SlideShare uma empresa Scribd logo
ENERGIA NUCLEAR
         A energia nuclear é a energia libertada durante a fusão ou fissão do núcleo atómico. A
quantidade de energia que pode ser obtida através destes processos excede largamente aquela
que pode ser obtida através de processos químicos que envolvem apenas as regiões externas dos
núcleos, ou seja, envolvem apenas as ligações intermoleculares e não as intramoleculares. Um
átomo de um elemento é dividido produzindo dois átomos de menores dimensões de elementos
diferentes. Dois átomos de pequenas dimensões combinam-se originando um átomo de maiores
dimensões, constituindo um elemento diferente. Em ambos os processos, a massa dos produtos
(elementos finais) é inferior à massa dos elementos iniciais, sendo a diferença convertida em
energia. A fissão de 1 Kg de urânio 235 liberta uma média de 2,5 neutrões por cada núcleo
dividido. Por sua vez, estes neutrões vão rapidamente causar a fissão de mais átomos, que irão
libertar mais neutrões e assim sucessivamente, iniciando uma auto-sustentada série de fissões
nucleares, que se dá o nome de reacção em cadeia, que resulta na libertação contínua de energia.
O potencial, quer da fissão, quer da fusão, é tão grande que da reacção espontânea deste mesmo
1 Kg de material, resulta a devastosa explosão de energia de uma bomba atómica. O ritmo de
desintegração é mais rápido quando há uma grande quantidade de material presente, e o tempo
que metade do material leva a desintegrar-se radioactivamente é conhecido por “meia-vida”.
Metade do restante material desintegrar-se-á durante outra meia-vida, 50 por cento do restante
noutra meia-vida e assim sucessivamente. Os materiais intensamente radioactivos tendem a ter
meias-vidas curtas, enquanto os menos radioactivos podem ter meias-vidas de milhares de anos.
Uma das leis da natureza é que a energia não pode ser criada nem destruída, mas apenas mudar a
forma. A massa dos corpos pode ser transformada em energia, com diz o famoso cientista Albert
Einstein que criou a seguinte fórmula matemática: E=mc2, significa que a energia (E) é igual á
massa (m) vezes a velocidade da luz (c) ao quadrado. Os cientistas usaram a fórmula de Einstein
para descobrir a energia nuclear e construir bombas atómicas. Segundo os antepassados gregos a
partícula mais da natureza era o átomo. Eles não chegaram a conhecer a natureza das partículas
que constituem o átomo. Tal como os átomos são constituídos por um núcleo (que contém
neutrões e protões) cercado de electrões que giram à volta deste tal como a terra gira à volta do
sol.
FISSÃO NUCLEAR: A fissão nuclear significa separar o núcleo dos átomos. Quando isto acontece dá-se
uma tremenda reacção química libertando grande quantidade de energia luminosa e calorífica.
Quando o núcleo do átomo é separado lentamente, a energia gerada pode ser transformada em
energia eléctrica. Se a fissão nuclear for brusca dá-se uma explosão criando-se assim a bomba
atómica. Numa centra nuclear os átomos do urânio são separados. Este metal raro é extraído do
subsolo através de minas. O urânio é trabalhado e repartido por pequenas balas colocadas num
longo varão. O varão esta dentro de um reactor que controla a separação atómica e a sua reacção.

Geralmente, a radiação refere-se a ondas ou partículas de alta energia emitidas por fontes naturais
ou artificiais (geradas pelo homem). As lesões dos tecidos podem ser provocadas por uma breve
exposição a altos valores de radiação ou então por uma exposição prolongada a baixos níveis.
Alguns efeitos adversos da radiação duram pouco tempo. Outros provocam doenças crónicas. Os
primeiros efeitos de doses elevadas tornam-se óbvios em questão de minutos ou nos dias
posteriores à exposição. Outros efeitos só são evidentes semanas, meses e até anos depois. As
mutações do material genético celular dos órgãos sexuais só se podem tornar evidentes se a
pessoa exposta à radiação tiver filhos. Essas crianças podem nascer com defeitos genéticos.

Causas: No passado, as fontes prejudiciais de radiação incluíam só os raios X e os materiais
radioactivos naturais, como o urânio e o rádio. Os raios X, que actualmente se utilizam para os
testes de diagnóstico, provocam muito menos efeitos radioactivos do que os utilizados no passado.
As fontes mais comuns de exposição a altos valores de radiação são os materiais radioactivos
elaborados pelo homem, que se utilizam em diversos tratamentos médicos, laboratórios científicos,



                                                                                                      2
indústrias e reactores de energia nuclear. Escaparam, acidentalmente, grandes quantidades de
radiação das centrais de energia nuclear, como a de Three Mile Island, na Pensilvânia (EUA), em
1979, e a de Chernobyl (Ucrânia), em 1986. O acidente de Three Mile Island não provocou uma
grande exposição radioactiva. De facto, as pessoas que viviam a uma distância aproximadamente
de 1,5 km da central receberam menos radiação do que a quantidade de raios X que qualquer
pessoa, em média, recebe num ano. No entanto, as pessoas que viviam perto da central de
Chernobyl foram expostas a muito mais radioactividade. Mais de 30 afectados morreram e muitos
outros sofreram ferimentos. A radiação desse acidente chegou à Europa, à Ásia e aos Estados
Unidos.

 Radioactividade é um fenómeno natural ou artificial, pelo qual algumas substâncias ou elementos
químicos, chamados radioactivos, são capazes de emitir radiações, as quais têm a propriedade de
impressionar placas fotográficas, ionizar gases, produzir fluorescência, atravessar corpos opacos à
luz ordinária, etc. As radiações emitidas pelas substâncias radioactivas são principalmente
partículas alfa, partículas beta e raios gama.

APLICAÇÃO DA ENERGIA NUCLEAR: NA SAÚDE
 A radioactividade é uma forma de energia nuclear, usada em medicina (radioterapia), e consiste
no fato de alguns átomos como os do urânio, rádio e tório serem “instáveis”, perdendo
constantemente partículas alfa, beta e gama. Uma ferramenta importante no tratamento e
diagnóstico de doenças são os radiofármacos, que são obtidos a partir de radioisótopos produzidos
em reatores nucleares ou em aceleradores de partículas. Esses radioisótopos são, em geral,
associados a substâncias químicas (fármacos) que se associam a órgãos ou tecidos específicos do
corpo humano. Na medicina nuclear, os radiofármacos são injectados no paciente, concentrando-
se no local a ser examinado e emitindo radiação, que, por sua vez, é detectada no exterior do
corpo por um detector apropriado, que pode transformar essa informação em imagens, permitindo
ao médico observar o funcionamento daqueles órgãos.

APLICAÇÕES NUCLEARES NA INDÚSTRIA,
AGRICULTURA E ALIMENTOS

 É muito variada e extensa a gama de aplicações da radiação e dos radioisótopos na indústria.
Destacam-se, principalmente, a esterilização de produtos farmacêuticos, beneficiamento de
materiais poliméricos, melhorando as suas propriedades, o controle de processo industriais
(utilização de traçadores e utilização de fontes seladas), a cura de tintas e vernizes, o
beneficiamento de gemas e outras. A irradiação de alimentos vem emergindo como uma técnica
altamente viável para o tratamento sanitário e fitossanitário de vários produtos agrícolas, tais
como, carnes, frutas frescas, especiarias e vegetais.


RISCOS E BENEFICIOS DO USO DA ENERGIE NUCLEAR

O conceito de agricultura sustentável envolve o manejo adequado dos recursos naturais, evitando
a degradação do ambiente de forma a permitir a satisfação das necessidades humanas das
gerações actuais e futuras. Ultimamente, a preocupação da sociedade com o impacto da
agricultura no ambiente e a contaminação da cadeia alimentar com pesticidas vem alterando esse
cenário, expressando-se pela presença de segmentos de mercado ávidos por produtos agrícolas
diferenciados, tanto aqueles produzidos sem uso de pesticidas como por aqueles portadores de
selos informando de que os pesticidas foram utilizados adequadamente.

Como bem dizia o físico Robert Oppenheimer, diretor do projeto Manhattan, que deu origem à
primeira bomba atômica do mundo, “não existe uma energia nuclear para a paz e outra para a
guerra, as duas saem da mesma fonte”. No entanto, esses mecanismos nem sempre funcionam –
vide os inúmeros acidentes que já aconteceram com reatores nucleares. É justamente aí que
mora o perigo.




                                                                                                      2
Opinião: A produção de energia eléctrica em centrais nucleares é mais rentável do que
nas térmicas, mas não tão rentável assim. O investimento numa central nuclear é
enorme porque, além dos requisitos inerentes à produção, a segurança é
importantíssima. Só muitos anos depois é que o investimento tem retorno.
Depois, o principal problema da energia nuclear (além da segurança) é os resíduos, para
os quais ainda não há uma solução. Os resíduos mantêm-se radioactivos por milhares de
anos.




     FORMADOR: Rodrigo Anacleto          FORMANDO: Anisabel santos N: 5 Turma: EFA: 3 S

    ÁREA DE FORMAÇÃO: STcCien. – 2 (t)




Saúde e bem estar               Degradação                     Catástrofe




                                                                                          2
2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trab. Química - Radioatividade
Trab. Química - RadioatividadeTrab. Química - Radioatividade
Trab. Química - Radioatividade
Maria Aliny
 
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médioFisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Diego Aguiar
 
Radioactividade
RadioactividadeRadioactividade
Radioactividade
omaisestupido
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
Gleicy Almeida
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
Welisson Porto
 
Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233
Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233
Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233
Lucas Dal Castel
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
mnmaill
 
Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante
Efeitos Biológicos da Radiação IonizanteEfeitos Biológicos da Radiação Ionizante
Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante
Vanessa Farias
 
Radioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª NíliaRadioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª Nília
ProfªThaiza Montine
 
Radiacoes em MN
Radiacoes em MNRadiacoes em MN
Radiacoes em MN
caduanselmi
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
Camilla Padoan
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
BrunaaParis
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
LAéCiO SaNtO´S
 
Radiobiologia
RadiobiologiaRadiobiologia
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
Douglas Henrique
 
Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13
karinemc18
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
Radioatividade Radioatividade
Radioatividade
Wallef1993
 
Radioatividadegrupo 2
Radioatividadegrupo 2Radioatividadegrupo 2
Radioatividadegrupo 2
Joanez Carlos Silva
 
Aula 07 efeitos da radiação ionizante
Aula 07   efeitos da radiação ionizanteAula 07   efeitos da radiação ionizante
Aula 07 efeitos da radiação ionizante
RAIMUNDO ALEIXO DA SILVA JÚNIOR
 

Mais procurados (20)

Trab. Química - Radioatividade
Trab. Química - RadioatividadeTrab. Química - Radioatividade
Trab. Química - Radioatividade
 
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médioFisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
 
Radioactividade
RadioactividadeRadioactividade
Radioactividade
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233
Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233
Desastres Ambientais - Radioatividade #1010233
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
 
Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante
Efeitos Biológicos da Radiação IonizanteEfeitos Biológicos da Radiação Ionizante
Efeitos Biológicos da Radiação Ionizante
 
Radioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª NíliaRadioatividade - profª Nília
Radioatividade - profª Nília
 
Radiacoes em MN
Radiacoes em MNRadiacoes em MN
Radiacoes em MN
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Radiobiologia
RadiobiologiaRadiobiologia
Radiobiologia
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13Radioatividade 15 08-13
Radioatividade 15 08-13
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Radioatividade
Radioatividade Radioatividade
Radioatividade
 
Radioatividadegrupo 2
Radioatividadegrupo 2Radioatividadegrupo 2
Radioatividadegrupo 2
 
Aula 07 efeitos da radiação ionizante
Aula 07   efeitos da radiação ionizanteAula 07   efeitos da radiação ionizante
Aula 07 efeitos da radiação ionizante
 

Destaque

Qd 100 2005 4 cm dot 5
Qd 100 2005 4 cm dot 5Qd 100 2005 4 cm dot 5
Qd 100 2005 4 cm dot 5Hoàng Ân
 
2.tecido conjuntivo
2.tecido conjuntivo2.tecido conjuntivo
2.tecido conjuntivo
Ana Paula Ribeiro
 
El Cuerpo humano
El Cuerpo humanoEl Cuerpo humano
El Cuerpo humano
Daniela Pace
 
Sistemas
SistemasSistemas
Sistemas
reymer
 
Invasiones Germanas
Invasiones GermanasInvasiones Germanas
Invasiones Germanas
pablorojas.3c
 
The Beatles de Massara y Corio
The Beatles de Massara y CorioThe Beatles de Massara y Corio
The Beatles de Massara y Corio
compasion2007
 
Que importa...
Que importa...Que importa...
Que importa...
guest1f951f
 

Destaque (7)

Qd 100 2005 4 cm dot 5
Qd 100 2005 4 cm dot 5Qd 100 2005 4 cm dot 5
Qd 100 2005 4 cm dot 5
 
2.tecido conjuntivo
2.tecido conjuntivo2.tecido conjuntivo
2.tecido conjuntivo
 
El Cuerpo humano
El Cuerpo humanoEl Cuerpo humano
El Cuerpo humano
 
Sistemas
SistemasSistemas
Sistemas
 
Invasiones Germanas
Invasiones GermanasInvasiones Germanas
Invasiones Germanas
 
The Beatles de Massara y Corio
The Beatles de Massara y CorioThe Beatles de Massara y Corio
The Beatles de Massara y Corio
 
Que importa...
Que importa...Que importa...
Que importa...
 

Semelhante a Todos Os Pratos

Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212
Cakage
 
RADIOATIVIDADE
RADIOATIVIDADERADIOATIVIDADE
RADIOATIVIDADE
pibidmarilia
 
Radioatividade.pptx
Radioatividade.pptxRadioatividade.pptx
Radioatividade.pptx
QuimicaMariaWilza
 
Radiotividade
RadiotividadeRadiotividade
Radiotividade
Escola Costa e Silva
 
Radiação fisica
Radiação fisicaRadiação fisica
Radiação fisica
Ederson Wermeier
 
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdfAula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Andre Luiz Nascimento
 
FUKUSHIMA
FUKUSHIMA FUKUSHIMA
FUKUSHIMA
Stelme Souza
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
fisicaatual
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
Nicole Schneider
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
Claudson
 
Aula De Rx Texto
Aula De Rx TextoAula De Rx Texto
Aula De Rx Texto
AulasParticulares
 
Aplicações pacíficas da Física Nuclear
Aplicações pacíficas da Física NuclearAplicações pacíficas da Física Nuclear
Aplicações pacíficas da Física Nuclear
Maria Teresa Thomaz
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividade
Elyda Santos
 
Radiotividade
RadiotividadeRadiotividade
Radiotividade
Adrianne Mendonça
 
AULA NR 37 IOE
AULA NR 37 IOEAULA NR 37 IOE
AULA NR 37 IOE
Pilar345603
 
ChemistryCookedArt : Energia Nuclear
ChemistryCookedArt : Energia NuclearChemistryCookedArt : Energia Nuclear
ChemistryCookedArt : Energia Nuclear
ChemistryCookedArt
 
energia nuclear.pptx
energia nuclear.pptxenergia nuclear.pptx
energia nuclear.pptx
LeoBean
 
Proteção radiológica
Proteção radiológicaProteção radiológica
Proteção radiológica
Sandro Molter
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
Charles Qmc
 

Semelhante a Todos Os Pratos (20)

Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212Histrico da-radiao1212
Histrico da-radiao1212
 
RADIOATIVIDADE
RADIOATIVIDADERADIOATIVIDADE
RADIOATIVIDADE
 
Radioatividade.pptx
Radioatividade.pptxRadioatividade.pptx
Radioatividade.pptx
 
Radiotividade
RadiotividadeRadiotividade
Radiotividade
 
Radiação fisica
Radiação fisicaRadiação fisica
Radiação fisica
 
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdfAula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
Aula Radioatividade aplicacoes e riscos.pdf
 
FUKUSHIMA
FUKUSHIMA FUKUSHIMA
FUKUSHIMA
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Energia nuclear
Energia nuclearEnergia nuclear
Energia nuclear
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Aula De Rx Texto
Aula De Rx TextoAula De Rx Texto
Aula De Rx Texto
 
Aplicações pacíficas da Física Nuclear
Aplicações pacíficas da Física NuclearAplicações pacíficas da Física Nuclear
Aplicações pacíficas da Física Nuclear
 
Apresentação biofísica da radioatividade
Apresentação biofísica da  radioatividadeApresentação biofísica da  radioatividade
Apresentação biofísica da radioatividade
 
Radiotividade
RadiotividadeRadiotividade
Radiotividade
 
AULA NR 37 IOE
AULA NR 37 IOEAULA NR 37 IOE
AULA NR 37 IOE
 
ChemistryCookedArt : Energia Nuclear
ChemistryCookedArt : Energia NuclearChemistryCookedArt : Energia Nuclear
ChemistryCookedArt : Energia Nuclear
 
energia nuclear.pptx
energia nuclear.pptxenergia nuclear.pptx
energia nuclear.pptx
 
Proteção radiológica
Proteção radiológicaProteção radiológica
Proteção radiológica
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 

Mais de guest3fd4ee

Ingles Formador
Ingles FormadorIngles Formador
Ingles Formador
guest3fd4ee
 
Palavras De Consolu
Palavras De ConsoluPalavras De Consolu
Palavras De Consolu
guest3fd4ee
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
guest3fd4ee
 
Todos Os Pratos
Todos Os PratosTodos Os Pratos
Todos Os Pratos
guest3fd4ee
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
guest3fd4ee
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
guest3fd4ee
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
guest3fd4ee
 
Deveres Dos Consumidores
Deveres Dos ConsumidoresDeveres Dos Consumidores
Deveres Dos Consumidores
guest3fd4ee
 

Mais de guest3fd4ee (8)

Ingles Formador
Ingles FormadorIngles Formador
Ingles Formador
 
Palavras De Consolu
Palavras De ConsoluPalavras De Consolu
Palavras De Consolu
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Todos Os Pratos
Todos Os PratosTodos Os Pratos
Todos Os Pratos
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Deveres Dos Consumidores
Deveres Dos ConsumidoresDeveres Dos Consumidores
Deveres Dos Consumidores
 

Todos Os Pratos

  • 1. ENERGIA NUCLEAR A energia nuclear é a energia libertada durante a fusão ou fissão do núcleo atómico. A quantidade de energia que pode ser obtida através destes processos excede largamente aquela que pode ser obtida através de processos químicos que envolvem apenas as regiões externas dos núcleos, ou seja, envolvem apenas as ligações intermoleculares e não as intramoleculares. Um átomo de um elemento é dividido produzindo dois átomos de menores dimensões de elementos diferentes. Dois átomos de pequenas dimensões combinam-se originando um átomo de maiores dimensões, constituindo um elemento diferente. Em ambos os processos, a massa dos produtos (elementos finais) é inferior à massa dos elementos iniciais, sendo a diferença convertida em energia. A fissão de 1 Kg de urânio 235 liberta uma média de 2,5 neutrões por cada núcleo dividido. Por sua vez, estes neutrões vão rapidamente causar a fissão de mais átomos, que irão libertar mais neutrões e assim sucessivamente, iniciando uma auto-sustentada série de fissões nucleares, que se dá o nome de reacção em cadeia, que resulta na libertação contínua de energia. O potencial, quer da fissão, quer da fusão, é tão grande que da reacção espontânea deste mesmo 1 Kg de material, resulta a devastosa explosão de energia de uma bomba atómica. O ritmo de desintegração é mais rápido quando há uma grande quantidade de material presente, e o tempo que metade do material leva a desintegrar-se radioactivamente é conhecido por “meia-vida”. Metade do restante material desintegrar-se-á durante outra meia-vida, 50 por cento do restante noutra meia-vida e assim sucessivamente. Os materiais intensamente radioactivos tendem a ter meias-vidas curtas, enquanto os menos radioactivos podem ter meias-vidas de milhares de anos. Uma das leis da natureza é que a energia não pode ser criada nem destruída, mas apenas mudar a forma. A massa dos corpos pode ser transformada em energia, com diz o famoso cientista Albert Einstein que criou a seguinte fórmula matemática: E=mc2, significa que a energia (E) é igual á massa (m) vezes a velocidade da luz (c) ao quadrado. Os cientistas usaram a fórmula de Einstein para descobrir a energia nuclear e construir bombas atómicas. Segundo os antepassados gregos a partícula mais da natureza era o átomo. Eles não chegaram a conhecer a natureza das partículas que constituem o átomo. Tal como os átomos são constituídos por um núcleo (que contém neutrões e protões) cercado de electrões que giram à volta deste tal como a terra gira à volta do sol. FISSÃO NUCLEAR: A fissão nuclear significa separar o núcleo dos átomos. Quando isto acontece dá-se uma tremenda reacção química libertando grande quantidade de energia luminosa e calorífica. Quando o núcleo do átomo é separado lentamente, a energia gerada pode ser transformada em energia eléctrica. Se a fissão nuclear for brusca dá-se uma explosão criando-se assim a bomba atómica. Numa centra nuclear os átomos do urânio são separados. Este metal raro é extraído do subsolo através de minas. O urânio é trabalhado e repartido por pequenas balas colocadas num longo varão. O varão esta dentro de um reactor que controla a separação atómica e a sua reacção. Geralmente, a radiação refere-se a ondas ou partículas de alta energia emitidas por fontes naturais ou artificiais (geradas pelo homem). As lesões dos tecidos podem ser provocadas por uma breve exposição a altos valores de radiação ou então por uma exposição prolongada a baixos níveis. Alguns efeitos adversos da radiação duram pouco tempo. Outros provocam doenças crónicas. Os primeiros efeitos de doses elevadas tornam-se óbvios em questão de minutos ou nos dias posteriores à exposição. Outros efeitos só são evidentes semanas, meses e até anos depois. As mutações do material genético celular dos órgãos sexuais só se podem tornar evidentes se a pessoa exposta à radiação tiver filhos. Essas crianças podem nascer com defeitos genéticos. Causas: No passado, as fontes prejudiciais de radiação incluíam só os raios X e os materiais radioactivos naturais, como o urânio e o rádio. Os raios X, que actualmente se utilizam para os testes de diagnóstico, provocam muito menos efeitos radioactivos do que os utilizados no passado. As fontes mais comuns de exposição a altos valores de radiação são os materiais radioactivos elaborados pelo homem, que se utilizam em diversos tratamentos médicos, laboratórios científicos, 2
  • 2. indústrias e reactores de energia nuclear. Escaparam, acidentalmente, grandes quantidades de radiação das centrais de energia nuclear, como a de Three Mile Island, na Pensilvânia (EUA), em 1979, e a de Chernobyl (Ucrânia), em 1986. O acidente de Three Mile Island não provocou uma grande exposição radioactiva. De facto, as pessoas que viviam a uma distância aproximadamente de 1,5 km da central receberam menos radiação do que a quantidade de raios X que qualquer pessoa, em média, recebe num ano. No entanto, as pessoas que viviam perto da central de Chernobyl foram expostas a muito mais radioactividade. Mais de 30 afectados morreram e muitos outros sofreram ferimentos. A radiação desse acidente chegou à Europa, à Ásia e aos Estados Unidos. Radioactividade é um fenómeno natural ou artificial, pelo qual algumas substâncias ou elementos químicos, chamados radioactivos, são capazes de emitir radiações, as quais têm a propriedade de impressionar placas fotográficas, ionizar gases, produzir fluorescência, atravessar corpos opacos à luz ordinária, etc. As radiações emitidas pelas substâncias radioactivas são principalmente partículas alfa, partículas beta e raios gama. APLICAÇÃO DA ENERGIA NUCLEAR: NA SAÚDE A radioactividade é uma forma de energia nuclear, usada em medicina (radioterapia), e consiste no fato de alguns átomos como os do urânio, rádio e tório serem “instáveis”, perdendo constantemente partículas alfa, beta e gama. Uma ferramenta importante no tratamento e diagnóstico de doenças são os radiofármacos, que são obtidos a partir de radioisótopos produzidos em reatores nucleares ou em aceleradores de partículas. Esses radioisótopos são, em geral, associados a substâncias químicas (fármacos) que se associam a órgãos ou tecidos específicos do corpo humano. Na medicina nuclear, os radiofármacos são injectados no paciente, concentrando- se no local a ser examinado e emitindo radiação, que, por sua vez, é detectada no exterior do corpo por um detector apropriado, que pode transformar essa informação em imagens, permitindo ao médico observar o funcionamento daqueles órgãos. APLICAÇÕES NUCLEARES NA INDÚSTRIA, AGRICULTURA E ALIMENTOS É muito variada e extensa a gama de aplicações da radiação e dos radioisótopos na indústria. Destacam-se, principalmente, a esterilização de produtos farmacêuticos, beneficiamento de materiais poliméricos, melhorando as suas propriedades, o controle de processo industriais (utilização de traçadores e utilização de fontes seladas), a cura de tintas e vernizes, o beneficiamento de gemas e outras. A irradiação de alimentos vem emergindo como uma técnica altamente viável para o tratamento sanitário e fitossanitário de vários produtos agrícolas, tais como, carnes, frutas frescas, especiarias e vegetais. RISCOS E BENEFICIOS DO USO DA ENERGIE NUCLEAR O conceito de agricultura sustentável envolve o manejo adequado dos recursos naturais, evitando a degradação do ambiente de forma a permitir a satisfação das necessidades humanas das gerações actuais e futuras. Ultimamente, a preocupação da sociedade com o impacto da agricultura no ambiente e a contaminação da cadeia alimentar com pesticidas vem alterando esse cenário, expressando-se pela presença de segmentos de mercado ávidos por produtos agrícolas diferenciados, tanto aqueles produzidos sem uso de pesticidas como por aqueles portadores de selos informando de que os pesticidas foram utilizados adequadamente. Como bem dizia o físico Robert Oppenheimer, diretor do projeto Manhattan, que deu origem à primeira bomba atômica do mundo, “não existe uma energia nuclear para a paz e outra para a guerra, as duas saem da mesma fonte”. No entanto, esses mecanismos nem sempre funcionam – vide os inúmeros acidentes que já aconteceram com reatores nucleares. É justamente aí que mora o perigo. 2
  • 3. Opinião: A produção de energia eléctrica em centrais nucleares é mais rentável do que nas térmicas, mas não tão rentável assim. O investimento numa central nuclear é enorme porque, além dos requisitos inerentes à produção, a segurança é importantíssima. Só muitos anos depois é que o investimento tem retorno. Depois, o principal problema da energia nuclear (além da segurança) é os resíduos, para os quais ainda não há uma solução. Os resíduos mantêm-se radioactivos por milhares de anos. FORMADOR: Rodrigo Anacleto FORMANDO: Anisabel santos N: 5 Turma: EFA: 3 S ÁREA DE FORMAÇÃO: STcCien. – 2 (t) Saúde e bem estar Degradação Catástrofe 2
  • 4. 2