Universidade do Estado da BahiaDepartamento de Educação Campos IDisciplina: Educação InclusivaDiscente: Patrícia MagrisDoc...
As pessoas não devem surpreender-se com o fato de pessoas portadoras dedeficiências estarem realizando tarefas comuns a to...
REFERÊNCIASDINIZ, Débora. O que é Deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007.http://www.dicio.com.br. Acessado em 20 de mai...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seja diferente, faça diferença!

840 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
840
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seja diferente, faça diferença!

  1. 1. Universidade do Estado da BahiaDepartamento de Educação Campos IDisciplina: Educação InclusivaDiscente: Patrícia MagrisDocente: Ester Batista Seja diferente, faça diferença.Segundo dicionário online de português, diferença é caráter que distingue umser de outro ser, uma coisa de outra coisa. Falta de igualdade ou desemelhança e diferente é que apresenta uma diferença, que não é igual.Vivemos em uma sociedade em que todos somos diferentes, seja no aspectosocial, racial, ideológico, cultural, religioso etc. Portanto ser diferente é normal eprecisa haver o respeito de todos, sabendo conviver com as diferenças.Levando em questão a disciplina Educação Inclusiva, vou me ater as pessoasque tem qualquer tipo de deficiência, e por isso vivem separadas do grupo deamigos sofrendo com essa exclusão. Segundo Diniz (2007) deficiência nãodeveria ser entendida como um problema individual, mas sim uma questãosocial. A pessoa que adquire ou nasce com lesão (ausência parcial ou total deum membro ou mecanismo corporal defeituoso), tem o acesso à sociedadeatravés de meios dificultosos, pois ela deveria expressar sua forma corporal deestar no mundo, considerando que essa é uma das várias possibilidades para aexistência humana.A verdade o que acontece é que uma pessoa portadora de alguma deficiênciaé sempre vista com indiferença. O diferente causa constrangimento. Diferençassignificam, na concepção de muitos, anormalidade, aberração, discrepância.Mas ela pode ser muito mais “eficiente” do que pensam ou podem pensar osoutros. Há pessoas portadoras de deficiência visual que veem a vida de outropatamar e conseguem perceber o que a maioria de nós não percebemos. Hácegueira maior do que essa? A maioria de nós temos pernas e braços, masmuitas vezes os cruzamos e vivemos grande parte de nossas vidas sempostura, alienados e sem atitude diante da vida e dos fatos.
  2. 2. As pessoas não devem surpreender-se com o fato de pessoas portadoras dedeficiências estarem realizando tarefas comuns a todos cidadãos. Não devemimaginar ser algo extraordinário os portadores de deficiência fazerem comprasnos shoppings, irem ao cinema, se divertirem no carnaval, casarem, teremfamília, terem profissão, carreira, sonhos, obterem conquistas nas variasesferas de suas vidas, viajarem, terem autonomia e prazeres.Contudo para os portadores de deficiência usufruírem desses prazeres énecessário que tenham acessibilidade de forma verdadeira, ou seja, semdificuldades, mas a realidade é outra, pois além de sofrerem com aacessibilidade precária, sofrem com a indiferença e o preconceito das pessoas.Todo deficiente tem o direito e merece viver em uma sociedade e em umafamília que o respeite pelo que é, que aceite suas diferenças, que o trate emcondições iguais a qualquer outro, que incentive suas conquistas e suaIgualdade nas Diferenças o apoie na superação de seus limites. A autoestimade cada um de nós, em especial dos deficientes, depende da força do amorque ele recebe, bem como do incentivo e do apoio, do estímulo em superar osseus limites e em aceitar suas limitações. Ao mesmo tempo em queconseguem elevar o nível de suas expectativas, acreditam na superação e nacriatividade para se adaptar às novas situações com que irão se deparar.Na verdade, precisamos dar acesso a quem precisa não ficando apenas nodiscurso e sim agir, ir em busca de ajudar ao outro que mais precisa. Isso nãoé difícil, é uma questão de vontade política. No entanto, há algo mais difícil dese obter, muito embora seja imprescindível para a alteração do meio: as boasrelações entre as pessoas, a compreensão, a empatia. O homem, esse sersocial que se diz tão superior às outras espécies, precisa ressignificar seumundo, rever seus valores éticos, aceitando a diferença como constitutiva enão como algo a ser extirpado. É preciso que uns aceitem os outros com suaslimitações, com suas deficiências, com suas necessidades especiais.
  3. 3. REFERÊNCIASDINIZ, Débora. O que é Deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007.http://www.dicio.com.br. Acessado em 20 de maio de 2012 ás 22h e 33m.

×