SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
GOM - GERÊNCIA DE APOIO À OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica
Edição Data Alterações em relação a edição anterior
1ª 26/06/14 Edição inicial
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
Objetivo
A Gerência de Apoio à Operação e Manutenção, GOM, está implantando
a manutenção preventiva nas regionais da Caern.
Esta apostila tem o objetivo de guiar os profissionais da Caern a realizar
a manutenção preventiva dos equipamentos elétricos em suas respectivas
regionais.
Essas manutenções serão fiscalizadas pela GOM e as mesmas deverão
ser relatadas em forma de Ordem de serviço (modelo em anexo) para que haja
a devida documentação e controle.
Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva
Os eletromecânicos e eletrotécnicos que realizarão a manutenção
preventiva nas instalações elétricas deverão utilizar equipamentos de proteção
individual (EPI’s) para prevenir danos físicos que possam ser causados pelos
riscos existentes da atividade. Os EPI’s são os seguintes:
 Botas de proteção (eletricista)
 Protetores auriculares
 Óculos de proteção
 Luvas isolantes de borracha/couro
 Capacete
Além da utilização de EPIs, devem ser tomadas algumas medidas de
controle para se minimizar ainda mais o nível de risco:
 Utilizar vestimentas adequadas às atividades;
 É proibido o uso de adornos pessoais;
 Garantir iluminação adequada e uma posição de trabalho
segura, tendo os membros superiores livres para a realização
das tarefas;
 Não improvisar EPI’S;
 Caso sejam observadas circunstâncias que impossibilitem a
execução da tarefa, consultar o chefe imediato ou responsável
pela operação e manutenção do setor.
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
Manutenção Preventiva Bimestral
A manutenção preventiva bimestral independe da rotina de manutenção
preditiva realizada pela GOM e deve ser efetuada a cada dois meses em cada
estação. Para a realização desta manutenção, os funcionários devem possuir
os seguintes materiais:
• Sensor térmico
• Alicate multiteste
• Haste para aterramento temporário
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
• Placa de sinalização de impedimento de reenergização
• Material para limpeza dos quadros e reaperto das conexões
Figura 1: Materiais utilizados na manutenção preventiva
Sequência de Etapas
Os procedimentos listados abaixo compõem a manutenção preventiva
bimestral e serão detalhados logo em seguida.
1- Entrada de Energia e Subestação
 Verificar as condições da estrutura de entrada (poste, cruzeta,
isoladores)
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
 Verificar as condições dos Protetores de Surto de Tensão (Pára-
raios): Observar se há a conexão dos para-raios com o aterramento e
sua integridade
Figura 2: Exemplo de pára-raios danificados (quebrado e sem aterramento)
 Quando possível, verificar o elo fusível, de acordo com a tabela 01
a seguir (Norma da Cosern “Fornecimento de Energia Elétrica em
Tensão Primária de Distribuição - 13,8 kV”)
Tabela 01 – Elo fusível adequado de acordo com a potência do transformador
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
 Verificar o aterramento dos transformadores
 Verificar as temperaturas dos transformadores e das conexões da
subestação abrigada com o sensor térmico
2- Quadros de comando – Sistemas Energizados
 Verificar a temperatura dos componentes
Os cabos, conexões e terminais se deterioram quando conduzem uma
corrente acima de sua capacidade. O desgaste reduz a capacidade de
condução e a qualidade da isolação, o que aumenta o risco de incêndio.
Para temperaturas acima de 70°C em cabos e 80°C em terminais de
conexão, investigar as possíveis causas: folgas nas conexões,
subdimensionamento dos cabos, terminais ou conexões, desequilíbrio da
rede de distribuição de energia, avaria nos enrolamentos do motor,
emendas mal feitas nos cabos, entre outros.
Figura 3: Exemplo de sobreaquecimento em cabos devido à conexão folgada
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
Figura 4: Exemplo de sobreaquecimento em base de fusível folgada
• Identificar ruídos incomuns
Geralmente são causados por folgas nas conexões internas dos
contatores, no entanto nada impede a ocorrência em outros equipamentos. As
folgas podem ocasionar um superaquecimento nas conexões, podendo
incendiar o equipamento.
Figura 5: Visualização do interior do contactor
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
 Verificar desequilíbrios de tensão e corrente nas 3 fases com o
alicate multiteste
Um pequeno desequilíbrio de tensão da ordem de 2,3%,é responsável por um
desequilíbrio de corrente da ordem de 17%, juntamente com uma elevação de
temperatura de 30°C; a cada 10 °C de elevação de temperatura, a vida útil da
isolação de um motor elétrico diminui pela metade. Pode ocorrer também:
1. Redução do conjugado disponível para a carga, pela existência de
componente de campo magnético girante em sentido contrário ao da
rotação do motor;
2. Produção de esforços mecânicos axiais e radiais sobre o eixo, com o
aparecimento de vibrações, ruídos, batimento, desgaste e o
aquecimento excessivo dos mancais em consequência de correntes
parasitas que podem aparecer no sistema eixo-mancais-terra;
3. Diminuição da vazão (Operação através de registros semi-abertos)
Na ocorrência de desequilíbrios, os próprios funcionários (Engenheiro
Eletricista ou Eletrotécnico de preferência) responsáveis pela manutenção,
podem abrir um chamado na Cosern ligando 116 e em seguida telefonar para o
responsável pela manutenção local da Cosern (solicitar o número a Unidade de
Eficientização Energética – UEEN), solicitando celeridade no chamado para
efetuar a correção. Caso a ocorrência se torne permanente, deverão entrar em
contato com a UEEN, para que outras medidas cabíveis sejam tomadas.
 Verificar o funcionamento das proteções do motor
As proteções do motor impedem que este se danifique, portanto, sempre
devem estar em perfeito estado de funcionamento. Na detecção de alguma
falha nas proteções, estas devem ser reajustadas imediatamente. As proteções
mais usuais são as seguintes:
1. Proteção contra falta de fase;
2. Proteção de sobrecorrente (relé térmico): Este deve ser ajustado
de acordo com o fator de serviço do motor, ou 10% quando o fator
de serviço for 1 ou não for informado na placa do motor;
Exemplo: Dados do motor (22kW; 380V; 60Hz; Fator de Potência = 0,87,
Rendimento = 91,5%; Corrente Nominal = 42A)
Ajuste do relé de sobrecorrente para um fator de serviço igual a 1 (considera-se
10%): 42 x 1,10 = 46,2A.
Ajuste do relé de sobrecorrente para um fator de serviço igual a 1,15
42 x 1,15 = 48,3A.
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
3. Relé de nível ou subcorrente: No caso das moto-bombas
submersas, este relé é importante para evitar que o conjunto rode
à seco, pois a refrigeração deste se dá a partir da água que é
elevada, e sem a refrigeração adequada ocorre a queima do
motor. No caso da motobomba de eixo horizontal, esta proteção
evita a deterioração da bomba em virtude de um baixo fluxo de
água, que é a responsável pela refrigeração da mesma.
4. Relé de subtensão e sobretensão (supervisor trifásico): Os
ajustes deverão levar em conta uma variação de 10% para mais
ou para menos em cima da tensão nominal (380V), ou seja, a
tensão mínima deverá ser ajustada em 342V e a máxima em
418V.
3- Quadros de comando – Sistemas Desenergizados
 Desenergização:
a) seccionamento, desenergizando a área onde será realizada a manutenção;
b) impedimento de reenergização;
c) constatação da ausência de tensão;
d) instalação da sinalização de impedimento de reenergização.
 Limpar o quadro de comando
A poeira causa o isolamento térmico dos contatos e conexões elétricas,
prejudicando a dissipação de calor. Para a limpeza, podem ser utilizados
aspirador de pó, panos ou pincel.
 Reapertar todas as conexões
Quanto mais frouxa a conexão, a corrente circulará por uma área menor,
o que aumenta a temperatura e as perdas, podendo ocasionar incêndios.
 Reenergização
O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a
autorização para reenergização, devendo ser reenergizada respeitando a
sequência de procedimentos abaixo:
a) retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos;
b) retirada das proximidades de todos os trabalhadores não envolvidos
no processo de reenergização;
c) remoção do aterramento temporário e das proteções adicionais;
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
d) remoção da sinalização de impedimento de reenergização e do
aterramento temporário;
e) destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de
seccionamento.
Manutenção Preventiva Programada
Caso seja detectado algum problema mais grave na manutenção
preventiva bimestral, deverá ser agendada uma manutenção preventiva
programada. Para a realização deste tipo de manutenção, a regional poderá
solicitar o apoio da GOM.
Orientações Finais
Comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as
situações que considerar de risco para sua segurança e saúde e a de outras
pessoas. Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito
de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes
para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando
imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas
cabíveis.
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
ANEXO I
ORDEM DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO
Lembrando que o número da Ordem de Serviço e a Regional já estarão
impressos, o preenchimento da ordem de serviço de manutenção deve ser feito
da seguinte forma:
 Preencher a data e hora em que o serviço é iniciado
 Especificar qual o sistema e qual a estação em que está sendo realizada
 Especificar o tipo de manutenção que está sendo feita, são elas:
-Preventiva Bimestral
-Preventiva Programada
-Corretiva
 Detalhar os serviços realizados
 Anotar data e hora da conclusão
 Assinatura do responsável pela manutenção da Regional
Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014
GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção
OS Nº: _____________ Regional: ___________________________
Data e Hora de Início: ______/______/______ ______:______
Estação e Sistema: __________________________________________
Preventiva Bimestral ( ) Preventiva Programada ( )
Corretiva ( )
Serviços Realizados:
Data e Hora de Conclusão: ______/______/______ ______:______
Assinatura do Responsável: _________________________________________
GOM - Ordem de Serviço
de Manutenção
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
Tipo de
Manutenção:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

APR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxAPR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxARTHURDeoliveiraNeto
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariajccabral
 
Checklist de trabalho a quente.
Checklist de trabalho a quente.Checklist de trabalho a quente.
Checklist de trabalho a quente.Tuany Caldas
 
Check list prontuário NR 20
Check list prontuário NR 20Check list prontuário NR 20
Check list prontuário NR 20Ivo Americo Silva
 
Treinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circularTreinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circularLéo César Oliveira
 
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasAplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasUniversidade Federal Fluminense
 
procedimento-de-data-book
procedimento-de-data-bookprocedimento-de-data-book
procedimento-de-data-bookTony Fernandes
 
Anexo 4 lista verificao spda - final
Anexo 4   lista verificao spda - finalAnexo 4   lista verificao spda - final
Anexo 4 lista verificao spda - finalTAMEBRA CESS Ltda
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControleJaime Filho
 
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasAplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasUniversidade Federal Fluminense
 
Modelo+laudo+vistoria spda
Modelo+laudo+vistoria spdaModelo+laudo+vistoria spda
Modelo+laudo+vistoria spdaPaulo H Bueno
 

Mais procurados (20)

APR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxAPR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docx
 
Check List Talha Eletrica
Check List Talha EletricaCheck List Talha Eletrica
Check List Talha Eletrica
 
Procedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrãoProcedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrão
 
-Apr-Guindaste.pdf
-Apr-Guindaste.pdf-Apr-Guindaste.pdf
-Apr-Guindaste.pdf
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
 
Checklist de trabalho a quente.
Checklist de trabalho a quente.Checklist de trabalho a quente.
Checklist de trabalho a quente.
 
Check list prontuário NR 20
Check list prontuário NR 20Check list prontuário NR 20
Check list prontuário NR 20
 
Treinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circularTreinamento de operador de serra circular
Treinamento de operador de serra circular
 
Check List Plataforma Elevatória
Check List Plataforma ElevatóriaCheck List Plataforma Elevatória
Check List Plataforma Elevatória
 
Checklist NR12
Checklist NR12Checklist NR12
Checklist NR12
 
APR industrial
APR industrialAPR industrial
APR industrial
 
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasAplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
 
procedimento-de-data-book
procedimento-de-data-bookprocedimento-de-data-book
procedimento-de-data-book
 
Anexo 4 lista verificao spda - final
Anexo 4   lista verificao spda - finalAnexo 4   lista verificao spda - final
Anexo 4 lista verificao spda - final
 
Regras de ouro
Regras de ouroRegras de ouro
Regras de ouro
 
Plano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e ControlePlano Manutenção Operação e Controle
Plano Manutenção Operação e Controle
 
APR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).docAPR Solda e Corte (1).doc
APR Solda e Corte (1).doc
 
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasAplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
 
Nbr 14153
Nbr 14153Nbr 14153
Nbr 14153
 
Modelo+laudo+vistoria spda
Modelo+laudo+vistoria spdaModelo+laudo+vistoria spda
Modelo+laudo+vistoria spda
 

Semelhante a Manutenção elétrica preventiva Caern

DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfDME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfWendellCampos5
 
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricosAtividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricosDiegoAugusto86
 
130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sepDiego Sampaio
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosTiago Viegas
 
Medidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdfMedidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdfClesio Dias Junior
 
Protecao de motores em mt
Protecao de motores em mtProtecao de motores em mt
Protecao de motores em mtJorgeMartins208
 
Aula 09 dimensionamentos elétricos
Aula 09   dimensionamentos elétricosAula 09   dimensionamentos elétricos
Aula 09 dimensionamentos elétricosEdivaldo Blanco
 
Geração eólica curto circuito em aerogeradores
Geração eólica   curto circuito em aerogeradoresGeração eólica   curto circuito em aerogeradores
Geração eólica curto circuito em aerogeradoresWilson Braga Júnior
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoKeila Guedes
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoAndré Rodrigues
 
Apostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoApostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoClaudio Arkan
 
Medidas de controle
Medidas de controleMedidas de controle
Medidas de controleAndré Souza
 
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptNR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptCristianadaSilvaOLiv2
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnicaalessandro oliveira
 
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584Henrique Andrade
 

Semelhante a Manutenção elétrica preventiva Caern (20)

DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfDME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
 
Cap1 filosofia
Cap1 filosofia Cap1 filosofia
Cap1 filosofia
 
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricosAtividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
 
130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
 
MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf
MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdfMEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf
MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Medidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdfMedidas de controle de risco eletrico.pdf
Medidas de controle de risco eletrico.pdf
 
Protecao de motores em mt
Protecao de motores em mtProtecao de motores em mt
Protecao de motores em mt
 
Mce2a
Mce2aMce2a
Mce2a
 
Aula 09 dimensionamentos elétricos
Aula 09   dimensionamentos elétricosAula 09   dimensionamentos elétricos
Aula 09 dimensionamentos elétricos
 
Geração eólica curto circuito em aerogeradores
Geração eólica   curto circuito em aerogeradoresGeração eólica   curto circuito em aerogeradores
Geração eólica curto circuito em aerogeradores
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Apostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoApostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestação
 
Guia essencial tesys
Guia essencial tesysGuia essencial tesys
Guia essencial tesys
 
Medidas de controle
Medidas de controleMedidas de controle
Medidas de controle
 
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.pptNR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
NR10 - Aterramento, EPI, EPC, Responsabilidades-1.ppt
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
 
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
 

Último

Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 

Último (7)

Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 

Manutenção elétrica preventiva Caern

  • 1. GOM - GERÊNCIA DE APOIO À OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica Edição Data Alterações em relação a edição anterior 1ª 26/06/14 Edição inicial
  • 2. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção Objetivo A Gerência de Apoio à Operação e Manutenção, GOM, está implantando a manutenção preventiva nas regionais da Caern. Esta apostila tem o objetivo de guiar os profissionais da Caern a realizar a manutenção preventiva dos equipamentos elétricos em suas respectivas regionais. Essas manutenções serão fiscalizadas pela GOM e as mesmas deverão ser relatadas em forma de Ordem de serviço (modelo em anexo) para que haja a devida documentação e controle. Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva Os eletromecânicos e eletrotécnicos que realizarão a manutenção preventiva nas instalações elétricas deverão utilizar equipamentos de proteção individual (EPI’s) para prevenir danos físicos que possam ser causados pelos riscos existentes da atividade. Os EPI’s são os seguintes:  Botas de proteção (eletricista)  Protetores auriculares  Óculos de proteção  Luvas isolantes de borracha/couro  Capacete Além da utilização de EPIs, devem ser tomadas algumas medidas de controle para se minimizar ainda mais o nível de risco:  Utilizar vestimentas adequadas às atividades;  É proibido o uso de adornos pessoais;  Garantir iluminação adequada e uma posição de trabalho segura, tendo os membros superiores livres para a realização das tarefas;  Não improvisar EPI’S;  Caso sejam observadas circunstâncias que impossibilitem a execução da tarefa, consultar o chefe imediato ou responsável pela operação e manutenção do setor.
  • 3. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção Manutenção Preventiva Bimestral A manutenção preventiva bimestral independe da rotina de manutenção preditiva realizada pela GOM e deve ser efetuada a cada dois meses em cada estação. Para a realização desta manutenção, os funcionários devem possuir os seguintes materiais: • Sensor térmico • Alicate multiteste • Haste para aterramento temporário
  • 4. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção • Placa de sinalização de impedimento de reenergização • Material para limpeza dos quadros e reaperto das conexões Figura 1: Materiais utilizados na manutenção preventiva Sequência de Etapas Os procedimentos listados abaixo compõem a manutenção preventiva bimestral e serão detalhados logo em seguida. 1- Entrada de Energia e Subestação  Verificar as condições da estrutura de entrada (poste, cruzeta, isoladores)
  • 5. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção  Verificar as condições dos Protetores de Surto de Tensão (Pára- raios): Observar se há a conexão dos para-raios com o aterramento e sua integridade Figura 2: Exemplo de pára-raios danificados (quebrado e sem aterramento)  Quando possível, verificar o elo fusível, de acordo com a tabela 01 a seguir (Norma da Cosern “Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição - 13,8 kV”) Tabela 01 – Elo fusível adequado de acordo com a potência do transformador
  • 6. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção  Verificar o aterramento dos transformadores  Verificar as temperaturas dos transformadores e das conexões da subestação abrigada com o sensor térmico 2- Quadros de comando – Sistemas Energizados  Verificar a temperatura dos componentes Os cabos, conexões e terminais se deterioram quando conduzem uma corrente acima de sua capacidade. O desgaste reduz a capacidade de condução e a qualidade da isolação, o que aumenta o risco de incêndio. Para temperaturas acima de 70°C em cabos e 80°C em terminais de conexão, investigar as possíveis causas: folgas nas conexões, subdimensionamento dos cabos, terminais ou conexões, desequilíbrio da rede de distribuição de energia, avaria nos enrolamentos do motor, emendas mal feitas nos cabos, entre outros. Figura 3: Exemplo de sobreaquecimento em cabos devido à conexão folgada
  • 7. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção Figura 4: Exemplo de sobreaquecimento em base de fusível folgada • Identificar ruídos incomuns Geralmente são causados por folgas nas conexões internas dos contatores, no entanto nada impede a ocorrência em outros equipamentos. As folgas podem ocasionar um superaquecimento nas conexões, podendo incendiar o equipamento. Figura 5: Visualização do interior do contactor
  • 8. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção  Verificar desequilíbrios de tensão e corrente nas 3 fases com o alicate multiteste Um pequeno desequilíbrio de tensão da ordem de 2,3%,é responsável por um desequilíbrio de corrente da ordem de 17%, juntamente com uma elevação de temperatura de 30°C; a cada 10 °C de elevação de temperatura, a vida útil da isolação de um motor elétrico diminui pela metade. Pode ocorrer também: 1. Redução do conjugado disponível para a carga, pela existência de componente de campo magnético girante em sentido contrário ao da rotação do motor; 2. Produção de esforços mecânicos axiais e radiais sobre o eixo, com o aparecimento de vibrações, ruídos, batimento, desgaste e o aquecimento excessivo dos mancais em consequência de correntes parasitas que podem aparecer no sistema eixo-mancais-terra; 3. Diminuição da vazão (Operação através de registros semi-abertos) Na ocorrência de desequilíbrios, os próprios funcionários (Engenheiro Eletricista ou Eletrotécnico de preferência) responsáveis pela manutenção, podem abrir um chamado na Cosern ligando 116 e em seguida telefonar para o responsável pela manutenção local da Cosern (solicitar o número a Unidade de Eficientização Energética – UEEN), solicitando celeridade no chamado para efetuar a correção. Caso a ocorrência se torne permanente, deverão entrar em contato com a UEEN, para que outras medidas cabíveis sejam tomadas.  Verificar o funcionamento das proteções do motor As proteções do motor impedem que este se danifique, portanto, sempre devem estar em perfeito estado de funcionamento. Na detecção de alguma falha nas proteções, estas devem ser reajustadas imediatamente. As proteções mais usuais são as seguintes: 1. Proteção contra falta de fase; 2. Proteção de sobrecorrente (relé térmico): Este deve ser ajustado de acordo com o fator de serviço do motor, ou 10% quando o fator de serviço for 1 ou não for informado na placa do motor; Exemplo: Dados do motor (22kW; 380V; 60Hz; Fator de Potência = 0,87, Rendimento = 91,5%; Corrente Nominal = 42A) Ajuste do relé de sobrecorrente para um fator de serviço igual a 1 (considera-se 10%): 42 x 1,10 = 46,2A. Ajuste do relé de sobrecorrente para um fator de serviço igual a 1,15 42 x 1,15 = 48,3A.
  • 9. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção 3. Relé de nível ou subcorrente: No caso das moto-bombas submersas, este relé é importante para evitar que o conjunto rode à seco, pois a refrigeração deste se dá a partir da água que é elevada, e sem a refrigeração adequada ocorre a queima do motor. No caso da motobomba de eixo horizontal, esta proteção evita a deterioração da bomba em virtude de um baixo fluxo de água, que é a responsável pela refrigeração da mesma. 4. Relé de subtensão e sobretensão (supervisor trifásico): Os ajustes deverão levar em conta uma variação de 10% para mais ou para menos em cima da tensão nominal (380V), ou seja, a tensão mínima deverá ser ajustada em 342V e a máxima em 418V. 3- Quadros de comando – Sistemas Desenergizados  Desenergização: a) seccionamento, desenergizando a área onde será realizada a manutenção; b) impedimento de reenergização; c) constatação da ausência de tensão; d) instalação da sinalização de impedimento de reenergização.  Limpar o quadro de comando A poeira causa o isolamento térmico dos contatos e conexões elétricas, prejudicando a dissipação de calor. Para a limpeza, podem ser utilizados aspirador de pó, panos ou pincel.  Reapertar todas as conexões Quanto mais frouxa a conexão, a corrente circulará por uma área menor, o que aumenta a temperatura e as perdas, podendo ocasionar incêndios.  Reenergização O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a autorização para reenergização, devendo ser reenergizada respeitando a sequência de procedimentos abaixo: a) retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos; b) retirada das proximidades de todos os trabalhadores não envolvidos no processo de reenergização; c) remoção do aterramento temporário e das proteções adicionais;
  • 10. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção d) remoção da sinalização de impedimento de reenergização e do aterramento temporário; e) destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de seccionamento. Manutenção Preventiva Programada Caso seja detectado algum problema mais grave na manutenção preventiva bimestral, deverá ser agendada uma manutenção preventiva programada. Para a realização deste tipo de manutenção, a regional poderá solicitar o apoio da GOM. Orientações Finais Comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as situações que considerar de risco para sua segurança e saúde e a de outras pessoas. Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.
  • 11. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção ANEXO I ORDEM DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO Lembrando que o número da Ordem de Serviço e a Regional já estarão impressos, o preenchimento da ordem de serviço de manutenção deve ser feito da seguinte forma:  Preencher a data e hora em que o serviço é iniciado  Especificar qual o sistema e qual a estação em que está sendo realizada  Especificar o tipo de manutenção que está sendo feita, são elas: -Preventiva Bimestral -Preventiva Programada -Corretiva  Detalhar os serviços realizados  Anotar data e hora da conclusão  Assinatura do responsável pela manutenção da Regional
  • 12. Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica – Versão 1 - 26/06/2014 GOM - Gerência de Apoio à Operação e Manutenção OS Nº: _____________ Regional: ___________________________ Data e Hora de Início: ______/______/______ ______:______ Estação e Sistema: __________________________________________ Preventiva Bimestral ( ) Preventiva Programada ( ) Corretiva ( ) Serviços Realizados: Data e Hora de Conclusão: ______/______/______ ______:______ Assinatura do Responsável: _________________________________________ GOM - Ordem de Serviço de Manutenção ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ ______________________________________________________ Tipo de Manutenção: