SlideShare uma empresa Scribd logo
Autora: Narumi Imayuki Profª: Berenice Zabel Wuttke  “ Um Girassol na Janela”
“ Dedico este livreto a meus pais, meus irmãos  e a todos os fãs de ‘Um Girassol na Janela”’ N. I. “ Como não era de curtir tristezas, pescou uma estrelinha do céu, botou na testa e acendeu a alegria.” (Um girassol na janela)
Primeira Parte: Interpretação Narrativa ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Primeira Parte: Continuação Quando ela foi para aquela parte da periferia da cidade a fim de conhecer a família de Donizete, acho que ela não conhecia muito bem a situação que as famílias necessitadas viviam nas favelas. Penso que, pra poder ir a esse tipo de lugar, deve-se estar acompanhado por uma pessoa experiente, que sabe agir em situação de risco ou perigo, pois ‘é melhor prevenir do que remediar’. 7. Qual personagem secundário chamou mais sua atenção? Justifique a escolha. Um dos personagens mais ‘interessantes’ foi o Dr. Camargo. Ele era muito frio, sério e educado para Vivinha. Ela tenta quebrar a formalidade dele e consegue. À medida que a filha vai mudando seu coração, o pai começa a entender o simples mundo do amor. 8. Ilustre a parte que mais a impressionou. Justifique sua escolha com um breve comentário.
Segunda Parte: Fichamento Bibliografia:  JOSÉ, Ganymédes.  Um girassol na janela . 3 ed., São Paulo: Moderna, 2003. Número de Páginas:  168 Elementos Narrativos: Personagem Principal:  Viviane (Vivinha) Personagens Secundários:  O pai (Dr. Camargo); as empregadas Adélia, Maria e Ana Clara (mãe biológica); Dr. Caldeira; o jardineiro Antônio; os tios; a prima Vá; a Madre Superiora; Donizete; as amigas de Vivinha.  Tempo:  Cronológico Espaço:  Casa do pai Narrador:  Observador Discurso:  Direto Enredo:  Vivinha morou parte de sua vida na casa dos tios, pois ela havia perdido a mãe adotiva, e seu pai (também adotivo, o Dr. Camargo) viajara para a Europa, e permanecido por lá quatro anos. Mas, um dia, quando o pai volta para o Brasil, Vivinha precisava morar com ele. No começo, ela acha o Dr. Camargo muito fino, formal e culto, e a casa onde ele mora, séria e mal-assombrada. Por isso, tenta ‘desquadrar’ os dois. Pouco a pouco, o convívio entre eles melhora e com a ‘ajuda’ de Santarena e Helianto, Vivinha consegue quebrar a barreira que antes existia entre ela e o pai, que não a conhecia direito.  Na nova cidade, ela faz muitas amizades, inclusive com um menino pobre, chamado Donizete, vendedor de balas na frente de sua escola. Mais tarde, Vivinha tem a oportunidade de conhecer sua mãe biológica, que acaba casando com o Dr. Camargo. E todos vivem felizes por muito tempo.
Segunda Parte: Fichamento Clímax:  O clímax acontece quando Vivinha e o Dr. Caldeira contam sobre o documento da adoção e revelam que Ana Clara é a verdadeira mãe dela. Mensagem:  “Às vezes nós precisamos ter um olhar além do que os outros enxergam.” Comentário:  Gostei do livro, apesar de reconhecer alguns trechos muito sentimentais para o meu gosto. O desenrolar da história é bem objetivo, não é redundante.  Provavelmente, nenhum leitor imaginava que a empregada Ana Clara era a mãe biológica de Vivinha.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais iOs tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais i
angelafreire
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Néia Capitu
 
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e SindéticasOrações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Caroline Capellari
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
7 de Setembro
 
Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da Notícia
sextoD
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º ano
ElisabeteMarques
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
estrutura da narrativa
estrutura da narrativaestrutura da narrativa
estrutura da narrativa
L.
 
Pronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosPronominalização - exercícios
Pronominalização - exercícios
Lurdes Augusto
 
Narrativas de aventura
Narrativas de aventuraNarrativas de aventura
Narrativas de aventura
telasnorte1
 

Mais procurados (20)

Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
 
Os tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais iOs tipos e gêneros textuais i
Os tipos e gêneros textuais i
 
Diferença entre mito e lenda
Diferença entre mito e lendaDiferença entre mito e lenda
Diferença entre mito e lenda
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
 
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e SindéticasOrações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
 
Reconto
RecontoReconto
Reconto
 
Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da Notícia
 
Categorias da narrativa 9º ano
Categorias da narrativa   9º anoCategorias da narrativa   9º ano
Categorias da narrativa 9º ano
 
SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Filmes como suporte pedagogico
Filmes como suporte pedagogico Filmes como suporte pedagogico
Filmes como suporte pedagogico
 
Tipos de predicado
Tipos de predicadoTipos de predicado
Tipos de predicado
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
estrutura da narrativa
estrutura da narrativaestrutura da narrativa
estrutura da narrativa
 
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucional
 
Contos de fadas
Contos de fadasContos de fadas
Contos de fadas
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
 
Pronominalização - exercícios
Pronominalização - exercíciosPronominalização - exercícios
Pronominalização - exercícios
 
Narrativas de aventura
Narrativas de aventuraNarrativas de aventura
Narrativas de aventura
 

Destaque

LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOLLEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
Marisa Seara
 
Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.
Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.
Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.
Maria Delfina Rodrigues
 
Power point o girassol solitário
Power point   o girassol solitárioPower point   o girassol solitário
Power point o girassol solitário
Teresa Ramos
 
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊLEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
Marisa Seara
 
Girassol Van Gogh
Girassol   Van GoghGirassol   Van Gogh
Girassol Van Gogh
aledragomes
 
Lição Do Girassol
Lição Do GirassolLição Do Girassol
Lição Do Girassol
roxelle
 
Projeto ziraldo joelho juvenal
Projeto ziraldo joelho juvenalProjeto ziraldo joelho juvenal
Projeto ziraldo joelho juvenal
reporteresboasaude
 

Destaque (20)

LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOLLEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
LEITURA DELEITE SEJA GIRASSOL
 
Seja Girassol
Seja GirassolSeja Girassol
Seja Girassol
 
Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.
Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.
Tapete Mágico das Histórias de Ana Maria Machado.
 
Power point o girassol solitário
Power point   o girassol solitárioPower point   o girassol solitário
Power point o girassol solitário
 
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊLEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
LEITURA DELEITE - CADÊ, CADÊ
 
Luz na escuridao
Luz na escuridaoLuz na escuridao
Luz na escuridao
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Leitura
LeituraLeitura
Leitura
 
A criação
A criaçãoA criação
A criação
 
Os girassóis
Os girassóisOs girassóis
Os girassóis
 
Girassol Van Gogh
Girassol   Van GoghGirassol   Van Gogh
Girassol Van Gogh
 
Girassol
GirassolGirassol
Girassol
 
Lição Do Girassol
Lição Do GirassolLição Do Girassol
Lição Do Girassol
 
Seja girassol
Seja girassolSeja girassol
Seja girassol
 
Laporan Pemantapan Kemampuan Profesional Guru PAUD
Laporan Pemantapan Kemampuan Profesional Guru PAUDLaporan Pemantapan Kemampuan Profesional Guru PAUD
Laporan Pemantapan Kemampuan Profesional Guru PAUD
 
Conto cos contos defintivo publicado
Conto cos contos defintivo publicadoConto cos contos defintivo publicado
Conto cos contos defintivo publicado
 
O galo marquês ganymédes josé
O galo marquês ganymédes joséO galo marquês ganymédes josé
O galo marquês ganymédes josé
 
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Metaformose - Paulo Leminski
Metaformose - Paulo LeminskiMetaformose - Paulo Leminski
Metaformose - Paulo Leminski
 
Projeto ziraldo joelho juvenal
Projeto ziraldo joelho juvenalProjeto ziraldo joelho juvenal
Projeto ziraldo joelho juvenal
 

Semelhante a Um girassol na janela

Primavera Interrompida
Primavera InterrompidaPrimavera Interrompida
Primavera Interrompida
Msaude
 
Slides mão escrevendo - 2011 (1)
Slides   mão escrevendo - 2011 (1)Slides   mão escrevendo - 2011 (1)
Slides mão escrevendo - 2011 (1)
proinfopccurso
 
Biblioteca boletim nº 9
Biblioteca   boletim nº 9Biblioteca   boletim nº 9
Biblioteca boletim nº 9
bibdjosei2006
 
John powell porque tenho medo de lhe dizer quem sou
John powell   porque tenho medo de lhe dizer quem souJohn powell   porque tenho medo de lhe dizer quem sou
John powell porque tenho medo de lhe dizer quem sou
danibateras
 
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagemOficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Marlete Outeiro
 
Angels in caution o renascer - lo libro - cito qasveheôt
Angels in caution   o renascer - lo libro - cito qasveheôtAngels in caution   o renascer - lo libro - cito qasveheôt
Angels in caution o renascer - lo libro - cito qasveheôt
Oseias S S Luz
 
Lua de joana
Lua de joanaLua de joana
Lua de joana
dsca1011
 

Semelhante a Um girassol na janela (20)

Primavera Interrompida
Primavera InterrompidaPrimavera Interrompida
Primavera Interrompida
 
Slides mão escrevendo - 2011 (1)
Slides   mão escrevendo - 2011 (1)Slides   mão escrevendo - 2011 (1)
Slides mão escrevendo - 2011 (1)
 
Biblioteca boletim nº 9
Biblioteca   boletim nº 9Biblioteca   boletim nº 9
Biblioteca boletim nº 9
 
aluadejoana.pdf
aluadejoana.pdfaluadejoana.pdf
aluadejoana.pdf
 
Apresentação Sobre o Livro A lua de joana
Apresentação Sobre o Livro A lua de joanaApresentação Sobre o Livro A lua de joana
Apresentação Sobre o Livro A lua de joana
 
Sol da minha vida
Sol da minha vidaSol da minha vida
Sol da minha vida
 
Indicação Bibliográfica
Indicação BibliográficaIndicação Bibliográfica
Indicação Bibliográfica
 
John powell porque tenho medo de lhe dizer quem sou
John powell   porque tenho medo de lhe dizer quem souJohn powell   porque tenho medo de lhe dizer quem sou
John powell porque tenho medo de lhe dizer quem sou
 
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagemOficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
Oficina 02 -contos-de-fadas-e-aprendizagem
 
Contos de fadas: uma análise educacional
Contos de fadas: uma análise educacionalContos de fadas: uma análise educacional
Contos de fadas: uma análise educacional
 
Angels in caution o renascer - lo libro - cito qasveheôt
Angels in caution   o renascer - lo libro - cito qasveheôtAngels in caution   o renascer - lo libro - cito qasveheôt
Angels in caution o renascer - lo libro - cito qasveheôt
 
Interpretaçao portugues portu
Interpretaçao portugues portuInterpretaçao portugues portu
Interpretaçao portugues portu
 
A lua de joana
A lua de joanaA lua de joana
A lua de joana
 
Resenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispectorResenha das principais obras de clarice lispector
Resenha das principais obras de clarice lispector
 
Sol da minha vida
Sol da minha vidaSol da minha vida
Sol da minha vida
 
Por que tenho medo de lhe dizer quem sou? - John Powell
Por que tenho medo de lhe dizer quem sou? - John PowellPor que tenho medo de lhe dizer quem sou? - John Powell
Por que tenho medo de lhe dizer quem sou? - John Powell
 
Lua de joana
Lua de joanaLua de joana
Lua de joana
 
Blog
BlogBlog
Blog
 
A verdade usa máscara
A verdade usa máscaraA verdade usa máscara
A verdade usa máscara
 
529 an 23 junho_2015.ok
529 an 23 junho_2015.ok529 an 23 junho_2015.ok
529 an 23 junho_2015.ok
 

Um girassol na janela

  • 1. Autora: Narumi Imayuki Profª: Berenice Zabel Wuttke “ Um Girassol na Janela”
  • 2. “ Dedico este livreto a meus pais, meus irmãos e a todos os fãs de ‘Um Girassol na Janela”’ N. I. “ Como não era de curtir tristezas, pescou uma estrelinha do céu, botou na testa e acendeu a alegria.” (Um girassol na janela)
  • 3.
  • 4. Primeira Parte: Continuação Quando ela foi para aquela parte da periferia da cidade a fim de conhecer a família de Donizete, acho que ela não conhecia muito bem a situação que as famílias necessitadas viviam nas favelas. Penso que, pra poder ir a esse tipo de lugar, deve-se estar acompanhado por uma pessoa experiente, que sabe agir em situação de risco ou perigo, pois ‘é melhor prevenir do que remediar’. 7. Qual personagem secundário chamou mais sua atenção? Justifique a escolha. Um dos personagens mais ‘interessantes’ foi o Dr. Camargo. Ele era muito frio, sério e educado para Vivinha. Ela tenta quebrar a formalidade dele e consegue. À medida que a filha vai mudando seu coração, o pai começa a entender o simples mundo do amor. 8. Ilustre a parte que mais a impressionou. Justifique sua escolha com um breve comentário.
  • 5. Segunda Parte: Fichamento Bibliografia: JOSÉ, Ganymédes. Um girassol na janela . 3 ed., São Paulo: Moderna, 2003. Número de Páginas: 168 Elementos Narrativos: Personagem Principal: Viviane (Vivinha) Personagens Secundários: O pai (Dr. Camargo); as empregadas Adélia, Maria e Ana Clara (mãe biológica); Dr. Caldeira; o jardineiro Antônio; os tios; a prima Vá; a Madre Superiora; Donizete; as amigas de Vivinha. Tempo: Cronológico Espaço: Casa do pai Narrador: Observador Discurso: Direto Enredo: Vivinha morou parte de sua vida na casa dos tios, pois ela havia perdido a mãe adotiva, e seu pai (também adotivo, o Dr. Camargo) viajara para a Europa, e permanecido por lá quatro anos. Mas, um dia, quando o pai volta para o Brasil, Vivinha precisava morar com ele. No começo, ela acha o Dr. Camargo muito fino, formal e culto, e a casa onde ele mora, séria e mal-assombrada. Por isso, tenta ‘desquadrar’ os dois. Pouco a pouco, o convívio entre eles melhora e com a ‘ajuda’ de Santarena e Helianto, Vivinha consegue quebrar a barreira que antes existia entre ela e o pai, que não a conhecia direito. Na nova cidade, ela faz muitas amizades, inclusive com um menino pobre, chamado Donizete, vendedor de balas na frente de sua escola. Mais tarde, Vivinha tem a oportunidade de conhecer sua mãe biológica, que acaba casando com o Dr. Camargo. E todos vivem felizes por muito tempo.
  • 6. Segunda Parte: Fichamento Clímax: O clímax acontece quando Vivinha e o Dr. Caldeira contam sobre o documento da adoção e revelam que Ana Clara é a verdadeira mãe dela. Mensagem: “Às vezes nós precisamos ter um olhar além do que os outros enxergam.” Comentário: Gostei do livro, apesar de reconhecer alguns trechos muito sentimentais para o meu gosto. O desenrolar da história é bem objetivo, não é redundante. Provavelmente, nenhum leitor imaginava que a empregada Ana Clara era a mãe biológica de Vivinha.