izia-se a maior rã de todas as rãs que havia no
mundo. Realmente, era grande. Grande e luzidia, no
charco onde habitava, m...
Quando ela se punha com esta discursata, adeus. As
outras rãs mergulhavam, para não terem de ouvi-la.
Até que, um dia, foi...
coisa senão daquela rã presumida que quisera igualar-se a
um boi.
Ainda hoje é a conversa preferida das rãs, quando
coaxam...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

02.17 a maior de todas as rãs

91 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
91
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

02.17 a maior de todas as rãs

  1. 1. izia-se a maior rã de todas as rãs que havia no mundo. Realmente, era grande. Grande e luzidia, no charco onde habitava, mais nenhuma bicheza se lhe comparava em tamanho. Também, para além da rãs, só havia mosquitos. – Sou o maior bicho do reino animal – dizia a rã gorda, que nunca tinha saltado para fora daquele charquinho de nada, nem uma única vez. As outras rãs não quiseram contrariá-la. Também eram pouco viajadas. – Além de ser o maior bicho do reino animal, sou o mais forte, o mais corajoso, o mais bonito, o mais inteligente, o mais… 1 © APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros A MAIOR DE TODAS AS RÃS António Torrado escreveu e Cristina Malaquias ilustrou D
  2. 2. Quando ela se punha com esta discursata, adeus. As outras rãs mergulhavam, para não terem de ouvi-la. Até que, um dia, foi beber ao charco um boi. A sombra dele toldou o Sol. – Venha ver, colega, um bicho tamanhão, mil vezes maior do que a sua gabarolice – disseram à rã matulona as colegas rãzinhas, a estremecerem de riso. Ela já o tinha visto, mas fez de conta que não ligava. – Se eu quiser, fico do tamanho dele ou até maior – disse. – O meu volume está muito concentrado, querem ver? As outras queriam. Puseram-se à roda dela, a gritarem: – Cresça e apareça. Cresça e apareça. A rã gorda fez-lhes a vontade. Engoliu ar e a pele do ventre distendeu-se. – Mais, mais – gritaram as outras rãs, como se estivessem num circo. Ela inspirou mais e mais, que até parecia uma câmara de ar ou um colchão de praia. – Ainda mais – incitavam-na as colegas. A rã já tinha a forma de um balão. Nada que se parecesse com um boi, mas nunca se vira rã tão batoque como ela. Tinha a pele de tal forma esticada que se lhe via tudo por dentro. – Mais, mais – gritavam as outras. E ela, naquela vontade de ser maior do que um boi, engoliu mais ar, tanto, tanto que rebentou. Pum! O boi assustou-se e fugiu. As rãs enfiaram-se para dentro de água, nem que tivesse acabado o mundo. Quando a calma regressou ao charco, voltaram à superfície, numa grande excitação. Não falavam de outra 2 © APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros
  3. 3. coisa senão daquela rã presumida que quisera igualar-se a um boi. Ainda hoje é a conversa preferida das rãs, quando coaxam umas com as outras, em noites de Lua Cheia. FIM 3 © APENA - APDD – Cofinanciado pelo POSI e pela Presidência do Conselho de Ministros

×