Claricelispector

270 visualizações

Publicada em

Vida e obras da autora.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Claricelispector

  1. 1. Clarice Lispector
  2. 2. “À extremidade de mim estou eu. Eu, implorante, eu a que necessita, a que pede, a que chora, a que se lamenta. Mas a que canta. A que diz palavras. Palavras ao vento? Que importa, os ventos as trazem de novo e eu as possuo.” É Para Lá Que Eu Vou
  3. 3. ESTA É CLARICE... •Nascida Haia Lispector , Ucrânia (10/12/1920) • De família Judaica sofreu a perseguição aos judeus , durante a Guerra Civil Russa (1918-1921) • Começou a escrever logo que aprendeu a ler, na cidade do Recife • Ingressou na faculdade de Direito • Publicou seu primeiro romance “Perto do coração selvagem” • Começou a escrever livros infantis depois do pedido de seu filho • Recebeu prêmio da Fundação Cultural do DF • “A Hora da Estrela” foi o último romance, adaptado para o cinema • Morreu de câncer
  4. 4. Principais Obras: "Perto do Coração Selvagem" (1943 – romance) "Laços de Família" (1960 – contos) “A Paixão segundo G.H.” (1964 - romance) "A Hora da Estrela" (1977 – romance)
  5. 5. “A maior novela já escrita por uma mulher em língua portuguesa.” “Mudou o centro de gravidade de onde os romances brasileiros orbitaram nos últimos vinte anos.”
  6. 6. “O mundo se tornara de novo um mal-estar. Vários anos ruíam, as gemas amarelas escorriam. Expulsa de seus próprios dias, parecia-lhe que as pessoas na rua eram periclitantes, que se mantinham por um mínimo equilíbrio à tona da escuridão – e por um momento a falta de sentido deixava-as tão livres que elas não sabiam para onde ir. “ Laços de Família
  7. 7. “Estou desorganizada porque perdi o que não precisava? Nesta minha nova covardia – a covardia é o que de mais novo já me aconteceu, é a minha maior aventura, essa minha covardia é um campo tão amplo que só a grande coragem me leva a aceitá-la –, na minha nova covardia, que é como acordar de manhã na casa de um estrangeiro, não sei se terei coragem de simplesmente ir. É difícil perder-se. É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo de me achar, mesmo que achar-me mesmo seja de novo a mentira que vivo.” A Paixão Segundo G.H.
  8. 8. - Usou como referência para Macabéa a sua própria infância no nordeste - Capturou "o ar meio perdido" do nordestino na cidade do Rio de Janeiro - Insipiração em uma visita que Clarice fez a uma cartomante

×