Raoul      Follereau O Amigo dos LeprososLeonardo Rodrigues nº14 8ºB
BIOGRAFIA*Raoul Follereau nasceu a 17 de Agosto de 1903, em Nevers, França, numa família de industriais. Jovem jornalista ...
*Em 1936, tinha então 33   anos, Follereau toma        A SUA HISTÓRIA contacto com os leprosos   durante um safari em   Áf...
*Um dia, a Madre Maria Eugénia, superiora do convento, visitou uma ilha de leprosos na Costa do Marfim e, impressionada co...
A SUA OBRA*Decidiu percorrer o mundo inteiro a fazer conferências para sensibilizar as pessoas para o problema da lepra. O...
* Durante as suas viagens, contou sempre com o apoio da sua mulher Madalena, para construir aquilo a que ele chamava “ A c...
DIA MUNDIAL DOS           LEPPROSOS*No último domingo de Janeiro de cada ano celebra- se o Dia Mundial dos Leprosos, insti...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Raoul Follereau

292 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
292
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Raoul Follereau

  1. 1. Raoul Follereau O Amigo dos LeprososLeonardo Rodrigues nº14 8ºB
  2. 2. BIOGRAFIA*Raoul Follereau nasceu a 17 de Agosto de 1903, em Nevers, França, numa família de industriais. Jovem jornalista e poeta, anti-nazi e defensor de uma França livre, viu-se perseguido, como tantos outros, pela polícia militar nazi.*Morreu, em Paris, a 16 de Dezembro de 1977.
  3. 3. *Em 1936, tinha então 33 anos, Follereau toma A SUA HISTÓRIA contacto com os leprosos durante um safari em África. A partir desse momento, a sua vidamudou. No entanto, não foifácil começar a manifestaressa amizade pelos leprosos e a curá-los, pois logosurgiu a II Guerra Mundial e teve de se esconder num convento de religiosas em Lyon, onde fazia de jardineiro, embora não soubesse nada de jardinagem.
  4. 4. *Um dia, a Madre Maria Eugénia, superiora do convento, visitou uma ilha de leprosos na Costa do Marfim e, impressionada com o que acabava de ver, pensou em construir uma pequena cidade, onde os leprosos pudessem viver e ser curados. Mas era preciso dinheiro. Então Raoul disse à religiosa:«Avance com o projecto, que no dinheiro penso eu».
  5. 5. A SUA OBRA*Decidiu percorrer o mundo inteiro a fazer conferências para sensibilizar as pessoas para o problema da lepra. O sonho das religiosas tornou-se realidade.*Em 1953 era inaugurada em Adzopé uma cidade onde os leprosos podiam ser tratados e curados.*Quando Raoul se aproximava dos leprosos, estes ficavam inicialmente um pouco desconfiados. Mas depois compreendiam que era apenas o amor dele que o levava junto deles. Então gritavam de alegria: “Pai Raoul”.
  6. 6. * Durante as suas viagens, contou sempre com o apoio da sua mulher Madalena, para construir aquilo a que ele chamava “ A civilização do Amor”. “Ser feliz é fazer os outros felizes.” “O tesouro que eu vos deixo é o bem que não fiz, que teria querido fazer e que vós fareis depois de mim.” Raoul Follereau
  7. 7. DIA MUNDIAL DOS LEPPROSOS*No último domingo de Janeiro de cada ano celebra- se o Dia Mundial dos Leprosos, instituído pela ONU em 1954, a pedido de Raoul Follereau. É que a lepra, sendo hoje em dia uma doença curável, nem por isso deixou de ser perigosa já que há milhares de doentes que, por falta de recursos materiais e humanos, não têm acesso aos tratamentos necessários.

×