SlideShare uma empresa Scribd logo
NR - 20
SEGURANÇA E SAÚDE NO
TRABALHO COM
INFLAMÁVEIS E
COMBUSTÍVEIS
OBJETIVOS DA NORMA
20.1 - Esta Norma Regulamentadora
estabelece requisitos mínimos para a
gestão da Segurança e Saúde no trabalho
contra fatores de risco de acidentes
provenientes das atividades de extração,
produção, armazenamento, transferência,
manuseio e manipulação de inflamáveis e
líquidos combustíveis.
INTRODUÇÃO
20.1.1 Esta NR estabelece requisitos mínimos para a GESTÃO
da Segurança e Saúde no Trabalho contra os fatores de risco
de acidentes provenientes das atividades de extração,
produção, armazenamento, transferência, manuseio e
manipulação de inflamáveis e líquidos combustíveis.
GESTÃO: política, planejamento, organização, auditoria,....(PDCA)
Armazenamento - retenção de uma quantidade de inflamáveis (líquidos e/ou gases)
e
líquidos combustíveis em uma instalação fixa, em depósitos, reservatórios de superfície,
elevados ou subterrâneos. Retenção de uma quantidade de inflamáveis, envasados ou
embalados, em depósitos ou armazéns.
Transferência - Atividade de movimentação de inflamáveis entre recipientes, tais
como
tanques, vasos, tambores, bombonas e similares, por meio de tubulações.
Manuseio - Atividade de movimentação de inflamáveis contidos em recipientes,
tanques
portáteis, tambores, bombonas, vasilhames, caixas, latas, frascos e similares. Ato de
manusear o produto envasado, embalado ou lacrado.
Manipulação - Ato ou efeito de manipular. Preparação ou operação manual com
inflamáveis, com finalidade de misturar ou fracionar os produtos. Considera-se que há
manipulação quando ocorre o contato direto do produto com o ambiente.
OBJETIVOS DA NORMA
20.2 - Esta NR se aplica às atividades de
ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO, PRODUÇÃO,
ARMAZENAGEM, TRANSFERÊNCIA, MANUSEIO E
MANIPULAÇÃO DE:
• Inflamáveis (gases e líquidos).
• Líquidos Combustíveis.
Exceção:
•Plataformas e instalações de apoio empregadas com a
finalidade de exploração, produção de petróleo e gás
(OFF SHORE).
•Edificações unifamiliares.
20.3 - Definições: DOS LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS:
Anterior (Portaria 3.214/78):
16.7 - Para efeito desta Norma Regulamentadora (NR)
considera-se combustível liquido todo aquele que possua
ponto de fulgor igual ou superior a 70 º C (Setenta graus
centígrados) e inferior a 93.3 º C.
20.2.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora, fica
definido "líquido inflamável" como todo aquele que
possua ponto de fulgor inferior a 70ºC (setenta graus
centígrados) e pressão de vapor que não exceda 2,8
kg/cm2 absoluta a 37,7ºC (trinta e sete graus e sete
décimos de graus
centígrados).
20.3 - Definições: DOS LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS:
Atual (Portaria SIT n.° 308/2012):
•20.3.1 Líquidos inflamáveis: são líquidos que
possuem ponto de fulgor
≤ 60º C.
•20.3.2 Gases inflamáveis: gases que inflamam com
o ar a 20º C e a uma pressão padrão de 101,3 kPa.
•20.3.3 Líquidos combustíveis: são líquidos com
ponto de fulgor
> 60º C e ≤ 93º C.
NR 20 (3214/78)
• NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis
20.1 Líquidos combustíveis.
20.2. Líquidos inflamáveis.
20.3. Gases Liquefeitos de Petróleo - GLP.
20.4 Outros gases inflamáveis.
• Segurança “baseada em distâncias” (tabelas)
• Defasada do “estado da arte”
• Ineficaz na prevenção de acidentes com inflamáveis e combustíveis
• Critérios para classificação de inflamáveis desatualizados
• Não abrangia todos os Gases Inflamáveis (somente GLP)
• Desatualizada dos marcos legais internacionais sobre o assunto
NR 20 (Portaria 308/2012)
• Articulada e utiliza conceitos de NRs e NBRs:
4 (SESMT) – Análise de Riscos
5 (CIPA) – Inspeção no ambiente de trabalho
7 (PCMSO) – Riscos Psicossociais
9 (PPRA) – Articulação e Anexo I
10 (ELETRICIDADE) – Áreas Classificadas
12 (MÁQUINAS) – Manuais, Inspeção e Manutenção
26 (SINALIZAÇÃO e GHS) – Definições, sinalização
33 (ESPAÇOS CONFINADOS) – Proficiência, Riscos
Psicossociais
Treinamento nr 20 completo
Quando um corpo combustível é aquecido,
ele atinge
diferentes estágios da temperatura, os
quais são
conhecidos por:
• Ponto de fulgor;
• Ponto de Combustão (inflamação);
• Ponto de ignição.
Considerações
DEFINIÇÕES :
Ponto de Fulgor
. O ponto de fulgor é a menor temperatura, na qual, uma
substância libera vapores, em quantidades suficientes para
que a mistura de vapor e ar propague uma chama logo
acima de sua superfície, a partir do contato com uma fonte
de ignição.
Por exemplo: Ponto de Fulgor
considerando-se que, em um determinado local, a
temperatura ambiente seja de 25 °C e que esteja ocorrendo
o vazamento de uma substância cujo ponto de fulgor seja
de 15 °C, isto significa que, nessas condições, essa
substância estará liberando vapores inflamáveis, bastando,
apenas, uma fonte de ignição para que haja a ocorrência de
um incêndio ou de uma explosão
DEFINIÇÕES :
Ponto de Combustão
É a temperatura mínima necessária para que um
combustível desprenda vapores ou gases
inflamáveis que, combinados com o oxigênio do ar e
ao entrar em contato com uma chama, se inflamam,
e, mesmo que se retire a chama, o fogo não se
apaga, pois essa temperatura faz gerar, do
combustível, vapores ou gases suficientes para
manter o fogo ou a transformação em cadeia.
Treinamento nr 20 completo
DEFINIÇÕES :
Ponto de Ignição
É aquela em que os gases desprendidos dos combustíveis
entram em combustão apenas pelo contato com o oxigênio
do ar, independente de qualquer fonte de calor.
Exemplo de fontes de ignição:
chamas-vivas; superfícies quentes; automóveis, os
caminhões e outros veículos automotores; cigarros
acesos; interruptores de força e luz; lâmpadas,
reatores; motores elétricos; faíscas, produzidas por
atrito; eletricidade estática.
Assim sendo, na presença de produtos inflamáveis, é
de fundamental importância o controle das referidas
FONTES DE IGNIÇÃO
EXEMPLOS DE PONTO DE FULGOR
Principais pontos e temperaturas de alguns
combustíveis ou inflamáveis
Combustíveis Inflamáveis Ponto de Fulgor
Temperatura de
Ignição
Álcool etanol
Gasolina
Querosene aviação
Diesel
16,6° C
<- 43,0° C
> 60,0º C
> 62,0°C
363,0°C
257,0°C
210,0°C
210,0°C
20.4 Classificação das Instalações
Classe I
a) Quanto à atividade:
a.1 - postos de serviço com inflamáveis e/ou líquidos combustíveis.
b) Quanto à capacidade de armazenamento, de forma permanente e/ou transitória:
b.1 - gases inflamáveis: acima de 2 ton até 60 ton;
b.2 - líquidos inflamáveis e/ou combustíveis: acima de 10 m³ até 5.000 m³.
Classe II
a) Quanto à atividade:
a.1 - engarrafadoras de gases inflamáveis;
a.2 - atividades de transporte dutoviário de gases e líquidos inflamáveis e/ou
combustíveis.
b) Quanto à capacidade de armazenamento, de forma permanente e/ou transitória:
b.1 - gases inflamáveis: acima de 60 ton até 600 ton;
b.2 - líquidos inflamáveis e/ou combustíveis: acima de 5.000 m³ até 50.000 m³.
Classe III
a) Quanto à atividade:
a.1 - refinarias;
a.2 - unidades de processamento de gás natural;
a.3 - instalações petroquímicas;
a.4 - usinas de fabricação de etanol e/ou unidades de fabricação de álcool.
b) Quanto à capacidade de armazenamento, de forma permanente e/ou transitória:
b.1 - gases inflamáveis: acima de 600 ton;
b.2 - líquidos inflamáveis e/oua atividade tem prioridade sobre a capacidade de
armazenamento
combustíveis: acima de 50.000 m³.
20.4 Classificação das Instalações
Nota:
A atividade tem prioridade sobre a
capacidade de armazenamento
20.4 Classificação das Instalações
20.4.1.1 Para critérios de classificação, o tipo de
atividade
enunciada possui prioridade sobre a capacidade de
armazenamento.
20.4.1.2 Quando a capacidade de armazenamento da
instalação se enquadrar em duas classes distintas, por
armazenar líquidos inflamáveis e/ou combustíveis e gases
inflamáveis, deve-se utilizar a classe de maior gradação.
20.4.2 Esta NR estabelece dois tipos de instalações que
constituem exceções e estão definidas no Anexo I, não
devendo ser aplicada a Tabela 1.
EXEMPLOS DE CLASSIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES
Classe I
Classe II
Classe III
Exceções à Classificação
Pequena quantidade
- Gases inflamáveis
acima1 ton até 2 ton
- Líquidos
inflamáveis e/ou
combustíveis e acima
de 1 m³ até 10 m³
Armazenamento
envazados em
instalações varejistas
e
atacadistas -
(lacrados)
até 20 litros
Treinamento nr 20 completo
Exemplo: Parque de tanques com líquidos inflamáveis e
combustíveis – capacidade de armazenamento de 15.000 m3
Exemplo: depósito com capacidade de armazenamento de
GLP de 30 ton
20.5 - Projeto da Instalação
Projetadas considerando os aspectos de segurança,
saúde e meio ambiente que impactem sobre a
integridade física dos trabalhadores previstos nas
Normas Regulamentadoras, normas técnicas nacionais
e, na ausência ou omissão destas, nas normas
internacionais, convenções e acordos coletivos, bem
como nas demais regulamentações pertinentes em
vigor .
PROJETOS DAS INSTALAÇÕES EXISTENTES devem
ser atualizados com a utilização de metodologias de
análise de riscos para a identificação da necessidade
de adoção de medidas de proteção complementares.
20.6 - Segurança na Construção e
Montagem
A construção e montagem devem observar as
especificações previstas no projeto, bem como nas
Normas Regulamentadoras e nas normas técnicas
nacionais e, na ausência ou omissão destas, nas normas
internacionais
•Inspeções e testes realizados na fase de construção e
montagem e no comissionamento documentados
•Equipamentos e instalações identificados e
sinalizados
20.7 - Segurança Operacional
Elaborar, documentar, implementar,
divulgar e manter atualizados
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS em
conformidade com as especificações do
projeto das instalações classes I, II e III e
com as recomendações das análises de
riscos
20.8 - Manutenção e Inspeção das
Instalações
PLANO DE INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO devidamente
documentado
a) equipamentos, máquinas, tubulações e acessórios,
instrumentos;
b) tipos de intervenção;
c) procedimentos de inspeção e manutenção;
d) cronograma anual;
e) identificação dos responsáveis;
f) especialidade e capacitação do pessoal de inspeção e
manutenção;
g) procedimentos específicos de segurança e saúde;
h) sistemas e equipamentos de proteção coletiva e individual.
20.9 - Inspeções e Segurança
•Instalações classes I, II e III: periodicamente
INSPECIONADAS com enfoque na segurança e
saúde no ambiente de trabalho
•Elaborado, em articulação com a CIPA,
CRONOGRAMA DE INSPEÇÕES em segurança
e saúde no ambiente de trabalho
• INSPEÇÕES documentadas e as respectivas
recomendações implementadas, com
estabelecimento de prazos e de responsáveis
pela sua execução
20.10 - Análise de Riscos
Metodologia: função dos propósitos da análise e
das características e complexidade da instalação
(APR);
• Coordenadas por profissional habilitado ;
• Elaboradas por equipe multidisciplinar, com no
mínimo um trabalhador com experiência na
instalação/parte objeto da análise ;
• Articulação com o PPRA
20.11 - Capacitação dos Trabalhadores -
Critérios
Trabalhadores que laboram em instalações classes I, II ou III e NÃO
adentram na área ou local de extração, produção, armazenamento,
transferência, manuseio e manipulação de inflamáveis e líquidos
combustíveis devem receber informações sobre os perigos, riscos e sobre
procedimentos para situações de emergências.
Trabalhadores que adentram na área e mantém contato direto com o
processo ou processamento
•Cursos:
Integração - 4h
Básico - 8h
Intermediário - 16h
Avançado I - 24h
Avançado II - 32h
Específico - 16h
20.11 - Capacitação dos Trabalhadores -
Critérios
Exemplo: INSTALAÇÃO CLASSE II
Telefonista – receber informações
Operador – AVANÇ 1
SST - ESPECIF
Laboratorista - BÁSIC
Vigilante - INTEGR
Manutenção - INTERMED
20.11 - Capacitação dos Trabalhadores -
Critérios
Treinamento nr 20 completo
Treinamento nr 20 completo
Treinamento nr 20 completo
Argélia: Incêndio Refinaria de gás(2004)
Argélia: Incêndio Refinaria de gás
Argélia: Incêndio Refinaria de gás
INFLAMÁVEIS - RISCOS
• Queimam com facilidade;
• Podem produzir atmosferas explosivas em locais com deficiência de
ventilação;
• Um derrame de líquido inflamável pode gerar um incêndio que irá se
movimentar, acompanhando o desnível existente no piso;
• Incêndios em líquidos normalmente são mais difíceis de serem combatidos
do que em materiais sólidos, visto que é necessário extinguir o fogo toda
superfície atingida.
• A projeção violenta do agente extintor sobre um líquido inflamado pode
provocar respingos ou seu transbordamento, cuja conseqüência poderá
ser a propagação do incêndio;
• Em caso de gases, quando não é possível cortar o suprimento, o
vazamento seguirá gerando maiores volumes de mistura inflamável, que
fatalmente encontrará uma fonte de ignição em suas proximidades,
provocando uma explosão
INFLAMÁVEIS - CONTROLES
• Ventilação adequada no ambiente;
• Isolando adequadamente processos ou operações
auxiliares consideradas perigosas (ambientes externos
ou compartimentados);
• Evitando fontes de ignição nas proximidades (centelhas
produzidas por aparelhos ou instalações elétricas;
cigarro; faíscas; descargas eletrostáticas; superfícies
quentes, raios, etc);
•Todas as instalações elétricas e equipamentos elétricos
fixos, móveis e portáteis, equipamentos de comunicação,
ferramentas e similares utilizados em áreas classificadas;
O empregador deve implementar medidas
específicas para controle da geração, acúmulo e descarga
de eletricidade estática em áreas sujeitas à
existência de atmosferas inflamáveis (mapeamento
eletrostático)
INFLAMÁVEIS - CONTROLES
• Os trabalhos envolvendo o uso de equipamentos que
possam gerar chamas, calor ou centelhas, nas áreas sujeitas à
existência de atmosferas inflamáveis, devem ser precedidos
de permissão de trabalho;
•O empregador deve sinalizar a proibição do uso de
fontes de ignição nas áreas sujeitas à existência de atmosferas
Inflamáveis;
•Os veículos que circulem nas áreas sujeitas à
existência de atmosferas inflamáveis devem possuir
características apropriadas ao local e ser mantidos em
perfeito estado de conservação.
PREVENÇÃO DE INCÊNDIO - CONTROLE
TRABALHOS COM SOLDA E LIXADEIRA
Controlar fontes de ignição
VÍDEO
Controles - SINALIZAÇÕES
Placas de Advertência
Cones de vento (birutas)
Alarmes de Sensor
Sinalizadores Luminosos
Isolamento de área
Telas;
Cones;
Cordas
INFLAMÁVEL
PERIGO
É PROIBIDO
 Portar celular na Área Industrial;
 Fumar em toda Área Industrial, em veículos,salas de controle
,etc...;
DISPOSIÇÕES FINAIS (ITEM 20.20)
O empregador deve interromper e corrigir as
atividades sem situação de risco grave e
iminente;
Os trabalhadores, com base em sua capacitação e
experiência, devem interromper suas tarefas,
exercendo o direito de recusa, sempre que
constatarem
evidências de riscos graves e iminentes para sua
segurança e saúde ou de outras pessoas,
comunicando imediatamente o fato a seu superior
hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.
PROCEDIMENTO EM SITUAÇÕES DE
EMERGÊNCIA
EM CASOS DE EMERGÊNCIA NO TERMINAL, PROCEDER DA
SEGUINTE MANEIRA:
1- COMUNICAR A OCORRÊNCIA PELO RAMAL de
Emergências OU PELO
RÁDIO TRANSMISSOR;
2- COMUNICAR AO SMS , FISCALIZAÇÃO;
3- CASO TENHA QUE ABANDONAR O CANTEIRO, SIGA AS
ORIENTAÇÕES DO PESSOAL DA BRIGADA;
4 – SEGUIR O PAE (Plano de Atendimento a Emergências) DA
CONTRATANTE, OU NO CASO SEGUIR O PAE DA EMPRESA
CONTRATADA.
SIRENES
Início
PROCEDIMENTO Paralisar os trabalhos
Término
EMERGÊNCIA
QUAL O RAMAL
A CONTATAR ??
MÉDICAOPERACIONAL
Em caso de dúvida “PARE” e
consulte seu supervisor
PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS
REALIZAÇÃO DE SIMULADOS DE EMERGÊNCIA
20.14.4 O plano de resposta a emergências deve ser avaliado após
a realização de exercícios simulados e/ou na ocorrência de
situações reais, com o objetivo de testar a sua eficácia, detectar
possíveis falhas e proceder aos ajustes necessários;
20.14.5.1 Os trabalhadores na empresa devem estar envolvidos
nos exercícios simulados, que devem retratar, o mais fielmente
possível, a rotina de trabalho.
VÍDEOS
SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO – DIAMANTE DE HOMMEL
 Losango azul – saúde;
 Losango vermelho – inflamabilidade;
 Losango amarelo – reatividade;
 Losango branco – informações especiais
Obs.: Losango preenchido com números de 0 à 4
conforme grau de risco em questão.
SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS
SÍMBOLOS DE RISCO
Comburente: desprendem oxigênio e
favorecem a combustão. Podem
inflamar combustíveis ou acelerar a
propagação de incêndio
Corrosivo: causa destruição visível
ou mudanças permanentes à pele
humana no local de contato, ou é
altamente corrosivo ao aço.
Explosivo: causa uma liberação
instantânea de pressão, gás e calor
quando submetido a choque
mecânico, pressão ou temperatura
elevada.
Perigoso para o meio ambiente:
Causa dano reversível ou
permanente à fauna e flora.
Inflamável: sólido, líquido ou gás
comprimido que tem um ponto de
fulgor menor do que 60ºC.
Nocivo ou irritante: podem promover
irritação sobre a pele, olhos e trato
respiratório, ou, por inalação, absorção
ou ingestão, produzir efeito de menor
gravidade.
Tóxico: ao ser introduzido no
organismo por inalação, absorção ou
ingestão, pode causar efeitos graves
e/ou mortais.
Biológico: microorganismos, vírus
ou toxinas de origem biológica que
causam impacto na saúde humana
ou de animais.
Treinamento nr 20 completo
Segurança no manuseio de produtos químicos
 Todas as substâncias são venenosas.
Não há uma que não seja. A dose certa é que
diferencia um veneno de um remédio.
“Paracelsus”
Áreas Classificadas
NR 20
Atmosfera explosiva:
 Mistura com ar, sob condições atmosféricas, de substâncias
inflamáveis na forma de gás, vapor, névoa e substâncias
combustíveis na forma de poeira ou fibra, na qual, após a
ignição, a combustão se propaga através da mistura não
consumida.
Áreas classificadas:
 Áreas nas quais uma atmosfera explosiva está presente ou na
qual é provável sua ocorrência, a ponto de exigir precauções
especiais para construção, instalação e utilização de
equipamento elétrico.
Definições de acordo com a Norma NBR NM IEC 60050-426 –
Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas –
Terminologia
Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
Locais com possibilidade de existência de áreas contendo Atmosferas
Explosivas, ocasionando Áreas Classificadas:
 Plataformas Offshore para prospecção de petróleo
 Refinarias de Petróleo
 Terminais de Armazenamento de Petróleo e derivados
 Indústrias químicas e petroquímicas (tintas, vernizes, cosméticos, plásticos e
resinas)
 Indústrias Farmacêuticas
 Indústrias Alcooleiras
 Tanques de armazenamento de combustíveis de navios e aviões
 Aeroportos
 Postos de gasolina
 Caminhões de transporte de produtos químicos inflamáveis ou gases
liquefeitos
 Industria automotiva (Sala de mistura de tintas)
Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
Triângulo
do Fogo
 Numa atmosfera explosiva as instalações
elétricas devem ser projetadas e executadas
de forma a não serem a causa de uma
explosão, que pode ser devida a arcos ou
faíscas, ou ainda a uma temperatura
excessiva das superfícies dos equipamentos
elétricos em contato com a atmosfera Ex
 Equipamentos elétricos para serem instalados
em áreas classificadas, necessitam possuir
características construtivas apropriadas.
 O objetivo de prover um equipamento elétrico
com um tipo específico de proteção é o de
eliminar ou isolar a fonte de ignição, evitando
a ocorrência simultânea dos 3 componentes
necessários para que ocorra a explosão.
Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
ZONA 0 Local onde a ocorrência de mistura inflamável / explosiva é
contínua (freqüência de ocorrência maior do que 1000
horas / ano)
ZONA 1 Local onde a ocorrência de mistura inflamável / explosiva é
provável de acontecer em condições normais de operação
do equipamento de processo (freqüência de ocorrência
entre 10 horas e 1000 horas por ano)
ZONA 2 Local onde a ocorrência de mistura inflamável / explosiva é
pouco provável de acontecer, e se acontecer, é por curtos
períodos, e está associada à operação anormal do
equipamento de processo (freqüência de ocorrência até 10
horas /ano)
Classificação de Áreas: ZONA – Grupo – Temperatura
(NBR IEC)
Depressão
Piso
Exemplo de extensão de Classificação de Áreas em
Refinarias de Petróleo
FONTE DE RISCO: GÁS MAIS PESADO QUE O AR EM
AMBIENTE VENTILADO
Zona 2
Zona 1
Extensão de Zona 2
Fonte de Risco
Figura Ilustrativa: Exemplo de Classificação de Áreas
Zona 0
Zona 1
Zona 2Zona2
Treinamento nr 20 completo
Ex ‘’d’’
À prova de explosão
 Equipamento que está encerrado por um invólucro capaz de suportar a
pressão de explosão interna, e não permitir que a energia resultante desta
explosão se propague para o meio externo, através de qualquer junta ou
abertura estrutural, evitando a propagação desta explosão
 Tipo de proteção aplicável em Zona 1 e em Zona 2.
Tipo de Proteção
Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
Ex ‘’d’’ - À prova de explosão Exemplos de Instalação
Painel Local com controle,
intertravamento e sinalização
CCM de campo - 480 V
Comando de motores 3Ø. Caixas metálicas
contendo disjuntores, contatores, reles
térmicos, TP’s e bornes terminais
Ex ‘’i’’
Segurança
Intrínseca
 Um circuito é intrinsecamente seguro quando o mesmo não é capaz de liberar
energia elétrica (faísca) ou térmica suficiente para, em condições normais
(exemplo: comando abertura e fechamento do circuito) ou anormais (exemplo:
curto-circuito no cabo ou no instrumento de campo), causar ignição de uma
atmosfera explosiva. O circuito Ex-i é composto por: instrumento de campo,
cabos de interligação e componente associado (barreira/isolador galvânico).
 Tipo de proteção aplicável em Zona 0, Zona 1 e Zona 2.
Tipo de Proteção
Exemplos de instalação
Segurança Intrínseca – Ex ‘’i’’
• Transmissores de campo
• Prensa cabos plásticos e cabos na cor azul
• Painel Local de Controle (ao fundo)
Armário de Barreiras/Rearranjo
instalado em Área Segura
(na Casa de Controle Local)
PERMISSÃO DE
TRABALHO PARA
INFLAMÁVEIS - PT
Introdução
1.As empresas que trabalham com inflamáveis e combustíveis
estão propensas a grandes acidentes.
2.Um sistema de gestão de riscos de processo é vital para a
sustentabilidade do negócio.
3.A sistemática de PT é um elemento importante no sistema de
gestão de riscos.
Pesquisa do HSE (Health and Safety Executive - UK)
1/3 dos acidentes em indústrias químicas estavam relacionados com
atividades de manutenção.
Causa importante : falta ou deficiência da sistemática de PT
Estudo em pequenas e médias indústrias químicas:
• 2/3 das empresas não estavam checando o sistema de PT
adequadamente.
• 2/3 das PT não identificavam adequadamente os riscos potenciais
• 50% dos isolamentos de sistemas, equipamentos de processo,
equipamentos elétricos são inadequados.
• 1/3 das PT´s não deixam claro qual tipo de EPIs são necessários.
• 25% das PT´s não trata adequadamente o retorno formal após término da
manutenção.
20.8. Manutenção e Inspeção das Instalações
20.8.8 Deve ser elaborada permissão de trabalho para atividades não
rotineiras de intervenção nos equipamentos, baseada em análise de risco,
nos trabalhos:
a)que possam gerar chamas, calor, centelhas ou ainda que envolvam o seu
uso;
b) em espaços confinados, conforme Norma Regulamentadora nº 33;
c) envolvendo isolamento de equipamentos e bloqueio/etiquetagem;
d) em locais elevados com risco de queda;
e) com equipamentos elétricos, conforme Norma Regulamentadora nº 10;
f) cujas boas práticas de segurança e saúde recomendem.
O que é uma Sistemática de Permissão para Trabalho?
É um sistema formal, por escrito, usado para controlar certos
tipos de trabalhos que são potencialmente perigosos.
A autorização de trabalho é um documento que especifica o
trabalho a ser feito e as precauções a tomar
É parte essencial em sistema de gerenciamento de riscos
nas atividades de manutenção em instalações que utilizam
inflamáveis/combustíveis
Treinamento nr 20 completo
O que é uma Sistemática de Permissão para Trabalho?
 A PT permite que o trabalho somente possa ser iniciado
após adotado procedimentos seguros e que os riscos
previsíveis tenham sidos considerados
 A PT é necessária quando o serviço de manutenção
somente pode ser realizado se as salvaguardas normais não
possam ser consideradas ou que sejam introduzidos novos
perigos pelo trabalho.
 Exemplo: serviços de solda ou corte, esmerilhamento,
movimentação de cargas,...
Treinamento
“A sistemática de PT será tão boa quanto a competência
das pessoas que a utiliza”
O treinamento é recomendado para :
emitentes de PTs
encarregado pelo trabalho (Líder ou Supervisor dos
executantes)
executantes
Análise riscos - Elemento chave na Sistemática de PT
Pode ser realizada pelo emitente em conjunto com o
requisitante com apoio de check-list
Havendo complexidade no trabalho pode ser feita por equipe
de especialistas
Considerar perigos do ambiente, da instalação e da atividade
Perigos de processo e ocupacionais
Validade /Revalidação
As PTs são válidas para o turno de trabalho dos executantes
Havendo troca de turno do emitente a PT deve ser revalidada
Na revalidação o novo emitente deve tomar ciência do
trabalho, precauções, proteções necessárias , equipe de
executantes com o emitente anterior
O novo emitente deve reavaliar os perigos na frente de
trabalho, e após fazer a revalidação
Também pode-se cancelar a PT atual e se emitir nova PT
Suspensão
 Ocorrência de emergência
 Evitar interação com outra atividade
 Serviço parado por mais de 2 horas
 Descumprimento do previsto na PT
Fechamento da PT
No término do serviço as cópias das PTs devem ser
reunificadas e retornar ao ponto de emissão ( 2 a 3 vias)
Emitente e requisitante , após avaliação do local do serviço,
atestam na PT que;
 Trabalho foi concluído satisfatoriamente
 Área do entorno limpa e organizada
Emitente e requisitante assinam , encerrando a PT
Uma das vias é encaminhada para arquivo
EXEMPLO DE PT
EXEMPLOS DE PT
Treinamento nr 20 completo
VÍDEO
DINÂMICA DE GRUPO – ANÁLISE DE
RISCOS
Analisar os riscos de um posto de
combustível
Treinamento nr 20 completo
Elaborado por:
Emerson Queiroz Aquino
Técnico de Segurança do Trabalho
Montes Claros/MG
emersonmensin@gmail.com
(38) 99806-7173/ 99170-7389
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso nr20 curso avançado
Curso nr20   curso avançadoCurso nr20   curso avançado
Curso nr20 curso avançado
Sergio Roberto Silva
 
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptxTreinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Rudinei de Moura
 
Nr 20 inflamáveis
Nr 20   inflamáveisNr 20   inflamáveis
Nr 20 inflamáveis
Gleuciane Rocha
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
Leomir Borghardt
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Robson Peixoto
 
APOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdfAPOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdf
Kaymir Freitas
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Marciel Bernardes
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
Gil Mendes
 
Nr33
Nr33Nr33
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
lino1250
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
José Valfrido
 
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptxTreinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
AdelmaSiles
 
Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
emanueltstegeon
 
Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
Cristiano Mendes
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
HugoDalevedove
 
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Jupira Silva
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
Sara Jaqueline
 
Avaliação nr33
Avaliação nr33Avaliação nr33
Avaliação nr33
Brasilio da Silva
 
Nr 6 treinamento
Nr 6 treinamentoNr 6 treinamento
Nr 6 treinamento
André Kovtun Sliachticas
 
Cupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveis
Cupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveisCupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveis
Cupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveis
MarceloMenezes84
 

Mais procurados (20)

Curso nr20 curso avançado
Curso nr20   curso avançadoCurso nr20   curso avançado
Curso nr20 curso avançado
 
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptxTreinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
Treinamento para Segurança em Trabalho a Quente.pptx (1).pptx
 
Nr 20 inflamáveis
Nr 20   inflamáveisNr 20   inflamáveis
Nr 20 inflamáveis
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
 
APOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdfAPOSTILA NR 20.pdf
APOSTILA NR 20.pdf
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
 
Power+point+nr+35
Power+point+nr+35Power+point+nr+35
Power+point+nr+35
 
Nr33
Nr33Nr33
Nr33
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptxTreinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
 
Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
 
Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
Nr 36 apresentação - padrão - workshop (1)
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
 
Avaliação nr33
Avaliação nr33Avaliação nr33
Avaliação nr33
 
Nr 6 treinamento
Nr 6 treinamentoNr 6 treinamento
Nr 6 treinamento
 
Cupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveis
Cupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveisCupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveis
Cupdf.com treinamento nr-20-liquidos-combustiveis-e-inflamaveis
 

Semelhante a Treinamento nr 20 completo

NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptxNR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
leandrotec44
 
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptxNR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
leandrotec44
 
Treinamento de NR20 2022 (carregar).pdf
Treinamento de NR20 2022 (carregar).pdfTreinamento de NR20 2022 (carregar).pdf
Treinamento de NR20 2022 (carregar).pdf
EduardoYujiMarubayas1
 
NR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de Combate
NR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de CombateNR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de Combate
NR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de Combate
Rafael Parish
 
2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx
2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx
2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx
MarcelinoAquino3
 
NR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptxNR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptx
Anderson Fernandes Gomes
 
NR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
NR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e CombustíveisNR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
NR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
SniaCristinadeOlivei1
 
NR 20 Para Instrutores .pptx
NR 20 Para Instrutores .pptxNR 20 Para Instrutores .pptx
NR 20 Para Instrutores .pptx
osorio34
 
NR-20-Curso-Instrutores.pptx
NR-20-Curso-Instrutores.pptxNR-20-Curso-Instrutores.pptx
NR-20-Curso-Instrutores.pptx
cfrseg
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pdf
2-CURSO-NR-20-Básico.pdf2-CURSO-NR-20-Básico.pdf
2-CURSO-NR-20-Básico.pdf
AntonioFranciscodoCa
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point
HenriqueSilva511668
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
klezioportes
 
Curso nr 20
Curso nr 20Curso nr 20
Curso nr 20
Tecpreve Tecpreve
 
Cursonr20 intermedirio-160514211313
Cursonr20 intermedirio-160514211313Cursonr20 intermedirio-160514211313
Cursonr20 intermedirio-160514211313
EVALDO JUNIO SILVA DA GAMA
 
Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)
Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)
Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)
Tecpreve Tecpreve
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
AndressaHonorato3
 
CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...
CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...
CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...
ssuser53807a
 
NR-20 SLIDER.pdf
NR-20 SLIDER.pdfNR-20 SLIDER.pdf
NR-20 SLIDER.pdf
CelioRobertoRoberto1
 
SEGURANÇA.pptx
SEGURANÇA.pptxSEGURANÇA.pptx
SEGURANÇA.pptx
adao18
 
Nr20 trein treinamento-nr-20tst
Nr20 trein treinamento-nr-20tstNr20 trein treinamento-nr-20tst
Nr20 trein treinamento-nr-20tst
RogrioTorresTorres
 

Semelhante a Treinamento nr 20 completo (20)

NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptxNR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
 
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptxNR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
NR 20 SEGURANÇA COM INFLAMAEIS E COMBUSTIVEIS 2.pptx
 
Treinamento de NR20 2022 (carregar).pdf
Treinamento de NR20 2022 (carregar).pdfTreinamento de NR20 2022 (carregar).pdf
Treinamento de NR20 2022 (carregar).pdf
 
NR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de Combate
NR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de CombateNR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de Combate
NR - 20 APN_Costa_do _Sauipe.ppt.Curso_basico_de Combate
 
2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx
2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx
2-CURSO-NR-20- 12345Básico prevenção.pptx
 
NR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptxNR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptx
 
NR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
NR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e CombustíveisNR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
NR 20 Segurança e Saude do Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis
 
NR 20 Para Instrutores .pptx
NR 20 Para Instrutores .pptxNR 20 Para Instrutores .pptx
NR 20 Para Instrutores .pptx
 
NR-20-Curso-Instrutores.pptx
NR-20-Curso-Instrutores.pptxNR-20-Curso-Instrutores.pptx
NR-20-Curso-Instrutores.pptx
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pdf
2-CURSO-NR-20-Básico.pdf2-CURSO-NR-20-Básico.pdf
2-CURSO-NR-20-Básico.pdf
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx capacitação power point
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
 
Curso nr 20
Curso nr 20Curso nr 20
Curso nr 20
 
Cursonr20 intermedirio-160514211313
Cursonr20 intermedirio-160514211313Cursonr20 intermedirio-160514211313
Cursonr20 intermedirio-160514211313
 
Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)
Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)
Cursonr20 intermedirio-160514211313 (3)
 
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
2-CURSO-NR-20-Básico.pptx
 
CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...
CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...
CURSO NR 20 BASICO SEGURANÇA E SAUDE NO TRABALHO COM INFLAMAVEIS E LIQUIDOS C...
 
NR-20 SLIDER.pdf
NR-20 SLIDER.pdfNR-20 SLIDER.pdf
NR-20 SLIDER.pdf
 
SEGURANÇA.pptx
SEGURANÇA.pptxSEGURANÇA.pptx
SEGURANÇA.pptx
 
Nr20 trein treinamento-nr-20tst
Nr20 trein treinamento-nr-20tstNr20 trein treinamento-nr-20tst
Nr20 trein treinamento-nr-20tst
 

Treinamento nr 20 completo

  • 1. NR - 20 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS
  • 2. OBJETIVOS DA NORMA 20.1 - Esta Norma Regulamentadora estabelece requisitos mínimos para a gestão da Segurança e Saúde no trabalho contra fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de extração, produção, armazenamento, transferência, manuseio e manipulação de inflamáveis e líquidos combustíveis.
  • 3. INTRODUÇÃO 20.1.1 Esta NR estabelece requisitos mínimos para a GESTÃO da Segurança e Saúde no Trabalho contra os fatores de risco de acidentes provenientes das atividades de extração, produção, armazenamento, transferência, manuseio e manipulação de inflamáveis e líquidos combustíveis. GESTÃO: política, planejamento, organização, auditoria,....(PDCA) Armazenamento - retenção de uma quantidade de inflamáveis (líquidos e/ou gases) e líquidos combustíveis em uma instalação fixa, em depósitos, reservatórios de superfície, elevados ou subterrâneos. Retenção de uma quantidade de inflamáveis, envasados ou embalados, em depósitos ou armazéns. Transferência - Atividade de movimentação de inflamáveis entre recipientes, tais como tanques, vasos, tambores, bombonas e similares, por meio de tubulações. Manuseio - Atividade de movimentação de inflamáveis contidos em recipientes, tanques portáteis, tambores, bombonas, vasilhames, caixas, latas, frascos e similares. Ato de manusear o produto envasado, embalado ou lacrado. Manipulação - Ato ou efeito de manipular. Preparação ou operação manual com inflamáveis, com finalidade de misturar ou fracionar os produtos. Considera-se que há manipulação quando ocorre o contato direto do produto com o ambiente.
  • 4. OBJETIVOS DA NORMA 20.2 - Esta NR se aplica às atividades de ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO, PRODUÇÃO, ARMAZENAGEM, TRANSFERÊNCIA, MANUSEIO E MANIPULAÇÃO DE: • Inflamáveis (gases e líquidos). • Líquidos Combustíveis. Exceção: •Plataformas e instalações de apoio empregadas com a finalidade de exploração, produção de petróleo e gás (OFF SHORE). •Edificações unifamiliares.
  • 5. 20.3 - Definições: DOS LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS: Anterior (Portaria 3.214/78): 16.7 - Para efeito desta Norma Regulamentadora (NR) considera-se combustível liquido todo aquele que possua ponto de fulgor igual ou superior a 70 º C (Setenta graus centígrados) e inferior a 93.3 º C. 20.2.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora, fica definido "líquido inflamável" como todo aquele que possua ponto de fulgor inferior a 70ºC (setenta graus centígrados) e pressão de vapor que não exceda 2,8 kg/cm2 absoluta a 37,7ºC (trinta e sete graus e sete décimos de graus centígrados).
  • 6. 20.3 - Definições: DOS LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS: Atual (Portaria SIT n.° 308/2012): •20.3.1 Líquidos inflamáveis: são líquidos que possuem ponto de fulgor ≤ 60º C. •20.3.2 Gases inflamáveis: gases que inflamam com o ar a 20º C e a uma pressão padrão de 101,3 kPa. •20.3.3 Líquidos combustíveis: são líquidos com ponto de fulgor > 60º C e ≤ 93º C.
  • 7. NR 20 (3214/78) • NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis 20.1 Líquidos combustíveis. 20.2. Líquidos inflamáveis. 20.3. Gases Liquefeitos de Petróleo - GLP. 20.4 Outros gases inflamáveis. • Segurança “baseada em distâncias” (tabelas) • Defasada do “estado da arte” • Ineficaz na prevenção de acidentes com inflamáveis e combustíveis • Critérios para classificação de inflamáveis desatualizados • Não abrangia todos os Gases Inflamáveis (somente GLP) • Desatualizada dos marcos legais internacionais sobre o assunto
  • 8. NR 20 (Portaria 308/2012) • Articulada e utiliza conceitos de NRs e NBRs: 4 (SESMT) – Análise de Riscos 5 (CIPA) – Inspeção no ambiente de trabalho 7 (PCMSO) – Riscos Psicossociais 9 (PPRA) – Articulação e Anexo I 10 (ELETRICIDADE) – Áreas Classificadas 12 (MÁQUINAS) – Manuais, Inspeção e Manutenção 26 (SINALIZAÇÃO e GHS) – Definições, sinalização 33 (ESPAÇOS CONFINADOS) – Proficiência, Riscos Psicossociais
  • 10. Quando um corpo combustível é aquecido, ele atinge diferentes estágios da temperatura, os quais são conhecidos por: • Ponto de fulgor; • Ponto de Combustão (inflamação); • Ponto de ignição. Considerações
  • 11. DEFINIÇÕES : Ponto de Fulgor . O ponto de fulgor é a menor temperatura, na qual, uma substância libera vapores, em quantidades suficientes para que a mistura de vapor e ar propague uma chama logo acima de sua superfície, a partir do contato com uma fonte de ignição. Por exemplo: Ponto de Fulgor considerando-se que, em um determinado local, a temperatura ambiente seja de 25 °C e que esteja ocorrendo o vazamento de uma substância cujo ponto de fulgor seja de 15 °C, isto significa que, nessas condições, essa substância estará liberando vapores inflamáveis, bastando, apenas, uma fonte de ignição para que haja a ocorrência de um incêndio ou de uma explosão
  • 12. DEFINIÇÕES : Ponto de Combustão É a temperatura mínima necessária para que um combustível desprenda vapores ou gases inflamáveis que, combinados com o oxigênio do ar e ao entrar em contato com uma chama, se inflamam, e, mesmo que se retire a chama, o fogo não se apaga, pois essa temperatura faz gerar, do combustível, vapores ou gases suficientes para manter o fogo ou a transformação em cadeia.
  • 14. DEFINIÇÕES : Ponto de Ignição É aquela em que os gases desprendidos dos combustíveis entram em combustão apenas pelo contato com o oxigênio do ar, independente de qualquer fonte de calor. Exemplo de fontes de ignição: chamas-vivas; superfícies quentes; automóveis, os caminhões e outros veículos automotores; cigarros acesos; interruptores de força e luz; lâmpadas, reatores; motores elétricos; faíscas, produzidas por atrito; eletricidade estática. Assim sendo, na presença de produtos inflamáveis, é de fundamental importância o controle das referidas FONTES DE IGNIÇÃO
  • 15. EXEMPLOS DE PONTO DE FULGOR Principais pontos e temperaturas de alguns combustíveis ou inflamáveis Combustíveis Inflamáveis Ponto de Fulgor Temperatura de Ignição Álcool etanol Gasolina Querosene aviação Diesel 16,6° C <- 43,0° C > 60,0º C > 62,0°C 363,0°C 257,0°C 210,0°C 210,0°C
  • 16. 20.4 Classificação das Instalações Classe I a) Quanto à atividade: a.1 - postos de serviço com inflamáveis e/ou líquidos combustíveis. b) Quanto à capacidade de armazenamento, de forma permanente e/ou transitória: b.1 - gases inflamáveis: acima de 2 ton até 60 ton; b.2 - líquidos inflamáveis e/ou combustíveis: acima de 10 m³ até 5.000 m³. Classe II a) Quanto à atividade: a.1 - engarrafadoras de gases inflamáveis; a.2 - atividades de transporte dutoviário de gases e líquidos inflamáveis e/ou combustíveis. b) Quanto à capacidade de armazenamento, de forma permanente e/ou transitória: b.1 - gases inflamáveis: acima de 60 ton até 600 ton; b.2 - líquidos inflamáveis e/ou combustíveis: acima de 5.000 m³ até 50.000 m³. Classe III a) Quanto à atividade: a.1 - refinarias; a.2 - unidades de processamento de gás natural; a.3 - instalações petroquímicas; a.4 - usinas de fabricação de etanol e/ou unidades de fabricação de álcool. b) Quanto à capacidade de armazenamento, de forma permanente e/ou transitória: b.1 - gases inflamáveis: acima de 600 ton; b.2 - líquidos inflamáveis e/oua atividade tem prioridade sobre a capacidade de armazenamento combustíveis: acima de 50.000 m³.
  • 17. 20.4 Classificação das Instalações Nota: A atividade tem prioridade sobre a capacidade de armazenamento
  • 18. 20.4 Classificação das Instalações 20.4.1.1 Para critérios de classificação, o tipo de atividade enunciada possui prioridade sobre a capacidade de armazenamento. 20.4.1.2 Quando a capacidade de armazenamento da instalação se enquadrar em duas classes distintas, por armazenar líquidos inflamáveis e/ou combustíveis e gases inflamáveis, deve-se utilizar a classe de maior gradação. 20.4.2 Esta NR estabelece dois tipos de instalações que constituem exceções e estão definidas no Anexo I, não devendo ser aplicada a Tabela 1.
  • 19. EXEMPLOS DE CLASSIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES Classe I Classe II Classe III Exceções à Classificação Pequena quantidade - Gases inflamáveis acima1 ton até 2 ton - Líquidos inflamáveis e/ou combustíveis e acima de 1 m³ até 10 m³ Armazenamento envazados em instalações varejistas e atacadistas - (lacrados) até 20 litros
  • 21. Exemplo: Parque de tanques com líquidos inflamáveis e combustíveis – capacidade de armazenamento de 15.000 m3
  • 22. Exemplo: depósito com capacidade de armazenamento de GLP de 30 ton
  • 23. 20.5 - Projeto da Instalação Projetadas considerando os aspectos de segurança, saúde e meio ambiente que impactem sobre a integridade física dos trabalhadores previstos nas Normas Regulamentadoras, normas técnicas nacionais e, na ausência ou omissão destas, nas normas internacionais, convenções e acordos coletivos, bem como nas demais regulamentações pertinentes em vigor . PROJETOS DAS INSTALAÇÕES EXISTENTES devem ser atualizados com a utilização de metodologias de análise de riscos para a identificação da necessidade de adoção de medidas de proteção complementares.
  • 24. 20.6 - Segurança na Construção e Montagem A construção e montagem devem observar as especificações previstas no projeto, bem como nas Normas Regulamentadoras e nas normas técnicas nacionais e, na ausência ou omissão destas, nas normas internacionais •Inspeções e testes realizados na fase de construção e montagem e no comissionamento documentados •Equipamentos e instalações identificados e sinalizados
  • 25. 20.7 - Segurança Operacional Elaborar, documentar, implementar, divulgar e manter atualizados PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS em conformidade com as especificações do projeto das instalações classes I, II e III e com as recomendações das análises de riscos
  • 26. 20.8 - Manutenção e Inspeção das Instalações PLANO DE INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO devidamente documentado a) equipamentos, máquinas, tubulações e acessórios, instrumentos; b) tipos de intervenção; c) procedimentos de inspeção e manutenção; d) cronograma anual; e) identificação dos responsáveis; f) especialidade e capacitação do pessoal de inspeção e manutenção; g) procedimentos específicos de segurança e saúde; h) sistemas e equipamentos de proteção coletiva e individual.
  • 27. 20.9 - Inspeções e Segurança •Instalações classes I, II e III: periodicamente INSPECIONADAS com enfoque na segurança e saúde no ambiente de trabalho •Elaborado, em articulação com a CIPA, CRONOGRAMA DE INSPEÇÕES em segurança e saúde no ambiente de trabalho • INSPEÇÕES documentadas e as respectivas recomendações implementadas, com estabelecimento de prazos e de responsáveis pela sua execução
  • 28. 20.10 - Análise de Riscos Metodologia: função dos propósitos da análise e das características e complexidade da instalação (APR); • Coordenadas por profissional habilitado ; • Elaboradas por equipe multidisciplinar, com no mínimo um trabalhador com experiência na instalação/parte objeto da análise ; • Articulação com o PPRA
  • 29. 20.11 - Capacitação dos Trabalhadores - Critérios Trabalhadores que laboram em instalações classes I, II ou III e NÃO adentram na área ou local de extração, produção, armazenamento, transferência, manuseio e manipulação de inflamáveis e líquidos combustíveis devem receber informações sobre os perigos, riscos e sobre procedimentos para situações de emergências. Trabalhadores que adentram na área e mantém contato direto com o processo ou processamento •Cursos: Integração - 4h Básico - 8h Intermediário - 16h Avançado I - 24h Avançado II - 32h Específico - 16h
  • 30. 20.11 - Capacitação dos Trabalhadores - Critérios
  • 31. Exemplo: INSTALAÇÃO CLASSE II Telefonista – receber informações Operador – AVANÇ 1 SST - ESPECIF Laboratorista - BÁSIC Vigilante - INTEGR Manutenção - INTERMED
  • 32. 20.11 - Capacitação dos Trabalhadores - Critérios
  • 39. INFLAMÁVEIS - RISCOS • Queimam com facilidade; • Podem produzir atmosferas explosivas em locais com deficiência de ventilação; • Um derrame de líquido inflamável pode gerar um incêndio que irá se movimentar, acompanhando o desnível existente no piso; • Incêndios em líquidos normalmente são mais difíceis de serem combatidos do que em materiais sólidos, visto que é necessário extinguir o fogo toda superfície atingida. • A projeção violenta do agente extintor sobre um líquido inflamado pode provocar respingos ou seu transbordamento, cuja conseqüência poderá ser a propagação do incêndio; • Em caso de gases, quando não é possível cortar o suprimento, o vazamento seguirá gerando maiores volumes de mistura inflamável, que fatalmente encontrará uma fonte de ignição em suas proximidades, provocando uma explosão
  • 40. INFLAMÁVEIS - CONTROLES • Ventilação adequada no ambiente; • Isolando adequadamente processos ou operações auxiliares consideradas perigosas (ambientes externos ou compartimentados); • Evitando fontes de ignição nas proximidades (centelhas produzidas por aparelhos ou instalações elétricas; cigarro; faíscas; descargas eletrostáticas; superfícies quentes, raios, etc); •Todas as instalações elétricas e equipamentos elétricos fixos, móveis e portáteis, equipamentos de comunicação, ferramentas e similares utilizados em áreas classificadas; O empregador deve implementar medidas específicas para controle da geração, acúmulo e descarga de eletricidade estática em áreas sujeitas à existência de atmosferas inflamáveis (mapeamento eletrostático)
  • 41. INFLAMÁVEIS - CONTROLES • Os trabalhos envolvendo o uso de equipamentos que possam gerar chamas, calor ou centelhas, nas áreas sujeitas à existência de atmosferas inflamáveis, devem ser precedidos de permissão de trabalho; •O empregador deve sinalizar a proibição do uso de fontes de ignição nas áreas sujeitas à existência de atmosferas Inflamáveis; •Os veículos que circulem nas áreas sujeitas à existência de atmosferas inflamáveis devem possuir características apropriadas ao local e ser mantidos em perfeito estado de conservação.
  • 42. PREVENÇÃO DE INCÊNDIO - CONTROLE TRABALHOS COM SOLDA E LIXADEIRA Controlar fontes de ignição
  • 44. Controles - SINALIZAÇÕES Placas de Advertência Cones de vento (birutas) Alarmes de Sensor Sinalizadores Luminosos
  • 46. É PROIBIDO  Portar celular na Área Industrial;  Fumar em toda Área Industrial, em veículos,salas de controle ,etc...;
  • 47. DISPOSIÇÕES FINAIS (ITEM 20.20) O empregador deve interromper e corrigir as atividades sem situação de risco grave e iminente; Os trabalhadores, com base em sua capacitação e experiência, devem interromper suas tarefas, exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.
  • 48. PROCEDIMENTO EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA EM CASOS DE EMERGÊNCIA NO TERMINAL, PROCEDER DA SEGUINTE MANEIRA: 1- COMUNICAR A OCORRÊNCIA PELO RAMAL de Emergências OU PELO RÁDIO TRANSMISSOR; 2- COMUNICAR AO SMS , FISCALIZAÇÃO; 3- CASO TENHA QUE ABANDONAR O CANTEIRO, SIGA AS ORIENTAÇÕES DO PESSOAL DA BRIGADA; 4 – SEGUIR O PAE (Plano de Atendimento a Emergências) DA CONTRATANTE, OU NO CASO SEGUIR O PAE DA EMPRESA CONTRATADA.
  • 50. EMERGÊNCIA QUAL O RAMAL A CONTATAR ?? MÉDICAOPERACIONAL
  • 51. Em caso de dúvida “PARE” e consulte seu supervisor
  • 52. PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS REALIZAÇÃO DE SIMULADOS DE EMERGÊNCIA 20.14.4 O plano de resposta a emergências deve ser avaliado após a realização de exercícios simulados e/ou na ocorrência de situações reais, com o objetivo de testar a sua eficácia, detectar possíveis falhas e proceder aos ajustes necessários; 20.14.5.1 Os trabalhadores na empresa devem estar envolvidos nos exercícios simulados, que devem retratar, o mais fielmente possível, a rotina de trabalho.
  • 54. SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO – DIAMANTE DE HOMMEL  Losango azul – saúde;  Losango vermelho – inflamabilidade;  Losango amarelo – reatividade;  Losango branco – informações especiais Obs.: Losango preenchido com números de 0 à 4 conforme grau de risco em questão.
  • 56. SÍMBOLOS DE RISCO Comburente: desprendem oxigênio e favorecem a combustão. Podem inflamar combustíveis ou acelerar a propagação de incêndio Corrosivo: causa destruição visível ou mudanças permanentes à pele humana no local de contato, ou é altamente corrosivo ao aço. Explosivo: causa uma liberação instantânea de pressão, gás e calor quando submetido a choque mecânico, pressão ou temperatura elevada. Perigoso para o meio ambiente: Causa dano reversível ou permanente à fauna e flora. Inflamável: sólido, líquido ou gás comprimido que tem um ponto de fulgor menor do que 60ºC. Nocivo ou irritante: podem promover irritação sobre a pele, olhos e trato respiratório, ou, por inalação, absorção ou ingestão, produzir efeito de menor gravidade. Tóxico: ao ser introduzido no organismo por inalação, absorção ou ingestão, pode causar efeitos graves e/ou mortais. Biológico: microorganismos, vírus ou toxinas de origem biológica que causam impacto na saúde humana ou de animais.
  • 58. Segurança no manuseio de produtos químicos  Todas as substâncias são venenosas. Não há uma que não seja. A dose certa é que diferencia um veneno de um remédio. “Paracelsus”
  • 60. Atmosfera explosiva:  Mistura com ar, sob condições atmosféricas, de substâncias inflamáveis na forma de gás, vapor, névoa e substâncias combustíveis na forma de poeira ou fibra, na qual, após a ignição, a combustão se propaga através da mistura não consumida. Áreas classificadas:  Áreas nas quais uma atmosfera explosiva está presente ou na qual é provável sua ocorrência, a ponto de exigir precauções especiais para construção, instalação e utilização de equipamento elétrico. Definições de acordo com a Norma NBR NM IEC 60050-426 – Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas – Terminologia Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
  • 61. Locais com possibilidade de existência de áreas contendo Atmosferas Explosivas, ocasionando Áreas Classificadas:  Plataformas Offshore para prospecção de petróleo  Refinarias de Petróleo  Terminais de Armazenamento de Petróleo e derivados  Indústrias químicas e petroquímicas (tintas, vernizes, cosméticos, plásticos e resinas)  Indústrias Farmacêuticas  Indústrias Alcooleiras  Tanques de armazenamento de combustíveis de navios e aviões  Aeroportos  Postos de gasolina  Caminhões de transporte de produtos químicos inflamáveis ou gases liquefeitos  Industria automotiva (Sala de mistura de tintas) Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
  • 62. Triângulo do Fogo  Numa atmosfera explosiva as instalações elétricas devem ser projetadas e executadas de forma a não serem a causa de uma explosão, que pode ser devida a arcos ou faíscas, ou ainda a uma temperatura excessiva das superfícies dos equipamentos elétricos em contato com a atmosfera Ex  Equipamentos elétricos para serem instalados em áreas classificadas, necessitam possuir características construtivas apropriadas.  O objetivo de prover um equipamento elétrico com um tipo específico de proteção é o de eliminar ou isolar a fonte de ignição, evitando a ocorrência simultânea dos 3 componentes necessários para que ocorra a explosão. Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
  • 63. ZONA 0 Local onde a ocorrência de mistura inflamável / explosiva é contínua (freqüência de ocorrência maior do que 1000 horas / ano) ZONA 1 Local onde a ocorrência de mistura inflamável / explosiva é provável de acontecer em condições normais de operação do equipamento de processo (freqüência de ocorrência entre 10 horas e 1000 horas por ano) ZONA 2 Local onde a ocorrência de mistura inflamável / explosiva é pouco provável de acontecer, e se acontecer, é por curtos períodos, e está associada à operação anormal do equipamento de processo (freqüência de ocorrência até 10 horas /ano) Classificação de Áreas: ZONA – Grupo – Temperatura (NBR IEC)
  • 64. Depressão Piso Exemplo de extensão de Classificação de Áreas em Refinarias de Petróleo FONTE DE RISCO: GÁS MAIS PESADO QUE O AR EM AMBIENTE VENTILADO Zona 2 Zona 1 Extensão de Zona 2 Fonte de Risco
  • 65. Figura Ilustrativa: Exemplo de Classificação de Áreas Zona 0 Zona 1 Zona 2Zona2
  • 67. Ex ‘’d’’ À prova de explosão  Equipamento que está encerrado por um invólucro capaz de suportar a pressão de explosão interna, e não permitir que a energia resultante desta explosão se propague para o meio externo, através de qualquer junta ou abertura estrutural, evitando a propagação desta explosão  Tipo de proteção aplicável em Zona 1 e em Zona 2. Tipo de Proteção Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas
  • 68. Ex ‘’d’’ - À prova de explosão Exemplos de Instalação Painel Local com controle, intertravamento e sinalização CCM de campo - 480 V Comando de motores 3Ø. Caixas metálicas contendo disjuntores, contatores, reles térmicos, TP’s e bornes terminais
  • 69. Ex ‘’i’’ Segurança Intrínseca  Um circuito é intrinsecamente seguro quando o mesmo não é capaz de liberar energia elétrica (faísca) ou térmica suficiente para, em condições normais (exemplo: comando abertura e fechamento do circuito) ou anormais (exemplo: curto-circuito no cabo ou no instrumento de campo), causar ignição de uma atmosfera explosiva. O circuito Ex-i é composto por: instrumento de campo, cabos de interligação e componente associado (barreira/isolador galvânico).  Tipo de proteção aplicável em Zona 0, Zona 1 e Zona 2. Tipo de Proteção
  • 70. Exemplos de instalação Segurança Intrínseca – Ex ‘’i’’ • Transmissores de campo • Prensa cabos plásticos e cabos na cor azul • Painel Local de Controle (ao fundo) Armário de Barreiras/Rearranjo instalado em Área Segura (na Casa de Controle Local)
  • 72. Introdução 1.As empresas que trabalham com inflamáveis e combustíveis estão propensas a grandes acidentes. 2.Um sistema de gestão de riscos de processo é vital para a sustentabilidade do negócio. 3.A sistemática de PT é um elemento importante no sistema de gestão de riscos.
  • 73. Pesquisa do HSE (Health and Safety Executive - UK) 1/3 dos acidentes em indústrias químicas estavam relacionados com atividades de manutenção. Causa importante : falta ou deficiência da sistemática de PT Estudo em pequenas e médias indústrias químicas: • 2/3 das empresas não estavam checando o sistema de PT adequadamente. • 2/3 das PT não identificavam adequadamente os riscos potenciais • 50% dos isolamentos de sistemas, equipamentos de processo, equipamentos elétricos são inadequados. • 1/3 das PT´s não deixam claro qual tipo de EPIs são necessários. • 25% das PT´s não trata adequadamente o retorno formal após término da manutenção.
  • 74. 20.8. Manutenção e Inspeção das Instalações 20.8.8 Deve ser elaborada permissão de trabalho para atividades não rotineiras de intervenção nos equipamentos, baseada em análise de risco, nos trabalhos: a)que possam gerar chamas, calor, centelhas ou ainda que envolvam o seu uso; b) em espaços confinados, conforme Norma Regulamentadora nº 33; c) envolvendo isolamento de equipamentos e bloqueio/etiquetagem; d) em locais elevados com risco de queda; e) com equipamentos elétricos, conforme Norma Regulamentadora nº 10; f) cujas boas práticas de segurança e saúde recomendem.
  • 75. O que é uma Sistemática de Permissão para Trabalho? É um sistema formal, por escrito, usado para controlar certos tipos de trabalhos que são potencialmente perigosos. A autorização de trabalho é um documento que especifica o trabalho a ser feito e as precauções a tomar É parte essencial em sistema de gerenciamento de riscos nas atividades de manutenção em instalações que utilizam inflamáveis/combustíveis
  • 77. O que é uma Sistemática de Permissão para Trabalho?  A PT permite que o trabalho somente possa ser iniciado após adotado procedimentos seguros e que os riscos previsíveis tenham sidos considerados  A PT é necessária quando o serviço de manutenção somente pode ser realizado se as salvaguardas normais não possam ser consideradas ou que sejam introduzidos novos perigos pelo trabalho.  Exemplo: serviços de solda ou corte, esmerilhamento, movimentação de cargas,...
  • 78. Treinamento “A sistemática de PT será tão boa quanto a competência das pessoas que a utiliza” O treinamento é recomendado para : emitentes de PTs encarregado pelo trabalho (Líder ou Supervisor dos executantes) executantes
  • 79. Análise riscos - Elemento chave na Sistemática de PT Pode ser realizada pelo emitente em conjunto com o requisitante com apoio de check-list Havendo complexidade no trabalho pode ser feita por equipe de especialistas Considerar perigos do ambiente, da instalação e da atividade Perigos de processo e ocupacionais
  • 80. Validade /Revalidação As PTs são válidas para o turno de trabalho dos executantes Havendo troca de turno do emitente a PT deve ser revalidada Na revalidação o novo emitente deve tomar ciência do trabalho, precauções, proteções necessárias , equipe de executantes com o emitente anterior O novo emitente deve reavaliar os perigos na frente de trabalho, e após fazer a revalidação Também pode-se cancelar a PT atual e se emitir nova PT
  • 81. Suspensão  Ocorrência de emergência  Evitar interação com outra atividade  Serviço parado por mais de 2 horas  Descumprimento do previsto na PT
  • 82. Fechamento da PT No término do serviço as cópias das PTs devem ser reunificadas e retornar ao ponto de emissão ( 2 a 3 vias) Emitente e requisitante , após avaliação do local do serviço, atestam na PT que;  Trabalho foi concluído satisfatoriamente  Área do entorno limpa e organizada Emitente e requisitante assinam , encerrando a PT Uma das vias é encaminhada para arquivo
  • 87. DINÂMICA DE GRUPO – ANÁLISE DE RISCOS
  • 88. Analisar os riscos de um posto de combustível
  • 90. Elaborado por: Emerson Queiroz Aquino Técnico de Segurança do Trabalho Montes Claros/MG emersonmensin@gmail.com (38) 99806-7173/ 99170-7389