSOAIS Pernas Especialistasrecomendamquenãoseusecera muito quente nas pernas, para evitar o engrossamento das veias. Uma boa opção é o roll-on, que mantém a cera em uma tempe- ratura morna. Entretanto, não se deve usar o roll-on diretamente sobre a pele da cliente, para não contaminar o refil. O mesmo mé- todo é aconselhável para depilar costas, pei- to, barriga e glúteos. Antes de começar, limpe a região a ser depi- lada para retirar o suor, a oleosidade e os resíduos de sabonetes e cremes. Em segui- da, aplique um pouco de talco (foto 1). Pressione delicadamente o papel- tecido sobre a perna da cliente, no sentido do nascimento dos pêlos. Em seguida, puxe-o no sentido contrário ao do crescimento dos pêlos (foto 3). Pressione e deslize o aparelho roll-on sobre uma banda de papel-tecido (foto 2). 1 2 3 4 FOTOSRENATABOMENY Finalize com a pinça e aplique creme hidratante (foto 4).
  62. 62. 63 3 DEPILADOR Sobrancelha, um caso especial A depilação das sobrancelhas pode alterar o seu formato. A nova forma é capaz de embelezar o rosto, mas também pode destruir totalmente sua harmonia. Por isso, é preciso definir seu traçado antes de retirar o pêlos. Veja como: a) Prenda os cabelos do cliente com uma faixa de cabeça e limpe a região com um produto adequado. b) Defina o traçado da sobrancelha. Use o pau de laranjeira como se fosse uma régua e trace uma linha imaginária saindo da aba do nariz, passando pelo canto interno do olho, até a altura da so- brancelha. Aí é o começo da sobrancelha. Em seguida, faça a mesma coisa saindo da asa do nariz e passando pelo canto exter- no do olho. Aí é o término da sobrancelha. O ponto mais alto da sobrancelha é encontrado logo acima da borda exterior da íris. Veja no desenho: c) Marque cada ponto com o lápis apropriado e escove a sobrancelha (foto 1). d) Caso existam poucos pêlos, retire-os com a pinça. Se a região for mais extensa, passe um pouco de talco e use cera fria ou quente. Se usar a cera fria, aplique-a diretamente sobre a pele com auxílio de um pau de laranjeira e, em seguida, retire-a com um pequeno pedaço de papel-tecido. A cera quente também deve ser espalhada com o pau de laranjeira e retirada de acordo com os procedimentos já descritos (fotos 2 e 3). 1 2 3 ILUSTRAÇÃOMARCELODAMM
  63. 63. 64 3SERVIÇOSPESSOAIS A direção dos pêlos e da depilação Seja a cera quente, fria ou em roll-on, sua aplicação obedece sem- pre a ordem da direção dos pêlos. Veja como eles nascem (senti- do em que deve ser aplicada a cera) e como podem ser retirados da melhor maneira. ILUSTRAÇÕESMARCELODAMM
  64. 64. 65 3 DEPILADOR
  65. 65. 66 4SERVIÇOSPESSOAIS Cabeleireiro FOTORODRIGOLOPES
  66. 66. 67 4 CABELEIREIRO Nem todos os pêlos do corpo são vistos como uma coisa incô- moda. Os da cabeça, por exemplo, ninguém quer perder. Muito pelo contrário! Todos querem exibir uma bela cabeleira, farta, sedosa e brilhante. Cabelos bem cortados, limpos e tratados valorizam a aparência. Por outro lado, um corte malfeito, ou fios malcuidados podem derrubar a beleza de qualquer um. O que é o cabelo O cabelo é uma espécie de tecido morto, formado por uma proteína chamada queratina e tem uma parte que todos podemos enxergar: são os fios que estão do lado de fora da pele. Mas tem uma outra parte que ninguém vê: é a raiz, que fica dentro do folículo piloso, que por sua vez, fica dentro da pele. É o formato dos folículos que de- termina o tipo do cabelo. Os folículos e os fios Um folículo redondo dá origem a um fio liso. Um folículo oval dá origem a um cabelo ondulado. Um folículo chato produz um fio encaracolado. Você sabia? 1 2 3
  67. 67. 68 4SERVIÇOSPESSOAIS Atividade 7 Cada um tem a sua opinião “O mais importante para o sucesso de uma mulher, depois do talento, é o seu cabeleireiro.” A frase é da atriz norte-americana Joan Crawford e tem tudo para gerar uma boa discussão. Que tal debater essa idéia? Você acha que ela é verdadeira? Que é fútil? Até que ponto a aparência é importante na sociedade em que vivemos? Até onde vai a preocupação saudável e onde começa o exagero? O que o trabalho do cabeleireiro tem a ver com isso? Não tenha medo de expressar sua opinião. Afinal, a atriz não teve! E a dela está longe de expressar uma unanimidade... Escreva abaixo a sua opinião: ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... ...................................................................................................................... O fio de cabelo possui três partes: a parte cen- tral é chamada de medula. Em volta da medula está o córtex, que é responsável pela elasticida- de e pela resistência do fio de cabelo. No córtex estão os grânulos de melanina que determinam a cor dos cabelos. A cutícula, que é a camada externa do fio, formada por placas sobrepostas, fica em volta do córtex e o protege.
  68. 68. 69 4 CABELEIREIRO Você sabia? Os cabelos podem ser reconhecidos pela forma (lisos, muito lisos, ondulados,cacheadosoucrespos)oupelaespessura(finosougros- sos). Também podem seguir a classificação étnica: negróide (ne- gro), mongolóide (oriental) ou caucasiano (europeu). Se observarmos no microscópio, veremos que os cabelos orientais são grossos, muito lisos e com o folículo redondo. Os europeus podem ser lisos ou ondulados, mas são finos e possuem o folículo ovalado. Os cabelos afro são uma combinação dos dois tipos. São finos como os europeus, mas têm o folículo ovalado, o que torna os fios mais frágeis e com tendência a embaraçar. Os cabelos e a saúde A beleza dos cabelos está ligada à saúde do corpo. Se o organis- mo funciona bem e as emoções estão equilibradas, os fios ficam saudáveis e bonitos. Muitas vezes, quando o organismo sofre al- terações, os cabelos dão os primeiros sinais de que algo não vai bem com o corpo. Exemplos causadores dessas alterações são as dietas para ema- grecer exageradas ou a desnutrição, que podem fazer os cabelos caírem e ficarem mais finos e frágeis. Secos, normais ou oleosos? Diversos produtos para cabelos são específicos para o grau de oleosidade. Para usá-los adequadamente, é preciso saber se o ca- belo é seco, normal ou oleoso. Os produtos usados pelo cabeleireiro São muitos os produtos usados pelos cabeleireiros. E a cada dia a indústria lança mais novidades. Aqui estão apenas os mais usados nas técnicas de higienização e finalização, que veremos mais adiante. Escovar demais os cabelos, usar tinturas, se alimentar mal, viver estressado e estar em ambientes poluídos pode fazer com que os cabelos caiam mais. Fútil Adj. Frívolo, leviano, insigni- ficante, vão. Unanimidade S. f. Concordância de voto ou de opinião. Étnico Adj. Relativo ou pertencen- te a etnia. Etnia S. f. população ou grupo soci- al que apresenta relativa homogenei- dade cultural e lingüistica, comparti- lhando história e origem comuns. In Novo Dicionário da Língua Portu- guesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira
  69. 69. 70 4SERVIÇOSPESSOAIS Produtos para a higienização Xampu – Produto utilizado para a limpeza dos cabelos. Exis- tem, entretanto, vários tipos de xampu, cada um para um tipo de cabelo. Condicionador – Utilizado para enxaguar os cabelos. Deixa os fios mais fáceis de desembaraçar. Atividade 8 Faça o teste para saber! Toda a turma pode combinar de fazer o teste no mesmo dia e comparar os resultados. Para isso, todos devem lavar os cabelos em casa, 12 horas antes da aula. Assim que chegarem à sala de aula, esfreguem um chumaço de algodão no couro cabeludo e observem: Se o algodão ficar um pouquinho oleoso, o cabelo é normal. Se o algodão ficar bem oleoso, o cabelo é oleoso. Se o algodão não tiver marca nenhuma, o cabelo é seco. Com base nessas informações, escreva abaixo como é o seu tipo de cabelo e explique o porquê: .......................................................................................................................... .......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Alguns xampus levam cloreto de sódio em sua fórmula. Cloreto de sódio é a mesma coisa que sal. Como todo mundo sabe, o sal resseca os cabelos. Evite usar produtos desse tipo! Você sabia? Produtos para a finalização Cera – É indicada para definir o corte e as mechas em cabelos desfiados e com muitas pontas feitas de propósito. Pode ser usa- da tanto em curtos como em longos. Também pode ser usada depois da chapinha ou da escova. Nesse caso, ela ajuda a evitar os fios arrepiados, ressaltando o acabamento mais liso.
  70. 70. 71 4 CABELEIREIRO Fixador – Ajuda a manter o penteado firme por várias horas. Indi- cado para penteados em cabelos de todos os comprimentos. De modo geral, o produto seca rapidamente e resiste à umidade. Mousse – Dá volume e valoriza os cachos. Indicado para os cur- tos e médios e principalmente na modelagem de cachos e me- chas. Deixa um aspecto levemente molhado. Reparador de pontas – Deve ser aplicado antes e depois do pen- teado. Protege os fios, previne o ressecamento e a formação de pontas duplas. Indicado para todos os comprimentos de cabelo, intensifica o brilho. Pomada – Mais indicada para cabelos longos, dá brilho sem fixar. Não deve ser usada em grande quantidade para evitar o aspecto oleoso. Deve ser aplicada somente no comprimento, nunca na raiz do cabelo. O ambiente de trabalho Pode ser grande ou pequeno, simples ou luxuoso, mas o salão de beleza sempre tem um ar de festa. Talvez isso se deva a alguns detalhes que são obrigatórios, como a boa iluminação, os espe- lhos e o chão sempre impecável. Veja agora alguns dos equipa- mentos que fazem parte do salão. Cadeira hidráulica – serve para acomodar o cliente durante a exe- cução do serviço, proporcionando mais conforto ao cliente e ao profissional. Ela tem um pedal que permite regular sua altura. Também pode ser giratória. Isso facilita o trabalho do cabeleirei- ro, já que ele consegue trabalhar toda a cabeça do cliente sem ter que se deslocar. Algumas cadeiras possuem, ainda, um encosto de cabeça móvel para serviços de depilação de buço ou sobran- celha e até mesmo para maquiagem. Cuidado com as fórmulas caseiras Vinagre, pílula anticoncepcional, gema de ovo, azeite, água oxigenada... Tem gente que mistura tudo no xampu. Como não existem estudos que provem que isso faz bem ao cabelo – e algumas dessas receitas podem fazer verdadeiros estragos – não use nada parecido em seus clientes. Dê preferência a produtos que já tenham sido testados em laboratórios.
  71. 71. 72 4SERVIÇOSPESSOAIS Carrinho auxiliar – acomoda parte do material de trabalho do cabeleireiro. Tem rodinhas para facilitar seu deslocamento de um lado para o outro. Existem vários modelos com bandejas circu- lares ou retangulares, com gavetas e ganchos. Lavatório – também chamado de coche de lavagem. É o mobiliá- rio especialmente desenvolvido para lavar os cabelos do cliente. Espelho de parede – auxilia o cabeleireiro na execução das tare- fas. Por meio dele, o profissional pode verificar o resultado do trabalho que está desenvolvendo. Máquinas de corte – em geral são usadas para dar acabamento ao corte. Podem também ser usadas em substituição à tesoura. Secador – utilizado para finali- zar cortes e penteados. Possui diferentes variações de tempe- ratura e velocidade. Além dos equipamentos, há instrumentos e materiais que tam- bém não podem faltar no salão. São eles: Capa para corte – protege a roupa do cliente durante a execução dos serviços. Clipes de plástico – prendem as mechas durante a execução do corte ou penteado. Pentes – existem de várias formas e tamanhos e, também, de diferentes materiais. São utilizados em várias atividades. Servem para desembara- çar, auxiliar na aplicação de produtos e no cor- te, soltar os cachos e pentear. Pentes de dentes mais largos são indicados para cabelos mais cheios. Os pentes de dentes mais estreitos são mais indicados para cabelos finos e com pouco volume. Os de cabo são ideais para separar as mechas. Precisam de muita higiene: lavar com água e sabão e desinfetar com álcool.
  72. 72. 73 4 CABELEIREIRO Escovas – escovam, penteiam e modelam os ca- belos. Ajudam a distribuir a oleosidade natural dos fios. Redondas ou planas, as escovas podem ser de diversos tamanhos. Diferenciam-se tam- bém pelo tipo de cerda: as naturais são feitas de pêlo de animais, as mistas combinam fibras na- turais e artificiais, as artificiais podem ser de nylon, plástico ou metal. Precisam de muita higiene: lavar com água e sabão e desinfetar com álcool. Espanador de cabelo – retira os pêlos da roupa e do corpo do cliente após o corte. Existem vários modelos. Espelho auxiliar – mostra ao cliente o resultado do corte, principalmente na parte de trás da ca- beça. Pode ser retangular, redondo ou oval. Pegador de cabelo – também conhecido como piranha, serve para prender as mechas dos ca- belos durante o corte ou escova. Borrifador – umedece os cabelos antes de desembaraçá-los. Tesoura fio reto – versátil, ela serve para a maioria dos cortes e tipos de cabelo. Deve estar sempre muito bem amolada. Se for guardada molhada corre o risco de enferrujar e/ou perder o corte. Tesoura para desbastar – tem uma lâmina lisa e outra dentada. Indicada para dar acabamento a cabelos curtos e desfiados, pois ajuda a desbastar mechas espessas. Toalha – serve para enxugar os cabelos e para proteger o cliente durante a higienização dos cabelos. FOTOZECAGUIMARÃESFOTOSRODRIGOLOPES
  73. 73. 74 4SERVIÇOSPESSOAIS Principais técnicas O trabalho do cabeleireiro inclui muitas técnicas. Algumas delas são tão complexas que exigem até cursos de aperfeiçoamento. É o caso das técnicas de coloração, de alisamento e de penteados especiais. A higienização, o corte, os penteados básicos e a seca- gem são apenas o começo de um longo caminho que você ainda tem pela frente, caso vá seguir a profissão de cabeleireiro. Mas, como todo caminho começa por algum lugar, vamos ao trabalho? A higienização dos cabelos Trocando em miúdos: higienizar quer dizer lavar os cabelos. Mas não é lavar de qualquer jeito. Um profissional sabe o que faz. Como escolher um bom xampu Antes de mais nada, observe o tipo de cabelo: se é seco, normal, oleoso, cacheado, tingido, alisado etc. Há um tipo de xampu específico para cada um deles. O xampu deve ser fácil de aplicar. Não pode parecer água, de tão ralo, mas deve se diluir rapidamente na água e espalhar rapidamente pela cabeça. O bom xampu deve ser enxaguado com facilidade. Ele não gruda nos fios. Perfumes muito fortes podem ser apenas um disfarce para o uso de produtos químicos na fórmula. E também podem provocar alergia em pessoas mais sensíveis. Não se preocupe com a cor. Ela só existe porque os fabricantes botam corantes nas fórmulas para tornar o produto mais atraente para o consumidor. A cor não tem nada a ver com a qualidade. Cuidado! Quem pensa num bom xampu, pensa logo em muita espuma e num cheirinho que dura muito tempo. Mas isso nem sempre quer dizer boa qualidade. Não é a quantidade de espuma do produto que garante seu poder de limpeza. E o perfume delicioso às vezes é resultado de fragrância demais na fórmula, o que pode irritar a pele de clientes mais sensíveis. Fragrância S. f. aro- ma, perfume, cheiro, odor. In Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira
  74. 74. 75 4 CABELEIREIRO Dica A seguir, as etapas da higienização: a) Observe o tipo de cabelo do cliente e escolha o tipo de xampu indicado para ele. b) Desembarace o cabelo com a ponta dos dedos antes de molhar. c)Molhebemoscabelos,tomandocuidadoparanãomolharosouvi- dos e o rosto do cliente. d) Espalhe um pouco de xampu nas mãos e inicie a aplicação pelas têmporas, terminando na nuca. Massageie bem o couro ca- beludo com movimentos firmes e delicados. Não use as unhas! O certo é massagear, em movimentos suaves e circulares, com a pon- ta dos dedos. Para cabelos curtos, use uma colher de sopa de xampu. Para os médios, duas colheres. Para os longos, três colheres. e) Retire o xampu com água, massageando a cabeça com a ponta dos dedos. O produto deve ser completamente retirado. Se ficar algum resíduo cabelos, eles ficarão pesados e sem brilho. f) Caso os cabelos estejam mais sujos do que o normal, repita a operação. g) Aplique o condicionador na ponta dos fios e no comprimento do cabelo. Mas nunca use condicionador perto da raiz. Se fizer isso, os cabelos vão ficar murchos e com aspecto ensebado. ILUSTRAÇÃOGUTONÓBREGA
  75. 75. 76 4SERVIÇOSPESSOAIS Dicas Dica h) Deixe o condicionador agir pelo tempo indicado pelo fabri- cante. No fim, enxágüe com muita água. i) Hora de secar. Retire o excesso de água com as mãos, de leve. Depois, massageie os fios com a toalha. Resíduo S. m. Aquilo que resta de qualquer substância; resto. In Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buar- que de Holanda Ferreira Os xampus de limpeza profunda também são chamados de xampus anti- resíduos. São ideais para remover resíduos de produtos como laquê, gel, fluido de silicone, pomadas de finalização etc. Se o cliente costuma usar esses produtos, não tenha dúvida: lave seus cabelos com um bom xampu de limpeza profunda. E recomende que ele use o produto de 15 em 15 dias. Nunca esfregue a cabeça com a toalha. Se fizer isso, você vai deixar os cabelos mais oleosos. Além disso, fios molhados são mais frágeis e quebram com mais facilidade. Não prenda cabelos molhados. Não se deve dormir com os cabelos molhados. Nunca use a escova para pentear fios molhados. Prefira um pente de dentes largos. O corte O bom corte começa antes do cabeleireiro pegar a tesoura, na hora em que ele define o que vai fazer. O corte deve combinar com o estilo de vida, o tipo de cabelo e o tipo de rosto do cliente. Principais tipos de rosto Rosto oval – É uma forma clássica de rosto. Tudo fica bem nele. Por isso, o corte para os outros tipos de rosto deve sempre ten- tar deixá-los o mais parecidos possível com o rosto oval. ILUSTRAÇÕESELIVALDODASILVAAQUINO

×